Sobre o abuso múltiplo da fala

1. E agora, como os desígnios originais da fala são tão nobres, tão vantajosos, alguém poderia concluir que nenhuma criatura racional seria tentada a pervertê-los, pois é certo que ele não pode substituí-los por nenhum deles, que pode igualmente conduzir, para sua honra ou interesse.

2. No entanto, a experiência (esse grande desconcertante especulação) nos assegura que a coisa é muito possível e traz em todas as épocas fatos de fato para refutar nossas suposições. Tão sujeito, infelizmente, é o discurso a ser depravado, que as Escrituras o descrevem como a força de toda a nossa outra depravação. O pecado original veio primeiro da boca falando, antes de entrar comendo. O primeiro uso que achamos que Eva fez da sua língua foi entrar em disputa com o tentador e, a partir disso, tornar-se tentador para o marido. E imediatamente após a queda, o culpado Adão enquadra sua língua em uma desculpa frívola, que era muito menos capaz de cobrir seu pecado do que o figo deixa sua nudez. E, como na infância do primeiro mundo, a língua havia lambido o veneno da velha serpente, assim também o Dilúvio não pôde lavá-la no segundo. Mal a pequena colônia (com a qual a terra despovoada deveria ser replantada) saiu da Arca, mas nos encontramos com Cam, um detrator de seu próprio pai, convidando seus irmãos para aquele espetáculo execrável da nudez de seus pais.

3. Tampouco isso só corria no sangue daquela pessoa amaldiçoada; a semente santa não estava totalmente livre de sua infecção, nem os próprios patriarcas estavam isentos. Abraão usou um conluio repetido no caso de sua esposa e expôs sua própria integridade para preservar a castidade dela. Isaque, o herdeiro de sua bênção, também era filho de sua enfermidade e atuou na mesma cena por conta de Rebeca. Jacó obteve a bênção de seu pai com uma mentira. Simeão e Levi falaram não apenas falsamente, mas insidiosamente, ou melhor, hipocritamente, abusando de uma só vez seus prosélitos e sua religião, por afetar seus desígnios cruéis aos siquemitas [1]. Moisés, apesar de um homem de mansidão sem paralelo, ainda falou imprudentemente com os lábios, Salmo 106. 33. Davi fez um voto sangrento contra Nabal, falou palavras mais suaves que o óleo a Urias, quando ele lhe causou uma lesão e o designou outra. Havia infinito para considerar essas várias instâncias que o Antigo Testamento nos dá esses lapsos da língua: nenhum deles quer que haja mergulhadores no Novo; Embora exista um tanto horror, como substitui o nome mais, quero dizer que São Pedro, em sua reiteração, abjura seu Senhor, um crime que (abstraído da intenção) parece pior do que o de Judas: aquele traidor era seu relação, gritou Mestre, Mestre, mesmo quando o traiu, de modo que, se tivesse sido medido apenas pela língua, ele poderia ter passado pelo melhor discípulo.

4. Esses são exemplos tristes, não registrados para praticar o pecado, mas para estimular nossa cautela. Foi uma inferência política dos anciãos de Israel no caso de Jeú. Eis que dois reis não estavam diante dele, como então permaneceremos? 2 Reis 10. E podemos aplicá-lo a isso: se pessoas de uma piedade tão circunspecta foram superadas, que segurança pode haver para nossa miserável obstinação? Se aqueles que mantiveram suas bocas, por assim dizer, com freio, o Salmo 39. nem sempre puderam preservar sua inocência, a que culpa as nossas línguas licenciosas e irrestritas não podem nos apressar? Aqueles que, como o salmista fala no Salmo 73. 9. percorrem o mundo, estão nessa faixa ilimitada e muito provavelmente se encontrarão com quem anda na mesma rodada. Jó 2. 2. e por ele ser afinado e ajustado à sua chave, ser ferrado e arrancado de seu uso apropriado, e tornar-se subserviente aos seus desígnios mais vis.

5. E Deus seria apenas uma suposição provável! Mas, infelizmente, a experiência suplanta o uso de conjecturas nesse ponto: não apenas presumimos que seja assim, mas realmente achamos que é; pois em meio à depravação universal de nossas faculdades, não há nada mais notório do que o da fala. Para onde nos voltaremos a encontrá-lo em sua integridade primitiva? Em meio à infinidade de palavras em que exaurimos o fôlego, quantas são as que correspondem à designação original da fala, ou seja, que não a contradizem? Para que propósitos profanos e sem caridade essa faculdade útil é pervertida? Aquilo que deveria servir como perfume do tabernáculo, enviar os incensos de louvor e orações, agora exala em vapores ímpios, eclipsar, se possível, o Pai da luz. Aquilo que deveria ser o depósito de alívio e refresco para nossos irmãos, tornou-se uma revista de todas as armas ofensivas contra eles, lanças e flechas e espadas afiadas, como o salmista costuma dizer. Não caímos apenas pelo escorregadio de nossas línguas, mas deliberadamente as disciplinamos e as treinamos para o mal. Nós dobramos nossas línguas como nossos arcos por mentiras. Como o Profeta fala em Jeremias 9: E, em uma palavra, o que Deus afirmou do mundo antigo em relação aos pensamentos é aplicável demais às nossas palavras, elas são más e continuamente, Gênesis 6. 5: e aquilo que se destinava pois o instrumento, a ajuda da sociedade humana, tornou-se o perturbador, a peste dele.

6. Não tentarei discutir em particular todos os vícios da língua: de fato, passa toda a Geografia para desenhar um mapa exato desse mundo de iniquidade, como São Tiago o chama. Vou traçar apenas as linhas maiores e distribuí-la em suas partes principais e mais eminentes, que são distinguíveis em relação a Deus, nosso vizinho e nossos eu's: em cada uma das quais prefiro fazer um ensaio a título de exemplo, do que tentar enumeração ou pesquisa exata.

~

Richard Allestree

Government of the Tongue (Governo da língua).

Disponível em CCEL.

Notas:
[1] - Relativo a Siquém, que era um cidade cananeia mencionada como cartas de Amarna e mencionada na Bíblia Hebraica como a primeira capital do Reino de Israel.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: