Sobre o poder da oração

Pois o que Deus, que o exige, jamais negou à oração vinda do "espírito e da verdade?". Quão poderosos espécimes de sua eficácia lemos, ouvimos e acreditamos! A oração do velho mundo, de fato, costumava libertar do fogo (Daniel 3), e dos animais (Daniel 4), e da fome (1 Reis 18; Tiago 5. 17, 18); e ainda não tinha (então) recebido sua forma de Cristo. Mas quão mais amplamente operativa é a oração cristã! Ele não posiciona o anjo do orvalho no meio do fogo [1], nem focaliza os leões, nem transfere para os famintos o pão rústico (2 Reis 4.42-44); não tem nenhuma graça delegada para evitar qualquer sensação de sofrimento [2]; mas supre o sofrimento, o sentimento e o luto com perseverança: amplifica a graça pela virtude, para que a fé saiba o que obtém do Senhor, compreendendo o que - pelo amor de Deus - ela sofre. Mas no passado, a oração foi usada para invocar (ou infligir) pragas, dispersar os exércitos de inimigos, reter as influências benéficas das chuvas. Agora, no entanto, a oração de justiça evita toda a ira de Deus, mantém acampamento em nome de inimigos pessoais, faz súplicas em nome de perseguidores. É de se admirar se ele sabe extorquir as chuvas do céu - (oração) que antes era capaz de obter seus fogos? (2 Reis 1). A oração é a única que vence a Deus [3]. Mas Cristo quis que fosse operante para nenhum mal: Ele havia conferido a ela todas as suas virtudes na causa do bem. E, portanto, nada sabe, exceto como recuperar as almas dos que partiram do próprio caminho da morte, para transformar os fracos, para restaurar os enfermos, para purificar os possuídos, para abrir as grades da prisão, para soltar os laços dos inocentes. Da mesma forma, lava as faltas, repele as tentações, extingue as perseguições, consola os fracos, alegra os mais animados, acompanha os viajantes, apazigua as ondas, faz ladrões ficarem horrorizados, nutre os pobres, governa os ricos, levanta os caídos, prende os que caem, confirma a posição. A oração é o muro da fé: suas armas e mísseis [4] contra o inimigo que nos vigia por todos os lados. E, portanto, nunca andamos desarmados. Durante o dia, esteja atento à Estação; à noite, de vigília. Sob os braços da oração guardamos o estandarte do nosso General; aguardamos em oração a trombeta do anjo (1 Coríntios 15. 52; 1 Tessalonicenses 4. 16). Os anjos, da mesma forma, todos oram; toda criatura ora; gado e feras oram e dobram seus joelhos; e quando saem de suas camadas e covis [5], eles olham para o céu sem a boca ociosa, fazendo sua respiração vibrar (ou orar) à sua própria maneira. Até mesmo os pássaros também, saindo do ninho, erguem-se em direção ao céu e, em vez das mãos, expandem a cruz de suas asas e dizem algo para parecer uma oração. O que mais, então, pode comover para o ofício de oração? Até o próprio Senhor orou; a quem seja honra e virtude para sempre! 


~

Tertuliano

Pais Ante-Nicenos III - Cristianismo latino: seu fundador, Tertuliano.



Notas:
[1] ou seja, "o anjo que preservou na fornalha os três jovens borrifou, por assim dizer, com chuva orvalhada" (Muratori citado por Oehler). [Apócrifos, A Canção, etc., versículos 26, 27.] 
[2] ou seja, em resumo, suas operações milagrosas, como são chamadas, são suspensas dessas maneiras. 
[3] Uma referência à luta de Jacó. Também, provavelmente, para Mateus 11. 12. 
[4] Ou “sua armadura defensiva e ofensiva”. 
[5] Ou “currais e tocas”.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: