Contra os modernos pensadores livres

Senhor,
Chegou a esse bairro, há dois dias, um de seus senhores alegres da cidade, que estava sendo atendido na entrada com um criado próprio, além de um compatriota que ele havia contratado como guia, despertou a curiosidade da aldeia. aprender de onde e o que ele pode ser. O compatriota (a quem se aplicava como o acesso mais fácil) sabia pouco mais do que o cavalheiro veio de Londres para viajar e ver modas, e era, como ele ouviu dizer, um pensador livre; que religião poderia ser que ele não sabia dizer; e por sua parte, se não lhe dissessem que o homem era um pensador livre, ele deveria ter adivinhado que, a seu modo de falar, era pouco melhor que um pagão; exceto que ele tinha sido um bom cavalheiro para ele, e o deixou bêbado duas vezes em um dia, além do que eles esperavam.

Não considero a simplicidade disso e várias perguntas estranhas com as quais não vou incomodá-lo; e muito menos posso pensar que nossos jovens de bom humor e entendimentos ampliados tenham alguma razão para rir. Não há necessidade de que todos os escudeiros da Grã-Bretanha saibam o que significa a palavra "pensador livre": mas havia muito a desejar que aqueles que se valorizassem com esse título pretensioso fossem um pouco melhor instruídos no que deveriam representar, e que eles não se convenceriam de que um homem é real e verdadeiramente um pensador livre em qualquer sentido tolerável, meramente em virtude de ser ateu ou infiel de qualquer outra distinção. Pode-se duvidar com boas razões, se alguma vez houve na natureza uma geração mais abjeta, servil e preconceituosa do que a tribo de Beaux Efprits atualmente tão prevalecente nesta ilha. A pretensão deles de serem pensadores livres não é outra coisa senão os ancinhos têm que ser fígados livres e selvagens para serem homens livres; isto é, eles podem pensar o que quiserem e se entregar a qualquer conceito que a extravagância de sua inclinação ou fantasia sugerir; eles podem pensar tão violentamente quanto falar e agir, e não vão suportar que sua inteligência seja controlada por coisas formais como decência e bom senso; dedução, coerência, consistência e todas as regras da razão, eles desprezam, por isso, serem precisos e mecânicos demais para os homens de uma educação liberal.

Tanto quanto pude aprender com os escritos deles, ou com minha própria observação, é um relato verdadeiro do pensador livre britânico. Nosso visitante aqui que deu ocasião a este artigo trouxe consigo um novo sistema de bom senso, cujos detalhes ainda não conheço, mas não perderei a oportunidade de me informar se ele contém alguma coisa digna de aviso do Sr. Espectador . Nesse meio tempo, senhor, não posso deixar de pensar que seria para o bem da humanidade se você levasse esse assunto em consideração e convencesse os jovens esperançosos de nossa nação que licenciosidade não é liberdade: ou, se esse paradoxo não será entendido que um preconceito contra o ateísmo não é imparcialidade.
Eu sou, senhor, seu servo mais humilde,Philonous.
~
Quicquid est illud, quod sentit, quod sapit, quod vult, quod viget, cæleste et divinum est, ab eamque rem æternum sit necesse est.
(Qualquer que seja esse princípio, que viva, perceba, compreenda e queira, o mesmo é celestial e divino e, consequentemente, eterno.)
Sou desviado do relato que estava dando à cidade sobre minhas preocupações particulares, lançando meus olhos para um tratado, que não podia ignorar sem uma negligência indesculpável e falta de interesse por todos os interesses civis e religiosos da humanidade. Esta peça tem o título de "Um discurso do livre-pensamento, ocasionado pelo surgimento e crescimento de uma seita chamada livre-pensadores". O autor entra muito metodicamente em seu argumento e diz: "Pensando bem, quero dizer o uso de o entendimento no esforço de descobrir o significado de qualquer proposição, considerando a natureza da evidência a favor ou contra, e julgando-a de acordo com a força ou fraqueza aparente da evidência ”. Assim que ele fez isso definição, da qual se esperaria que ele não planejasse mostrar uma inclinação particular a favor ou contra qualquer coisa antes de considerá-la, ele renuncia a todo o título do caráter de um pensador livre, com o mais aparente preconceito contra um corpo de homens, a quem, dentre todos os outros, um homem bom, seria mais cuidadoso em não violar, quero dizer, homens em ordens sagradas. As pessoas que se dedicaram ao serviço de Deus são veneráveis ​​a todos que o temem: e é uma característica de uma mente dissoluta e sem governo governar ou falar desrespeitosamente em geral. É certo que, em uma multidão tão grande de homens, alguns intrometem quem é de temperamento muito impróprio para suas funções: mas porque ambição e avareza às vezes se alojam naquele seio, que deveria ser a morada da santidade e devoção, isso deve ser irracional. autor difamar toda a ordem! Ele não se importou em disfarçar seu inimigo das pessoas contra quem escreve, nem em nenhum lugar em que é concedido, que a instituição de homens religiosos para servir no altar e instruir aqueles que não são tão sábios quanto ele mesmo. de todo necessário ou desejável, mas prossegue, sem o menor pedido de desculpas, para minar seu crédito e frustrar seus trabalhos. O que quer que os clérigos, em disputas entre si, desprotegidamente proferiram, é registrado aqui de maneira a afetar a própria religião, arrancando concessões, em desvantagem, de seus próprios professores. Se isso é verdade, com certeza qualquer homem que lê o discurso deve permitir; e se a religião é o laço mais forte da sociedade humana, de que maneira devemos tratar esse nosso inimigo comum, que promove o crescimento de uma seita como ele chama de pensadores-livres? Aquele que deveria queimar uma casa e justificar a ação, afirmando que ele é um agente livre, seria mais desculpável do que esse autor ao expressar o que ele tem do direito de um pensador livre; mas eles são um grupo de companheiros secos, sem alegria e sem graça, que querem capacidades e talentos para formar uma figura entre a humanidade segundo princípios benevolentes e generosos, que pensam superar a própria maldade natural, impondo ofensas no caminho de fazê-lo. seu esforço para se sobressair nas máximas recebidas e nas honestas artes da vida. Se fosse possível rir de um caso tão melancólico como o que põe em risco a salvação, não seria uma pergunta desagradável perguntar que satisfação eles colhem, que gratificação extraordinária de senso ou que libertinismo delicioso esta seita de pensadores-livres desfruta, depois de se soltar das leis que confinam as paixões de outros homens? Não seria motivo de alegria descobrir, afinal, que os chefes desta seita em crescimento são sóbrios miseráveis, que apreciam noites inteiras com café, e não têm fogo suficiente para serem mais debochados do que apenas em princípio? Parece que esses sábios da iniquidade são apenas especulativamente perversos e estão contentes que todos os jovens abandonados da época são mantidos a salvo da reflexão, brincando nas suas rapsódias, sem provar os prazeres pelos quais suas doutrinas os deixam irresponsáveis. Assim, os mortais pesados, apenas para gratificar um orgulho de coração seco, abandonam os interesses de outro mundo, sem aumentar suas gratificações nisso; mas é certo que há um tipo de homem que pode confundir a verdade, mas não pode desfrutar da satisfação dela. O mesmo pensador livre é criatura não familiarizada com as emoções que possuem grandes mentes quando são afinadas pela religião; e é evidente que ele está intocado com qualquer sensação como o arrebatamento da devoção. O que quer que um desses escarnecedores possa pensar, eles certamente querem que as peças sejam devotas; um sentimento de piedade em relação ao céu, assim como o sentido de qualquer outra coisa, é vivo e quente em proporção às faculdades da cabeça e do coração. Este cavalheiro pode ter certeza de que não gosta do que pretende fingir, e o pobre homem é certamente mais um obstáculo do que um ateu. Devo repetir que ele quer capacidade de apreciar o que é a verdadeira piedade: e é capaz de escrever um poema heroico como fazer uma oração fervorosa.

Talvez se espere que eu produza alguns exemplos da má intenção desse pensador livre, para apoiar o tratamento que aqui dou a ele. Em sua página 52d, ele diz:

“Segundamente: Os sacerdotes em todo o mundo diferem nas Escrituras e na autoridade das Escrituras. Os Bramins têm um livro das Escrituras chamado Shafter. Os persas têm seu Zundavastaw. Os Bonzes da China têm livros escritos pelos discípulos de Fo-he, a quem chamam de Deus e Salvador do mundo, que nasceram para ensinar o caminho da salvação e dar satisfação pelos pecados de todos os homens. Os Taiapoins de Sião têm um livro das Escrituras, escrito por Sommonocodom, que, segundo os siameses, nasceu de uma virgem e era o Deus esperado pelo universo. Os Dervizes têm o Alcorão.

Acredito que ninguém contestará a grande imparcialidade do autor em estabelecer as contas de diferentes religiões. E eu acho que é bastante evidente que ele entrega o assunto com um ar, que trai a história de um nascido de uma virgem que tem tanta autoridade com ele, de São Sommonocodom, quanto de São Mateus. Assim, ele trata a revelação. Então, quanto à filosofia, ele diz, p. 136, “Cícero produz isso como um exemplo de uma opinião provável, de que aqueles que estudam filosofia não acreditam que haja deuses;” e então, considerando várias noções, afirma Tully, conclui: “Que nada pode ocorrer após a morte. "

Quanto ao que ele deturpa de Tully, a sentença curta no início deste artigo é suficiente para se opor; mas quem pode ter paciência para refletir sobre a reunião de imposturas entre as quais nosso autor coloca a religião de seu país? Quanto a minha parte, não vejo nenhuma interpretação possível para dar esse trabalho, mas um projeto para subverter e ridicularizar a autoridade das Escrituras. A paz e a tranquilidade da nação, e as considerações acima delas, estão tão preocupadas com esse assunto, que é difícil expressar tristeza suficiente pelo ofensor ou indignação contra ele. Mas, se um homem mereceu negar os benefícios comuns do ar e da água, é o autor de um discurso do pensamento livre.
~
—mentisque capacius altæ. Ovid. I. 1. v. 76.(Capaz de uma mente mais elevada.)
Como eu estava outro dia dando um passeio solitário em St. Paul, cobrei meus pensamentos na busca de uma certa analogia entre o tecido e a igreja cristã no sentido mais amplo. A ordem divina e a economia de um pareciam ser apresentadas emblemática pela arquitetura justa, clara e majestosa do outro. E como o primeiro consiste em uma grande variedade de peças unidas no mesmo desenho regular, de acordo com a arte mais verdadeira e com a proporção mais exata; portanto, o outro contém uma subordinação decente dos membros, várias instituições sagradas, doutrinas sublimes e sólidos preceitos da moralidade digeridos no mesmo projeto, e com uma admirável concordância tendendo a uma visão: a felicidade e a exaltação da natureza humana.

No meio da minha contemplação, vi uma mosca em um dos pilares; e logo me ocorreu que essa mesma mosca era um pensador livre. Para isso, era necessária alguma compreensão aos olhos do espectador para observar de uma só vez as várias partes do edifício, a fim de observar sua simetria e design. Mas para as moscas, cuja perspectiva estava confinada a uma pequena parte de uma das pedras de um único pilar, a beleza conjunta do todo, ou o uso distinto de suas partes, era imperceptível, e nada podia aparecer, a não ser pequenas desigualdades. superfície do nada talhado, que, na visão daquele inseto, parecia tantas rochas e precipícios deformados.

Os pensamentos de um pensador livre são empregados em certas particularidades minuciosas da religião, na dificuldade de um único texto ou na inexplicabilidade de algum passo da providência ou ponto de doutrina para suas faculdades estreitas, sem compreender o escopo e o design do cristianismo, o perfeição com a qual eleva a natureza humana, a luz que lança no exterior e a estreita conexão que tem também com o bem das sociedades públicas, como com o de determinadas pessoas.

Isso levantou em mim algumas reflexões sobre essa estrutura ou disposição que é chamada de grandeza da mente, sua necessidade de formar um verdadeiro julgamento das coisas, e onde a alma não é incuravelmente afetada pela natureza, quais são os métodos mais prováveis ​​de ampliação.

É evidente que a filosofia abre e amplia a mente, pelas visões gerais às quais os homens estão habituados nesse estudo e pela contemplação de objetos mais numerosos e distantes do que se enquadram na esfera da humanidade nas atividades comuns da vida. Por conseguinte, os filósofos julgam a maioria das coisas de maneira muito diferente da vulgar. Alguns exemplos disso podem ser vistos no Theætetus de Platão, onde Sócrates faz as seguintes observações, entre outras de natureza semelhante.

“Quando um filósofo ouve dez mil acres mencionados como um grande estado, ele o considera um local inconsiderável, tendo sido usado para contemplar todo o globo da terra; ou quando ele vê um homem exaltado com a nobreza de sua raça, porque ele pode contar uma série de sete ancestrais ricos, o filósofo o considera um sujeito estúpido e ignorante, cuja mente não pode alcançar uma visão geral da natureza humana, o que o mostraria que todos nós temos inumeráveis ​​ancestrais, entre os quais há multidões de ricos e pobres, reis e escravos, gregos e bárbaros. ”Até agora Sócrates, que era considerado mais sábio que o resto dos pagãos, por noções que se aproximavam do cristianismo mais próximo.

Como todas as partes e ramos da filosofia, ou conhecimento especulativo, são úteis nesse sentido, a astronomia é peculiarmente adaptada para remediar um espírito pequeno e estreito. Nessa ciência, existem boas razões designadas para provar o sol cem mil vezes maior que a nossa terra; e a distância das estrelas, tão prodigiosa, que uma bala de canhão, continuando em seu movimento rápido comum, não chegaria daí ao mais próximo deles no espaço de cento e cinquenta mil anos. Essas idéias maravilhosamente dilatam e expandem a mente. Há algo na imensidão dessa distância, que choca e oprime a imaginação; ela é grande demais para a compreensão do intelecto humano: propriedades, províncias e reinos desaparecem em sua presença. Deveria desejar-se que um certo príncipe, que encorajasse o estudo em seus súditos, tivesse sido um proficiente em astronomia. Isso poderia ter lhe mostrado o quão cruel era uma ambição, que terminou em uma pequena parte do que é em si mesma, mas um ponto, em relação à parte do universo que está ao nosso ver.

Mas a religião cristã envolve e amplia a mente além de qualquer outra profissão ou ciência. Nesse esquema, enquanto a terra e os prazeres transitórios desta vida encolhem nas dimensões mais estreitas, são contabilizados como "o dast de uma balança, a gota de um balde, sim, menos que nada", o mundo intelectual se abre mais a nosso ver: as perfeições da Deidade, a natureza e a excelência da virtude, a dignidade da alma humana, são exibidas nos personagens maiores. A mente do homem parece se adaptar à natureza diferente de seus objetos; é contraído e degradado por familiarizar-se com coisas pequenas e baixas, e sente um aumento proporcional decorrente da contemplação dessas grandes e sublimes idéias.

A grandeza das coisas é comparativa; e isso não se aplica apenas à extensão, mas também à dignidade, duração e todo tipo de perfeição. A astronomia abre a mente e altera nosso julgamento, com relação à magnitude dos seres estendidos, mas o cristianismo produz uma grandeza universal da alma. A filosofia aumenta nossos pontos de vista em todos os aspectos, mas o cristianismo os estende a um nível além da luz da natureza.

Quão mesquinho deve parecer o mais exaltado potentado da Terra para aquele olho que recebe inúmeras ordens de espíritos abençoados, diferindo em glória e perfeição? Quão pouco os divertimentos dos sentidos e as ocupações comuns dos homens mortais parecem para alguém que se dedicou a uma busca tão nobre, como a assimilação de si mesmo à Deidade, que é o emprego adequado de todo cristão!

E a melhoria que cresce de habituar a mente a visões abrangentes da religião não deve ser pensada inteiramente para considerar o entendimento. Nada é de maior força para subjugar os movimentos desordenados do coração e regular a vontade. Se um homem é acionado por suas paixões ou por sua razão, elas são primeiro trabalhadas por algum objeto, que agita a alma na proporção de suas dimensões aparentes. Portanto, homens irreligiosos, cujas perspectivas curtas estão cheias de terra, sentido e vida mortal, são convidados por essas idéias más a ações proporcionalmente pequenas e baixas. Mas uma mente cujas visões são iluminadas e ampliadas pela religião, é animada para atividades mais nobres, por objetos mais sublimes e remotos.

Não há nenhum exemplo de fraqueza nos pensadores livres que suscite mais minha indignação do que fingir ridicularizar os cristãos, como homens de entendimentos estreitos, e se entregar ao mundo por pessoas de senso superior e visões mais ampliadas. Mas deixo a qualquer homem imparcial julgar quais têm os sentimentos mais nobres, quais são as visões maiores; aquele cujas noções são limitadas a algumas entradas miseráveis ​​de sentido, ou aquele cujos sentimentos são elevados acima do gosto comum, pela antecipação daqueles prazeres que saciarão a alma, quando toda a capacidade de sua natureza se ramifica em novas faculdades? aquele que não procura nada além desse curto espaço de duração, ou aquele cujos objetivos são tão estendidos com a eterna duração da eternidade? quem deriva seu espírito dos elementos, ou quem pensa que foi inspirado pelo Todo-Poderoso?
~
Senhor,
Desde que você não se recusou a inserir assuntos de natureza teológica nesses excelentes artigos, com os quais você diariamente nos instrui e nos desvia, desejo sinceramente que você imprima o seguinte artigo. As noções avançadas são, pelo que sei, novas para o leitor de inglês e, se forem verdadeiras, darão espaço para inferências mais úteis.

Ninguém que lê os evangelistas, mas deve observar que nosso abençoado Salvador, em todas as ocasiões, dobra toda sua força e zelo para repreender e corrigir a hipocrisia dos fariseus. Sobre esse assunto, ele mostra um calor que não se encontra em nenhuma outra parte de seus sermões. Eles ficaram tão furiosos com a detecção pública de seus vilões secretos, por alguém que viu através de todos os seus disfarces, que se juntaram à acusação dele; que era tão vigoroso que Pilatos finalmente consentiu em sua morte. A frequência e veemência dessas repreensões de nosso Senhor fizeram com que a palavra fariseu fosse vista como odiosa entre os cristãos, e significasse apenas alguém que coloca o máximo de ênfase na parte externa, cerimonial e ritual de sua religião, sem ter tal um sentido interior disso o levaria a uma observância geral e sincera dos deveres que só podem surgir do coração e que não se supõe que surjam de um desejo de aplausos ou lucro.

Isso está claro na história da vida e das ações de nosso Senhor, nos quatro evangelistas. Um deles, São Lucas, continuou sua história em uma segunda parte, que geralmente chamamos de Atos dos Apóstolos. Agora é observável que, nesta segunda parte, em que ele dá um relato particular do que os apóstolos fizeram e sofreram em Jerusalém ao entrar pela primeira vez em sua comissão, e também do que São Paulo fez depois que ele foi consagrado ao apostolado até sua viagem a Roma, encontramos não apenas oposição dos fariseus ao cristianismo, mas também várias ocasiões em que assistiram seus primeiros mestres, quando a igreja cristã estava em seu estado infantil. Os verdadeiros, zelosos e perseguidores do coração do cristianismo naquela época eram os saduceus, a quem podemos realmente chamar de pensadores livres entre os judeus. Eles não acreditavam na ressurreição, nem no anjo, nem no espírito, isto é, em inglês simples, eram deístas pelo menos, se não ateus. Eles podiam cumprir externamente e se conformar ao estabelecimento na igreja e no estado, e fingiam que pertenciam apenas a uma seita específica; e porque não havia nada na lei de Moisés que, em muitas palavras, afirmasse uma ressurreição, eles pareciam aderir a isso de uma maneira particular, além de qualquer outra parte do Antigo Testamento. Portanto, esses homens temiam com justiça a propagação do cristianismo após a ascensão de nosso Senhor, porque foi totalmente fundamentado em sua ressurreição.

Portanto, quando Pedro e João curaram o coxo no belo portão do templo e, assim, suscitaram uma maravilhosa expectativa de si mesmos entre o povo, os sacerdotes e os saduceus, os batizaram e os mandaram embora pela primeira vez. tempo com uma repreensão severa. Logo depois, quando as mortes de Ananias e Safira, e muitos milagres ocorridos após aqueles severos exemplos do poder apostólico, alarmaram os sacerdotes, que contemplavam a adoração no templo e, conseqüentemente, seu pão; estes sacerdotes e todos os que estavam com eles, que eram da seita dos saduceus, aprisionaram os apóstolos, pretendendo examiná-los no grande concílio no dia seguinte: onde, quando o conselho se reuniu, e os sacerdotes e saduceus propuseram Se procedemos com grande rigor contra eles, descobrimos que Gamaliel, um fariseu muito eminente, mestre de São Paulo, um homem de grande autoridade entre o povo, muitas de cujas determinações ainda preservamos no corpo das tradições judaicas, comumente chamadas de O Talmude se opôs ao calor deles e lhes disse, pois eles sabiam que os apóstolos poderiam ser atuados pelo Espírito de Deus, e que, nesse caso, seria inútil se opor a eles; pois, se o fizessem, apenas lutariam contra Deus, a quem não poderiam vencer. Gamaliel era um homem tão considerável entre sua própria seita, que podemos razoavelmente acreditar que ele falava tanto do senso de seu partido quanto do seu. O martírio de Santo Estêvão veio logo depois, no qual não achamos que os fariseus, como tais, tinham alguma mão; é provável que ele tenha sido processado por quem já havia preso Pedro e João. Um novato de fato daquela seita era tão zeloso que guardou as roupas daqueles que o apedrejaram. Este noviço, cujo zelo foi além de todos os limites, o grande São Paulo, que foi particularmente honrado com um chamado do céu pelo qual foi convertido, e depois foi, pelo próprio Deus, designado como apóstolo dos gentios. Além dele, e ele também reclamado de maneira tão gloriosa, não encontramos um fariseu, nomeado ou sugerido por São Lucas, como opositor do cristianismo nos primeiros dias. O que os outros podem fazer não sabemos. Mas encontramos os saduceus perseguindo São Paulo até a morte quando ele veio a Jerusalém, no dia 21 de Atos. Ele então, em todas as ocasiões, possuía a si próprio para ser um fariseu. No capítulo 22, ele disse ao povo que havia sido criado aos pés de Gamaliel, da maneira mais estrita, na lei de seus pais. No capítulo 23, ele disse ao conselho que era fariseu, filho de um fariseu, e que ele foi acusado de afirmar a esperança e ressurreição dos mortos, que era a doutrina deles. Os fariseus o apoiaram e, embora não tivessem nosso Salvador como o Messias, eles não negariam, mas algum anjo ou espírito poderia ter falado com ele, e se o opusessem, deveriam lutar contra Deus. Esse era o próprio argumento que Gamaliel havia usado antes. A ressurreição de nosso Senhor, que eles viram tão vigorosamente afirmada pelos apóstolos, cujos milagres eles também viram e possuíram (Atos 4. 16) parece ter atingido-os, e muitos deles foram convertidos (Atos 15. 5.) até sem um milagre, e o resto parou e não fez oposição.

Vemos aqui qual foi a parte em que os fariseus agiram nessa importante conjuntura. Dos saduceus, não encontramos nenhum em toda a história apostólica que foi convertida.

Não ouvimos falar de milagres feitos para convencer nenhum deles, embora houvesse um eminente feito para recuperar um fariseu. São Paulo, vemos, após sua conversão, sempre glorificado por ter sido criado como fariseu. Ele o fez ao povo de Jerusalém, ao grande conselho, ao rei Agripa e aos filipenses. Para que, a partir daí, possamos deduzir com justiça, essa não era a instituição deles, que era louvável por si mesma, pela qual nosso abençoado Salvador encontrou falhas, mas era a hipocrisia, a cobiça, a opressão, a supervalorização do zelo pelo lei cerimonial e sua adição a esse jugo, por suas tradições, tudo o que não era propriamente essencial de sua instituição, que nosso Senhor culpou.

Mas não devo continuar. O que eu observaria, senhor, é que o ateísmo é mais terrível e seria mais doloroso para a sociedade humana, se fosse investido com poder suficiente, do que religião sob qualquer forma, em que seus professores acreditam no fundo do que professam. Eu não me desespero com a conversão de um papista, apesar de não estar de bom grado à mercê de um papista fanático (e nenhum protestante ficaria, se ele soubesse o que é papai), embora ele realmente acredite em nosso Salvador. Mas o pensador livre, que mal acredita que existe um Deus e certamente não acredita nas revelações, é um animal muito terrível. Ele falará de direitos naturais e das justas liberdades da humanidade, até o momento em que ele mesmo assumirá o poder; e, pelo exemplo que temos diante de nós, temos pequenos motivos para esperar sua salvação, ou que Deus alguma vez lhe garanta uma graça suficiente para recuperá-lo dos erros, que foram imediatamente levantados contra si mesmo.

Se essas noções forem verdadeiras, como eu realmente acredito que sejam, pensei que valeria a pena publicar neste momento, pelo que foram enviadas dessa maneira a você por:

Senhor,
Seu servo mais humilde.
M. N.
Quid si in hoc erro, quod animos hominum immortales esse credam, libenter erro: nec mihi hunc errorem, quo delector, dum vivo, extorqueri velo: sin mortuus (ut quidam minuti philosophi censent) nihil sentiam; no vereor, ne hunc errorem meum mortui philosophi irrideant.
(Eu me agrado no meu erro: nem enquanto estiver vivo, jamais vou citar que essa opinião, com a qual estou muito feliz, seja arrancada de mim, mas se, na morte, eu for aniquilada, em algum momento os filósofos imaginam: não tenho medo de que aqueles sábios, quando extintos também, riam do meu erro.)
Várias cartas que recebi ultimamente me dão informações de que algumas pessoas bem dispostas se ofenderam ao usar a palavra pensador livre como um termo de reprovação; Para esclarecer esse assunto de maneira clara, devo declarar que ninguém pode ter uma veneração maior do que eu pelos pensadores livres da antiguidade, que agiam na mesma parte naqueles tempos, como os grandes homens da reforma fizeram em vários nações da Europa, exercendo-se contra a idolatria e superstição dos tempos em que viveram. Foi por esse nobre impulso que Sócrates e seus discípulos, assim como todos os filósofos de destaque na Grécia; e Cícero, Sêneca, com todos os homens instruídos de Roma, esforçaram-se por iluminar seus contemporâneos em meio às trevas e ignorância em que o mundo foi afundado e enterrado.

Os grandes pontos que esses pensadores livres tentaram estabelecer e inculcar nas mentes dos homens foram: a formação do universo, a superintendência da Providência, a perfeição da natureza divina, a imortalidade da alma e o estado futuro da humanidade. recompensas e punições. Todos eles cumpriram, tanto quanto possível, a religião de seu país, em detalhes que não contradizem e pervertem essas grandes e fundamentais doutrinas da humanidade. Pelo contrário, as pessoas que agora se preparam para pensadores livres são, por meio de um pouco de palavras e sofismas, um esforço para enfraquecer e destruir esses mesmos princípios, cuja justificativa é que a liberdade de pensamento a princípio se torna louvável. e heroico. Esses apóstatas da razão e do bom senso podem olhar para o quadro glorioso da natureza, sem prestar qualquer adoração a quem o criou; pode considerar as grandes revoluções no universo, sem elevar suas mentes ao poder superior que tem a direção dele; pode presumir censurar a Deidade em seus caminhos para com os homens; pode nivelar a humanidade com os animais que perecem; podem extinguir em suas próprias mentes todas as esperanças agradáveis ​​de um estado futuro, e se embalar em uma segurança estúpida contra os terrores dele. Se alguém tirasse a palavra Priestcraft da boca desses monstros rasos, eles seriam imediatamente mudos. É com a ajuda desse termo único que eles tentam desapontar as boas obras da ordem mais instruída e venerável dos homens, e endurecem o coração dos ignorantes contra a própria luz da natureza e as noções comuns recebidas da humanidade. Talvez não tratemos os malfeitores como estes aos pés de disputadores justos, mas despejemos desprezo sobre eles e falemos deles com desprezo e infâmia, como as pragas da sociedade, os desonestos da natureza humana e os blasfemadores de uma Ser, a quem um homem bom prefere morrer a ouvir desonrado. Cícero, depois de mencionar os grandes heróis do conhecimento que recomendavam essa doutrina divina da imortalidade da alma, chama aqueles pequenos pretendentes à sabedoria que declararam contra ela, certos filósofos minuciosos, usando um diminutivo da palavra pouco, para expressar o desprezível opinião que ele tinha deles. O desprezo que ele lança sobre eles em outra passagem é ainda mais notável; onde, para mostrar os maus pensamentos que ele nutre deles, declara, preferiria estar errado com Platão, do que estar certo com tal companhia. De fato, não há nada no mundo tão ridículo como um desses graves pensadores filosóficos livres, que não tem paixões nem apetites para gratificar, nem odeia sangue nem vigor de constituição que possa transformar seus sistemas de infidelidade em vantagem ou aumentar prazeres dentre eles que são inconsistentes com a crença no futuro. Alguém que não tem inteligência, galanteria, alegria ou juventude para se entregar a essas noções, mas apenas uma vaidade pobre, sem alegria e desconfortável de se distinguir do resto da humanidade, deve ser considerado mais um lunático travesso do que um filósofo equivocado. Um infiel casto, um libertino especulativo, é um animal que eu não acredito que esteja na natureza, às vezes não encontrei essa espécie de homem, que implora pela indulgência de suas paixões no meio de uma vida estudiosa severa, e fale contra a imortalidade da alma sobre um prato de café.

Gostaria de perguntar a um minuto filósofo, que bem ele propõe à humanidade pela publicação de suas doutrinas? Eles tornarão um homem um cidadão melhor ou pai de uma família; um marido, amigo ou filho mais carinhoso? Eles ampliarão suas virtudes públicas ou privadas, ou corrigirão suas fragilidades ou vícios? O que há de alegre ou glorioso nessas opiniões? Eles atualizam ou ampliam nossos pensamentos? Eles contribuem para a felicidade ou elevam a dignidade da natureza humana? O único bem que já ouvi fingir é que eles banem os terrores e deixam a mente à vontade. Mas de quem eles banem os terrores? É certo que, se houvesse alguma força em seus argumentos, eles causariam grande perturbação às mentes influenciadas pela virtude, honra e moralidade, e tirariam de nós os únicos confortos e suportes da aflição, doença e velhice. As mentes, portanto, que acalmam, são apenas as dos criminosos e malfeitores impenitentes, e que, para o bem da humanidade, devem estar em terror e alarme perpétuos.

Devo confessar que nada é mais usual do que para um pensador livre, na proporção em que a insolência do ceticismo é diminuída nele por anos e conhecimentos, ou humilhada ou derrotada pela tristeza ou doença, para se reconciliar com as concepções gerais de criaturas razoáveis; de modo que freqüentemente vemos os apóstatas se afastando de sua revolta para o fim de suas vidas e empregando o recusa de suas partes na promoção daquelas verdades que antes tentavam invalidar.

A história de um cavalheiro na França é muito conhecida, que era tão zelosa em promover a Infidelidade, que reuniu uma seleta companhia de discípulos e viajou por todas as partes do reino para se converter. No meio de seu sucesso fantástico, ele ficou doente e recuperou-se de tal condição, que depois de passar algum tempo em grandes agonias e horrores da mente, pediu aos que tinham o cuidado de enterrá-lo, que se vestissem. seu corpo no hábito de um capuchinho, para que o diabo não fuja com ele: e, para fazer mais justiça sobre si mesmo, desejava que eles amarrassem uma cabeçada em seu pescoço, como uma marca daquele castigo ignominioso, que em seu próprio país. pensamentos que ele merecia tão justamente.

Eu não teria perseguido até agora desonrado, pois esses vermes poderiam ser animados por quaisquer sanções legais; embora eu pense que seria altamente razoável que aqueles poucos que morrem nas profissões de sua infidelidade devessem ter tais sinais de infâmia fixados sobre eles, como poderia distinguir os corpos que são cedidos pelos proprietários ao esquecimento e à putrefação, de aqueles que descansam na esperança, e ressurgirão em glória. Mas, ao mesmo tempo em que sou contra fazer a eles a honra do aviso de nossas leis, que não deveriam supor que existam tais criminosos, sempre me perguntei como eles podem ser tolerados em conversas mistas, enquanto estão exalando essas opiniões absurdas; e deveria pensar que, em qualquer dessas ocasiões, meia dúzia dos cristãos mais robustos da empresa levaria um desses senhores a uma bomba ou o levaria a um cobertor, eles prestariam um serviço muito bom tanto à igreja quanto à igreja. Estado. Não sei como está a lei nesse particular; mas espero que, sejam quais forem as batidas, pancadas ou pancadas, com uma intenção tão honesta, não sejam interpretadas como uma quebra da paz. Ouso dizer que não seriam devolvidos pela pessoa que os receber; pois o que esses tolos podem dizer na vaidade de seus corações, são sábios demais para arriscar suas vidas com a incerteza de suas opiniões.

Quando eu era jovem nesta cidade, frequentava o comum do Black Horse, em Holburn, onde a pessoa que geralmente presidia à mesa era um cavalheiro antiquado e áspero, que, segundo os costumes da época, tinha sido o Major e Pregador de um regimento. Um dia, um jovem oficial intrometido, criado na França, expeliu algumas novas noções e falou, no tom de humor, contra as dispensações da Providência. O major a princípio só queria que ele falasse com mais respeito de alguém por quem toda a empresa tivesse uma honra; mas, ao encontrá-lo em sua extravagância, começou a repreendê-lo de uma maneira mais séria. Homem jovem! disse ele, não abuse do seu benfeitor enquanto estiver comendo o pão dele. Considere em qual ar você respira, em cuja presença você está e quem é que lhe deu o poder daquele mesmo discurso que você usa para a desonra dele. O jovem, que pensou em transformar as coisas em brincadeira, perguntou-lhe se ele iria pregar. Mas, ao mesmo tempo, desejou que ele cuidasse do que disse, quando falou com um homem de honra. Um homem de honra, diz o major; tu és um infiel e um blasfemador, e eu te usarei como tal. Em suma, a briga correu tão alto que o major desejou sair. Ao entrarem no jardim, o velho aconselhou seu antagonista a considerar o lugar em que uma passagem o levaria; mas encontrá-lo crescer sobre ele até certo ponto, como acreditar que o conselho procedeu do medo; Sirrah, diz ele, se um raio não te atingir antes de eu chegar, não deixarei de te castigar pela tua profanação ao teu Criador, e tua ousadia ao seu servo. Depois disso, ele desembainhou a espada e clamou com grande voz: "A espada do Senhor e de Gideão", que aterrorizou tanto o antagonista que foi imediatamente desarmado e jogado de joelhos. Nessa postura, ele implorou por sua vida; mas o major recusou-se a concedê-lo antes de pedir perdão por sua ofensa em uma curta oração extemporânea, que o velho cavalheiro ditou a ele naquele local e que seu prosélito repetiu depois dele, na presença de todo o comum, que eram agora reunidos sobre ele no jardim.

~

Por: Joseph Addison
The Evidences of the Christian Religion, with Additional Discourses
Disponível em ccel.org

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: