O que é declarado sobre Cristo nos é proveitoso pela ação do Espírito

O que é declarado a respeito de Cristo nos rendeu proveito pela operação secreta do Espírito.


1. Devemos agora examinar como obtemos o gozo daquelas bênçãos que o Pai conferiu ao seu Filho unigênito, não para seu uso particular, mas para enriquecer os pobres e necessitados. E, primeiro, deve-se observar que, enquanto houver uma separação entre Cristo e nós, tudo o que ele sofreu e realizou para a salvação da humanidade é inútil e sem serventia para nós. Para nos comunicar o que recebeu de seu Pai, ele deve, portanto, tornar-se nosso e habitar em nós. Por esse motivo, ele é chamado de "Cabeça" [1] e "o primogênito entre muitos irmãos" [2] e, por outro lado, dizemos que somos "enxertados nele" [3] e “revestidos dele”; [4] pois, como observei, tudo o que ele possui não é nada para nós, até que estejamos unidos a ele. Mas, embora seja verdade que obtemos isso pela fé, ainda assim, visto que a comunicação de Cristo, oferecida no evangelho, não é promiscuamente adotada por todos, a própria razão nos ensina a seguir adiante e a investigar a energia secreta do Espírito, pelo qual somos apresentados ao gozo de Cristo e a todos os seus benefícios. Eu já tratei da divindade eterna e da essência do Espírito; nos confinemos agora a este ponto em particular: Cristo veio assim por água e sangue, para que o Espírito testificasse a seu respeito, para que a salvação obtida por ele não se perdesse para nós. Pois, como “há três que testificam no céu, o Pai, a Palavra e o Espírito”, assim também “existem três na terra, o espírito, a água e o sangue”. [5] Tampouco é uma repetição inútil do testemunho do Espírito, que percebemos gravado como um selo em nossos corações, de modo que sela a ablução e o sacrifício de Cristo. Por essa razão, Pedro também diz que os crentes são "eleitos pela santificação do Espírito para obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo". [6] Esta passagem nos sugere que nossas almas são purificadas pela ablução secreta do Espírito, para que a efusão desse sangue sagrado não seja em vão. Pela mesma razão, Paulo, ao falar de purificação e justificação, diz que desfrutamos "em nome do Senhor Jesus e pelo Espírito de nosso Deus". [7] A soma de tudo é isso - que o Santo Espírito é o vínculo pelo qual Cristo nos une eficazmente a si mesmo. E o que avançamos no último livro sobre sua unção, tende a estabelecer a mesma verdade.

II. Mas, como uma confirmação adicional desse ponto, que é altamente digno de ser entendido, devemos lembrar que Cristo foi dotado do Espírito Santo de uma maneira peculiar; para nos separar do mundo e nos introduzir na esperança de uma herança eterna. Por isso, o Espírito é chamado de "o espírito da santidade"; [8] não apenas porque ele nos anima e nos apóia por esse poder geral que é exibido na humanidade e em todas as outras criaturas, mas porque ele é a semente e a raiz de uma vida celestial dentro de nós. O tópico principal, portanto, adotado pelos profetas na celebração do reino de Cristo, é que haveria então uma efusão mais exuberante do Espírito. A passagem mais notável é a de Joel: “Derramarei meu Espírito sobre toda a carne naqueles dias.” [9] Pois, embora o profeta pareça restringir os dons do Espírito ao exercício da função profética, ele ainda significa, de maneira figurada, que Deus, pela iluminação de seu Espírito, fará daqueles seus discípulos, que antes eram totalmente estranhos à doutrina celestial. Além disso, como Deus Pai nos dá seu Espírito Santo por causa de seu Filho, e ainda assim depositou "toda a plenitude" com seu Filho, para que ele possa ser o ministro e dispensador de sua própria bondade - o Espírito Santo às vezes é chamado o Espírito do Pai, e às vezes o Espírito do Filho. “Vós (diz Paulo) não estão na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em você. Agora, se alguém não tem o Espírito de Cristo, ele não é dele. [10] E daí ele inspira uma esperança de completa renovação, pois “aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também deve vivificar seus corpos mortais, seu Espírito que habita em você.” [11] Porque não há absurdo em atribuir ao Pai o louvor de seus próprios dons, dos quais ele é o autor; e também atribuindo a mesma glória a Cristo, com quem os dons do Espírito são depositados, a serem dados ao seu povo. Portanto, ele convida todos os que têm sede a vir até ele e beber. [12] E Paulo nos ensina que "a cada um de nós é dada graça de acordo com a medida do dom de Cristo". [13] E deve ser observado que ele é chamado o Espírito de Cristo, não apenas porque a eterna Palavra de Deus está unida com o mesmo Espírito que o Pai, mas também com respeito ao seu caráter de Mediador; pois, se ele não tivesse sido dotado desse poder, seu advento para nós teria sido totalmente em vão. Nesse sentido, ele é chamado de "o segundo Adão, o Senhor do céu, um Espírito vivificante"; [14] onde Paulo compara a vida peculiar com a qual o Filho de Deus inspira seu povo, para que sejam um com ele, com a vida animal que é igualmente comum aos réprobos. Assim, onde ele deseja aos fiéis "a graça de Cristo e o amor de Deus", ele acrescenta também "a comunhão do Espírito" [15], sem a qual não pode haver gozo do favor paterno de Deus, ou a beneficência de Cristo. Como ele também diz em outro lugar, "o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo, que é dado a nós". [16]

III. E aqui será apropriado observar os títulos pelos quais as Escrituras distinguem o Espírito, onde trata do começo, progresso e conclusão de nossa salvação. Primeiro, ele é chamado de "Espírito de adoção", [17] porque nos testemunha a benevolência gratuita de Deus, com a qual Deus Pai nos abraçou em seu amado e unigênito Filho, para que ele possa ser um pai para nós. ; e nos anima a orar com confiança, e até dita expressões, para que possamos gritar corajosamente: "Abba, pai". Pelo mesmo motivo, diz-se que ele é "o sincero" e o "selo" de nossa herança; porque, enquanto somos peregrinos e estrangeiros no mundo, e como pessoas mortas, ele infunde em nós tal vida do céu, que estamos certos de que nossa salvação será assegurada pela fidelidade e cuidado divinos. [18] De onde também é dito que ele é "vida", por causa da justiça. [19] Visto que por seus regadores secretos ele nos torna férteis na produção dos frutos da justiça, ele é frequentemente chamado de “água”, como em Isaías: “Ora, todo aquele que tem sede, venha para as águas.” [20] : “Derramei água sobre quem tem sede e inundação sobre a terra seca.” [21] À qual corresponde o convite de Cristo, apenas citado: “Se alguém tem sede, venha a mim.” [22] Às vezes, porém, recebe essa denominação de sua energia purificadora e purificadora; como em Ezequiel, onde o Senhor promete borrifar água limpa em seu povo, para purificá-lo de suas impurezas. [23] Porque ele restaura a vida e o vigor, e apóia continuamente aqueles a quem ungiu com o óleo de sua uva, daí obtém o nome de "unção". [24] Porque ele consome diariamente os vícios de nossa concupiscência, e inflama nossos corações com o amor de Deus e a busca da piedade - a partir desses efeitos, ele é justamente chamado de “fogo”. [25] Por fim, ele nos é descrito como uma “fonte”, de onde recebemos toda a emanação de riquezas celestes; e como "a mão de Deus", pela qual ele exerce seu poder; porque pelo sopro de seu poder ele nos inspira com a vida divina, de modo que agora não somos mais atuados por nós mesmos, mas dirigidos por sua ação e influência; de modo que, se houver algum bem em nós, é fruto de sua graça, enquanto nossos personagens sem ele são trevas de mente e perversidade de coração. De fato, já foi claramente afirmado que, até que nossas mentes estejam fixas no Espírito, Cristo permanece sem valor para nós; porque o vemos como um objeto de especulação fria sem nós e, portanto, a uma grande distância de nós. Mas sabemos que ele não beneficia senão aqueles que o têm como "cabeça" e "irmão mais velho" e que o "vestiram". [26] Somente essa união torna seu advento no caráter de um Salvador disponível para nós. . Aprendemos a mesma verdade com esse casamento sagrado, pelo qual somos feitos carne de sua carne e osso de seu osso e, portanto, um com ele. [27] É somente pelo seu Espírito que ele se une a nós; e pela graça e poder do mesmo Espírito somos feitos seus membros; para que ele possa nos manter debaixo de si mesmo, e possamos desfrutar dele mutuamente.

IV. Mas a fé, sendo sua principal obra, é o objeto principalmente mencionado nas expressões mais frequentes de seu poder e operação; porque é o único meio pelo qual ele nos leva à luz do evangelho; de acordo com a declaração de João, que “Cristo deu poder (ou privilégio) para se tornar filho de Deus para os que creram em seu nome; que nasceram, não de sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus; ” [28] onde, opondo Deus à carne e ao sangue, ele afirma a recepção de Cristo pela fé, por aqueles que de outra forma permaneceriam incrédulos, para serem um presente sobrenatural. É semelhante à resposta de Cristo: “A carne e o sangue não te revelaram, mas meu Pai, que está no céu;” [29], que agora apenas menciono, porque já o tratei em geral. Semelhante também é a afirmação de Paulo, de que os efésios "foram selados com o Espírito Santo da promessa". [30] Pois isso mostra que existe um professor eterno, por cuja agência a promessa de salvação, que de outra forma só atingia a Igreja. o ar, ou no máximo nossos ouvidos, penetra em nossas mentes. Semelhante também é sua observação, de que os tessalonicenses foram "escolhidos por Deus através da santificação do Espírito e da crença na verdade"; [31] por qual conexão, ele sugere brevemente, que a própria fé procede somente do Espírito. João expressa isso em termos mais claros: “Sabemos que ele permanece em nós, pelo Espírito que ele nos deu.” [32] Novamente: “Nisto conhecemos que habitamos nele, e ele em nós, porque ele nos deu. nós do seu Espírito.” [33] Portanto, Cristo prometeu enviar a seus discípulos“ o Espírito da verdade, a quem o mundo não pode receber”, [34] para que eles sejam capazes de alcançar a sabedoria celestial. Ele atribui a ele o cargo peculiar de sugerir à mente deles todas as instruções orais que ele lhes dera. Pois em vão a luz se apresentaria aos cegos, a menos que esse Espírito de entendimento abrisse seus olhos mentais; para que ele possa ser justamente chamado a chave com a qual os tesouros do reino dos céus são desbloqueados para nós; e sua iluminação constitui nossos olhos mentais para contemplá-los. É, portanto, que Paulo elogia muito o ministério do Espírito; [35] porque as instruções dos pregadores não produziriam nenhum benefício, não o próprio Cristo, o professor interno, por seu Espírito, atraiu para ele aqueles que lhe foram dados pelo Pai. [36] Portanto, como afirmamos, que a pessoa de Cristo encontra salvação completa, para que nos faça participantes dela, ele "nos batiza com o Espírito Santo e com fogo" [37], iluminando-nos a fé em seu Evangelho, regenerando-nos para que nos tornemos novas criaturas e, expurgando-nos de impurezas profanas, nos consagra como templos sagrados a Deus.

~

João Calvino

Institutas da Religião Cristã. Livro III. Sobre a maneira de receber a graça de Cristo, os benefícios que dela derivamos e os efeitos que a seguem.

Disponível em Gutenberg.

Notas:
[1] Efésios 4. 15.
[2] Romanos 8. 29.
[3] Romanos 11. 17.
[4] Gálatas 3. 27.
[5] 1 João 5. 7, 8.
[6] 1 Pedro 1. 2.
[7] 1 Coríntios 6. 11.
[8] Romanos 1. 4.
[9] Joel 2. 28.
[10] Romanos 8. 9.
[11] Romanos 8. 11.
[12] João 7. 37.
[13] Efésios 4. 7.
[14] 1 Coríntios 15. 45.
[15] 2 Coríntios 13. 14.
[16] Romanos 5. 5.
[17] Romanos 8. 15.
[18] 2 Coríntios 1. 22. Efésios 1. 13, 14.
[19] Romanos 8. 10.
[20] Isaías 55. 1.
[21] Isaías 44. 3.
[22] João 7. 37; 4. 14.
[23] Ezequiel 36. 25.
[24] 1 João 2. 20.
[25] Lucas 3. 16.
[26] Efésios 4. 15. Romanos 8. 29. Gálatas 3. 27.
[27] Efésios 5. 30.
[28] João 1. 12, 13.
[29] Mateus 16. 17.
[30] Efésios 1. 13.
[31] 2 Tessalonicenses 2. 13.
[32] 1 João 3. 24.
[33] 1 João 4. 13.
[34] João 14. 17.
[35] 2 Coríntios 3. 6.
[36] João 6. 44.
[37] Lucas 3. 16.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: