Confissões - Livro XI

Senhor, desde que a eternidade é Tua, ignoras o que eu digo a Ti? ou verás a tempo o que passa no tempo? Por que então eu coloco em ordem diante de Tantas relações? Não é verdade que Tu poderás aprendê-las através de mim, mas despertar a minha devoção e a dos meus leitores para com Ti, para que todos digamos: “Grande é o Senhor, e grandemente para ser louvado”. Eu já disse; e mais uma vez dirá, por amor do Teu amor eu faço isso. Por orarmos também, e no entanto a Verdade disse: Seu Pai sabe do que você precisa, antes de pedir. É então nossas afeições que nos abrimos a Ti, confessando nossas próprias misérias, e Tuas misericórdias sobre nós, para que nos libertes totalmente, desde que começaste, para que deixemos de ser miseráveis ​​em nós mesmos, e abençoados em Ti. ; Vós nos chamaste, para tornar-vos pobres em espírito e mansos e aflitos, e famintos e sedentos de justiça e misericordiosos e puros de coração e pacificadores. Vê, eu te disse muitas coisas, como pude e como eu gostaria, porque primeiro querias que eu confessasse a Ti, meu Senhor Deus. Porque és bom, porque a tua benignidade dura para sempre.

Mas como poderei eu, com a língua da minha pena, proferir todas as Tuas exortações e todos os Teus terrores, consolos e orientações, por meio dos quais me trouxeste para pregar a Tua Palavra e distribuir o Teu Sacramento para o Teu povo? E se eu for suficiente para pronunciá-las em ordem, as gotas do tempo são preciosas comigo; e por muito tempo ardi para meditar na tua lei, e nela confessar a Ti minha habilidade e falta de habilidade, o alvorecer de Tua iluminação e os restos de minhas trevas, até que a fraqueza seja absorvida pela força. E eu não teria nada além de roubar aquelas horas que eu acho livres das necessidades de refrescar meu corpo e os poderes de minha mente, e do serviço que devemos aos homens, ou que, embora não devamos, ainda pagamos.

Ó Senhor meu Deus, ouve a minha oração e deixa que a Tua misericórdia ouve o meu desejo; porque não está só ansiosa por mim mesma, mas serve à caridade fraterna; e tu vês o meu coração, assim é. Eu sacrificaria a Ti o serviço do meu pensamento e língua; Dá-me o que eu posso te oferecer. Porque eu sou pobre e necessitado, rico para todos os que clamam a ti; Quem, inacessível para cuidar, cuida de nós. Circuncidar-se de toda a precipitação e de todos os meus lábios interiores e exteriores: sejam as tuas Escrituras em puro prazer: não me deixes enganar nelas, nem iludi-las. Senhor, ouve e tem piedade, ó Senhor meu Deus, Luz dos cegos e Força dos fracos; sim também luz daqueles que vêem e força do forte; escute a minha alma e ouça-a clamando das profundezas. Porque, se também as nossas orelhas não estiverem conosco nas profundezas, para onde iremos? para quem chorar? O dia é teu, e a noite é tua; em teu momento os momentos fogem. Conceda-lhe um espaço para nossas meditações nas coisas ocultas de Tua lei, e não a feche contra nós que batemos. Pois em vão não terás os obscuros segredos de tantas páginas escritas; nem são aquelas florestas sem seus cervos que se retiram nela e andam e andam; alimentar, deitar e ruminar. Aperfeiçoa-me, ó Senhor, e revela-as para mim. Eis que a tua voz é a minha alegria; Tua voz excede a abundância de prazeres. Dê o que eu amo: porque eu amo; e isto tu tens dado: não abandones os teus próprios dons, nem desprezes a tua erva verde que tem sede. Deixe-me confessar-Te tudo o que eu vou encontrar em teus livros, e ouvir a voz de louvor, e beber em ti, e meditar sobre as coisas maravilhosas da tua lei; Desde o princípio, tu fazes o céu e a terra, para o eterno reino de Tua santa cidade.

Senhor, tem misericórdia de mim e ouve o meu desejo. Pois não é, eu julgo, da terra, não de ouro e prata, e pedras preciosas, ou vestes magníficas, ou honrarias e ofícios, ou os prazeres da carne, ou bens necessários para o corpo e para esta vida de nossa peregrinação. tudo o que deve ser acrescentado àqueles que buscam o teu reino e a tua justiça. Veja, ó Senhor meu Deus, onde está meu desejo. Os ímpios me contaram delícias, mas não como a tua lei, ó Senhor. Eis onde está meu desejo. Veja, Pai, eis, veja e aprove; e seja agradável à vista da Tua misericórdia, para que eu encontre a graça diante de Ti, para que as partes internas das Tuas palavras se abram para mim, batendo. Suplico, por nosso Senhor Jesus Cristo, o Teu Filho, o Homem da Tua destra, o Filho do homem, que estabeleceste para ti, como Teu Mediador e nosso, por Quem Tu nos buscas, não te buscando, mas nos procurando, que nós poderemos buscá-lo, por que a palavra, através da qual tu fazes todas as coisas, e entre eles, eu também, por que unigênito, através do qual tu chamas a adoção do povo crente, e também a mim, peço-te por ele que está assentado à tua destra e intercede contigo por ti, em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. Estes eu procuro em Teus livros. Dele Moisés escreveu; isso diz-se; isso diz a verdade.

Eu ouvia e entendia como "No começo Tu abocanharás o céu e a terra". Moisés escreveu isso, escreveu e partiu, passou de Ti a Ti; nem ele está agora diante de mim. Pois se ele fosse, eu o seguraria e perguntaria a ele, e imploraria a ele para abrir estas coisas para mim, e colocaria as orelhas do meu corpo para os sons que saíam de sua boca. E se ele falasse hebraico, em vão isso atingiria meus sentidos, e nada disso tocaria minha mente; mas se for latim, eu deveria saber o que ele disse. Mas de onde eu deveria saber se ele falou a verdade? Sim, e se eu soubesse disso também, deveria saber dele? Verdadeiramente dentro de mim, dentro, na câmara de meus pensamentos, a Verdade, nem hebraico, nem grego, nem latim, nem bárbaro, sem órgãos de voz ou língua, ou som de sílabas, diriam: "É verdade", e eu imediatamente deve dizer com confiança àquele homem de Teu: "tu dizes verdadeiramente". Considerando que, então, eu não posso perguntar-lhe, tu, tu implorando, ó verdade, cheio de quem ele disse a verdade, tu, meu Deus, eu suplico, perdoa os meus pecados; e tu, que lhe deste o teu servo para falar estas coisas, dá-me também para entendê-las.

Eis que os céus e a terra são; eles proclamam que eles foram criados; porque eles mudam e variam. Enquanto tudo o que não foi feito, e contudo é, não tem nele nada que não o tenha feito antes; e isso é, mudar e variar. Eles também proclamam que não fizeram a si mesmos; "portanto somos, porque fomos feitos; não éramos, portanto, antes de sermos, para nos fazermos". Agora, a evidência da coisa, é a voz dos alto-falantes. Tu, portanto, Senhor, faz com que eles; que são bonitos, porque são lindos; que são bons, porque são bons; quem é a arte, porque eles são; todavia não são belas nem boas, nem são elas, como Tu és a arte do Criador; comparado com Quem, eles não são nem bonitos, nem bons, nem são. Isso nós sabemos, graças a Ti. E nosso conhecimento, comparado com o Teu conhecimento, é ignorância.

Mas como fizeste o céu e a terra? e qual o motor de Teu tecido tão poderoso? Pois não era como um artífice humano, formando um corpo de outro, de acordo com a discrição de sua mente, que pode de alguma forma investir com tal forma, como se vê em si mesmo por seu olho interior. E de onde ele deveria ser capaz de fazer isso, a menos que Tu tivesses feito essa mente? e ele investe com uma forma o que já existe, e tem um ser, como barro, ou pedra, ou madeira, ou ouro, ou algo semelhante. E de onde deveriam estar, não os designaste? Tu fazes com que o artífice seu corpo, Tu a mente comandando os membros, Tu o assunto de que ele faz qualquer coisa; Tu és a apreensão por meio do qual para tomar em sua arte, e ver dentro do que ele faz sem; Tu, o sentido de seu corpo, pelo qual, como por um intérprete, ele pode, da mente para a matéria, transmitir aquilo que ele faz, e reportar à sua mente o que é feito; que dentro de si pode consultar a verdade, que se sobrepõe, seja bem feito ou não. Todos esses louvores a Ti, o Criador de todos. Mas como tu os fazes? como, ó Deus, fizeste o céu e a terra? Em verdade, nem no céu nem na terra fizeste o céu e a terra; nem no ar, nem nas águas, vendo que estes também pertencem ao céu e à terra; nem no mundo inteiro fizeste o mundo todo; porque não havia lugar onde fazê-lo, antes de ser feito, que poderia ser. Nem Teu possuía nada em Tua mão, do que fazer o céu e a terra. Pois de onde deverias fazer aquilo que não fizeste para fazer alguma coisa? Pois o que é, mas porque és tu? Por isso tu falaste, e eles foram feitos, e na tua palavra tu os fizeste.

Mas como falaste? No caminho que a voz saiu da nuvem, dizendo: Este é o meu amado Filho? Pois aquela voz passou e passou, começou e terminou; as sílabas soaram e passaram, a segunda depois da primeira, a terceira depois da segunda e assim por diante, até a última depois do resto, e o silêncio após a última. De onde é abundantemente claro e claro que o movimento de uma criatura o expressou, temporalmente, servindo à Tua vontade eterna. E estas Tuas palavras, criadas por um tempo, o ouvido externo relataram à alma inteligente, cujo ouvido interior estava ouvindo Tua Eterna Palavra. Mas ela comparou estas palavras soando no tempo, com a Tua Palavra Eterna em silêncio, e disse: "É diferente, muito diferente. Estas palavras estão muito abaixo de mim, nem são, porque elas fogem e desaparecem; mas a Palavra da minha O Senhor está acima de mim para sempre. Se, então, ao soar e passar palavras, disseste que o céu e a terra deveriam ser feitos, e o mais louco céu e terra, havia uma criatura corpórea diante do céu e da terra, por cujos movimentos no tempo essa voz poderia seguir seu curso no tempo. Mas não havia nada corpóreo diante do céu e da terra; ou, se houvesse, certamente Tu, sem essa voz passageira, criaste aquilo de que, para fazer esta voz passageira, dizer: Que o céu e a terra sejam feitos. Pois o que quer que fosse, de onde foi feita tal voz, a menos que por Ti fosse feita, não poderia ser de modo algum. Por que palavra falaste então, para que se fizesse um corpo, por meio do qual estas palavras pudessem ser feitas outra vez?

Tu nos chama então a entender a Palavra, Deus, com Ti Deus, que é falado eternamente, e por Ele são todas as coisas ditas eternamente. Pois o que foi falado não foi falado sucessivamente, uma coisa concluiu que o próximo poderia ser falado, mas todas as coisas juntas e eternamente. Mais temos tempo e mudamos; e não uma verdadeira eternidade nem verdadeira imortalidade. Isto eu sei, ó meu Deus, e agradeço. Eu sei, confesso a Ti, ó Senhor, e comigo conhece e abençoa a Ti, o que não é inaceitável para assegurar a Verdade. Nós sabemos, Senhor, nós sabemos; visto que, na medida em que nada é o que foi e é o que não foi, assim dali em diante morre e se levanta. Nada, então, da Tua Palavra dará lugar ou substituirá, porque é verdadeiramente imortal e eterno. E, portanto, para a Palavra coeterna com Tu, tu dás de uma vez e eternamente diz tudo o que Tu dizes; e tudo o que digas ser feito é feito; nem tu fazes, a não ser dizendo; e todavia não são todas as coisas feitas juntas ou eternas, que Tu fazes dizendo.

Por que eu peço a Ti, ó Senhor meu Deus? Eu vejo isso de certa forma; mas como expressá-lo, eu não sei, a menos que seja, que tudo o que começa a ser, e deixa de ser, começa então, e deixa de existir, quando em Tua Eterna Razão é conhecido, que deve começar ou sair fora; em que Razão nada começa ou desaparece. Esta é a Tua Palavra, que também é "o princípio, porque também nos fala". Assim no Evangelho Ele fala através da carne; e isso soou externamente aos ouvidos dos homens; para que possa ser acreditado e buscado interiormente, e encontrado na eterna Verdade; onde o bom e único Mestre ensina todos os seus discípulos. Ali, Senhor, ouça eu a tua voz que me fala; porque nos fala, quem nos ensina; mas aquele que não nos ensina, embora fale a nós, não fala. Quem nos ensina agora, mas a Verdade imutável? porque até quando somos admoestados por uma criatura mutável; somos apenas conduzidos à Verdade imutável; onde aprendemos verdadeiramente, enquanto nos levantamos e ouvimos, e nos regozijamos grandemente por causa da voz do Noivo, restaurando-nos a Ele, de quem somos. E, portanto, o começo, porque a menos que tenha permanecido, não devemos, quando nos desviarmos, voltar para onde. Mas quando retornamos do erro, é através do conhecimento; e para que possamos saber, Ele nos ensina, porque Ele é o Princípio e fala para nós.

Neste Princípio, ó Deus, fizeste o céu e a terra na Tua Palavra, no Teu Filho, no Teu Poder, na Tua Sabedoria, na Tua Verdade; maravilhosamente falando, e maravilhosamente fazendo. Quem deve compreender? Quem declara isso? O que é aquilo que brilha através de mim e atinge meu coração sem machucá-lo; e eu estremeço e acendo? Estremeço, visto que sou diferente dela; Eu acendo, na medida em que sou assim. É a Sabedoria, o eu da Sabedoria que brilha através de mim; cortando a minha nebulosidade que mais uma vez me envolve, desmaiando, através das trevas que, para minha punição, recolhem sobre mim. Porque a minha força é reduzida em necessidade, de modo que não posso sustentar as minhas bênçãos, até que Tu, Senhor, que foste gracioso a todas as minhas iniquidades, cure todas as minhas enfermidades. Porque também eu remir a minha vida da corrupção, e coroai-me com benignidade e terna misericórdia, e satisfarei o meu desejo com coisas boas, porque a minha juventude será renovada como a de uma águia. Porque na esperança somos salvos, por isso, pela paciência, esperamos pelas tuas promessas. Aquele que é poderoso, ouça Ti discursando interiormente de Teu oráculo: ousadamente clamarei: Quão maravilhosas são as tuas obras, ó Senhor, em Sabedoria fizeste todas elas; e esta Sabedoria é o Princípio, e naquele Princípio fizeste o céu e a terra.

Eis que eles não estão cheios do seu velho fermento, que nos dizem: "O que Deus estava fazendo antes de fazer o céu e a terra? Porque se (dizem eles) Ele estava desempregado e não trabalhado, por que Ele também não dali em diante? Nunca, como Ele fez até agora? Pois surgiu algum novo movimento em Deus, e uma nova vontade de criar uma criatura, que Ele nunca havia feito antes, como então isso seria uma verdadeira eternidade, onde surge uma vontade, que não era "Pois a vontade de Deus não é uma criatura, mas antes da criatura; não se pode criar nada, a menos que a vontade do Criador tenha precedido. A vontade de Deus pertence então à Sua própria Substância. E se alguma coisa surgiu na Substância de Deus que antes não era, que a Substância não pode ser verdadeiramente chamada eterna. Mas se a vontade de Deus tem sido desde a eternidade que a criatura deveria ser, porque não era a criatura também da eternidade? "

Quem fala assim, ainda não te entende, ó sabedoria de Deus, luz de alma, não entende ainda como se fazem as coisas, que por ti e em ti são feitas; contudo, se esforçam para compreender as coisas eternas, enquanto o coração delas se agita. entre os movimentos das coisas passadas e futuras, e ainda é instável. Quem deve segurá-lo e consertá-lo, para que seja resolvido por algum tempo, e por algum tempo capture a glória daquela Eternidade sempre fixada, e compare-a com os tempos que nunca são fixos, e veja que isto não pode ser comparado; e que um longo tempo não pode se tornar longo, mas de muitos movimentos passando, que não podem ser prolongados por completo; mas que no Eterno nada passa, mas o todo está presente; enquanto que nenhum tempo é todo de uma só vez presente: e que todo o tempo passado, é impulsionado pelo tempo por vir, e tudo o que há a seguir segue sobre o passado; e todo o passado e futuro é criado e flui daquilo que está sempre presente? Quem segurará o coração do homem para que fique quieto e veja como a eternidade, sempre em pé, nem passada nem futura, profere os tempos passados ​​e futuros? Pode a minha mão fazer isso, ou a mão da minha boca pelo discurso provocar uma coisa tão grande?

Veja, eu respondo a ele que pergunta: "O que Deus fez antes de fazer o céu e a terra?" Não respondo como se diz que se fez alegremente (iludindo a pressão da pergunta): "Ele estava preparando o inferno (diz ele) para os pregadores em mistérios". Uma coisa é responder às perguntas, outra é fazer brincadeiras com os investigadores. Então eu não respondo; pois antes eu respondia: "Não sei", o que não sei, a fim de rir de quem pede coisas profundas e de receber louvor a quem responde a coisas falsas. Mas eu digo que Tu, nosso Deus, és o Criador de toda criatura: e se pelo nome "céu e terra", toda criatura será entendida; Digo com ousadia: "Antes de Deus criar o céu e a terra, Ele não fez nada". Pois se Ele criou, o que Ele fez senão uma criatura? E eu saberia tudo o que desejo saber em meu proveito, como eu sei, que nenhuma criatura foi feita antes de haver sido criada.

Mas se algum cérebro itinerante percorresse as imagens de épocas predeterminadas, e se perguntar que Tu, o Deus Todo-Poderoso e Todo-Criador e Todo-apoiador, Criador do céu e da terra, resistiu por inúmeras eras a tão grande obra, antes que Tu fizesse isto; deixe-o acordar e considerar, que ele se maravilha com falsos conceitos. Pois de onde poderiam passar inumeráveis ​​eras, que Tu não fazes, Tu o Autor e Criador de todas as eras? ou que horas deveriam haver, que não foram feitas por Ti? ou como eles devem passar, se nunca foram? Vendo, então, Tu és o Criador de todos os tempos, se algum tempo foi antes de você conquistar o céu e a terra, por que dizem que Tu renunciaste ao trabalho? Por muito tempo fizeste, nem podias passar tempos, antes que Tu abata esses tempos. Mas se antes do céu e da terra não havia tempo, por que é exigido, o que Tu fizeste então? Pois não havia "então", quando não havia tempo.

Nem tu, pelo tempo, precede o tempo: de outro modo não deverás preceder todos os tempos. Mas tu precedes todas as coisas passadas, pela sublimidade de uma eternidade sempre presente; e supera todo o futuro porque são futuros, e quando eles vierem, eles serão passados; mas tu és o mesmo, e os teus anos não falham. Os teus anos não vêm nem vão; enquanto os nossos vêm e vão, para que todos possam vir. Os teus anos estão juntos, porque estão em pé; nem se afastam por anos vindouros, porque não passam; mas todos seremos quando não voltarem a ser. Teus anos são um dia; e o teu dia não é diário, mas hoje, visto que o teu dia de hoje não é dado amanhã, porque não o substitui ontem. Thy To-day, é a eternidade; Por isso fizeste o Coeternal, a quem disseste: Hoje te gerei. Tu fizeste todas as coisas; e antes de todos os tempos Tu és: nem em nenhum momento foi o tempo não.

Em nenhum momento fizeste coisa alguma, porque o tempo em ti és o que fazes. E não há tempos coeternos contigo, porque tu permaneces; mas se eles morassem, não deveriam ser tempos. Por que tempo? Quem pode prontamente e brevemente explicar isso? Quem pode, mesmo em pensamento, compreendê-lo, de modo a pronunciar uma palavra sobre isso? Mas o que no discurso mencionamos mais familiar e conscientemente do que o tempo? E entendemos quando falamos disso; nós também entendemos quando ouvimos falar de outro. Então o que é tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei: se eu quiser explicar para alguém que pergunta, eu não sei; no entanto, digo corajosamente que sei que, se nada passou, o passado não foi; e se nada estivesse vindo, um tempo para vir não era; e se nada fosse, o tempo presente não era. Aqueles dois tempos então, passado e futuro, como eles estão, vendo o passado agora não é, e o que virá ainda não é? Mas o presente deve sempre estar presente, e nunca passar no tempo passado, em verdade, não deve ser o tempo, mas a eternidade. Se o tempo presente (se for para o tempo) só vem à existência, porque passa no tempo passado, como podemos dizer que ou isto é, cuja causa de ser é, que não será; então, a saber, que não podemos verdadeiramente dizer que o tempo é, mas porque não está tendendo a ser?

E, no entanto, dizemos "muito tempo" e "pouco tempo"; ainda, só de tempo passado ou para vir. Um longo tempo passado (por exemplo) nós chamamos cem anos desde; e muito tempo para vir, daqui a cem anos. Mas pouco tempo depois, ligamos (suponhamos) muitas vezes desde então; e pouco tempo para vir, muitas vezes dias depois. Mas em que sentido é tão longo ou curto, o que não é? Para o passado, não é agora; e o futuro, ainda não é. Não digamos então: "é longo"; mas do passado "foi longo"; e do futuro, "será longo". Ó meu Senhor, minha Luz, não deve aqui também a sua Verdade zombar do homem? Para aquele tempo passado que foi longo, foi longo quando já era passado, ou quando ainda estava presente? Pois então poderia ser longo, quando houvesse, o que poderia ser longo; mas quando passou, já não era; portanto nem poderia ser longo, o que não era de todo. Não digamos, então, que "o tempo passado tem sido longo": pois não encontraremos o que tem sido longo, visto que, como já passou, não é mais, mas digamos, "que o tempo presente era longo"; porque, quando esteve presente, foi longo. Pois ainda não havia passado, para não ser; e portanto havia, o que poderia ser longo; mas depois que foi passado, cessou também ser longo, o que deixou de ser.

Vejamos então, alma do homem, se o tempo presente pode ser longo: pois a ti é dado sentir e medir a duração do tempo. Que queres responder-me? São cem anos, quando presentes, há muito tempo? Veja primeiro, se cem anos podem estar presentes. Pois, se o primeiro destes anos for agora atual, ele está presente, mas os outros noventa e nove estão por vir, e portanto ainda não estão, mas se o segundo ano for atual, um já passou, outro presente, o resto venha. E assim, se admitirmos que qualquer ano intermediário desta centena de pessoas esteja presente, tudo antes disso, é passado; tudo depois disso, para vir; portanto, cem anos não podem estar presentes. Mas, pelo menos, veja se aquele que é agora atual está presente; pois se o mês atual for o primeiro, o resto está por vir; se o segundo, o primeiro já passou e o resto ainda não. Portanto, nenhum dos dois é o ano atual presente; e se não estiver presente como um todo, então não é o ano presente. Por doze meses são um ano; dos quais tudo o que o mês atual está presente; o resto passou ou veio. Embora nem seja esse mês atual presente; mas apenas um dia; o resto está por vir, se for o primeiro; passado, se o último; se algum do meio, então entre passado e vir.

Veja como o tempo presente, que só nós encontramos pode ser chamado de longo, é resumido ao comprimento de um dia. Mas vamos examinar isso também; porque nem um dia está presente como um todo. Porque é de vinte e quatro horas de noite e de dia: dos quais o primeiro terá o restante; os últimos têm passado; e qualquer um do meio tem aqueles que já passaram, os que estão por vir. Sim, aquela hora se passa em partículas voadoras. O que quer que tenha sumido, é passado; tudo permanece, está para vir. Se um instante de tempo for concebido, o qual não pode ser dividido nas menores partículas de momentos, só ele é o que pode ser chamado de presente. Que ainda voa com tal velocidade do futuro para o passado, para não ser prolongado com a menor permanência. Pois se for, está dividido em passado e futuro. O presente não tem espaço. Onde então está o tempo, que podemos chamar por muito tempo? É para vir? Disto não dizemos "é longo"; porque ainda não é, para ser longo; mas dizemos: "será longo". Quando então será? Pois se mesmo assim, quando ainda estiver por vir, não será longo (porque o que pode ser longo, ainda não é), e então será então longo, quando do futuro que ainda não o é, ele deve começar agora estar e tornar-se presente, para que haja o que pode ser longo; então o tempo presente grita nas palavras acima, que não pode ser longo.

E ainda, Senhor, nós percebemos intervalos de tempo, e os comparamos, e dizemos, alguns são mais curtos e outros mais longos. Nós medimos também, quanto mais longo ou mais curto esse tempo é do que isso; e nós respondemos: "Isto é duplo, ou triplo; e isso, mas uma vez, ou apenas tanto quanto isso". Mas medimos os tempos à medida que passam, percebendo-os; mas passado, que agora não são, ou o futuro, que ainda não são, quem pode medir? a menos que um homem presuma dizer, que possa ser medido, o que não é. Quando o tempo passa, pode ser percebido e medido; mas quando é passado, não pode, porque não é.

Eu peço, Pai, eu não afirmo: Ó meu Deus, governe e me guie. "Quem vai me dizer que não há três vezes (como aprendemos quando meninos, e ensinou meninos), passado, presente e futuro, mas presentes apenas, porque os dois não são? Ou são eles também, e quando, de futuro, está presente, sai de algum lugar secreto, e assim, ao se aposentar, do presente se torna passado? Pois onde eles, que predisseram as coisas por vir, os vêem, se ainda não o são? não podem ser vistos. E aqueles que relatam coisas do passado, não poderiam relacioná-los, se em mente eles não os discernissem, e se eles não fossem, eles não poderiam ser discernidos. As coisas então passadas e futuras, são".

Permita-me, Senhor, procurar mais. Ó minha esperança, não permita que meu propósito seja confundido. Pois se os tempos passados ​​e futuros forem, eu saberia onde eles estão. O que, contudo, se eu não puder, mas eu sei, onde quer que estejam, eles não estão lá como futuro, ou passado, mas presente. Pois se também houver futuro, eles ainda não estarão lá; se também houver passado, eles não estarão mais lá. Onde quer que isso seja, é apenas como presente. Embora quando os fatos passados ​​estejam relacionados, são extraídos da memória, não as coisas que são passadas, mas palavras que, concebidas pelas imagens das coisas, passam, de passagem, através dos sentidos deixados como traços na mente. . Assim, minha infância, que agora não é, é no tempo passado, o que agora não é: mas agora, quando me lembro de sua imagem e a conto, vejo-a no presente, porque ainda está em minha memória. Se há uma causa semelhante de predizer as coisas que virão também; das coisas que ainda não são, as imagens podem ser percebidas antes, já existentes, confesso, ó meu Deus, eu não sei. Isso, de fato, eu sei, que geralmente pensamos antes em nossas ações futuras, e que a previsão está presente, mas a ação de que nós pensamos ainda não está, porque está por vir. Que, quando nos colocamos e começamos a fazer o que estávamos prevendo, então essa ação será; porque então não é mais futuro, mas presente.

Qual caminho, então, esse segredo que percebe as coisas futuras? que só pode ser visto, o que é. Mas o que é agora, não é futuro, mas presente. Quando então se diz que as coisas por vir são vistas, não são elas que ainda não são (isto é, quais devem ser), mas suas causas por acaso ou sinais são vistos, o que já são. Portanto, eles não são futuros, mas estão presentes àqueles que agora vêem aquilo, do qual o futuro, sendo concebido na mente, é predito. Quais concepções preliminares são agora novamente; e aqueles que predizem essas coisas, contemplam as concepções presentes diante deles. Deixe agora a variedade numerosa de coisas me fornecer algum exemplo. Eu vejo o romper do dia, eu prefiro que o sol está prestes a nascer. O que eu vejo está presente; o que eu antecipo, para vir; não o sol, que já é; mas o nascer do sol, que ainda não é. E, no entanto, não imaginei a própria luz do sol (como agora, enquanto falo disso), não pude prever isso. Mas tampouco é aquele intervalo do dia que discerno no céu, o nascer do sol, embora vá adiante; nem aquela imaginação da minha mente; quais dois são vistos agora presentes, que o outro que deve ser pode ser predito. As coisas futuras ainda não são: e se ainda não são, não são; e, se não são, não podem ser vistas; ainda predizem que podem ser das coisas presentes, que já são e são vistas.

Tu então, Regente da Tua criação, de que maneira ensinas as almas as coisas que virão? Porque ensinaste os teus profetas. De que maneira Tu, a quem nada está para vir, ensina as coisas por vir; ou melhor, do futuro, ensinar as coisas presentes? Pois o que não é, nem pode ser ensinado. Longe demais é este caminho do meu conhecimento: é muito poderoso para mim, não posso alcançá-lo; mas de Ti eu posso, quando Tu a cumprires, ó doce luz dos meus olhos escondidos.

O que agora é claro e claro é que nem as coisas para vir nem o passado são. Nem se diz propriamente que "haja três vezes passado, presente e futuro": ainda que por ventura possa ser dito corretamente, "haja três vezes; um presente das coisas passadas, um presente das coisas presentes e um presente das coisas futuras ". Pois estes três existem em algum tipo, na alma, mas em outro lugar eu não os vejo; presente das coisas passadas, memória; presente das coisas presentes, visão; presente das coisas futuro, expectativa. Se assim nos é permitido falar, vejo três vezes e confesso que são três. Que seja dito também: "haja três vezes, passado, presente e para vir": da nossa maneira incorreta. Veja, eu não objeto, nem nego, nem acho defeito, se o que é dito assim é compreendido, que nem o que é ser, agora é, nem o que é passado. Pois poucas coisas existem, as quais falamos apropriadamente, a maioria das coisas de forma inadequada; ainda as coisas pretendidas são entendidas.

Eu disse então, mesmo agora, medimos os tempos à medida que passam, para podermos dizer, desta vez é o dobro do que aquele; ou, isso é apenas tanto quanto isso; e assim de quaisquer outras partes do tempo, que sejam mensuráveis. Portanto, como eu disse, medimos os tempos à medida que passam. E se alguém me perguntar: "Como sabes tu?" Eu poderia responder: "Eu sei, que medimos, nem podemos medir coisas que não são; e coisas passadas e futuras, não são". Mas o tempo presente como medimos, vendo que não tem espaço? É medido durante a passagem, mas quando tiver passado, não é medido; pois não haverá nada para ser medido. Mas de que maneira e por onde passa enquanto é uma medida? de onde, mas do futuro? Qual caminho, mas através do presente? para onde, mas no passado? Daquilo, portanto, que ainda não é, através daquilo que não tem espaço, para aquilo que agora não é. No entanto, o que medimos, se não o tempo em algum espaço? Pois não dizemos, único, e duplo, e triplo, e igual, ou qualquer outro modo semelhante que falamos de tempo, exceto de espaços de tempo. Em que espaço medimos o tempo passando? No futuro, por onde passa? Mas o que ainda não é, nós medimos não. Ou no presente, pelo qual passa? mas não há espaço, não medimos: ou no passado, para o qual ele passa? Mas também não medimos isso, o que agora não é.

Minha alma está em chamas para conhecer esse enigma mais complexo. Não feche isto, ó Senhor meu Deus, bom Pai; por meio de Cristo, suplico-te, não escondas estas coisas habituais, mas ocultas, do meu desejo, que seja impedido de penetrar nelas; mas deixe-os amanhecer através da Tua misericórdia esclarecedora, ó Senhor. A quem perguntarei sobre estas coisas? e a quem confundirei eu mais frutuosamente a minha ignorância do que a Ti, a quem estes meus estudos, tão veementemente ligados à Tua Escritura, não são incômodos? Dê o que eu amo; porque amo, e isto me deste. Dá, Pai, quem verdadeiramente sabe dar bons presentes aos Teus filhos. Dá, porque eu tomei sobre mim para saber, e o problema está diante de mim até que Tu abri-lo. Por Cristo, Suplico-Te, em Seu Nome, Santo dos Santos, que ninguém me perturbe. Porque eu acreditei e, portanto, falo. Esta é minha esperança, pois eu vivo para contemplar as delícias do Senhor. Eis que mataste os meus dias, e eles passam, e como eu não sei. E falamos de tempo e tempo, e tempos e tempos, "quanto tempo se passou desde que ele disse isto"; "quanto tempo desde que ele fez isso"; e "quanto tempo desde que eu vi isso"; e "esta sílaba tem o dobro do tempo daquela única sílaba curta". Estas palavras nós falamos, e estas ouvimos, e somos entendidos e entendemos. Mais manifestas e comuns são, e as mesmas coisas são escondidas demais, e a descoberta delas é nova.

Eu ouvi uma vez de um homem instruído, que os movimentos do sol, da lua e das estrelas, constituíam o tempo, e eu não consenti. Pois por que os movimentos de todos os corpos não deveriam ser tempos? Ou, se as luzes do céu cessassem, e uma roda de oleiro rodasse, se não houvesse tempo em que pudéssemos medir aqueles turbilhões, e dizer que ou ela se moveu com pausas iguais, ou se tornou mais lenta, outras mais rápidas , que algumas rodadas foram mais longas, outras mais curtas? Ou, enquanto estávamos dizendo isso, não deveríamos também estar falando a tempo? Ou, deveria haver em nossas palavras algumas sílabas curtas, outras longas, mas porque aquelas soavam em um tempo mais curto, estas em um tempo mais longo? Deus, conceda aos homens para ver em uma coisa pequena avisos comuns às coisas grandes e pequenas. As estrelas e as luzes do céu são também para sinais e para estações e para anos e para dias; eles são; todavia, não devo dizer que a volta daquela roda de madeira era um dia, nem ele, que, portanto, não era o momento.

Desejo conhecer a força e a natureza do tempo, através das quais medimos os movimentos dos corpos, e dizemos (por exemplo) que esse movimento é duas vezes maior que isso. Pois eu pergunto, Ver o "dia" denota não apenas a permanência do sol sobre a terra (de acordo com qual dia é uma coisa, a noite com outra); mas também todo o seu circuito de leste a leste novamente; de acordo com o que dizemos, "passaram-se tantos dias", a noite sendo incluída quando dizemos "tantos dias" e as noites não contadas separadamente -, então, um dia é completado pelo movimento do sol e seu circuito de leste a leste novamente, pergunto, o movimento sozinho faz o dia, ou a estadia em que esse movimento é completado, ou ambos? Pois se o primeiro for o dia; então devemos ter um dia, embora o sol deva terminar esse curso num espaço tão pequeno de tempo, como uma hora chega. Se o segundo, então não deveria fazer um dia, se entre um nascer do sol e outro houvesse, mas uma estadia tão curta, como chega uma hora; mas o sol deve ir vinte e quatro vezes, para completar um dia. Se ambos, então, isso não poderia ser chamado de dia; se o sol deveria rodar toda a sua volta no espaço de uma hora; nem que, se, enquanto o sol estava parado, tanto tempo deveria passar, como o sol geralmente faz todo o seu curso, de manhã à manhã. Não vou agora perguntar, o que é aquilo que se chama dia; mas, que horas são, em que nós, medindo o circuito do sol, deveríamos dizer que estava terminado na metade do tempo que era costume, se assim fosse, terminado em um espaço tão pequeno quanto doze horas; e comparando os dois tempos, deveria chamar isto uma única vez, que um tempo duplo; mesmo supondo que o sol corra de leste a leste, às vezes naquele único, às vezes naquele tempo duplo. Que ninguém, então, me diga que os movimentos dos corpos celestes constituem tempos, porque, quando na oração de um, o sol parou, até que ele pudesse alcançar sua batalha vitoriosa, o sol parou, mas o tempo passou. Pois em seu próprio espaço de tempo, aquela batalha era travada e terminada. Percebo que o tempo é uma certa extensão. Mas percebo ou pareço perceber? Tu, Luz e Verdade, me mostrará.

Você me deu assentimento, se algum definir tempo para ser "movimento de um corpo"? Você não me oferece. Pois nenhum corpo é movido, mas com o tempo eu ouço; Isto tu dizes; mas que o movimento de um corpo é tempo, não ouço; Tu não dizes. Pois quando um corpo é movido, pelo tempo medido, por quanto tempo ele se move, a partir do momento em que ele começou a se mover até cessar? E se eu não vi de onde começou; e continua a se mover para que eu não veja quando termina, não posso medir, salvo talvez desde o começo, até deixar de ver. E se eu olhar por muito tempo, só posso dizer que demorou muito tempo, mas não quanto tempo; porque quando dizemos "quanto tempo", fazemos isso por comparação; como "isso é tão longo quanto isso" ou "duas vezes mais longo que isso" ou algo parecido. Mas quando podemos marcar as distâncias dos lugares, para onde e para onde vai o corpo movido, ou suas partes, se ele se movia como num torno, então podemos dizer com precisão, em quanto tempo o movimento daquele corpo ou de sua parte, deste lugar até aquele, foi terminado. Vendo, portanto, o movimento de um corpo é uma coisa, aquela pela qual medimos quanto tempo é, outro; quem não vê, qual dos dois é mais para ser chamado de tempo? Pois e se um corpo é por vezes movido, às vezes fica parado, então medimos não apenas o seu movimento, mas também o seu tempo; e dizemos: "ficou parado, tanto quanto se moveu"; ou "ficou parado duas ou três vezes, desde que se movesse"; ou qualquer outro espaço que nossa medida tenha averiguado ou adivinhado; mais ou menos, como costumamos dizer. O tempo, então, não é o movimento de um corpo.

E confesso a Ti, ó Senhor, que ainda não sei que horas são, e novamente confesso a Ti, ó Senhor, que sei que falo isso a tempo, e que há muito tempo falo sobre aquele tempo "longo" "não é longo, mas pela pausa do tempo. Como então eu sei disso, vendo que não sei que horas são? ou é por acaso que não sei como expressar o que sei? Ai de mim que nem sabe o que não sei. Veja, ó meu Deus, diante de Ti não minto; mas enquanto falo, meu coração também. Tu acenderás a minha candeia; Tu, ó Senhor meu Deus, iluminará a minha escuridão.

A minha alma não confessa verdadeiramente a Ti que eu medi os tempos? Então eu medi, ó meu Deus, e não sei o que medimos? Eu medi o movimento de um corpo no tempo; e o próprio tempo eu não meço? Ou poderia, de fato, medir o movimento de um corpo quanto tempo durou, e em quanto espaço ele poderia chegar deste lugar àquele, sem medir o tempo em que ele é movido? Nesse mesmo momento, como medi? Por um tempo mais curto medimos mais, como pelo espaço de um côvado, o espaço de um rood? pois assim, de fato, parecemos pelo espaço de uma sílaba curta, para medir o espaço de uma longa sílaba, e dizer que isso é o dobro do outro. Assim, medimos os espaços das estrofes, pelos espaços dos versos, e os espaços dos versos, pelos espaços dos pés, e os espaços dos pés, pelos espaços das sílabas, e os espaços de longo, por o espaço de sílabas curtas; não medir por páginas (pois medimos espaços, não tempos); mas quando pronunciamos as palavras e elas passam, e dizemos "é uma longa estrofe", porque composta de tantos versos; versos longos, porque consistindo de tantos pés; pés longos, porque prolongados por tantas sílabas; uma sílaba longa porque duplica para uma curta. Mas também não obtemos uma certa medida de tempo; porque pode ser que um verso mais curto, pronunciado mais plenamente, possa levar mais tempo do que um longo, pronunciado apressadamente. E assim, por um verso, um pé, uma sílaba. De onde me pareceu, que o tempo não é nada além de protração; mas de que eu não sei; e eu me maravilho, se não for da própria mente? Por que, eu peço a Ti, ó meu Deus, eu meço, quando digo, ou indefinidamente "este é um tempo maior que esse", ou definitivamente "isto é o dobro disso"? Que eu medi o tempo, eu sei; e ainda assim não medi o tempo por vir, pois ainda não é; nem presente, porque não é prolongado por nenhum espaço; nem passado, porque agora não é. O que então eu medir? Tempos passando, não passado? por isso eu disse.

Coragem, minha mente, e pressione poderosamente. Deus é nosso ajudador, Ele nos criou, e não nós mesmos. Pressione onde a verdade começa a nascer. Suponha, agora, que a voz de um corpo comece a soar e soe e soe, e a lista cessa; é o silêncio agora, e essa voz é passada e não é mais uma voz. Antes de soar, estava por vir e não podia ser medido, porque ainda não era, e agora não pode, porque já não é. Então, portanto, enquanto soava, poderia; porque então havia o que poderia ser medido. Mas, mesmo assim, não era uma estada; pois estava passando e passando. Poderia ser medido o melhor para isso? Pois, enquanto passava, estava sendo estendido para algum espaço de tempo, de modo que pudesse ser medido, já que o presente não tem espaço. Se, portanto, pode então supor que outra voz começou a soar, e ainda soa em um mesmo tom contínuo sem qualquer interrupção; nos deixe medir isto enquanto soa; vendo quando deixou de soar, será então passado e nada mais será medido; nos deixe medir isto verdadeiramente, e conte quanto é. Mas isso soa imóvel, nem pode ser medido, mas a partir do instante em que começou, até o fim em que o deixou. Pois o próprio espaço entre é a coisa que medimos, a saber, de algum começo até algum fim. Portanto, uma voz que ainda não terminou, não pode ser medida, de modo que se pode dizer quanto tempo é curto; nem pode ser chamado igual a outro, ou duplicar para um único, ou algo parecido. Mas quando acabou, não é mais. Como isso pode ser medido? E, no entanto, medimos os tempos; mas nem os que ainda não são, nem os que já não são, nem os que não são prolongados por alguma pausa, nem os que não têm limites. Nós não medimos nem as vezes por vir, nem passado, nem presente, nem passando; e ainda assim, medimos os tempos.

"Deus Creator omnium" [1], este verso de oito sílabas alterna entre sílabas curtas e longas. Os quatro curtos então, o primeiro, terceiro, quinto e sétimo, são apenas singulares, em relação aos quatro longos, segundos, quartos, sextos e oitavos. Cada um destes para cada um deles, tem um tempo duplo: eu os pronuncio, relato sobre eles, e o acho assim, como o sentido claro de alguém percebe. Por um bom senso, medi uma longa sílaba por um curto e, sensatamente, acho que ela tem duas vezes mais; mas quando um soa após o outro, se o primeiro é curto, o último longo, como devo deter o curto, e como, medindo, devo aplicá-lo ao longo, para que eu possa achar que isso tenha duas vezes tanto; vendo o longo não começa a soar, a menos que as folhas curtas soem? E aquele muito longo eu medido como presente, vendo que eu o medi não até que seja terminado? Agora seu final é o seu falecimento. O que então eu medi? onde está a sílaba curta pela qual meço? onde o longo que eu medo? Ambos soaram, voaram, faleceram, não são mais; e ainda assim eu meço e confiantemente respondo (tanto quanto presume-se em um sentido prático) que quanto ao espaço de tempo esta sílaba é apenas simples, esse duplo. E, no entanto, eu não poderia fazer isso, a menos que eles já tivessem passado e terminado. Não são eles mesmos, que agora não são, que eu media, mas algo em minha memória, que permanece fixo.

É em ti, minha mente, que eu media os tempos. Não me interrompa, isto é, não te interrompa com os tumultos de tuas impressões. Em ti eu medi os tempos; a impressão de que as coisas, à medida que passam por causa de ti, permanecem mesmo quando se vão; isto é o que ainda está presente, eu medi, não as coisas que passam para causar essa impressão. Isso eu meço quando meço os tempos. Ou então é hora ou não meço vezes. O que quando medimos o silêncio e dizemos que esse silêncio durou tanto tempo quanto aquela voz? não estendemos nosso pensamento à medida de uma voz, como se soasse, para que pudéssemos relatar os intervalos de silêncio em um dado espaço de tempo? Pois embora a voz e a língua ainda estejam quietas, ainda no pensamento nós revisamos poemas e versos, e qualquer outro discurso, ou dimensões de movimentos, e relatamos quanto aos espaços dos tempos, quanto isso é em relação a isso, não de outra maneira. do que se vocalmente nós os pronunciamos. Se um homem proferisse um som alongado, e tivesse se estabelecido em pensamento quanto tempo deveria ser, ele já em silêncio passou por um espaço de tempo, e cometer isso à memória, começa a proferir esse discurso, que soa, até ser levado até o fim proposto. Sim, soou e soará; por muito do que está terminado, já soou, e o resto soará. E assim passa adiante, até que a intenção presente transmita o futuro para o passado; o passado aumentando pela diminuição do futuro, até pelo consumo do futuro, tudo é passado.

Mas como esse futuro é diminuído ou consumido, o que ainda não é? ou como esse passado aumentou, o que agora não é mais, a não ser na mente que faz isso, três coisas são feitas? Pois espera, considera, recorda; para que aquilo que espera, pelo que considera, passe para aquilo de que se lembra. Quem, portanto, nega que as coisas que estão por vir ainda não estão? e, no entanto, existe na mente uma expectativa das coisas por vir. E quem nega as coisas do passado para não ser mais agora? e ainda existe na mente uma lembrança das coisas do passado. E quem nega o tempo presente não tem espaço, porque passa em um momento? e, no entanto, nossa consideração continua, através da qual aquilo que estará presente se torna ausente. Não é, então, o tempo futuro, que é longo, pois ainda não é: mas um futuro longo é "uma longa expectativa do futuro", nem é o tempo passado, que agora não é, que é longo; mas um longo passado é "uma longa memória do passado".

Estou prestes a repetir um Salmo que conheço. Antes de começar, minha expectativa é estendida ao longo do todo; mas quando eu comecei, o quanto disso eu separarei no passado, será estendido ao longo da minha memória; assim, a vida desta minha ação está dividida entre a minha memória quanto ao que eu repeti e a expectativa quanto ao que estou prestes a repetir; mas "consideração" está presente comigo, que através dela o que era futuro, pode ser transmitido, de modo a tornar-se passado. Que quanto mais se faz de novo e de novo, tanto mais a expectativa sendo encurtada, é a memória ampliada: até que toda a expectativa seja exaustivamente esgotada, quando toda essa ação for terminada, deve ter passado para a memória. E isto que acontece em todo o Salmo, o mesmo acontece em cada porção dele e em cada sílaba; o mesmo se aplica àquela ação mais longa, da qual este Salmo pode fazer parte; o mesmo vale para toda a vida do homem, da qual todas as ações do homem são partes; o mesmo acontece durante toda a idade dos filhos dos homens, da qual todas as vidas dos homens são partes.

Mas porque Tua benevolência é melhor que todas as vidas, eis que minha vida não é senão uma distração, e Tua mão direita me susteve, em meu Senhor, o Filho do homem, o Mediador entre Ti, Um, e nós muitos, muitos também através de nossas múltiplas distrações em meio a muitas coisas, que por Ele eu posso apreender em Quem eu fui apreendido, e possa ser recolhido de minha antiga conversa, para seguir Aquele, esquecendo o que está por trás, e não distendido mas estendido, não para as coisas que devem ser e devem passar, mas para as coisas que estão antes, não distraidamente, mas atentamente, eu sigo para o prêmio da minha chamada celestial, onde eu possa ouvir a voz do Teu louvor, e contemplar as tuas delícias, nem para venha, nem passe. Mas agora são meus anos passados ​​em luto. E tu, ó Senhor, és o meu consolo, meu Pai eterno, mas fui rompido em tempos, cuja ordem não sei; e meus pensamentos, mesmo as mais íntimas entranhas de minha alma, são rasgados e mutilados por variedades tumultuadas, até que eu fluo junto para Ti, purificado e derretido pelo fogo do Teu amor.

E agora ficarei firme e firme em Ti, em meu molde, Tua verdade; nem suportarei as questões dos homens que, por uma doença penal, têm sede de mais do que podem conter e dizem: "o que Deus fez antes de fazer o céu e a terra?" Ou: "Como surgiu em sua mente fazer alguma coisa, nunca tendo feito nada antes?" Dai-lhes, ó Senhor, que se julguem bem o que dizem e que "nunca" não possa ser predicado, quando "tempo" não é. Isto então que Ele é dito "nunca ter feito"; o que mais é para dizer do que "em 'nenhum tempo' para ter feito?" Permita que eles vejam, portanto, que o tempo não pode ser sem o ser criado e deixam de falar essa vaidade. Que eles também sejam estendidos para as coisas que são antes; e Te conhece antes de todos os tempos, o eterno Criador de todos os tempos, e que nenhum tempo seja coeterno com Ti, nem com qualquer criatura, mesmo que haja alguma criatura antes de todos os tempos.

Ó Senhor meu Deus, que profundidade é esse recesso dos Teus mistérios e até que ponto as consequências das minhas transgressões me lançam! Cure meus olhos, para que eu possa compartilhar a alegria da Tua luz. Certamente, se há mente dotada de tal vasto conhecimento e presciência, como para conhecer todas as coisas passadas e futuras, como eu conheço um conhecido Salmo, verdadeiramente essa mente está passando maravilhosa e terrivelmente espantosa; em que nada passado, nada para entrar depois da idade, é mais escondido dele, do que quando eu cantava esse salmo, estava escondido de mim o que, e quanto dele tinha passado desde o começo, o quê e quanto permaneceu até o fim. Mas longe seja que Tu, o Criador do Universo, o Criador de almas e corpos, seja longe, que Tu deves de tal maneira conhecer todas as coisas passadas e futuras. Muito mais maravilhosamente e muito mais misteriosamente, tu os conheces. Pois não, como os sentimentos de alguém que canta o que ele sabe, ou ouve algum cântico bem conhecido, são através da expectativa das palavras por vir, e a lembrança daqueles que são passados, variados e seus sentidos divididos - não tão Acontece tudo a Ti, imutável eterno, isto é, o eterno Criador de mentes. Assim como Tu no Princípio conheceu o céu e a terra, sem qualquer variedade de Teu conhecimento, Tu tão no Céu e Terra, sem qualquer distração de Tua ação. Quem entender, que ele confesse a Ti; e quem não entende, confesse-te. Quão alto és tu, e contudo os humildes de coração são a tua morada; porque tu ressuscitais os que são abatidos, e eles não caem, cuja elevação eras.

~

Santo Agostinho

Confissões (397-400)

Disponível em Gutenberg (inglês, tradução de Edward Bouverie Pusey).




Notas:
[1] Hino escrito por Santo Ambrósio (340-397),  que foi arcebispo de Mediolano e se tornou um dos mais influentes membros do clero no século IV. Ele era prefeito consular da Ligúria e Emília, cuja capital era Mediolano, antes de tornar-se bispo da cidade por aclamação popular em 374.

Eis o hino (disponível em CCEL):



Tuas obras, ó Deus, Teu nome exalta,
Tu Governante dos mundos que rolam;
O dia está vestido com roupas brilhantes,
E o sono agradecido permeia a noite,

Que membros cansados ​​do trabalho livre,
Em repouso, o trabalho preparado pode ser;
E mentes cansadas por um tempo esquecem
Os pensamentos ansiosos que doem e se preocupam.

Rápido desbota a luz do sol no oeste;
Tua mão que possuímos nosso dia foi abençoada;
Agora, do poder do acusador, fugimos,
E levante nossas orações cantando para Ti.

Tu agitaste nossos corações para cantar,
Sintonizamos os elogios que nossas vozes trazem;
Dos vãs amores da terra, nosso amor venceu,
Atraímos nossos pensamentos que correm para o céu.

Então, quando a escuridão sem raios da noite
Apagou no escuro a luz que expirava,
A fé afasta as nuvens de ébano,
E a escuridão é clara, e a noite é dia.

Que o pecado nunca faça uma entrada,
Que o sono nunca seja realizado por nossas almas;
A fé, vigilante, mantém a alma segura,
E o sono é doce, profundo e puro.

A mente das tentações do pecado é livre,
Oh, que nossos sonhos sejam pensamentos de Ti;
E por nenhum inimigo invejoso oprimido,
Conceda o Teu amado descanso.
Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: