Contra Celso - Livro 1 (Prefácio)

1. Quando falsas testemunhas testemunharam contra nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, Ele permaneceu em silêncio; e quando acusações infundadas foram apresentadas contra Ele, Ele não respondeu, acreditando que toda a Sua vida e conduta entre os judeus eram uma refutação melhor do que qualquer resposta ao falso testemunho, ou do que qualquer defesa formal contra as acusações. E eu não sei, meu piedoso Ambrósio [1], por que você desejou que eu escrevesse uma resposta às falsas acusações feitas por Celso contra os cristãos, e às acusações dirigidas contra a fé das Igrejas em seu tratado; como se os próprios fatos não fornecessem uma refutação manifesta, e a doutrina uma resposta melhor do que qualquer escrito, visto que tanto descarta as declarações falsas, quanto não deixa às acusações qualquer credibilidade ou validade. Agora, com respeito ao silêncio de nosso Senhor quando o falso testemunho foi dado contra Ele, é suficiente no momento citar as palavras de Mateus, pois o testemunho de Marcos tem o mesmo efeito. E as palavras de Mateus são as seguintes: “E o sumo sacerdote e o conselho procuraram falso testemunho contra Jesus para matá-lo, mas não o encontraram, embora muitas testemunhas falsas se apresentassem. Por fim, duas falsas testemunhas vieram e disseram: Este sujeito disse: Posso destruir o templo de Deus e, depois de três dias, reconstruí-lo. E o sumo sacerdote se levantou e disse-lhe: Nada respondes ao que estes testemunham contra ti? Mas Jesus se calou” (Mateus 26. 59–63). E que Ele não respondeu quando falsamente acusado, o seguinte é a declaração: “E Jesus se apresentou ao governador; e perguntou-lhe, dizendo: És tu o rei dos judeus? E Jesus disse-lhe: É o que dizes. E quando Ele foi acusado pelos principais sacerdotes e anciãos, Ele nada respondeu. Disse-lhe então Pilatos: Não ouves quantas coisas testemunham contra ti? E nunca lhe respondeu uma palavra, de modo que o governador ficou muito maravilhado” (Mateus 27. 11–14).

2. Foi, de fato, motivo de surpresa para os homens até mesmo de inteligência comum, aquele que foi acusado e assaltado por falso testemunho, mas que foi capaz de se defender e de mostrar que não era culpado de nenhuma das acusações (alegado), e que poderia ter enumerado os atos louváveis ​​de Sua própria vida, e Seus milagres operados pelo poder divino, de modo a dar ao juiz a oportunidade de proferir um julgamento mais honroso a respeito dele, não deveria ter feito isso, mas deveria ter desprezado tal procedimento, e na nobreza de Sua natureza, desprezou Seus acusadores [2]. Que o juiz, sem qualquer hesitação, O teria posto em liberdade se Ele tivesse oferecido uma defesa, é claro pelo que é relatado dele quando disse: "Qual dos dois você gostaria que eu libertasse para você, Barrabás ou Jesus, quem se chama Cristo?” (Mateus 27. 17), e pelo que a Escritura acrescenta: "Pois ele sabia que por inveja O haviam entregado" (Mateus 27. 18). Jesus, porém, é sempre assaltado por falsas testemunhas e, enquanto a maldade permanece no mundo, é sempre exposto à acusação. E ainda agora Ele continua em silêncio diante dessas coisas, e não dá nenhuma resposta audível, mas coloca Sua defesa na vida de Seus discípulos genuínos, que são um testemunho preeminente e que se eleva superior a todo falso testemunho, e refuta e anula todas as acusações e acusações infundadas.

3. Atrevo-me, então, a dizer que esta "apologia" que você requer que eu escreva irá enfraquecer um pouco aquela defesa (do Cristianismo) que se baseia nos fatos, e aquele poder de Jesus que é manifesto para aqueles que não são totalmente desprovidos de percepção. Não obstante, para que não pareçamos relutantes em realizar a tarefa que V. Exa. ordenou, nos esforçamos, o melhor que podemos, para sugerir, em resposta a cada uma das afirmações de Celso, o que parecia a nós adaptado para refutá-los, embora seus argumentos não tenham poder para abalar a fé de qualquer crente (verdadeiro). E proibir, de fato, que qualquer pessoa que, depois de ter sido participante de tal amor a Deus como foi (demonstrado) em Cristo Jesus, possa ser abalada em seu propósito pelos argumentos de Celso, ou de qualquer um como ele. Pois Paulo, ao enumerar as tantas causas que geralmente separam os homens do amor de Cristo e do amor de Deus em Cristo Jesus (a todos os quais, o amor que havia em si mesmo se elevou superior), não colocou argumento entre os fundamentos de separação. Pois observe que ele diz, em primeiro lugar: “Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? (como está escrito: Por amor de ti somos mortos o dia todo; somos considerados ovelhas para o matadouro). Não, em todas estas coisas somos mais do que vencedores por Aquele que nos amou” (Romanos 8. 35–37). E em segundo lugar, ao estabelecer outra série de causas que naturalmente tendem a separar aqueles que não estão firmemente enraizados em sua religião, ele diz: "Pois estou convencido de que nem morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem potestades, nem as coisas presentes, nem as futuras, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderão separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor” (Romanos 8. 38, 39).

4. Agora, verdadeiramente, é apropriado que nos sintamos exultantes porque as aflições, ou aquelas outras causas enumeradas por Paulo, não nos separam (de Cristo); mas não que Paulo e os outros apóstolos, e qualquer outro semelhante a eles, (nutrisse esse sentimento), porque eles foram muito exaltados acima de tais coisas quando disseram: “Em todas estas coisas somos mais que vencedores por Aquele que nos amou” [3], o que é uma afirmação mais forte do que eles são simplesmente "conquistadores". Mas se é apropriado que os apóstolos nutram um sentimento de euforia por não estarem separados do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor, esse sentimento será nutrido por eles, porque nem morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem qualquer uma das coisas que se seguem, pode separá-los do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor. E, portanto, não felicito aquele crente em Cristo cuja fé pode ser abalada por Celso - que não compartilha mais a vida comum dos homens, mas há muito partiu - ou por qualquer aparente plausibilidade de argumento [4]. Pois não sei em que posição situar aquele que necessita de argumentos escritos em livros em resposta às acusações de Celso contra os cristãos, a fim de evitar que seja abalado em sua fé, e nela confirmá-lo. Mas, no entanto, uma vez que na multidão daqueles que são considerados crentes, algumas pessoas podem ser encontradas que teriam sua fé abalada e derrubada pelos escritos de Celso, mas que poderiam ser preservados por uma resposta a eles de tal natureza que refute suas declarações e para exibir a verdade, julgamos correto ceder à sua liminar e fornecer uma resposta ao tratado que você nos enviou, mas que eu não acho que qualquer um, embora apenas um curto caminho avançado em filosofia , permitirá ser um “Discurso Verdadeiro”, como Celso o intitulou.

5. Paulo, de fato, observando que há na filosofia grega certas coisas que não devem ser desprezadas, que são plausíveis aos olhos de muitos, mas que representam a falsidade como verdade, diz a respeito delas: “Cuidado para que ninguém o estrague através da filosofia e do engano inútil, segundo a tradição dos homens, tal como os rudimentos do mundo, e não conforme Cristo” (Colossenses 2. 8 - KJL). E vendo que havia uma espécie de grandeza manifestada nas palavras da sabedoria do mundo, ele disse que as palavras dos filósofos eram "de acordo com os rudimentos do mundo". Nenhum homem de bom senso, porém, diria que os de Celso estavam “de acordo com os rudimentos do mundo”. Agora, essas palavras, que continham algum elemento de engano, o apóstolo chamou de "engano vão", provavelmente como distinção de um engano que não era "vão"; e o profeta Jeremias observando isso, aventurou-se a dizer a Deus: "Ó Senhor, Tu me enganaste e eu fui enganado; Tu és mais forte do que eu, e prevaleceste" (Jeremias 20. 7). Mas na linguagem de Celso parece-me não haver qualquer engano, nem mesmo o que é "vão"; tal engano, a saber, como é encontrado na linguagem daqueles que fundaram seitas filosóficas, e que não foram dotados de nenhum talento comum para tais atividades. E como ninguém diria que qualquer erro comum em demonstrações geométricas tinha a intenção de enganar, ou o descreveria para o exercício de tais assuntos [5]; portanto, aquelas opiniões que devem ser denominadas "engano vão" e a "tradição dos homens" e "de acordo com os rudimentos do mundo", devem têm alguma semelhança com as opiniões daqueles que foram os fundadores de seitas filosóficas (se tais títulos lhes forem aplicados de forma apropriada).

6. Depois de prosseguir com este trabalho até o local onde Celso apresenta o judeu em disputa com Jesus, resolvi prefixar este prefácio ao início (do tratado), a fim de que o leitor de nossa resposta a Celso pudesse concordar com primeiro, e ver que este livro foi composto não para aqueles que são crentes completos, mas para aqueles que não estão totalmente familiarizados com a fé cristã, ou para aqueles que, como o apóstolo os chama, são "fracos na fé"; a respeito de quem ele diz: “Recebei vós o que é fraco na fé” (Romanos 14. 1). E este prefácio deve ser meu pedido de desculpas por começar minha resposta a Celso em um plano e levá-la adiante em outro. Pois minha primeira intenção foi indicar suas principais objeções e, em seguida, resumidamente, as respostas que lhes foram devolvidas, e posteriormente fazer um tratado sistemático de todo o discurso [6]. Mas depois, as próprias circunstâncias me sugeriram que eu deveria ser econômico com meu tempo, e que, satisfeito com o que já havia afirmado no início, eu deveria na parte seguinte lutar de perto, o melhor de minha capacidade, com as acusações de Celso. Tenho, portanto, que pedir indulgência para as partes que seguem o prefácio no início do livro. E se você não está impressionado com os argumentos poderosos que sucedem, então, pedindo indulgência semelhante também com respeito a eles, eu o encaminho, se você ainda deseja uma solução argumentativa das objeções de Celso, para aqueles homens que são mais sábios do que eu, e que são capazes, por palavras e tratados, de derrubar as acusações que ele traz contra nós. Mas melhor é o homem que, embora se encontre com a obra de Celso, não precisa de resposta alguma a ela, mas que despreza todo o seu conteúdo, visto que são desprezados, e com razão, por todo crente em Cristo, pelo Espírito que está nele.

~

Orígenes

Pais Ante-Nicenos IV - Os Pais do Terceiro Século



Notas:

[1] Este indivíduo é mencionado por Eusébio (Eccles. Hist., Vi. C. 18) como tendo sido convertido da heresia de Valentim à fé da Igreja pelos esforços de Orígenes [Lardner (Credib., Vii. 210-212) está inclinado a "colocar" Celso no ano 176. Aqui e em outros lugares, essa autoridade erudita é difusa sobre o assunto e merece atenção cuidadosa].

[2] Μεγαλοφυῶς ὑπερεωρακέναι τοὺς κατηγόρους (Gênio a favor dos acusadores - ?).

[3] Romanos 8. 37, ὑπερνικῶμεν (?).

[4] ἤ τινος πιθανότητος λόγου (Ou qual é uma probabilidade de fala - ?)

[5] Καὶ ὥσπερ οὐ τὸ τυχὸν τῶν ψευδομένων ἐν γεωμετρικοῖς θεωρήμασι ψευδογραφούμενόν τις ἂν λέγοι, ἢ καὶ ἀναγράφοι γυμνασίου ἕνεκεν τοῦ ἀπὸ τοιούτων (?). Cf. nota de Ruæus in loc.

[6] σωματοποιῆσαι (somatizar - ?).


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: