O melhor amigo



"Este é meu amigo." - Cânticos 5. 16.



Um amigo é uma das maiores bênçãos da terra. Não me digas que é o dinheiro: afeição é melhor que ouro; simpatia é melhor que terras. Ele é o pobre homem que não tem amigos.

Este mundo está cheio de tristeza porque está cheio de pecado. É um lugar escuro. É um lugar solitário. É um lugar decepcionante. O raio de sol mais brilhante é um amigo. A amizade reduz pela metade nossos problemas e dobra nossas alegrias.

Um amigo de verdade é escasso e raro. Há muitos que comem, bebem e riem conosco ao sol da prosperidade. Há poucos que nos apoiarão nos dias de escuridão - poucos que nos amarão quando estivermos doentes, desamparados e pobres -, poucos, acima de tudo, que cuidarão de nossas almas.

Algum leitor deste artigo quer um amigo de verdade? Escrevo para recomendar um ao seu aviso neste dia. Eu conheço Alguém "que é mais chegado do que um irmão" (Provérbios 18. 24). Conheço alguém que está pronto para ser seu amigo por este tempo e pela eternidade, se você O receber. Ouça-me, enquanto eu tento lhe dizer algo sobre ele.

O amigo que eu quero que você conheça é Jesus Cristo. Feliz é a família em que Cristo ocupa o primeiro lugar! Feliz é a pessoa cujo principal amigo é Cristo!



I. Queremos um amigo quando necessário? Esse amigo é o Senhor Jesus Cristo.

O homem é a criatura mais necessitada na terra de Deus, porque ele é um pecador. Não há necessidade tão grande quanto a dos pecadores: pobreza, fome, sede, frio, doença, tudo não é nada em comparação. Os pecadores precisam de perdão, e são totalmente incapazes de prover por si mesmos; eles precisam de libertação de uma consciência culpada e do medo da morte, e não têm poder próprio para obtê-la. Essa necessidade, o Senhor Jesus Cristo veio ao mundo para consolar. "Ele veio ao mundo para salvar pecadores" (1 Timóteo 1. 15).

Somos todos por natureza pobres criaturas moribundas. Do rei em seu trono ao pobre no asilo, todos estamos doentes de uma doença mortal da alma. Quer saibamos ou não, quer sintamos ou não, todos estamos morrendo diariamente. A praga do pecado está em nosso sangue. Não podemos nos curar: estamos a cada hora piorando cada vez mais. Tudo isso o Senhor Jesus se comprometeu a remediar. Ele veio ao mundo "para trazer saúde e cura"; Ele veio para nos libertar "da segunda morte"; Ele veio "para abolir a morte e trazer vida e imortalidade à luz através do Evangelho" (Jeremias 33. 6; Apocalipse 2. 11; 2 Timóteo 1. 10).

Por natureza, somos todos devedores encarcerados. Devíamos a nosso Deus dez mil talentos e não tínhamos nada a pagar. Éramos falidos miseráveis, sem esperança de nos descarregarmos. Jamais poderíamos nos libertar de nossa carga de responsabilidades e estar diariamente envolvidos mais profundamente. Tudo isso o Senhor Jesus viu e se comprometeu a remediar. Ele se comprometeu a "resgatar e redimir-nos"; Ele veio para "proclamar liberdade aos cativos, e a abertura da prisão aos que estão presos"; "Ele veio para nos redimir da maldição da lei" (Oseias 13. 14; Isaías 61. 1; Gálatas 3. 13).

Por natureza, todos fomos naufragados e jogados fora. Nós nunca poderíamos ter chegado ao porto da vida eterna. Estávamos afundando no meio das ondas, indiferentes, sem esperança, indefesos e impotentes; amarrados e presos pela corrente de nossos pecados, afundando sob o peso de nossa própria culpa, e facilmente nos tornando presas do diabo. Tudo isso o Senhor Jesus viu e se comprometeu a remediar. Ele desceu do céu para ser nosso poderoso "ajudante"; Ele veio para "buscar e salvar o que estava perdido"; e para "livrar-nos de descer à cova" (Salmo 89. 19; Lucas 19. 10; Jó 33. 24).

Poderíamos ter sido salvos sem o Senhor Jesus Cristo descer do céu? Teria sido impossível, até onde nossos olhos podem ver. Os homens mais sábios do Egito, da Grécia e de Roma nunca descobriram o caminho da paz com Deus. Sem a amizade de Cristo, todos nós estaríamos perdidos para sempre no inferno.

O Senhor Jesus Cristo foi obrigado a descer para nos salvar? Ah não! Não! Foi Seu próprio livre amor, misericórdia e piedade que o fez descer. Ele veio sem ser procurado e sem ser convidado porque era gracioso.

Vamos pensar sobre essas coisas. Pesquise toda a história desde o começo do mundo - olhe em volta de todo o círculo daqueles que você conhece e ama: você nunca ouviu falar dessa amizade entre os filhos dos homens. Nunca houve um amigo tão real em necessidade como Jesus Cristo.


II. Você quer um amigo em ação? Esse amigo é o Senhor Jesus Cristo.

A verdadeira extensão da amizade de um homem deve ser medida por seus atos. Não me diga o que ele diz, sente e deseja; não me fale de suas palavras e cartas: diga-me antes o que ele faz. "Amigável é o que é amigável".

Os feitos do Senhor Jesus Cristo pelo homem são a grande prova de Seu sentimento amigável em relação a ele. Nunca houve atos de bondade e abnegação como aqueles que Ele realizou em nosso favor. Ele não nos amou apenas em palavras, mas em ações.

Por nossa causa, Ele levou nossa natureza sobre Ele e nasceu de uma mulher. Aquele que era muito Deus, e igual ao Pai, pôs de lado por um tempo Sua glória, e tomou sobre Ele carne e sangue como os nossos. O Todo-Poderoso Criador de todas as coisas tornou-se um bebezinho como qualquer um de nós, e experimentou todas as nossas fraquezas e enfermidades corporais, exceto apenas o pecado. "Embora ele fosse rico, tornou-se pobre, para que nós, por meio de sua pobreza, sejamos ricos" (2 Coríntios. 8. 9).

Por nossa causa, ele viveu trinta e três anos neste mundo maligno, desprezado e rejeitado pelos homens, um homem de dores e familiarizado com a dor. Embora fosse rei dos reis, não tinha onde reclinar a cabeça; embora fosse senhor dos senhores, muitas vezes estava cansado, faminto, sedento e pobre. "Ele assumiu a forma de servo e se humilhou" (Filipenses 3. 7, 8).

Por nossa causa, Ele sofreu a mais dolorosa de todas as mortes, a morte da cruz. Embora inocente, e sem culpa, Ele se permitiu ser condenado e considerado culpado. Aquele que era o Príncipe da Vida foi levado como um cordeiro ao matadouro e derramou Sua alma à morte. Ele "morreu por nós" (1 Tessalonicenses 5. 10).

Ele foi obrigado a fazer isso? Ah não! Ele poderia ter chamado a Sua ajuda mais de doze legiões de anjos e espalhado Seus inimigos com uma palavra. Ele sofreu voluntariamente e por vontade própria, para fazer expiação por nossos pecados. Ele sabia que nada além do sacrifício de Seu corpo e sangue poderia fazer as pazes entre o homem pecador e um Deus santo. Ele deu a vida para pagar o preço da nossa redenção: morreu para que pudéssemos viver; Ele sofreu para que pudéssemos reinar; Ele teve vergonha para que pudéssemos receber glória. "Ele sofreu pelos pecados, os justos pelos injustos, para nos trazer a Deus", "Ele foi feito pecado por nós, que não conhecemos pecado; para que sejamos feitos a justiça de Deus nele" (1 Pedro 3. 18; 2 Coríntios 5. 21).

Amizade como essa passa pela compreensão do homem. Amigos que morreriam por aqueles que os amam, podemos ter ouvido falar algumas vezes. Mas quem pode encontrar um homem que daria sua vida por aqueles que o odeiam? No entanto, é isso que Jesus fez por nós. "Deus elogia Seu amor por nós, porque enquanto éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós" (Romanos 5. 8).

Pergunte a todas as tribos da humanidade, de um extremo a outro do mundo, e em nenhum lugar você ouvirá falar de um feito como este. Ninguém jamais foi tão alto e tão rebaixado quanto Jesus, o Filho de Deus: ninguém jamais deu uma prova tão cara de sua amizade; nunca ninguém pagou tanto e suportou tanto para fazer o bem aos outros. Nunca houve um amigo de fato como Jesus Cristo!


III. Queremos um amigo forte e poderoso? Esse amigo é Jesus Cristo.

Poder para ajudar é o que poucos possuem neste mundo. Muitos têm vontade suficiente para fazer o bem aos outros, mas não têm poder. Sentem a tristeza dos outros e alegremente os aliviariam se pudessem: podem chorar com os amigos aflitos, mas são incapazes de tirar a tristeza. Mas, embora o homem seja fraco, Cristo é forte - embora o melhor de nossos amigos terrestres seja fraco, Cristo é todo-poderoso: "Todo poder é dado a Ele no céu e na terra" (Mateus 28. 18). Ninguém pode fazer tanto por aqueles a quem Ele faz amizade como Jesus Cristo. Outros podem fazer amizade com seus corpos: Ele pode fazer amizade com corpo e alma. Outros podem fazer um pouco por eles no tempo: Ele pode ser um amigo tanto para o tempo como para a eternidade.

(a) Ele é capaz de perdoar e salvar o principal dos pecadores. Ele pode libertar a consciência mais culpada de todos os seus encargos e dar-lhe perfeita paz com Deus. Ele pode lavar as manchas mais vis da iniquidade, e tornar um homem mais branco que a neve aos olhos de Deus. Ele pode vestir um pobre filho fraco de Adão na justiça eterna, e dar-lhe um título para o céu que nunca pode ser derrubado. Em uma palavra, Ele pode dar a qualquer um de nós paz, esperança, perdão e reconciliação com Deus, se confiarmos n'Ele. "O sangue de Jesus Cristo purifica de todo pecado" (1 João 1. 7).

(b) Ele é capaz de converter o mais duro dos corações e criar no homem um novo espírito. Ele pode pegar as pessoas mais impensadas e ímpias, e dar-lhes outra mente pelo Espírito Santo, que Ele coloca nelas. Ele pode fazer com que coisas antigas passem e todas as coisas se tornem novas. Ele pode fazê-los amar as coisas que antes odiavam e odiar as coisas que amavam. "Ele pode dar-lhes poder para se tornarem filhos de Deus"; "Se alguém está em Cristo, ele é uma nova criatura" (João 1.12; 2 Coríntios 5. 17).

(c) Ele é capaz de preservar até o fim todos os que n'Ele creem e se tornar Seus discípulos. Ele pode dar-lhes graça para vencer o mundo, a carne e o diabo, e lutar finalmente uma boa luta. Ele pode conduzi-los com segurança, apesar de todas as tentações, carregá-los para casa através de mil perigos e mantê-los fiéis, apesar de ficarem sozinhos e não terem nada para ajudá-los. "Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus" (Hebreus 7. 25).

(d) Ele é capaz de dar àqueles que O amam o melhor dos presentes. Ele pode dar a eles na vida confortos interiores, que o dinheiro nunca pode comprar - paz na pobreza, alegria na tristeza, paciência no sofrimento. Ele pode lhes dar na morte esperanças brilhantes, que lhes permitam atravessar o vale escuro sem medo. Ele pode dar-lhes depois da morte uma coroa de glória, que não desaparece, e uma recompensa comparada à qual a Rainha da Inglaterra nada tem a conceder.

Isto é poder de fato: isto é verdadeira grandeza; isso é força real. Vá e olhe para o pobre idólatra hindu, buscando paz em vão, afligindo seu corpo; e, após cinquenta anos de sofrimento auto-imposto, incapaz de encontrá-lo. Vá e olhe para o romanista à noite, dando dinheiro a seu sacerdote para orar por sua alma, mas morrendo sem conforto. Vá e olhe os homens ricos, gastando milhares em busca da felicidade, mas sempre descontentes e infelizes. Depois, volte-se para Jesus e pense no que Ele pode fazer, e está fazendo diariamente por todos que confiam n'Ele. Pense em como Ele cura todos os de coração partido, conforta todos os doentes, alegra todos os pobres que n'Ele confiam e supri todas as suas necessidades diárias. O medo do homem é forte, a oposição deste mundo maligno é poderosa, os desejos da carne se enfurecem horrivelmente, o medo da morte é terrível, o diabo é um leão que ruge, procurando a quem possa devorar; mas Jesus é mais forte que todos eles. Jesus pode nos tornar vencedores de todos esses inimigos. E então diga se não é verdade, que nunca houve um amigo tão poderoso como Jesus Cristo.


IV. Queremos um amigo amoroso e afetuoso? Esse amigo é Jesus Cristo.

A bondade é a própria essência da verdadeira amizade. Dinheiro, conselho e ajuda perdem metade da graça, se não forem dados de maneira amorosa. Que tipo de amor é o do Senhor Jesus em relação ao homem? É chamado: "Um amor que ultrapassa o conhecimento" (Efésios 3. 19).

O amor brilha na Sua recepção dos pecadores. Ele não recusa ninguém que venha a Ele para salvação, por mais indignos que possam ser. Embora suas vidas possam ter sido muito iníquas, embora seus pecados possam ser mais numerosos que as estrelas do céu, o Senhor Jesus está pronto para recebê-las e perdoá-las e paz. Não há fim para Sua compaixão: não há limites para Sua piedade. Ele não tem vergonha de fazer amizade com aqueles que o mundo rejeita como sem esperança. Não há ninguém tão ruim, muito imundo e muito doente com o pecado que não possa ser admitido em Seu lar. Ele está disposto a ser amigo de qualquer pecador: tem bondade, misericórdia e remédio para todos. Há muito que ele proclama que este é o seu governo: "Aquele que vem a mim de maneira alguma será expulso" (João 6. 37).

O amor brilha em Seu trato com os pecadores, depois que eles creram Nele e se tornaram Seus amigos. Ele é muito paciente com eles, embora a conduta deles muitas vezes seja muito tentadora e provocadora. Ele nunca se cansa de ouvir suas queixas, por mais que possam vir a Ele. Ele simpatiza profundamente em todas as suas tristezas. Ele sabe o que é a dor: ele "conhece a dor" (Isaías 53. 3). Em todas as suas aflições, Ele é afligido. Ele nunca permite que sejam tentados acima do que são capazes de suportar: Ele lhes fornece graça diária para o conflito diário. Seus maus serviços são aceitáveis ​​para Ele: Ele está tão satisfeito com eles quanto um pai está com os esforços de seu filho para falar e andar. Ele fez com que fosse escrito em Seu livro que "Ele tem prazer em Seu povo" e que "Ele tem prazer naqueles que O temem" (Salmo 147. 11; 149. 4).

Não há amor na terra que possa ser nomeado junto com isso! Amamos aqueles em quem vemos algo que merece nossa afeição, ou aqueles que sã
o nossos ossos ou nossa carne: o Senhor Jesus ama pecadores em quem não há coisa boa. Nós amamos aqueles de quem obtemos algum retorno por nossa afeição: o Senhor Jesus ama aqueles que podem fazer pouco ou nada por Ele, em comparação com o que Ele faz por eles. Amamos onde podemos dar alguma razão para amar: o grande amigo dos pecadores tira suas razões de sua própria compaixão eterna. Seu amor é puramente desinteressado, puramente altruísta, puramente livre. Nunca, nunca houve um amigo tão verdadeiramente amoroso como Jesus Cristo.


V. Queremos um amigo sábio e prudente? Esse amigo é o Senhor Jesus Cristo.

A amizade do homem é tristemente cega. Ele costuma prejudicar aqueles que ama por gentileza imprudente: muitas vezes erra no conselho que dá; ele muitas vezes leva seus amigos a problemas por maus conselhos, mesmo quando ele pretende ajudá-los. Às vezes, ele os afasta do modo de vida e os enreda nas vaidades do mundo, quando quase escapam. A amizade do Senhor Jesus não é assim: sempre nos faz o bem, e nunca o mal.

O Senhor Jesus nunca estraga Seus amigos por indulgência extravagante. Ele lhes dá tudo o que é realmente para seu benefício; Ele não nega nada que seja realmente bom; mas Ele exige que eles tomem sua cruz diariamente e O sigam. Ele pede que suportem as dificuldades como bons soldados: Ele os convoca a combater a boa luta contra o mundo, a carne e o diabo. Seu povo frequentemente não gosta disso no momento e acha difícil; mas quando alcançarem o céu verão que tudo foi bem feito.

O Senhor Jesus não comete erros ao administrar os assuntos de Seus amigos. Ele ordena todas as preocupações com perfeita sabedoria: todas as coisas lhes acontecem na hora certa e da maneira certa. Ele lhes dá tanta doença e tanta saúde, tanta pobreza e tantas riquezas, tanta tristeza e tanta alegria quanto Ele vê que suas almas exigem. Ele os conduz pelo caminho certo para levá-los para a cidade da habitação. Ele mistura suas xícaras mais amargas como um médico sábio, e cuida para que não caiam uma gota a menos ou a mais. Seu povo frequentemente não entende Suas ações; eles são tolos o suficiente para imaginar que seu curso de vida poderia ter sido mais bem ordenado: mas no dia da ressurreição eles agradecerão a Deus porque não a sua vontade, mas a de Cristo foi feita.

Olhe ao redor do mundo e ve
ja o mal que as pessoas estão recebendo continuamente de seus amigos. Marque quanto mais homens estão prontos para encorajar um ao outro em mundanidade e leviandade, do que provocar amor e boas obras. Pense com que frequência eles se reúnem, não para melhor, mas para pior - não para avivar as almas um do outro no caminho para o céu, mas para confirmar um ao outro no amor deste mundo atual. Infelizmente, existem milhares que são feridos inesperadamente na casa de seus amigos!

E então volte-se para o grande amigo dos pecadores e veja como a amizade dele é diferente da do homem. Ouça-o enquanto ele caminha pelo caminho com seus discípulos; marque como Ele conforta, reprova e exorta com perfeita sabedoria. Observe como Ele visita Suas visitas àqueles a quem ama, como a Maria e Marta em Betânia. Ouça como Ele conversa, enquanto janta na costa do mar da Galileia: "Simão, filho de Jonas, me ama?" (João 21. 16). Sua companhia é sempre santificadora. Seus dons são sempre para o bem de nossa alma; Sua bondade é sempre sábia; Sua comunhão é sempre para edificação. Um dia do Filho do Homem é melhor que mil na sociedade de amigos terrenos: uma hora gasta em comunhão particular com Ele, é melhor que um ano nos palácios dos reis. Nunca, nunca houve um amigo tão sábio como Jesus Cristo.


VI. Queremos um amigo testado e provado? Esse amigo é Jesus Cristo.

Seis mil anos se passaram desde que o Senhor Jesus começou Sua obra de amizade com a humanidade. Durante esse longo período de tempo, ele teve muitos amigos neste mundo. Milhões e milhões, infelizmente, recusaram Suas ofertas e foram miseravelmente perdidos para sempre; mas milhares e milhares gozaram do poderoso privilégio de Sua amizade e foram salvos. Ele teve uma ótima experiência.

(a) Ele teve amigos de todos os níveis e posições na vida. Alguns deles eram reis e homens ricos, como Davi, Salomão, Ezequias e Jó; alguns deles eram muito pobres neste mundo, como os pastores de Belém, e Tiago, e João e André; mas eram todos amigos de Cristo.

(b) Ele tem amigos de todas as épocas pelas quais o homem pode passar. Alguns deles nunca O conheceram até que estivessem em idade avançada, como Manassés e Zaqueu, e provavelmente o eunuco etíope. Alguns deles eram Seus amigos, desde a mais tenra infância, como José, Samuel, Josias e Timóteo. Mas eles eram todos amigos de Cristo.

(c) Ele teve amigos de todo temperamento e disposição possíveis. Alguns deles eram simples homens comuns, como Isaque; alguns deles eram poderosos em palavras e ações, como Moisés; alguns deles eram fervorosos e calorosos, como Pedro; alguns deles eram espíritos gentis e retraídos, como João; alguns deles eram ativos e agitados, como Marta; alguns deles adoravam sentar-se calmamente aos Seus pés, como Maria; alguns eram desconhecidos entre seu próprio povo, como os sunamitas; alguns foram a todos os lugares e viraram o mundo de cabeça para baixo, como Paulo. Mas eles eram todos amigos de Cristo.

(d) Ele teve amigos em todas as condições da vida. Alguns deles eram casados e tinham filhos e filhas, como Enoque; alguns deles viveram e morreram solteiros, como Daniel e João Batista; alguns deles frequentemente adoeciam, como Lázaro e Epafrodito; alguns deles eram fortes para o trabalho, como Pérside, Trifena e Trifosa; alguns deles eram mestres, como Abraão e Cornélio; alguns deles eram servos, como os santos da casa de Nero; alguns deles tinham maus servos, como Eliseu; alguns deles tiveram maus mestres como Obadias; alguns deles tinham esposas e filhos ruins, como Davi. Mas eles eram todos amigos de Cristo.

(e) Ele tem amigos de quase todas as nações, pessoas e línguas. Ele teve amigos em países quentes e no frio; amigos entre nações altamente civilizadas e amigos entre as tribos mais simples e mais rudes. Seu livro da vida contém os nomes de gregos e romanos, de judeus e egípcios, de escravos e livres. Pode ser encontrado em suas listas ingleses reservados e escoceses cautelosos, irlandeses impulsivos e soldados ardentes, franceses voláteis e espanhóis dignos, italianos refinados e alemães sólidos, africanos rudes e refinados hindus, chineses cultivados e neozelandeses meio selvagens. Mas eles eram todos amigos de Cristo.

Tudo isso provou a amizade de Cristo e provou que é boa. Todos eles não encontraram nada faltando quando começaram: todos eles não encontraram nada faltando enquanto prosseguiam. Nenhuma falta, nenhum defeito, nenhuma deficiência jamais foi encontrada por qualquer um deles em Jesus Cristo. Cada um encontrou as necessidades de sua alma totalmente supridas; cada um descobriu a cada dia que em Cristo havia o suficiente e de sobra. Nunca, nunca houve um amigo tão testado e provado como Jesus Cristo.


VII. Por último, mas não menos importante, queremos um amigo infalível? Esse amigo é o Senhor Jesus Cristo.

A parte mais triste de todas as coisas boas da terra é a instabilidade. As riquezas fazem asas e fogem; juventude e beleza duram apenas alguns anos; a força do corpo logo decai; mente e intelecto logo se esgotam. Tudo está perecendo. Tudo está desaparecendo. Tudo está passando. Mas há uma exceção esplêndida a essa regra geral: a amizade de Jesus Cristo.

O Senhor Jesus é um amigo que nunca muda. Não há inconstância sobre Ele: aqueles a quem Ele ama, Ele ama até o fim. Sabe-se que os maridos abandonam suas esposas; sabe-se que os pais rejeitam seus filhos; votos humanos e promessas de fidelidade muitas vezes são esquecidos. Milhares foram negligenciados em sua pobreza e velhice, que foram homenageados por todos quando eram ricos e jovens. Mas Cristo nunca mudou seus sentimentos em relação a qualquer um de seus amigos. Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre" (Hebreus 13. 8).

O Senhor Jesus nunca se afasta de Seus amigos. Nunca há despedida e adeus entre Ele e Seu povo. Desde o momento em que Ele faz morada no coração do pecador, Ele permanece nele para sempre. O mundo está cheio de despedidas e partidas: a morte e o passar do tempo separam a família mais unida; filhos partem para abrir caminho na vida; as filhas se casam e deixam a casa do pai para sempre. Dispersão, dispersão, dispersão é a história anual do lar mais feliz. Quantos assistimos chorando enquanto se afastavam de nossas portas, cujos rostos agradáveis ​​nunca mais vimos! Quantos seguimos tristemente até a sepultura e depois voltamos a uma lareira fria, silenciosa, solitária e vazia! Mas, graças a Deus, há quem nunca deixa seus amigos! O Senhor Jesus é aquele que disse: "Nunca te deixarei, nem te desampararei" (Hebreus 13. 5).

O Senhor Jesus vai com Seus amigos aonde quer que eles vão. Não há separação possível entre Ele e aqueles a quem ama. Não há lugar ou posição na terra, ou debaixo da terra, que possa separá-los do grande Amigo de suas almas. Quando o caminho do dever os chama para longe de casa, Ele é seu companheiro; quando passam pelo fogo e pela água da terrível tribulação, Ele está com eles; quando se deitam no leito da enfermidade, Ele fica ao lado deles e faz com que todos os seus problemas trabalhem para o bem; quando eles descem o vale da sombra da morte, e amigos e parentes ficam parados e não podem ir mais longe, Ele desce ao lado deles. Quando eles acordam no mundo desconhecido do Paraíso, eles ainda estão com Ele; quando eles se levantam com um novo corpo no dia do julgamento, não estarão sozinhos. Ele os reconhecerá como Seus amigos, e dirá: "Eles são meus: liberte-os e deixe-os irem livres." Ele cumprirá suas próprias palavras: "Eu estou com você sempre, até o fim do mundo" (Mateus 28. 20).

Olhe ao redor do mundo e veja como o fracasso está escrito nos planos de todos os homens. Conte as despedidas, separações, decepções e lutas que aconteceram sob seu próprio conhecimento. Pense em que privilégio é haver alguém pelo menos que nunca falha e em quem ninguém jamais se decepcionou! Nunca, nunca houve um amigo tão infalível como Jesus Cristo.


E agora, permita-me concluir este artigo com algumas palavras claras de aplicação. Não sei quem você é ou em que estado pode estar sua alma; mas tenho certeza de que as palavras que estou prestes a dizer merecem sua atenção séria. Ó, que este artigo não o descuide de coisas espirituais! Ó, que você possa conceder alguns pensamentos a Cristo!

(1) Saiba então, por um lado, que eu o exorto a considerar solenemente se Cristo é seu amigo e você é d'Ele.

Lamento dizer que há milhares e milhares que não são amigos de Cristo. Batizados em Seu nome, membros externos de Sua Igreja, assistentes de Seus meios de graça - tudo isso eles são, sem dúvida. Mas eles não são amigos de Cristo. 

- Eles odeiam os pecados que Jesus morreu para eliminar? Não.
- Eles amam o Salvador que veio ao mundo para salvá-los? Não.
- Eles se importam com as almas que eram tão preciosas aos Seus olhos? Não.
- Eles se deliciam com a palavra de reconciliação? Não.
- Eles tentam falar com o Amigo dos pecadores em oração? Não.
- Eles buscam comunhão íntima com Ele? Não.

Ó, leitor, este é o seu caso? Como está você? Você é ou não é um amigo de Cristo?

(2) Saiba, em seguida, que se você não é um dos amigos de C
risto, você é um pobre ser miserável.

Eu escrevo isso deliberadamente. Eu não digo isso sem pensar. Eu digo que, se Cristo não é seu amigo, você é um ser pobre e miserável.

Você está no meio de um mundo falido e triste e não tem uma fonte real de conforto ou refúgio para um momento de necessidade. Você é uma criatura moribunda e não está pronta para morrer. Você tem pecados, e eles não são perdoados. Você será julgado e não está preparado para encontrar Deus: você pode ser, mas se recusa a usar o único Mediador e Advogado. Você ama o mundo melhor que Cristo. Você recusa o grande amigo dos pecadores e não tem amigo no céu para defender sua causa. Sim: infelizmente é verdade! Você é um ser pobre e miserável. Não importa nada qual é a sua renda: sem a amizade de Cristo você é muito pobre.


(3) Saiba, em terceiro lugar, que se você realmente quer um amigo, Cristo está disposto a se tornar seu amigo.

Ele há muito tempo deseja que você se junte ao Seu povo e agora o convida pela minha mão. Ele está pronto para recebê-lo, por mais indigno que você se sinta, e para escrever seu nome na lista de Seus amigos. Ele está pronto para perdoar todo o passado, para revestir você com justiça, para dar-lhe Seu Espírito, para fazer de você Seu próprio filho querido. Tudo o que Ele pede que você faça é ir até ele.

Ele pede que você venha com todos os seus pecados; apenas reconhecendo sua vileza e confessando que você tem vergonha. Assim como você é - esperando por nada - indigno de tudo em si mesmo -, Jesus pede que você venha e seja Seu amigo.

Ó, venha e seja sábio! Venha e fique seguro. Venha e seja feliz. Venha e seja amigo de Cristo.

(4) Saiba, em último lugar, que se Cristo é seu amigo, você tem grandes privilégios e deve andar digno deles.

Procure todos os dias ter uma comunhão mais íntima com Aquele que é seu Amigo e saber mais de Sua graça e poder. O verdadeiro Cristianismo não é meramente acreditar em um certo conjunto de proposições abstratas áridas: é viver em comunicação pessoal diária com uma pessoa viva real - Jesus, o Filho de Deus. “Para mim”, disse Paulo, “viver é Cristo” (Filipenses 1. 21).

Procure glorificar seu Senhor e Salvador todos os dias em todos os seus caminhos. “Aquele que tem um amigo deve mostrar-se amigável” (Provérbios 18. 24), e nenhum homem certamente está sob obrigações tão poderosas como o amigo de Cristo. Evite tudo o que afligir seu Senhor. Lute muito contra pecados que os atormentam, contra a inconsistência e o atraso para confessá-Lo diante dos homens. Diga à sua alma, sempre que você for tentado pelo que está errado: "Alma, alma, essa é a tua bondade para com o seu amigo?".

Pense, acima de tudo, na misericórdia que lhe foi mostrada, e aprenda a se alegrar diariamente em seu Amigo! E se o seu corpo se curvar com doenças? E se a tua pobreza e provações forem muito grandes? E se teus amigos terrestres te abandonarem e você estiver sozinho no mundo? Tudo isso pode ser verdade: mas se você está em Cristo, você tem um amigo, um amigo poderoso, um amigo amoroso, um amigo sábio, um amigo que nunca falha. Ó, pense, pense muito em seu amigo!

Ainda um pouco de tempo e teu amigo virá para te levar para casa, e habitarás com Ele para sempre. Ainda um pouco de tempo e verás como foste visto e saberás como foste conhecido. E então você ouvirá mundos reunidos confessando que ELE É O HOMEM RICO E FELIZ QUE TEVE CRISTO COMO SEU AMIGO.

~

J. C. Ryle

Practical Religion (1879). Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: