Sobre o batismo

R

As palavras de Cristo em Marcos 16 mostram que o batismo é um sinal externo e uma bênção das promessas divinas no Novo Testamento: "Quem crer e for batizado será salvo" [v. 16]. Portanto, quando somos batizados, a promessa é escrita e pintada em nosso corpo. Visto que esses sinais externos também têm seu significado particular, o santo batismo significa arrependimento e perdão dos pecados por meio de Cristo, ou como São Paulo diz, "renascimento", e como Cristo em João 3: 5 diz: "Novo nascimento através da água e do Espírito Santo". Quando estamos imersos na água, isso significa que o velho Adão e o pecado em nós estão mortos. Isso acontece com aqueles que estão angustiados, quando a consciência aterrorizada experimenta o julgamento de Deus e a ira do pecado. Quando somos tirados da água, isso significa que agora somos lavados e renovados por meio da água e do Espírito Santo, e estamos aguardando uma nova justiça e vida eterna, que Cristo obteve para nós. Duas coisas significam o uso correto do batismo, o sinal externo e a promessa. “Quem crer e for batizado será salvo” [Marcos 16: 16]. Da mesma forma, as palavras que alguém usa no batismo: "Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo"; isto é, por meio desse sinal externo eu testifico no lugar de Deus que você está reconciliado com Deus e é recebido por Deus, que é por Deus Pai, o Filho e o Espírito Santo. O Pai, porém, nos recebe por amor do Filho e nos dá o Espírito Santo, por meio do qual Ele nos renovará, vivificará, confortará e nos santificará. Nessas palavras estão as gloriosas promessas reconfortantes de Deus e a soma de todo o evangelho. Portanto, o verdadeiro uso do santo batismo é para toda a vida, pois nos permite ter certeza de que, por meio de Cristo, Deus se reconciliou conosco e nos perdoará os pecados, e que ele estabeleceu o batismo como sinal e bênção dessa aliança. Embora depois caiamos em pecado, a convenção divina permanece firme para todos se eles voltarem com a fé correta, buscarem conforto e se reformarem.

Compreenderemos mais plenamente o fruto e o poder do batismo à medida que contemplarmos diligentemente as palavras da promessa divina, exercermos nossa fé nelas e nos fortalecermos com ela em todos os tipos de tentações, na angústia da morte, contra o diabo e o pecado. E como a circuncisão era um sinal permanente que não deveria ser realizado mais de uma vez, então quem é batizado uma vez não será batizado novamente. O segundo mandamento ensina que não devemos usar mal o nome de Deus, nem caluniar o uso correto do nome de Deus. Mas os anabatistas repudiam o primeiro batismo, dizendo que nele o nome de Deus foi invocado e pronunciado sobre eles de maneira inútil, falsa e errônea. Ora, isso é blasfemar o nome de Deus. Por esta razão, o anabatismo é um erro terrível e maligno e uma blasfêmia do nome divino. Além disso, se os anabatistas estendessem seus erros, muito mais perplexidade seria acrescentada ao mundo.


Do Batismo de João e dos Apóstolos

Ambos os batismos são sinais externos e testemunhos do Novo Testamento. E não há distinção entre o batismo de João e o dos apóstolos, exceto que o batismo de João significa e aponta para o futuro Cristo; o batismo dos apóstolos aponta para o Cristo que chegou e foi revelado. Ambos os batismos são do mesmo ofício e requerem fé no Salvador Cristo; tanto aqueles que são batizados por João quanto aqueles batizados pelos apóstolos são igualmente santificados e salvos. No entanto, João diz: "Eu vos batizo com água para o arrependimento, mas aquele que vier após mim vos batizará com o Espírito Santo e com fogo" [Mateus 3: 11]. Aqui João distingue, não os ofícios ou as cerimônias, mas a pessoa do servo da pessoa de Cristo; ele deseja indicar que o próprio Cristo é o Salvador e Senhor por meio de quem o batismo tem efeito e poder divinos, aquele que dá vida, justiça, o Espírito Santo e salvação eterna, e que ele, João, é um servo que apresenta apenas um sinal externo, água e a pregação da palavra. Tal ofício externo de batismo e pregação é igual em João e nos apóstolos, e igualmente eficaz para aqueles que têm fé na promessa de Cristo. É verdade, porém, que depois da Ressurreição de Cristo, mais e mais exemplos claros são introduzidos nos quais o batismo do Espírito Santo é dado, como na história dos apóstolos.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Praecipui Theologici
Ano: 1559

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: