Uma exposição da Lei Moral

I. Aqui acho que não será estranho ao nosso assunto introduzir os dez preceitos da lei, com uma breve exposição deles. Pois isso evidenciará mais claramente o que sugeri: que o serviço que Deus prescreveu sempre permanece em pleno vigor; e também nos fornecerá a confirmação da segunda observação, de que os judeus não apenas aprenderam com ela a natureza da verdadeira piedade, mas quando viram sua incapacidade de observá-la, foram guiados pelo medo de sua sentença, embora não sem relutância. , ao mediador. Agora, ao fazer um resumo daquilo que é necessário para o verdadeiro conhecimento de Deus, mostramos que não podemos formar nenhuma concepção de sua grandeza, mas sua majestade imediatamente se descobre para nós, para nos forçar a adorá-lo. No conhecimento de nós mesmos, estabelecemos isso como um artigo principal, que é despojado de toda opinião de nossa própria força e confiança em nossa própria justiça e, por outro lado, desencorajado e deprimido pela consciência de nossa pobreza. , devemos aprender a verdadeira humildade e auto-dejeção. O Senhor realiza essas duas coisas em sua lei, onde, em primeiro lugar, reivindicando a si mesmo a autoridade legítima para comandar, ele nos chama a reverenciar sua Divindade e prescreve as partes em que essa reverência consiste; e em outro lugar, promulgando o governo de sua justiça (cuja retidão, nossa natureza, sendo depravada e pervertida, se opõe perpetuamente; e da perfeição de que, nossa capacidade, por sua indolência e imbecilidade para com o que é bom) , está a uma grande distância), ele nos convence tanto da impotência quanto da injustiça. Além disso, a lei interna, que antes se dizia estar inscrita e gravada no coração de todos os homens, sugere-nos, em certa medida, as mesmas coisas que devem ser aprendidas nas duas tabelas. Pois nossa consciência não nos permite dormir em insensibilidade perpétua, mas é uma testemunha interna e um monitor dos deveres que devemos a Deus, nos mostra a diferença entre o bem e o mal, e nos acusa quando nos desviamos de nosso dever. Mas o homem, envolvido como ele está em uma nuvem de erros, dificilmente obtém dessa lei da natureza a menor ideia de que adoração é aceita por Deus; mas certamente está a uma imensa distância de um entendimento correto disso. Além disso, ele está tão entusiasmado com a arrogância e ambição, e tão cego com o amor próprio, que ainda não consegue ver a si mesmo e como se aposentou por dentro, para aprender a se submeter e se humilhar e a confessar a si mesmo. miséria. Visto que era necessário, portanto, tanto para nossa tolice quanto para obstinação, o Senhor nos deu uma lei escrita; declarar com maior certeza o que na lei da natureza era muito obscuro e, ao despertar nossa indolência, para causar uma impressão mais profunda em nossa compreensão e memória.

II Agora, é fácil perceber o que devemos aprender com a lei; a saber, que Deus, como ele é nosso Criador, sustenta justamente conosco o caráter de um Pai e de um Senhor; e que por isso devemos a ele glória e reverência, amor e medo. Além disso, que não temos a liberdade de seguir tudo o que a violência de nossas paixões pode nos incitar; mas que devemos estar atentos à sua vontade e praticar nada além do que lhe agrada. Em seguida, essa justiça e retidão são um deleite, mas a iniquidade é uma abominação para ele; e que, portanto, a menos que nos revoltemos com ingratidão ímpia contra nosso Criador, devemos necessariamente passar toda a nossa vida na prática da justiça. Pois se manifestamos uma reverência cada vez maior por ele, somente quando preferimos sua vontade à nossa, segue-se que não há outra adoração legítima a ele, a não ser a observância da justiça, santidade e pureza. Nem podemos fingir que nos desculpamos por falta de capacidade, como devedores insolventes. Pois é impróprio para nós medir a glória de Deus por nossa habilidade; pois, quaisquer que sejam nossos personagens, ele permanece como ele mesmo, amigo da justiça, inimigo da iniquidade. Tudo o que ele exige de nós, já que ele não pode exigir nada além do que é certo, temos uma obrigação natural de obedecer; mas nossa incapacidade é nossa própria culpa. Pois, se somos obrigados por nossas próprias paixões, que estão sob o governo do pecado, para que não tenhamos liberdade de obedecer a nosso Pai, não há razão para defendermos essa necessidade em nossa defesa, cuja criminalidade está dentro nós mesmos e devemos ser imputados a nós.

III Quando obtivemos uma proficiência como essa por meio da instrução da lei, devemos, sob o mesmo professor, nos aposentarmos; das quais podemos aprender duas coisas: primeiro, comparando nossa vida com a justiça da lei, descobriremos que estamos muito longe de agir de acordo com a vontade de Deus e, portanto, não somos dignos de manter um lugar entre suas criaturas. , muito menos para ser contado entre seus filhos. Em segundo lugar, examinando nossa força, veremos que ela não é apenas desigual à observância da lei, mas uma mera nulidade. A conseqüência necessária disso será uma desconfiança em nossa própria força, e uma ansiedade e ansiedade na mente. Pois a consciência não pode sustentar a carga da iniquidade, sem uma descoberta imediata do julgamento Divino. E o julgamento divino não pode ser percebido sem inspirar um pavor da morte. Compelido também por provas de sua impotência, não pode evitar cair em um desespero absoluto de sua própria força. Ambas as disposições produzem humildade e desânimo. O resultado de tudo isso é que o homem aterrorizado com a apreensão da morte eterna, que ele vê justamente iminente por causa de sua injustiça, se dedica inteiramente à misericórdia divina, como ao único porto de salvação; e percebendo sua incapacidade de cumprir os mandamentos da lei, e sentindo apenas desespero em si mesmo, ele implora e espera assistência de outro bairro.

IV Mas, não contente em conciliar uma reverência por sua justiça, o Senhor também subordinou promessas e ameaças, a fim de que nossos corações pudessem absorver um amor por ele e, ao mesmo tempo, um ódio à iniquidade. Pois, como os olhos de nossa mente são muito fracos para serem atraídos com a mera beleza da virtude, nosso Pai mais misericordioso tem o prazer de atrair-nos ao amor e à adoração de si mesmo pela doçura de suas recompensas. Ele anuncia, portanto, que reservou recompensas para a virtude e que a pessoa que obedece a seus mandamentos não deve trabalhar em vão. Ele proclama, pelo contrário, não apenas que a injustiça é execrável aos seus olhos, mas também que ela não deve escapar impunemente; mas que ele se vingará de todos os desprezadores de sua majestade. E para nos exortar por todos os motivos possíveis, ele promete também as bênçãos da vida presente, bem como a felicidade eterna, à obediência daqueles que guardam seus mandamentos, cujos transgressores ameaça não apenas com as calamidades presentes, mas com as tormentos da morte eterna. Para essa promessa, "se um homem viver, ele viverá neles" [1] e esse correspondente ameaçador: "a alma que pecar, ela morrerá" [2], sem dúvida, se relaciona com uma imortalidade ou morte futura e sem fim. . Onde quer que lemos sobre a benevolência ou ira divina, a primeira compreende a vida eterna, a segunda destruição eterna. Agora, das atuais bênçãos e maldições, a lei contém um longo catálogo. As sanções penais exibem a pureza consumada de Deus, que não pode tolerar a iniquidade; enquanto as promessas não apenas manifestam seu perfeito amor à justiça, que ele não pode fraudar sua recompensa, mas também ilustram sua maravilhosa bondade. Pois desde que nós, com tudo o que nos pertence, somos devedores de sua majestade, o que ele exige de nós, ele mais justamente exige como pagamento de uma dívida; mas o pagamento de uma dívida não tem direito a remuneração. Portanto, ele se retira do rigor de suas reivindicações, quando propõe uma recompensa à nossa obediência, que não é realizada espontaneamente, como se não fosse um dever. Mas o efeito dessas promessas sobre nós já foi parcialmente mencionado, e a partir de agora aparecerá mais claramente em seu devido lugar. No momento, basta, se lembrarmos e considerarmos que as promessas da lei não contêm nenhuma recomendação de retidão, para tornar mais evidente o quanto Deus está satisfeito com sua observância; e que as sanções penais são anexadas, para tornar a injustiça mais execrável, para que o pecador, em meio às fascinações do pecado, esqueça que o julgamento do Legislador o aguarda.

V. Agora, já que o Senhor, quando estava prestes a entregar uma regra de perfeita justiça, referiu todas as partes à sua própria vontade, isso mostra que nada é mais aceitável para ele do que obediência. Isso é digno da observação mais diligente, uma vez que a licenciosidade da mente humana é tão inclinada à invenção frequente de vários serviços, a fim de merecer seu favor. Pois essa afetação irreligiosa da religião, que é um princípio inato na mente humana, traiu-se em todas as épocas e trai-se mesmo nos dias atuais; pois os homens sempre têm prazer em inventar alguma maneira de alcançar a justiça, o que não é agradável à palavra divina. Portanto, entre os que são geralmente considerados boas obras, os preceitos da lei mantêm uma posição muito contraída, a infinidade de invenções humanas ocupando quase todo o espaço. Mas qual era o desígnio de Moisés, a menos que fosse reprimir uma licença tão injustificável, quando, após a promulgação da lei, ele se dirigiu ao povo da seguinte maneira! “Observa e ouve todas estas palavras que eu te ordeno, para que ela vá bem contigo e com teus filhos para sempre, quando fizeres o que é bom e certo aos olhos do Senhor teu Deus. O que quer que eu te ordene, observe para fazê-lo: não lhe acrescentará nem diminuirá.” [3] E antes, quando ele declarou que essa era a sabedoria e o entendimento deles à vista de outras nações, que eles haviam recebido estatutos, julgamentos e cerimônias do Senhor, ele acrescentou: “Cuide de si mesmo e guarde sua alma diligentemente, para não esquecer as coisas que os seus olhos viram e para que não se afastem do seu coração. os dias da tua vida.” [4] Prevendo que os israelitas não descansariam, mas, mesmo após a recepção da lei, trabalhariam para produzir novas espécies de justiça, alheias ao que a lei exige, a menos que sejam rigorosamente restringidas. Deus declara que sua palavra compreende a perfeição da justiça; e, no entanto, embora isso devesse tê-los evitado com mais eficácia, eles eram culpados dessa mesma presunção que era tão expressamente proibida. Mas o que é isso para nós? Certamente estamos vinculados à mesma declaração; pois as reivindicações do Senhor em nome de sua lei, de que ela contém a doutrina da perfeita justiça, além de toda dúvida permanecem perpetuamente a mesma; ainda não contentes com isso, somos maravilhosamente trabalhosos ao inventar e realizar outras boas obras, uma após a outra. O melhor remédio para essa falha será uma atenção constante a essa reflexão; que a lei nos foi dada do céu para nos ensinar uma justiça perfeita; que nela não se ensina a justiça, mas aquilo que é conforme aos decretos da vontade divina; portanto, é inútil tentar novas espécies de obras para merecer o favor de Deus, cuja adoração legítima consiste unicamente em obediência, mas que qualquer busca de boas obras que se desviem da lei de Deus é uma profanação intolerável do Divino e real. justiça. Há muita verdade também na observação de Agostinho, que chama obediência a Deus, às vezes pai e guardião, e às vezes origem de todas as virtudes.

VI. Mas quando apresentarmos a lei Divina, confirmaremos de maneira mais adequada e lucrativa o que já foi avançado em relação a seu ofício e uso. Antes de entrarmos, no entanto, na discussão de cada artigo separadamente, será útil pressupor algumas coisas que podem contribuir para um conhecimento geral dele. Primeiro, entenda-se que a lei inculca uma conformidade da vida, não apenas à probidade externa, mas também à justiça interna e espiritual. Agora, embora ninguém possa negar isso, muito poucas pessoas prestam a devida atenção. Isso decorre do fato de eles não considerarem o Legislador, por cuja natureza devemos estimar também a natureza da lei. Se um rei proíbe, por decreto, adultério, assassinato ou roubo, confesso que nenhum homem estará sujeito à penalidade de tal lei, que apenas concebeu em sua mente o desejo de cometer adultério, assassinato ou roubo , mas não perpetrou nenhum deles. Porque a superintendência de um legislador mortal se estende apenas à conduta externa e suas proibições não são violadas, a menos que os crimes sejam realmente cometidos. Mas Deus, cujo olho nada escapa, e que não considera tanto a aparência externa quanto a pureza do coração, na proibição de adultério, assassinato e roubo, compreende uma proibição de luxúria, ira, ódio, cobiçando o que pertence a outra pessoa. , fraude e todos os vícios semelhantes. Pois, sendo um legislador espiritual, ele se dirige tanto à alma quanto ao corpo. Agora, o assassinato da alma é ira e ódio; o roubo da alma é uma má concupiscência e avareza; o adultério da alma é luxúria. Mas será dito que as leis humanas também se relacionam a projetos e intenções, e não a eventos fortuitos. Eu concordo; mas eles se relacionam com os desígnios e intenções que foram manifestados em ações externas. Eles examinam e consideram com que intenção todo ato foi realizado; mas não examine os pensamentos secretos. As leis humanas, portanto, são satisfeitas quando um homem se abstém de transgressões externas. Mas, pelo contrário, a lei divina sendo dada a nossas mentes, a regulamentação apropriada delas é o principal requisito para uma observância justa dela. Mas os homens em geral, mesmo que dissolvam resolutamente seu desprezo pela lei, dispõem seus olhos, pés, mãos e todas as partes de seu corpo a algum tipo de observação, enquanto ao mesmo tempo seus corações estão totalmente alienado de toda obediência a ele, e supõem que cumpriram seu dever, se ocultaram do homem o que praticam aos olhos de Deus. Eles ouvem as ordens: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás. Não empunham a espada para cometer assassinato; eles nunca se associam a prostitutas; eles não impõem mãos violentas à propriedade de outros. Todas essas coisas até agora estão bem; mas em toda a sua alma respiram após assassinatos, acendem-se em luxúria, olham com olhos desonestos para a propriedade alheia e em sua cupidez o devoram. Agora, então, eles são destituídos do principal requisito da lei. De onde surge essa estupidez grosseira, mas descartando o Legislador e acomodando uma justiça à sua própria inclinação? Paulo se opõe fortemente a essas pessoas, quando afirma que “a lei é espiritual”; [5] significa que exige não apenas a obediência da alma, o entendimento e a vontade, mas também uma pureza angélica, a qual, sendo purificada de toda a poluição da carne pode saborear inteiramente do Espírito.

VII. Quando dizemos que esse é o sentido da lei, não estamos introduzindo uma nova interpretação, mas seguindo a Cristo, que é o melhor intérprete. Para o povo que absorveu dos fariseus a opinião corrupta de que ele, que não praticou nenhum ato externo de desobediência à lei, é um observador da lei, ele confunde esse erro muito perigoso e pronuncia um olhar impiedoso para uma mulher. seja adultério; ele os declara assassinos, que odeiam um irmão; ele os coloca "em perigo de julgamento", que apenas conceberam ressentimento em seus corações; eles "em perigo do conselho", que, murmurando ou brigando, descobriram qualquer sinal de mente zangada; e eles "em perigo de fogo do inferno", que com linguagem ofensiva e difamatória irromperam em fúria aberta. [6] Pessoas que não perceberam essas coisas fingiram que Cristo era outro Moisés, o doador de uma lei evangélica, que supria as deficiências da lei de Moisés. De onde essa máxima comum, relativa à perfeição da lei evangélica, é muito superior à lei antiga - uma máxima em muitos aspectos muito perniciosa. Pois quando introduzirmos um resumo dos mandamentos, o próprio Moisés parecerá indignado com a indignidade que isso fixa na lei divina. Certamente insinua que toda a santidade dos pais sob o Antigo Testamento não estava muito distante da hipocrisia e nos afasta dessa regra perpétua de justiça. Mas não há a menor dificuldade na refutação desse erro; pois eles supunham que Cristo fez acréscimos à lei, enquanto ele somente a restaurou à sua genuína pureza, limpando-a das obscuridades e manchas que havia contraído das falsidades e do fermento dos fariseus.

VIII. Deve-se observar, em segundo lugar, que os mandamentos e proibições sempre implicam mais do que as palavras expressam; mas isso deve ser tão restrito, que não podemos torná-lo um governo lésbico, com a ajuda da qual as Escrituras podem ser licenciosamente pervertidas, e qualquer sentido ser extorquido por qualquer passagem. Para algumas pessoas, por essa liberdade imoderada e excursiva, faz com que uma pessoa despreze a autoridade da lei e outra se desespere por entendê-la. Portanto, se for possível, devemos encontrar um caminho que possa nos conduzir por um caminho reto e constante à vontade de Deus. Devo perguntar, digo, até que ponto nossa interpretação deve exceder os limites das expressões; que evidentemente possa parecer não ser um apêndice de glosas humanas anexadas à lei divina, mas uma explicação fiel do sentido puro e genuíno do legislador. De fato, em todos os mandamentos, a figura sinédoque, pela qual uma parte é expressa em vez do todo, é tão visível que ele pode ser justamente o objeto do ridículo, que restringiria o sentido da lei dentro dos limites estreitos da lei. palavras. É claro, então, que uma exposição sóbria da lei vai além das palavras dela; mas até que ponto permanece duvidoso, a menos que alguma regra seja estabelecida. A melhor regra, então, eu imagino que seja, que a exposição seja direcionada ao design do preceito; que em relação a todo preceito, deve-se considerar para que fim foi dado. Por exemplo, todo preceito é imperativo ou proibitivo. O verdadeiro significado de ambos os tipos de preceitos ocorrerá imediatamente, se considerarmos o design ou o fim deles; como é o fim do quinto mandamento, essa honra pode ser dada àqueles a quem Deus a atribui. A substância desse preceito, portanto, é que é correto e agradável a Deus que honremos aqueles a quem Ele conferiu alguma excelência, e que a conduta desdenhosa e contumacta em relação a eles é uma abominação para ele. O objetivo do primeiro mandamento é que somente Deus seja adorado. A substância desse preceito, então, será que a verdadeira piedade, isto é, a adoração de sua majestade, é agradável a Deus e que ele abomina a impiedade. Assim, em todo mandamento devemos primeiro examinar o assunto dele; em outro lugar, deveríamos investigar o final, até descobrirmos o que o legislador realmente declara ser agradável ou desagradável para ele. Por fim, devemos traçar um argumento desse mandamento para o oposto, desta maneira: - Se isso agradar a Deus, o contrário deve desagradá-lo; se isso o desagradar, o contrário deve agradá-lo; se ele ordena isso, ele proíbe o contrário; se ele proíbe isso, ele ordena o contrário.

IX O que agora sugerimos de maneira obscura será completa e praticamente elucidada em nossa exposição dos mandamentos. Portanto, é suficiente tê-lo sugerido; somente a última posição, que de outra forma pode não ser entendida, ou, se entendida, pode parecer irracional, precisa ser brevemente estabelecida por uma prova adequada. Não precisa de prova de que uma injunção de qualquer coisa boa é uma proibição do mal oposto; pois todo homem a concederá. E o senso comum admitirá facilmente que a proibição de crimes é uma ordem para praticar os deveres contrários. É comumente considerado como um elogio das virtudes, quando a censura é passada nos vícios opostos. Mas exigimos um pouco mais do que normalmente é pretendido por essas formas de expressão. Pois os homens geralmente entendem que a virtude oposta a qualquer vício é uma abstinência desse vício; mas afirmamos que vai mais além, mesmo para o desempenho real do dever oposto. Portanto, neste preceito: "Não matarás", o senso comum da humanidade não perceberá nada além de que devemos abster-nos de todos os atos de dano a outros e de todo desejo de cometer tais atos. Afirmo que isso também implica que devemos fazer tudo o que pudermos para preservar a vida do próximo. E para não falar sem razão, eu o provo da seguinte maneira: Deus nos proíbe de prejudicar a segurança de nosso irmão, porque ele deseja que sua vida seja querida e preciosa para nós: portanto, ao mesmo tempo, exige de nós todos aqueles ofícios de amor que podem contribuir para a preservação dele. Assim, percebemos que o fim do preceito sempre descobrirá para nós tudo o que ele ordena ou nos proíbe de fazer.

X. Muitas razões são freqüentemente apresentadas, por que Deus, por assim dizer, em preceitos incompletos, intimamente intimamente sua vontade do que expressando-a positivamente; mas a razão que me proporciona mais satisfação do que todas as outras é a seguinte. Como a carne sempre se esforça para atenuar e, com pretextos ilusórios, ocultar a torpe do pecado, a menos que seja extremamente palpável, ele propôs, a título de exemplo, em todo tipo de transgressão, o que é mais atroz e detestável, e A menção disso nos inspira com horror, a fim de que nossas mentes possam ficar impressionadas com o maior detesto de todo pecado. Isso muitas vezes nos engana ao formar uma opinião de vícios; se eles são privados, nós os extenuamos. O Senhor destrói esses subterfúgios, quando ele nos acostuma a referir toda a multidão de vícios a essas cabeças gerais, que melhor representam a natureza abominável de toda espécie de transgressão. Por exemplo, a raiva e o ódio não devem ser crimes tão execráveis ​​quando são mencionados sob suas próprias apelações; mas quando nos são proibidos sob o nome de assassinato, temos uma percepção mais clara de como eles são abomináveis ​​à vista de Deus, por cuja palavra são classificados sob uma espécie de crime tão flagrante e horrível; e sendo influenciados por seu julgamento, nos acostumamos mais seriamente a considerar a atrocidade daqueles delitos que anteriormente considerávamos triviais.

XI. Em terceiro lugar, considere-se o que é pretendido pela divisão da lei divina em duas tabelas; a menção freqüente e solene da qual todos os sábios julgarão não ficar sem algum desígnio particular. E temos uma razão em mãos, que remove toda ambiguidade sobre esse assunto. Pois Deus dividiu sua lei em duas partes, que compreendem a perfeição da justiça, de modo que ele designou a primeira parte para os deveres da religião, que pertence particularmente à adoração de sua majestade, e a segunda aos deveres de caridade, que respeitam os homens. O primeiro fundamento da justiça é certamente a adoração a Deus; e, se isso for destruído, todos os outros ramos da justiça, como as partes de um edifício desarticulado e em queda, serão dilacerados e dispersos. Por que tipo de justiça você pretende fingir, porque evita assediar os homens por atos de roubo e estupro, se ao mesmo tempo, atroz e sacrilegamente, defraudar a majestade de Deus da glória que lhe é devida? não poluirá seu corpo com fornicação, se você profanar blasfemamente o sagrado nome de Deus? - porque você não mata nenhum homem, se você se esforça para destruir e extinguir toda a memória de Deus? É em vão, portanto, vangloriar-se da justiça sem religião; também o tronco de um corpo pode ser exibido como um objeto bonito, depois que a cabeça é cortada. A religião também não é apenas a cabeça da justiça, mas a própria alma dela, constituindo toda a sua vida e vigor; pois sem o temor de Deus, os homens não preservam equidade e amor entre si. Por isso, chamamos a adoração a Deus o princípio e fundamento da justiça, porque, se isso for necessário, qualquer que seja a equidade, a continência e a temperança que os homens possam praticar entre si, tudo é vaidoso e frívolo aos olhos de Deus. Afirmamos também que é a fonte e a alma da justiça; porque os homens são ensinados a viver temperada e justamente um com o outro, se veneram Deus como o juiz do certo e do errado. Na primeira tabela, portanto, ele nos instrui na piedade e nos devidos deveres da religião, nos quais sua majestade deve ser adorada; no segundo, ele prescreve os deveres que o medo de seu nome deve nos excitar a praticar na sociedade. Por essa razão, nosso Senhor, como os evangelistas nos informam, [7] resumidamente compôs toda a lei em dois pontos principais - que amamos a Deus com todo o coração, com toda a alma e com toda a força; e que amamos nosso próximo como a nós mesmos. Das duas partes em que ele compreende toda a lei, vemos como ele direciona uma para Deus e designa a outra para os homens.

XII. Mas, embora toda a lei esteja contida nesses dois pontos principais, nosso Deus, a fim de remover todo pretexto de desculpa, se agradou nos dez mandamentos de forma mais difusa e explícita declarar, assim como as coisas relacionadas à nossa honra. , amor e medo dele, como aqueles que pertencem a essa caridade, que ele ordena que, por sua causa, exercitemos com os homens. Tampouco é um estudo inútil examinar a divisão dos mandamentos; desde que você se lembre de que é um assunto dessa natureza, que todo homem deve ter a liberdade de julgá-lo e que não devemos nos opor contenciosamente a qualquer pessoa que possa diferir de nós a respeito dele. Mas temos a necessidade de abordar esse tópico, para que o leitor não despreze ou se surpreenda com a divisão que adotaremos, como uma nova invenção. O fato de a lei ser dividida em dez preceitos está além de toda controvérsia, sendo frequentemente estabelecida pela autoridade do próprio Deus. A questão, portanto, não está relacionada ao número dos preceitos, mas à maneira de dividi-los. Os que os dividem, de modo a atribuir três preceitos à primeira mesa e deixar os sete restantes à segunda, expurgam do número o preceito referente às imagens, ou pelo menos o ocultam sob a primeira; considerando que, sem dúvida, é entregue pelo Senhor como um mandamento distinto. Mas o décimo, contra cobiçar a propriedade de nosso próximo, eles se dividem indevidamente em dois. Veremos atualmente que tal método de divisão era desconhecido em épocas mais puras. Outros calculam conosco quatro artigos na primeira tabela; mas o primeiro mandamento que eles consideram uma promessa simples, sem preceito. Agora, eu entendo as “dez palavras” mencionadas por Moisés como dez preceitos; e acho que vejo esse número disposto na ordem mais bonita. E, portanto, a menos que eu seja convencido por argumentos claros, deixando-os de posse de sua opinião, seguirei o que me parece preferível; isto é, o que eles fazem como primeiro preceito é um prefácio de toda a lei; que é seguido pelos preceitos, quatro pertencentes à primeira tabela e seis à segunda, na ordem em que serão recitados agora. Orígenes mencionou essa divisão como se fosse universalmente recebida em seu tempo sem nenhuma controvérsia. Agostinho também coincide conosco; pois, ao enumerá-los a Bonifácio, ele observa esta ordem: Que somente Deus seja adorado religiosamente; que nenhuma adoração seja paga a um ídolo; para que o nome do Senhor não seja tomado em vão. Antes, ele havia falado separadamente do preceito sombrio do sábado. É verdade que em outra passagem ele expressa sua aprovação da antiga divisão, mas por uma razão muito trivial; a saber, que se a primeira tabela for digerida em três preceitos, o número trinal será uma exibição mais visível do mistério da Trindade. No mesmo lugar, no entanto, ele não esconde que, em outros aspectos, prefere nossa divisão. Ao lado desses escritores, o autor do tratado inacabado sobre Mateus é da mesma opinião que nós. Josefo, sem dúvida de acordo com a opinião comum de seu tempo, atribui cinco preceitos a cada mesa. Isso é repugnante à razão, porque confunde a distinção entre religião e caridade; e também é refutada pela autoridade de nosso Senhor, que em Mateus coloca o preceito referente à honra aos pais na segunda tabela. Agora vamos ouvir o próprio Deus falando com suas próprias palavras.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.


Notas:
[1] Levítico 18. 5.
[2] Ezequiel 18. 4.
[3] Deuteronômio 12. 28, 32.
[4] Deuteronômio 4. 5, 6, 9.
[5] Romanos 7. 14.
[6] Mateus 5. 22, 28.
[7] Mateus 22. 37-40. Lucas 10. 27.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: