Uma exposição da lei moral: O sétimo e o oitavo mandamento

Não cometerás adultério.


XLI. O fim deste preceito é que, porque Deus ama a castidade e a pureza, devemos nos afastar de toda a impureza. A soma disso, portanto, é que não devemos ser poluídos por nenhuma impureza carnal ou intemperança libidinosa. A essa proibição corresponde a liminar afirmativa de que toda parte de nossas vidas deve ser regulada pela castidade e continência. Mas ele proíbe expressamente o adultério, ao qual toda incontinência tende; para que pela turvação daquilo que é muito grosseiro e palpável, sendo uma poluição infame do corpo, ele possa nos levar a abominar toda paixão ilegal. Desde que o homem foi criado em um estado que não leva uma vida solitária, mas une-se a um encontro de ajuda; e, além disso, desde que a maldição do pecado aumentou essa necessidade - o Senhor nos deu ampla assistência neste caso pela instituição do casamento - uma conexão que ele não apenas originou por sua autoridade, mas também santificou por sua bênção. De onde parece que todas as outras uniões, exceto a do casamento, são amaldiçoadas aos seus olhos; e que a própria união conjugal é apontada como um remédio para a nossa necessidade, para que não possamos irromper em licenciosidade desenfreada. Não nos lisonjeamos, portanto, pois ouvimos que não pode haver coabitação de homens e mulheres, exceto no casamento, sem a maldição de Deus.

XLII. Agora, desde que a constituição original da natureza humana e a violência das paixões resultantes da queda tornaram duplamente necessária a união dos sexos, exceto àqueles a quem Deus eximiu dessa necessidade por graça peculiar, que cada um examine cuidadosamente o que é dado a ele. A virgindade, reconheço, é uma virtude que não deve ser desprezada. Mas, como isso é negado a alguns, e a outros é concedido apenas por uma temporada, que aqueles que estão preocupados com a incontinência e que não conseguem resistir a ela se valam da ajuda do casamento, para que possam preservar sua castidade de acordo com o grau de seu chamado. Para as pessoas que "não podem receber esse ditado", [889] se não ajudarem sua fragilidade pelo remédio oferecido e concedido a elas, opor-se a Deus e resistir a sua ordenança. Aqui, ninguém objeta, como muitos fazem nos dias atuais, que com a ajuda de Deus ele possa fazer todas as coisas. Pois a assistência de Deus é concedida somente àqueles que andam nos seus caminhos, isto é, no chamado deles; que é abandonado por todos aqueles que negligenciam os meios que Deus lhes deu, e se esforçam para superar suas necessidades por vã presunção. Essa continência é um dom peculiar de Deus, e daquele tipo que não é divulgado de forma promíscua ou para todo o corpo da Igreja, mas apenas conferido a alguns de seus membros, é afirmado por nosso Senhor. Pois ele menciona uma certa classe de homens que "se tornaram eunucos por causa do reino dos céus"; [890] isto é, para que eles possam ter mais liberdade para dedicar sua atenção aos assuntos do reino dos céus. Mas, para que ninguém suponha que isso esteja no poder do homem, ele já havia declarado que “todos os homens não podem receber esse ditado, exceto aqueles a quem é dado”. E ele conclui: “Aquele que é capaz de recebê-lo, deixe-o recebê-lo. ”Paulo é ainda mais explícito, quando diz, que“ todo homem tem seu dom adequado de Deus, um depois dessa maneira e outro depois ”. [891]

XLIII. Visto que somos tão expressamente reconhecidos que não está no poder de todos preservar a castidade no celibato, mesmo com os esforços mais árduos para esse fim, e que é uma graça peculiar, que o Senhor confere apenas a pessoas específicas, que ele pode tê-los mais prontos para o seu serviço, não resistimos a Deus e lutamos contra a natureza instituída por ele, a menos que acomodemos nosso modo de vida à medida de nossa capacidade? Nesse mandamento, o Senhor proíbe o adultério: portanto, ele exige de nós pureza e castidade. A única maneira de preservar isso é que cada um deve se medir por sua própria capacidade. Ninguém despreze precipitadamente o casamento como algo inútil ou desnecessário para ele; que ninguém prefira o celibato, a menos que ele possa dispensar uma esposa. E nesse estado ele não deve consultar sua tranquilidade ou vantagem carnal, mas apenas que, sendo isento dessa restrição, ele pode ser o mais rápido e pronto para todos os deveres da piedade. Além disso, como esse benefício é conferido a muitas pessoas apenas por uma temporada, abstenha-se do casamento, desde que seja capaz de sustentar uma vida de celibato. Quando suas forças falharem em vencer suas paixões, considere que o Senhor o colocou sob a necessidade de se casar. Isso é evidente na direção do apóstolo: "Para evitar a fornicação, que todo homem tenha sua própria esposa e toda mulher tenha seu próprio marido." Novamente: "Se não puderem conter, casem-se". [892] , em primeiro lugar, ele significa que a maioria dos homens está sujeita ao vício da incontinência; em segundo lugar, daqueles que estão sujeitos a ele, ele não faz exceção, mas ordena a todos que recorram a esse único remédio que evita a falta de castidade. Aqueles que são incontinentes, portanto, se negligenciam esse método de curar sua enfermidade, são culpados de pecado, por não obedecerem a essa ordem do apóstolo. E que aquele que se abstém de fornicação real, lisonjeie a si mesmo, como se não pudesse ser acusado de falta de castidade, enquanto seu coração está ao mesmo tempo inflamado por desejo libidinoso. Pois Paulo define a castidade como consistindo em santidade da mente conectada com a pureza do corpo. “A mulher solteira”, diz ele, “cuida das coisas do Senhor, para que ela seja santa tanto no corpo quanto no espírito.” [893] Portanto, quando ele dá uma razão para confirmar a liminar anterior, ele não contentar-se em dizer que é melhor para um homem se casar do que poluir-se com a sociedade de uma prostituta, mas afirma que "é melhor casar do que queimar". [894]

XLIV. Agora, se as pessoas casadas estão satisfeitas com o fato de sua sociedade ser atendida com a bênção do Senhor, elas são advertidas de que não deve ser contaminada por intemperança libidinosa e dissoluta. Pois se a honra do casamento oculta a vergonha da incontinência, não deve, por esse motivo, ser um incitamento a ela. Portanto, não se deve supor pelos casados ​​que todas as coisas lhes são lícitas. Todo homem deve observar sobriedade em relação à esposa e toda esposa, reciprocamente, em relação ao marido; comportando-se de maneira a não fazer nada impróprio ao decoro e à temperança do casamento. Pois assim, o casamento contratado no Senhor deve ser regulado pela moderação e modéstia, e não irromper na mais lasciva lasciva. Essa sensualidade foi estigmatizada por Ambrose com uma censura severa, mas não imerecida, quando ele chama aqueles que em suas relações conjugais não têm consideração pela modéstia ou decoro, os adúlteros de suas próprias esposas. Por fim, vamos considerar quem é o legislador, por quem o adultério é aqui condenado. Não é outro senão aquele que deve ter toda a possessão de nós, e justamente requer todo o nosso espírito, alma e corpo. Portanto, quando ele nos proíbe de cometer adultério, ele ao mesmo tempo nos proíbe, seja por ornamentar lascivamente nossas pessoas, seja por gesticulações obscenas ou por expressões impuras, insidiosamente, para atacar a castidade de outras pessoas. Pois há muita razão no discurso de Arquelau a um jovem vestido de maneira imoderadamente efeminada e delicada, que era irrelevante em que parte ele era indecente, com relação a Deus, que abomina toda a contaminação, em qualquer parte que possa descobrir. em si, seja da alma ou do corpo. E para que não haja dúvida sobre o assunto, lembremos que Deus aqui recomenda a castidade. Se o Senhor exige castidade em nós, ele condena tudo o que é contrário a ela. Portanto, se aspiramos à obediência, nem deixemos nossa mente queimar internamente com concupiscência depravada, nem deixemos nossos olhos se transformarem em afetos corruptos, nem deixemos que nosso corpo seja adornado para fins de sedução, nem deixemos que nossa língua com discursos impuros atraia nossa mente a semelhantes. pensamentos, nem vamos nos inflamar de intemperança. Pois todos esses vícios são manchas, pelas quais a pureza da castidade é contaminada.

~

Não roubarás.


XLV. O fim deste preceito é que, como a injustiça é uma abominação para Deus, todo homem pode possuir o que lhe pertence. A soma disso, então, é que somos proibidos de cobiçar a propriedade de outros e, portanto, somos obrigados a usar fielmente nossos esforços para preservar a todos os homens o que lhe pertence de maneira justa. Pois devemos considerar que o que um homem possui caiu em sua sorte, não por uma contingência fortuita, mas pela distribuição do supremo Senhor de todos; e que, portanto, nenhum homem pode ser privado de suas posses por métodos criminais, sem que um dano seja causado ao dispensador divino deles. Mas as espécies de roubo são numerosas. Um consiste em violência; quando a propriedade de qualquer pessoa é saqueada por força e licença predatória. Outro consiste em impostura maliciosa; quando retirado de maneira fraudulenta. Outro consiste em uma astúcia mais secreta; onde alguém é privado de sua propriedade sob a máscara da justiça. Outro consiste em lisonjas; onde somos enganados sob o pretexto de uma doação. Mas, para não nos demorarmos muito no recital das diferentes espécies de roubo, lembremo-nos de que todos os artifícios pelos quais as posses e a riqueza de nossos vizinhos são transferidos para nós, sempre que eles se desviam do amor sincero para um desejo de enganar ou fazer qualquer tipo de lesão, devem ser considerados atos de roubo. Essa é a única visão em que Deus as considera, mesmo que a propriedade possa ser adquirida por um processo legal. Pois ele vê as manobras tediosas com as quais o desenhador começa a enganar seu vizinho mais simples, até que por fim o enreda nas armadilhas. Ele vê as leis cruéis e desumanas, pelas quais o homem mais poderoso oprime e arruina aquele que é mais fraco. Ele vê as iscas com as quais os mais astutos prendem os imprudentes. Todas as coisas que estão ocultas do julgamento do homem, nem chegam ao seu conhecimento. E esse tipo de lesão está relacionada não apenas ao dinheiro, ou a bens, ou a terras, mas a tudo o que cada indivíduo tem direito; pois defraudamos nossos vizinhos de suas propriedades, se lhes negarmos esses gentis ofícios, que é nosso dever executar a eles. Se um agente ocioso ou mordomo devora a substância de seu mestre e fica desatento aos cuidados de seus assuntos domésticos; se ele desperdiçou indevidamente ou desperdiçou uma profusão luxuosa, a propriedade lhe confiava; se um servo zomba de seu senhor, se ele divulga seus segredos, se de algum modo ele trai sua vida ou sua propriedade; e se, por outro lado, um mestre oprime desumanamente sua família, - Deus o considera culpado de roubo. Pois a propriedade de outros é retida e mal aplicada por ele, que não exerce para com eles aqueles ofícios que o dever de sua situação exige dele.

XLVI. Devemos obedecer corretamente a esse mandamento, portanto, se, contentes com nossa própria sorte, não buscarmos ganho, a não ser de maneira honesta e lícita; se não desejamos nos enriquecer pela injustiça, nem tentamos arruinar a fortuna do próximo, a fim de aumentar a nossa; se não trabalharmos para acumular riqueza por crueldade e à custa do sangue de outros; se não nos juntarmos avidamente a cada trimestre, independentemente do certo ou do errado, tudo o que possa levar a saciar nossa avareza ou apoiar nossa prodigalidade. Pelo contrário, deve ser nosso objetivo constante, na medida do possível, ajudar fielmente todos os nossos conselhos e nossa propriedade a preservar o que lhes pertence; mas se estivermos preocupados com homens perversos e falaciosos, estaremos preparados antes para recuar um pouco do nosso direito, do que contendê-los. Além disso, vamos nos comunicar com as necessidades e, de acordo com nossa capacidade, aliviar a pobreza daqueles que consideramos pressionados por qualquer embaraço de suas circunstâncias. Por fim, que todo homem examine quais obrigações seu dever lhe impõe a outros e cumpra fielmente os deveres que ele lhes deve. Por esse motivo, o povo deve honrar seus governadores, submeter-se pacientemente à sua autoridade, obedecer às suas leis e mandatos e não resistir a nada, ao qual possa se submeter consistentemente com a vontade divina. Por outro lado, que os governadores cuidem de seu povo, preservem a paz pública, protejam o bem, punam os iníquos e administrem todas as coisas de tal maneira que se tornem aqueles que devem prestar contas de seu ofício a Deus, o supremo Juiz. Que os ministros das igrejas se dediquem fielmente ao ministério da palavra e nunca adulterem a doutrina da salvação, mas a entreguem pura e não contaminada ao povo de Deus. Ensinem, não apenas por sua doutrina, mas pelo exemplo de suas vidas; em uma palavra, eles devem presidir como bons pastores sobre as ovelhas. Que o povo, por sua vez, receba-os como mensageiros e apóstolos de Deus, conceda-lhes a honra à qual o Supremo Mestre os exaltou e forneça-lhes as necessidades da vida. Que os pais comprometam-se com o apoio, o governo e a instrução de seus filhos, conforme comprometidos por Deus aos seus cuidados; nem deixe que exasperem suas mentes e alienem suas afeições por crueldade, mas os ame e os abrace com a indulgência e a indulgência que se tornam seu caráter. E essa obediência é devida a eles por seus filhos. Que os juniores reverenciem a velhice, pois o Senhor designou essa era para ser honrosa. Que os idosos, por sua prudência e experiência superior, guiem a imbecilidade da juventude; não provocando-os com invectivas afiadas e clamorosas, mas temperando a severidade com brandura e afabilidade. Que os servos se mostrem obedientes e diligentes no serviço de seus senhores; e isso não apenas na aparência, mas no coração, como servindo ao próprio Deus. Nem os senhores se comportam de maneira morosa e perversa com seus servos, assediando-os com excessiva asperidade ou tratando-os com desprezo; antes, reconheça-os como irmãos e companheiros a serviço do Mestre celestial, com o direito de serem considerados com afeto mútuo e de receber tratamento amável. Desse modo, digo, que todo homem considere quais deveres deve a seus vizinhos, de acordo com as relações que mantém; e esses deveres o cumprem. Além disso, nossa atenção deve sempre ser direcionada ao legislador; para nos lembrar que esta lei é ordenada tanto para nossos corações quanto para nossas mãos, a fim de que os homens estudem para proteger a propriedade e promover os interesses de outros.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.


Notas:
[1] Mateus 19. 11.
[2] Mateus 19. 12.
[3] 1 Coríntios 7. 7.
[4] 1 Coríntios 7. 2, 9.
[5] 1 Coríntios 7. 34.
[6] 1 Coríntios 7. 9.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: