O Pão do Céu

Ninguém pode vir a mim se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. Escrito está nos profetas: E todos serão ensinados por Deus. Portanto todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu, esse vem a mim. Não que alguém tenha visto ao Pai, a não ser aquele que é de Deus; este tem visto ao Pai. Em verdade, em verdade vos digo, que aquele que crê em mim tem vida eterna. Eu sou o pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram. Este é o pão que desceu do céu, para que o ser humano coma dele e não morra. Eu sou o pão vivo, que desceu do céu; se alguém comer deste pão, para sempre viverá. E o pão que eu darei é minha carne, a qual darei pela vida do mundo. Discutiam, pois, os Judeus entre si, dizendo: Como este pode nos dar [sua] carne para comer? Jesus, então, lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo, que se não comerdes a carne do Filho do homem e beberdes seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. Quem come minha carne e bebe meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque minha carne verdadeiramente é comida; e meu sangue verdadeiramente é bebida. João 6: 44-55 (Bíblia Livre).

12. O pão vivo, do qual o Senhor aqui fala, é o próprio Cristo, de quem participamos. Se em nossos corações nos apossarmos apenas de um pedaço deste pão, teremos o suficiente para sempre e nunca poderemos nos separar de Deus. A participação deste pão não passa de fé em Cristo, nosso Senhor, que ele é, como Paulo diz em 1 Coríntios 1: 30, “fez-nos sabedoria de Deus, justiça e santificação e redenção”. Quem come essa comida vive para sempre. Portanto, o Senhor diz, imediatamente após esta lição do Evangelho, onde os judeus discutiram entre si sobre esse discurso dele: “Em verdade, em verdade vos digo que, se não comereis a carne do Filho do homem e bebemos seu sangue, não tenham vida em si mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o levantarei no último dia. "

13. O pão do céu que os pais comeram no deserto, como Cristo diz aqui, era impotente para impedi-los de morrer; mas este pão torna imortal. Se cremos em Cristo, a morte não pode nos prejudicar; sim, não é mais morte. O Senhor profere a mesma verdade em outra passagem quando diz aos judeus: “Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guardar a minha Palavra, nunca verá a morte” (João 8: 51). Aqui ele fala definitivamente da Palavra de fé e do Evangelho.

14. Mas pode-se dizer, como fizeram os judeus, que se ofenderam com essas palavras do Senhor: Os santos, no entanto, morreram, e Abraão e os profetas também morreram. Nós respondemos a isso: A morte dos cristãos é apenas um sono, como as Escrituras em todos os lugares o chamam. Um cristão não prova nem vê a morte; isto é, ele nunca tem consciência de nenhuma morte; pois esse Salvador, Cristo Jesus, em quem ele acredita, destruiu a morte, para que ele não precise mais prová-la e pagar sua penalidade. A morte é para os cristãos apenas uma transição da vida, sim, uma porta para a vida: como Cristo diz em João 5: 24: “Em verdade, em verdade vos digo que aquele que ouve a minha Palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna., e não entra em juízo, mas passou da morte para a vida.”

15. Portanto, uma vida cristã é uma vida de bem-aventurança e alegria. O jugo de Cristo é fácil e doce; a razão que nos parece irritante e pesada é que o Pai ainda não nos atraiu. e, portanto, não temos prazer nisso, nem esta lição do evangelho ministra consolo para nós. Se, no entanto, apropriadamente nos apropriarmos das palavras de Cristo, elas seriam de muito maior conforto para nós. Pela fé, participamos deste pão que desceu do céu, Cristo Senhor, quando cremos nele como nosso Salvador e Redentor.

16. Sob esta luz, lembro agora que essas palavras não devem ser mal interpretadas e feitas para se referir ao Sacramento do Altar; quem os interpreta violenta esse texto do evangelho. Não há uma carta nela que se refira à Ceia do Senhor. Por que Cristo aqui deve ter em mente esse Sacramento quando ainda não foi instituído? O capítulo inteiro do qual esse evangelho é retirado não fala de nada além do alimento espiritual, a saber, fé. Quando o povo seguiu o Senhor simplesmente esperando novamente comer e beber, como o próprio Senhor os encarrega de fazer, ele pegou a figura do alimento temporal que procuravam e falou durante todo o capítulo de um alimento espiritual. Ele diz: “As palavras que vos falei são espírito e são vida.” Deste modo, ele mostra que os alimenta com o objetivo de induzi-los a acreditar nele, e que, como eles participavam do alimento temporal, também deveriam participar do espiritual. Sobre esse assunto, falaremos mais em outro momento.

17. Agora, notemos aqui que o Senhor se aproxima de nós com tanto amor e graça, e nos oferece a si mesmo - sua carne e sangue - em palavras tão gentis que, por qualquer motivo, deve comover o coração a acreditar nele; acreditar que este pão, sua carne e sangue, nascido da Virgem Maria, foi dado porque ele teve que pagar a penalidade da morte e sofrer em nosso lugar os tormentos do inferno e, além disso, sofrer a culpa dos pecados que nunca comprometido, como se fossem dele. Isso ele fez de bom grado e nos recebeu como irmãos e irmãs. Se cremos nisso, fazemos a vontade do Pai celestial, que nada mais é do que crer no Filho. Cristo diz, imediatamente antes do nosso texto: “Esta é a vontade de meu Pai, que todo aquele que vê o Filho e crê nele, deve ter a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia ”(1 João 6: 40).

18. Agora é evidente que quem tem fé neste pão do céu - em Cristo, nesta carne e sangue, dos quais ele aqui fala que é dado a ele e que é dele - ele também o aceita como seu, e já fez a vontade de Deus e comeu este maná celestial; como diz Agostinho: O que você prepara para a sua boca? Apenas acredite, e você já comeu.

19. Todo o Novo Testamento trata dessa ceia espiritual, e especialmente João aqui. O Sacramento do Altar é um testamento e confirmação desta verdadeira ceia, com a qual devemos fortalecer nossa fé e ter certeza de que este corpo e este sangue que recebemos no Sacramento nos resgataram do pecado e da morte, do diabo, do inferno. e toda miséria. Sobre isso, eu falei e escrevi mais em outras ocasiões.

20. Qual é a prova pela qual alguém pode saber que este pão celestial é dele e que ele é convidado para uma ceia espiritual? Ele precisa apenas olhar para seu próprio coração. Se ele achar que está disposto a ser amolecido e aplaudido pelas promessas de Deus e estiver firme na convicção de que pode se apropriar deste pão da vida, então pode ter certeza de que é um dos convidados; pois como se acredita, assim é feito a ele. A partir daquele momento, ele ama o próximo e o ajuda como irmão; ele o resgata, dá a ele, empresta a ele e não faz nada por ele, a não ser o que ele gostaria que seu vizinho fizesse por si mesmo. Tudo isso é atribuído ao fato de que a bondade de Cristo para com ele fermentou seu coração com doçura e amor, para que ele tenha prazer e alegria em servir ao próximo; sim, ele está até na miséria se não tiver ninguém a quem mostrar bondade. Além de tudo isso, ele é gentil e humildemente disposto a todos; ele não aprecia muito as pompas transitórias do mundo; ele aceita todo mundo como ele é, não fala mal de ninguém, interpreta todas as coisas da melhor maneira possível, quando vê que as coisas não estão indo bem. Quando seus vizinhos têm falta de fé, amor e vida, ele ora por eles e sente muito quando alguém ofende a Deus ou a seu próximo. Para resumir tudo, com ele a raiz e a seiva são boas, pois ele é enxertado em uma videira rica e frutífera, em Cristo; portanto, tais frutos devem surgir.

21. Mas se alguém não tem fé e não é ensinado por Deus - se nunca come deste pão do céu - certamente nunca produz esses frutos. Pois onde tais frutos não são produzidos, certamente não há fé verdadeira. São Pedro nos ensina em 2 Pedro 1:10 que devemos assegurar nosso chamado para a salvação por boas obras; ali, ele está realmente falando das obras do amor, de servir o próximo e tratá-lo como sua própria carne e sangue. Isso é suficiente neste evangelho. Vamos orar pela graça de Deus.
~

Martinho Lutero

Assorted Sermons By Martin Luther (Sermões variados de Martinho Lutero).

Disponível em CCEL.
Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: