Sobre os sacramentos

Esta palavra "sacramento" agora comumente se refere às palavras e formas externas [Geberden] que Cristo instituiu como sinais para significar sua promessa e graça. Dizemos que existem dois sacramentos, batismo e participação no corpo e sangue de Cristo [Niessung des Leibs e Blutes Christi]. Para estas, existem palavras e formas que o próprio Cristo ordenou e anexou à promessa da graça para nos lembrar e atestar que a promessa da graça é dada e aplicada àqueles homens que usam esses sinais externos, conforme a doutrina divina nos instrui. .

Primeiro, devemos considerar por que, em cada caso, Deus anexou sinais externos à sua promessa, como devemos usá-los e como os cegos passam do uso correto para a idolatria.

Por muitas razões, desde o princípio Deus estabeleceu sinais externos apontando para a Sua Palavra. Adão, Abel, Sete e Noé sacrificaram cordeiros por revelação divina para significar o futuro Salvador a quem o próprio Deus sacrificaria pela humanidade. Deus prescreveu o sinal da circuncisão como um lembrete contínuo do sacrifício dos primeiros pais. O Filho de Deus, Jesus Cristo, ordenou que o batismo e sua Ceia fossem mantidos. Por que esses sinais externos foram instituídos? Responda:

O próprio Deus Todo-Poderoso graciosamente revelou que ele é o Deus e Criador de todas as criaturas; ele revelou como a humanidade foi criada para a vida eterna, sabedoria, retidão e alegria, como o homem caiu e como Deus quer reunir novamente para si uma Igreja eterna para a bênção eterna, pelo bem de seu Filho. Para esse fim, ele revelou sua promessa com testemunho claro e sinais estabelecidos, pois deseja que sua palavra seja abertamente conhecida e que sua Igreja seja reconhecida e distinta de todos os outros povos. Deus quer que sua palavra e Igreja na luz e abertamente sejam conhecidas, pois ele quer que os homens aceitem a graça e sejam salvos através da pregação do evangelho em sua Igreja, e de nenhuma outra maneira. Todos os que estão destinados à salvação devem tornar-se membros de sua verdadeira Igreja, como Paulo diz: "Aqueles a quem ele predestinou, ele também chama" [Romanos 8: 30].

Por essa razão, os sacramentos são sinais e promessas da graça divina, a aplicação e apropriação da graça, que é suportada nas promessas. Quem usa os sacramentos que o Senhor Cristo nos deu de tal maneira que ele começa a entender, deve conhecer a promessa, acreditar que ela e a graça são dadas não apenas a outros, mas a ele, para seu benefício, e que o uso dos sacramentos é um lembrete e um testemunho da vontade graciosa de Deus e da promessa da graça, e é uma promessa e aplicação a ele. Com essa fé, devemos usar os sacramentos. Assim Paulo ensina, Romanos 4: "Abraão não foi justificado pela circuncisão; mas a circuncisão era o selo da justificação"; isto é, Abraão ostentava esse sinal por ordem de Deus, como um lembrete, testemunho, penhor e aplicação da graça prometida por futuros descendentes.

Mas esse entendimento permite que os cegos passem a pensar que essas obras merecem perdão dos pecados e nos justificam diante de Deus. Os pagãos mantiveram os sacrifícios, e os árabes, egípcios e, atualmente, judeus e maometanos mantiveram a circuncisão, além de inventar mais idolatria. Assim, os papistas e monges usaram mal e perverteram os benefícios do corpo e do sangue de Cristo, tentando obter perdão dos pecados pelos mortos e vivos, e vendendo essa obra, enquanto os fariseus e os pagãos vendiam seus sacrifícios. Mais esses erros serão abordados mais tarde.

Os anabatistas também destroem o entendimento e o uso corretos, dizendo que os sacramentos são apenas sinais de boas obras; o batismo, eles não, significa que devemos sofrer muito, e a Ceia do Senhor significa que devemos ser bons amigos um do outro. Nessas discussões, eles não dizem nada sobre a promessa, fé e conforto. Contudo, a verdadeira doutrina nos direciona para a promessa e diz: "Use os sacramentos como sinais da graça divina para si mesmo e acredite que, por amor de Cristo, Deus é misericordioso com você, e ateste isso com o sacramento, como se ele lhe desse uma voz ou sinais especiais do céu, como deu a Gideão ou Ezequias."

Quanto ao número de sacramentos, é óbvio que o batismo e a Ceia do Senhor foram ordenados por Cristo. Portanto, é definitivamente a vontade de Deus que eles sejam mantidos na Igreja. Se sacramentos são as palavras e formas externas ordenadas por Deus, então esses são sacramentos.

Absolvição é uma palavra ordenada pelo Senhor Cristo nas seguintes palavras: "Quaisquer pecados que você perdoar serão perdoados" [cf. Mateus 16:19; João 20: 23]. Como a absolvição é uma aplicação da promessa a uma ou mais pessoas, muitos a chamam de sacramento. Quem não deseja chamá-lo assim, mas prefere chamá-lo de serviço da Igreja, ou as chaves, me satisfaz bem.

Os papistas discutem sobre confirmação e unção. Eles mesmos confessam que não são obras necessárias, de modo que as bênçãos que são ditas sobre o azeite são obviamente idolatria. Por esse motivo, não devemos hesitar em rejeitar a unção e não estar mais envolvido em opiniões falsas e blasfêmias. Além disso, a invocação de homens mortos está ligada a isso, que também é idólatra. Os apóstolos usavam bálsamo para os doentes, como remédio físico, e sem dúvida alguns profetas anteriores eram médicos e tinham donum sanationis, mas só podemos falsificá-lo com cerimônia morta.

A ordenação será discutida mais tarde; é uma testemunha pública e proclamação do chamado para o ofício de pregação, e o chamado pertence aos ofícios necessários da Igreja. Ou seja, quando a Igreja precisa de pastores, Deus ordenou que a Igreja, ou as pessoas importantes da Igreja, chamassem homens qualificados para esse ofício. Devemos examiná-los para determinar se são puros na doutrina e, posteriormente, devemos testemunhar publicamente o chamado e invocar Deus para a manutenção da Igreja. Devemos reconhecer esse grande dom de Deus e agradecer que o Senhor Cristo, através da pregação dessa pessoa que selecionamos, seja eficaz, pois Romanos 1: 16 diz: "O evangelho é o poder de Deus". É claro que o chamado e a ordenação do pregador são ofícios da Igreja, e que assim podem ser chamados. Mas os papistas chamam sua ordenação de sacramento e falam apenas de suas cerimônias, nas quais misturaram muitos erros; eles não dizem nada sobre o ofício de pregar, mas muito do sacrifício pelos mortos e vivos. Isso não está certo, como é dito a seguir. Da mesma forma, eles se apegam às obrigações de ordenação que não são corretas, à perseguição da verdadeira doutrina e à proibição do casamento. Por essas razões, é óbvio que não podemos buscar a ordenação pelos bispos papais, pois eles são perseguidores, como Paulo diz: "Se alguém está pregando um evangelho contrário, seja amaldiçoado" [Gálatas 1: 8].

Na verdadeira Igreja de Deus, reconheçamos que Deus proferiu o chamado, e seja muito diligente em auxiliar os estudos para que possamos ter pessoas qualificadas, procurar pessoas qualificadas e manter verdadeiramente os exames, instruções e visitas.

Que essas obras necessárias sejam seriamente ordenadas pelos governantes cristãos, se eles querem que Deus mitigue punições e dê um governo gracioso, pois Cristo declara em Mateus 10: 42,

"Quem der a um desses pequeninos até um copo de água fria, porque ele é discípulo, na verdade, eu lhe digo, ele não perderá sua recompensa."

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: