O ofício redentor de Cristo para buscar nossa salvação

A execução de Cristo do ofício de redentor para buscar nossa salvação. Sua morte, ressurreição e ascensão ao céu.


I. Tudo o que até agora avançamos em relação a Cristo deve ser referido a esse ponto, que, sendo condenados, mortos e arruinados em nós mesmos, devemos buscar nele justiça, libertação, vida e salvação; como somos ensinados por esta notável declaração de Pedro, que “não há outro nome no céu dado entre os homens, pelo qual devemos ser salvos.” [1] O nome de JESUS ​​foi dado a ele, de maneira não precipitada ou por um acidente fortuito, ou pela vontade dos homens, mas foi trazido do céu pelo anjo, o arauto do decreto supremo, e também com esta razão anexada a ele: "porque ele salvará o seu povo dos pecados deles"; [2] em que palavras pode-se observar, o que já sugerimos, que o cargo de Redentor lhe foi designado para que ele pudesse ser nosso Salvador. No entanto, a redenção seria incompleta, se ele não os levasse adiante, até o fim último da salvação, por avanços contínuos. Portanto, assim que nos afastamos dele, embora em menor grau, gradualmente perdemos de vista a salvação, que reside inteiramente nele; para que aqueles que não estão satisfeitos com ele, voluntariamente se privem de toda graça. E a seguinte observação de Bernard é digna de um recital: “que o nome de Jesus não é apenas luz, mas também comida; que é igualmente óleo, sem o qual todo o alimento da alma está seco; que é sal, sem tempero, pelo qual tudo o que nos é apresentado é insípido; finalmente, que é mel na boca, melodia no ouvido, alegria no coração e remédio para a alma; e que não há encantos em nenhum discurso em que seu nome não seja ouvido. ”Mas aqui devemos examinar diligentemente como ele conseguiu a salvação para nós; para que possamos não apenas saber que ele é o autor, mas, abraçando as coisas que são suficientes para o estabelecimento de nossa fé, podemos rejeitar qualquer coisa capaz de nos deixar de lado para a mão direita ou para a esquerda. Pois, como nenhum homem pode descer para si mesmo e considerar seriamente seu próprio caráter, sem perceber que Deus está zangado com ele e hostil a ele, e consequentemente ele deve encontrar-se na necessidade de procurar ansiosamente uma maneira de apaziguá-lo, o que nunca pode ser. feito sem satisfação - esse é o caso em que é necessária a maior garantia. Pois os pecadores, até que sejam libertados da culpa, estão sempre sujeitos à ira e maldição de Deus, que, sendo um juiz justo, nunca sofre que sua lei seja violada com impunidade, mas permanece preparado para vingá-la.

II. Antes de prosseguirmos, vamos examinar, a propósito, como poderia ser consistente que Deus, que nos impede com sua misericórdia, seja nosso inimigo, até que ele se reconciliou conosco por Cristo. Pois como ele poderia ter nos dado uma promessa especial de seu amor em seu Filho unigênito, se ele não nos abraçou anteriormente em seu favor gratuito? Como há alguma aparência de contradição, portanto, nesta representação, resolverei a dificuldade. O Espírito fala nas Escrituras quase dessa maneira: que Deus era um inimigo dos homens, até que pela morte de Cristo eles foram restaurados a seu favor; [3] que eles estavam sob a maldição até que sua iniquidade fosse expiada por seu sacrifício; [4] que eles foram separados de Deus, até que foram restaurados à união com ele pelo corpo de Cristo. [5] Tais modos de expressão são acomodados à nossa capacidade, para que possamos entender melhor quão miserável e calamitosa é nossa condição, fora de Cristo. Pois, se não foi claramente expresso que somos desagradáveis ​​para a ira e vingança de Deus e para a morte eterna, não devemos descobrir tão completamente quão miseráveis ​​devemos ser sem a misericórdia divina, nem devemos estimar tão altamente a bênção de Deus. libertação. Por exemplo; qualquer homem seja tratado da seguinte maneira: “Se, enquanto você permaneceu pecador, Deus o odiou e o rejeitou de acordo com seus deméritos, uma terrível destruição teria caído sobre você; mas porque ele voluntariamente, e por sua própria bondade gratuita, o reteve a seu favor, e não permitiu que você se afastasse dele, ele o livrou desse perigo; ”ele será afetado e, em certa medida, perceberá quanto ele está em dívida com a misericórdia divina. Mas se, pelo contrário, ele lhe disser o que a Escritura ensina, “que ele foi alienado de Deus pelo pecado, um herdeiro da ira, antipático ao castigo da morte eterna, excluído de toda esperança de salvação, um total estranho para a bênção divina, escrava de Satanás, cativa sob o jugo do pecado e, em uma palavra, condenada a, e já envolvida em, uma terrível destruição; que nesta situação, Cristo interpôs como intercessor; que ele assumiu a si próprio e sofreu o castigo que, pelo justo julgamento de Deus, pendeu sobre todos os pecadores; que pelo seu sangue ele expiou aqueles crimes que os odiavam a Deus; que por essa expiação Deus o Pai foi satisfeito e devidamente expiado; que por esse intercessor sua ira foi aplacada; que este é o fundamento da paz entre Deus e os homens; que este é o vínculo de sua benevolência para com eles; ”ele não será o mais afetado por essas coisas na proporção da representação mais correta e viva da profundidade da calamidade da qual ele foi libertado? Em resumo, uma vez que é impossível que a vida apresentada pela misericórdia de Deus seja abraçada por nossos corações com ardor suficiente ou recebida com gratidão, a menos que tenhamos ficado aterrorizados e angustiados com o medo da ira divina e o horror da morte eterna, somos instruídos pela sagrada doutrina, a fim de que, independentemente de Cristo, possamos contemplar Deus como em alguma medida enfurecidos contra nós, e sua mão armada para nossa destruição, e que possamos abraçar sua benevolência e amor paterno. somente em Cristo.

III. Agora, embora isso seja expresso de acordo com a fraqueza de nossa capacidade, é estritamente verdade. Pois Deus, que é a perfeição da justiça, não pode amar a iniquidade, que ele vê em todos nós. Todos nós, portanto, temos em nós aquilo que merece o ódio de Deus. Portanto, em relação à nossa natureza corrupta e à depravação sucessiva de nossas vidas, todos somos realmente ofensivos a Deus, culpados aos seus olhos e nascemos para a condenação do inferno. Mas, como o Senhor não perderá em nós o que é seu, ele ainda descobre algo que sua bondade pode amar. Pois não obstante somos pecadores por nossa própria culpa, ainda somos suas criaturas; apesar de termos trazido a morte sobre nós mesmos, ele nos criou para a vida. Assim, por um amor puro e gratuito por conosco, ele está animado para nos receber a favor. Mas se houver uma oposição perpétua e irreconciliável entre justiça e iniquidade, ele não poderá nos receber inteiramente, enquanto permanecermos pecadores. Portanto, para remover todas as ocasiões de inimizade e reconciliar-nos completamente consigo mesmo, ele abole toda a nossa culpa, pela expiação exibida na morte de Cristo, para que nós, que antes eram poluídos e impuros, possamos parecer justos e santos em sua vida. vista. O amor de Deus Pai, portanto, precede nossa reconciliação em Cristo; ou melhor, é porque ele ama primeiro, que depois nos reconcilia consigo mesmo. [6] Mas porque, até que Cristo nos alivie com sua morte, não somos libertados da iniquidade que merece a indignação de Deus, e é amaldiçoado e condenado aos seus olhos; não temos uma união completa e sólida com Deus, antes de nos unirmos a ele por Cristo. E, portanto, se nos assegurarmos que Deus é pacificado e propício a nós, devemos fixar nossos olhos e corações somente em Cristo, já que é somente por ele que realmente obtemos a não imputação dos pecados, cuja imputação é conectado com a ira divina.

IV. Por essa razão, Paulo diz que o amor que Deus tinha por nós antes da criação do mundo foi fundado em Cristo. [7] Esta doutrina é clara, e consistente com as Escrituras, e admiravelmente reconcilia as diferentes passagens, onde se diz, que Deus manifestou seu amor por nós pelo dom de seu único Filho, [8] e ainda assim ele era nosso inimigo até que ele foi reconciliado pela morte de Cristo. [9] Mas para uma confirmação adicional, para aqueles que exigem o testemunho da Igreja antiga, citarei uma passagem de Agostinho, que mantém expressamente o mesmo. “O amor de Deus”, diz ele, “é incompreensível e imutável. Pois ele não começou a nos amar quando fomos reconciliados com ele pelo sangue de seu Filho, mas ele nos amou antes da criação do mundo, para que pudéssemos ser seus filhos, juntamente com seu único Filho, mesmo antes de termos tido. qualquer existência. Portanto, nossa reconciliação pela morte de Cristo não deve ser entendida como se ele nos reconciliasse com Deus, para que Deus pudesse começar a amar aqueles a quem antes odiava; mas estamos reconciliados com quem já nos amou, mas com quem éramos inimigos por causa do pecado. E se minha afirmação é verdadeira, atestem o apóstolo. 'Deus', diz ele, 'elogia seu amor por nós, pois, enquanto ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós.' [10] Ele nos amou, portanto, mesmo quando estávamos no exercício da inimizade contra ele, e engajado na prática da iniquidade. Portanto, de uma maneira maravilhosa e divina, ele nos odiava e nos amou ao mesmo tempo. Ele nos odiava, por ser diferente do que ele havia nos feito; mas como nossa iniquidade não destruiu inteiramente sua obra em nós, ele podia, ao mesmo tempo, odiar o que havíamos feito e amar o que procedia de si mesmo. ”Esta é a linguagem de Agostinho.

V. Agora, em resposta à pergunta, como Cristo, pela abolição de nossos pecados, destruiu a inimizade entre Deus e nós, e adquiriu uma justiça para torná-lo favorável e propício a nós, pode-se responder em geral que ele conseguiu isso por nós durante todo o curso de sua obediência. Isso é comprovado pelo testemunho de Paulo. “Como pela desobediência de um homem muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos.” [11] E de fato em outro lugar ele estende a causa do perdão, que nos isenta da maldição da lei, para toda a vida de Cristo. “Quando chegou a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, feito de mulher, feita sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei.” [12] Assim, ele mesmo afirmou que até o batismo era um ramo de sua justiça, porque ele agiu em obediência ao mandamento do Pai. [13] Em resumo, a partir do momento em que assumiu o caráter de servo, ele começou a pagar o preço de nossa libertação para nos redimir. Ainda mais precisamente, para definir os meios de nossa salvação, as Escrituras atribuem isso de maneira peculiar à morte de Cristo. Ele mesmo anuncia que “dá a vida em resgate por muitos”. [14] Paulo ensina que “morreu pelos nossos pecados”. [15] João Batista exclama: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado. do mundo!” [16] Paulo em outro lugar declara que somos“ justificados livremente por sua graça, através da redenção que está em Cristo Jesus; a quem Deus estabeleceu ser uma propiciação pela fé em seu sangue. ”[17] Também que somos“ justificados por seu sangue ”e“ reconciliados por sua morte ”. [18] Novamente:“ Ele o fez ser pecado por nós, que não conhecíamos pecado; para que sejamos feitos justiça de Deus nele.” [19] Não procederei com todas as provas, porque o catálogo seria imenso, e muitas delas deverão ser citadas posteriormente em sua devida ordem. Portanto, no que é chamado de Credo dos Apóstolos, há muito adequadamente uma transição imediata do nascimento de Cristo para sua morte e ressurreição, na qual consiste a soma da salvação perfeita. No entanto, não há exclusão do resto da obediência que ele realizou em sua vida; como Paulo compreende tudo, desde o começo até o fim, quando diz que “ele não fez reputação, assumiu a forma de servo e tornou-se obediente até a morte, até a morte da cruz.” [20] E, de fato, sua submissão voluntária é a principal circunstância, mesmo em sua morte; porque o sacrifício, a menos que oferecido gratuitamente, teria sido indisponível para a aquisição da justiça. Portanto, nosso Senhor, depois de ter declarado: “Dou a minha vida pelas ovelhas”, acrescenta expressamente: “Ninguém a tira de mim.” [21] Nesse sentido, Isaías diz: “Como a ovelha diante dos seus tosquiadores é burra, assim ele não abre a boca.” [22] E a história evangélica relata que ele saiu ao encontro dos soldados [23] e que antes de Pilatos ele deixou de fazer qualquer defesa e esperou se submeter à sentença. [24] Isso também não ocorreu sem conflito interior, porque ele havia tomado nossas enfermidades, e era necessário dar essa prova de sua obediência ao pai. E não era um exemplo mesquinho de seu amor incomparável por nós, enfrentar um medo horrível e, em meio a esses terríveis tormentos, negligenciar todo o cuidado de si mesmo, para que ele pudesse promover nosso benefício. De fato, devemos admitir que era impossível para Deus ser verdadeiramente apaziguado de qualquer outra maneira, a não ser por Cristo renunciar a toda preocupação por si mesmo e submeter-se e dedicar-se inteiramente à sua vontade. Sobre esse assunto, o apóstolo cita, de maneira apropriada, o testemunho do salmista: “Então eu disse: Eis que venho; no volume do livro que está escrito de mim, tenho prazer em fazer a tua vontade, ó meu Deus; sim, tua lei está dentro do meu coração.” [25] Mas, como as consciências aterrorizadas não encontram descanso, a não ser em sacrifício e ablução para expiar seus pecados, somos direcionados adequadamente para lá, e a morte de Cristo é exibida para nós como fonte de vida. Agora, porque nossa culpa nos tornou passíveis de maldição no tribunal celestial de Deus, a condenação de Cristo perante Pôncio Pilatos, governador da Judeia, é declarada em primeiro lugar, para que possamos saber que a essa pessoa justa foi infligida a punição que nos pertencia. Não conseguimos escapar do terrível julgamento de Deus; para nos livrar dela, Cristo submeteu-se a ser condenado mesmo diante de um mortal perverso e profano. Pois o nome do governador é mencionado, não apenas para estabelecer o crédito da história, mas para que possamos aprender, o que é ensinado por Isaías, que “o castigo de nossa paz estava sobre ele; e com os seus açoites somos curados.” [26] Para substituir a nossa condenação, não lhe bastava sofrer qualquer tipo de morte; mas, para realizar nossa redenção, esse tipo de morte deveria ser escolhido, pelo qual, sustentando nossa condenação e expiando nossos pecados, ele poderia nos libertar de ambos. Se ele tivesse sido assassinado por ladrões, ou assassinado em um tumulto popular, em tal morte não haveria aparência de satisfação. Mas quando ele é colocado como criminoso perante o tribunal - quando é acusado e dominado pelo testemunho de testemunhas e pela boca do juiz é condenado à morte -, entendemos por essas circunstâncias que ele sustentou o caráter de um malfeitor. E observaremos duas coisas que foram preditas nas predições dos profetas, e daremos consolo e confirmação peculiares à nossa fé. Pois quando nos dizem que Cristo foi enviado do tribunal do juiz para o local da execução e suspenso entre dois ladrões, vemos a conclusão dessa profecia, citada pelo evangelista: “Ele foi contado com os transgressores.” [27] Por que motivo? sustentar o caráter de um pecador, não de uma pessoa justa ou inocente. Pois ele morreu, não por sua inocência, mas por causa do pecado. Pelo contrário, quando o ouvimos absolvido pela mesma boca pela qual ele foi condenado (porque Pilatos foi forçado repetidamente a dar um testemunho público de sua inocência) [28], isso nos lembra o que lemos em outro profeta: “Eu restaurei o que não tirei.” [29] Assim, veremos Cristo sustentando o caráter de pecador e malfeitor, enquanto que, pelo brilho de sua inocência, ao mesmo tempo, evidentemente aparecerá, ele estava carregado com o culpa dos outros, mas não tinha nenhum. Sofreu, então, sob Pôncio Pilatos, depois de ter sido condenado como criminoso pela sentença solene do governador; contudo, não dessa maneira, mas que, ao mesmo tempo, foi declarado justo, pela declaração do mesmo juiz, que ele não encontrou nele nenhuma causa de acusação. Esta é a nossa absolvição, que a culpa, que nos desagradou ao castigo, é transferida para a pessoa do Filho de Deus. Pois devemos lembrar particularmente dessa satisfação, para que não passemos a vida inteira em terror e ansiedade, como se fôssemos perseguidos pela vingança justa de Deus, que o Filho de Deus transferiu para si mesmo.

VI. Além disso, a espécie de morte que ele sofreu é repleta de um mistério peculiar. A cruz foi amaldiçoada, não apenas na opinião dos homens, mas pelo decreto da lei divina. Portanto, quando Cristo é erguido sobre ele, ele se torna desagradável para a maldição. E isso era necessário, para que, por essa transferência, pudéssemos ser libertados de toda maldição que nos aguardava, ou melhor, já nos foi infligida, por causa de nossas iniquidades. Isso também foi prefigurado na lei. Pois as vítimas e as expiações oferecidas pelos pecados eram chamadas אשמות, uma palavra que significa propriamente o próprio pecado. Com essa denominação, o Espírito pretendia sugerir que eram sacrifícios vicários, para receber e sustentar a maldição devido ao pecado. Mas aquilo que foi representado figurativamente nos sacrifícios mosaicos é realmente exibido em Cristo, o arquétipo das figuras. Portanto, para efetuar uma expiação completa, ele deu à sua alma אשם, isto é, um sacrifício expiatório pelo pecado, [30] como o profeta diz; para que nossa culpa e punição sejam transferidas para ele, elas devem deixar de ser imputadas a nós. O apóstolo mais explicitamente testemunha o mesmo, quando diz: “Ele o fez pecar por nós, que não conhecíamos pecado; para que sejamos feitos justiça de Deus nele.” [31] Pois o Filho de Deus, embora perfeitamente livre de todo pecado, assumiu a desgraça e a ignomínia de nossas iniquidades e, por outro lado, nos vestiu em Sua pureza. Ele parece ter pretendido o mesmo, quando diz a respeito do pecado, que foi "condenado na carne" [32], isto é, em Cristo. Pois o Pai destruiu o poder do pecado, quando a maldição dele foi transferida para o corpo de Cristo. Essa expressão, portanto, indica que Cristo, na sua morte, foi oferecido ao Pai como sacrifício expiatório, para que, uma completa expiação feita por sua oblação, não mais possamos temer a ira divina. Agora, é evidente o que o profeta quis dizer, quando disse: "O Senhor colocou sobre ele a iniquidade de todos nós"; [33] ou seja, quando ele estava prestes a expiar nossos pecados, eles foram transferidos para ele por imputação. A cruz, à qual ele estava fixado, era um símbolo disso, como o apóstolo nos informa: “Cristo nos redimiu da maldição da lei, sendo uma maldição para nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que se pendura na árvore; para que a bênção de Abraão possa vir sobre os gentios através de Jesus Cristo.” [34] Pedro aludiu ao mesmo, onde disse:“ Ele expôs nossos pecados em seu próprio corpo na árvore;” [35] porque do símbolo visível da maldição, apreendemos mais claramente que o fardo com o qual fomos oprimidos lhe foi imposto. Também não devemos conceber que ele se submeteu a uma maldição que o dominava, mas, pelo contrário, que ao sustentá-la, ele deprimiu, quebrou e destruiu todo o seu poder. Portanto, a fé apreende uma absolvição na condenação de Cristo e uma bênção em sua maldição. Não é sem razão, portanto, que Paulo proclama magnificamente o triunfo que Cristo conquistou para si na cruz; como se a cruz, cheia de ignomínia, tivesse sido convertida em uma carruagem triunfal. Pois ele diz que “pregou na cruz a letra manuscrita, que era contrária a nós, e tendo estragado principados e poderes, fez uma demonstração deles abertamente.” [36] Isso também não deveria nos surpreender; pois, de acordo com o testemunho de outro apóstolo, "Cristo se ofereceu pelo Espírito eterno". [37] Daí surgiu a mudança da natureza das coisas. Mas, para que essas coisas estejam profundamente enraizadas e firmemente fixadas em nossos corações, lembremo-nos sempre de seu sacrifício e ablução. Pois certamente não poderíamos ter confiança de que Cristo era nossa (απολυτρωσις, [38] και αντιλυτρον, [39] και ἱλαστηριον, [40]) redenção, resgate e propiciação, se ele não tivesse sido uma vítima massacrada. E por essa razão, é que, quando as Escrituras exibem o método da redenção, muitas vezes fazem menção ao sangue; embora o sangue derramado por Cristo tenha servido não apenas como expiação a Deus, mas também como uma pia para eliminar nossas poluições.

VII. Segue-se no Credo, "que ele morreu e foi sepultado"; no qual pode ser visto mais adiante, como em todos os aspectos ele se substituiu em nosso quarto para pagar o preço de nossa redenção. A morte nos mantinha em cativeiro sob o seu jugo; Cristo, para nos livrar dela, se rendeu ao seu poder em nosso lugar. Este é o significado do apóstolo, quando ele diz, que “provou a morte por todo homem”. [41] Por sua morte, ele nos impediu de morrer, ou, o que acontece na mesma coisa, por sua morte recuperou a vida por nos. Mas, nesse aspecto, ele se diferenciava de nós - ele se rendeu à morte para ser, por assim dizer, vencido por ela, não para que ele pudesse ser absorvido por seus abismos, mas para que ele pudesse destruir aquilo pelo qual deveríamos estar. comprimento devorado; ele se rendeu à morte para ser subjugado, não para ser dominado por seu poder, mas para derrubar o que nos ameaçava, que de fato já nos havia vencido, e estava triunfando sobre nós. Por fim, ele morreu: “para destruir aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo; e livrai-os que, com medo da morte, estavam sujeitos a escravidão a vida inteira. ”[42] Este é o primeiro benefício que recebemos de sua morte. A segunda é que, através de uma comunicação de si mesmo, ele "mortifica" nossos "membros que estão na terra" [43], para que eles não possam mais realizar suas próprias ações; e mata o nosso velho, para que não floresça e não dê mais frutos. O enterro de Cristo tem a mesma tendência, a saber, que sendo feitos participantes dele, podemos ser sepultados no pecado. Pois quando o apóstolo nos ensina que “fomos plantados à semelhança da morte de Cristo e sepultados com ele” [44] para a morte do pecado; que "por sua cruz o mundo é crucificado" para nós, e nós "para o mundo" [45] e que "estamos mortos com ele"; [46] ele não apenas nos exorta a imitar o exemplo de sua morte, mas declara que contém tal eficácia, que deve ser visível em todos os cristãos, a menos que desejem tornar essa morte ineficaz e inútil. Na morte e sepultamento de Cristo, portanto, temos um benefício duplo proposto para nosso gozo - libertação do poder da morte e mortificação de nossa carne.

VIII. Mas não é correto omitir sua “descida ao inferno”, que não é de pouca importância para a realização da redenção. Pois, embora pareça pelos escritos dos antigos, que este artigo do Credo nem sempre era de uso comum nas igrejas, ainda assim, ao discutir um sistema de doutrina, é necessário introduzi-lo, pois contém um mistério altamente útil, e de maneira alguma ser desprezado. De fato, existem alguns dos antigos que não o omitem. Por isso, podemos supor que foi inserido pouco depois dos dias dos apóstolos, e não foi recebido de imediato, mas gradualmente, nas igrejas. Isso pelo menos não pode ser contestado, que era agradável à opinião geral de todos os fiéis; já que não há um dos pais que não mencione em seus escritos a descida de Cristo ao inferno, embora eles o expliquem em sentidos diferentes. Mas por quem, ou em que período, foi inserido pela primeira vez, tem pouca importância; é mais importante que o Credo nos apresente um resumo completo e completo da fé, no qual nada deve ser inserido, mas o que é retirado da mais santa palavra de Deus. No entanto, se alguém se recusar morosamente a admiti-lo no Credo, será atualmente provado ser tão necessário para a perfeição de nossa redenção, que sua omissão diminui consideravelmente o benefício da morte de Cristo. Alguns, novamente, são de opinião, que esta cláusula não contém nada de novo, mas é apenas uma repetição, em outras palavras, do que antes havia sido dito a respeito de seu enterro; porque a palavra aqui traduzida como "inferno" é freqüentemente usada nas Escrituras para significar a sepultura. Eu admito a verdade de sua observação, respeitando o significado desta palavra, que ela deve ser freqüentemente entendida como "sepultura"; mas sua opinião se opõe por duas razões, que facilmente me levam a discordar delas. Por que extremo descuido trairia, depois de um fato claro ter sido declarado da maneira mais explícita e familiar, afirmar uma segunda vez em uma obscura combinação de palavras calculadas antes para confundir do que para elucidar! Pois quando duas frases expressivas da mesma coisa são conectadas, a última deve ser uma explicação da primeira. Mas que explicação seria essa, se alguém a expressasse assim: “Quando se diz que Cristo foi sepultado, o significado é que ele desceu ao inferno!” Além disso, não é provável que uma tautologia supérflua possa ter encontrou seu caminho neste compêndio, no qual os principais artigos de fé são sumariamente expressos com a maior brevidade possível. E não duvido que todos os que consideraram esse ponto com alguma atenção concordem facilmente com o que avancei.

IX. Outros dão uma interpretação diferente; que Cristo desceu às almas dos pais que haviam morrido sob a lei, com o propósito de anunciar a realização da redenção e libertá-las da prisão em que estavam confinadas. Para esse fim, pervertem uma passagem nos salmos, segundo a qual “ele quebrou as portas de bronze e cortou as barras de ferro em pedaços”; [47] e outra em Zacarias: “Enviei teus presos da cova. onde não há água.” [48] Mas desde que o salmista celebra a libertação daqueles que sofrem cativeiro e aprisionamento em países distantes; e Zacarias compara a destruição em que o povo havia sido assolado na Babilônia, a um poço seco ou abismo; e, ao mesmo tempo, sugere que a salvação de toda a Igreja é uma libertação dos abismos do inferno; Não sei como aconteceu, que a posteridade deveria imaginar uma caverna subterrânea, à qual deram o nome de Limbo. Mas essa fábula, embora seja mantida por grandes autores, e mesmo na atual era, por muitos seriamente defendida como uma verdade, nada mais é do que uma fábula. Pois confinar as almas dos mortos em uma prisão é bastante pueril; mas que necessidade havia de Cristo descer até lá para libertá-los? Confesso livremente, de fato, que Cristo os iluminou pelo poder do seu Espírito; para que eles soubessem que a graça, que eles haviam experimentado apenas pela esperança, era então exibida ao mundo. E provavelmente para isso podemos acomodar a passagem de Pedro, onde ele diz, que Cristo “foi e pregou aos espíritos que vigiavam como em uma torre”. [49] Isso geralmente é traduzido como “os espíritos na prisão”, mas Eu concebo indevidamente. O contexto também nos permite entender que os fiéis que haviam morrido antes daquele tempo eram participantes da mesma graça conosco. Pois o apóstolo amplia a eficácia da morte de Cristo a partir dessa consideração, que penetrou até os mortos; quando as almas dos fiéis desfrutavam da visão atual daquela visitação que esperavam ansiosamente; enquanto, pelo contrário, foi descoberto mais claramente aos réprobos, que eles foram excluídos de toda salvação. Mas como Pedro não falou dessa maneira distinta dos piedosos e ímpios, não devemos entendê-lo como confundindo todos eles juntos, sem nenhuma discriminação. Ele apenas pretende nos informar que o conhecimento da morte de Cristo era comum a ambos.

X. Mas deixando de lado toda consideração do Credo, precisamos procurar uma explicação mais certa da descida de Cristo ao inferno; e encontramos um na palavra divina, não apenas santo e piedoso, mas também repleto de consolo singular. Se Cristo tivesse simplesmente morrido uma morte corporal, nenhum fim teria sido alcançado por ela; também era necessário que ele sentisse a severidade da vingança divina, a fim de apaziguar a ira de Deus e satisfazer sua justiça. Por isso, era necessário que ele contendesse os poderes do inferno e o horror da morte eterna. Já declaramos pelo profeta que “o castigo de nossa paz estava sobre ele”, que “ele foi ferido por nossas transgressões e ferido por nossas iniquidades” [50], cujo significado é que ele foi feito. substituir e garantir os transgressores, e até mesmo tratados como criminoso, para sustentar todas as punições que lhes seriam infligidas; somente com essa exceção, que “não era possível que ele se detivesse das dores da morte”. [51] Portanto, não é de admirar que se diga que ele desceu ao inferno, pois sofreu a morte que a ira causou. de Deus inflige aos transgressores. É uma objeção muito frívola e até ridícula dizer que, com essa explicação, a ordem das coisas é pervertida, porque é absurdo fazer isso após seu enterro, que realmente o precedeu. Pois a relação daqueles sofrimentos de Cristo, que eram visíveis aos homens, é muito adequadamente seguida pela vingança invisível e incompreensível que ele sofreu da mão de Deus; a fim de assegurar-nos que não apenas o corpo de Cristo foi dado como preço de nossa redenção, mas que houve outro resgate maior e mais excelente, pois ele sofreu em sua alma os terríveis tormentos de uma pessoa condenada e irremediavelmente perdida.

XI. Nesse sentido, Pedro diz: “Deus o ressuscitou, tendo afrouxado as dores da morte; porque não era possível que ele a segurasse.” [52] Ele não diz simplesmente“ morte ”; mas nos diz que o Filho de Deus estava envolvido nas“ dores da morte ”, que procedem do Divino ira e maldição, que é a origem da morte. Por que pouca coisa teria sido para Cristo aparecer para sofrer a morte, sem qualquer angústia ou perplexidade, e até com prazer! Mas esse era um verdadeiro exemplo de sua infinita misericórdia, para não fugir da morte que ele tanto temia. Nem se pode duvidar, mas o apóstolo pretende sugerir o mesmo na Epístola aos Hebreus, quando ele diz que Cristo "foi ouvido naquilo que temia". [53] Alguns, em vez de temer, traduzem reverência ou piedade; mas quão impropriamente é evidente a partir do próprio sujeito e também da forma de expressão. Cristo, portanto, “quando ofereceu orações com fortes gritos e lágrimas, foi ouvido naquilo que temia;” não que ele pudesse obter uma isenção da morte, mas que ele não fosse engolido como pecador; pois ele estava sustentando nosso caráter. E é certamente impossível imaginar um abismo mais formidável do que perceber a nós mesmos abandonados e abandonados por Deus, e não ser ouvidos quando o invocamos, como se ele tivesse conspirado para nos destruir. Agora, vemos que Cristo estava tão profundamente abatido que, na urgência da angústia, ele foi obrigado a exclamar: "Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?" [54] Para a ideia de alguns, ele falou bastante. de acordo com a opinião dos outros, a não ser por seus próprios sentimentos, é totalmente improvável; visto que ele parece ter falado da angústia de sua alma íntima. Não admitimos que Deus tenha sido hostil a ele ou zangado com ele. Pois como ele poderia ficar zangado com seu amado Filho, "em quem sua alma se deleitava?" [55] ou como Cristo, por sua intercessão, poderia apaziguar o Pai pelos outros, se o Pai estava irritado com ele? Mas afirmamos que ele sustentou o peso da severidade divina; desde que, sendo “ferido e afligido por Deus” [56], ele experimentou de Deus todos os sinais de ira e vingança. Portanto, Hilary argumenta que, com essa descida, obtivemos a destruição da morte. E em outros lugares ele concorda com a nossa opinião; como quando ele diz: “A cruz, a morte e o inferno são a nossa vida.” Novamente, em outro lugar, “O Filho de Deus está no inferno, mas o homem é elevado ao céu.” Mas por que cito o testemunho de uma pessoa privada, quando o apóstolo afirma a mesma coisa, mencionando, como recompensa da vitória de Cristo, a libertação daqueles “que, pelo medo da morte, estavam a vida inteira sujeitos a escravidão?” [57] Era necessário, portanto, que ele deve superar esse medo, que natural e incessantemente assedia todos os homens; o que ele não poderia prescindir disso. Agora, que o sofrimento dele não era comum ou trivial, em breve será evidenciado com mais clareza. Assim, contendendo com o poder do diabo, com o pavor da morte e com as dores do inferno, ele obteve a vitória e triunfou sobre eles, para que na morte não possamos mais temer as coisas que nosso príncipe destruiu.

XII. Aqui, alguns homens contenciosos, embora analfabetos, mais impelidos pela malícia do que pela ignorância, exclamam contra mim que sou culpado de uma lesão atroz a Cristo; porque é totalmente irracional que ele tenha qualquer medo a respeito da salvação de sua alma. E então eles agravam a cavilha, fingindo que atribuo desespero ao Filho de Deus, que é contrário à fé. Em primeiro lugar, é presunçoso neles levantar uma controvérsia sobre o medo e consternação de Cristo, que é tão expressamente afirmada pelos evangelistas. Pois, antes da aproximação de sua morte, ele experimentou uma perturbação do espírito e depressão da mente; mas, na luta real com ele, ele começou a sentir um maior grau de consternação. Se eles dizem que isso era apenas fingimento, é um subterfúgio muito insignificante. Portanto, como Ambrósio justamente aconselha, devemos, sem medo, reconhecer a tristeza de Cristo, a menos que tenhamos vergonha de sua cruz. E, de fato, se sua alma não tivesse sofrido punição, ele seria apenas um Redentor para o corpo. Era necessário para ele combater, a fim de levantar aqueles que estavam prostrados na terra; e sua glória celestial está tão longe de ser diminuída por isso, que sua bondade, que nunca é suficientemente celebrada, é visível em sua assunção voluntária e não-relutante de nossas enfermidades. Daí a consolação que o apóstolo nos oferece sob nossas angústias e tristezas, que este Mediador experimentou nossas fraquezas, a fim de estar mais preparado para socorrer os miseráveis. [58] Eles fingem que o que é intrinsecamente ruim não pode ser justamente atribuído a Cristo; como se fossem mais sábios do que o Espírito de Deus, que conecta essas duas coisas, que Cristo "em todos os pontos foi tentado como nós, mas sem pecado". Portanto, não temos motivos para ficarmos alarmados com a enfermidade de Cristo, ao qual ele não foi compelido pela violência ou necessidade, mas induzido apenas por sua misericórdia e amor por nós voluntariamente nos submetermos. Mas nenhum de seus sofrimentos voluntários para nós diminuiu seu poder. Esses objetores capciosos, no entanto, são enganados em um ponto; eles não percebem que essa enfermidade em Cristo estava perfeitamente livre de toda mancha de culpa, porque ele sempre se mantinha dentro dos limites da obediência. Pois, como nenhuma moderação pode ser descoberta na corrupção de nossa natureza, onde todas as nossas paixões transgridem todos os limites com uma violência impetuosa, elas medem erroneamente o Filho de Deus por esse padrão. Mas, sendo inocente e livre de todos os defeitos, todas as suas afeições eram governadas por uma moderação que não admitia excesso. De onde era muito possível que ele se assemelhe a nós em tristeza, medo e pavor, e ainda, nesse aspecto, ser muito diferente de nós. Refutados aqui, eles procedem para outra cavilha; que, embora Cristo tivesse medo da morte, ele não tinha medo da maldição e ira de Deus, da qual ele sabia que estava seguro. Mas deixe o leitor piedoso considerar quanta honra isso reflete em Cristo, que ele era mais delicado e tímido do que a generalidade da humanidade. Ladrões e outros malfeitores avançam obstinadamente para a morte; muitos homens desprezam isso nobremente; outros calmamente se submetem a ele. Mas que constância ou magnanimidade o Filho de Deus teria descoberto ao ficar espantado e quase morto de medo? Pois está relacionado a ele, o que geralmente pode ser considerado um prodígio, que através da veemência de suas agonias, gotas de sangue escorriam de seu rosto. Nem ele exibiu esse espetáculo aos olhos dos outros; ele enviou seus gemidos ao pai, no segredo da aposentadoria. E toda dúvida é removida pela necessidade de que os anjos desçam do céu, para apoiá-lo com consolo incomum. Que efeminação vergonhosa, como sugeri, teria sido tão angustiada pelo medo de uma morte comum, que suava sangrenta e incapaz de ser consolada sem a presença de anjos! O que! essa oração, que ele repetiu três vezes: "Ó meu Pai, se possível, deixe passar este cálice de mim" [59], proveniente de uma incrível amargura de alma, demonstra que Cristo teve um conflito mais severo e árduo do que com uma morte comum? De onde parece que aqueles insignificantes, com quem agora estou discutindo, presunçosamente conversam sobre coisas que não sabem; porque eles nunca consideraram seriamente a natureza ou a importância de nossa redenção do julgamento divino. Mas é nossa sabedoria ter um entendimento claro de quanto nossa salvação custou ao Filho de Deus. Se alguém perguntar se Cristo estava descendo para o inferno, quando depreciou a morte, respondo que esse era o prelúdio para ela; de onde podemos concluir que agonias terríveis e horríveis ele deve ter sofrido, enquanto ele estava consciente de estar no tribunal de Deus acusado como criminoso por nossa causa. Mas, embora o poder divino do Espírito tenha se ocultado por um momento, para dar lugar à enfermidade da carne, ainda assim sabemos que a tentação decorrente de um sentimento de pesar e medo era tal que não era repugnante à fé. E assim se cumpriu o que encontramos no sermão de Pedro: "que não era possível que ele fosse detido das dores da morte"; [60] porque, quando se percebia, por assim dizer, abandonado por Deus, ainda ele não relaxou nem um pouco de sua confiança na bondade de seu pai. Isso é evidente em sua célebre invocação, quando, pela veemência do pesar, ele exclamou: "Meu Deus, meu Deus, por que me abandonou?" [61] Por não obstante sua extrema agonia, ele continua chamando Deus de Deus, mesmo quando ele reclama que foi abandonado por ele. Agora, isso serve para refutar o erro de Apolinário [62], e também daqueles que foram chamados monotelistas. Apolinário fingiu que o Espírito eterno supria o lugar de uma alma em Cristo, de modo que ele era apenas meio homem, como se pudesse expiar nossos pecados sem obediência ao Pai. Mas onde estava a disposição ou vontade necessária à obediência, mas em sua alma? que sabemos que foi "problemático", [63] para dissipar todos os nossos medos e obter paz e descanso para os nossos. Além disso, em oposição aos monotelistas, vemos que o que era contrário à sua vontade como homem, era agradável à sua vontade como Deus. Não digo nada sobre ele superar o medo de que falamos, por uma disposição contrária. Pois há uma manifestação aparente de contrariedade quando ele diz: “Pai, salve-me desta hora; mas por essa causa vim até esta hora. Pai, glorifica o teu nome.” [64] No entanto, nesta perplexidade, não há falta de moderação como é evidente em nós, mesmo enquanto estamos fazendo nossos esforços mais árduos para nos conquistar.

XIII. Em seguida, segue sua ressurreição dentre os mortos, sem a qual tudo o que dissemos seria incompleto. Pois, visto que não aparece nada além de enfermidade na cruz, morte e sepultamento de Cristo, a fé deve prosseguir além de todas essas coisas, para ser fornecida com força suficiente. Portanto, embora nossa salvação seja perfeitamente realizada por sua morte, porque por isso estamos reconciliados com Deus, uma satisfação é dada ao seu julgamento justo, a maldição é removida e o castigo é sustentado, mas diz-se que fomos “gerados novamente para uma esperança viva ", não por sua morte, mas" por sua ressurreição dos mortos". [65] Pois, como em sua ressurreição, ele apareceu o conquistador da morte, assim é em sua ressurreição que nossa fé repousa principalmente. Isso é melhor expresso nas palavras de Paulo, quando ele diz, que Cristo "foi libertado por nossas ofensas e ressuscitou para nossa justificação"; [66] como se ele tivesse dito, que o pecado foi removido por sua morte, e justiça renovada e restaurada por sua ressurreição. Pois como era possível para ele, morrendo, nos libertar da morte, se ele próprio permaneceu sob seu poder? como ele poderia ter conseguido a vitória para nós, se tivesse sido vencido no concurso? Portanto, atribuímos nossa salvação em parte à morte de Cristo e em parte à sua ressurreição; acreditamos que o pecado foi abolido e a morte destruída pelo primeiro; que a justiça foi restaurada e a vida estabelecida por estes; contudo, para que o primeiro descubra seu poder e eficácia em nós por meio do segundo. Portanto, Paulo afirma que "foi declarado o Filho de Deus pela ressurreição dos mortos" [67], porque então exibiu seu poder celestial, que é ao mesmo tempo um espelho lúcido de sua divindade e um firme apoio de nossa fé. Então, em outro lugar, ele diz, “ele foi crucificado pela fraqueza, mas vive pelo poder de Deus”. [68] No mesmo sentido, em outro lugar, o tratamento da perfeição, ele diz: “para que eu possa conhece-o e o poder de sua ressurreição.” [69] No entanto, imediatamente depois, ele acrescenta:“ a comunhão de seus sofrimentos e a conformidade com sua morte ”. Em perfeita harmonia com isso, está a seguinte declaração de Pedro:“ Deus o ressuscitou dentre os mortos e lhe deu glória; para que a sua fé e esperança estejam em Deus: ”[70] não que a fé cambaleie quando repousa sobre a morte dele; mas porque "o poder de Deus", que "nos mantém pela fé", [71] principalmente se descobre em sua ressurreição. Lembremos, portanto, que sempre que é feita menção de sua morte, ela também compreende o que pertence estritamente à sua ressurreição; e que a mesma figura de linguagem é aplicada à palavra ressurreição, sempre que é usada sem nenhuma menção à sua morte, para que ela se conecte com o que é particularmente aplicável à sua morte. Mas desde que foi ressuscitando dentre os mortos que ele obteve a palma da vitória, para se tornar a ressurreição e a vida, Paulo justamente afirma que, “se Cristo não ressuscitou, então é” a “pregação” do evangelho “inútil e ”nossa“ fé também é vã”. [72] Portanto, em outro lugar, depois de ter glorificado na morte de Cristo em oposição a todos os medos da condenação, ele acrescenta, por meio de amplificação,“ Sim, antes, que ressuscitou, quem está à direita de Deus, que também intercede por nós.” [73] Além disso, como dissemos antes, que a mortificação da nossa carne depende da comunhão com a sua cruz, por isso deve Entenda-se também que obtemos outro benefício, correspondente a esse, de sua ressurreição. O apóstolo diz: “Se fomos plantados juntos à semelhança de sua morte, também estaremos à semelhança de sua ressurreição: assim também devemos andar em novidade de vida.” [74] Portanto, em outro lugar, como, por estarmos mortos com Cristo, ele deduz um argumento para a mortificação de nossos membros que estão na terra, [75] assim também, porque nós ressuscitamos com Cristo, daí infere que devemos procurar as coisas que estão acima, e não aqueles que estão na terra. [76] Pelas expressões, não somos apenas convidados a andar em novidade de vida, após o exemplo de Cristo ressuscitado dentre os mortos, mas são ensinados que nossa regeneração à justiça é efetuada por seu poder. Também obtemos um terceiro benefício de sua ressurreição, tendo recebido, por assim dizer, uma promessa de assegurar-nos de nossa própria ressurreição, da qual a sua claramente fornece o fundamento e as evidências mais sólidos. Este assunto o apóstolo discute mais amplamente na Primeira Epístola aos Coríntios. [77] Mas deve-se observar, a propósito, que quando se diz que “ressuscitou dos mortos”, essa frase expressa a realidade de sua morte e de sua ressurreição; como se fosse dito, que ele morreu a mesma morte que outros homens naturalmente morrem, e recebeu imortalidade no mesmo corpo que ele assumira em um estado mortal.

XIV. Sua ressurreição é adequadamente seguida no Credo por sua ascensão ao céu. Pois, embora Cristo tenha começado a mostrar mais ilustre sua glória e poder em sua ressurreição, deixando de lado a condição abjeta e ignóbil desta vida mortal e a ignomínia da cruz, sua ascensão ao céu foi o verdadeiro começo de sua vida. seu reinado. Isso o apóstolo mostra, quando ele nos informa, que "subiu para poder encher todas as coisas". [78] Aqui, em uma aparente contradição, ele nos sugere que há uma bela harmonia, porque Cristo se afastou de nós, que sua partida pode ser mais útil para nós do que a presença que, durante sua permanência na terra, se limitava à humilde mansão de seu corpo. Portanto, João, depois de ter relatado esse convite notável: "Se alguém tem sede, venha a mim e beba", acrescenta, que "o Espírito Santo ainda não havia sido dado; porque Jesus ainda não foi glorificado.” [79] Isto o próprio Senhor também declarou aos seus discípulos:“ É conveniente para ti que eu vá embora; pois se eu não for embora, o Consolador não virá até você.” [80] Agora, ele propõe um consolo por sua ausência corporal, que ele“ não os deixará sem conforto ou órfãos, mas voltará a eles ”. de uma maneira realmente invisível, mas mais desejável; porque foram então ensinados por uma experiência mais certa de que a autoridade que ele desfruta e o poder que exerce são suficientes para os fiéis, não apenas para lhes proporcionar uma vida abençoada, mas para lhes garantir uma morte feliz. E, de fato, vemos quão amplamente ele aumentou as efusões de seu Espírito, quão grandemente ele avançou na magnificência de seu reinado e que poder superior ele exerceu ao ajudar seus amigos e derrotar seus inimigos. Sendo recebido no céu, portanto, ele removeu sua presença corporal de nossa vista; não que ele não estivesse mais presente com os fiéis que ainda estavam em estado de peregrinação na terra, mas que ele poderia governar o céu e a terra por uma energia mais eficaz. Além disso, sua promessa de que ele estaria conosco até o fim do mundo, ele realizou por essa sua ascensão; pelo qual, como seu corpo foi elevado acima de todos os céus, seu poder e energia foram difundidos e estendidos além de todos os limites do céu e da terra. Ao representar isso, eu preferiria a língua de Agostinho à minha. “Cristo”, diz ele, “estava prestes a morrer pela destra do Pai, de onde virá a seguir para julgar os vivos e os mortos; e isso por uma presença corporal, de acordo com a regra da fé e a sã doutrina. Pois em sua presença espiritual com eles, ele viria logo após sua ascensão. ”E em outros lugares ele trata esse assunto de uma maneira ainda mais difusa e explícita. Por sua graça inefável e invisível, Cristo cumpriu sua declaração: "Eis que estou convosco todos os dias até o fim do mundo". [81] Mas com relação ao corpo que a Palavra assumiu, que nasceu da Virgem, que foi apreendida pelos judeus, que foi fixada na cruz, que foi retirada da cruz, que foi dobrada em linho, que foi colocada no sepulcro, que se manifestou na ressurreição, houve uma realização de esta previsão: “Não me deixareis sempre contigo.” Por quê? Porque em sua presença corporal ele conversou com seus discípulos por quarenta dias, e enquanto eles o assistiam, vistos mas não seguidos por eles, ele subiu ao céu; e ele não está aqui, pois está sentado à direita do Pai; e ainda assim ele está aqui, pois não retirou a presença de sua majestade. Na presença de sua majestade, portanto, temos Cristo sempre conosco; mas com respeito à sua presença corporal, ele disse com verdade aos seus discípulos: "Nem sempre eu." Pois a Igreja desfrutou de sua presença corporal por alguns dias; agora ela o desfruta pela fé e não o vê com os olhos.

XV. Portanto, é imediatamente acrescentado que ele está sentado à direita do Pai; que é uma semelhança emprestada de príncipes, que têm seus assistentes, a quem eles representam o exercício do governo. Assim, é dito que Cristo, em quem o Pai decide ser exaltado e por cujo meio ele escolhe reinar, foi recebido à sua mão direita; como se dissesse que ele fora inaugurado no governo do céu e da terra e assumira solenemente a administração real do poder que lhe fora confiado; e não apenas que ele entrou nela, mas que continua nela, até que desça ao julgamento. Pois o apóstolo explica isso com as seguintes palavras: “O Pai o colocou à sua direita, muito acima de todo principado, poder e poder, poder e domínio, e todo nome que é nomeado, não apenas neste mundo, mas também naquilo que está por vir; e pôs todas as coisas debaixo de seus pés, e deu-lhe a cabeça sobre todas as coisas à igreja ”, etc. [82] Vemos o final desta sessão; é que todas as criaturas, tanto celestes quanto terrestres, podem admirar sua majestade, ser governadas por suas mãos, obedecer sua vontade e estar sujeitas a seu poder. E o único desígnio dos apóstolos em sua freqüente menção é ensinar-nos que todas as coisas estão comprometidas com seu governo. Portanto, aqueles que supõem que nada além de bem-aventurança é significado neste artigo, não estão certos nessa opinião. Não afeta nosso argumento, que Estevão declara que vê Cristo "de pé", [83] porque a presente pergunta se relaciona não à postura de seu corpo, mas à majestade de seu domínio; de modo que estar sentado significa senão presidir o tribunal do céu.

XVI. Portanto, a fé recebe muitas vantagens. Pois percebe que, por sua ascensão, o Senhor abriu o caminho para o reino dos céus, que havia sido parado por Adão. Pois desde que ele entrou lá em nossa natureza, e como em nossos nomes, segue-se que, como o apóstolo expressa, agora "sentamos juntos" com ele "em lugares celestiais" [84] porque não apenas esperamos céu, mas já o possui em nossa cabeça. Além disso, a fé sabe que sua residência com o Pai conduz muito a nosso favor. Por ter entrado em um santuário, que não é de ereção humana, [85] ele aparece continuamente na presença do Pai como nosso advogado e intercessor; [86] ele atrai os olhos do Pai para a sua justiça, de modo a desviá-los dos nossos pecados; ele o reconcilia conosco, de modo a obter, por sua intercessão, um meio de acesso ao seu trono, que ele reabastece com graça e misericórdia, mas que, de outra forma, estaria grávida de horror pelos miseráveis ​​pecadores. [87] Em terceiro lugar, a fé detém seu poder, no qual consiste nossa força, nossa fortaleza, nossa riqueza e nosso triunfo sobre o inferno. Pois “quando ele subiu ao alto, levou o cativeiro em cativeiro” [88] estragou seus inimigos, enriqueceu seu povo e diariamente os carrega com favores espirituais. Ele senta, portanto, no alto, para que daí possa derramar seu poder sobre nós, para nos animar com a vida espiritual, para nos santificar pelo seu Espírito, para adornar sua Igreja com uma variedade de graças, e defendê-lo, protegendo-o de toda calamidade, para que, com a força de sua mão, ele possa conter os ferozes inimigos de sua cruz e de nossa salvação; finalmente, para que ele retenha todo o poder no céu e na terra; até que ele derrube todos os seus inimigos, que também são nossos, e complete a edificação de sua Igreja. E este é o verdadeiro estado de seu reino, este é o poder que o Pai lhe conferiu, até que ele complete o último ato, vindo para julgar os vivos e os mortos.

XVII. Cristo dá a seus servos sinais inequívocos da presença de seu poder; mas porque na terra seu reino está em alguma medida oculto sob a mesquinhez da carne, a fé é, por uma razão muito boa, chamada a meditar na presença visível que ele manifestará no último dia. Pois ele descerá do céu de forma visível, da mesma maneira em que foi visto subir; [89] e aparecerá a todos com a inefável majestade de seu reino, com o esplendor da imortalidade, com o poder infinito da Deidade e com uma hoste de anjos. [90] A partir daí, portanto, somos ordenados a esperá-lo como nosso Redentor no último dia, quando ele separará as ovelhas das cabras, os eleitos dos réprobos; e não haverá um indivíduo vivo ou morto que possa escapar de seu julgamento. Pois dos cantos mais remotos do mundo eles ouvirão o som da trombeta, com a qual toda a humanidade será convocada para o seu tribunal, tanto aqueles que naquele dia acharem vivos, como aqueles que a morte terá removido anteriormente da sociedade de a vida. Há quem entenda as palavras rápido, ou vivo, e morto, em um sentido diferente. E, de fato, descobrimos que alguns dos pais hesitaram em respeitar a exposição desta cláusula; mas o sentido que demos, sendo claro e claro, é muito mais consistente com o design do Credo, que parece ter sido composto pelas pessoas comuns. Tampouco isso é repugnante à afirmação do apóstolo, que “é designado que os homens morram uma vez”. [91] Pois, embora os que sobreviverem nesta vida mortal até o último julgamento, não morram de maneira e ordem naturais, contudo, essa mudança, que eles experimentarão, uma vez que se parecerá com a morte, pode, sem impropriedade, ser designada por essa denominação. É certo que “nem todos dormem, mas todos serão mudados”. [92] O que é isso? Em um momento, sua vida mortal será extinta e absorvida, e será transformada em uma natureza totalmente nova. Esta extinção da carne que nenhum homem pode negar ser a morte. No entanto, permanece uma verdade que os vivos e os mortos serão convocados para julgamento; pois “os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro: então os que estiverem vivos e permanecerão serão arrebatados junto com eles nas nuvens, para encontrar o Senhor nos ares.” [93] E é muito provável que este artigo tenha sido levado do sermão de Pedro [94] e da acusação solene de Paulo a Timóteo. [95]

XVIII. É uma fonte de consolo peculiar saber que ele presidirá o julgamento, que já nos destinou a participar com ele a honra de fazer um julgamento com ele; até agora, ele subirá ao tribunal para nos condenar. Pois como poderia um príncipe misericordioso destruir seu próprio povo? como uma cabeça poderia espalhar seus próprios membros? como um advogado poderia condenar seus próprios clientes? Pois, se o apóstolo se aventurar a exclamar, que ninguém pode nos condenar enquanto Cristo intercede por nós, [96] é muito mais certo que o próprio Cristo, nosso intercessor, não condenará aqueles cuja causa ele assumiu e com quem se engajou. suportar. De fato, não é uma segurança desprezível que estaremos diante de nenhum outro tribunal senão o do nosso Redentor, de quem devemos esperar a salvação; e que aquele que pelo evangelho agora promete a vida eterna, no julgamento ratificará e cumprirá a promessa que ele deu. A intenção do Pai em honrar o Filho “comprometendo-lhe todo o julgamento” [97] era que ele pudesse aliviar a consciência do seu povo de todo o medo relacionado ao julgamento. Até agora, segui a ordem do Credo dos Apóstolos; porque, embora compreenda, em poucas palavras, os principais pontos de redenção, pode servir para nos dar uma visão distinta e separada daqueles detalhes que respeitam a Cristo que merecem nossa atenção. Eu o denomino Credo dos Apóstolos, mas não sou nem um pouco solicitada para saber quem foi o compositor. Os escritores antigos concordam em atribuí-lo aos apóstolos, seja pela crença de que ele foi escrito e publicado por sua simultaneidade comum, seja pela opinião de que esse compêndio, sendo fielmente coletado da doutrina proferida por eles, era digno de ser sancionado por esse título. E quem foi o autor, não tenho dúvida de que foi recebido publicamente e universalmente como uma confissão de fé desde a primeira origem da Igreja e até mesmo nos dias dos apóstolos. Tampouco é provável que tenha sido composto por qualquer indivíduo particular, uma vez que desde tempos imemoriais era evidentemente considerado como de autoridade sagrada por todos os piedosos. Mas o que devemos considerar principalmente está além de toda controvérsia - que ela compreende um relato completo de nossa fé em uma ordem concisa e distinta, e que tudo o que ela contém é confirmado por testemunhos decisivos das Escrituras. Sendo assim, não adianta ansiosamente inquirir ou contender com alguém, respeitando seu autor, a menos que não seja suficiente para alguém ter a infalível verdade do Espírito Santo, sem saber por cuja boca estava. proferida ou por cuja mão foi escrita.

XIX. Visto que vemos que toda a nossa salvação, e todos os seus ramos, são compreendidos em Cristo, devemos ser cautelosos para não alienar dele a menor parte possível dela. Se buscamos a salvação, somos ensinados pelo nome de JESUS, que está nele; se buscarmos outros dons do Espírito, eles serão encontrados em sua unção; força, em seu domínio; pureza, em sua concepção; a indulgência descobre-se em sua natividade, pela qual ele foi feito para se assemelhar a nós em todas as coisas, para que ele aprendesse a tolerar conosco; se buscarmos a redenção, isso será encontrado em sua paixão; absolvição, em sua condenação; remissão da maldição, em sua cruz; satisfação, em seu sacrifício; purificação em seu sangue; reconciliação, em sua descida ao inferno; mortificação da carne, em seu sepulcro; novidade de vida e imortalidade, em sua ressurreição; a herança do reino celestial, em sua entrada no céu; proteção, segurança, abundância e gozo de todas as bênçãos, em seu reino; uma expectativa destemida do julgamento, na autoridade judicial que lhe foi confiada. Finalmente, bênçãos de todo tipo são depositadas nele; vamos tirar do seu tesouro, e de nenhuma outra fonte, até que nossos desejos sejam satisfeitos. Pois aqueles que, não contentes apenas com ele, são transportados de um lado para outro em uma variedade de esperanças, embora fixem seus olhos principalmente nele, mas desviam-se do caminho certo no desvio de qualquer parte de sua atenção para outro quarto. Essa desconfiança, no entanto, não pode se intrometer, onde a plenitude de suas bênçãos já foi verdadeiramente conhecida.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro II. Sobre o conhecimento de Deus, o Redentor em Cristo, que foi revelado primeiramente aos pais sob a lei, e desde sempre a nós no evangelho.

Disponível em Gutenberg.




Notas:
[1] Atos 4. 12.
[2] Mateus 1. 21.
[3] Romanos 5. 10.
[4] Gálatas 3. 10-13.
[5] Colossenses 1. 21, 22.
[6] 1 João 4. 19.
[7] Efésios 1. 4, 5.
[8] João 3. 16.
[9] Romanos 5. 10.
[10] Romanos 5. 8.
[11] Romanos 5. 19.
[12] Gálatas 4. 4, 5.
[13] Mateus 3. 15.
[14] Mateus 20. 28.
[15] 1 Coríntios 15. 3.
[16] João 1. 29.
[17] Romanos 3. 24, 25.
[18] Romanos 5. 9, 10.
[19] 2 Coríntios 5. 21.
[20] Filipenses 2. 7, 8.
[21] João 10. 15, 18.
[22] Isaías 53. 7.
[23] João 18. 4.
[24] Mateus 27. 12, 14.
[25] Salmo 40. 7, 8.
[26] Isaías 53. 5.
[27] Isaías 53. 12. Marcos 15. 28.
[28] Mateus 27. 18, 23, 24. João 18. 38.
[29] Salmo 69. 4.
[30] Isaías 53. 10.
[31] 2 Coríntios 5. 21.
[32] Romanos 8. 3.
[33] Isaías 53. 6.
[34] Gálatas 3. 13, 14.
[35] 1 Pedro 2. 24.
[36] Colossenses 2. 14, 15.
[37] Hebreus 9. 14.
[38] 1 Coríntios 1. 30.
[39] 1 Timóteo 2. 6.
[40] Romanos 3. 25.
[41] Hebreus 2. 9.
[42] Hebreus 2. 14, 15.
[43] Colossenses 3. 5.
[44] Romanos 6. 4, 5.
[45] Gálatas 6. 14.
[46] Colossenses 3. 3.
[47] Salmo 107. 16.
[48] Zacarias 9. 11.
[49] 1 Pedro 3. 19.
[50] Isaías 53. 5.
[51] Atos 2. 24.
[52] Atos 2. 24.
[53] Hebreus 5. 7.
[54] Mateus 27. 46.
[55] Isaías 42. 1.
[56] Isaías 53. 4.
[57] Hebreus 2. 15.
[58] Hebreus 4. 15.
[59] Mateus 26. 39.
[60] Atos 2. 24.
[61] Mateus 27. 46.
[62] Apolinário de Laodiceia, dito o Jovem (310-390) foi um bispo de Laodiceia, na Síria. Colaborou com seu pai, Apolinário, o Velho, numa reprodução do Antigo Testamento em formato de poesia homérica e pindárica, e do Novo Testamento num formato de diálogo platônico, quando o imperador Juliano, o Apóstata proibiu os cristãos de ensinarem os clássicos. Em sua ânsia em enfatizar a divindade de Jesus e a unidade de sua pessoa o levou a negar a existência de uma alma humana racional (νους, nous) na natureza humana de Cristo, sendo esta substituída nele pelo Logos, de forma que seu corpo seria então uma forma espiritualizada e glorificada de humanidade.
[63] João 12. 27.
[64] João 12. 27, 28.
[65] 1 Pedro 1. 3.
[66] Romanos 4. 25.
[67] Romanos 1. 4.
[68] 2 Coríntios 13. 4.
[69] Filipenses 3. 10.
[70] 1 Pedro 1. 21.
[71] 1 Pedro 1. 5.
[72] 1 Coríntios 15. 14, 17.
[73] Romanos 8. 34.
[74] Romanos 6. 4, 5.
[75] Colossenses 3. 5.
[76] Colossenses 3. 1, 2.
[77] 1 Coríntios 15.
[78] Efésios 4. 10.
[79] João 7. 37, 39.
[80] João 16. 7.
[81] Mateus 28. 20.
[82] Efésios 1. 20-22.
[83] Atos 7. 55, 56.
[84] Efésios 2. 6.
[85] Hebreus 9. 24.
[86] Romanos 8. 34.
[87] Hebreus 4. 16.
[88] Efésios 4. 8.
[89] Atos 1. 11.
[90] Mateus 24. 30; 25. 31. 1 Tessalonicenses 4. 16, 17.
[91] Hebreus 9. 27.
[92] 1 Coríntios 15. 51.
[93] 1 Tessalonicenses 4. 16, 17.
[94] Atos 10. 42.
[95] 2 Timóteo 4. 1.
[96] Romanos 8. 34.
[97] João 5. 22.8

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: