Da excelência e grandeza de um espírito devoto

A conclusão. Da excelência e grandeza de um espírito devoto.

Acabei agora o que pretendia neste tratado. Eu expliquei a natureza da devoção, tanto como significa uma vida dedicada a Deus, como também significa um método regular de oração diária. Agora tenho apenas que acrescentar uma ou duas palavras, em recomendação de uma vida governada por esse espírito de devoção.

Pois embora seja tão razoável supor que o desejo de todos os cristãos chegue à perfeição cristã, como supor que todos os homens doentes desejam ser restaurados para uma saúde perfeita; no entanto, a experiência mostra que nada quer mais ser pressionado, repetido e forçado em nossas mentes, do que as regras mais claras do cristianismo.

A pobreza voluntária, a virgindade e a aposentadoria devota foram aqui recomendadas como coisas não necessárias, mas altamente benéficas para aqueles que tornariam o caminho para a perfeição o mais fácil e certo. Mas a perfeição cristã em si não está ligada a nenhuma forma particular de vida; mas deve ser alcançado, embora não com a mesma facilidade, em todos os estados da vida.

Isso foi totalmente afirmado em outro lugar, onde foi demonstrado, que a perfeição cristã não chama ninguém (necessariamente) a um claustro, mas ao pleno desempenho desses deveres, que são necessários para todos os cristãos e comuns a todos os estados da vida. [Cristo. Perfeito. p. 2]

Para que toda a questão seja claramente essa: virgindade, pobreza voluntária e outras restrições às coisas legais, não são necessárias para a perfeição cristã; mas há muito a ser elogiado naqueles que os escolherem como ajuda e meio para uma chegada mais segura e rápida a ele.

É somente dessa maneira e nesse sentido que eu recomendaria qualquer particularidade da vida; não como se a perfeição consistisse nela, mas por causa de sua grande tendência a produzir e apoiar o verdadeiro espírito da perfeição cristã.

Mas o que aqui é pressionado sobre todos é uma vida de grande e estrita devoção: que, penso, foi suficientemente demonstrada como sendo igualmente o dever e a felicidade de todas as ordens dos homens. Tampouco existe algo em qualquer estado particular da vida que possa ser justificado como razão de abater um espírito devoto.

Mas porque nesta nossa era educada, vivemos tanto o espírito de devoção, que muitos parecem temer até suspeitar disso, imaginando grande devoção como um grande fanatismo: que se baseia na ignorância e na pobreza de espírito; e que mentes pequenas, fracas e abatidas, são geralmente os maiores proficientes nela:

Aqui deve ser plenamente demonstrado que a grande devoção é o temperamento mais nobre das almas maiores e mais nobres; e que aqueles que pensam que isso recebe alguma vantagem da ignorância e da falta de espírito, não são um pouco, mas totalmente ignorantes da natureza da devoção, da natureza de Deus e da natureza de si mesmos.

Pessoas de boa parte e conhecimento, ou de grande conhecimento de assuntos mundanos, talvez achem difícil ter sua falta de devoção imposta à sua ignorância. Porém, se eles se contentarem em serem julgados pela razão e pelas Escrituras, pode parecer em breve que uma falta de devoção, onde quer que esteja, seja entre os instruídos ou não instruídos, se funda na total ignorância e na maior cegueira. e insensibilidade que pode acontecer a uma criatura racional; e que a devoção está tão longe de ser o efeito de uma mente pequena e abatida, que deve e sempre será mais alta nas naturezas mais perfeitas.

E, primeiro, quem acha que isso é um sinal de uma mente pequena e pobre, para um homem ser cheio de reverência e dever para com seus pais, ter o amor e honra mais verdadeiros por seu amigo ou se destacar nos mais altos exemplos de gratidão a seu benfeitor?

Não são esses temperamentos no mais alto grau, nas mentes mais exaltadas e perfeitas? E, no entanto, o que é alta devoção, senão o mais alto exercício desses temperamentos, de dever, reverência, amor, honra e gratidão aos amáveis ​​e gloriosos Pais, Amigos e Benfeitores de toda a humanidade?

É uma verdadeira grandeza mental reverenciar a autoridade de seus pais, temer o desagrado de seu amigo, temer as reprovações de seu benfeitor? E esse medo, medo e reverência não devem ser muito mais justos, razoáveis ​​e honrados, quando estão no mais alto grau em relação a Deus?

Agora, quanto mais altos são esses ânimos, mais estimados são os homens, e é permitido que sejam maiores as maiores provas de uma verdadeira grandeza mental: mais altos e maiores esses mesmos ânimos são para com Deus, tanto mais eles provam a nobreza, excelência e grandeza da mente.

Para que, enquanto o dever para com os pais, o amor com os amigos e a gratidão com os benfeitores sejam considerados grandes e respeitáveis ​​temperamentos; a devoção, que nada mais é do que dever, amor e gratidão a Deus, deve ter o lugar mais alto entre nossas mais altas virtudes.

Se um príncipe, por sua mera bondade, lhe enviar um perdão por um de seus escravos, você acha que faz parte de seu dever receber o escravo com sinais de amor, estima e gratidão por sua grande bondade? você é um presente tão grandioso: e, ao mesmo tempo, considera uma maldade e desânimo de espírito mostrar amor, estima e gratidão ao príncipe que, por sua própria bondade, lhe enviou o perdão livremente?

E, no entanto, isso seria tão razoável quanto supor que amor, estima, honra e gratidão sejam nobres temperamentos e exemplos de uma grande alma, quando pagos a nossos semelhantes; mas os efeitos de uma mente pobre, ignorante e abatida, quando são pagos a Deus.

Mais; aquela parte da devoção que se expressa em confissões tristes e lágrimas penitenciais de um coração partido e contrito está muito longe de ser qualquer sinal de uma mente pequena e ignorante.

Pois quem não o reconhece como um exemplo de mente ingênua, generosa e corajosa, reconhecer uma falha e pedir perdão por qualquer ofensa? E não são as mentes melhores e mais aperfeiçoadas, as mais notáveis ​​por esse excelente temperamento?

Também não é permitido que a engenhosidade [1] e a excelência do espírito de um homem sejam mostradas quando sua tristeza e indignação contra si mesmo aumentam proporcionalmente à loucura de seu crime, e à bondade e grandeza da pessoa que ele ofendeu. ?

Agora, se as coisas são assim, quanto maior a mente de qualquer homem, mais ele sabe de Deus e de si mesmo, mais ele estará disposto a se prostrar diante de Deus, em todos os atos e expressões mais humildes de arrependimento.

E quanto maior a engenhosidade, a generosidade, o julgamento e a penetração de sua mente, mais ele exercitará e satisfará um sentimento apaixonado e terno do justo desagrado de Deus; e quanto mais ele souber da grandeza, bondade e perfeição da natureza Divina, mais cheio de vergonha e confusão estará por seus próprios pecados e ingratidão.

E, por outro lado, quanto mais maçante e ignorante qualquer alma é, mais mesquinha e menos generosa é naturalmente, mais insensata é a bondade e a pureza de Deus; tanto mais avesso será para todos os atos de humilde confissão e arrependimento.

A devoção, portanto, está tão longe de ser mais adequada a mentes pouco ignorantes, que uma verdadeira elevação da alma, um vivo senso de honra e um grande conhecimento de Deus e de nós mesmos são as maiores ajudas naturais que nossa devoção tem.

E, por outro lado, deve ser aqui apresentado por vários argumentos que a indevoção se baseia na mais excessiva ignorância.

E primeiro, nosso abençoado Senhor e Seus apóstolos foram exemplos eminentes de grande e frequente devoção. Agora, se admitirmos (como todos os cristãos devem admitir) que sua grande devoção foi fundada em um verdadeiro conhecimento da natureza da devoção, da natureza de Deus e da natureza do homem; então é claro que todos aqueles que são insensíveis ao dever da devoção estão neste estado excessivo de ignorância, eles nem conhecem a Deus, nem a si mesmos, nem a devoção.

Pois se um conhecimento correto nesses três aspectos produz grande devoção, como no caso de nosso Salvador e Seus apóstolos, um descaso com a devoção deve ser imputável à ignorância.

Novamente; como é que a maioria das pessoas recorre à devoção, quando está doente, angustiada ou com medo da morte? Não é porque esse estado lhes mostra mais a falta de Deus, e sua própria fraqueza, do que eles percebem em outros momentos? Não é porque suas enfermidades, seu fim que se aproxima, os convencem de algo que eles nem perceberam antes?

Agora, se a devoção nessas épocas é o efeito de um melhor conhecimento de Deus e de nós mesmos, a negligência da devoção, em outros momentos, é sempre devida à grande ignorância de Deus e de nós mesmos.

Mais; como indevoção é ignorância, é a mais vergonhosa ignorância e deve ser acusada da maior loucura.

Isso parecerá totalmente para qualquer um que considerar por quais regras devemos julgar a excelência de qualquer conhecimento ou a vergonha de qualquer ignorância.

Agora, o conhecimento em si não seria excelência, nem ignorância, qualquer censura a nós, mas que somos criaturas racionais.

Mas, se isso é verdade, segue-se claramente que o conhecimento que é mais adequado à nossa natureza racional e que mais nos interessa, como tal, é o nosso conhecimento mais alto e mais alto; e essa ignorância que se relaciona com as coisas que são mais essenciais para nós como criaturas racionais, e que estamos mais preocupados em conhecer, é, dentre todas as outras, a ignorância mais grosseira e vergonhosa.

Se, portanto, existem coisas que nos interessam mais do que outras, se existem verdades mais importantes do que todas as outras, aquele que tem o conhecimento mais completo dessas coisas, que vê essas verdades sob a luz mais clara e mais forte, tem, de todos os outros, como uma criatura racional, a compreensão mais clara e as partes mais fortes.

Se, portanto, nossa relação com Deus é nossa maior relação, se nosso avanço em Seu favor é nosso maior avanço, aquele que tem as mais altas noções de excelência dessa relação, aquele que percebe mais fortemente o mais alto valor e grande valor de santidade e virtude, que julga tudo pouco, quando comparado a ela, prova ser o mestre do melhor e mais excelente conhecimento.

Se um juiz tem boa habilidade em pintura, arquitetura e música, mas ao mesmo tempo possui noções grosseiras e confusas de equidade, e uma fraca e maçante apreensão do valor da justiça, quem escrúpulo em considerá-lo um pobre juiz ignorante?

Se um bispo deve ser um homem de grande endereço e habilidade nas artes da preferência, e entender como criar e enriquecer sua família no mundo, mas não deve ter gosto nem senso das máximas e princípios dos santos e pais dos Igreja; se ele não concebia a natureza santa e as grandes obrigações de seu chamado, e julgava melhor ser crucificado para o mundo do que viver ociosamente em pompa e esplendor; quem escrúpulo em acusar um bispo de querer entender?

Se não julgarmos e pronunciarmos dessa maneira, nossa razão e julgamento serão apenas sons vazios.

Mas agora, se um juiz deve ser considerado ignorante, se ele não sente e percebe o valor e o valor da justiça; se um bispo deve ser considerado vazio de entendimento, se ele é mais experiente em outras coisas do que nas virtudes exaltadas de seu chamado apostólico; então todos os cristãos comuns devem ser vistos como mais ou menos conhecedores, conforme sabem mais ou menos daquelas grandes coisas que são a preocupação comum e maior de todos os cristãos.

Se um cavalheiro imagina que a lua não é maior do que parece aos olhos, que brilha com sua própria luz, que todas as estrelas são apenas tantos pontos de luz; se, depois de ler livros de astronomia, ele ainda continuasse com a mesma opinião, a maioria das pessoas pensaria que ele tinha apenas uma fraca apreensão.

Mas se a mesma pessoa achar melhor prover uma vida curta aqui, do que se preparar para uma eternidade gloriosa no futuro; que era melhor ser rico do que ser eminente em piedade, sua ignorância e tolice seriam grandes demais para serem comparadas a qualquer outra coisa.

Não existe conhecimento que mereça mais que o nome dele, mas o que chamamos de julgamento.

E esse é o entendimento mais claro e aprimorado, que julga melhor o valor e o valor das coisas. Todo o resto é apenas a capacidade de um animal, é apenas mero ver e ouvir.

E não há excelência em nenhum conhecimento em nós, até que exercitemos nosso julgamento e julguemos bem o valor e o valor das coisas.

Se um homem tivesse olhos que pudessem enxergar além das estrelas ou penetrar no coração da terra, mas não pudessem ver as coisas que estavam diante dele, ou discernir qualquer coisa que lhe fosse útil, deveríamos considerar que ele tinha muito visão ruim.

Se outro tivesse ouvidos que recebessem sons do mundo na lua, mas não pudesse ouvir nada que fosse dito ou feito na Terra, devemos considerá-lo tão ruim quanto surdo.

Da mesma maneira, se um homem tem uma memória que pode reter muitas coisas; se ele tem um humor agudo e agudo nas artes e nas ciências, ou uma imaginação que pode vagar agradavelmente em ficções, mas tem uma fraca e fraca apreensão de seu dever e sua relação com Deus, do valor da piedade ou do valor de virtude moral, ele pode ser justamente considerado como tendo um mau entendimento. Ele é como o homem, que só pode ver e ouvir coisas que não lhe são benéficas.

Tão certo, portanto, como piedade, virtude e felicidade eterna são as mais preocupantes para o homem; tão certas quanto a imortalidade de nossa natureza e relação com Deus, são as circunstâncias mais gloriosas de nossa natureza; tão certo é que aquele que mora mais na contemplação deles, cujo coração é mais afetado por eles, que vê mais longe neles, que melhor compreende o valor e a excelência deles, que julga todas as realizações mundanas como meras bolhas e sombras em comparação a eles, prova ter, dentre todos os outros, o melhor entendimento e o julgamento mais forte.

E se não raciocinarmos dessa maneira, ou permitirmos esse método de raciocínio, não teremos argumentos para provar que existe um homem sábio ou um tolo.

É comprovado que um homem é natural, não porque ele queira algum de seus sentidos ou seja incapaz de tudo, mas porque ele não tem julgamento e é totalmente ignorante do valor e do valor das coisas. Talvez ele escolha um casaco fino em vez de uma grande propriedade.

E como a essência da estupidez consiste na falta total de julgamento, na ignorância do valor das coisas, então, por outro lado, a essência da sabedoria e do conhecimento deve consistir na excelência de nosso julgamento ou no conhecimento de o valor e o valor das coisas.

Portanto, é uma prova inegável de que aquele que conhece a maior parte do valor das melhores coisas, que julga com mais razão as coisas que lhe interessam mais, que preferem ter sua alma em um estado de perfeição cristã do que a A maior parte da felicidade mundana, possui a mais alta sabedoria e está à maior distância dos homens naturais, que qualquer conhecimento pode colocá-lo.

Por outro lado, aquele que sabe falar as línguas aprendidas e repetir grande parte da história, mas prefere a indulgência de seu corpo à pureza e perfeição de sua alma, que está mais preocupada em obter um nome ou uma propriedade aqui, do que viver em glória eterna no futuro, está no estado mais próximo do natural, que escolhe um casaco pintado, em vez de uma grande propriedade.

Ele não é chamado de natural pelos homens, mas deve aparecer para Deus e para os seres celestes, como em um estado mais excessivo de estupidez, e mais cedo ou mais tarde certamente parecerá assim. Mas agora, se isso é inegavelmente claro, não podemos provar que um homem é tolo, mas mostrando que ele não tem conhecimento de coisas que são boas e más para si; então é inegavelmente claro que não podemos provar que um homem é sábio, mas mostrando que ele tem o conhecimento mais completo das coisas, que é seu maior bem e seu maior mal.

Se, portanto, Deus é nosso maior bem; se não pode haver bem senão a Seu favor, nem qualquer mal a não ser afastar-se d'Ele, então está claro que aquele que julga a melhor coisa que pode fazer para agradar a Deus ao máximo de seu poder, que adora e adora Ele de todo o coração e alma, que prefere ter uma mente piedosa a todas as dignidades e honras do mundo, mostra-se no mais alto estado da sabedoria humana.

Prosseguir: Sabemos como nosso abençoado Senhor agiu em um corpo humano; era Sua comida e bebida fazer a vontade de Seu Pai, que está no céu.

E se algum número de espíritos celestes deixasse suas habitações à luz de Deus e se unisse por algum tempo aos corpos humanos, eles certamente tenderiam a Deus em todas as suas ações e seriam o mais celestes possível, em um estado de carne e sangue.

Eles certamente agiriam dessa maneira, porque saberiam que Deus era o único bem de todos os espíritos; e que eles estavam no corpo, ou fora dele, no céu ou na terra, eles devem ter todo o grau de sua grandeza e felicidade somente de Deus.

Todos os espíritos humanos, portanto, quanto mais exaltados são, mais eles conhecem seu original divino, mais próximos se aproximam dos espíritos celestes; quanto mais viverão para Deus em todas as suas ações, e tornarão a vida inteira um estado de devoção.

A devoção, portanto, é o maior sinal de um grande e nobre gênio; supõe uma alma em seu estado mais elevado de conhecimento; e apenas mentes pequenas e cegas, mergulhadas na ignorância e vaidade, são destituídas disso.

Se um espírito humano imagina que algum príncipe poderoso é maior que Deus, devemos aceitá-lo como uma criatura pobre e ignorante; todas as pessoas reconheceriam que essa imaginação é o auge da estupidez.

Mas se esse mesmo espírito humano achar melhor se dedicar a algum poderoso príncipe do que se dedicar a Deus, isso ainda não seria uma prova maior de uma natureza pobre, ignorante e cega?

No entanto, é isso que todas as pessoas fazem, que pensam em algo melhor, maior ou mais sábio do que uma vida devota.

Assim, de qualquer maneira que consideremos esse assunto, parece claramente que a devoção é um exemplo de grande julgamento, de natureza elevada; e a falta de devoção é uma certa prova da falta de compreensão.

Os maiores espíritos do mundo pagão, como Pitágoras, Sócrates, Platão, Epíteto, Marco Antônio, etc., deviam toda a sua grandeza ao espírito de devoção.

Eles estavam cheios de Deus; sua sabedoria e profundas contemplações tendiam apenas a libertar os homens da vaidade do mundo, a escravidão das paixões corporais, para que pudessem agir como espíritos que vieram de Deus e logo voltariam a Ele.

Novamente: Para ver a dignidade e a grandeza de um espírito devoto, precisamos apenas compará-lo com outros temperamentos escolhidos na sala dele.

São João nos diz que tudo no mundo (isto é, todos os temperamentos de uma vida mundana) é o desejo da carne, o desejo dos olhos e o orgulho da vida.

Consideremos, portanto, que sabedoria ou excelência mental é necessária para qualificar um homem para essas delícias.

Suponhamos que um homem entregue os prazeres do corpo; certamente, isso não pode ser sinal de uma mente boa ou um espírito excelente: pois, se ele tem apenas o temperamento de um animal, é grande o suficiente para esses prazeres.

Vamos supor que ele seja dedicado a honras e esplendores, a gostar de brilho e equipamento: agora, se esse temperamento exigisse grandes partes, ou um bom entendimento, para tornar um homem capaz disso, provaria que o mundo está repleto de grandes juízo.

Suponhamos que ele se apaixone por riquezas e que esteja tão ansioso na busca delas, como nunca pense que ele tem o suficiente: agora essa paixão está tão longe de supor qualquer bom senso ou grande entendimento de que cegueira e loucura são os melhores suportes que ele tem.

Por fim, suponhamos que ele seja sob outra luz, não individualmente dedicada a nenhuma dessas paixões, mas, como acontece principalmente, governada por todas elas por sua vez; isso mostra uma natureza mais exaltada do que passar seus dias a serviço de qualquer um deles?

Pois ter um gosto por essas coisas e se dedicar a elas está tão longe de discutir quaisquer partes ou entendimentos toleráveis, que elas são adequadas às mentes mais fracas e fracas e exigem apenas muito orgulho e loucura. muito admirado.

Mas agora deixe os libertinos apresentarem uma acusação como esta, se puderem, contra a devoção. Eles podem também se esforçar para carregar a luz com tudo o que pertence à escuridão.

Permita-lhes apenas garantir que existe um Deus e providência, e então eles concederam o suficiente para justificar a sabedoria e apoiar a honra da devoção.

Pois se existe um Criador infinitamente sábio e bom, em quem vivemos, nos movemos e temos nosso ser, cuja providência governa todas as coisas em todos os lugares, certamente deve ser o ato mais alto de nosso entendimento conceber corretamente a Ele; deve ser o exemplo mais nobre de julgamento, o temperamento mais elevado de nossa natureza, adorar e adorar esta providência universal, conformar-se às suas leis, estudar sua sabedoria e viver e agir em todos os lugares, como na presença disso infinitamente. Criador bom e sábio.

Agora quem vive assim vive no espírito de devoção.
E o que pode mostrar partes tão grandes e uma compreensão tão refinada que podem viver nesse temperamento?

Pois, se Deus é sabedoria, certamente ele deve ser o homem mais sábio do mundo, que mais se conforma à sabedoria de Deus, que melhor obedece à Sua providência, que entra mais longe nos Seus desígnios e faz tudo o que pode para que a vontade de Deus seja. feito na terra, como no céu.

Um homem devoto faz uso verdadeiro de sua razão: ele vê através da vaidade do mundo, descobre a corrupção de sua natureza e a cegueira de sua paixão. Ele vive de uma lei que não é visível aos olhos vulgares; ele entra no mundo dos espíritos; ele compara as melhores coisas, coloca a eternidade contra o tempo; e prefere ser sempre grande na presença de Deus, quando ele morre, do que ter a maior parte do prazer mundano enquanto vive.

Aquele que é devoto está cheio desses grandes pensamentos; ele vive dessas nobres reflexões e se comporta por regras e princípios que só podem ser apreendidos, admirados e amados pela razão.

Portanto, não há nada que mostre um gênio tão grande, nada que nos destaque acima dos espíritos vulgares, nada que declare tão claramente uma grandeza heroica da mente, como uma grande devoção.

Quando você supõe que um homem é um santo, ou toda devoção, você o elevou acima de todas as outras condições de vida, como um filósofo está acima de um animal.

Por último; coragem e bravura são palavras de um grande som e parecem significar um espírito heroico; mas a humildade, que parece ser a parte mais baixa e mais mesquinha da devoção, é um argumento mais certo de uma mente nobre e corajosa.

Pois a humildade contende com inimigos maiores, é mais constantemente envolvida, mais violentamente agredida, sofre mais, sofre mais e requer maior coragem para se sustentar do que quaisquer instâncias de bravura mundana.

Um homem que ousa ser pobre e desprezível aos olhos do mundo, para se aprovar a Deus; que resiste e rejeita toda a glória humana, que se opõe ao clamor de suas paixões, que humildemente suporta todos os ferimentos e injustiças, e ousa ficar por sua recompensa até que a mão invisível de Deus dê a cada um seus devidos lugares, sofra muito mais. provação, e exerce uma fortaleza mais nobre do que aquele que é ousado e ousado no fogo da batalha.

Pois a ousadia de um soldado, se ele é um estranho ao espírito de devoção, é mais uma fraqueza do que uma fortaleza; é, na melhor das hipóteses, uma paixão louca e espíritos ardentes, e não tem mais valor verdadeiro do que a fúria de um tigre.

Pois como não podemos levantar uma mão ou mexer um pé, mas por um poder que nos é emprestado por Deus; ações tão ousadas que não são dirigidas pelas leis de Deus, como tantas execuções de Sua vontade, não são mais uma verdadeira bravura, do que uma malícia sedativa é a paciência cristã.

A razão é a nossa lei universal, que nos obriga em todos os lugares e em todos os momentos; e nenhuma ação tem honra, mas na medida em que são exemplos de nossa obediência à razão.

E é tão básico e covarde, ser ousado e ousado contra o princípio da razão e da justiça, como ser ousado e ousado na mentira e no perjúrio.

Portanto, exercitaríamos uma verdadeira fortaleza, devemos fazer tudo com espírito de devoção, ser valentes contra as corrupções do mundo, as concupiscências da carne e as tentações do diabo; pois ser ousado e corajoso contra esses inimigos é a bravura mais nobre da qual uma mente humana é capaz.

Fiz essa digressão, em benefício daqueles que consideram uma grande devoção ser fanatismo e pobreza de espírito; que por essas considerações possam ver quão pobres e maus são todos os outros temperamentos, se comparados a ele; para que possam ver, que todas as realizações mundanas, sejam de grandeza, sabedoria ou bravura, são apenas sons vazios; e não há nada sábio, ou grande, ou nobre, no espírito humano, mas, com razão, conhecer e adorar de coração e adorar o grande Deus, que é o apoio e a vida de todos os espíritos, seja no céu ou na terra.

~

William Law

Do livro Serious Call to a Devout and Holy Life (Importante chamada para uma vida devota e santa)
Capítulo XXIV.

Disponível em CCEL (inglês).




Notas:
[1] telento, isto é, engenhosidade.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: