Sobre o Evangelho

A palavra "evangelho" na língua grega antiga significa "boas novas", e Deus, sem dúvida, escolheu tornar comum essa amada palavra sobre a pregação da graça, a fim de nos lembrar que essa pregação sobre Cristo é muito diferente da lei. A lei nos proclama a grande ira de Deus contra o nosso pecado, e não diz nada sobre o perdão do pecado, por graça, sem o nosso mérito. Mas João conhece o Filho de Deus e diz: "Eis que este é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" [João 1: 29]; e o evangelho prega sobre o mesmo Filho de Deus e sobre perdão dos pecados, justificação, Espírito Santo e bênção eterna, que nós, pelo mesmo Mediador, Filho de Deus, Jesus Cristo, sem nosso mérito, pela fé, com certeza receber.

Devemos observar cuidadosamente essa distinção e ouvir não apenas Moisés, que proclama a maldição, dizendo: "Maldito aquele que não cumprir todas as coisas escritas na lei" [Gálatas 3:10; cf. Deuteronômio 27; 26], mas também ouça o pregador, que nos dirige ao Filho de Deus, dizendo: "Eis que este é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo".

No início de seu livro, João indicou essa distinção entre Moisés e Cristo, entre a lei e o evangelho, com as seguintes palavras: "A lei foi dada por Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo" [João 1.17]. A graça realmente denomina o perdão gracioso dos pecados e a aceitação sem nosso mérito; e a verdade denominam benefícios eternos [Externos], vida, conhecimento correto de Deus e o tipo de justificação [Gerechtigkeit] que não é apenas uma sombra externa, mas é a luz, o esplendor e a atividade divinos - sim, a própria presença de Deus em nossos corações, como Paulo diz, "Deus estará todo naqueles que são salvos" [Filipenses 2:13; cf. 1 Corintios 15:28]. João fala de salvação completa e diz que Moisés não deu isso, pois Moisés apenas proclamou a lei; mas o Filho de Deus, Jesus Cristo, obteve e nos deu esses benefícios.

Para que a graça seja conhecida, precisamos conhecer previamente nossa grande miséria e reconhecer que Deus está profundamente zangado por causa de nossos pecados. Ele até ordenou que o Senhor Cristo pregasse poenitentiam et remissionem peccatorum em seu nome, isto é, arrependimento e remissão de pecados. Ele diz: "O Espírito Santo castigará o mundo por causa de seu pecado, para que acredite em mim". Através da pregação do evangelho, Deus produz ativamente terror e conforto. Portanto, para fins de instrução, o seguinte explica o que é o evangelho.

O evangelho é a proclamação divina na qual os homens, depois de ouvirem a ira de Deus contra o pecado e verdadeiramente tremerem diante da ira de Deus, são apresentados com a mais graciosa promessa de que Deus, por causa de Cristo, graciosamente, sem mérito da parte do homem, quer perdoar seus pecados e justificá-los, e que o Filho de Deus traga conforto àqueles que creem e concedem a eles o Espírito Santo e uma herança da vida eterna - tudo isso a ser recebido pela fé.

Essa explicação deve ser notada especialmente porque é isso que distingue a verdadeira Igreja de Deus de outros povos. Por exemplo: Quando Deus, pela primeira vez, restabeleceu sua Igreja após a queda, quando puniu o homem miseravelmente caído com a proclamação da morte, eles sem dúvida se sentiram aterrorizados; mas ao mesmo tempo Deus os confortou com a promessa de um futuro Redentor e, quando ouviram a promessa, naquele momento o Filho de Deus efetuou conforto e vida em seus corações.

Essa promessa foi mantida na Igreja de Deus como sua proclamação principal e foi esclarecida na revelação divina repetidas vezes. No entanto, ao mesmo tempo, muitas pessoas se afastaram da Igreja verdadeira, pois, embora defendessem a lei, obliteraram inteiramente o conhecimento do Redentor e a promessa da graça; eles não são a igreja de Deus. Existem e ainda existem grupos que são simplesmente maometanos; Embora eles tenham a lei, ainda não são a Igreja de Deus. Pois isso permanece eternamente fixo, 1 Coríntios 3: 11: "Ninguém pode lançar outro fundamento senão o que foi posto, que é Jesus Cristo"; e João 14: 6: "Ninguém vem ao Pai senão pelo Filho"; e, também, João 5:23, "Quem não honra o Filho, não honra o Pai".

Devemos concluir desta e de passagens claras semelhantes que as igrejas de Deus são apenas aquelas reuniões em que o santo evangelho do Senhor Cristo é corretamente pregado. Somente nessas reuniões existem herdeiros da bênção eterna, não entre os pagãos ou os maometanos, nem muitos outros perseguidores do Senhor Cristo. Com relação a isso, mais será colocado no artigo sobre a Igreja; isto é dito aqui para que possamos fazer uma distinção entre lei e evangelho.

Embora homens sábios entre os pagãos, como Hesíodo, Phocylides, Platão, Xenofonte e Aristóteles, digam muito sobre a lei - pois a lei é, em muitos aspectos, uma luz natural, como número - essas mesmas pessoas sábias em torno dos pagãos dizem absolutamente nada sobre Cristo e o perdão dos pecados. O conhecimento de Cristo e o perdão dos pecados não é uma luz que brilha naturalmente em nós; não nascemos com ele, assim como sabemos os números. Mas Deus, em sua misericórdia, tornou conhecido o perdão em revelações que se estendem a Adão, ele o confirmou repetidamente em milagres, e reúne para si uma Igreja eterna, que começou pela revelação do futuro Redentor, quando Deus disse: "o semente da mulher pisará na cabeça da serpente "[Gen. 31 15].

Observe que as promessas são duplas. A primeira, a mais alta e mais necessária, é a promessa do próprio Senhor Cristo, a promessa da graça e da salvação eterna. Essa promessa deve ser a primeira e a mais alta, pois, se não tivéssemos perdão dos pecados e continuássemos presos pela morte eterna, as promessas temporais seriam de pouco conforto... Portanto, devemos primeiro conhecer e contemplar essa principal promessa sobre o Senhor Cristo e bênção eterna. E essa promessa principal é, estritamente falando, o evangelho. Embora a promessa seja mais clara nos escritos dos profetas, foi revelada no início e foi incluída significativamente na primeira passagem sobre a pessoa do Mediador e a bênção eterna que ele traz consigo. Tanto a pessoa como a graça e a bênção eterna que nos são dadas pelo Filho de Deus e a semente da mulher, e por ele, devem ser conhecidas na Igreja. O santo (outros, Adão, Sete, Enoque, Noé e Sem), sem dúvida, viram o Filho de Deus com seus próprios olhos, pois ele se tornou visível, como Abraão; e eles sentiram e reconheceram sua atividade em seus corações através da palavra. é a razão pela qual o Senhor Cristo diz: "Abraão viu o meu dia e se alegrou" [cf. João 8:56].

Observe as promessas, desde o tempo de Adão até o presente, e considere cuidadosamente o conforto nelas, mesmo que não possamos explicar cada uma agora. A primeira passagem é: "A semente da mulher pisará na cabeça da serpente"; isto é, eu lhe darei novamente um Salvador, que nascerá de uma mulher, sem a semente de um homem, e destruirá o poder do diabo, removerá o pecado e a morte e trará novamente justificação eterna, vida eterna e alegria eterna. Aqui a pessoa e a graça estão incluídas, e Adão e Eva, por meio dessas palavras, sentiram em seus corações que essa pessoa relatada seria o Salvador, e pela fé foram resgatados de seus terrores e da morte.

Essa promessa é posteriormente reiterada e estabelecida para os herdeiros de Abraão: "Em sua descendência serão abençoadas todas as pessoas" [Atos 3:25; cf. Gênesis 12: 1-3; Gálatas 3: 8]. Na pregação desta promessa, a verdadeira Igreja pela fé, de acordo com esta promessa, deve ser reunida, e o Deus verdadeiro, que deu essa palavra, deve ser distinguido de todos os deuses imaginários. Os santos invocaram Deus, que se revelou em sua promessa e em seus testemunhos, e se sentiram consolados em seus corações pela fé, de acordo com essa promessa, e oraram, esperaram, esperaram e receberam ajuda em seu chamado de o futuro Salvador. Como Jacó ora: "Que o Deus Todo-Poderoso, e o Anjo, que me resgatou de todo mal, vos abençoem" [Gênesis 48: 15-16]. Este anjo que resgatou Jacó do pecado e de todo o mal é certamente o Filho de Deus.

Posteriormente, a promessa é estabelecida na popa de Davi, pois o Salvador deve nascer fora da linhagem de Davi. Isso é explicado pelos profetas. Deve-se conhecer essa revelação e explicação, e frequentemente considerá-la.

Essa promessa do Filho de Deus e da graça é muito diferente da lei: basicamente, a lei é um ensinamento que exige perfeita obediência e não concede livremente perdão dos pecados sem mérito da nossa parte. A lei diz que ninguém é justificado que não seja como a lei divina indica que alguém deveria ser. Mas o evangelho tem o Cristo reconciliador e essa diferença: livremente, sem mérito. Toda a obediência do Senhor Cristo é o nosso mérito. Isso é muito importante, pois, em verdadeira angústia, o coração luta não particularmente se Deus é misericordioso, mas se Deus será misericordioso com alguém que pecou, ​​se ele será gentil com alguém que não tem mérito, se ele nos receberá, embora [possamos saber] ele tenha recebido outros. Aqui o coração deve saber que, por causa do Senhor Cristo, o evangelho concede verdadeira e livremente, sem mérito de nossa parte, perdão dos pecados e da graça, e que recebemos essa grande graça com fé. A segunda coisa que o coração deve saber é que perdão e fé são para todos os homens, são universais.

Todos os homens em sua natureza corrompida têm pecado, e Deus realmente odeia o pecado em todos os homens. Portanto, a pregação da ira indica a todos, como Paulo diz, Romanos 3: 23: "Todos pecaram". Por outro lado, a pregação da graça no evangelho também é universal e promete perdão, misericórdia, justificação, Espírito Santo e bênção eterna para todos os que aceitam essa graça com fé e confiança no Senhor Cristo. Não há dúvida de que o mandamento de receber o Filho de Deus e confiar nele é um mandamento para todos os homens, como o Pai eterno diz: "Isto você ouvirá". E no segundo Salmo, "Beije o Filho!" E Mateus 11: 28 diz: "Vinde a mim, todos os que trabalham e estão pesados, e eu te darei descanso". No número "todos", todos devem se incluir e, com fé no Senhor Cristo, devem pedir ajuda.

Essa promessa do Filho de Deus e o perdão dos pecados, a graça e a salvação eterna são frequentemente confirmados com um juramento divino, para que não fiquemos atolados na dúvida e no desespero nela. Assim diz o Salmo 10: 4: "O Senhor jurou e não mudará de ideia: 'Você é sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.' "Ezequiel 33: 11:" Enquanto vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte dos ímpios, mas que os ímpios se desviem do seu caminho e vivam." Esse juramento deve ser considerado com cuidado para fortalecer a fé.

Além disso, há promessas de ajuda temporal nesta vida mortal, como em Mateus 6:33: "Busque primeiro seu reino e sua justiça, e todas essas coisas serão suas também". Mateus 10:30: "Todos os cabelos da sua cabeça estão numerados." E São Paulo diz, 1 Timóteo 4: 8: "A piedade é de valor para todos, pois é promissora para a vida presente e também para a vida futura". Vale a pena considerar por que Deus também fez promessas temporais, e há pelo menos quatro razões:

Primeiro: pelo conhecimento de Deus e da criação, ou seja, para que possamos pensar em Deus e lembrar que Ele cria e mantém tudo, e também que a distribuição de bens temporais acontece com seu conselho, não como Epicuro imagina, sem o conselho de Deus . Aqui se deve observar as passagens sobre criação e distribuição, em Deuteronômio 30:20, "Deus é sua vida e a duração de seus dias"; Salmos 127: 1: "A menos que o Senhor edifique a casa, aqueles que a edificam trabalham em vão"; e em Provérbios 10: 22, "A bênção do Senhor enriquece". E com isso deve-se aprender essa importante sabedoria e regra, que o conselho, o trabalho, a astúcia e a força humanos sozinhos, sem o apoio e a ajuda de Deus, não podem ser proveitosos. Pompeu pensou que ele era tão forte que sempre poderia triunfar, mas, no entanto, não triunfou, porque o triunfo é de Deus. Provérbios 2: 31 diz: "O cavalo está preparado para o dia da batalha, mas a vitória pertence ao Senhor".

A segunda razão pela qual bênçãos temporais são dadas e promessas anunciadas é a seguinte: Manutenção da Igreja nesta vida mortal; pois é a ordem de Deus e a vontade de que sua Igreja eterna seja reunida nesta vida mortal somente através do ofício da pregação. Se as pessoas devem pregar e aprender agora, devem viver, e isso requer comida, bebida, saúde e abrigo, pois, como diz o salmista, "os mortos não podem louvar a Deus" [Salmo 115: 17]. Para que uma Igreja possa ser e viver, Deus faz a terra frutífera, nos dá, como seus filhos, comida e bebida; dá governo e abrigo, e nos conforta; e proclama a promessa desses bens temporais de que possamos saber que ele sustentará a Igreja e, para esse fim, dará vida, saúde, nutrição, abrigo e governo. O Senhor Cristo fala sobre isso em Mateus 6:32: "Seu Pai celestial sabe que você precisa de todos eles".

A terceira razão é que Deus quer que exercitemos fé, invocação e ação de graças por meio de auxílio temporal, para que a luz em nossos corações a respeito das obras, presença e vontade paterna de Deus se torne cada vez mais forte. Assim, ele fala no Salmo 46: "Invoca-me em tempos de angústia, e eu te resgatarei, e você me louvará". Este mandamento devemos observar com cuidado e exercitar diariamente, e com ele considerar o propósito dessa invocação e ação de graças, a saber, que em nossos corações Deus possa muito mais ser conhecido, honrado e amado.

A quarta razão é que as promessas temporais são um lembrete do Senhor Cristo, e a promessa eterna, e aqui duas coisas são obtidas. Primeiro, todos os bens temporais são dados e prometidos por causa do Senhor Cristo; o próprio Pai eterno reúne sua Igreja por amor a seu Filho, mas porque a Igreja deve ter seu começo nesta vida, Deus nos dá bens físicos, necessários para nós nesta vida fraca. Como diz São Paulo, 2 Coríntios 1, todas as promessas são proclamadas e dadas a nós por causa do Filho.

Além disso, em toda invocação, mesmo para auxílio temporal, o coração deve pensar no Filho de Deus e na eterna promessa e perdão dos pecados, pois o coração não pode invocar frutuosamente a Deus sem uma consideração do Senhor Cristo. A consciência sempre vacila e maravilha, uma vez que pecou e ainda é pecaminosa, se seus gritos a Deus serão ouvidos. Aqui, o conhecimento do Senhor Cristo e a fé de que o perdão dos pecados é recebido devem seguir o caminho e fortalecer a oração por ajuda temporal.

Embora existam muitas razões pelas quais a Igreja de Deus é colocada sob a cruz, da qual falaremos mais adiante, uma razão é que Deus brilha através de vários perigos e angústias temporais para nos obrigar, não apenas a procurar ajuda temporal, mas muito mais, conhecer o Senhor Cristo e buscar bênçãos eternas...

Note que o evangelho proclama que Deus deseja sustentar a Igreja e dará ajuda temporal, e ao mesmo tempo que a Igreja é colocada sob a cruz e deve sofrer perseguição. Essas duas declarações parecem contraditórias, mas não realmente, pois o próprio Senhor Cristo inclui tanto sofrimento quanto ajuda, Marcos 10: 29 e seguintes: "Não há ninguém que tenha saído de casa, terras ... por causa do evangelho. , que não receberá cem vezes agora neste tempo, com perseguições e na era futura da vida eterna ". E Isaías 30: 20 fala de bens eternos, sofrimento e manutenção da Igreja: "Embora o Senhor lhe dê pão de adversidade e água de aflição, seu Mestre não se esconderá mais, e você ouvirá sua palavra."

Embora essas palavras soem como se estivessem em oposição, são meras declarações paralelas. É verdade que a Igreja está debaixo da cruz por muitas razões, mas Deus a mantém nesta vida mortal, para que sua companhia reunida [Versammlung] permaneça, embora muitos membros aqui e ali estejam devastados. As forças militares de Davi garantiram a vitória e permaneceram intactas, apesar de alguns de seus homens terem sido mortos. Deus ajuda de muitas maneiras especiais, e nem sempre da mesma maneira para todas as pessoas, pois ele quer que esperemos ajuda temporal de acordo com sua vontade e que estejamos dispostos e prontos em obediência. No entanto, ele mantém sua empresa reunida, e a ajuda vem de várias maneiras.

A ajuda e a libertação da congregação geralmente ocorrem por meios naturais, pois Deus deseja que todos os homens reconheçam sua presença na Igreja. Portanto, devemos orar para que ele manifeste sua presença, assim como Moisés orou para que o Senhor se manifestasse ao seu povo, para que os egípcios pudessem ouvir e saber que ele havia se revelado visivelmente.

E alguma ajuda está além da compreensão humana, na medida em que isso não acontece de acordo com nossos pensamentos, pois Deus quer que vivamos com fé e confiemos nele, e que vivamos e esperemos libertação através do Senhor Cristo, como ele diz em Isaías 30. : 15, "Na quietude e na confiança estarão suas forças." E a partir dessa afirmação devemos cumprir os mandamentos de Deus na expectativa do objetivo, mesmo que a razão não consiga ver como isso ocorrerá. Assim diz o Salmo 37:34: "Espere no Senhor, e siga o seu caminho, e ele o exaltará a possuir a terra; você verá a destruição dos ímpios".

E embora existam muitos dons temporais, para os quais precisamos de ajuda nesta vida miserável, e embora todos os dons da graça estejam fundamentados na graça que é dada livremente por causa do Senhor Cristo, ainda assim, existem ao mesmo tempo vários recompensas para os santos que são obedientes e pacientes. Jeremias diz que Ebed-Melech, que lhe deu comida na prisão, não perecerá na grande destruição de Jerusalém, mas será resgatado. E o próprio Senhor Cristo diz em Mateus 10: 42: "Quem der a um desses pequeninos mesmo um copo de água fria porque ele é um discípulo, na verdade, eu lhe digo, ele não perderá sua recompensa."

Embora esses dons sejam recompensas, ainda devemos confessar que temos muito pecado, que Deus pode nos punir com justiça e que precisamos continuamente do perdão dos pecados pela fé, por amor ao Senhor Cristo, sem mérito de nossa parte. Como Jacó confessa: "Não sou digno de toda a misericórdia e fidelidade que você concedeu ao seu servo" [Gênesis 32: 10].

Como essa vida mortal não dura para sempre, pois todos os homens devem, pela morte física, prosseguir para outra existência, é necessário saber e manter firmemente isso: embora todos os bens temporais sejam tirados de nós, não devemos deixar que a promessa eterna do Senhor Cristo e sua graça passem, pois a promessa é segura e firme para todos os tempos e para todos os homens que a aceitam com fé. Quando Davi foi expulso, teve o conforto de saber que seus pecados foram perdoados por graça, por causa do Mediador. E Jó declara 13:15: "Embora ele me mate, eu confiarei nele." A fé deve sempre contemplar e aceitar a promessa eterna do Senhor Cristo, a promessa da graça, e deve cumpri-la, mesmo que todas as bênçãos físicas sejam tiradas. A promessa da graça é a aliança eterna, o testamento eterno, pois através dela a salvação eterna é dada, pois a promessa é segura e firme para todos os tempos e para todos os homens que a aceitam com fé. O juramento divino é imutável: "Enquanto vivo, diz o Senhor Deus, não tenho prazer na morte dos ímpios, mas que os ímpios se desviam do seu caminho e vivem".

Aqui alguém pode perguntar: Como as promessas são anexadas à lei, como essas promessas devem ser entendidas? Resposta: Devemos conhecer claramente a distinção entre lei e evangelho. A eterna promessa de Cristo, a graça sobre a qual o evangelho prega, apaga todo o nosso mérito e diz livremente, por causa do Senhor Cristo, Deus concede perdão, graça e bênção eterna. A lei, no entanto, exige que sejamos completamente obedientes, e as promessas anexadas à lei são baseadas em perfeita obediência. Agora é óbvio que a perfeita obediência nesta vida não é possível para nós e que nesta vida o pecado permanece em nós. Por esse motivo, não temos direito às promessas anexas à lei.

Mas quando somos justificados pela fé no Senhor Cristo e Deus se agrada do princípio da obediência por causa do Senhor Cristo, as recompensas dessa obediência seguem, conforme essas passagens indicam: "Ao orar, você receberá "[cf. Lucas 11: 9; Mateus 21: 22; Marcos 11:24]; e: "Quem der a um desses pequeninos até um copo de água fria, porque ele é discípulo, em verdade vos digo, ele não perderá sua recompensa". Essas promessas não estão vazias, mas, como discutido anteriormente, também é verdade que a Igreja permanece debaixo da cruz. Mais será dito sobre isso mais tarde, e o que deve ser declarado mais adiante sobre as promessas da lei será mencionado sob o título do Antigo e do Novo Testamento.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: