Auto-exercício



"Esforce-se para entrar pela porta estreita: digo-vos que muitos procurarão entrar e não poderão." - Lucas 13. 24

Havia um homem que fez uma pergunta muito profunda a nosso Senhor Jesus Cristo. Ele lhe disse: "Senhor, poucos são salvos?"

Quem era esse homem, não sabemos. Qual foi o motivo dele para fazer essa pergunta, não nos é dito. Talvez ele quisesse satisfazer uma curiosidade ociosa: talvez ele quisesse uma desculpa para não buscar a salvação. O Espírito Santo escondeu tudo isso de nós: o nome e o motivo do investigador estão ocultos.

Mas uma coisa é muito clara, e essa é a grande importância das palavras de nosso Senhor, às quais a pergunta deu origem. Jesus aproveitou a oportunidade para direcionar as mentes de todos os que o cercavam para seus próprios deveres. Ele conhecia a linha de pensamento que a investigação do homem havia posto em movimento em seus corações: ele viu o que estava acontecendo dentro deles. "Esforce-se", ele grita, "para entrar pelo portão estreito." Se existem poucos salvos ou muitos, seu curso é claro; - tente entrar. Agora é o tempo certo. Agora é o dia da salvação. Chegará o dia em que muitos tentarão entrar e não poderão. "Esforce-se para entrar agora."

Desejo chamar a atenção séria de todos os que lerem este artigo para as lições solenes que esse ditado do Senhor Jesus deve ensinar. É aquele que merece lembrança especial nos dias atuais. Ensina inconfundivelmente essa poderosa verdade, nossa responsabilidade pessoal pela salvação de nossas almas. Isso mostra o imenso perigo de adiar os grandes negócios da religião, como muitos fazem infelizmente. Em ambos os pontos, o testemunho de nosso Senhor Jesus Cristo no texto é claro. Ele, que é o Deus eterno, e que falou as palavras de perfeita sabedoria, diz aos filhos dos homens: "Esforce-se por entrar pela porta estreita: pois muitos, eu vos digo, procurarão entrar, e não poderão".

I. Aqui está uma descrição do caminho da salvação. Jesus chama isso de "o portão estreito".

II. Aqui está um comando simples. Jesus diz: "Esforce-se para entrar".

III. Aqui está uma terrível profecia. Jesus diz: "Muitos procurarão entrar e não poderão".

Que o Espírito Santo aplique o assunto ao coração de todos em cujas mãos este papel possa cair! Que todos os que lerem conheçam experimentalmente o caminho da salvação, obedeçam à ordem do Senhor de forma prática e sejam achados seguros no grande dia de Sua segunda vinda!


I. Aqui está uma descrição do caminho da salvação. Jesus chama isso de "o portão estreito".

Há um portão que leva ao perdão, paz com Deus e céu. Quem entrar por esse portão será salvo. Nunca antes, certamente, um portão foi tão necessário. O pecado é uma vasta montanha entre o homem e Deus. Como o homem deve escalá-lo? - Pecado é um muro alto entre o homem e Deus. Como o homem passará por isso? - O pecado é um abismo profundo entre o homem e Deus. Como o homem deve atravessá-lo? - Deus está no céu, santo, puro, espiritual, imaculado, luz sem nenhuma escuridão, um Ser que não pode suportar o que é mau ou encarar a iniquidade. O homem é um verme pobre e caído, rastejando na terra por alguns anos - pecador, corrupto, errante, defeituoso -, um ser cuja imaginação é apenas má e cujo coração é enganoso acima de todas as coisas e desesperadamente perverso. Como o homem e Deus serão reunidos? Como o homem deve se aproximar de seu Criador sem medo e vergonha? Bendito seja Deus, existe um caminho! Há uma estrada. Existe um trajeto. Há uma porta. É o portão mencionado nas palavras de Cristo, "o portão estreito".

Este portão foi feito para os pecadores pelo Senhor Jesus Cristo. Desde toda a eternidade, Ele convenceu e comprometeu-se a fazê-lo. Na plenitude dos tempos, Ele veio ao mundo e o fez, por Sua própria morte expiatória na cruz. Por essa morte, Ele satisfez o pecado do homem, pagou sua dívida com Deus e suportou o castigo do homem. Ele construiu um grande portão às custas de Seu próprio corpo e sangue. Ele levantou uma escada na terra cujo topo alcançava o céu. Ele fez uma porta pela qual o mais vil dos pecadores pode entrar na santa presença de Deus, e não ter medo. Ele abriu um caminho pelo qual o mais vil dos homens, acreditando Nele, pode se aproximar de Deus e ter paz. Ele clama a nós: "Eu sou a porta: por mim, se alguém entrar, será salvo" (João 10. 9). "Eu sou o caminho: ninguém vem ao Pai senão por mim." (João 14. 6). "Por ele", diz Paulo, "temos ousadia e acesso com confiança" (Efésios 3. 12). Assim foi formado o portão da salvação.

Este portão é chamado de portão estreito, e não é chamado sem causa. É sempre estreito, restrito e difícil de passar para algumas pessoas, e será assim enquanto o mundo permanecer. É restrito àqueles que amam o pecado e estão determinados a não se separar dele. É restrito a todos que depositam sua afeição neste mundo, e busca primeiro seus prazeres e recompensas. É restrito a todos que não gostam de problemas e não estão dispostos a se esforçar e fazer sacrifícios por suas almas. É restrito a todos que gostam de companhia e querem acompanhar a multidão. É restrito a todos os que são justos e pensam que são boas pessoas e merecem ser salvos. Para todos, o grande portão que Cristo fez é estreito e restrito. Em vão, eles procuram passar. O portão não os admitirá. Deus não está disposto a recebê-los; seus pecados não são muitos para serem perdoados; mas eles não desejam ser salvos à maneira de Deus. Milhares, nos últimos dezoito séculos, tentaram tornar o portão mais amplo: milhares labutaram e trabalharam duro para chegar ao céu em termos inferiores. Mas o portão nunca se altera. Não é elástico: não se estica para acomodar um homem mais do que outro. Ainda é o portão estreito.

Por mais estreito que seja este portão, é o único pelo qual os homens podem chegar ao céu. Não há porta lateral; não há caminho ao lado; não há vão ou espaço embaixo da parede. Todos os que são salvos serão salvos somente por Cristo, e somente pela simples fé n'Ele. - Ninguém será salvo pelo arrependimento. A tristeza de hoje não diminui a pontuação de ontem. - Ninguém será salvo por suas próprias obras. As melhores obras que qualquer homem pode fazer são pouco melhores que pecados esplêndidos. - Ninguém será salvo por sua regularidade formal no uso dos meios externos da graça. Quando fizemos tudo, somos pobres "servos não lucrativos". Ah, não! É mera perda de tempo buscar qualquer outro caminho para a vida eterna. Os homens podem olhar para a direita e para a esquerda e se cansarem de seus próprios meios, mas nunca encontrarão outra porta. Homens orgulhosos podem não gostar do portão, se quiserem. Homens desprezíveis podem zombar dela e fazer piada daqueles que a usam. Homens preguiçosos podem reclamar que o caminho é difícil. Mas os homens não descobrirão outra salvação senão a da fé no sangue e na justiça de um Redentor crucificado. Há entre nós e o céu um grande portão: pode ser estreito; mas é o único. Nós devemos entrar no céu pelo portão estreito, e não por qualquer outra maneira.

Estreito como este portão, ele está sempre pronto para abrir. Nenhum pecador de qualquer espécie é proibido de se aproximar: aquele que quiser entrar e ser salvo. Há apenas uma condição de admissão: essa condição é que você realmente sinta seus pecados e deseja ser salvo por Cristo à Sua maneira. Você é realmente sensível à sua culpa e vileza? Tens um coração verdadeiramente quebrantado e contrito? Eis a porta da salvação e entre. Aquele que a fez, declara: "Aquele que vem a mim de maneira alguma será rejeitado" (João 6. 37). A questão a ser considerada não é se você é um grande pecador ou um pequeno pecador - se é eleito ou não - se é convertido ou não. A questão é simplesmente esta: "Você sente seus pecados? Você se sente sobrecarregado e desanimado? Você está disposto a colocar sua alma nas mãos de Cristo?" Então, se for esse o caso, o portão se abrirá para você de uma só vez. Venha neste mesmo dia. "Por que estás do lado de fora?" (Gênesis 24. 31).

Por mais estreito que seja este portão, é aquele pelo qual milhares entraram e foram salvos. Nenhum pecador jamais voltou atrás e disse que era muito ruim para ser admitido, se ele realmente ficasse com seus pecados. Milhares de todos os tipos foram recebidos, purificados, lavados, perdoados, vestidos e feitos herdeiros da vida eterna. Alguns deles pareciam muito improváveis ​​de serem admitidos: você e eu poderíamos pensar que eles eram ruins demais para serem salvos. Mas aquele que construiu o portão não os recusou. Assim que bateram, Ele deu ordens para que fossem deixados entrar.

Manassés, rei de Judá, subiu a este portão. Ninguém poderia ter sido pior que ele. Ele desprezara o exemplo e o conselho de seu bom pai Ezequias. Ele se curvou aos ídolos. Ele encheu Jerusalém de derramamento de sangue e crueldade. Ele matou seus próprios filhos. Mas, assim que seus olhos se abriram para seus pecados, e ele fugiu para o portão para perdão, o portão se abriu e ele foi salvo.

Saulo, o fariseu, subiu a este portão. Ele fora um grande ofensor. Ele havia sido um blasfemador de Cristo, e um perseguidor do povo de Cristo. Ele trabalhou duro para parar o progresso do Evangelho. Mas assim que seu coração foi tocado, e ele descobriu sua própria culpa e fugiu para o portão para perdão, imediatamente o portão se abriu e ele foi salvo.

Muitos dos judeus que crucificaram nosso Senhor subiram a este portão. Eles tinham sido realmente pecadores graves. Eles recusaram e rejeitaram seu próprio Messias. Eles o entregaram a Pilatos, e pediram que ele fosse morto. Eles desejavam que Barrabás fosse solto, e o Filho de Deus fosse crucificado. Mas no dia em que foram pregados no coração pela pregação de Pedro, eles fugiram para o portão ansiando perdão, e imediatamente o portão se abriu, e eles foram salvos.

O carcereiro de Filipos subiu a este portão. Ele tinha sido um homem cruel, duro e sem Deus. Ele fizera tudo ao seu alcance para maltratar Paulo e seu companheiro. Ele os jogara na prisão interna e acelerara os pés no tronco. Mas quando sua consciência foi despertada pelo terremoto e sua mente iluminada pelos ensinamentos de Paulo, ele fugiu para o portão para perdoar, e imediatamente o portão se abriu e ele foi salvo.

Mas por que eu preciso parar nos exemplos da Bíblia? Por que não devo dizer que multidões foram ao "portão estreito" desde os dias dos apóstolos e entraram por ele e foram salvas? Milhares de pessoas de todas as categorias, classes e idades - instruídos e não instruídos, ricos e pobres, velhos e jovens - experimentaram o portão e o acharam pronto para abrir - passaram por ele e encontraram paz em suas almas. Sim: milhares de pessoas que ainda vivem fizeram uma prova do portão e encontraram o caminho para a verdadeira felicidade. Nobres e plebeus, comerciantes e banqueiros, soldados e marinheiros, fazendeiros e comerciantes, trabalhadores e operários, que ainda estão na terra, consideraram o portão estreito um "caminho de prazer e um caminho de paz". Eles não trouxeram um relatório ruim do país lá dentro. Eles acharam o jugo de Cristo fácil, e Seu fardo leve. Seu único arrependimento foi que tão poucos entraram e que eles mesmos não entraram antes.

Este é o portão em que quero que todos entrem, em cuja mão este papel pode cair. Eu quero que você não apenas vá à igreja ou capela, mas vá de coração e alma ao portão da vida. Quero que você não apenas acredite que existe um portão assim, e pense que é uma coisa boa, mas que entre pela fé e seja salvo.

Pense em que privilégio é ter um portão. Os anjos que não mantiveram seu primeiro estado caíram, nunca mais se levantando. Para eles não havia nenhuma porta de fuga aberta. - Os pagãos nunca ouviram falar em nenhum caminho para a vida eterna. O que muitos homens negros e muitos homens vermelhos não dariam, se apenas ouvisse um sermão claro sobre Cristo? [1] - Os judeus no tempo do Antigo Testamento apenas viam o portão vagamente e distante. "O caminho para o santuário não se manifestou, enquanto o primeiro tabernáculo estava de pé." (Hebreus 9. 8). Você tem o portão bem definido diante de você: você tem Cristo e a salvação completa oferecida a você, sem dinheiro e sem preço. Você nunca precisa perder o caminho a seguir. Ó, considere que misericórdia é essa! Cuidado para não desprezar o portão e perecer na incredulidade. Melhor mil vezes não conhecer o portão do que conhecê-lo e ainda assim ficar lá fora. Como de fato você escapará se negligenciar tão grande salvação?

Pense em como você deveria ser um homem agradecido se realmente entrou no portão estreito. Ser uma alma desculpada, perdoada, justificada - estar preparado para a doença, a morte, o julgamento e a eternidade - estar sempre previsto em ambos os mundos - certamente é assunto para louvor diário. Os cristãos verdadeiros devem estar mais cheios de ações de graças do que são. Receio que poucos se lembrem o que eram por natureza e que devedores são da graça. Um pagão observou que cantar hinos de louvor era uma marca especial dos primeiros cristãos. Bem, seria para os cristãos dos dias de hoje, se eles soubessem mais desse estado de espírito. Não é sinal de um estado saudável da alma quando há muitas queixas e poucos elogios. É uma incrível misericórdia que haja qualquer porta de salvação; mas é uma misericórdia ainda maior quando somos ensinados a entrar por ela e ser salvos.


II. Em segundo lugar, aqui está uma ordem clara. - Jesus nos diz: "Esforce-se para entrar pelo portão estreito". Muitas vezes, há muito a ser aprendido em uma única palavra das Escrituras. As palavras de nosso Senhor Jesus, em particular, estão sempre cheias de assuntos para reflexão. Aqui está uma palavra que é um exemplo impressionante do que quero dizer. Vamos ver o que o grande Mestre nos faria reunir da palavra "Esforce-se".

"ESFORÇAR-SE" ensina que um homem deve usar meios diligentemente, se quiser que sua alma seja salva. Existem meios que Deus designou para ajudar o homem em seus esforços a se aproximar dele. Existem maneiras pelas quais um homem deve andar, se ele deseja ser encontrado por Cristo. Adoração pública, lendo a Bíblia, ouvindo o evangelho pregado - são essas as coisas a que me refiro. Elas estão, por assim dizer, no meio, entre o homem e Deus. Sem dúvida, ninguém pode mudar seu próprio coração, ou limpar um de seus pecados, ou tornar-se no menor grau aceitável a Deus; mas digo que se o homem não pudesse fazer nada além de ficar parado, Cristo nunca teria dito "Esforce-se".

"ESFORÇAR-SE" ensina que o homem é um agente livre e será tratado por Deus como um ser responsável. O Senhor Jesus não pede que esperemos, desejemos, sintamos, confiemos e desejemos. Ele diz: "Esforce-se". Eu chamo essa religião miserável que ensina as pessoas a se contentarem em dizer: "Não podemos fazer nada de nós mesmos" e as faz continuar em pecado. É tão ruim quanto ensinar às pessoas que não é culpa delas se elas não são convertidas, e que Deus é o único culpado se elas não forem salvas. Não encontro tal teologia no Novo Testamento. Eu ouço Jesus dizendo aos pecadores: "Venha - arrependa-se - acredite - trabalhe - pergunte - procure - bata". Vejo claramente que nossa salvação, do primeiro ao último, é inteiramente de Deus; mas vejo com menos clareza que nossa ruína, se perdida, é total e inteiramente de nós mesmos. Eu mantenho que os pecadores são sempre tratados como responsáveis; e não quero melhor prova disso do que a que está contida na palavra "Esforce-se".

"ESFORÇAR-SE" ensina que um homem deve esperar muitos adversários e uma dura batalha, se quiser salvar sua alma. E isso, por uma questão de experiência, é estritamente verdadeiro. Não há "ganhos sem dores" nas coisas espirituais, assim como no temporal. Aquele leão que ruge, o diabo, nunca permitirá que uma alma escape dele sem luta. O coração que é naturalmente sensual e terreno nunca será transformado em coisas espirituais sem uma luta diária. O mundo, com toda a sua oposição e tentações, nunca será vencido sem um conflito. Mas por que tudo isso deveria nos surpreender? Que coisa grandiosa e boa já foi feita sem problemas? O trigo não cresce sem arar e semear; riquezas não são obtidas sem cuidado e atenção; o sucesso na vida não é conquistado sem dificuldades e labuta; e o céu, acima de tudo, não pode ser alcançado sem a cruz e a batalha. Os "violentos tomam o reino à força" (Mateus 11. 12). Um homem deve "lutar".

"ESFORÇAR-SE" ensina que vale a pena um homem buscar a salvação. Isso pode muito bem ser dito. Se há algo que merece uma luta neste mundo, é a prosperidade da alma. Os objetos pelos quais a grande maioria dos homens se esforça são coisas relativamente pobres e insignificantes. Riquezas, grandeza, posição e aprendizado são "uma coroa corruptível". As coisas incorruptíveis estão todas dentro do portão estreito. A paz de Deus que ultrapassa todo entendimento - a brilhante esperança das coisas boas -, o senso do Espírito que habita em nós - a consciência de que somos perdoados, seguros, preparados, segurados, previstos em tempo e eternidade, aconteça o que acontecer, são ouro verdadeiro e riquezas duráveis. Bem, que o Senhor Jesus nos exija que "nos esforcemos".

"ESFORÇAR-SE" ensina que a preguiça na religião é um grande pecado. Não é apenas um infortúnio, como alguns imaginam, - algo pelo qual as pessoas devem ter pena e motivo de arrependimento. É algo muito mais do que isso. É uma violação de um mandamento claro. O que será dito do homem que transgride a lei de Deus e faz algo que Deus diz: Não farás? Só pode haver uma resposta. Ele é um pecador. "O pecado é a transgressão da lei." (1 João 3. 4). E o que será dito do homem que negligencia sua alma e não faz nenhum esforço para entrar pela porta estreita? Só pode haver uma resposta. Ele está omitindo um dever positivo. Cristo disse-lhe: "Esforce-se", e eis que ele fica quieto!

"ESFORÇAR-SE" ensina que todos do lado de fora do portão estreito estão em grande perigo. Eles correm o risco de se perderem para sempre. Há apenas um passo entre eles e a morte. Se a morte os encontrar em sua condição atual, eles perecerão sem esperança. O Senhor Jesus viu isso claramente. Ele conhecia a incerteza da vida e a falta de tempo: ele faria com que os pecadores se apressassem e não demorassem, para que não adiassem os afazeres da alma tarde demais. Ele fala como alguém que via o diabo se aproximando deles diariamente, e os dias da vida deles gradualmente diminuindo. Ele quer que eles tomem cuidado para que não seja tarde demais: portanto, Ele clama: "Esforce-se".


Essa palavra "Esforce-se" suscita pensamentos solenes em minha mente. É transbordante de condenação para milhares de pessoas batizadas. Condena os caminhos e práticas das multidões que professam e se denominam cristãs. Muitos dizem que nem blasfemam, nem assassinam, nem cometem adultério, nem roubam, nem mentem; mas uma coisa infelizmente não pode ser dita deles: não se pode dizer que eles "se esforçam" para serem salvos. O "espírito do sono" possui o coração em tudo o que diz respeito à religião. Sobre as coisas do mundo, elas são ativas o suficiente: elas se levantam cedo e tarde descansam; labutam; trabalham; estão ocupados; são cuidadosos: mas sobre a única coisa necessária, nunca "se esforçam".

O que direi daqueles que são irregulares sobre o culto público aos domingos? Existem milhares em toda a Grã-Bretanha que correspondem a essa descrição. Às vezes, se eles se sentem dispostos, vão a alguma igreja ou capela e assistem a um serviço religioso; outras vezes, ficam em casa e leem o jornal, ficam ociosos, examinam suas contas ou procuram alguma diversão. Isso é "esforço"? Falo com homens de bom senso. Deixe-os julgar o que eu digo.

O que direi daqueles que vêm regularmente a um local de culto, mas vêm inteiramente por uma questão de formalidade? Há muitos em todas as paróquias da Grã-Bretanha nessa condição. Seus pais os ensinaram a vir; o costume deles sempre estava por vir: não seria respeitável ficar longe. Mas eles não se importam com a adoração a Deus quando eles vêm. Se eles ouvem lei ou Evangelho, verdade ou erro, é tudo a mesma coisa para eles. Eles não se lembram de nada depois. Eles adiam sua forma de religião com suas roupas de domingo e retornam ao mundo. E isso é "esforço"? Falo com homens de bom senso. Deixe-os julgar o que eu digo.

O que direi daqueles que raramente ou nunca leem a Bíblia? Receio que há milhares de pessoas que respondem a essa descrição. Eles conhecem o livro pelo nome; eles sabem que é comumente considerado o único livro que nos ensina como viver e como morrer: mas eles nunca conseguem encontrar tempo para lê-lo. Jornais, resenhas, novelas, romances, eles sabem ler, mas não a Bíblia. E é esse o "esforço" para entrar? Falo com homens de bom senso. Deixe-os julgar o que eu digo.

O que direi daqueles que nunca oram? Acredito firmemente que há multidões nessa condição. Sem Deus eles se levantam de manhã e sem Deus se deitam à noite. Eles não pedem nada; eles não confessam nada; eles agradecem por nada; eles não procuram nada. Todas são criaturas moribundas e, no entanto, nem mesmo falam com o Criador e o Juiz! E isso é "esforço"? Falo com homens de bom senso. Deixe-os julgar o que eu digo.

É uma coisa solene ser ministro do Evangelho. É uma coisa dolorosa de se observar e perceber os caminhos da humanidade em assuntos espirituais. Temos em nossas mãos aquele grande estatuto do Livro de Deus, que declara que sem arrependimento, conversão e fé em Cristo e santidade, nenhum homem vivo pode ser salvo. No exercício de nosso cargo, exortamos os homens a se arrependerem, crerem e serem salvos; mas, infelizmente, com grande frequência temos de lamentar que todo o nosso trabalho parece vão. Os homens frequentam nossas igrejas, ouvem e aprovam, mas não "se esforçam" para serem salvos. Mostramos a pecaminosidade do pecado; nós revelamos a beleza de Cristo; expomos a vaidade do mundo; apresentamos a felicidade do serviço de Cristo; oferecemos a água viva aos filhos cansados ​​e pesados ​​da labuta; mas, infelizmente, com grande frequência parecemos falar com os ventos. Nossas palavras são ouvidas pacientemente aos domingos; nossos argumentos não são refutados: mas vemos claramente na semana que os homens não estão "se esforçando" para serem salvos. Chega o diabo na segunda-feira de manhã e oferece suas inúmeras armadilhas; aí vem o mundo e oferece seus aparentes prêmios: nossos ouvintes os seguem com avidez. Eles trabalham duro pelos bens deste mundo; eles trabalham à vontade de Satanás: mas, por uma coisa necessária, eles não "se esforçarão".

Não estou escrevendo por ouvir dizer. Eu falo o que vi. Eu escrevo o resultado da experiência de trinta e sete anos no ministério. Aprendi lições sobre a natureza humana durante esse período que nunca conheci antes. Vi quão verdadeiras são as palavras de nosso Senhor sobre o caminho estreito. Eu descobri como são poucos os que "se esforçam" para serem salvos.

Ser sincero sobre assuntos temporais é bastante comum. Esforçar-se para ser rico e próspero neste mundo não é raro. Esforços por dinheiro, negócios e política - esforços pelo comércio, ciência, artes plásticas e diversões - esforços por aluguel, salários, trabalho e terra - esforços sobre esses assuntos que vejo em abundância, tanto na cidade quanto no campo. Mas vejo poucos que se preocupam com suas almas. Vejo poucos que "se esforçam" para entrar no portão estreito.

Não estou surpreso com tudo isso. Li na Bíblia que é apenas o que devo esperar. A parábola da grande ceia é uma imagem exata das coisas que tenho visto com meus próprios olhos desde que me tornei ministro (Lucas 14. 16). Acho, como meu Senhor e Salvador me diz, que "os homens dão desculpas". Um deles tem seu pedaço de terra para ver; outro tem seus bois para provar; um terço tem obstáculos familiares. Mas tudo isso não impede que me sinta profundamente aflito pelas almas dos homens. Lamento pensar que eles deveriam ter a vida eterna tão perto deles, e ainda assim se perderem porque não "se esforçarão" para entrar e serem salvos.

Não sei em que estado da alma muitos leitores deste artigo podem estar. Mas aviso-o a prestar atenção para não perecer para sempre por falta de "esforço". Não suponha que seja necessário algum grande pecado escarlate para levá-lo ao abismo da destruição. Você precisa apenas ficar quieto e não fazer nada, e finalmente se encontrará lá. Sim! Satanás não pede que você ande nos degraus de Caim, Faraó, Acabe, Belsazar e Judas Iscariotes. Há outro caminho para o inferno com tanta certeza - o caminho da indolência espiritual, preguiça espiritual e ociosidade espiritual. Satanás não tem objeção a você ser um membro respeitável da Igreja Cristã. Ele permitirá que você pague seus dízimos, taxas e aluguéis de bancos; ele permitirá que você se sente confortavelmente na igreja todos os domingos em que vive. Ele sabe muito bem que, enquanto você não "se esforçar", deve finalmente chegar ao verme que nunca morre e ao fogo que não se apaga. Preste atenção para que você não chegue a esse fim. Repito: você apenas precisa fazer nada, e estará perdido.

Se você foi ensinado a "lutar" pela prosperidade de sua alma, peço que você nunca pense que pode ir longe demais. Nunca ceda à ideia de que você está tendo muitos problemas com sua condição espiritual e que não há necessidade de tanto cuidado. Decida, em sua opinião, que "em todo trabalho há lucro" e que nenhum trabalho é tão lucrativo quanto o concedido à alma. É uma máxima entre os bons agricultores que quanto mais eles fazem pela terra, mais ela faz por eles. Estou certo de que deve ser uma máxima entre os cristãos que quanto mais eles fazem por sua religião, mais sua religião fará por eles. Vigie contra a menor inclinação para se descuidar de qualquer meio de graça. Cuidado para não encurtar suas orações, sua leitura da Bíblia, sua comunhão particular com Deus. Preste atenção para não dar lugar a uma maneira preguiçosa e impensada de usar os serviços públicos da casa de Deus. Lute contra qualquer disposição crescente para ficar sonolento, crítico e encontrar falhas, enquanto ouve a pregação do Evangelho. Tudo o que você faz por Deus, faça com todo o seu coração, mente e força. Em outras coisas, seja moderado e que o medo chegue a extremos. Nos assuntos da alma, tema a moderação, assim como você temeria a praga. Não se importe com o que os homens pensam de você. Que seja suficiente para você que o seu Mestre diga: "Esforce-se".


III. A última coisa que desejo considerar neste artigo é a terrível profecia que o Senhor Jesus profere. Ele diz: "Muitos procurarão entrar e não poderão".

Quando deve ser isso? Em que período o portão da salvação será fechado para sempre? Quando o "esforço" para entrar não será útil? Essas são perguntas sérias. O portão está agora pronto para abrir ao chefe dos pecadores; mas chega o dia em que não abrirá mais.

O tempo predito por nosso Senhor é o tempo da Sua segunda vinda para julgar o mundo. O sofrimento de Deus finalmente terá um fim. O trono da graça será finalmente derrubado, e o trono do julgamento será estabelecido em seu lugar. A fonte das águas vivas deve por fim ser fechada. O portão estreito será finalmente barrado e trancado. O tempo da graça terá passado e terminado. O tempo do acerto de contas com um mundo carregado de pecado deve finalmente começar. E então será realizada a solene profecia do Senhor Jesus: "Muitos procurarão entrar, e não poderão".

Todas as profecias das Escrituras que foram cumpridas até agora, foram cumpridas na mesma letra. Eles pareceram para muitos improváveis, inverossímeis, impossíveis, até o momento de sua realização; mas nenhuma palavra delas jamais falhou.

As promessas de coisas boas aconteceram, apesar das dificuldades que pareciam insuperáveis. Sara teve um filho quando ela estava grávida; os filhos de Israel foram tirados do Egito e plantados na terra prometida; os judeus foram redimidos do cativeiro da Babilônia, após setenta anos, e permitiram mais uma vez construir o templo; o Senhor Jesus nasceu de uma virgem pura, viveu, ministrou, foi traído e cortado, exatamente como as Escrituras predisseram. A Palavra de Deus foi prometida em todos esses casos, que deveria ser. E assim foi.

As previsões de julgamentos sobre cidades e nações aconteceram, embora no momento em que foram ditas pela primeira vez parecessem inacreditáveis. O Egito é o mais baixo dos reinos; Edom é um deserto; Tiro é uma rocha para secar redes; Nínive, aquela "grande cidade excedente", é assolada e se torna uma desolação; Babilônia é uma terra seca e um deserto; seus amplos muros são totalmente derrubados; os judeus estão espalhados por toda a terra como um povo separado. Em todos esses casos, a Palavra de Deus predisse que deveria ser assim. E assim foi.

A profecia do Senhor Jesus Cristo, que pressiono em sua atenção neste dia, será cumprida da mesma maneira. Nenhuma palavra falhará quando chegar o momento de sua realização. "Muitos procurarão entrar e não poderão."

Chegará um tempo em que buscar a Deus será inútil. Ó, se os homens se lembrassem disso! Muitos parecem imaginar que nunca chegará a hora em que procurarão e não encontrarão: mas estão tristemente enganados. Um dia descobrirão seu erro por sua própria confusão, exceto que se arrependam. Quando Cristo vier "muitos procurarão entrar e não poderão".

Está chegando o tempo em que muitos serão expulsos do céu para sempre. Não será o número de poucos, mas de uma grande multidão; não acontecerá a um ou dois nesta paróquia, e um ou dois a este respeito: será o fim miserável de uma vasta multidão. "Muitos procurarão entrar e não poderão."

O conhecimento chegará a muitos tarde demais. Eles verão finalmente o valor de uma alma imortal e a felicidade de salvá-la. Por fim, compreenderão sua própria pecaminosidade e santidade de Deus, e a gloriosa aptidão do Evangelho de Cristo. Por fim, compreenderão por que os ministros pareciam tão ansiosos, pregaram por tanto tempo e pediram que se convertessem com tanto fervor. Mas, infelizmente, eles saberão tudo isso tarde demais!

O arrependimento chegará tarde demais. Eles descobrirão sua própria iniquidade excessiva e terão vergonha de sua loucura passada. Estarão cheios de amargo arrependimento e lamentações inúteis, de convicções aguçadas e de dores agudas. Chorarão, prantearão e lamentarão quando refletirem sobre seus pecados. A lembrança de suas vidas será dolorosa para eles; o peso de sua culpa parecerá intolerável. Mas, infelizmente, como Judas Iscariotes, eles se arrependerão tarde demais!

A fé chegará a muitos tarde demais. Eles não serão mais capazes de negar que existe um Deus, um demônio, um céu e um inferno. Deísmo, ceticismo e infidelidade serão deixados de lado para sempre; zombaria, brincadeira e livre-pensamento cessarão. Verão com seus próprios olhos e sentirão em seus próprios corpos que as coisas de que os ministros falaram não eram fábulas inventadas astuciosamente, mas grandes verdades reais. Eles descobrirão, às suas custas, que a religião evangélica não era algo extravagante, fanatismo e entusiasmo: eles descobririam que era a única coisa necessária e que, por falta dela, estão perdidos para sempre. Como o diabo, eles finalmente acreditarão e tremerão, mas será tarde demais!

Um desejo de salvação chegará a muitos tarde demais. Eles terão muito tempo após o perdão, a paz e o favor de Deus, quando não puderem mais ter-se. Eles desejam ter mais um domingo novamente, mais uma oferta de perdão, mais um chamado à oração. Mas não importará nada o que pensam, sentem ou desejam: o dia da graça terminará; o portão da salvação será barrado e trancado. Será muito tarde!

Costumo pensar que mudança haverá um dia no preço e na estimativa em que as coisas serão valorizadas. Olho em volta deste mundo em que minha sorte está lançada; eu marco o preço atual de tudo o que este mundo contém; aguardo com expectativa a vinda de Cristo e o grande dia de Deus. Penso na nova ordem das coisas que esse dia trará; eu li as palavras do Senhor Jesus, quando Ele descreve o dono da casa levantando-se e fechando a porta; e enquanto leio, digo a mim mesmo: "Haverá uma grande mudança em breve".

Quais são as coisas queridas agora? Ouro, prata, pedras preciosas, notas de banco, minas, navios, terras, casas, cavalos, carruagens, móveis, carne, bebida, roupas e afins. Estas são as coisas que são consideradas valiosas; estas são as coisas que comandam um mercado pronto; estas são as coisas que você nunca pode obter abaixo de um determinado preço. Quem tem muitas dessas coisas é considerado um homem rico. Tal é o mundo!

E quais são as coisas baratas agora? O conhecimento de Deus, a livre salvação do Evangelho, o favor de Cristo, a graça do Espírito Santo, o privilégio de ser filho de Deus, o título da vida eterna, o direito à árvore da vida, a hipoteca de uma mansão no céu, as promessas de uma herança incorruptível, a oferta de uma coroa de glória que não desaparece. Essas são as coisas pelas quais ninguém se importa. São oferecidos aos filhos dos homens sem dinheiro e sem preço: podem ser adquiridos por nada - de forma livre e gratuita. Quem quiser pode tomar sua parte. Mas, infelizmente, não há demanda por essas coisas! Eles vão implorar. Eles mal são olhados. Eles são oferecidos em vão. Tal é o mundo!

Mas um dia está chegando sobre todos nós, quando o valor de tudo deve ser alterado. Está chegando o dia em que as notas de banco serão tão inúteis quanto os trapos, e o ouro será tão inútil quanto o pó da terra. Está chegando o dia em que milhares não se importarão com as coisas pelas quais viveram, e não desejarão nada além das coisas que antes desprezavam. Os salões e palácios serão esquecidos no desejo de uma "casa não feita com as mãos". O favor dos ricos e dos grandes não será mais lembrado, na saudade do favor do Rei dos Reis. As sedas, os cetins, os veludos e os cadarços serão perdidos de vista no desejo ansioso da túnica da justiça de Cristo. Tudo será alterado, tudo será mudado no grande dia da volta do Senhor. "Muitos procurarão entrar e não poderão."

Era um ditado pesado, dito por um homem sábio, que "o inferno é verdade conhecida tarde demais". Temo que milhares de cristãos professos nos dias de hoje descubram isso por experiência. Eles descobrirão o valor de suas almas quando for tarde demais para obter misericórdia, e verão a beleza do Evangelho quando não puderem dele obter nenhum benefício. Ó, como os homens seriam sábios por vezes! Costumo pensar que há poucas passagens das Escrituras mais terríveis do que as do primeiro capítulo de Provérbios: "Porque eu chamei e recusastes; estendi a mão e ninguém o observou; mas não puseste em causa todo o meu conselho, e nenhuma das minhas repreensões: Eu também rirei da sua calamidade; zombarei quando vier o seu medo; quando o teu medo vier como desolação, e a tua destruição chegar como um redemoinho; quando aflição e angústia vierem sobre você. Então me clamarão, mas eu não responderei; eles cedo me procurarão, mas não me acharão; por isso odiaram o conhecimento e não escolheram o temor do SENHOR. Eles não aceitaram meu conselho: desprezavam toda a minha repreensão. Portanto, comerão do fruto do seu próprio caminho, e serão cheios de seus próprios artifícios." (Provérbios 1. 24-31 - KJL).

Alguns leitores deste artigo podem ser aqueles que não gostam da fé nem da prática que o Evangelho de Cristo exige. Você acha que somos extremistas quando pedimos que você se arrependa e se converta. Você acha que pedimos muito quando solicitamos que você saia do mundo, pegue a cruz e siga a Cristo. Mas observe que um dia você confessará que estávamos certos. Mais cedo ou mais tarde, neste mundo ou no próximo, você reconhecerá que estava errado. Sim! É uma consideração melancólica para o fiel ministro do Evangelho, que todos que o ouvirem um dia permitirão que seu conselho fosse bom. Zombado, desprezado, desdenhado, negligenciado por seu testemunho na terra, está chegando um dia que se provará efetivamente que a verdade estava do seu lado. O homem rico que nos ouve e ainda faz do mundo seu deus - o comerciante que nos ouve e ainda faz de seu livro sua Bíblia - o fazendeiro que nos ouve e ainda permanece frio como o barro em sua terra - o trabalhador que ouve-nos e não sente mais por sua alma do que uma pedra; todos, finalmente, todos reconhecerão perante o mundo que estavam errados. Por fim, todos desejarão com sinceridade a mesma misericórdia que agora colocamos diante deles em vão. "Eles tentarão entrar e não poderão".

Alguns leitores deste artigo podem ser daqueles que amam sinceramente o Senhor Jesus Cristo. Tal pessoa pode muito bem ter conforto quando olha para a frente. Você costuma sofrer perseguição agora por causa de sua religião. Você tem que suportar palavras duras e insinuações cruéis. Seus motivos são frequentemente deturpados e sua conduta difamada. A reprovação da cruz não cessou. Mas você pode ter coragem quando olha para a frente e pensa na segunda vinda do Senhor. Esse dia fará as pazes a todos. Você verá aqueles que agora riem por você ler a Bíblia, orar e amar a Cristo, em um estado mental muito diferente. Eles virão até você como as virgens tolas foram até o sábio, dizendo: "Dê-nos o seu óleo, porque nossas lâmpadas se apagaram" (Mateus 25. 8). Você verá aqueles que agora o odeiam e o chamam de tolo, e, tal como Calebe e Josué, tendo um bom relato da obra de Cristo, alterado, mudado e não mais como os mesmos homens. Eles dirão: "Ó, se tivéssemos participado com você! Você foi verdadeiramente sábio e nós, tolos". Portanto, não temam a reprovação dos homens. Confesse a Cristo com ousadia diante do mundo. Mostre suas cores e não tenha vergonha de seu mestre. O tempo é curto: a eternidade se apressa. A cruz é apenas por u pequeno período de tempo: a coroa é para sempre. Certifique-se de trabalhar por essa coroa: não deixe nada incerto. "Muitos procurarão entrar e não poderão."


E agora deixe-me oferecer a todos que lerem este documento algumas palavras de despedida, a fim de aplicar todo o assunto à sua alma. Você ouviu as palavras do Senhor Jesus se desdobrar e ser exposta. - Você viu a figura do caminho da salvação: é um portão estreito. - Você ouviu o comando do rei: "Esforce-se para entrar". - Você foi informado de seu aviso solene: "Muitos procurarão entrar e não poderão. "- Fique comigo um pouco mais enquanto tento impressionar toda a questão em sua consciência. Ainda tenho algo a dizer em nome de Deus.

(1) Por um lado, farei uma pergunta clara: Você entrou no portão estreito ou não? Velho ou jovem, rico ou pobre, clérigo ou dissidente, repito minha pergunta: Você entrou pelo portão estreito?

Não pergunto se você já ouviu falar disso e se acredita que há um portão. Não pergunto se você olhou para ele e o admirou, e se espera que um dia entre. Pergunto se você foi até lá, bateu nele, foi admitido e agora está lá dentro?

Se você não está lá dentro, qual benefício você possui da sua religião? Você não está perdoado e desculpado. Você não está reconciliado com Deus. Você não nasceu de novo, não foi santificado e não se encontra no caminho para o céu. Se você morrer como você é, o diabo o terá para sempre e sua alma será eternamente infeliz.

Ó, pense, pense em que estado é viver! Pense, mas pense acima de todas as coisas, em que estado é este morrer! Sua vida é apenas um sopro. Mais alguns anos e você se foi: seu lugar no mundo será em breve preenchido; sua casa será ocupada por outro. O sol continuará brilhando; a grama e as margaridas logo crescerão grossas sobre o seu túmulo; seu corpo será alimento para vermes e sua alma será perdida por toda a eternidade.

E, durante todo esse tempo, permanece disponível diante de você um portão de salvação. Deus te convida. Jesus Cristo se oferece para salvar você. Todas as coisas estão prontas para a sua libertação. Uma coisa é apenas querer, e isso é: que você esteja disposto a ser salvo.

Ó, pense nessas coisas e seja sábio!

(2) Por outro lado, darei conselhos claros a todos que ainda não estão dentro do portão estreito. Esse conselho é simplesmente este: entre sem atraso de um dia.

Diga-me, se puder, sobre alguém que já chegou ao céu, exceto pelo "portão estreito". Eu não conheço nenhum. De Abel, o primeiro que morreu, até o final da lista de nomes da Bíblia, não vejo ninguém salvo de maneira alguma, a não ser a fé em Cristo.

Diga-me, se puder, de quem já entrou no portão estreito sem "se esforçar". Não conheço ninguém, exceto aqueles que morrem na infância. Quem quiser conquistar o céu deve se contentar em lutar por isso.

Diga-me, se puder, quem já se esforçou seriamente para entrar e não conseguiu. Eu não conheço nenhum. Acredito que, por mais fracos e ignorantes que sejam, eles nunca procuram a vida com vontade e consciência, à porta certa, e ficam sem resposta de paz.

Diga-me, se puder, quem já entrou no portão estreito e depois lamentou. Eu não conheço nenhum. Acredito que os passos no limiar desse portão são todos de sentido único. Todos acharam bom servir a Cristo e nunca se arrependeram de tomar Sua cruz.

Se essas coisas são assim, busque a Cristo sem demora e entre pela porta da vida enquanto puder! Comece hoje mesmo. Vá a esse misericordioso e poderoso Salvador em oração e derrame seu coração diante d'Ele. Confesse a Ele sua culpa, maldade e pecado. Liberte-se livremente para Ele: não guarde nada. Diga a ele que você mesmo e todas as questões de sua alma se lançam sobre as mãos dele, e peça a Ele que salve você de acordo com a promessa dele e coloque o Espírito Santo em você.

Há tudo para encorajá-lo a fazer isso. Milhares tão maus quanto você se candidataram a Cristo dessa maneira, e nenhum deles foi enviado e recusado. Eles encontraram uma paz de consciência que nunca haviam conhecido antes e seguiram seu caminho alegrando-se. Eles encontraram força para todas as provações da vida, e nenhuma deles foi autorizado a perecer no deserto. Por que você também não deve buscar a Cristo?

Há tudo para encorajá-lo a fazer o que eu digo de uma vez. Não conheço razão para que seu arrependimento e conversão não sejam tão imediatos quanto os de outros antes de você. A mulher samaritana chegou ao poço como pecadora ignorante e voltou para sua casa uma nova criatura. O carcereiro filipino mudou das trevas para a luz e se tornou um discípulo professo de Cristo em um único dia. E por que os outros não deveriam fazer o mesmo? Por que você não deveria desistir de seus pecados e se apegar a Cristo hoje mesmo?

Sei que o conselho que lhe dei é bom. A grande questão é: você aceita?

(3) A última coisa que tenho a dizer será um pedido a todos que realmente entraram no portão estreito. Esse pedido é que você conte aos outros as bênçãos que encontrou.

Quero que todas as pessoas convertidas sejam missionárias. Não quero que todos saiam para terras estrangeiras e preguem para os pagãos; mas quero que todos tenham espírito missionário e se esforcem para fazer o bem em casa. Quero que testemunhem a todos que o portão estreito é o caminho para a felicidade e os convençam a entrar por ele.

Quando André se converteu, encontrou seu irmão Pedro e disse-lhe: "Nós encontramos o Messias, que é, sendo interpretado, o Cristo. E ele o trouxe a Jesus" (João 1. 41, 42). Quando Filipe se converteu, encontrou Natanael e disse-lhe: "Nós o encontramos, de quem Moisés na lei e os profetas escreveram, Jesus de Nazaré, filho de José. E Natanael disse-lhe: Alguma coisa boa pode sair de Nazaré? Filipe disse-lhe: Vem e veja. (João 1. 45, 46). Quando a samaritana se converteu, ela "deixou o vaso de água e foi à cidade, e disse aos homens: Vinde, vede um homem que me contou todas as coisas que eu já fiz: não é esse o Cristo?" (João 4. 28, 29). Quando Saulo, o fariseu, se converteu: "Logo ele pregou a Cristo nas sinagogas, que ele é o filho de Deus" (Atos 9. 20).

Anseio por ver esse tipo de espírito entre os cristãos nos dias atuais. Anseio por ver mais zelo em recomendar o portão estreito a todos os que ainda estão do lado de fora, e mais desejo de convencê-los a entrar e ser salvos. Feliz, de fato, é a Igreja cujos membros não apenas desejam alcançar o céu, mas também desejam levar outros com eles!

O grande portão da salvação ainda está pronto para abrir, mas a hora se aproxima quando será fechado para sempre. Vamos trabalhar enquanto é chamado hoje, pois "a noite chega quando ninguém pode trabalhar" (João 9. 4). Digamos aos nossos parentes e amigos que provamos o modo de vida e achamos agradável, que provamos o pão da vida e o achamos bom.

Ouvi dizer que se todo crente no mundo trouxesse uma alma a Cristo a cada ano, toda a raça humana seria convertida em menos de vinte anos. Não faço nenhum comentário sobre esse cálculo. Se isso pode ser ou não, uma coisa é certa: é que muitas outras almas provavelmente se converterão a Deus, se os cristãos forem mais zelosos em fazer o bem.

Pelo menos, devemos lembrar que Deus "não está disposto a que alguém pereça, mas que todos venham ao arrependimento" (2 Pedro 3. 9). Aquele que se esforça para mostrar ao próximo o portão estreito está fazendo uma obra que Deus aprova. Ele está fazendo um trabalho que os anjos consideram com interesse e com o qual a construção de uma pirâmide não se compara em importância. O que diz a Escritura? "Aquele que converter um pecador do erro do seu caminho, salvará uma alma da morte e ocultará uma multidão de pecados." (Tiago 5. 20).

Vamos todos despertar para um senso mais profundo de nossa responsabilidade nesta questão. Vamos olhar em volta do círculo daqueles entre os quais vivemos e considerar seu estado diante de Deus. Ainda não há muitos fora do portão, não perdoados, não santificados e impróprios para morrer? Vamos observar as oportunidades de falar com eles. Vamos contar-lhes sobre o portão estreito e pedir-lhes que "se esforcem para entrar".

Quem pode dizer o que "uma palavra dita no devido tempo" pode fazer? Quem pode dizer o que pode acontecer quando se é falado em fé e oração? Pode ser o ponto de virada na história de alguns homens. Pode ser o começo do pensamento, oração e vida eterna. Ó, por mais amor e ousadia entre os crentes! Pense em que bênção poder falar uma palavra que converta!

Não sei quais são os sentimentos dos meus leitores sobre esse assunto. O desejo e a oração do meu coração é que você se lembre diariamente das solenes palavras de Cristo: "Muitos procurarão entrar e não poderão". Lembre-se dessas palavras e, ainda assim, tente ser negligente com relação às almas dos outros, se puder.

~

J. C. Ryle

Practical Religion (1879). Disponível em Gutenberg.


Notas:

[1] Este trecho é encontrado de outra forma na versão editada por Tony Capoccia (2001): "Milhões de pagãos nunca ouviram falar da vida eterna." - N.T.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: