Moby Dick - XX



LVIII. Brit

Dirigindo-se para o nordeste a partir dos Crozetts, caímos com vastos prados de brit, a minúscula substância amarela, sobre a qual a baleia direita se alimenta em grande parte. Para ligas e ligas, ondulava à nossa volta, de modo que parecíamos estar navegando por campos sem fim de trigo maduro e dourado.

No segundo dia, foram vistos números de baleias francas, que, protegidas do ataque de uma baleia-esperma como o Pequod, com mandíbulas abertas nadaram lentamente através da brit, que aderiram às fibras franjas daquele maravilhoso veneziano cego em suas bocas, foi assim separado da água que escapou no lábio.

Como cortadores de manhã, que, lado a lado, avançam lenta e fervorosamente pela foice através da grama longa e úmida de campos húmidos; mesmo assim, esses monstros nadaram, emitindo um som estranho, gramado e cortante; e deixando para trás infinitas faixas de azul no mar amarelo. *

*A parte do mar conhecida entre os baleeiros como os "Bancos do Brasil" não tem esse nome como os Bancos da Terra Nova, por causa da existência de águas rasas e sons, mas por causa dessa aparência notável de um prado, causada pela vasta montes de brit flutuam continuamente nessas latitudes, onde a baleia franca é frequentemente perseguida.

Mas foi apenas o som que eles fizeram quando separaram o brit que lembrou a todos os cortadores de grama. Visto das cabeças dos mastros, especialmente quando pararam e ficaram parados por um tempo, suas vastas formas negras pareciam mais massas de rocha sem vida do que qualquer outra coisa. E, como nos grandes países caçadores da Índia, o estrangeiro às vezes passa pelos elefantes reclinados das planícies sem saber que são, levando-os para elevações nuas e enegrecidas do solo; mesmo assim, freqüentemente, com ele, que pela primeira vez vê esta espécie de leviatãs do mar. E mesmo quando finalmente reconhecidos, sua imensa magnitude torna muito difícil acreditar que essas massas volumosas de crescimento excessivo possam ser instintivas, em todas as partes, com o mesmo tipo de vida que vive em um cão ou um cavalo.

De fato, em outros aspectos, você dificilmente pode considerar qualquer criatura do fundo com os mesmos sentimentos que os da costa. Pois, embora alguns antigos naturalistas tenham sustentado que todas as criaturas da terra são da mesma espécie no mar; e, embora tenha uma visão geral ampla da coisa, isso pode muito bem ser; contudo, chegando a especialidades, onde, por exemplo, o oceano fornece algum peixe que, de acordo com a disposição, responda à bondade sagaz do cão? Só o tubarão amaldiçoado pode, sob qualquer aspecto genérico, ter analogia comparativa com ele.

Porém, para os homens da terra em geral, os habitantes nativos dos mares já foram vistos com emoções indescritivelmente anti-sociais e repulsivas; apesar de sabermos que o mar é uma terra incógnita eterna, de modo que Colombo navegou por inúmeros mundos desconhecidos para descobrir seu único oeste superficial; embora, por vastas probabilidades, o mais terrível de todos os desastres mortais tenha ocorrido de forma imemorial e indiscriminada dezenas e centenas de milhares daqueles que caíram nas águas; embora apenas um momento de consideração ensine que, no entanto, o bebê pode se gabar de sua ciência e habilidade e, no entanto, em um futuro lisonjeiro, essa ciência e habilidade podem aumentar; todavia, para todo o sempre, até o fim da destruição, o mar o insultará e o matará, e pulverizará a fragata mais forte e mais forte que ele puder fazer; no entanto, pela repetição contínua dessas mesmas impressões, o homem perdeu a sensação de toda a horrenda do mar que pertence a ele aborígene.

O primeiro barco que lemos flutuava no oceano que, com a vingança portuguesa, havia afundado um mundo inteiro sem deixar nem mesmo uma viúva. Esse mesmo oceano rola agora; aquele mesmo oceano destruiu os navios naufragados do ano passado. Sim, mortais tolos, o dilúvio de Noé ainda não diminuiu; dois terços do mundo justo que ainda abrange.

Onde diferem o mar e a terra, que um milagre sobre um não é um milagre sobre o outro? Os terrores sobrenaturais repousavam sobre os hebreus, quando sob os pés de Corá e sua companhia o terreno vivo se abriu e os engoliu para sempre; ainda que nunca um sol moderno se ponha, mas exatamente da mesma maneira que o mar vivo engole navios e tripulações.

Mas o mar não é apenas um inimigo tão estranho para o homem, como também é um demônio por sua própria fonte; pior que o exército persa que assassinou seus próprios convidados; não poupando as criaturas que ela mesma gerou. Como uma tigresa selvagem que se agita na selva sobrepõe seus próprios filhotes, o mar arrasta até as baleias mais poderosas contra as rochas e as deixa ali lado a lado com os destroços de navios. Sem piedade, sem poder, mas seu próprio controle. Ofegando e bufando como um cavalo de batalha louco que perdeu seu cavaleiro, o oceano sem mestre toma conta do mundo.

Considere a sutileza do mar; como suas criaturas mais temidas deslizam sob a água, na maioria desproporcionais e escondidas traiçoeiras sob os tons mais bonitos do azul. Considere também o brilho diabólico e a beleza de muitas de suas tribos mais implacáveis, como a forma delicada e embelezada de muitas espécies de tubarões. Considere, mais uma vez, o canibalismo universal do mar; todos cujas criaturas atacam umas às outras, continuando a guerra eterna desde que o mundo começou.

Considere tudo isso; e depois vire para esta terra verde, suave e mais dócil; considere ambos, o mar e a terra; e você não encontra uma analogia estranha com algo em si mesmo? Pois, como esse oceano assustador circunda a terra verdejante, também na alma do homem existe um Tahiti insular, cheio de paz e alegria, mas cercado por todos os horrores da meia vida conhecida. Deus te guarde! Não empurre fora dessa ilha, você nunca poderá voltar!


LIX. Lula

Vagando vagarosamente pelos prados da Bretanha, o Pequod ainda continuava a caminho do nordeste em direção à ilha de Java; um ar suave impulsionando sua quilha, de modo que, na serenidade circundante, seus três mastros altos e pontudos acenavam levemente com a brisa lânguida, como três palmas suaves em uma planície. E ainda assim, em grandes intervalos na noite prateada, o jato solitário e sedutor seria visto.

Mas uma manhã azul transparente, quando uma quietude quase sobrenatural se espalhou pelo mar, por mais desassistida que qualquer calma estagnada; quando a longa clareira do sol polida nas águas parecia um dedo de ouro colocado sobre eles, exigindo algum segredo; quando as ondas escorregadias sussurravam juntas enquanto corriam suavemente; naquele profundo silêncio da esfera visível, Daggoo viu um estranho espectro do mastro principal.

Ao longe, uma grande massa branca se ergueu preguiçosamente, subindo cada vez mais alto, e se desembaraçando do azul, finalmente brilhando diante de nossa proa como um deslizamento de neve, novo deslizado das colinas. Assim, brilhando por um momento, à medida que lentamente diminui e afunda. Então, mais uma vez, surgiu e silenciosamente brilhou. Não parecia uma baleia; e ainda é esse Moby Dick? pensou Daggoo. Mais uma vez o fantasma caiu, mas, ao reaparecer mais uma vez, com um grito de estilete que assustou todos os homens com o aceno, o negro gritou: - Pronto! lá de novo! lá ela quebra! em frente! A baleia branca, a baleia branca!

Com isso, os marinheiros correram para os braços do estaleiro, como no tempo de enxame as abelhas correm para os galhos. De cabeça nua, sob o sol abafado, Ahab ficou de pé na proa e, com uma mão empurrada para trás, prontamente para acenar suas ordens ao timoneiro, lançou seu olhar ansioso na direção indicada no alto pelo braço estendido e imóvel de Daggoo.

Se a presença esvoaçante do jato quieto e solitário havia gradualmente influenciado Ahab, para que ele estivesse agora preparado para conectar as idéias de brandura e repouso à primeira vista da baleia em particular que perseguia; seja como fosse, ou se sua ansiedade o traiu; de qualquer maneira que fosse, assim que ele percebeu claramente a massa branca, com uma intensidade rápida ele imediatamente ordenou a redução.

Os quatro barcos logo estavam na água; Ahab antecipadamente, e todos puxando rapidamente em direção à presa. Logo caiu, e enquanto, com os remos suspensos, estávamos aguardando o seu reaparecimento, eis! no mesmo local em que afundou, mais uma vez subiu lentamente. Quase esquecendo por um momento todos os pensamentos de Moby Dick, agora contemplamos o fenômeno mais maravilhoso que os mares secretos até agora revelaram à humanidade. Uma vasta massa de polpa, de comprimento e largura, de cor creme, flutuava sobre a água, inúmeros braços longos irradiando do centro e curvando-se e torcendo como um ninho de anacondas, como se cegamente se agarrasse a qualquer infeliz objeto ao seu alcance. Nenhum rosto ou frente perceptível tinha; nenhum sinal concebível de sensação ou instinto; mas ondulado ali nas ondas, uma aparição sobrenatural, sem forma e de sorte.

Como com um som baixo de sucção, ele lentamente desapareceu novamente, Starbuck ainda olhando para as águas agitadas onde havia afundado, com uma voz selvagem exclamou: “Quase eu tinha visto Moby Dick e lutado com ele, do que ter visto você, seu fantasma branco. ! ”

"O que foi, senhor?", Disse Flask.

"A grande lula viva, que, dizem, poucas embarcações de baleia já viram, e retornou aos seus portos para contar."

Mas Acabe não disse nada; virando o barco, ele voltou para o navio; o resto segue silenciosamente.

Quaisquer que sejam as superstições que os homens-baleia esperam em geral com a visão desse objeto, é certo que um vislumbre dele é tão incomum, que as circunstâncias foram longe para investi-lo em portentosidade. Tão raramente se vê que, apesar de todos declararem que é a maior coisa animada do oceano, muito poucos deles têm apenas as idéias mais vagas a respeito de sua verdadeira natureza e forma; não obstante, eles acreditam que fornecerá ao baleia-esperma sua única comida. Embora outras espécies de baleias encontrem seus alimentos acima da água e possam ser vistas pelo homem no ato de se alimentar, a baleia espermacete obtém todo o seu alimento em zonas desconhecidas abaixo da superfície; e somente por inferência é que qualquer um pode dizer em que, precisamente, esse alimento consiste. Às vezes, quando perseguido de perto, ele repudia o que deveriam ser os braços destacados da lula; alguns deles exibiram mais de seis metros de comprimento. Eles imaginam que o monstro ao qual esses braços pertenciam normalmente se apega ao leito do oceano; e que o cachalote, ao contrário de outras espécies, é fornecido com dentes para atacá-lo e rasgá-lo.

Parece haver algum motivo para imaginar que o grande Kraken do bispo Pontoppodan possa finalmente se transformar em Lula. A maneira pela qual o bispo o descreve, como alternadamente se levantando e afundando, com alguns outros detalhes que ele narra, em tudo isso os dois correspondem. Mas muita redução é necessária em relação ao volume incrível que ele atribui a ela.

Por alguns naturalistas que ouviram vagamente rumores sobre a criatura misteriosa, aqui mencionada, ela está incluída na classe dos chocos, aos quais, de fato, em certos aspectos externos parece pertencer, mas apenas como os Anak dos tribo.


LX. A linha

Com referência à cena das baleias a ser descrita em breve, bem como para o melhor entendimento de todas as cenas semelhantes apresentadas em outros lugares, eu tenho aqui para falar da linha de baleias mágica, às vezes horrível.

A linha originalmente usada na pesca era do melhor cânhamo, levemente vaporizada com alcatrão, não impregnada com ela, como no caso de cordas comuns; pois enquanto o alcatrão, como normalmente usado, torna o cânhamo mais maleável para o fabricante de cordas e também torna a corda mais conveniente para o marinheiro para uso comum em navios; todavia, não apenas a quantidade comum endureceria demais a linha das baleias para o enrolamento próximo ao qual deveria ser submetida; mas como a maioria dos marinheiros está começando a aprender, o alcatrão em geral não contribui para a durabilidade ou a força do cabo, por mais que lhe dê compacidade e brilho.

Nos últimos anos, a corda de Manilla na pesca americana substituiu quase inteiramente o cânhamo como material para as linhas de baleias; pois, embora não seja tão durável quanto o cânhamo, é mais forte e muito mais macio e elástico; e acrescentarei (já que existe uma estética em todas as coisas), é muito mais bonito e atraente para o barco do que o cânhamo. O cânhamo é um sujeito sombrio e sombrio, uma espécie de índio; mas Manilla é como um circassiano de cabelos dourados de se ver.

A linha das baleias tem apenas dois terços de uma polegada de espessura. À primeira vista, você não pensaria tão forte como realmente é. Por experiência, seus um e cinquenta fios suspendem cada um um peso de cento e vinte libras; de modo que toda a corda suporte uma tensão quase igual a três toneladas. Em comprimento, a linha comum de esperma de baleia mede algo acima de duzentas braças. Em direção à popa do barco, ele é espiralado na banheira, não como o tubo de minhoca de um imóvel, mas para formar uma massa redonda, em forma de queijo, de "roldanas" densamente assentadas ou camadas de espiralizações concêntricas , sem qualquer cavidade, exceto o "coração" ou o tubo vertical minúsculo formado no eixo do queijo. Como o menor emaranhado ou torção no enrolamento levaria infalivelmente o braço, a perna ou o corpo inteiro de alguém, a máxima precaução é usada para guardar a linha na banheira. Alguns arpoadores consomem quase uma manhã inteira neste negócio, elevando a linha no alto e depois movendo-a para baixo através de um quarteirão em direção à banheira, como no ato de enrolar para libertá-la de todas as possíveis rugas e reviravoltas.

Nos barcos ingleses, duas banheiras são usadas em vez de uma; a mesma linha sendo enrolada continuamente em ambas as banheiras. Há alguma vantagem nisso; como essas banheiras são tão pequenas que cabem mais facilmente no barco e não o pressionam tanto; considerando que a banheira americana, com quase um metro de diâmetro e profundidade proporcional, oferece um frete bastante volumoso para uma embarcação cujas tábuas têm apenas meia polegada de espessura; pois o fundo do barco-baleia é como gelo crítico, que suportará um peso distribuído considerável, mas não muito concentrado. Quando a tampa de lona pintada é batida na banheira americana, o barco parece estar saindo com um prodigioso bolo de casamento para apresentar às baleias.

Ambas as extremidades da linha são expostas; a extremidade inferior terminando em uma junção ocular ou laço saindo do fundo contra a lateral da banheira e pendendo sobre a borda completamente desprendida de tudo. Esse arranjo da extremidade inferior é necessário em duas contas. Primeiro: a fim de facilitar a fixação de uma linha adicional de um barco vizinho, no caso de a baleia atingida parecer tão profunda que possa ameaçar a execução de toda a linha originalmente ligada ao arpão. Nesses casos, é claro que a baleia é deslocada como uma caneca de cerveja, de um barco para o outro; embora o primeiro barco sempre esteja à mão para ajudar seu consorte. Segundo: esse arranjo é indispensável por uma questão de segurança comum; pois se a extremidade inferior da linha estivesse ligada ao barco e a baleia corresse a linha até o fim quase em um único minuto fumegante, como ele às vezes faz, ele não parava por aí, para os condenados infalivelmente o barco seria arrastado atrás dele até a profundidade do mar; e, nesse caso, nenhum líder da cidade jamais a encontraria.

Antes de abaixar o barco para a perseguição, a extremidade superior da linha é levada para trás da banheira e, passando pela boba lá, é novamente levada adiante por todo o comprimento do barco, repousando transversalmente sobre o tear ou o punho do remo de todos os homens , para que ele corra contra o pulso dele em remo; e também passando entre os homens, enquanto se sentam alternadamente nas barreiras opostas, para os calços ou sulcos com chumbo na proa extrema e pontiaguda do barco, onde um alfinete de madeira ou espeto do tamanho de uma pena comum impede que ele escorregue. Dos calços, ele fica pendurado em um leve festão sobre os arcos e depois é passado novamente para dentro do barco; e cerca de dez ou vinte braças (chamadas de linha da caixa) sendo enroladas na caixa nos arcos, continua seu caminho até a amurada ainda um pouco mais à frente e é então anexado ao cabo curto - a corda que é conectada imediatamente com o arpão; mas antes dessa conexão, o atalho curto passa por diversas mistificações tediosas demais para detalhar.

Assim, a linha das baleias dobra todo o barco em suas bobinas complicadas, torcendo-o e contorcendo-o em quase todas as direções. Todos os remadores estão envolvidos em suas contorções perigosas; de modo que, aos olhos tímidos do homem da terra, eles parecem malabaristas indianos, com as cobras mais mortais enfeitando esportivamente seus membros. Tampouco pode qualquer filho de mulher mortal, pela primeira vez, sentar-se em meio a essas complexidades de cânhamo e, enquanto se esforça ao máximo no remo, acha que, a qualquer instante desconhecido, o arpão pode ser disparado, e todas essas horríveis contorções serão colocadas em prática. toque como relâmpagos; ele não pode ser assim circunstanciado sem um tremor que faz a própria medula em seus ossos tremer nele como uma geleia abalada. No entanto, hábito - coisa estranha! o que o hábito não pode realizar? - Salgueiros mais alegres, mais alegria alegre, piadas melhores e réplicas mais brilhantes, você nunca ouviu falar de seu mogno, do que ouvirá sobre o cedro branco de meia polegada do barco-baleia, quando assim pendurado nos laços do carrasco ; e, como os seis burgueses de Calais antes do rei Edward, os seis homens que compõem a tripulação puxam as mandíbulas da morte, com uma cabeçada em volta de cada pescoço, como você pode dizer.

Talvez um pouquinho de pensamento agora permita que você explique os desastres repetidos das baleias - alguns dos quais são relatados casualmente - desse homem ou daquele homem ser retirado do barco pela linha e perdido. Pois, quando a linha está disparando, sentar-se então no barco é como estar sentado no meio dos múltiplos zunidos de um motor a vapor em pleno jogo, quando todos os feixes voadores, eixos e rodas estão pastando você. Isto é pior; pois você não pode ficar imóvel no coração desses perigos, porque o barco está balançando como um berço e você é arremessado de um lado para o outro, sem o menor aviso; e apenas por uma certa flutuabilidade auto-ajustável e simultânea de volição e ação, você pode escapar de ser feito um Mazeppa e fugir para onde o próprio sol que tudo vê nunca poderia perfurá-lo.

Novamente: como a calma profunda que apenas aparentemente precede e profetiza a tempestade, é talvez mais terrível que a própria tempestade; pois, de fato, a calma não passa de invólucro e envelope da tempestade; e o contém em si, pois o rifle aparentemente inofensivo segura o pó fatal, a bola e a explosão; portanto, o repouso gracioso da linha, enquanto serpenteia silenciosamente sobre os remadores antes de entrar em cena - isso é algo que carrega mais terror verdadeiro do que qualquer outro aspecto desse caso perigoso. Mas por que dizer mais? Todos os homens vivem envoltos em linhas de baleias. Todos nascem com cabeçadas em volta do pescoço; mas é somente quando apanhados na rápida e repentina virada da morte que os mortais percebem os perigos silenciosos, sutis e sempre presentes da vida. E se você é um filósofo, apesar de estar sentado no barco de baleia, não sentiria um pouco mais de terror do que estar sentado diante do fogo da noite com um pôquer e não um arpão ao seu lado.

~

Herman Melville

Moby Dick, ou a baleia (1851). 

Disponível em Gutenberg e também em Domínio Público.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: