Sobre preceitos humanos na Igreja

Já discutimos muitas grandes coisas - verdadeiro conhecimento de Deus, perdão dos pecados, fé, a nova obediência que o Espírito Santo produz em nossos corações, na Igreja, nos sacramentos, na vida futura e no sofrimento nesta vida.

A sabedoria secreta que Deus revelou a sua Igreja por meio de sua palavra é muito diferente da sabedoria que vem da razão, como a que se encontra em filosofia, medicina e governo. E embora essa sabedoria da razão seja louvável, não devemos juntar os dois como os papistas, monges e anabatistas.

Existem vários tipos e costumes. Alguns são comandados por Deus, dos quais falamos em conexão com a lei divina. Alguns são para a autoridade mundana, para estabelecer e manter a paz ou a moral em geral, como ordem de um magistrado de que nenhuma arma seja carregada em uma cidade. Algumas são maneiras e regras externas relativas a dias e exercícios especiais, como o que um bispo pode pedir em uma igreja ou que um professor pode usar para regular os jovens, suas horas de reunião, horário de leitura e assim por diante.

Essas cerimônias humanas são de grau mais baixo nos costumes humanos. Embora sejam úteis em sentido externo à disciplina, ao ensino, à orientação e à introdução da virtude, devemos ter cuidado com o quanto os estimamos. As pessoas geralmente prosperam com essas regras externas e, por uma cegueira inata, criam grande santidade e mérito. Nesse erro, homens de toda a história do mundo fabricaram e acumularam cerimônias.

Os pagãos viram que, em um determinado momento e com um certo sinal, os primeiros pais sacrificaram um cordeiro ou um boi pequeno, e os que vieram depois começaram a trabalhar sem entender o porquê; eles imaginaram que o trabalho era um serviço pelo qual Deus é reconciliado, e que quanto mais caro o sacrifício, mais santo e mais meritório o trabalho. Por essa razão, grandes senhores costumavam massacrar e sacrificar inutilmente centenas de bois, e até homens, pensando que o sacrifício humano era mais nobre.

Com tais exemplos, o leitor cristão pode ponderar até que ponto a cegueira humana se desvia ao pensar que regras externas, inventadas pelos homens, são serviços e reconciliação divinos. Daí decorrem ainda mais erros, brigas e maior escuridão. Para evitar isso, devemos instruir cuidadosamente as pessoas sobre quais preceitos humanos devem ser mantidos na Igreja.

E este artigo não se preocupa com mandamentos relacionados a domínios mundanos, projetados especificamente para proteger a vida e a propriedade e manter um reino mundano; preocupa-se com as cerimônias da igreja, comandadas pelos bispos, estabelecidas pelos costumes e consideradas obras de santidade especial, como distinções sobre comida e roupas.

Embora os filósofos gritem e protestem que fizemos uma confusão nas leis humanas comuns, causamos desdém pela autoridade episcopal, provocamos a destruição de costumes dignos de louvor e criamos insolência e insatisfação, no entanto, todos os homens tementes a Deus devem saber e sustentar firmemente que a luz do evangelho, no qual Deus revelou seu próprio Filho Jesus Cristo para a salvação dos homens, deve ser considerado superior a todas as coisas humanas, autoridade episcopal ou paz.

Algumas pessoas abusaram insolentemente deste artigo, mas isso não é motivo para suprimir a verdade; devemos resgatar a verdade e refutar o uso indevido sobre o qual quero estabelecer três regras.

A primeira regra: se os bispos ou autoridades mundanas nos mandam fazer algo contrário ao mandamento de Deus, somos obrigados a considerar o mandamento divino mais alto e a não obedecer ao mandamento humano. Quando o rei da Babilônia ordenou que a imagem de ouro fosse adorada, todos os homens foram obrigados a evitar tal adoração e confessar a verdadeira fé [cf. Daniel 3]. Quando os sumos sacerdotes proibiram os apóstolos de pregar o evangelho, foram obrigados a desprezar essa proibição e a cumprir o ofício que Cristo lhes confiava. Atos 5: 29 nos dá esta regra em apenas algumas palavras: "É preciso obedecer a Deus em vez de aos homens".

Agora considere algumas leis episcopais que obrigam o pecado, como as ordens para manter a missa idólatra e invocar homens mortos. Na mesma categoria está a lei sobre o celibato, que proíbe padres de se casar. Na maioria das vezes, ele não pode sustentar sem pecado terrível, pois Deus criou os homens para ele frutificar. E São Paulo ordena: "Que cada um tome uma esposa para evitar a fornicação" [cf. 1 Coríntios 7: 29]. Todos devem saber, sejam padres ou leigos, que se descobrem que o casamento é necessário para eles, são obrigados a se casar, apesar da proibição papal.

Contudo, os tiranos que não desejam levar a ordem de Deus perseguem os inocentes e criam discórdia, e a culpa não é dos tementes a Deus que fazem uso da ordem de Deus. É reconfortante lembrar quando os filósofos mundanos reclamam que trouxemos discórdia através de nossas mudanças. Os tiranos que perseguem a verdade e a ordem divinas devem dar conta disso.

A segunda regra: algumas obras ordenadas são em si mesmas adiaphora, isto é, não essenciais [coisas indiferentes]; essas são as regras sobre não comer carne, vestir um vestido longo ou curto, e coisas semelhantes - se não forem ordenadas ou proibidas na palavra de Deus. Embora essas obras externas não sejam essenciais, os falsos professores sempre criam uma situação errônea, decretando-as em leis. Os papistas cometem sete desses erros.


Sete erros que os papistas adotam em suas leis

1. O primeiro erro é a afirmação de que merecemos perdão dos pecados com essas obras. Este é um absurdo farisaico bruto que confunde a doutrina da fé e da graça. Se pensarmos que merecemos o perdão dos pecados por meio de tais obras, roubamos ao Senhor Cristo sua glória. Quando a falsa confiança nessas miseráveis ​​obras resulta, ou dúvida, a verdadeira fé é apagada.

É por isso que São Paulo se esforça tanto para abolir a circuncisão e outras cerimônias dos judeus, para que a fé não seja apagada da Igreja: pois temos perdão dos pecados e somos justificados, ou recebidos por Deus, por amor a Deus. Cristo, por graça, não por nossos méritos ou pelos de outros. São Paulo nos lembra que devemos estar atentos para que, através dos preceitos dos homens, apague a verdadeira luz do evangelho. Não há dúvida de que esse erro farisaico deve ser repreendido com a maior seriedade.

2. O segundo erro que segue os preceitos humanos é mais sutil: alguns dizem muito bem que alguém se engana bruscamente se reivindicar nossas miseráveis ​​obras de uma honra como o perdão dos pecados, que pertence apenas ao Filho de Deus. Assim, porque os hipócritas, no entanto, querem que essas cerimônias sejam altamente estimadas, elas as embelezam dizendo que, embora não mereçam perdão pelos pecados, elas são um culto especial, ou serviço divino, porque Deus presta atenção neles e quer ser honrado por eles, e que, como uma honra especial, eles o agradam. Por exemplo: Embora a cerimônia nazarita de não beber vinho não mereça perdão dos pecados, é uma boa obra, agradável a Deus e uma honra especial a Deus. Esse embelezamento é um engano vergonhoso e grosseiro, que devemos ver para afastar as estratagemas astutas e sofismas do diabo.

Devemos nos esforçar contra isso, pois os hipócritas pensam que suas obras, que Deus não ordenou ou instituiu, são iguais às obras que na palavra de Deus foram instituídas por Moisés. As obras no judaísmo são serviços divinos, pois eles têm a palavra de Deus; mas as obras que são ordenadas apenas pelos preceitos dos homens são como obras pagãs que não têm a palavra de Deus. Portanto, eles não são serviços divinos.

Devemos considerar diligentemente a palavra de Deus, pois Deus não nos permitirá inventar nossos próprios serviços divinos sem a sua palavra. Os pagãos tiveram muitos belos costumes e exercícios, que eles consideravam sagrados serviços divinos; mas, por estarem iludidos e desejarem estabelecer suas próprias devoções sem a palavra de Deus, continuamente introduziram muitas obras sujas, sacrificaram cães, porcos, jumentos e homens, fizeram imagens. e adorou o priapus. Tal absurdo segue quando relaxamos a regra de que os serviços divinos são apenas aquelas obras que Deus ordenou. Essa regra é vista claramente em Mateus 15: 19: "Em vão eles me honram com os preceitos dos homens". E em Colossenses 2, São Paulo rejeita a santidade que nós mesmos inventamos e elegemos, como proibir alguns alimentos, não pelo bem do corpo, mas porque esse trabalho é considerado como uma especial santa honra de Deus.

3. O terceiro erro é que os hipócritas vão ainda mais longe e aperfeiçoam essas obras; eles se gabam da vida dos monges e de seu celibato imundo, e colocam essas hipocrisias inventadas acima dos chamados e obras que Deus ordenou.

4. O quarto erro é que eles fazem coisas essenciais de tudo isso e ensinam que é um pecado mortal, uma revolta contra a Igreja e o povo de Deus, não manter essas hipocrisias. Por essa mesma razão, esses preceitos devem ser repudiados. O reino de Cristo repousa em confissão e fé na palavra de Deus, uso correto dos sacramentos, boa consciência e atividade do Espírito Santo em nós; não é uma conformidade com as cerimônias humanas.

Isso é suficientemente demonstrado em Colossenses 2: 16, 20: "Portanto, ninguém vos julgue em questões de comida e bebida ou em relação a festivais, lua nova ou sábado... Se, com Cristo, você morreu para o mundo, por que você deveria novamente estar carregado de leis, como se ainda pertencesse ao mundo?"

5. O quinto erro decorre do exposto: judaizamos o cristianismo e obscurecemos o evangelho, a fé, a graça e o verdadeiro serviço divino de todos os modos. Os decretos papais se gabam abertamente de que, como o judaísmo tinha cerimônias, regras sobre alimentos e assim por diante, os bispos para a pregação do evangelho tinham que estabelecer novas cerimônias de santidade ainda maior.

Portanto, instituíram a proibição do casamento, o espetáculo da penitência, imagens, ídolos e todo tipo de outras hipocrisias prejudiciais, sob o pretexto de que os cristãos são os herdeiros do povo de Israel, e que os sacerdotes do sacerdócio levítico tinham sacrifícios e notas especiais para distingui-los de outros membros da Igreja. Este erro é repreendido nas cartas aos gálatas e hebreus. E deve-se notar que essa paixão e imitação absurda causou muitos danos.

6. O sexto erro é que os bispos atribuem a si mesmos um poder que eles não têm. Pois, se prevalece a opinião falsa e idólatra de que tais obras fabricadas pelos homens são uma grande santidade e serviço divino, então os bispos dominam; pois a eles pertence o direito de fazer leis, e eles procedem de acordo com a invenção de novos serviços divinos; a Missa sacrifica a adoração dos sacramentos, a adoração dos santos e a proibição do casamento; e eles ensinam que quem não os guarda é condenado eternamente, porque, dizem eles, Deus vinculou sua Igreja às leis episcopais, e somos obrigados a obedecê-las.

Que esse erro levou centenas de milhares de homens ao desespero e à ira eterna é fácil de entender, pois a proibição do casamento é tiranicamente lançada sobre os sacerdotes e se tornou uma fonte de pecado e dano eterno.

Há muitos outros itens pelos quais a consciência é violada porque as pessoas pensam que os bispos têm poder para impor tais mandamentos à Igreja, que a Igreja deve obedecê-los, e que o povo não é mais o povo de Deus se não obedecer a esses mandamentos.

7. O sétimo erro é que a divisão e a discórdia prejudiciais se seguem quando consideramos necessários esses mandamentos humanos. Antes, as igrejas se separavam e brigavam porque discordavam sobre uma data para a Páscoa. As igrejas grega e latina discutiram sobre o uso de pão fermentado ou sem fermento na Ceia do Senhor. Excessos papais anatematizou todos os que ensinavam confissões contrárias aos mandamentos papais. E assim por diante.

Pelo bem de todos ou de alguns desses sete erros, os preceitos dos homens são defendidos pelos hipócritas, como mostram seus livros antigos e novos. Embora alguns erros grosseiros sejam sutilmente embelezados e disfarçados, a noção de que essa obediência é necessária para fortalecer o poder injusto dos bispos está sempre presente...

Em geral, podemos concluir isso sobre cerimônias humanas. Embora não sejam essenciais, se pretendem manter ou fortalecer os erros acima mencionados, os pregadores são obrigados a expô-los. Eles não devem consentir em sobrecarregar a Igreja com falsos serviços divinos ou armadilhas da consciência.

Como esses mandamentos hipócritas são puníveis e inválidos, quem conhece melhor deve lembrar castamente os outros e erradicar as superstições agindo de maneira contrária a elas. Em Mateus, os apóstolos estavam certos em não manter o domínio dos fariseus sobre a lavagem das mãos.

Espiridão, o santo bispo de Chipre, fornece um bom exemplo. Durante um período de jejum, um convidado estrangeiro foi até ele. Não tendo feito nenhum preparo prévio e com pressa de alimentar o convidado, cansado e faminto, ordenou à filha que colocasse um pouco de carne em conserva na mesa. Vendo a carne, o convidado disse que não era costume dele comer carne naquele momento, pois ele era cristão. Ao que Espiridão respondeu, mais uma razão para ele comer a carne, porque os cristãos não são santificados ou pecaminosos pela distinção de alimentos.

Se nossos oponentes disserem que fazemos mudanças desnecessárias pela abolição de jejuns e cerimônias humanas semelhantes, lembre-se dessas duas passagens de São Paulo: Em Colossenses 2: 16, ele diz: "Ninguém te condene por comida e bebida"; e em 1 Timóteo 4: 1, ele chama a proibição de comida de uma doutrina do diabo. Existem tantos erros nessas questões que todos os homens razoáveis ​​são obrigados a lutar contra eles.

São Paulo nem guardava as cerimônias de Moisés, para que por seu exemplo ele pudesse desviar os outros do erro e obter uma compreensão do verdadeiro serviço divino. Ele não queria reforçar o erro. Hoje em dia, quando nossos oponentes dizem que é um grande pecado não manter os jejuns e cerimônias humanas semelhantes, eles apenas confirmam seus inúmeros erros.

Pygius [1]: escreve que é um pecado muito maior e mais assustador se casar do que cometer imoralidades contra o mandamento de Deus. Ele apresenta um grande show sobre como manter a obediência e a unidade na Igreja. Mas essa afirmação de Pygius não é uma afirmação anticristã, epicurista e prejudicial? No entanto, com esses pretextos hipócritas, nossos oponentes agora embelezam sua hipocrisia, tirania e imoralidade. Portanto, é sem dúvida correto falar, escrever e apontar exemplos de verdadeira confissão e doutrina. Mas com exemplos tão contrários, devemos dar instruções sobre fé em Cristo, verdadeiro serviço divino e liberdade nas cerimônias humanas.

A terceira regra: as duas regras relacionadas anteriores buscam combater o erro e instruir a consciência para que ela não seja aprisionada com armadilhas ou seduzida por falsos serviços divinos. No entanto, isso não significa que não haja ordem alguma, pois, em Coríntios 3, São Paulo diz que tudo na igreja deve ser feito com disciplina e boa ordem.

Nas escolas, há horários determinados para lições e exercícios, e desde o começo do mundo foram estabelecidos jejuns, lições, cerimônias e regras instituídas pelos homens e mantidas pelo povo de Deus, mas não contrárias ao mandamento divino. Por exemplo, quando uma bênção era proferida sobre alguém em ordenação ou outra coisa, eles colocavam as mãos em sua cabeça. Esse costume foi usado no tempo de Jacó e Moisés, e mais tarde pelos sacerdotes, Cristo e os apóstolos, e ainda é usado na ordenação.

A diferença entre seres humanos e bestas é que o homem tem razão e foi criado para viver em ordem. Deus deu a ele essa luz, ou capacidade de entender a ordem, e não devemos viver sem ordem, como animais selvagens. Não pode haver paz onde não há ordem. Por esse motivo, jejuns, domingos e outros feriados são estabelecidos para que as pessoas saibam em que horário devem se reunir. Devemos manter essas cerimônias na Igreja conforme são estabelecidas para a verdadeira doutrina e serviço divino, mas não como marcas de santidade ou obras necessárias. Os erros que mencionei acima devem ser suspensos, principalmente para manter a ordem. Exceto em caso de escândalo, não é pecado interromper essas cerimônias humanas. Mais tarde, direi como distinguir o escândalo.

Gerson [2] e outros discutiram muito sobre essas cerimônias e procuraram maneiras de ajudar a consciência; no entanto, nossa instrução é ao mesmo tempo reconfortante para a consciência e útil para uma boa ordem e paz. Enquanto sabemos que essas cerimônias não são marcas de santidade e não são necessárias, armadilhas da consciência não provêm desses preceitos.

No entanto, como se sabe que eles devem servir por boa ordem e que poderíamos evitar escândalos, especialmente na Igreja onde a verdadeira doutrina é exaltada, apenas os costumes mais excelentes e úteis devem ser mantidos. As pessoas modestas não gostam de dar um exemplo maligno; estão muito mais inclinadas a manter a boa ordem e a disciplina, especialmente no que diz respeito à Igreja, de modo que, na companhia pública, que Deus instituiu, podemos aprender sobre ele, invocá-lo, agradecê-lo e fazer todas as coisas bem.

As ordens em si lembram crianças e pessoas sem instrução das obras de Deus e de nosso Salvador Jesus Cristo. A história de Cristo é contada durante as férias: no inverno, observamos o nascimento de Cristo, pois ele nasceu por volta dessa época; na primavera, observamos as festas do sofrimento e ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo, pois nessa época as mesmas coisas ocorreram; e assim por diante.

Tais festivais pintam a história na mente do povo e são um lembrete eterno que aconselha o povo a aprender e diligentemente a ouvir as obras e doutrinas divinas, para que possam se voltar para Deus.

Consequentemente, todo pai cristão deve acostumar seus filhos a cerimônias úteis, ensiná-los a orar, ler ou falar um pedaço da doutrina cristã de manhã e à noite, e quando vão e voltam da mesa. Tais ordens, quando usadas corretamente, são exaltadas por São Paulo em Gálatas 3:24: "A lei era nossa custódia para instruir e nos levar a Cristo"; isto é, cerimônias e outras disciplinas foram dadas a nós para lembrança e restrição até que chegássemos ao verdadeiro conhecimento de Cristo.

Onde não há ordem, também não há disciplina, e então não podemos ensinar as pessoas. A partir disso, podemos entender como excluir os erros que mencionei e por que algumas cerimônias úteis devem ser mantidas em boa ordem.


Da morte do velho Adão e exercícios escolhidos

Nossos oponentes querem embelezar os preceitos dos homens e do monge com fervorosa pregação sobre paciência no sofrimento e sobre o verdadeiro terror na presença colérica de Deus. Esse sofrimento e terror que São Paulo chama de "morte do velho Adão". Em Romanos 12: 1, ele diz. "Apresente seu corpo como um sacrifício vivo." Segundo Coríntios 4: 10: "Carregamos no corpo a morte de Jesus!" Romanos 8: 13: "Se pelo Espírito você matar os atos do corpo, viverá".

Mas note que há uma grande distinção entre essa morte, da qual São Paulo fala, e os exercícios humanos escolhidos. A morte do velho Adão significa: Paciência no sofrimento, na aflição ou no terror fervoroso diante da ira de Deus contra o pecado. Essa paciência é comandada por Deus e é um serviço divino necessário para todos os verdadeiros cristãos. É muito mais agradável a Deus, como diz o Salmo 51: 17, 'o sacrifício aceitável a Deus é um espírito quebrado; um coração partido e contrito, ó Deus, não desprezarás."

Outros trabalhos também são comandados: moderação em comer e beber tornando-se obras; e freios para manter o corpo sob controle, para que não se torne lascivo. Pois é absolutamente certo que onde há vida fácil, ociosidade, banquetes e muita comida e bebida, ficamos loucos, esquecemos a invocação de Deus, buscamos prazeres sensuais e ficamos inflamados com desejos e luxúrias desordenados. Além disso, é óbvio que não oramos, estudamos ou ponderamos grandes coisas, ou perseveramos, quando raramente estamos sóbrios. Além disso, não podemos ter tempo para as coisas necessárias se o melhor e a maior parte de nossas horas se voltarem para a sensualidade.

As lesões que se seguem são numerosas demais para mencionar. Mas peço ao leitor por ele mesmo que pense sobre isso e depois considere os mandamentos sinceros de Cristo.

Lucas 21: 34: "Mas atenção, para que seus corações não sejam sobrecarregados com dissipação, embriaguez e cuidados com esta vida..." Mateus 17: 21: "O diabo não pode ser expulso senão por oração e jejum ...", isto é, oração sóbria e sincera. Além disso, em Efésios 6: 4, São Paulo diz: "Vocês, pais, criem seus filhos na disciplina e na instrução do Senhor". Devemos disciplinar os jovens a viver com dignidade, temperança e castidade, a esperar uma ocupação honrosa e a estar acostumados a aprender e orar.

Essas passagens são comandos referentes às obras necessárias, que devem ser continuadas por toda a vida.

É verdade, no entanto, que a ordem, a medida e o tempo são variáveis. À medida que o diretor da escola distribui lições e exercícios a seus alunos, todos devem ser livres para organizar exercícios para seus filhos, de acordo com a oportunidade. Essa repartição é chamada de exercício escolhido. Como a ordem de uma escola é uma boa obra - não é em si mesma uma marca de santidade ou serviço de Deus, mas por causa dos mandamentos gerais em que Deus mostra que deseja que a juventude seja instruída, o que não pode acontecer sem ordem - portanto, a ordem em sua casa é um bom trabalho, devido ao mandamento geral de ser moderado. O tempo particular em si não é uma marca de santidade ou serviço divino, como se gabam os monges em sua hipocrisia.

Quando São Paulo diz que castiga seu corpo e o mantém sob controle, isso significa que ele não dá motivos para pecar ou impedi-lo em seu ofício e oração [cf. 1 Coríntios 9: 27]. Este é um comando geral; o tempo e a maneira são definidos para cada um de acordo com a oportunidade.

Existem grandes diferenças entre as pessoas. Jovens e pessoas que vivem sem preocupações e angústias deveriam razoavelmente ter mais exercícios escolhidos para mantê-los disciplinados. E sempre houve e ainda há pessoas que agem como o burro; eles se deixam derrotar, mas não avançam mais rápido. Estes são os preguiçosos que buscam vidas fáceis, apesar do mandamento divino; eles se sobrecarregam com os exercícios ou trabalhos mais fáceis.

Por outro lado, há alguns que já têm muito cuidado e trabalho, que teriam mais se pudessem suportar isso.

Além disso, existem alguns que, no entanto, poderiam e querem manter alguns exercícios ordenados, pois são fortes e não muito sobrecarregados e têm medo de Deus. São Paulo nos lembra essa limitação: Não devemos fazer merecimentos de graça e serviço divino a partir de cerimônias selecionadas, e não devemos causar danos ao corpo. Pois também somos ordenados a dar a devida honra ao corpo; não deve ser sobrecarregado nem com gula, imoralidade e perigo arbitrário, nem com fome prejudicial e dificuldades exageradas e desnecessárias no trabalho. A vontade de Deus é que saibamos que vida, corpo e alma, saúde e mente são obras e dons divinos e sua imagem. Portanto, ele ordenou que o corpo não fosse morto ou desordenadamente e arbitrariamente destruído e desperdiçado.

Este é o significado de outra passagem em São Paulo, t Timóteo 4: 8: "Embora o treinamento corporal tenha algum valor; a piedade tem valor em todos os aspectos". Aqui ele faz uma distinção entre ordem comandada e ordem não comandada. As obras ordenadas são muito úteis, e ele as inclui na palavra "piedade", isto é, temor a Deus, penitência, crença verdadeira, invocação, paciência, castidade, temperança, verdade e diligência na vocação, para que possamos servir a glória de Deus. Essas virtudes são úteis para todos; nesta vida, Deus lhes retribui o aumento de dons espirituais, bons conselhos, conforto, pureza, sucesso vocacional, paz e nutrição e rica recompensa na vida eterna.

Por outro lado, o exercício físico tem algum valor. Mas este é um pequeno item que diz respeito a medidas e maneiras definidas, como os dias em que devemos comer não mais que uma vez. Devemos estimar essa limitação como muito menos do que as obras ordenadas, e não devemos fazer delas leis gerais. Cada um pode escolher por si mesmo sua oportunidade, horário e ordem.

E como São Paulo diz significativamente: "Eles têm algum valor", isto é, se os usarmos sem erro, sem hipocrisia e sem ferimentos no corpo, de modo que nem por excesso nem por desordem forneçamos motivos de imoralidade ou dificultemos a oração ou negócios necessários; então tal ordem não é punível; serve para alguma coisa; não que um certo costume seja um mérito ou uma marca de santidade, mas que a ordem em si seja necessária nesta vida.

Embora seja desejável que as pessoas vivam vidas em ordem, porque a natureza humana é criada para viver e porque a ordem contribui para o bom progresso da saúde nos negócios, para a contemplação da paz e a oração razoáveis, no entanto, muitas pessoas são tão bárbaras, especialmente na Alemanha, e nos entregamos a tanta comida, a tantas festas e a vários distúrbios dos quais se seguem tantas doenças e obstáculos, que devemos razoavelmente reclamar.

No entanto, não podemos reformar a desordem e a barbárie com as leis da igreja, pois imediatamente fazemos delas hipocrisia. Mas os pregadores entendidos devem cobrar do povo mandamentos divinos sobre temperança e outras virtudes, e assim educar educadamente os pais das famílias para manter uma ordem respeitável entre seus domésticos.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555


Notas:
[1] Albertus Pighius (1490-1542), teólogo católico holandês.
[2] Jean Charlier de Gerson (1363-1429), chamado de Doctor christianissimus, foi teólogo, erudito, educador, filósofo, pregador, reformador e poeta francês, além de chanceler da Universidade de Paris. Exerceu papel relevante no processo que culminou com a condenação à morte de Jan Hus e de Jerônimo de Praga.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: