Anton Wilhelm Amo


Anton Wilhelm Amo ou Anthony William Amo (Gana, 1703 - Gana, 1759) foi um filósofo cristão ganes.

Amo foi escravizado quando criança e trazido para Amsterdã pela Companhia das Índias Ocidentais Holandesa. De lá, ele foi "adotado" por Anton Ulrich de Brunswick e Lüneburg-Wolfenbüttel, que o "herdou" como servo de seu filho August Wilhelm. Em 1708 ele foi batizado como protestante na capela do castelo Salzdahlum em Wolfenbüttel, Alemanha, em nome de Anton Wilhelm Amo e confirmado em 1721. Seus padrinhos e homônimos eram o Duque Anton Ulrich e seu filho August Wilhelm.

Amo recebeu uma excelente educação na corte humanista de Braunschweig-Wolfenbüttel. De 1717 a 1721 frequentou a Academia Rudolph-Antoniana em Wolfenbüttel e de 1721 a 1727 a Universidade Protestante de Helmstedt. Além do alemão, aprendeu francês, grego, hebraico, holandês e latim.

A partir de 1727 estudou filosofia e direitona Universidade de Halle. Em 1729 ele escreveu sua primeira disputa na Europa sob o título De iure Maurorum (Sobre o Status Legal dos Mouros na Europa).

Em 1730 ele se matriculou na Faculdade de Filosofia da Universidade de Wittenberg e obteve um diploma acadêmico em filosofia e artes liberais. Em 1734 recebeu seu doutorado em Wittenberg com sua dissertação De humanae mentis apatheia (O Problema Corpo-Alma). De 1736 a 1738 lecionou nas Faculdades Filosóficas das Universidades de Halle e Wittenberg como professor particular. Em 1739, de acordo com um anúncio de palestra de sua caneta, ele lecionou na Universidade de Jena.

Desde 1740, Amo não estaria ocupado em Jena, nada se sabe sobre sua estadia posterior. Em 1747 ele deixou a Alemanha para Gana. O pano de fundo é provavelmente a morte de seus mentores e amigos, dificuldades profissionais, aumento do racismo e isolamento social: em 1731 seu mentor, o duque August Wilhelm, morreu, em 1743, seu amigo Johann Peter von Ludewig morreu. Uma proposta de casamento foi seguida em 1747 por uma campanha simulada, que culminou na publicação de poemas racistas zombando pelo professor de retórica de Halle, Johann Ernst Philippi. Amo então viveu primeiro em Axim (Gana) e mais tarde em Fort San Sebastian perto de Shama. Seu ano exato de morte não é conhecido; em sua nova lápide em frente ao Forte Shama está a data da morte como 1784.

Durante o estudo de Anton Wilhelm Amo, Halle foi um importante centro científico dentro do mundo de língua alemã, já que os primeiros representantes do Iluminismo Primitivo, bem como os pietistas estavam presentes lá. Assim, inúmeras disputas surgiram entre os chamados pietistas e racionalistas. Os pietistas foram influenciados, entre outras coisas, pelo conhecido teólogo e missionário August Hermann Francke. Eles estavam comprometidos com a renovação da tradição eclesial. Por outro lado, Christian Wolff posicionou-se como um dos primeiros representantes da iluminação precoce, argumentando com o conceito de razão e, por exemplo, enfatizando o alemão como uma língua filosófica em vez do latim.

Anton Wilhelm Amo também estudou nesse ambiente e, portanto, inevitavelmente se envolveu nessas discussões, contradizendo um posicionamento claro. Assim, mesmo no debate de hoje, ainda é altamente controverso se ele era um wolffiano ou não. Embora houvesse diferenças em relação à tradição wolffiana (Amo escreveu em latim, por exemplo), pode-se ver que ele estava muito mais próximo dela do que dos representantes pietistas. No entanto, ele contornou as linhas de frente e ativamente tentou se afirmar posicionando-se no campo. Em 1727 publicou sua primeira disputa chamada "De iure Maurorum in Europe". Trata-se do estatuto legal dos negros na Europa da época, que eram em grande parte sem lei. No entanto, este texto não pôde ser encontrado novamente. Durante seu tempo na Universidade de Hallens, ele foi significativamente apoiado pelo então chanceler Johann Peter von Ludewig.

Apesar de seu apoio, mudou-se para Wittenberg em 1730, cruzando a fronteira prussiana, o que lhe deu esperança de uma pesquisa mais livre e proteção dos pietistas. Em Wittenberg ele rapidamente obteve o mestrado acadêmico em filosofia e artes liberais. Isso permitiu que ele conduzisse seus próprios primeiros cursos. Com o tempo, ele mudou seu perfil científico para estudos médicos, apoiado pelo físico Marin Gotthelf Loescher, por exemplo. Com base nessas experiências, publicou sua dissertação sobre corpo e alma em 1734, um dualismo que na época era um importante conceito filosófico. A dissertação foi chamada de "De humanae mentis apatheia". Nele ele recorreu a filósofos como John Locke ou René Descartes. Ele postula uma forte separação entre corpo e alma. Assim, em sua opinião, a mente fica fora desse sofrimento do corpo, pelo qual tormento físico, coerção e tortura não podem fazer com que a mente sofra. Assim, a alma humana é separada de todo material e físico. Por outro lado, a mente pode se desdobrar livremente além do material, condições físicas e características do corpo (por exemplo, estigmas).

Fonte: Philomag, Wikipedia.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: