Sobre suportar tribulação e a cruz

Eu disse que a Igreja nesta vida deve sofrer perseguição e carregar a cruz, mas vamos dar uma olhada. Devemos ensinar e pregar diligentemente sobre isso na Igreja, para que os cristãos em tribulação, tentação e angústia possam ter conforto. Em relação a esse conforto dos cristãos, precisamos saber quatro coisas.

Primeiro, é altamente necessário que os corações angustiados sejam tranquilizados de que as tribulações não estão sem o conselho e a permissão de Deus. Os pagãos e os epicuristas pensam que Deus não tem nada a ver com coisas que só acontecem de acordo com a lei natural, ou por fortuna cega sem a presciência de Deus. Pelo contrário, devemos saber que Deus contempla os sofrimentos de sua Igreja; ele determina em si mesmo por que eles são ordenados e até que ponto eles devem prevalecer, como pode ser visto na história de Jó.

Em Lamentações 3: 37 e seguintes, Jeremias diz: "Quem mandou e aconteceu, a menos que o Senhor o tenha ordenado? Não é da boca do Altíssimo que o bem e o mal vêm? Por que um homem vivo se queixa?".

A isto pertencem todas as passagens sobre a previsão de Deus. Mateus 10: 17: "Nenhum pardal cai no chão sem a vontade de seu pai." Ato, 17: 28: "Nele vivemos, nos movemos e existimos". Salmo 100: 3: "Ele nos criou, e não nós mesmos". Salmos 94: 9: "Aquele que formou o olho, não vê?" Salmo 33: 15: "Ele modela o coração de todos, e observa todas as suas obras." E em 1 Coríntios 11: 31 e seguinte, São Paulo diz: "Mas se nos julgamos verdadeiramente, não devemos ser julgados. Mas quando somos julgados pelo Senhor, somos castigados." Lá, ele diz claramente que a tribulação nos é enviada pelo Senhor.

E no cântico de Ana em 1 Samuel 2: 6, está escrito: "O Senhor mata e traz à vida; ele desce ao Seol e levanta".

Segundo, os cristãos devem não apenas ter certeza de que Deus contempla os sofrimentos de sua Igreja, sabe e ordena e deseja que sejamos humilhados, mas também que Ele não nos castiga por desagrado ou nos arruina, mas nos chama ao arrependimento e exercer nossa fé. Tribulações são lembretes de que devemos nos voltar para Deus, não fugir mais dele.

Este é o maior e mais importante consolo para os cristãos, pois, com grande tentação e angústia, o primeiro pensamento no coração é que Deus está irado e está punindo. Quando o coração não compreende que Deus está nos castigando pela graça, que Ele não nos condena, mas com preocupação paterna exerce nossa fé, então a tentação e a angústia se tornam ainda maiores, e o homem finalmente se desespera. Portanto, o evangelho fala sobre tribulação como uma marca da graça.

As escrituras freqüentemente mencionam esse conforto, como em 1 Coríntios 11: 31 e seguintes: "Mas quando somos julgados pelo Senhor, somos castigados para que não sejamos condenados junto com o mundo". Provérbios 3: 12: "A quem o Senhor ama, ele castiga." Hebreus 12: 6: "O Senhor castiga todo filho a quem recebe". Salmo 98: "É bom, Senhor, que me humilhas" [cf. 94: 12]. Apocalipse 3: 19: "Aqueles a quem amo, repreendo e castigo". Isaías 28: 9 e seguintes, observa que a vara produz filhos piedosos: "A quem ele ensinará o conhecimento e a quem ele explicará a mensagem? Aqueles que são desmamados do leite, aqueles que são tirados do peito?" isto é, os sem conforto e os pobres. Isaías 26: 16: "Ó Senhor, angustiado, eles te procuraram; derramaram uma oração quando a tua correção estava sobre eles." Naum 1: 7: "O Senhor é bom, uma fortaleza no dia da angústia; ele conhece os que nele se refugiam. "Jeremias 31: 19:" E depois que fui instruído, feri na minha coxa... "Mateus 5: 3:" Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. " "Lucas 6: 21 e seguintes:" Bem-aventurados os que choram..." e " Ai de você que ri...".

Tribulações fazem parte da lei, pois são punições que a lei ameaça. Como o evangelho ensina o uso correto da lei, a saber, que a lei é dada para nos humilhar, a fim de buscarmos a Cristo, ensina que o castigo da lei e da tribulação não são enviados para nos arruinar, mas para nos exortar à penitência, e para nos lembrar onde procurar conforto.

Muitas passagens das Escrituras que têm um significado geral também pertencem aqui. São Paulo diz em Romanos 11: 32: "Porque Deus entregou todos os homens à desobediência, para que tenha misericórdia de todos". Consignado à desobediência significa não apenas estar sujeito a todos os tipos de tribulações, mas também a condenação eterna. No entanto, o evangelho diz que a lei impõe tal terror e ônus sobre nós, não para nos arruinar, mas para nos levar à rica graça de Cristo. Ezequiel diz tanto: "Não tenho prazer na morte de um pecador".

Além disso, há muitas passagens nas Escrituras Sagradas que anunciam que a Igreja Cristã e todas as passagens da terra devem sofrer e devem ser exercitadas e alarmadas para que o verdadeiro temor de Deus e a fé em Deus possam aumentar em seus corações.

Segundo Pedro 1: 6 e seguintes: "Embora agora, por pouco tempo, você tenha que sofrer várias provações, de modo que a genuinidade de sua fé seja mais preciosa que o ouro, que, embora perecível, seja provado pelo fogo...". Segundo Coríntios 1: 9: "Sentimos que recebemos a sentença de morte; mas isso nos fez confiar não em nós mesmos, mas em Deus (que ressuscita os mortos)". Segundo Coríntios 4: 16: "Embora nossa natureza externa esteja se esvaindo, nossa natureza interior está sendo renovada todos os dias".

Romanos 5: 3 e seguintes: "O sofrimento produz perseverança, e a perseverança produz caráter, e o caráter produz esperança...". Tiago 1: 2: "Conte tudo, meus irmãos, quando encontrar várias provações." Em Gênesis 22: Deus diz a Abraão: "Agora eu sei que você teme a Deus...".

Os cristãos devem ter em mente essas e outras passagens semelhantes das Escrituras, e se apegar às palavras da promessa e conforto divinos, pois todas as tribulações são indicações da graciosa vontade divina e paterna. Deus não envia tribulação para nos destruir e condenar, mas para que ele possa nos exortar a penitenciar e exercitar nossa fé. Tal conforto fortalece o coração cristão contra o desespero e nos ensina por que a cruz e a tribulação são úteis.

Terceiro, há uma grande fraqueza na natureza humana que nos leva a pensar que Deus nos assalta muito severamente e se põe demais em nós. Portanto, muitas vezes somos impacientes, murmuramos e resmungamos contra Deus, como se ele estivesse nos pressionando demais. Pensamos que o julgamento e as obras de Deus não são apenas quando os ímpios e tiranos vivem com todo o prazer, superabundância e pompa, e vivemos na miséria, na pobreza e numa triste situação.

Devemos advertir os cristãos que eles não devem persistir em tanta tristeza de coração e impaciência em relação a Deus, que Satanás se propôs a aumentar, pois é um grande pecado contra o primeiro mandamento; Deus exige obediência, de acordo com as palavras de Sr. Pedro, que são um mandamento: "Vocês se humilharão sob a poderosa mão de Deus" [1 Pedro 5: 6]!

Aqui devemos citar as passagens nas Escrituras que falam sobre o sofrimento que vem particularmente sobre a Igreja e os filhos de Deus. Essas mesmas passagens indicam que Deus exige e deseja ter obediência. Portanto, devemos receber este excelente consolo: Primeiro, que Deus ordenou que os cristãos e a Igreja fossem obedientes. Além disso, porque a tribulação é um sacrifício e serviço aceitáveis ​​de Deus, não devemos pensar que a tentação é uma indicação da ira divina, ou que Deus nos envia sofrimentos porque ele quer nos renegar, mas que possamos estar em conformidade com nossa cabeça, Cristo, e manifestar a Deus um serviço obrigatório. Terceiro, como a igreja na terra deve sofrer miséria e miséria, as tribulações não podem ser sinais de raiva, pois Deus ama a Igreja e se lembra de libertá-la, assim como ressuscitou Cristo dentre os mortos.

A razão, no entanto, por que a Igreja e os santos da terra devem sofrer tribulações diante de todos os outros é que o reino de Cristo deve finalmente ser uma renovação, uma eterna nova justiça e nova vida. Aqui na terra, neste nível, mesmo nos maiores santos, ainda há fraqueza e pecado. Como Deus deseja que a carne e o velho Adão sejam mortos, por essa razão ele nos infligiu com todo tipo de tribulação, castigos terríveis e morte natural, para que depois possamos nos vestir com um novo corpo e ser glorificados no novo. vida eterna que é sem morte e sem pecado. Nesta vida, ele deseja exercer a fé em nossos corações, como diz São Paulo, Romanos 8: 10: "Embora seus corpos estejam mortos por causa do pecado...". Romanos 6: 6: "Nosso antigo eu foi crucificado com ele para que o corpo pecador fosse destruído...".

Alguém pode interferir na razão humana a essa altura e dizer que, enquanto os santos são santos, não é razoável que eles tenham tribulação. Resposta: Os cristãos, ou a Igreja, são realmente justos e santos, mas apenas porque Deus os considera justamente por causa de Cristo. De acordo com a carne, os santos ainda são fracos e pecaminosos. Portanto, Deus coloca um fardo e disciplina sobre eles na forma de tribulação, morte e cruz.

Com relação a isso, alguém pode insistir que, de acordo com a razão, o que acontece com os piedosos e deve pelo menos ser razoável; essa é uma palavra verdadeira de Moisés e da lei. O evangelho, no entanto, em toda parte explica a lei e ensina que nesta vida os santos, por causa do pecado e da fraqueza que neles permanecem, estão sujeitos à morte. E, portanto, embora a Igreja diante de Deus seja pura e santa por causa de Cristo, ela finalmente terá que ser totalmente redimida.

Também queremos apresentar várias passagens sobre a perseguição à Igreja, pois desde o início do mundo os filhos de Deus foram perseguidos pelo diabo e pelo mundo.

Primeiro, de todos os modos, os maiores exemplos são os do próprio Senhor Cristo e de toda a Igreja desde o princípio do mundo: Abel, Abraão, Isaque, todo o povo de Israel no Egito, e todos os apóstolos e profetas. Esses sublimes exemplos visam confortar e alertar que a Igreja Cristã deve estar em conformidade com a semelhança de Cristo. Portanto, os tementes a Deus sofrerão perseguição e a Igreja sofrerá tribulações.

Por isso, por mais grandes e amargas que sejam as tentações e as angústias, não devemos ficar desanimados, mas devemos saber que a Igreja é descendente de seu Senhor Cristo, que é seu verdadeiro princípio, e devemos considerar Abel, sim o próprio Cristo. todos os profetas e apóstolos que foram perseguidos e mortos. São Paulo, Romanos 8, diz que devemos nos tornar como Cristo, o Filho de Deus. Em 1 Pedro 4: 17, o apóstolo diz: "O julgamento começa na casa de Deus". Além disso, "Não se surpreenda quando a tribulação vier sobre você; tudo acontece para testá-lo; mas alegre-se por você participar do sofrimento de Cristo" [1 Pedro 4: 12 e seguintes]. O próprio Cristo diz em Mateus 16: 24: "Se alguém vier após mim, tome sua cruz e siga-me". Segundo Timóteo 3: 12: "De fato, todos os que desejam viver uma vida de Deus em Cristo serão perseguidos." Salmo 126: 5 e seguintes: "Os que semeiam em lágrimas colherão com gritos de alegria!" Salmo 138: 18: "O Senhor me castigou gravemente, mas ele não me entregou à morte." Salmo 116: 5: "Preciosa aos olhos do Senhor é a morte de seus santos".

Nestas passagens, esse excelente conforto pode ser encontrado. A tentação e a tribulação do cristão são um sacrifício aceitável diante de Deus, pois sacrifício significa um dom ou serviço de Deus, que acontece particularmente à glória de Deus, e é aceito pela sugestão de Salmos 51: 17: "O sacrifício aceitável a Deus é um sacrifício aceitável". espírito quebrantado; um coração partido e contrito, ó Deus, não desprezarás. " Romanos 12: 1: "Apresente seu corpo como um sacrifício vivo...".

Deus também exige obediência, para que sejamos pacientes em tribulações, o que o agrada com tanto entusiasmo quanto o mais alto e mais nobre sacrifício e serviço de Deus. Portanto, não devemos pensar que somos rejeitados por Deus, menos ainda devemos murmurar contra ele, como se ele tivesse nos abandonado completamente. Devemos considerar a utilidade e o fruto da cruz e da tribulação, como apontado acima, para que possamos alegremente mostrar paciência e obediência, como diz São Pedro: "Alegrai-vos por compartilhar da tribulação de Cristo" [1 Ped. 4:13]!

A obediência em si é boa, pois Deus ordena que sejamos obedientes em paciência. Como São Paulo diz: "Seja paciente na tribulação" [Romanos 12: 12] e em 1 Coríntios 10: 10: "Não se queixe como os israelitas se queixaram".

Segundo, a cruz e a tribulação dão frutos ao exercitar e fortalecer-nos na fé e nos levar à penitência.

Também é reconfortante que as tribulações sejam um serviço divino e um sacrifício aceitável, pois nenhum título mais alto podemos dar a qualquer obra do que um sacrifício santo e aceitável a Deus.

Contudo, nossas tribulações não se tornam um sacrifício até que contemplemos os desejos de Deus e soframos porque somos obedientes a Deus e cremos que nossos sofrimentos por causa de Cristo agradam a Deus. No entanto, não estamos falando aqui de tribulações ou sofrimentos que nós mesmos criamos, como a hipocrisia dos monges, mas daquelas tribulações que vierem ou virão sobre nós sem a nossa escolha - sofrimentos causados ​​pela destruição da natureza ou aqueles que resultam quando Satanás, tiranos e outros homens maus nos atormentam. Por essa razão, São Pedro diz claramente: "Seja paciente de acordo com a vontade de Deus!" isto é, não se atormentem. É um erro pagão para nós escolher nossas obras e imaginar que elas devem ser um sacrifício aceitável, como fizeram os sacerdotes de Baal quando apunhalaram e cortaram seus próprios corpos. Como Deus exige obediência na tribulação e deseja que pacientemente escutemos sua vontade sem resmungar, devemos nos guardar contra essa impaciência e amargura em relação a Deus e nos consolar com as Escrituras que dizem que a vontade de Deus é que a Igreja sofra tribulações e tentações.

Terceiro, é necessário saber que devemos, com fé, invocar Deus em todas as tribulações e tentações. Portanto, não devemos apenas observar que isso não acontece por acaso, sem a permissão de Deus, e que não são sinais de ira, e que impaciência ou queixa contra Deus é pecado e que Deus exige obediência; também devemos suportar as tribulações de maneira semelhante a Cristo, na fé de que Deus está perto de nós, perdoará o pecado e mitigará o castigo. Salmo 34: 18: "O Senhor está próximo dos de coração partido." Além disso, ele nos ajudará e nos salvará, não de acordo com nossos pensamentos, mas de acordo com sua sabedoria e conselho divinos.

O principal fruto das tribulações é que, por angústia e necessidade, adquirimos motivação para exercitar nossa fé, para invocar sinceramente a Deus. No conforto e força que se seguem, notamos que Deus está perto de nós e que ele realmente se importa conosco.

Dessa maneira, a luz do conhecimento divino se torna cada vez mais brilhante em nossos corações e a fé cresce em nós. Como mostra o exemplo do rei Manassés em 2 Crônicas 33: 12 e seguintes, e como o texto diz: "Quando ele estava em perigo, encontra-se o favor do Senhor seu Deus... e Deus recupera sua súplica. " Manassés reconhece que o Senhor é Deus. Salmo 50: 15: "Eu te livrarei, e você me glorificará"; isto é, no momento em que você me reconhecerá ainda mais plenamente. Salmo 69: 32: "Que os oprimidos o vejam e se alegrem; vocês que buscam a Deus, revivam seus corações." Observe o conforto forte, seguro e rico de que Deus está próximo do seu. Em 2 Coríntios 1: 3 e seguintes, São Paulo nos dá uma palavra muito bonita: "Vamos agradecer a Deus por seu dom (isto é, pelo conforto forte e rico) que Ele nos deu por muitas pessoas", isto é, a bondade super abundante de Deus de que ele fique cada vez mais claro e amplamente conhecido.

Portanto, devemos suportar a tribulação pacientemente por essas duas razões, o mandamento de Deus e a promessa divina. O mandamento de Deus ordena que oremos e esperemos pacientemente ajuda, como diz o Quinquagésimo Salmo: "Clame-me no dia da angústia; e eu o livrarei". E Salmo 4: 5: "Ofereça sacrifícios corretos e confie no Senhor". Além disso, em Mateus 7: 7, Cristo diz: "Peça, e isso lhe será dado". E em Lucas 18 ele ordena que oremos sempre. Em 1 Tessalonicenses 5: 17, São Paulo diz: "Orem sem cessar!" Filipenses 4: 6: "Não se preocupe com nada, mas em tudo pela oração e súplica com ação de graças, deixe seus pedidos que ele fez conhecer a Deus." E Salmo 55: 22: "Lança seu fardo sobre o Senhor, e ele o sustentará".

Tais mandamentos para orar, com os quais ele nos exorta, devem incitar e agitar-nos com mais segurança para invocá-lo.

Depois disso, devemos também olhar para as promessas divinas. João 16: 23: "Em verdade, em verdade vos digo que, se você pedir algo ao Pai (em meu nome), ele o dará a você". Mateus 7: 11: "Se você, que é mau, sabe dar bons presentes a seus filhos, quanto mais seu Pai, que está no céu, dará boas coisas a quem pedir?" E nos Salmos existem inúmeras promessas reconfortantes, como quando o profeta diz, Salmo 10: 14: "Tu és o ajudador dos órfãos!" Também, Salmo 50: 15: "Invoque-me no dia da angústia; eu te livrarei, e você me glorificará".

O verdadeiro exercício da fé e o serviço divino mais alto e santo dos cristãos é perceber a necessidade geral, o perigo e a tentação na Igreja e no estado, dos quais o diabo odeia veementemente e com fé valente e constante, pedem a Deus que governe sua Igreja e salve-a da falsa doutrina, erro, hipocrisia e mentira. Os governos do mundo devem manter boa ordem, paz e tranquilidade; nos dê um clima favorável; afastar toda a insolência e devassidão selvagem da multidão; e manter disciplina cristã, virtude, honra e honestidade; para que seu nome divino seja santificado, glorificado e honrado, seu reino aumentado e fortalecido, e o do diabo destruído.

Através de tais exercícios, a fé, o conhecimento correto de Deus e todos os tipos de frutos do Espírito crescem no coração. Esse foi o mais alto serviço divino de Abraão, José, Davi, Daniel, todos os primeiros pais, profetas e apóstolos.

Na ociosidade, na hipocrisia, na segurança e nos prazeres dos monges desta vida, a fé no coração expira, pois se não estamos acostumados com a necessidade de nos voltarmos para Deus e de todo o coração pedir ajuda, então o coração se torna indolente e frio, e o diabo rouba-nos facilmente e cega-nos à nossa própria fraqueza e carne, para que as pessoas pensem que Deus não as recebe e que as coisas acontecem no mundo sem a ação de Deus. Por esse motivo, as Escrituras dizem que os homens em tempos bons e fáceis tornam-se cegos e sem Deus; eles perdem esse exercício e a razão de buscar ajuda e libertação de Deus, como Moisés diz em Êxodo 32: 6: "O povo sentou-se para dar gatos e beber e levantou-se para brincar". Deuteronômio 32: 15, "Meu povo engordou, engrossou, tornou-se elegante" e Oseias 7: 5: "Os grandes senhores se enfurecem com o vinho".

Infelizmente, há na Igreja, no governo mundano e nas famílias tanta miséria que sempre existem razões urgentes para orar e invocar a Deus; no entanto, aqueles que estão bêbados e cheios de boa sorte, segurança e prazer não percebem isso.

Os filósofos elogiaram muito a virtude da paciência na tribulação. A razão natural ensina que um homem deve ser forte e firme para que a tristeza ou a tentação não o levem a agir contra sua razão e fazer algo prejudicial, seja para si mesmo, como Cato, Antônio e muitos outros fizeram ao cometer suicídio ou para outros.

Mas a paciência cristã é uma virtude muito maior, e nós a entenderemos adequadamente se refletirmos sobre o que a impaciência do mal traz.

Em primeiro lugar, todos aqueles que permitem que o diabo os amargue com impaciência, que dão lugar à carne e que murmuram e ficam irados contra Deus, permitem que a fé e a obediência a Deus se afastem (o que é assustador). Corações impacientes, zangados e amargurados pensam que Deus não presta atenção neles, que não faz sentido orar, ou esperar e aguardar consolo e ajuda. Em verdadeiras grandes tentações, o coração compreenderá impacientemente a blasfêmia, o desânimo e o conforto e assistência humanos, contra o mandamento de Deus, assim como o rei Saul procurou a bruxa. Tais pecados terrivelmente pesados ​​contra a primeira mesa vêm da impaciência. Um pouco de paciência, no entanto, geralmente produz muito bem.

Posteriormente, ao contrário da segunda tabela, a impaciência incita amargura, veneno, ódio e inveja aos vizinhos (muitas vezes aos inocentes), e também gera fúria, violência, morte e vingança. A partir disso, como mostra a história, muitas vezes surgem discórdia, conflito, brigas, guerra, tumulto, derramamento de sangue, confusão de governo, miséria e tristeza. Coriolano, para se vingar, atacou sua própria terra natal como inimigo. Cipião agiu com mais dignidade e com um espírito mais principesco. Ele desprezou vários calouros e se mudou para fora da cidade, longe dos olhos da multidão, de modo que não deu a seus inimigos motivo de maior amargura. Ele poderia ter se protegido e vingado com força, mas, para o bem do governo, deixou de lado ferimentos e encargos. Cipião agiu com mais dignidade do que Mário e muitos outros que se vingaram e causaram tantos danos.

Trasíbulo em Atenas fez uma lei que aqueles que haviam triunfado na comunidade deveriam esquecer o que eles próprios no tempo de estresse tinham de suportar e, em prol do bem-estar geral, não fizessem exigências adicionais. Esse foi um pensamento digno e principesco. No entanto, Mário, quando voltou a Roma, tiranicamente executou e estrangulou todos os líderes da oposição, e muitos problemas se seguiram. Disposições ferozes e impaciência causam infindáveis ​​ferimentos mortais. Muitos homens cometem suicídio por impaciência...

A paciência cristã é uma grande necessidade: primeiro, para não cairmos contra Deus em desobediência, mas permanecermos firmes na fé verdadeira. Segundo, que a paz e a unidade na Igreja e nos governos possam ser mantidas. Além disso, para que nós mesmos, cada um em seu coração, ele fique mais satisfeito. Portanto, por meio dos apóstolos, o Espírito Santo frequentemente nos exorta à paciência, como São Paulo faz em Colossenses 3: 15: "E que a paz de Cristo reine em seus corações", isto é, fé em seu coração, que sabe que nós ele deve obedecer a Deus e esperar ajuda e conforto dele. Se procuramos vingança, mas esperamos pacientemente, não preparamos nem tumulto nem guerra.

Consequentemente, Isaías 30: 15 diz: "Ao voltar e descansar, você será salvo; em sossego e confiança ele será sua força". Ou seja, Deus ajuda aqueles que são pacientes, que esperam ajuda e conforto dele, que não se zangam nem murmuram contra Deus, que não causam alarme em sua impaciência, nem buscam ajuda proibida, nem empreendem o conforto da vingança humana. E o Salmo 4: 4 ensina: "Fique irado, mas não peque."

Por essa razão, devemos nos acostumar a suportar tribulações pacientemente, para que assim possamos exercer fé, e especialmente para que não possamos agir de maneira imprudente com raiva ou impaciência, quando emoções rápidas e quentes provocam desejo de vingança.

~
Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Comunnes
Ano: 1555

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: