A devoção das três horas, chamado na Escrituras de nona hora do dia

Recomendando devoção às três horas, chamado na Escritura a nona hora do dia. O assunto da oração a esta hora é a resignação ao prazer Divino. A natureza e o dever de conformidade com a vontade de Deus, em todas as nossas ações e projetos.

Eu recomendei certos assuntos para serem feitos o assunto fixo e principal de suas devoções, em todas as horas de oração que já foram consideradas.

Como agradecimento e oblação a Deus, em suas primeiras orações pela manhã; às nove, a grande virtude da humildade cristã é ser a parte principal de suas petições. Aos doze anos, você é chamado a orar por todas as graças do amor universal e a elevá-lo em seu coração por intermédio de intercessões tão gerais e particulares quanto seu próprio estado e sua relação com outras pessoas parecem exigir mais particularmente de você.

A esta hora da tarde, deseja-se considerar a necessidade de resignação e conformidade com a vontade de Deus, e fazer desta grande virtude a questão principal de suas orações.

Não há nada sábio, ou santo ou justo, mas a grande vontade de Deus. Isto é tão estritamente verdadeiro, no sentido mais rígido, como dizer, que nada é infinito e eterno, a não ser Deus.

Nenhum ser, portanto, seja no Céu ou na Terra, pode ser sábio, santo ou justo, mas na medida em que se conforma com essa vontade de Deus. É conformidade a essa vontade que dá virtude e perfeição aos mais altos serviços dos anjos no céu; e é a conformidade com a mesma vontade que faz com que as ações ordinárias dos homens na terra se tornem um serviço aceitável a Deus.

Toda a natureza da virtude consiste em conformar-se e toda a natureza do vício em declinar da vontade de Deus. Todas as criaturas de Deus são criadas para cumprir Sua vontade; o sol e a lua obedecem a Sua vontade, pela necessidade de sua natureza; os anjos se ajustam à Sua vontade, pela perfeição de sua natureza; Se, portanto, você se mostrar não como um rebelde e apóstata da ordem da criação, você deve agir como seres acima e abaixo de você; deve ser o grande desejo de sua alma, que a vontade de Deus seja feita por você na terra, como é feito no céu. Deve ser o propósito estabelecido e a intenção do seu coração, não dar nada, não projetar nada, não fazer nada, mas na medida em que você tem razão para acreditar que é a vontade de Deus que você deve desejar, projetar e fazer.

É tão justo e necessário viver neste estado de coração, pensar assim de Deus e de si mesmo, como pensar que você tem alguma dependência dEle. E é uma grande rebelião contra Deus, pensar que a sua vontade pode diferir da sua, como pensar que você não recebeu o poder de querer por ele.

Portanto, você deve se considerar um ser que não tem outros negócios no mundo, mas ser aquilo que Deus exige que você seja; não ter temperamentos, não ter regras próprias, não buscar autodesignos ou fins próprios, mas preencher algum lugar e agir de alguma forma, em estrita conformidade e resignação grata ao prazer Divino.

Pensar que você é seu, ou a sua disposição, é tão absurdo quanto pensar que você criou e pode se preservar. É tão simples e necessário um primeiro princípio, acreditar que você é assim de Deus, que você pertence a Ele, e deve agir e sofrer tudo em uma resignação grata ao Seu prazer, como acreditar que Nele você "vive, e mova-se e tenha o seu ser. " [Atos 17. 28]

A renúncia ao Divino significará uma aprovação alegre e uma aceitação grata de tudo o que vem de Deus. Não é pacientemente suficiente submeter-se, mas devemos agradecidamente receber, e aprovar plenamente tudo, que pela ordem da providência de Deus nos acontece.

Pois não há razão para que sejamos pacientes, mas o que é tão bom e forte é a razão pela qual devemos ser gratos. Se estivéssemos sob as mãos de um médico sábio e bom, isso não poderia nos confundir nem fazer nada a nós, mas o que certamente tendia para nosso benefício; não seria suficiente ser paciente e abster-se de murmurações contra tal médico; mas seria uma grande falta de dever e gratidão para ele não ficar satisfeito e agradecido pelo que fez, como seria murmurar para ele.

Agora este é nosso verdadeiro estado com relação a Deus; não podemos ser ditos a ponto de acreditar Nele, a menos que acreditemos que Ele seja de infinita sabedoria. Todo argumento, portanto, para a paciente sob Sua disposição de nós, é um argumento tão forte para a aprovação e gratidão por tudo o que Ele faz para nós. E não há mais necessidade de nos dispor dessa gratidão para com Deus do que uma crença plena n'Ele, de que Ele é este Ser de infinita sabedoria, amor e bondade.

Faça, mas concorde com essa verdade, da mesma maneira como você concorda com coisas das quais você não tem dúvidas, e então você alegremente aprovará tudo o que Deus já aprovou para você.

Pois como você não pode estar satisfeito com o comportamento de qualquer pessoa em relação a você, mas porque é para o seu bem, é sábio em si mesmo, e o efeito do amor e bondade dele em relação a você; então, quando você está convencido de que Deus não apenas faz o que é sábio, bom e bondoso, mas também o que é o efeito de uma infinita sabedoria e amor no cuidado de você; será necessário, enquanto você tiver essa fé, ser grato e satisfeito com tudo o que Deus escolher para você, como desejar sua própria felicidade.

Sempre que, portanto, você se encontra disposto à inquietação ou murmurando algo que seja o efeito da providência de Deus sobre nós, deve considerar-se como negador da sabedoria ou da bondade de Deus. Pois toda reclamação supõe isso necessariamente. Você nunca reclamaria do seu vizinho, mas suponha que possa mostrar o comportamento imprudente, injusto ou cruel dele.

Agora, todo reflexo impaciente e murmurante, sob a providência de Deus, é a mesma acusação de Deus. Uma reclamação sempre supõe mau uso.

Portanto, também você pode ver a grande necessidade e piedade desse estado agradecido de coração, porque a falta disso implica uma acusação da falta de Deus, quer de sabedoria ou bondade, em Sua disposição de nós. Não é, portanto, nenhum alto grau de perfeição, fundamentado em qualquer incomum pensamento, ou noções refinadas, mas um princípio claro, fundado nessa crença clara, de que Deus é um Ser de infinita sabedoria e bondade.

Agora, essa renúncia à vontade divina pode ser considerada em dois aspectos; Primeiro, como significa uma aprovação grata da providência geral de Deus sobre o mundo; Segundo, como significa uma aceitação grata de Sua providência particular sobre nós.

Primeiro, todo homem é, pela lei de sua criação, pelo primeiro artigo de seu credo, obrigado a consentir e reconhecer a sabedoria e a bondade de Deus em Sua providência geral em todo o mundo. Ele deve acreditar que é o efeito da grande sabedoria e bondade de Deus, que o próprio mundo foi formado em um momento tão particular e de tal maneira; que a ordem geral da natureza, todo o quadro das coisas, é inventado e formado da melhor maneira. Ele deve acreditar que a providência de Deus sobre estados e reinos, tempos e estações, é tudo para o melhor: que as revoluções de estado e as mudanças de império, a ascensão e queda de monarquias, perseguições, guerras, fomes e pragas, são todas permitido e conduzido pela providência de Deus ao bem geral do homem neste estado de provação.

Um homem bom deve acreditar em tudo isso, com a mesma plenitude de consentimento, pois acredita que Deus está em todo lugar, embora ele não veja, nem possa compreender a maneira de Sua presença. Esta é uma nobre magnificência de pensamento, uma verdadeira grandeza religiosa da mente, a ser afetada com a providência geral de Deus, admirando e ampliando Sua sabedoria em todas as coisas; nunca murmurando no curso do mundo, ou no estado das coisas, mas olhando ao redor, no céu e na terra, como um espectador satisfeito, e adorando aquela mão invisível, que dá leis a todos os movimentos e anula todos os eventos até o fim adequado à mais alta sabedoria e bondade.

É muito comum que as pessoas se permitam grande liberdade em encontrar falhas em coisas que só têm Deus por sua causa.

Todo mundo pensa que pode dizer com justiça, em que clima abominável e miserável ele vive. Esse homem está freqüentemente dizendo a você, que dia triste e maldito é e que estações intoleráveis ​​temos. Outro pensa que ele tem muito pouco a agradecer a Deus, que dificilmente vale a pena viver em um mundo tão cheio de mudanças e revoluções. Mas esses são temperamentos de grande impiedade, e mostram que a religião ainda não está assentada no coração daqueles que os possuem.

Parece realmente muito melhor murmurar no curso do mundo, ou no estado das coisas, do que murmurar em Providence; reclamar das estações e do tempo do que reclamar de Deus; mas se estes não têm outra causa além de Deus e Sua providência, é uma má distinção dizer que você está apenas zangado com as coisas, mas não com a Causa e o Diretor delas.

Quão sagrada é toda a estrutura do mundo, como todas as coisas devem ser consideradas como de Deus, e referidas a Ele, são totalmente ensinadas por nosso Abençoado Senhor no caso de juramentos: "Mas eu lhes digo: Não juro, nem pelo céu, porque é o trono de Deus; nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande rei; nem jurarás pela tua cabeça, porque não podes fazer um fio de cabelo. Branco ou preto"; [Mateus 5. 34-36] isto é, porque a brancura ou negritude dos teus cabelos não é tua, mas de Deus.

Aqui você vê todas as coisas em toda a ordem da natureza, desde os céus mais altos até os cabelos mais pequenos, devem sempre ser consideradas, não separadamente como são em si mesmas, mas como em alguma relação com Deus. E se isto for bom raciocínio, não jurarás pela terra, uma cidade ou teu cabelo, porque estas coisas são de Deus, e de certa maneira pertencem a ele; Não é exatamente o mesmo raciocínio a dizer: Não murmurarás nas estações da terra, nos estados das cidades e na mudança dos tempos, porque todas estas coisas estão nas mãos de Deus, tê-lo para seu autor, são dirigido e governado por Ele para os fins mais adequados à Sua sábia providência?

Se você acha que pode murmurar sobre o estado das coisas sem murmurar na Providência, ou queixar-se das estações sem reclamar de Deus, ouça o que nosso Abençoado Senhor diz em juramentos: "O que jurar pelo altar jura por ele e por todos os as coisas nelas e o que jurar pelo santuário jura por aquele que de fato habita, e o que jurar pelo céu jura pelo trono de Deus e por aquele que nele está assentado ”. [Mateus 23. 20-22]

Agora, esta Escritura não nos obriga a raciocinar dessa maneira? Aquele que murmura no curso do mundo murmura contra Deus que governa o curso do mundo. Quem repete as estações e o tempo, e fala impacientemente de tempos e acontecimentos, repete e fala impacientemente de Deus, que é o único Senhor e Governador dos tempos, estações e eventos.

Portanto, quando pensamos no próprio Deus, não devemos ter sentimentos, mas louvor e gratidão; então, quando olhamos para as coisas que estão sob a direção de Deus e são governadas por Sua providência, devemos recebê-las com os mesmos temperamentos de louvor e gratidão.

E embora não devamos pensar todas as coisas certas, justas e lícitas, que o provimento de Deus permite; pois então nada pode ser injusto, porque nada é sem a Sua permissão; todavia, devemos adorar a Deus nas maiores calamidades públicas, as mais graves perseguições, como as que são sofridas por Deus, como pragas e fomes, por fins adequados à sua sabedoria e glória no governo do mundo.

Não há nada mais adequado à piedade de uma criatura razoável, ou ao espírito de um cristão, do que assim aprovar, admirar e glorificar a Deus em todos os atos de Sua providência geral; considerando o mundo inteiro como Sua família particular, e todos os eventos como dirigidos por Sua sabedoria.

Cada um parece concordar com isso, como uma verdade inegável, que todas as coisas devem ser como Deus deseja; e isto não é suficiente para fazer todo homem satisfeito com eles? E como pode um homem ser um complacente rabugento de qualquer coisa que seja o efeito da Providência, mas mostrando que sua própria vontade própria e auto-sabedoria tem mais peso com ele do que a vontade e sabedoria de Deus? E o que se pode dizer que a religião fez por um homem cujo coração está nesse estado?

Pois se ele não pode agradecer e louvar a Deus, tanto nas calamidades e sofrimentos como na prosperidade e felicidade, ele está tão longe da piedade de um cristão quanto aquele que ama aqueles que o amam, é da caridade de um cristão. Para agradecer a Deus somente por coisas que você gosta, não é mais um ato apropriado de piedade, do que acreditar apenas no que você vê é um ato de fé. A renúncia e a ação de graças a Deus são apenas atos de piedade, quando são atos de fé, confiança e confiança na bondade divina.

A fé de Abraão foi um ato de verdadeira piedade, porque não parou em nenhuma dificuldade, não foi alterada ou diminuída por quaisquer aparências humanas. Em primeiro lugar, carregou-o, contra toda a demonstração de felicidade, de sua própria parentela e país, para uma terra estranha, sem saber para onde ele foi. Depois disso, ele fez, contra todas as aparências da natureza, quando seu corpo estava morto, quando ele tinha cerca de cem anos de idade, depende da promessa de Deus, estando totalmente convencido de que o que Deus havia prometido, Ele foi capaz de realizar. Foi essa mesma fé que, contra tantos apelos da natureza, tantas aparições da razão, prevaleceu sobre ele para oferecer Isaac - "contando que Deus foi capaz de ressuscitá-lo, até mesmo dentre os mortos". [Hebreus 11. 17, 19]

Agora esta fé é o verdadeiro padrão de resignação cristã ao prazer Divino; você deve agradecer e louvar a Deus, não apenas pelas coisas agradáveis ​​a você, que têm a aparência de felicidade e conforto; mas quando você é, como Abraão, chamou de todas as aparências de conforto para ser um peregrino em uma terra estranha, para separar-se de um filho único; estar totalmente persuadido da bondade Divina em todas as coisas que acontecem com você, como Abraão era da promessa divina quando havia a menor aparição de sua realização.

Esta é a verdadeira resignação cristã a Deus, que não requer mais apoio dela, do que uma garantia tão clara da bondade de Deus, como Abraão teve de Sua veracidade. E se você se perguntar, qual a razão maior pela qual Abraão teve que depender da veracidade divina, do que depender da bondade divina, descobrirá que nada pode ser dado.

Portanto, você não pode encarar isso como um tom desnecessário de perfeição, já que a falta dela implica a falta, não de noções elevadas, mas de uma fé clara e comum nas mais certas doutrinas da religião natural e da religião revelada.

Tanto quanto à resignação à vontade divina, uma vez que significa uma aprovação grata da providência geral de Deus: ela deve agora ser considerada, pois significa uma aceitação grata da providência particular de Deus sobre nós.

Todo homem deve se considerar um objeto particular da providência de Deus; sob o mesmo cuidado e proteção de Deus, como se o mundo tivesse sido feito apenas para ele. Não é por acaso que qualquer homem nasce em tal época, de tais pais e em tal lugar e condição. É certo que toda alma entra no corpo em tal momento e em tais circunstâncias, pelo desígnio expresso de Deus, de acordo com alguns propósitos de Sua vontade e para alguns fins particulares; isso é tão certo quanto é pelo design expresso de Deus que alguns seres são anjos e outros são homens.

É tanto pelo conselho e propósito eterno de Deus que você deve nascer em seu estado particular, e que Isaque seja filho de Abraão, como Gabriel seja um anjo e Isaque um homem.

As Escrituras nos asseguram que foi por indicação divina que nosso abençoado Salvador nasceu em Belém e em tal época. Ora, embora fosse devido à dignidade de Sua pessoa e à grande importância de Seu nascimento, que grande parte do conselho Divino foi declarado ao mundo, a respeito do tempo e maneira dele; todavia, temos a certeza, pelas mesmas Escrituras, de que o tempo e a maneira de todo homem vir ao mundo está de acordo com alguns propósitos eternos e direção da providência divina, e nesse tempo, lugar e circunstâncias, conforme são governado por Deus para fins particulares de Sua sabedoria e bondade.

Isso é tão certo, por pura revelação, quanto podemos ser de qualquer coisa. Pois se nos dizem que nenhum pardal cai no chão sem nosso Pai Celestial; pode algo mais fortemente nos ensinar que seres muito maiores, como almas humanas, não venham ao mundo sem o cuidado e a direção de nosso Pai Celestial? Se for dito: "Os cabelos de sua cabeça estão todos numerados": não é para nos ensinar que nada, nem as menores coisas que se possa imaginar, acontece conosco por acaso? Mas se as menores coisas que podemos conceber são declaradas sob a direção Divina, precisamos de nós, ou podemos ser mais claramente ensinados, que as melhores coisas da vida, como a maneira de vir ao mundo, nossos pais, O tempo e outras circunstâncias de nosso nascimento e condição estão todos de acordo com os propósitos eternos, direção e designação da providência divina?

Quando os discípulos fizeram esta pergunta ao nosso abençoado Senhor a respeito do cego, dizendo: "Mestre, quem pecou, ​​este homem ou seus pais, que ele nasceu cego?" Aquele que era a eterna Sabedoria de Deus, respondeu: "Nem este homem pecou, ​​nem seus pais, mas que as obras de Deus devem se manifestar nele". [João 9. 2, 3] Declarando claramente que as circunstâncias particulares do nascimento de todo homem, o corpo que ele recebe e a condição e estado de vida em que ele nasceu são nomeados por uma providência secreta, que dirige todas as coisas aos seus tempos e estações particulares, e maneira de existência, para que a sabedoria e as obras de Deus possam se manifestar em todos eles.

Como, portanto, é certo que somos o que somos, como nascimento, tempo e condição de entrar no mundo; já que tudo o que é particular em nosso estado é o efeito da providência particular de Deus sobre nós, e destinada a alguns fins particulares tanto de Sua glória como de nossa própria felicidade; somos, pelas maiores obrigações de gratidão, chamados a nos conformar e resignar nossa vontade à vontade de Deus em todos esses aspectos; felizmente aprovando e aceitando tudo o que é particular em nosso estado; louvando e glorificando o Seu Nome pelo nascimento de tais pais, e em tais circunstâncias de estado e condição; sendo plenamente assegurado, que foi por algumas razões de infinita sabedoria e bondade que nós nascemos em tais estados particulares de vida.

Se o homem acima mencionado tivesse nascido cego, que as obras de Deus pudessem se manifestar nele, se ele não tivesse uma grande razão para louvar a Deus por designá-lo, de maneira tão particular, para ser o instrumento de Sua glória? E se uma pessoa nasce aqui e outra ali; se alguém cai entre riquezas e outro em pobreza; se alguém recebe sua carne e sangue desses pais, e outro deles, para fins particulares como o homem nasceu cego; Não tem todas as pessoas a maior razão para abençoar a Deus e ser grato por seu estado e condição particulares, porque tudo o que é particular nela, é tão diretamente destinado à glória de Deus, e ao seu próprio bem, quanto a cegueira particular de Deus. Aquele homem que nasceu assim, para que as obras de Deus pudessem se manifestar nele?

Quão nobre ideia isso nos dá da onisciência divina que governa o mundo inteiro, e governa uma cadeia tão longa e uma combinação de acidentes e oportunidades aparentes, à vantagem comum e particular de todos os seres! De modo que todas as pessoas, em uma variedade tão maravilhosa de causas, acidentes e eventos, devam todos cair em estados particulares como foram previstos e preordenados para sua melhor vantagem e de modo a serem mais úteis aos sábios e gloriosos fins do governo de Deus. de todo o mundo.

Se você fosse alguma coisa além do que você é, você tinha, todas as coisas consideradas, sido menos sabiamente providas do que você é agora: você queria algumas circunstâncias e condições que melhor se encaixam para torná-lo feliz e útil para a glória de Deus.

Você poderia ver tudo o que Deus vê, toda aquela cadeia feliz de causas e motivos que devem mover e convidar você a um curso correto de vida, você veria algo para fazer você gostar desse estado em que você está, mais apto para você do que qualquer outro.

Mas como você não pode ver isso, é aqui que sua fé cristã e confiança em Deus é exercitar-se e torná-lo grato e grato pela felicidade do seu estado, como se você visse tudo o que contribui para isso com o seu próprio olhos.

Mas agora, se este é o caso de todo homem no mundo, assim abençoado com algum estado particular que seja mais conveniente para ele, quão razoável é para todo homem desejar aquilo que Deus já desejou para ele! E por uma fé piedosa e confiança na bondade divina; Felizmente para adorar e ampliar essa sábia providência, que ele tem certeza que fez a melhor escolha para ele daquelas coisas que ele não poderia escolher por si mesmo!

Todo mal-estar em nosso estado é fundado comparando-o com o de outras pessoas; que é tão irracional como se um homem em hidropisia devesse ficar zangado com aqueles que lhe prescrevem coisas diferentes daquelas prescritas às pessoas saudáveis. Pois todos os diferentes estados da vida são como os diferentes estados de doenças; o que é um remédio para um homem em seu estado, pode ser veneno para outro.

De modo que murmurar porque você não é como alguns outros são, é como se um homem em uma doença devesse murmurar que não é tratado como o que está em outra. Considerando que, se ele tivesse a vontade dele, ele seria morto por aquilo que provaria a cura de outro.

É apenas assim nas várias condições de vida; se você se entregar ao mal-estar, ou se queixar de qualquer coisa em seu estado, pode, pelo que você sabe, ser tão ingrato a Deus, a ponto de murmurar exatamente aquilo que é para provar a causa de sua salvação. Se você tivesse o poder de conseguir aquilo que você acha que é tão difícil querer, talvez seja exatamente isso que, dentre todos os outros, o exporia mais à condenação eterna.

Para que, se considerarmos a bondade infinita de Deus, que não pode escolher errado para nós, ou nossa própria grande ignorância do que é mais vantajoso para nós, não pode haver nada tão razoável e piedoso, a ponto de não ter vontade senão a de Deus, e não desejar nada para nós mesmos, em nossas pessoas, nosso estado e condição, mas aquilo que a boa providência de Deus nos designa.

Além disso, como a boa providência de Deus nos introduz no mundo, em tais

estados e condições de vida como são mais convenientes para nós, então a mesma sabedoria infalível ordena todos os eventos e mudanças em todo o curso de nossas vidas, de tal maneira, para torná-los os meios mais adequados para exercitar e melhorar nossa virtude.

Nada nos machuca, nada nos destrói, mas o mau uso dessa liberdade com a qual Deus nos confiou.

Temos a certeza de que nada nos acontece por acaso, já que o mundo em si não foi feito por acaso; temos a certeza de que todas as coisas acontecem e trabalhamos juntas para o nosso bem, pois Deus é o próprio bem. De modo que um homem tem tanta razão para querer tudo o que acontece com ele, porque Deus o quer, como para pensar que é o mais sábio que é dirigido pela sabedoria infinita.

Isso não é trapaça ou calmante em qualquer conteúdo falso ou felicidade imaginária; mas é uma satisfação baseada em tão grande certeza quanto o ser e os atributos de Deus. Pois se estamos certos em crer que Deus age sobre nós com infinita sabedoria e bondade, não podemos levar nossas noções de conformidade e resignação à vontade Divina muito elevadas; nem podemos ser enganados, pensando que isso é o melhor para nós, que Deus nos trouxe.

Pois a providência de Deus não está mais preocupada no governo da noite e do dia, e na variedade de estações do que no curso comum dos eventos que parecem depender mais das mera vontades dos homens. De modo que é tão estritamente correto olhar para todos os acidentes e mudanças mundanas, todas as várias reviravoltas e alternações em sua própria vida, para ser verdadeiramente os efeitos da Divina Providência, como o nascer e pôr do sol, ou as alternâncias de as estações do ano. Portanto, como você é, deve sempre adorar a sabedoria de Deus na direção dessas coisas; assim, é o mesmo dever razoável sempre magnificar a Deus, como um Diretor igual de tudo o que acontece com você no curso de sua própria vida.

Esta sagrada renúncia e conformidade da sua vontade à vontade de Deus, sendo tanto o verdadeiro estado de piedade, eu espero que você pense que é apropriado fazer desta hora de oração uma época constante de aplicação a Deus para tão grande presente; que assim orando constantemente por isso, seu coração pode estar habitualmente disposto a ele, e sempre em um estado de prontidão para olhar para tudo como Deus e considerá-Lo em tudo; que tudo o que acontece com você pode ser recebido no espírito de piedade, e feito um meio de exercer alguma virtude.

Não há nada que governe tão poderosamente o coração, que tão fortemente nos estimule a ações sábias e razoáveis, como um verdadeiro sentido da presença de Deus. Mas como não podemos ver, ou apreender a essência de Deus, nada nos manterá tão constantemente sob um sentido vivo da presença de Deus, como esta resignação sagrada que tudo atribui a Ele, e recebe tudo como Dele.

Poderíamos ver um milagre de Deus, como nossos pensamentos seriam afetados com um santo temor e veneração de Sua presença! Mas se considerarmos tudo como obra de Deus, seja por ordem ou permissão, seremos então afetados por coisas comuns, como seriam aqueles que viram um milagre.

Pois, como não há nada para afetá-lo em um milagre, mas como é a ação de Deus, e fala a Sua presença; Assim, quando você considera Deus atuando em todas as coisas e em todos os eventos, todas as coisas se tornarão veneráveis ​​a você, como milagres, e os preencherá com os mesmos sentimentos terríveis da presença Divina.

Agora você não deve reservar o exercício deste temperamento piedoso a nenhum momento ou ocasião em particular, ou imaginar como você se resignará a Deus, se tais ou tais provações vierem a acontecer. Pois isso é divertido com a noção ou ideia de resignação, em vez da própria virtude.

Portanto, não se agrade de pensar em quão piedosamente você agiria e se submeteria a Deus em uma praga, fome ou perseguição, mas tenha a intenção de aperfeiçoar os dias atuais; e esteja certo de que a melhor maneira de demonstrar um verdadeiro zelo é fazer das pequenas coisas as ocasiões de grande piedade.

Comece, portanto, nos menores assuntos, e nas ocasiões mais comuns, e acostume sua mente ao exercício diário desse temperamento religioso, nas ocorrências mais baixas da vida. E quando um desprezo, uma afronta, uma pequena lesão, perda ou desapontamento, ou os menores eventos de todos os dias, continuamente elevam sua mente a Deus em atos de resignação, então você pode justamente esperar que você seja contado entre aqueles que são resignados e agradecidos a Deus nas maiores provações e aflições.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo XXII.

Disponível em CCEL (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: