Cartas para Valentius e para os monges de Hadrumetum - I

Carta I

[214º das Epístolas de Agostinho]

Ao meu querido senhor e honrado irmão entre os membros de Cristo, Valentinus, e aos irmãos que estão com você, Agostinho envia saudações no Senhor.

1. Dois jovens, Crescônio e Felix, encontraram o seu caminho até nós e, apresentando-se como pertencentes à sua irmandade, disseram-nos que o vosso mosteiro foi perturbado com grande comoção, porque alguns entre vocês pregam a graça de maneira a negar que a vontade do homem é livre; e sustentar - um assunto mais sério - que no dia do julgamento Deus não retribuirá a cada homem de acordo com suas obras [Mateus 16. 17 e Romanos 2. 6]. Ao mesmo tempo, eles nos indicaram que muitos de vocês não acalentam esta opinião, mas permitem que o livre arbítrio seja assistido pela graça de Deus, para que possamos pensar e agir corretamente; para que, quando o Senhor vier para retribuir a cada homem segundo as suas obras [Mateus 16. 17 e Romanos 2. 6], Ele achará boas as nossas obras que Deus preparou para que possamos andar nelas [Efésios 2. 10]. Os que pensam assim pensam corretamente.

2. “Rogo-vos, pois, irmãos”, assim como o apóstolo rogou aos coríntios, “pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos o mesmo, e que não haja divisões entre vós”. Pois, em primeiro lugar, o Senhor Jesus, como está escrito no Evangelho do Apóstolo João, “não veio para condenar o mundo, mas para que por si mesmo o mundo fosse salvo” [João 3. 17]. Então, depois, como o apóstolo Paulo escreve: “Deus julgará o mundo [Romanos 3. 6] quando Ele vier”, como toda a Igreja confessa no Credo, “para julgar os vivos e os mortos”. Agora, eu perguntaria, se não há graça de Deus, como Ele salva o mundo? E se não há livre arbítrio, como Ele julga o mundo? Aquele livro meu, portanto, ou epístola, que os acima irmãos mencionados trouxeram com eles para você, eu desejo que você entenda de acordo com esta fé, para que você não possa negar a graça de Deus, nem defender o livre arbítrio de forma a separar este último da graça de Deus, como se sem isso nós poderíamos por qualquer meio pensar ou fazer qualquer coisa de acordo com Deus, — que está muito além de nosso poder. Por isso, de fato, é que o Senhor, ao falar dos frutos da justiça, disse: “Sem mim, vocês podem fazer nada ”[João 15. 5].

3. Disto você pode entender por que escrevi a carta que foi referida, [Epístola 194] a Xisto, presbítero da Igreja de Roma, contra os novos hereges pelagianos, que dizem que a graça de Deus é concedida de acordo com nossos próprios méritos, para que aquele que se gloria não se glorie no Senhor, mas em si mesmo, isto é, no homem, não no Senhor. Isso, entretanto, o apóstolo proíbe com estas palavras: “Ninguém se glorie no homem” [1 Coríntios 3. 21]; enquanto em outra passagem ele diz: “Aquele que se glorifica, glorie-se no Senhor” [1 Coríntios 1. 31, e 2 Coríntios 10. 17]. Mas esses hereges, sob a ideia de que eles são justificados por si próprios, como se Deus não tivesse concedido a eles esse dom, mas eles mesmos o obtivessem por si mesmos, glória, é claro, em si mesmos, e não no Senhor. Agora, o apóstolo diz a tais: “Quem te diferencia de outro?” [1 Coríntios 4. 7] e isso ele faz com base no fato de que, da massa de perdição que surgiu de Adão, ninguém, exceto Deus, distingue um homem para torná-lo um vaso para honra, e não desonra [Romanos 9. 21]. Para que, no entanto, o homem carnal em seu orgulho tolo, ao ouvir a pergunta: "Quem te faz diferir de outro?" seja em pensamento ou em palavras, responda e diga: Minha fé, ou minha oração, ou minha justiça me faz diferir de outros homens, o apóstolo imediatamente adiciona essas palavras à pergunta, e assim encontra todas essas noções, dizendo: “O que tens tu que não recebeste? Agora, se o recebestes, por que te glorias, como se não o recebestes?” [1 Coríntios 4. 7]. Agora, eles se vangloriam como se não tivessem recebido seus dons pela graça, que pensam que são justificados por si mesmos, e que, por isso, se gloriam em si mesmos e não no Senhor.

4. Portanto, eu tenho nesta carta, que chegou até você, mostrado por passagens da Sagrada Escritura, que você pode examinar por si mesmo, que nossas boas obras e orações piedosas e fé correta não poderiam estar em nós a menos que as tivéssemos recebido tudo Dele, a respeito de quem o Apóstolo Tiago diz: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes” [Tiago 1: 17]. E assim nenhum homem pode dizer que é pelo mérito de suas próprias obras, ou pelo mérito de suas próprias orações, ou pelo mérito de sua própria fé, que a graça de Deus foi conferida a ele; nem suponha que seja verdadeira a doutrina que aqueles hereges sustentam, que a graça de Deus nos é dada na proporção de nosso próprio mérito. Esta é uma opinião totalmente errônea; não, de fato, porque não há deserto, bem nas pessoas piedosas, ou mal nas ímpias (pois de que outra forma Deus julgará o mundo?) [Romanos 3. 6], mas porque um homem é convertido pela misericórdia e graça de Deus, da qual o salmista diz: “Quanto ao meu Deus, a sua misericórdia me impedirá” [Salmo 59. 10]; para que o homem injusto seja justificado, ou seja, tornar-se justo em vez de ímpio, e passar a possuir aquele bom deserto que Deus irá coroar quando o mundo for julgado.

5. Há muitas coisas que eu queria enviar a você, pela leitura do qual você teria sido capaz de obter um conhecimento mais exato e completo de tudo o que foi feito pelos bispos em seus concílios contra esses hereges pelagianos. Mas foram com pressa os irmãos que vieram de sua companhia até nós. Por eles enviamos esta carta; o que, no entanto, não é uma resposta a qualquer comunicação, porque, na verdade, eles não nos trouxeram nenhuma epístola de seus seres amados. Mesmo assim, não hesitamos em recebê-los; pois suas maneiras simples nos provaram com bastante clareza que nada poderia ter havido irreal ou enganoso em sua visita. Eles estavam, entretanto, com muita pressa, como desejosos de passar a Páscoa em casa com você; e minha oração sincera é que um dia tão sagrado possa, com a ajuda do Senhor, trazer paz para você, e não dissensão.

6. Você irá, de fato, tomar o melhor caminho (como eu lhe peço sinceramente), se você não se recusar a enviar para mim a mesma pessoa por quem eles dizem que foram perturbados. Pois ou ele não entende meu livro, ou então, talvez, ele mesmo é mal compreendido, quando se esforça para resolver e explicar uma questão que é muito difícil e inteligível para poucos. Pois nada mais é do que a questão da graça de Deus que fez com que pessoas sem entendimento pensassem que o apóstolo Paulo nos prescreveu como regra: “Façamos o mal para que venha o bem” [Romanos 3. 8]. É em referência a estes que o apóstolo Pedro escreve em sua segunda epístola; “Portanto, amados, vendo que procurais tais coisas, sede diligentes para que sejais achados por Ele em paz, sem mancha e irrepreensível, e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; assim como também nosso amado irmão Paulo, segundo a sabedoria que lhe foi dada, vos escreveu; como também em todas as suas epístolas, nelas falando sobre estas coisas: nas quais há algumas coisas difíceis de serem compreendidas, que os indoutos e instáveis ​​torcem, como também o fazem as outras Escrituras, para sua própria destruição” [2 Pedro 3. 14–16].

7. Preste atenção, então, a estas palavras terríveis do grande apóstolo; e quando você sentir que não entende, coloque sua fé entretanto na palavra inspirada de Deus, e acredite que a vontade do homem é livre, e que há também a graça de Deus, sem cuja ajuda o livre arbítrio do homem não pode ser mudado para com Deus, nem progredir em Deus. E o que você piamente acredita, que ore para que você possa ter um entendimento sábio. E, de fato, é exatamente para esse propósito - isto é, para que possamos ter um entendimento sábio de que existe um livre arbítrio. Pois, a menos que entendêssemos e fôssemos sábios de livre vontade, não nos seria ordenado nas palavras das Escrituras: “Compreende agora, vós simples entre o povo; e vós, tolos, finalmente sede sábios” [Salmo 94. 8]. O próprio preceito e injunção que nos convida a ser inteligentes e sábios, requer também nossa obediência; e não poderíamos exercer obediência sem livre arbítrio. Mas se estivéssemos em nosso poder obedecer a este preceito ser compreensivo e sábio por livre arbítrio, sem a ajuda da graça de Deus, seria desnecessário dizer a Deus: “Dá-me entendimento para que aprenda os Teus mandamentos” [Salmo 119. 73]; nem estaria escrito no evangelho: “Então lhes abriu o entendimento, para que entendessem as Escrituras” [Lucas 24. 45]; nem deveria o apóstolo Tiago dirigir-se a nós em palavras como: “Se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-o Deus, que dá liberalmente a todos os homens e não censura; e ser-lhe-á dado” [Tiago 1. 5]. Mas o Senhor pode conceder, tanto a você como a nós, que nos alegremos com as tão rápidas novas de sua paz e piedosa unanimidade. Envio-te uma saudação, não apenas em meu nome, mas também dos irmãos que estão comigo; e peço-lhe que ore por nós com unanimidade e com todo o fervor. Que o Senhor esteja com você.

~

Santo Agostinho

Graça e liberdade.

Disponível em CCEL.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: