Alguns relatos da natureza do Descanso dos Santos

O importante desenho do apóstolo no texto, ao qual o autor sinceramente chama a atenção do leitor. O descanso dos santos é definido, com um plano geral do trabalho que esse descanso pressupõe. O humilde senso do autor de sua incapacidade de mostrar completamente o que esse resto contém. Ele contém: 1. Um cessar dos meios da graça; 2. Uma perfeita liberdade de todos os males; 3. O mais alto grau de perfeição pessoal dos santos, tanto no corpo como na alma; 4. O gozo mais próximo de Deus, o bem principal; 5. Uma ação doce e constante de todos os poderes da alma e do corpo neste desfrute de Deus.


Não era apenas o nosso interesse em Deus, e o prazer real dele, que estava perdido na queda de Adão, mas todo o conhecimento espiritual dele e a verdadeira disposição para tal felicidade. Quando o Filho de Deus vem com graça recuperadora e descobertas de uma felicidade e glória espiritual e eterna, ele não encontra fé no homem para acreditar nela. Como o pobre homem, que não acreditaria que alguém tivesse uma quantia de cem libras, estava tão acima do que ele próprio possuía, então os homens dificilmente agora acreditam que há tanta felicidade como antes, e muito menos como Cristo agora adquiriu. Quando Deus concedia aos israelitas seus sábados de descanso, em uma terra de descanso, era mais difícil fazê-los acreditar nisso do que vencer seus inimigos e obtê-lo para eles. E quando eles o tiveram, apenas como uma pequena sugestão e sincero de um descanso incomparavelmente mais glorioso por meio de Cristo, eles ainda acreditam não mais do que possuem, mas dizem, com a epicure na festa, com certeza não há outro céu além disso! ou, se eles esperam mais do Messias, é apenas o aumento de sua felicidade terrena. O apóstolo aponta a maior parte desta epístola contra essa oburidão e prova clara e amplamente que o fim de todas as cerimônias e sombras é direcioná-las para Jesus Cristo, a substância; e que o restante dos sábados e Canaã deve ensiná-los a procurar um descanso adicional, que de fato é a felicidade deles. Meu texto é sua conclusão após diversos argumentos; uma conclusão que contém a base de todo conforto do crente, o fim de todos os seus deveres e sofrimentos, a vida e a soma de todas as promessas do evangelho e privilégios cristãos.

O que é mais bem-vindo aos homens sob aflições pessoais, deveres cansativos, decepções ou sofrimentos do que descansar? Não é apenas nosso conforto, mas nossa estabilidade. Nossa vivacidade em todos os deveres, nossa tolerância à tribulação, nossa honra a Deus, o vigor de nosso amor, gratidão e todas as nossas graças; sim, o próprio ser de nossa religião e cristianismo depende dos pensamentos sérios e crentes de nosso descanso. E agora, leitor, quem quer que seja, jovem ou velho, rico ou pobre, peço-te e te imputo, em nome de teu Senhor, que em breve te chamará para um acerto de contas e te julgará ao teu estado eterno e imutável, que você não dê apenas essas coisas à leitura e, portanto, as rejeite com uma simples aprovação; mas que você se dedique a esta obra, e tome Deus em Cristo para seu único descanso, e fixe seu coração sobre ele acima de tudo. Que o Deus vivo, que é a parte e o resto de seus santos, torne essas mentes carnais tão espirituais e nossos corações terrestres tão celestiais que amá-lo e deleitar-se nele possa ser obra de nossas vidas; e que nem eu que escrevo, nem você que lê este livro, jamais se desvie deste caminho da vida; "Para que não nos seja deixada uma promessa de entrar no descanso dele", devemos "ficar aquém", por nossa própria incredulidade ou negligência.

O descanso dos santos é o estado mais feliz de um cristão; ou, é o perfeito gozo interminável de Deus pelos santos aperfeiçoados, de acordo com a medida de sua capacidade, à qual suas almas chegam à morte, e a alma e o corpo mais plenamente após a ressurreição e o julgamento final. De acordo com esta definição de descanso dos santos, um relato maior de sua natureza será apresentado neste capítulo; de seus preparativos, cap. 2; suas excelências, cap. 3 e cap. 4, as pessoas para quem foi projetado. Para ilustrar o assunto, será apresentada uma descrição, cap. 5, de sua miséria que perde esse descanso; e cap. 6, que também perdem os prazeres do tempo e sofrem os tormentos do inferno. A seguir será mostrado, cap. 7, a necessidade de procurar diligentemente esse descanso; indivíduo. 8, como ele pode discernir nosso título; indivíduo. 9, que aqueles que discernem seu título devem ajudar aqueles que não podem; e cap. 10, que esse descanso não é esperado na Terra. Será apropriado considerar, cap. 11, a importância de uma vida celestial na terra; indivíduo. 12, como viver uma vida celestial na terra; indivíduo. 13, a natureza da contemplação celestial, com o tempo, lugar e temperamento mais adequados para ela; indivíduo. 14, o que o uso da contemplação celestial leva em consideração, afetos, solilóquio e oração: e igualmente, cap. 15, como a contemplação celestial pode ser assistida por objetos sensíveis e protegida contra um coração traiçoeiro. A contemplação celestial será exemplificada, cap. 16, e todo o trabalho foi concluído.

Existem algumas coisas necessariamente pressupostas na natureza desse descanso: como,

Que os homens mortais são as pessoas que o procuram. Pois os anjos e espíritos glorificados já o têm, e os demônios e condenados são uma esperança passada:

Que eles escolhem Deus apenas para seu fim e felicidade. Quem toma qualquer outra coisa para sua felicidade está fora do caminho, o primeiro passo:

Que eles estão distantes deste fim. Este é o caso lamentável de toda a humanidade desde a queda. Quando Cristo vem com graça regeneradora, ele não encontra homem sentado, mas todos postando-se em ruína eterna e se apressando para o inferno; até que, por convicção, ele primeiro os coloque em uma posição e, depois, por conversão, volte seus corações e viva sinceramente para si mesmo. Esse fim e sua excelência devem ser conhecidos e seriamente intencionados. Um bem desconhecido se move para não desejar ou empreender. E não apenas a uma distância desse descanso, mas também o verdadeiro conhecimento dessa distância. Os que nunca souberam que estavam sem Deus, e no caminho para o inferno, nunca souberam o caminho para o céu. Pode um homem descobrir que perdeu seu Deus e sua alma, e não chora, estou desfeito? A razão pela qual tão poucos obtêm esse descanso é que eles não estarão convencidos de que estão, no ponto de título, distantes e, no ponto de prática, ao contrário. Quem buscou o que ele sabia que não havia perdido? "Os que são inteiros não precisam de médico, mas os que estão doentes:"

A influência de uma causa superior em movimento também é suposta; caso contrário, todos ficaremos parados e não nos moveremos em direção ao descanso. Se Deus não nos move, não podemos nos mover. É uma parte muito necessária de nossa sabedoria cristã, manter nossa subordinação a Deus e dependência dele. “Nós não somos suficientes para pensar em algo como nós mesmos, mas nossa suficiência é de Deus.” “Sem mim”, diz Cristo, “você não pode fazer nada.”

Em seguida, supõe-se que aqueles que buscam esse descanso tenham um princípio interior de vida espiritual. Deus não move os homens como pedras, mas ele lhes concede vida, não para permitir que eles se movam sem ele, mas subordinado a si mesmo, o primeiro motor.

Além disso, esse descanso supõe uma tendência real da alma em relação a ela, que é regular e constante, sincera e trabalhosa. Quem esconde seu talento receberá o salário de um servo preguiçoso. Cristo é a porta, o único caminho para esse descanso. "Mas o estreito é o portão e o caminho é estreito;" e devemos nos esforçar, se quisermos entrar; pois “muitos procurarão entrar e não poderão; o que implica: "que o reino dos céus sofra violência". Nem nos levará ao fim dos santos, se começarmos no espírito e terminar na carne. Ele somente “que perseverar até o fim, será salvo.” E nunca uma alma conseguiu descansar com Deus, cujo desejo não foi posto sobre ele acima de todas as outras coisas do mundo. “Onde estiver o seu tesouro, também estará o seu coração.” O restante de nossa velha natureza enfraquecerá muito e interromperá esses desejos, mas nunca os superará. E, considerando a oposição a nossos desejos, a partir dos princípios contrários de nossa natureza e da fraqueza de nossas graças, juntamente com nossa distância contínua do fim, nossa tendência para esse fim deve ser trabalhosa e com toda a nossa força. Todas essas coisas são supostas, a fim de um cristão obter interesse no descanso celestial.

Agora que subimos esses degraus para a corte externa, podemos olhar dentro do véu? Podemos mostrar o que esse resto contém, bem como o que ele supõe? Ai! quão pouco sei eu dessa glória! O vislumbre que Paulo tinha continha o que não podia ou não devia ser proferido. Ele havia falado as coisas do céu na língua do céu, e ninguém entendeu essa língua, qual o melhor? O Senhor me revela o que posso lhe revelar! O Senhor abre alguma luz e mostra a você e a nós nossa herança! Não apenas para Balaão, cujos olhos se abriram para ver a bondade das tendas de Jacó e os tabernáculos de Israel, onde ele não tinha parte, e de onde deve vir sua própria destruição; não sobre Moisés, que tinha apenas uma descoberta em vez de possessão, e viu a terra em que nunca entrou; mas como a pérola foi revelada ao comerciante no evangelho, que não descansou até que ele tivesse vendido tudo o que tinha e a comprou; e quando o céu foi aberto ao bem-aventurado Estevão, que ele entraria em breve, e a glória lhe mostrou qual deveria ser sua própria possessão.

As coisas contidas no descanso celestial são as seguintes: cessação dos meios da graça; uma perfeita liberdade de todos os males; o mais alto grau de perfeição pessoal dos santos, tanto de corpo quanto de alma; o gozo mais próximo de Deus, o bem principal e uma ação doce e constante de todos os poderes do corpo e da alma nesse gozo de Deus.

1. Uma coisa contida no descanso celestial é a cessação dos meios da graça. Quando obtivemos o refúgio, velejamos. Quando o trabalhador recebe seu salário, está implícito que ele fez seu trabalho. Quando estamos no final de nossa jornada, terminamos o caminho. Sejam profecias, elas falharão; se línguas, cessarão; se o conhecimento, também, na medida em que tinha a natureza dos meios, desaparecerá. Não haverá mais oração, porque não há mais necessidade, mas o pleno gozo daquilo pelo qual oramos: nem precisaremos jejuar, chorar e observar mais, estando fora do alcance do pecado e das tentações. A pregação é feita; o ministério do homem cessa; as ordenanças se tornam inúteis; os trabalhadores são chamados porque a colheita é colhida, o joio queimado e o trabalho terminado; a esperança não regenerada do passado e os santos do medo para sempre.

2. Há no descanso celestial uma perfeita liberdade de todos os males: de todos os males que nos acompanharam através de nosso curso, e que necessariamente seguem nossa ausência do bem principal, além de nossa liberdade daquelas chamas eternas e misérias inquietas que os negligentes de Cristo e graça devem sempre suportar; uma herança woful, que, tanto por nascimento quanto por mérito real, era devido a nós e a eles! No céu, nada há que contamine ou seja impuro. Tudo o que resta sem. E, sem dúvida, não existe algo conhecido como tristeza e tristeza; nem existe um rosto pálido, um corpo lânguido, articulações fracas, infância indefesa, idade em declínio, humores pecaminosos, doença dolorosa ou dolorosa, apertos de medos, consumos de cuidados ou qualquer coisa que mereça o nome do mal. Choramos e lamentamos quando o mundo se regozijou, mas nossa tristeza se transformou em alegria, e nossa alegria ninguém tirará de nós.

3. Outro ingrediente desse descanso é o mais alto grau de perfeição pessoal dos santos, tanto de corpo quanto de alma. Se a glória fosse sempre tão grande, e eles mesmos não fossem capazes disso por uma perfeição pessoal adequada a ela, seria pouco para eles. “Os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem penetraram no coração do homem, as coisas que Deus preparou para os que o amam.” Pois os olhos da carne não são capazes de vê-los, nem este ouvido de ouvi-los, nem esse coração de compreendê-los; mas ali os olhos, os ouvidos e o coração são capacitados; caso contrário, como eles os apreciam? Quanto mais perfeita é a visão, mais agradável é o belo objeto. Quanto mais perfeito o apetite, mais doce é a comida. Quanto mais musical o ouvido, mais agradável a melodia. Quanto mais perfeita a alma, mais alegres são essas alegrias e mais gloriosas para nós é essa glória.

4. A parte principal desse descanso é o nosso prazer mais próximo de Deus, o principal bem. E aqui, leitor, não se pergunte se estou perdida e se minhas apreensões recebem pouco daquilo que está em minhas expressões. Se não pareceu ao discípulo amado o que devemos ser, mas apenas, em geral, "que quando Cristo aparecer, seremos como ele", não é de admirar que eu saiba pouco. Quando conheço tão pouco de Deus, não sei muito bem o que é apreciá-lo. Se eu conheço tão pouco de espíritos, quão pouco é o Pai dos espíritos, ou o estado de minha própria alma, quando avançamos para o deleite! Levanto-me e olho para um monte de formigas, e as vejo de uma só vez: elas não me conhecem, meu ser, natureza ou pensamentos, embora eu seja a criatura deles: quão pouco, então, devemos conhecer o grande Criador, embora ele, com uma visão, claramente veja todos nós! Um vislumbre, os santos contemplam como em um copo, o que nos torna capazes de algumas apreensões pobres e sombrias do que veremos em glória. Se eu dissesse a um mundano quais são a santidade e as alegrias espirituais dos santos na Terra, ele não pode saber; pois a graça não pode ser claramente conhecida sem a graça; quanto menos ele poderia conceber isso, devo contar-lhe essa glória! Mas para os santos posso ser um pouco mais encorajado a falar, pois a graça lhes dá um conhecimento sombrio e um leve sabor de glória.

Se homens e anjos estudassem para falar a bem-aventurança desse estado em uma palavra, o que eles poderiam dizer além disso, que é o gozo mais próximo de Deus? Ó alegrias plenas oferecidas a um crente naquela sentença de Cristo: “Pai, quero que aqueles que me deste estejam comigo onde estou, para que possam contemplar a minha glória que me deste!” Toda palavra é cheio de vida e alegria. Se a rainha de Sabá teve razão para dizer da glória de Salomão: "Felizes são os teus homens, felizes são estes teus servos, que permanecem continuamente diante de ti e ouvem a tua sabedoria"; então, certamente, aqueles que permanecem continuamente diante de Deus e vêem sua glória e a glória do Cordeiro são mais do que felizes. A eles Cristo dará para comer da árvore da vida e comer do maná oculto; sim, ele os fará colunas no templo de Deus, e eles nunca mais sairão; e ele escreverá sobre eles o nome do seu Deus, e o nome da cidade do seu Deus, que é a nova Jerusalém, que desce do céu do seu Deus, e ele escreverá sobre eles o seu novo nome; sim, mais, se houver mais, ele os concederá para sentar com ele em seu trono. “Estes são os que vieram da grande tribulação, lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro; por isso estão diante do trono de Deus, e o servem dia e noite em seu templo; e aquele que está sentado no trono habitará entre eles. O Cordeiro, que está no meio do trono, os alimentará e os conduzirá a fontes de água vivas, e Deus enxugará todas as lágrimas dos seus olhos. ”Ó mundo cego e enganado! você pode nos mostrar tanta glória? Esta é a cidade do nosso Deus, onde o tabernáculo de Deus está com os homens, e ele habitará com eles, e eles serão o seu povo, e o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus. A glória de Deus a iluminará, e o Cordeiro é a sua luz. E não haverá mais maldição; mas o trono de Deus e do Cordeiro estará nele; e seus servos o servirão, e verão o seu rosto, e o seu nome estará na testa deles. Essas palavras são fiéis e verdadeiras, e as coisas que devem ser feitas em breve.

E agora dizemos, como Mefibosete, que o mundo tome tudo, pois nosso Senhor virá em paz. Alegrai-vos, pois, no Senhor, ó justos! e diga, com seu servo Davi: “O Senhor é a parte da minha herança; as linhas caíram sobre mim em lugares agradáveis; sim, eu tenho uma boa herança. Eu coloquei o Senhor sempre diante de mim; porque ele está à minha mão direita, não me comoverei. Portanto, meu coração se alegra, e minha glória se alegra; minha carne também descansará na esperança. Pois você não deixará minha alma no inferno, nem permitirá que o Santo veja corrupção. Tu me mostras o caminho da vida; em tua presença há plenitude de alegria; à tua mão direita há prazeres para todo o sempre. ”Que presunção teria sido, uma vez, ter pensado ou falado de algo assim, se Deus não o tivesse dito antes de nós! Eu não pensei na preferência dos santos nesta vida, como as Escrituras estabelecem, se não fosse a verdade expressa de Deus. Quão inapropriado é falar em ser filho de Deus - falar com ele - ter comunhão com ele - habitar nele e ele em nós - se essa não fosse a língua de Deus! Quanto menos tempo pensamos em brilhar como o sol - em sermos herdeiros em conjunto com Cristo - em julgar o mundo - em sentar no trono de Cristo - em ser um nele e no Pai - se não tivéssemos tudo isso do boca e debaixo da mão de Deus! Mas ele disse, e não o fará? Falou ele, e não o tornará bom? - Sim, como o Senhor Deus é verdadeiro, assim será feito ao homem a quem Cristo se deleita em honrar.

Tenha bom ânimo, Christian; é chegado o tempo em que Deus e tu estaremos perto, e o mais perto que pudermos desejar. Tu habitarás na sua família. Isso é suficiente? É melhor ser um guardião de portas na casa de Deus do que habitar nas tendas da iniquidade. Sempre estarás diante dele, sobre seu trono, na sala com ele, em sua câmara de presença. Ainda estarias mais perto? Serás filho dele, e ele teu Pai; serás herdeiro do seu reino; sim, mais, a esposa do seu Filho. E o que mais você pode desejar? Serás um membro do corpo de seu Filho; ele será a tua cabeça; tu serás um com ele, que é um com o Pai, como ele próprio desejou para ti de seu Pai: “para que todos sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles pode ser um em nós; ea glória que me deste, eu lhes dei, para que sejam um, assim como nós somos um; Eu neles e tu em mim, para que sejam aperfeiçoados em um, e que o mundo saiba que me enviou e os amou como me amou. ”

5. Devemos acrescentar que esse descanso contém uma ação doce e constante de todos os poderes da alma e do corpo nesse gozo de Deus. Não é o resto de uma pedra que cessa de todo movimento quando atinge o centro. Este corpo será tão mudado, que não será mais carne e sangue, que não podem herdar o reino de Deus; mas um corpo espiritual. Não semeamos o corpo que deve ser, mas Deus lhe dá um corpo como lhe agrada, e a cada semente seu próprio corpo. Se a graça faz um cristão diferir tanto do que ele era, como dizer, eu não sou o homem que eu era; quanto mais a glória nos fará diferir! Por mais que um corpo espiritual, acima do sol na glória, exceda esses corpos de carne frágeis, barulhentos e doentes, até agora nossos sentidos excederão os que possuímos agora. Sem dúvida, à medida que Deus avança nossos sentidos e amplia nossa capacidade, ele também promove a felicidade desses sentidos e preenche, com ele mesmo, toda essa capacidade. Certamente o corpo não seria levantado e continuado, se não compartilhasse na glória. Como compartilhou na obediência e nos sofrimentos, o fará também na bem-aventurança. Como Cristo comprou todo o homem, assim também participará dos benefícios eternos da compra. Ó emprego abençoado de um corpo glorificado! ficar diante do trono de Deus e do Cordeiro, e soar para sempre: “Tu és digno, ó Senhor, de receber glória, honra e poder. Digno é o Cordeiro que foi morto, para receber poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e bênção; pois nos redimiste a Deus, por meio de teu sangue, de toda tribo, língua e povo e nação; e nos fez a nosso Deus reis e sacerdotes. Aleluia; salvação, e glória, e honra, e poder, ao Senhor nosso Deus. Aleluia, porque o Senhor Deus onipotente reina. ”Ó cristãos! este é o descanso abençoado; um descanso, por assim dizer, sem descanso; pois “eles não descansam dia e noite, dizendo: Santo, santo, santo Senhor Deus Todo-Poderoso, que foi, e será e virá.” E se o corpo for assim empregado, como a alma será levada! Como seus poderes e capacidades são maiores, suas ações são mais fortes e seus prazeres, mais doces. Como os sentidos corporais têm suas ações apropriadas, por meio das quais recebem e desfrutam de seus objetos, a alma em suas próprias ações desfruta de seus próprios objetos, conhecendo, lembrando, amando e desfrutando de alegria. Este é o prazer da alma. Por esses olhos, vê e por esses braços abraça.

O conhecimento, por si só, é muito desejável. Até onde a alma racional excede o sensível, até agora as delícias de um filósofo, ao descobrir os segredos da natureza e ao conhecer o mistério das ciências, excedem as delícias do bêbado, do voluptuário ou do sensualista. Tão excelente é toda verdade. Qual é, então, o deleite deles que conhecem o Deus da verdade! Quão nobre é a faculdade da alma! pode bússola na terra; pode medir o sol, a lua, as estrelas e o céu; pode prever cada eclipse até um minuto, muitos anos antes. Mas este é o topo de toda a sua excelência, que ele pode conhecer Deus, que é infinito, quem fez tudo isso - um pouco aqui, e mais, muito mais, a partir de agora. Ó sabedoria e bondade de nosso abençoado Senhor! Ele criou o entendimento com um viés natural e uma inclinação para a verdade como seu objeto; e à verdade principal, como seu principal objetivo. Cristão, quando, depois de muito tempo contemplando a ala do céu, vislumbres Cristo, às vezes parece que não estiveste com Paulo no terceiro céu, seja no corpo ou fora, e tendo visto o que é indizível? Você não está, com Pedro, pronto para dizer: “Mestre, é bom estar aqui?” “Oh, para que eu possa habitar neste monte! Oh, para que eu possa ver o que agora vejo! ”Você nunca olhou tanto para o Sol da Justiça, até que seus olhos foram ofuscados com sua glória surpreendente? E o esplendor dela não fez todas as coisas abaixo parecerem sombrias e terríveis para ti? Especialmente no dia do sofrimento por Cristo, quando ele geralmente aparece mais manifestamente ao seu povo, você nunca viu alguém andando no meio da fornalha ardente com você, como o Filho de Deus? Acredite em mim, cristãos, sim, acredite em Deus; você que conheceu a maioria de Deus em Cristo aqui, não é nada para o que você deve saber: em comparação com isso, escassamente merece ser chamado de conhecimento. Pois, como esses corpos, para que o conhecimento cesse, para que um mais perfeito possa ter sucesso. “O conhecimento desaparecerá. Pois sabemos em parte. Mas quando vier o que é perfeito, será eliminado o que é em parte. Quando eu era criança, falava como criança, entendia como criança, pensava como criança; mas, quando me tornei homem, guardei coisas infantis. Por enquanto, vemos através de um copo sombriamente, mas então cara a cara; agora eu sei em parte, mas então saberei, como também eu sou. ”Não admira, portanto, cristão, como pode ser a vida eterna conhecer Deus e Jesus Cristo. Desfrutar de Deus e Cristo é vida eterna; e o gozo da alma está em saber. Aqueles que saboreiam apenas a terra e consultam a carne, acham que é uma felicidade pobre conhecer a Deus. “Mas sabemos que somos de Deus, e o mundo inteiro jaz em maldade; e sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento, para que possamos conhecer o que é verdadeiro; e estamos nele que é verdadeiro, mesmo em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. ”

A memória não ficará ociosa ou inútil neste trabalho abençoado. A partir dessa altura, o santo pode olhar para trás e diante dele. E comparar o passado com as coisas presentes deve suscitar na alma abençoada uma estima inconcebível e um senso de sua condição. Para permanecer naquele monte, de onde podemos ver o deserto e Canaã, ao mesmo tempo; permanecer no céu e olhar para trás na terra, e pesá-los juntos na balança de um senso e um juízo comparativos, como deve transportar a alma e fazê-la clamar,

“Essa é a compra que custa tão caro quanto o sangue de Cristo? Não admira. Ó preço abençoado e amor três vezes abençoado, que inventou e condescendeu! É este o fim de acreditar? Este é o fim do trabalho do Espírito? Os vendavais da graça me levaram a tal porto? É aqui que Cristo seduziu minha alma? Ó caminho abençoado, e três vezes abençoado fim! É essa a glória da qual as Escrituras falam e os ministros pregam tanto? Vejo que o Evangelho é de fato boas novas, mesmo boas e boas e boas notícias para todas as nações! Meu luto, meu jejum, minhas tristes humilhações, minha caminhada pesada chegaram a isso? Minha oração, assistindo, com medo de ofender, chegou a isso? Todas as minhas aflições, tentações de Satanás, os escárnios e escárnios do mundo chegaram a isso? Ó natureza vil, que resistiu tanto e por tanto tempo a uma bênção! Alma indigna! este é o lugar para o qual você veio com tanta vontade? O dever era cansativo? O mundo era bom demais para perder? Não poderias deixar tudo, negar tudo e sofrer alguma coisa por isso? Você desejou morrer, para chegar a isso? Ó coração falso, você quase me traiu a chamas eternas e me perdeu esta glória! Não estás agora envergonhado, minha alma, por teres questionado aquele amor que te trouxe até aqui? que invejaste da fidelidade do teu Senhor? que suspeitaste do seu amor, quando só devias suspeitar de ti mesmo? que você sempre extinguiu um movimento do seu Espírito? e que você deve interpretar mal aquelas providências e repinar de uma maneira que tenha tal fim? Agora você está suficientemente convencido de que o seu Redentor abençoado estava salvando você também quando ele cruzou os seus desejos, como quando os concedeu; quando ele partiu seu coração, como quando ele o amarrou. Não graças a ti, eu indigno, por esta coroa recebida; mas a Jeová e ao Cordeiro sejam glória para sempre. ”

Mas, ó! o pleno, o próximo, o doce prazer é o amor. “Deus é amor, e quem habita no amor habita em Deus, e Deus nele.” Agora a pobre alma reclama: “Oh, para que eu pudesse amar mais a Cristo!” Então você não pode deixar de amá-lo. Agora, você sabe pouco de sua amabilidade, e, portanto, ama pouco: então, seus olhos afetarão seu coração, e a visão contínua dessa perfeita beleza o manterá em contínuos transportes de amor. Cristãos, agora não desperta seu amor, para lembrar de todas as experiências de seu amor? A bondade não derrete você, e o sol da bondade divina aquece seus corações congelados? O que fará então, quando você viver em amor e tiver tudo Nele, quem é tudo? Certamente o amor é trabalho e salário. Que grande favor, que Deus nos permita deixar amá-lo! que ele será abraçado por aqueles que abraçaram a luxúria e o pecado diante dele! Mais do que isso, ele devolve amor por amor; Não, mil vezes mais. Cristão, então estarás cheio de amor; todavia, amor, tanto quanto podes, serás dez mil vezes mais amado. Os braços do Filho de Deus estavam abertos na cruz, e uma passagem aberta foi feita ao seu coração pela lança; e seus braços e coração não estarão abertos para ti em glória? Ele não começou a amar antes de amar e não continuará agora? Ele te amou, um inimigo? ti pecador? quem te odiou? e possuir-te, quando te rejeitaste? E ele não vai agora incomensuravelmente te amar, um filho? ti, um santo perfeito? ti, quem devolve algum amor por amor? Aquele que apaixonado chorou sobre a antiga Jerusalém quando perto de sua ruína, com que amor ele se alegrará sobre a nova Jerusalém em sua glória!

Cristão, acredite nisto, e pense nisto: serás eternamente abraçado nos braços daquele amor que era da eternidade e se estenderá à eternidade; daquele amor que trouxe o amor do Filho de Deus do céu para a terra, da terra para a cruz, da cruz para a sepultura, da sepultura para a glória; aquele amor que estava cansado, faminto, tentado, desprezado, açoitado, castigado, cuspido, crucificado, trespassado; que jejuou, orou, ensinou, curou, chorou, suou, sangrou, morreu; esse amor te abraçará eternamente. Quando o perfeito amor criado e o amor perfeito e não criado se encontrarem, não será como José e seus irmãos, que jazem chorando no pescoço um do outro; será amoroso e regozijo, não amoroso e triste. Sim, isso fará a corte de Satanás tocar com a notícia de que os irmãos de José chegaram, de que os santos chegaram seguros no seio de Cristo, fora do alcance do inferno para sempre. Tampouco existe um amor como o de Davi e Jônatas, expirando tristemente em lamentações tristes por uma separação forçada. Sabe disso, crente, para o teu conforto eterno, se esses braços uma vez te abraçaram, nem o pecado nem o inferno podem levá-lo para sempre. Você não tem que lidar com uma criatura inconstante, mas com Ele, com quem não há variabilidade nem sombra de virar. Seu amor por ti não será como o teu estava na terra para ele, raramente, e frio, para cima e para baixo. Aquele que não cessaria nem diminuiria o seu amor, por toda a tua inimizade, negligências desagradáveis ​​e resistências grosseiras, poderá deixar de te amar, quando a tornar verdadeiramente amável? Aquele que te mantém tão constante em seu amor a ele, que você pode desafiar tribulações, angústias, perseguições, fome, nudez, perigo ou espada, para separar seu amor de Cristo, quanto mais ele próprio será constante! De fato, você pode estar “convencido de que nem a morte nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem os poderes, nem as coisas presentes, nem as coisas que virão, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura serão capazes de nos separar do amor. de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. ”E agora, não somos deixados na admiração do apóstolo:“ O que diremos a essas coisas? ”O amor infinito precisa ser um mistério para uma capacidade finita. Não é de admirar que os anjos desejem investigar esse mistério. E se for o estudo dos santos aqui "conhecer a largura, o comprimento, a profundidade e a altura do amor de Cristo, que ultrapassa o conhecimento;" o descanso eterno dos santos deve consistir no desfrute de Deus pelo amor.

Ai! meu coração medroso escasso ousa prosseguir. Acho que ouço a voz do Todo-Poderoso me dizendo: “Quem é esse que obscurece o conselho por palavras sem conhecimento?” Mas perdoe teu servo, ó Senhor. Não me intrometi em coisas não reveladas. Lamento que minhas apreensões sejam tão monótonas, meus pensamentos tão maus, meus afetos tão estúpidos e minhas expressões tão baixas e impróprias como uma glória. Eu só ouvi ao ouvir os ouvidos: Ó teu servo te veja e possua essas alegrias; então terei concepções mais adequadas e te darei mais glória; Abominarei o meu eu atual, renunciar e renunciar a todas essas imperfeições. “Eu disse que não entendi, coisas maravilhosas demais para mim, que eu não conhecia.” No entanto, “eu acreditei e, portanto, falei.” O que, Senhor, você pode esperar do pó, mas leviandade? ou de corrupção, mas corrupção? Embora a fraqueza e a irreverência sejam o fruto da minha própria corrupção, ainda assim o fogo é do teu altar e é obra do teu comando. Não olhei para a tua arca, nem lhe estendi a mão sem ti. Lave essas manchas também no sangue do Cordeiro. Imperfeito, ou nenhum deve ser teu serviço aqui. Toma a desculpa de teu Filho: "o espírito está disposto, mas a carne é fraca".

~

Richard Baxter

The Saints Everlasting Rest (1650)

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: