As discussões privadas de Armínio - VII

Sobre os efeitos do pecado nos primeiros pais
Sobre a necessidade da religião cristã
Sobre a restauração do homem
Sobre a pessoa de Cristo
Sobre o ofício sacerdotal de Cristo


DISCUSSÃO XXXI. SOBRE OS EFEITOS DO PECADO DOS NOSSOS PRIMEIROS PAIS

I. O primeiro e imediato efeito do pecado que Adão e Eva cometeram ao comer do fruto proibido, foi a ofensa da Deidade, e a culpa - A ofensa, que surgiu da proibição imposta - A culpa, da sanção adicionada a ele, através da denúncia de punição, se eles negligenciaram a proibição.

II. Do delito da Deidade, surgiu sua ira por causa do mandamento violado. Nesta violação, ocorrem três causas de raiva justa:

(1) O menosprezo do seu poder ou direito.

(2) Uma negação daquilo para o qual Deus teve uma inclinação.

(3.) Um desprezo da vontade divina, intimado pelo comando.

III O castigo era conseqüência da culpa e da ira divina; a equidade dessa punição é de culpa, a inflição é por ira. Mas ela é precedida tanto pelo ferimento da consciência quanto pelo medo de um Deus irado e do medo da punição. Destes, o homem deu um sinal por seu voo subsequente, e "escondendo-se da presença do Senhor Deus, quando o ouviu andando no jardim no frescor do dia e chamando Adão".

IV. A causa assistente desta fuga e esconder [dos nossos primeiros pais] foi uma consciência de sua própria nudez e vergonha por causa daquilo que eles não tinham se envergonhado anteriormente. Isso parece ter servido para confundir a consciência e estimular ou aumentar esse medo e pavor.

V. O Espírito da graça, cuja morada estava no homem, não poderia consistir em uma consciência de ter ofendido a Deus; e, portanto, sobre a perpetração do pecado e a condenação de seus próprios corações, o Espírito Santo partiu. Portanto, o Espírito de Deus também cessou de liderar e dirigir o homem e de prestar testemunho interior ao seu coração do favor de Deus. Esta circunstância deve ser considerada no lugar de uma pesada punição, quando a lei, com uma consciência depravada, acusada, prestou seu testemunho [contra eles], condenou e condenou-os.

VI. Além dessa punição, que foi instantaneamente infligida, eles se renderam a outras duas punições; isto é, para a morte temporal, que é a separação da alma do corpo; e para a morte eterna, que é a separação do homem inteiro de Deus, seu bem principal.

VII. A indicação dessas duas punições foi a expulsão de nossos primeiros pais do Paraíso. Foi um sinal de morte temporal; porque o Paraíso era um tipo e uma figura da morada celestial, na qual a felicidade consumada e perfeita sempre floresce, com o esplendor translúcido da divina Majestade. Foi também um sinal de morte eterna, porque, naquele jardim, foi plantada a árvore da vida, cujo fruto, quando ingerido, era adequado para continuar a vida natural para o homem sem a intervenção da morte. Esta árvore era tanto um símbolo da vida celestial da qual o homem estava privado, como da morte eterna, que deveria seguir.

VIII. A estes pode ser acrescentada a punição peculiarmente infligida ao homem e à mulher - na primeira, que ele deve comer pão através do "suor de seu rosto", e que "a terra, amaldiçoada por amor dele, deve trazer à luz espinhos e cardos dele; sobre o último, que ela deveria estar sujeita a várias dores na concepção e gravidez. A punição infligida ao homem tinha em conta o seu cuidado em preservar os indivíduos da espécie e, na mulher, a perpetuação da espécie.

IX. Mas porque a condição da aliança na qual Deus entrou com nossos primeiros pais foi esta que, se eles continuassem no favor e graça de Deus pela observância desse mandamento e de outros, os dons conferidos a eles deveriam ser transmitidos aos seus pais. posteridade, pela mesma graça divina que eles mesmos receberam; mas que, se por desobediência eles se tornaram indignos dessas bênçãos, sua posteridade, da mesma forma, não deveria possuí-los, e deveria estar sujeita aos males contrários. Essa foi a razão pela qual todos os homens, que deviam ser propagados deles de uma maneira natural, tornaram-se desagradáveis ​​à morte temporal e à morte eterna, e destituídos desse dom do Espírito Santo ou da justiça original. Esta punição geralmente recebe o apelido de "uma privação da imagem de Deus" e "pecado original".

X. Mas permitimos que essa questão seja assunto de discussão: Deve alguma qualidade contrária, além da ausência da justiça original, ser constituída como outra parte do pecado original? embora pensemos que é muito mais provável, que essa ausência de justiça original, somente, seja o próprio pecado original, como sendo aquilo que, por si só, é suficiente para cometer e produzir quaisquer pecados reais, seja qual for.

XI. A discussão, se o pecado original é propagado pela alma ou pelo corpo, parece-nos inútil; e, portanto, o outro, seja ou não a alma através da tradução, parece também pouco necessário para essa questão.


DISCUSSÃO XXXII. SOBRE A NECESSIDADE DA RELIGIÃO CRISTÃ

I. Sem religião, o homem não pode ter união com Deus; e sem o comando e a instituição de Deus, não subsistirá nenhuma religião que, por pertencer a si mesmo, seja pelo direito de criação, seja pelo direito adicional de restauração, pode variar de acordo com seu próprio prazer; de modo que, de qualquer maneira, ele possa designar religião. ele sempre obriga o homem a observá-lo, e através desta obrigação, impõe-lhe a necessidade de observá-lo.

II. Mas o modo de religião não é alterado, exceto com uma mudança da relação entre Deus e o homem, que deve estar unido a ele; e quando essa relação é mudada, a religião é variada, isto é, na suposição anterior de que o homem ainda precisa estar unido a Deus; pois, quanto ao seu conteúdo, (que consiste no conhecimento de Deus, fé, amor, etc.), a religião é sempre a mesma, exceto que parece ser referida à substância, que Cristo entra na religião cristã como seu objeto.

III A primeira relação, e aquela que foi a primeira fundação da religião primitiva, era a relação entre Deus e o homem - entre Deus como o Criador, e o homem como criado depois da imagem e em um estado de inocência; portanto, a religião construída sobre essa relação era a da rigidez e da estrita justiça e da obediência legal. Mas essa relação foi mudada, através do pecado do homem, que depois disso não era mais inocente e aceitável a Deus, mas um transgressor e condenado à condenação. Portanto, após [a comissão] do pecado, ou o homem não poderia ter esperança de acesso a Deus e a uma união com ele, uma vez que ele havia violado e revogado o culto divino; ou uma nova relação do homem com seu Criador deveria ser fundada por Deus, através de sua graciosa restauração do homem, e uma nova religião deveria ser instituída nessa relação. Isto é o que Deus fez, para o louvor de sua própria graça gloriosa.

IV. Mas, como Deus não é o restaurador de um pecador, exceto em um mediador, que expia pecados, apazígua a Deus e santifica o pecador, eu o repito, exceto naquele "único Mediador entre Deus e os homens, o homem Cristo Jesus". não era a vontade de nosso Deus mais glorioso e mais gracioso, sozinho e sem este Mediador, que deveria haver qualquer fundamento entre ele e o pecador restaurado por ele, ou que deveria haver um objeto para a religião que, para a honra do restaurador e a felicidade eterna do restaurado, ele construiria sobre essa relação. Porque aprouve ao Pai, por meio de Cristo, reconciliar todas as coisas com ele e restaurar as coisas que estão no céu e na terra. Também agradou ao Pai "que todos os homens honrem o Filho, assim como honram o Pai"; para que todo aquele que não honra o Filho não honre o Pai.

V. Portanto, depois da entrada do pecado, não houve salvação dos homens por Deus, a não ser por meio de Cristo, e nenhuma adoração salvadora de Deus, exceto em nome de Cristo, e em relação àquele que é o Ungido dos pecadores. , mas o salvador daqueles que acreditam nele; de maneira que todo aquele que não tem Deus está sem Cristo; e aquele que está sem Cristo está sem a fé, a adoração e a religião de Cristo; e sem a fé e a esperança deste Cristo, nem prometido e sombreado em tipos, nem exibido e claramente anunciado, nem os antigos patriarcas foram salvos, nem podemos ser salvos.

VI. Por causa disso, como a transgressão da primeira aliança contém a necessidade de constituir outra religião, e como isso não teria ocorrido se aquela primeira aliança não tivesse sido feita, parece que. Aquelas coisas sobre as quais as Escrituras tratam, concernentes ao primeiro pacto, e sua transgressão por parte dos primeiros seres humanos, contêm a ocasião da restauração que Deus deveria fazer através de Cristo, e que eles deveriam, portanto, ser assim tratados. na religião cristã. Essa conclusão é facilmente extraída da própria forma da narração dada por Moisés.

VII. Deus é também o objeto da religião cristã, tanto como Criador quanto como Restaurador em Cristo, o Filho de seu amor; e esses títulos contêm a razão pela qual Deus pode exigir a religião do homem, que foi formado por sua criadora CRIATURA, e por seu restaurador uma nova criatura. Neste objeto, também, deve ser considerado qual é a vontade do Glorificador do homem, que o leva para fora do demérito do pecado, e da miséria, para a felicidade eterna. Esses três nomes, Criador, Restaurador e Glorificador, contêm os argumentos mais poderosos pelos quais o homem é persuadido à religião.

VIII. Mas porque foi o bom prazer de Deus fazer essa restauração através de seu Filho, Jesus Cristo, o Mediador, portanto, o Filho de Deus, como constituído pelo Pai Cristo e Senhor, é também um objeto da religião cristã subordinada a Deus. ; embora ele na terra, como a Palavra de seu Pai, ambos possam ser e devam ser considerados como existindo no Pai desde toda a eternidade.


DISCUSSÃO XXXIII. SOBRE A RESTAURAÇÃO DO HOMEM

I. Visto que Deus é o objeto da religião cristã, não apenas como o Criador, mas também e propriamente como o Restaurador, da raça humana, e quando terminamos nosso tratado sobre a criação, vamos agora tratar a restauração de a humanidade, porque é aquela que contém, por si mesma, outra causa pela qual Deus, merecido pelo direito, pode requerer a religião de um homem e um pecador.

II. Esta restauração é a restituição, e a nova ou a segunda criação, do homem pecador, desagradável através do pecado à morte temporal e eterna, e ao domínio do pecado.

III O antecedente ou única causa em movimento é a misericórdia graciosa de Deus, pela qual foi seu prazer perdoar o pecado e socorrer a miséria de sua criatura.

IV. O assunto sobre o qual [isto é exercido] é o homem, um pecador, e, por causa do pecado, desagradável à ira de Deus e à servidão do pecado. Esta questão contém em si a causa que se move para o exterior de sua misericórdia, mas acidentalmente, através desta circunstância, que Deus se deleita em misericórdia; porque em todos os outros aspectos o pecado é per se e propriamente a causa externa e meritória da ira e condenação.

V. Podemos, de fato, conceber a forma sob a noção geral de restituição, reparação ou redenção; mas não nos aventuramos a dar uma explicação, exceto sob dois atos particulares, o primeiro dos quais é a remissão de pecados, ou o ser recebido em favor; a outra é a renovação ou santificação do homem pecador, segundo a imagem de Deus, na qual está contida sua adoção a um filho de Deus.

VI. O primeiro fim é o louvor da gloriosa graça de Deus, que brota e existe ao mesmo tempo com o próprio ato de restituição ou redenção; a outra extremidade é que, depois de os homens terem sido assim consertados, eles "deveriam viver de maneira sóbria, justa e piedosa, neste mundo atual", e deveriam alcançar uma felicidade feliz no mundo vindouro.

VII. Mas aprouve a Deus não exercer essa misericórdia na restauração do homem, sem a declaração de sua justiça, pela qual ele ama a justiça e odeia o pecado; e ele, portanto, apontou que o modo de transacionar esta restauração deveria ser através de um intermediário intermediário entre ele e o homem pecador, e que esta restauração deveria ser realizada de modo a tornar certo e evidente que Deus odeia o pecado e ama a justiça, e que é sua vontade não remeter nada de seu próprio direito, a não ser depois de sua justiça ter sido satisfeita.

VIII. Para o cumprimento desta mediação, Deus constituiu o seu Filho unigênito o mediador entre ele e os homens e, de fato, um mediador através de seu próprio sangue e morte; pois não era a vontade de Deus que, sem o derramamento de sangue e a intervenção da morte do próprio Testador, houvesse qualquer remissão, ou uma confirmação do Novo Testamento, que promete a remissão e a inscrição da lei de Deus. Deus nos corações [dos crentes].

IX. Esta é a razão pela qual o segundo objeto da religião cristã, em subordinação a Deus, é Jesus Cristo, o Mediador desta restauração, depois que o Pai o fez Cristo [o Ungido] e o constituiu o Senhor e o Cabeça de Cristo. a igreja, de modo que devemos, através dele, nos aproximar de Deus com o propósito de realizar [atos de] religião a ele; e o dever de religião deve ser prestado a ele, com Deus o Pai, do qual não devemos excluir o Espírito do Pai e do Filho.


DISCUSSÃO XXXIV. SOBRE A PESSOA DE NOSSO SENHOR JESUS ​​CRISTO

I. Porque o nosso Senhor Jesus Cristo é o objeto secundário da religião cristã, devemos ainda tratar sobre ele, como tal, em algumas disputas. Mas consideramos necessário, em primeiro lugar, considerar a pessoa, de que tipo ela é, em si mesma.

II. Dizemos que esta pessoa é o Filho de Deus e o filho do homem, consistindo de duas naturezas, a divina e a humana, inseparavelmente unidas sem mistura ou confusão, não apenas segundo a habituação ou habitação, mas também pela união que os antigos corretamente denominado hipostático.

III Ele tem a mesma natureza com o Pai, por comunicação interna e externa.

IV. Ele tem sua natureza humana da virgem Maria através da operação do Espírito Santo, que veio sobre ela e a ofuscou fecundando sua semente, de modo que dela o Messias prometido deveria, de uma maneira sobrenatural, nascer.

V. Mas, de acordo com sua natureza humana, ele consiste em um corpo verdadeiramente orgânico, e de uma alma verdadeiramente humana que estimulou ou animou seu corpo. Neste, ele é semelhante a outras pessoas ou seres humanos, bem como em todas as propriedades essenciais e naturais do corpo e da alma.

VI. Desta união pessoal surge uma comunicação de formas ou propriedades; tal comunicação, entretanto, não era real, como se algumas coisas que são próprias da natureza divina fossem efusivas na natureza humana; mas era verbal, mas repousava na verdade dessa união, e insinuava a mais íntima conjunção de ambas as naturezas.

COROLÁRIO A palavra autoqeov "muito Deus", na medida em que significa que o Filho de Deus tem a essência divina de si mesmo, não pode ser atribuída ao Filho de Deus, de acordo com as Escrituras e os sentimentos das igrejas grega e latina.


DISCUSSÃO XXXV. SOBRE O OFÍCIO SACERDOTAL DE CRISTO

I. Embora a pessoa de Cristo seja, por causa de sua excelência, mais digna de ser honrada e adorada, contudo, para que ele possa ser, de acordo com Deus, o objeto da religião cristã, duas outras coisas, através da vontade de Deus, foram necessário:

(1.) Que ele deve realizar alguns ofícios por causa dos homens, para obter a salvação eterna para eles.

(2) Que Deus lhe conceda domínio ou soberania sobre todas as coisas, e poder total para salvar e condenar, com um mandamento expresso, "que todos os homens honrem o Filho como honram o Pai", e que " todo joelho deve se curvar a ele, para a glória de Deus Pai ".

II. Ambas estas coisas são compreendidas juntas sob o título de salvador e mediador. Ele é um salvador, na medida em que isso compreende o fim de ambos, e um mediador, pois denota o método de realizar o fim de ambos. Pois o ato de salvar, na medida em que é atribuído a Cristo, denota a aquisição e comunicação da salvação. Mas Cristo é o Mediador dos homens diante de Deus, solicitando e obtendo a salvação, e o Mediador de Deus com os homens em comunicá-lo. Vamos agora tratar sobre o primeiro deles.

III O mediador dos homens diante de Deus e seu salvador através da solicitação e da aquisição da salvação (que também é chamado pelos ortodoxos de "pelo modo de mérito") foi constituído sacerdote por Deus, não de acordo com a lei. a ordem de Levi, mas de acordo com a de Melquisedeque, que era "sacerdote do mais alto Deus" e, ao mesmo tempo, "rei de Salém".

IV. Pela natureza de um padre verdadeiro e não de um padre típico, era simultaneamente sacerdote e vítima em uma pessoa, o que [o dever], portanto, ele não podia realizar senão através de verdadeira e substancial obediência a Deus que impunha o cargo sobre ele.

V. No sacerdócio de Cristo, deve ser considerada a preparação para o ofício e a sua execução.

(1) A preparação é a do sacerdote e da vítima; o Sacerdote foi preparado por vocação ou pela imposição do ofício, pela santificação e consagração de sua pessoa através do Espírito Santo, e por sua obediência e sofrimentos, e até mesmo em alguns aspectos por sua ressurreição dos mortos. A vítima também foi preparada pela separação, pela obediência (pois era necessário que a vítima também fosse santa) e por ser morta.

VI. (2) A Alta deste ofício consiste na oferta ou apresentação do sacrifício de seu corpo e sangue e em sua intercessão diante de Deus. A bênção ou bênção, que também pertencia ao ofício sacerdotal no Antigo Testamento, será, neste caso, mais apropriadamente referida à própria comunicação da salvação, conforme lemos no Antigo Testamento que os reis também dispensavam bênçãos.

VII. Os resultados do cumprimento do ofício sacerdotal são a reconciliação com Deus, a obtenção da redenção eterna, a remissão dos pecados, o Espírito da graça e a vida eterna.

VIII. De fato, nesse aspecto, o sacerdócio de Cristo era propiciatório. Mas, porque nós, também, por sua beneficência, fomos constituídos sacerdotes para oferecer ações de graças a Deus por meio de Cristo, ele é também um sacerdote eucarístico, na medida em que oferece nossos sacrifícios a Deus Pai, que, quando oferecidos por suas mãos, o Pai pode recebê-los com aceitação.

IX. É evidente, daquelas coisas que foram agora avançadas, que Cristo, em seu ofício sacerdotal, não tem nem sucessor, nem vigário, nem sócio, se considerarmos a oblação, tanto do seu sacrifício propiciatório que ele ofereceu daquelas coisas que eram a sua própria e de seu sacrifício eucarístico que ele ofereceu também daqueles que nos pertenciam, ou se consideramos sua intercessão.

COROLARIOS:

I. Nós negamos que a comparação entre o sacerdócio de Cristo e o de Melquisedeque, consistiu principalmente ou de alguma maneira neste, que Melquisedeque ofereceu pão e vinho quando ele encontrou Abraão retornando do massacre dos reis. II. Que o sacrifício propiciatório de Cristo é sem derramamento de sangue, implica uma contradição, de acordo com as Escrituras.

III O Cristo vivo é apresentado ao Pai em nenhum outro lugar além do céu. Portanto, ele não é oferecido na massa.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 2.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: