As discussões privadas de Armínio - VIII

Sobre o ofício profético de Cristo
Sobre o ofício régio de Cristo
Sobre a humilhação e exaltação de Cristo
Sobre a vontade e o comando de Deus Pai e Filho
Sobre a predestinação dos crentes


DISCUSSÃO XXXVI. SOBRE O OFÍCIO PROFÉTICO DE CRISTO

I. O ofício profético de Cristo está sob consideração em dois pontos de vista - ou como ele executou em sua própria pessoa, enquanto ele era um peregrino na terra, ou como ele administrou quando sentado no céu, à direita do Pai. Na presente disputa, trataremos de acordo com a primeira dessas relações.

II. O objeto apropriado do ofício profético de Cristo não era a lei, embora [ele explicasse ou] cumprisse isso, e a libertasse de corrupções depravadas; nem era epaggelia a promessa, embora ele confirmasse o que tinha sido feito aos pais; mas era o evangelho e o próprio Novo Testamento, ou "o reino dos céus e sua justiça.

III. Neste ofício profético de Cristo devem ser considerados tanto a imposição do ofício como a sua liberação. 1. A imposição tem santificação, instrução ou fornecimento, inauguração e promessa de assistência

IV Santificação é aquela pela qual o Pai o santificou ao seu ofício, desde o momento da sua concepção pelo Espírito Santo, (onde, diz ele, este fim nasci e, por essa causa, vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade ") e, de fato, de uma maneira muito mais excelente do que aquela pela qual se diz que Jeremias e João foram santificados

V. A instrução, ou fornecimento, é uma concessão daqueles dons que são necessários para cumprir os deveres do ofício profético; e consiste em uma efusão copiosa do Espírito Santo sobre ele, e em sua permanência nele - " o espírito de sabedoria e compreensão, de conselho e o poder do conhecimento e do temor do Senhor, "por meio do qual aconteceu o Espírito que era sua vontade ensinar de acordo com a piedade todas as coisas que deveriam ser ensinadas, e que ele tinha a coragem de ensiná-las - sua mente e afeto, ambos concupiscíveis e irascíveis, foram suficientemente e abundantemente instruídos ou fornecidos contra todos os impedimentos.

VI. Mas a instrução nas coisas necessárias para ser conhecida é dita nas Escrituras, para ser transmitida pela visão e audição, por um conhecimento familiar dos segredos do Pai, que é insinuado na frase em que ele é dito estar no seio do Pai e no céu. VII. Sua inauguração foi feita pelo batismo que João lhe conferiu, quando uma voz veio do Pai no céu, e o Espírito, "em forma corpórea, como uma pomba, desceu sobre ele". Estas eram como cartas credenciais, pelas quais o poder do ensino era afirmado e reivindicado para ele como o embaixador do Pai.

VIII. A isto, deve ser subjugada a assistência perpétua prometida do Espírito Santo, descansando e permanecendo sobre ele neste mesmo sinal de uma pomba, para que ele possa administrar com espírito um ofício tão árduo.

IX. Na Quitação deste cargo, devem ser considerados a proposição da doutrina, sua confirmação e o resultado.

X. A proposta da doutrina foi feita de uma maneira adequada, tanto para as coisas em si, quanto para as pessoas - para sua própria pessoa, e para as pessoas daqueles a quem ele ensinou com graça e autoridade, aceitando a pessoa de não. homem, de qualquer estado ou condição que ele possa ser.

XI. A confirmação foi dada tanto pela santidade, que responde exatamente à doutrina, e por milagres, previsões de coisas futuras, a revelação dos pensamentos dos homens e de outros segredos, e por sua morte mais amarga e contumélica.

XII O resultado foi duplo: O Primeiro foi um que concordou com a natureza da própria doutrina - a conversão de alguns homens para ele, mas sem tal conhecimento dele como a doutrina exigida; pois seus pensamentos estavam comprometidos com a ideia de restaurar o reino externo. O Segundo, que surgiu da maldade depravada de seus auditores, foi a rejeição da doutrina, e daquele que a ensinou, sua crucificação e assassinato. Por isso, ele se queixa de si mesmo, em Isaías 49. 4 "Trabalhei em vão, gastei minhas forças em nada".

XIII. Como Deus previu que isto aconteceria, é certo que ele desejou este ofício profético de servir, para a consagração de Cristo, através de sofrimentos, para empreender e administrar o ofício sacerdotal e real. E assim, o ofício profético de Cristo, na medida em que foi administrado por ele através de seus apóstolos e outros de seus servos, foi o meio pelo qual sua igreja foi trazida à fé e foi salva.

COROLÁRIO: Nós permitimos que esta questão se torne um assunto de discussão: A alma de Cristo recebeu qualquer conhecimento imediatamente do Logos que opera nela, sem a intervenção do Espírito Santo, que é chamado de conhecimento da união?


DISCUSSÃO XXXVII. SOBRE O OFÍCIO RÉGIO DE CRISTO

I. Como Cristo, quando consagrado pelos seus sofrimentos, foi feito o autor da salvação para todos os que lhe obedecem; e para esse fim, não apenas a solicitação e a obtenção de bênçãos eram necessárias (para as quais o ofício sacerdotal era dedicado), mas também a comunicação delas, era necessário que ele fosse investido com a dignidade real e ser constituído Senhor sobre. todas as coisas, com todo o poder para conceder a salvação e tudo o que for necessário para esse propósito.

II. O ofício real de Cristo é uma função mediadora, pela qual, tendo o Pai constituído Senhor sobre todas as coisas que estão no céu e na terra, e peculiarmente o Rei e a cabeça de sua igreja, ele governa todas as coisas e a igreja, para sua salvação e a glória de Deus. Veremos este ofício em acomodação para a igreja, porque estamos principalmente interessados ​​nesta consideração.

III As funções pertencentes a este ofício parecem ser as seguintes: vocação a uma participação no reino de Cristo, legislação, a concessão das bênçãos nesta vida necessárias à salvação, a evitação dos males opostos a eles, e o juízo final e as circunstâncias ligadas a ele.

IV. A vocação é a primeira função do ofício real de Cristo, pelo qual ele chama homens pecaminosos a se arrependerem e crerem no evangelho - uma recompensa sendo proposta concernente a uma participação do reino, e uma adição ameaçadora de destruição eterna da presença do Senhor.

V. Legislação é a segunda função do ofício real de Cristo, pelo qual ele prescreve aos crentes seu dever, que, como seus súditos, eles são obrigados a realizar para ele, como seu chefe e príncipe - uma sanção sendo adicionada através de recompensas e punições, que concordam adequadamente com o estado desse reino espiritual.

VI. Entre as bênçãos que a terceira função do ofício real de Cristo serve para comunicar, nós numeramos não apenas a remissão de pecados e o Espírito da graça internamente testemunhando com nossos corações que somos filhos de Deus, mas também todas aquelas bênçãos que são necessário para o cumprimento do mandato; como iluminação, a inspiração de bons pensamentos e desejos, força contra as tentações e, em resumo, a inscrição da lei de Deus em nossos corações, além dessas, como muitas das bênçãos desta vida natural, como Cristo sabe, contribuir para a salvação daqueles que acreditam nele. Mas os males sobre o desvio que essa função preside devem ser entendidos como contrários a essas bênçãos.

VII. O julgamento é o último ato do ofício real de Cristo, pelo qual, justamente, e sem respeito de pessoas, ele pronuncia sentença relativa a todos os pensamentos, palavras, ações e omissões de todos os homens, que foram previamente convocados e colocados diante de seu tribunal. ; e através do qual ele irresistivelmente executa essa sentença através de uma justa e graciosa interpretação de recompensas, e através da devida retribuição de punições, que consistem na concessão da vida eterna, e na imposição da morte eterna.

VIII. Os resultados ou conseqüências que correspondem a essas funções são:

(1) A coleta ou reunião da igreja ou a construção do templo de Jeová; esse ajuntamento consiste no chamado dos gentios, na devolução ou na restauração dos judeus, através da fé que responde à vocação divina.

(2) Obediência realizada aos mandamentos de Cristo por aqueles que acreditaram no Senhor e que, pela fé, foram feitos cidadãos do reino dos céus.

(3) A obtenção da remissão dos pecados, e do Espírito Santo, e de outras bênçãos que conduzem à salvação, bem como a libertação dos males que molestam [os crentes] na vida presente.

(4.) Por último. A ressurreição dos mortos e a participação da vida eterna.

IX. Os meios pelos quais Cristo administra seu reino, e que principalmente vêm sob nossa observação ao considerar a igreja, são a palavra e o Espírito Santo, que nunca devem ser separados um do outro. Pois este Espírito emprega ordinariamente a palavra, ou o significado da palavra, em sua pregação externa; e a palavra sozinha, sem a iluminação e a inspiração do Espírito Santo, é insuficiente. Mas Cristo nunca separa essas duas coisas, exceto por culpa daqueles que rejeitam a palavra e resistem ao Espírito Santo.

X. Os resultados opostos para estas conseqüências são, a expulsão do jugo [de Cristo], a imputação do pecado, a negação ou a retirada do Espírito Santo, e a entrega ao poder de Satanás para uma mente reprovada, e a dureza de coração, com outros males temporais e, finalmente, a morte eterna.

XI. Destas coisas, parece que o ofício profético, pelo qual uma igreja é coletada através da palavra, deve ser uma reserva ou acessório para o ofício real; e, portanto, que os administradores dele são justamente denominados "os apóstolos e os servos de Cristo", como aquele que os envia ao mundo inteiro, sobre o qual ele tem o poder, e que põe palavras em suas bocas, cujas assistência continuada é igualmente necessária, que a palavra pode produzir tal fruta como concorda com sua natureza.

XII Este ofício real é tão peculiar a Cristo, sob Deus Pai, que ele não admite nenhum homem, nem mesmo subordinadamente, em uma participação dele, como se ele empregasse um tal para um chefe ministerial. Por essa razão, dizemos que o pontífice romano, que se chama de chefe e cônjuge, embora sob Cristo, é o Anticristo.


DISCUSSÃO XXXVIII. SOBRE OS ESTADOS DE HUMILHAÇÃO E EXALTAÇÃO DE CRISTO

I. Respeitando a imposição e a execução dos ofícios que pertencem a Cristo, dois dos seus estados são geralmente considerados, sendo ambos necessários para este propósito - para que ele possa ser capaz de levar o nome de salvador de acordo com a vontade de Deus. e, na realidade, para executar a coisa significada sob este nome. Um desses estados é o da sua humilhação e é, segundo a carne, natural; o outro é o da glória, segundo o Espírito, e é espiritual.

II. Para o primeiro estado, o de sua humilhação, pertencem aos seguintes artigos de nossa crença: "Ele sofreu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; ele desceu ao inferno". Para o último estado, o de sua exaltação, pertencem a estes artigos: "Ele ressurgiu dos mortos; subiu ao céu e está sentado à direita de Deus, o Pai Todo-Poderoso; de lá virá julgar o rápido e o morto."

III Os sofrimentos de Cristo contêm todo tipo de reprovações e tormentos, tanto de alma como de corpo, que foram infligidos a ele em parte pela fúria de seus inimigos e, em parte, pelo castigo imediato de seu pai. Dizemos que estes últimos não são contrários ao bem da vida natural, mas ao da vida espiritual. Mas deduzimos o início desses sofrimentos desde o momento em que ele foi levado sob custódia; pois consideramos as coisas que antes lhe sucediam, antes que tivessem sido precursores de seus sofrimentos, pelos quais poderia ser posta à prova, seja com a presciência daquelas coisas que deveriam ser suportadas, e, de fato, através de uma experiência experimental. conhecimento, ele ainda estaria pronto pela obediência voluntária para suportar outros sofrimentos.

IV. A crucificação tem o modo de assassinato, pelo qual nos ensinam, que Cristo foi feito maldição por nós, que nós, através de sua cruz, pudemos ser libertos da maldição da lei; pois esta parece ter sido toda a razão pela qual Deus o pronunciou maldito que estava pendurado em uma árvore ou cruz, para que pudéssemos entender que Cristo, tendo sido crucificado por nomeação divina, do que por meios humanos, foi amaldiçoado por nós, Deus mesmo.

V. A morte de Cristo foi uma verdadeira separação de sua alma do corpo, tanto de acordo com seus efeitos quanto de acordo com o lugar. De fato teria decorrido da crucificação e, especialmente, da quebra de suas pernas; por conta disso, diz-se justamente que ele foi morto pelos judeus; mas a morte foi antecipada, ou previamente empreendida, pelo próprio Cristo, para que ele pudesse declarar ter recebido o poder de Deus o Pai para entregar sua alma e vida, e que ele morresse uma morte voluntária. A primeira parece relacionar-se com a confirmação da verdade anunciada por ele como profeta e a segunda com as circunstâncias de seu ofício sacerdotal.

VI. O enterro de Cristo tem relação com sua morte certa; e seu restante na sepultura significa que ele estava sob o domínio da morte até a hora de sua ressurreição. Este estado, pensamos, foi denotado pela existência de Cristo entre os mortos, dos quais a sua descida ao inferno [ou hades] foi o início, como o seu enterro foi o de permanecer no túmulo. Esta interpretação é confirmada, tanto pelo segundo capítulo dos Atos dos Apóstolos, e pelo consentimento da igreja antiga, que, no símbolo de sua crença, tinha apenas uma ou outra dessas expressões, ou "Ele desceu no inferno, "ou" Ele foi enterrado ". No entanto, se alguém acha que o significado deste artigo - "Ele desceu ao inferno" - para ser diferente do que temos dado, não contradiremos sua opinião, desde que seja agradável às Escrituras e à analogia da fé.

VII. Este estado [de humilhação] era necessário, tanto para que ele pudesse obedecer ao seu Pai, e que, tendo sido tentado em todas as coisas sem pecado, ele pudesse ser capaz de simpatizar com aqueles que são tentados, e, finalmente, que ele pudesse , pelo sofrimento, ser consagrado como sacerdote e rei, e pode entrar em sua própria glória.

VIII. Mas esse estado de glória e exaltação contém três graus - sua ressurreição, ascensão ao céu e assento à direita do Pai.

IX. O início de sua glória foi a libertação dos laços da sepultura e a ressurreição dos mortos, pela qual seu corpo, que estava morto e fora depositado no sepulcro, depois de destruídos os efeitos da morte, foi reunido a sua alma e trazido de volta à vida, não a esta natural, mas a uma vida espiritual; embora, a partir da força transbordante da vida natural, ele fosse capaz de desempenhar suas funções enquanto fosse necessário que ele permanecesse com seus discípulos na vida presente, depois de ter "ressurgido dos mortos", para conferir credibilidade à sua vida. ressurreição. Atribuímos esta ressurreição, não somente ao Pai através do Espírito Santo, mas também ao próprio Cristo, que teve o poder de retomar sua vida.

X. A assunção de Cristo ao céu contém o progresso de sua exaltação. Pois, como ele havia acabado, na terra, o ofício ordenou, e recebeu um corpo - não um corpo natural, terreno, corruptível, carnal e ignominioso, mas um espiritual, celestial, incorruptível e glorioso, e como outros deveres, necessário para obter a salvação dos homens, deviam ser realizados em e com respeito ao céu, era certo e apropriado que ele se levantasse e fosse exaltado para o céu, e deveria permanecer lá até que ele viesse a julgamento. Destas premissas, refuta-se o dogma dos papistas em relação à transubstanciação e o dos ubiquitarianos [1] relativo à consubstanciação, ou a presença corpórea de Cristo em, com e sob o pão.

XI. A exaltação de Cristo à mão direita do Pai é o grau supremo de sua exaltação; pois contém a consumada glória e poder que foram comunicados ao próprio Cristo pelo Pai-glória, em seu estar sentado com o Pai no trono de majestade, tanto porque o ofício real foi conferido a ele, com pleno comando, e sobre a terra acima de tudo e sobre todas as coisas criadas, e porque lhe foi conferida a dignidade de cumprir mais [os deveres] do ofício sacerdotal, naquela ação que deveria ser realizada no céu por um Sumo Sacerdote mais sublime constituído no céu em si.

XII. Em relação ao sacerdócio, o estado de humilhação era necessário; porque era a parte de Cristo a aparecer no céu diante do rosto de seu Pai, aspergido com seu próprio sangue e a interceder pelos crentes. Era também necessário, em relação ao seu ofício real; porque (e nisso eis a administração do ofício profético colocado em subordinação ao real!) porque era seu dever enviar a palavra e o Espírito do céu, e administrar do trono de sua majestade todas as coisas em nome do seu Pai, e especialmente sua igreja, conferindo àqueles que lhe obedecem, as bênçãos prometidas em sua palavra e seladas pelo seu Espírito, e infligindo males aos desobedientes depois de terem abusado da paciência de Deus enquanto sua justiça pudesse ature isso. Desta administração, o último ato será o julgamento universal, pelo qual estamos agora esperando. "Vem, Senhor Jesus!"


DISCUSSÃO XXXIX. SOBRE A VONTADE, E COMANDO DE DEUS PAI E CRISTO, POR QUE ELES DESEJAM COMANDAR QUE A RELIGIÃO SEJA EXECUTADA A ELES PELO HOMEM PECAMINOSO

I. Além das coisas que Deus fez em Cristo, e Cristo fez por meio do mandamento do Pai, pela redenção da humanidade, que foram perdidos pelo pecado, pelo qual ambos mereceram que a homenagem religiosa lhes fosse prestada. pelo homem pecador - e além do fato de que o Pai constituiu Cristo Salvador e Cabeça, com pleno poder e capacidade de salvar através da administração de seus ofícios sacerdotais e régios, por conta de qual poder, Cristo é digno de ser adorado com honras religiosas, e capaz de recompensar seus adoradores, para que ele não fosse adorado em vão, era necessário que a vontade de Deus Pai e de Cristo fosse unida, pela qual eles desejavam e ordenavam que a adoração religiosa fosse oferecida. para eles, para que o desempenho da religião não seja "adoração de vontade" ou superstição.

II. Era a vontade de Deus que este mandamento fosse proposto pelo modo de um pacto, isto é, através da estipulação mútua e promessa das partes contratantes - de um pacto, de fato, que nunca deve ser anulado ou perecer, que é, portanto, denominado "o novo pacto", e é ratificado pelo sangue de Jesus Cristo como Mediador.

III. Por causa disso, e porque Cristo foi constituído pelo Pai, um príncipe e Senhor, com a posse plena de todas as bênçãos necessárias para a salvação, também é chamado de "um Testamento" ou "Vontade"; portanto, ele, também, como o Testador, está morto, e por sua morte, confirmou a promessa testamentária que havia sido feita anteriormente, concernente à obtenção da herança eterna pela remissão de pecados.

IV. A estipulação da parte de Deus e de Cristo é que Deus será Deus e Pai em Cristo [para o crente] se em nome e por ordem de Deus, ele reconhece a Cristo como seu Senhor e salvador, isto é, se ele crê em Deus através de Cristo e em Cristo, e se ele cede a ambos, amor, adoração, honra, temor e completa obediência conforme prescrito.

V. A promessa, por parte de Deus Pai e de Cristo, é que Deus será o Deus e Pai, e que Cristo será o salvador, (através da administração de seus ofícios sacerdotais e régios) daqueles que têm fé em Deus Pai e em Cristo e que, pela fé, obedecem a eles; isto é, Deus o Pai, e Cristo, considerará o desempenho do dever religioso de ser grato e o coroará com uma recompensa.

VI. Por outro lado, a promessa do homem pecador é que ele crerá em Deus e em Cristo, e através da fé renderá obediência ou obediência. Mas a estipulação é que Deus esteja disposto a estar atento à sua declaração compacta e santa.

VII. Cristo intervém entre as duas partes; da parte de Deus, ele propõe a estipulação e confirma a promessa com seu sangue; ele igualmente trabalha uma persuasão no coração dos crentes, e afixa a ele seu selo de confirmação, que a promessa será ratificada. Mas, da parte do homem pecador, ele promete [ao Pai] que, pela eficácia de seu Espírito, ele fará com que o homem execute as coisas que prometeu a seu Deus; e, por outro lado, ele exige do Pai que, consciente de sua própria promessa, ele se digne conceder àqueles que responderem a essa descrição, ou aos crentes, o perdão de todos os seus pecados e a vida eterna. Ele também intervém, apresentando a Deus o serviço realizado pelo homem e tornando-o grato e aceitável a Deus através do odor de sua própria fragrância.

VIII. Também se empregam selos ou fichas externas aos quais os antigos pais latinos deram o nome de "sacramentos" e que, da parte de Deus, selam a promessa feita por ele mesmo; mas, por parte dos homens, eles são "a mão-escrita", ou vínculo daquela obrigação pela qual eles se ligaram que nada pode ser em qualquer aspecto que pareça ser de todo capaz de contribuir para a natureza e relação do pacto e pacto em que as partes entraram mutuamente.

IX. De todas estas coisas, são aparentes a perfeição mais suficiente da religião cristã e sua excelência incomparável acima de todas as outras religiões, embora elas também devam ser verdadeiras. Sua suficiência consiste nisso - tanto que demonstra a necessidade daquele dever que deve ser executado pelo homem pecador, ser completamente absoluto, e de modo algum ser remissível, pelo qual o caminho é fechado contra a segurança carnal - e que fortifica mais fortemente contra o desespero, não somente os pecadores, que eles podem ser levados ao arrependimento, mas também aqueles que realizam o dever, para que possam, através da certa esperança de bênçãos futuras, perseverar no curso da fé e de boas obras. em que eles entraram. Esses dois [desespero e segurança carnal] são os maiores males que devem ser evitados em toda a religião.

X. Esta é a excelência da religião cristã acima de todas as outras, que todas estas coisas são transacionadas pela intervenção de Cristo nosso mediador, sacerdote e rei, no qual, numerosos argumentos são propostos para nós, tanto para o estabelecimento da necessidade de seu desempenho, e pela confirmação da esperança, e pela remoção do desespero, que não pode ser mostrado em nenhuma outra religião. Por essa razão, portanto, não é maravilhoso que se diga que Cristo é a sabedoria de Deus e o poder de Deus, manifestado no evangelho para a salvação dos crentes.

COROLÁRIO Nenhuma oração e nenhum dever, realizado por um pecador, é grato a Deus, exceto com referência a Cristo; e ainda assim, as pessoas agiram apropriadamente em desejar e suplicar a Deus, que ele teria o prazer de abençoar o Rei Messias e o progresso de seu reino.


DISCUSSÃO XL. SOBRE A PREDESTINAÇÃO DOS CRENTES

I. Como temos tratado até agora sobre o objeto da religião cristã, isto é, sobre Cristo e Deus, e sobre as razões formais pelas quais a religião pode ser proveitosamente realizada a eles, e deve ser, entre os quais razões, a última é a vontade de Deus. Deus e seu comando que prescreve a religião pelas condições de um pacto; e como será necessário agora juntar a isto um discurso sobre a vocação dos homens para uma participação naquele pacto, não será impróprio para nós, neste lugar, inserir um sobre a Predestinação, pelo qual Deus determinou tratar com os homens de acordo com essa prescrição, e pelo qual ele decretou administrar essa vocação, e os meios para isso. Primeiro, sobre o primeiro deles.

II. Essa predestinação é o decreto do bom prazer de Deus, em Cristo, pelo qual ele determinou, em si mesmo, desde toda a eternidade, para justificar os crentes, adotá-los e dotá-los da vida eterna, "para o louvor da glória". da sua graça ", e até mesmo para a declaração da sua justiça.

III Essa predestinação é evangélica e, portanto, de forma perceptível e irrevogável; e, como o evangelho é puramente gracioso, essa predestinação também é misericordiosa, segundo a inclinação benevolente de Deus em Cristo. Mas essa graça exclui toda causa que possivelmente possa ser imaginada como capaz de ter procedido do homem, e pela qual Deus pode ser levado a fazer este decreto.

IV. Mas nós colocamos Cristo como o fundamento dessa predestinação, e como a causa meritória dessas bênçãos que foram destinadas aos crentes por esse decreto. Para o amor com o qual Deus ama os homens absolutamente à salvação, e segundo o qual ele absolutamente pretende conceder-lhes a vida eterna, este amor não existe senão em Jesus Cristo, o Filho do seu amor, que, tanto pela sua comunicação eficaz, e por seus méritos mais dignos, é a causa da salvação, e não apenas o dispensador da salvação recuperada, mas também o solicitador, obtentor e restaurador daquela salvação que foi perdida. Portanto, o suficiente não é atribuído a Cristo, quando ele é chamado de executor do decreto que havia sido feito anteriormente, e sem a consideração dele como [a pessoa] em quem esse decreto é fundado.

V. Damos uma dupla questão para esta predestinação - as coisas divinas e as pessoas a quem a comunicação delas foi predestinada.

(1) Essas coisas divinas são as bênçãos espirituais que geralmente recebem as denominações de graça e glória.

(2) As pessoas são fiéis ou crentes; isto é, eles acreditam em Deus que justifica o ímpio e em Cristo ressuscitado dos mortos. Mas a fé, isto é, a fé que está em Cristo, o mediador entre Deus e os homens, pressupõe o pecado, e também o conhecimento ou reconhecimento dele.

VI. Colocamos a forma dessa predestinação no próprio ato interno de Deus, que preordena aos crentes essa união com Cristo, sua Cabeça, e uma participação em seus benefícios. Mas nós colocamos o fim em "o louvor da glória da graça de Deus"; e como esta graça é a causa desse decreto, é justo que seja celebrado pela glória, embora Deus, ao usá-lo, o tenha tornado ilustre e glorioso. Neste lugar, também, ocorre a menção da própria justiça, como aquela pela intervenção da qual Cristo foi dado como mediador, e a fé nele era requerida; porque, sem esse mediador, Deus não quis nem mostrar misericórdia, nem salvar os homens sem fé nele.

VII. Mas, como este decreto de predestinação é de acordo com a eleição, que necessariamente inclui reprovação, devemos igualmente anunciá-lo. Ao contrário da eleição, portanto, nós definimos a reprovação como sendo o decreto da ira de Deus ou de sua severa vontade, pela qual, desde toda a eternidade, ele determinou condenar a morte eterna a todos os incrédulos e impenitentes, pela declaração de seu poder e raiva; ainda assim, que os incrédulos são visitados com este castigo, não somente por causa da incredulidade, mas também por causa de outros pecados dos quais poderiam ter sido entregues pela fé em Cristo.

VIII. Para ambos, isso é subordinado à execução de cada um; os atos dos quais são realizados na ordem em que foram ordenados por Deus no próprio decreto; e os objetos, ambos do decreto e de sua execução, são completamente os mesmos e uniformes, ou são investidos com a mesma razão formal, embora sejam considerados no decreto, como na mente de Deus, através do entendimento, mas , na execução do mesmo, como tal, realmente em existência.

IX. Essa predestinação é o fundamento do cristianismo, da salvação e da certeza da salvação; e São Paulo trata disso em sua epístola aos romanos, (8, 28-30) no nono e seguintes capítulos da mesma epístola, e no primeiro capítulo do que para os efésios.

~

Jacó Armínio

The Works Of James Arminius (As obras de Jacó Armínio). Volume 2.




Notas:
[1] Também chamados de ubiquistas, eram uma seita protestante que afirmava que o corpo de Cristo estava em toda parte, inclusive na Eucaristia. A seita foi iniciada no sínodo luterano de Stuttgart, em 19 de dezembro de 1559, por Johannes Brenz, um suábio.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: