Ensinar regras para a interpretação das Escrituras não é uma tarefa supérflua


1. Existem certas regras para a interpretação das Escrituras que eu acho que poderiam ser ensinadas com grande vantagem aos alunos fervorosos da palavra, de que eles poderiam lucrar não apenas lendo as obras de outras pessoas que revelaram os segredos dos escritos sagrados, mas também por si mesmos abrindo esses segredos para os outros. Proponho essas regras para ensinar àqueles que são capazes e dispostos a aprender, se Deus, nosso Senhor, não retiver de mim, enquanto escrevo, os pensamentos que Ele costuma me garantir nas minhas meditações sobre esse assunto. Mas, antes de iniciar esse empreendimento, acho bom atender às objeções daqueles que provavelmente farão exceção ao trabalho, ou que o fariam, se eu não os conciliasse de antemão. E se, afinal, os homens ainda devem ser encontrados para fazer objeções,

2. Há alguns, então, propensos a se opor a este meu trabalho, porque eles falharam em entender as regras aqui estabelecidas. Outros, novamente, pensarão que eu gastei meu trabalho sem nenhum objetivo, porque, embora eles entendam as regras, ainda assim, em suas tentativas de aplicá-las e interpretar as Escrituras por elas, falharam em esclarecer o ponto que desejam esclarecer. ; e estes, por não terem recebido assistência deste trabalho, darão a opinião de que não pode ser útil a ninguém. Há uma terceira classe de objetores que realmente entendem bem as Escrituras, ou pensam que entendem, e quem, porque sabem (ou imaginam) que alcançaram um certo poder de interpretar os livros sagrados sem ler nenhuma direção do tipo que Proponho deitar aqui,

3. Responder brevemente a todos estes. Para aqueles que não entendem o que está aqui estabelecido, minha resposta é que não devo ser responsabilizado por sua falta de entendimento. É como se eles estivessem ansiosos para ver a lua nova ou velha, ou alguma estrela muito obscura, e devo apontar com o dedo: se eles não tivessem visão suficiente para ver até o meu dedo, certamente não teriam. direito de voar em uma paixão comigo nessa conta. Quanto aos que, embora conheçam e entendam minhas instruções, não consigam compreender o significado de passagens obscuras nas Escrituras, eles podem representar aqueles que, no caso que eu imaginei, são capazes de ver meu dedo, mas não podem ver as estrelas para as quais é apontada. E então é melhor que ambas as classes desistam de me culpar e orem para que Deus lhes conceda a visão de seus olhos.

4. Mas agora, quanto aos que falam orgulhosamente da Graça Divina, e se gabam de que entendem e podem explicar as Escrituras sem a ajuda de orientações como as que agora proponho estabelecer, e que pensam, portanto, que aquilo que me comprometi para a gravação é inteiramente supérflua. Gostaria que essas pessoas pudessem se acalmar a ponto de lembrar que, por mais justas que possam se regozijar no grande presente de Deus, ainda assim, foi pelos professores humanos que eles mesmos aprenderam a ler. Agora, eles dificilmente achariam certo que, por esse motivo, fossem desprezados pelo monge egípcio Antônio, um homem justo e santo, que, não sendo capaz de ler a si mesmo, teria comprometido as Escrituras com a memória através da audição. eles leram por outros e por meio de meditação sábia para chegar a um entendimento completo deles; ou por aquele escravo bárbaro, cristão, ultimamente, de quem ouvi testemunhas muito respeitáveis ​​e dignas de confiança, que, sem nenhum ensinamento do homem, alcançaram um conhecimento completo da arte de ler simplesmente através da oração para que lhe fosse revelado; depois de três dias de súplica, obtendo seu pedido para que ele pudesse ler um livro que lhe fora apresentado pelos espantados espectadores.

5. Mas se alguém pensa que essas histórias são falsas, não insisto nelas. Pois, como estou lidando com cristãos que professam entender as Escrituras sem nenhuma orientação do homem (e, se assim for, eles se vangloriam de uma vantagem real, e uma de nenhum tipo comum), eles certamente devem conceder que todos os nós aprendemos sua própria língua ouvindo-a constantemente desde a infância e que qualquer outra língua que aprendemos - grego, hebraico ou qualquer outra coisa - aprendemos da mesma maneira, ouvindo-a falar ou um professor humano. Agora, suponha que aconselhamos todos os nossos irmãos a não ensinarem nada a seus filhos, porque, com o derramamento do Espírito Santo, os apóstolos começaram imediatamente a falar a língua de toda raça; e avisa a todos que não tiveram uma experiência semelhante que não precisam se considerar um cristão, ou que pelo menos podem duvidar se já receberam o Espírito Santo? Não não; antes, deixemos de lado o falso orgulho e aprendemos o que pode ser aprendido do homem; e deixe que quem ensina outro comunique o que ele mesmo recebeu sem arrogância e sem ciúmes. E não tentemos Aquele em quem cremos, para que, sendo enredados por tais artimanhas do inimigo e por nossa própria perversidade, possamos até recusar-nos a ir às igrejas para ouvir o próprio evangelho ou ler um livro, ou ouvir outra leitura ou pregação, na esperança de sermos levados ao terceiro céu, "seja no corpo ou fora do corpo", como diz o apóstolo, e aí ouçam palavras indescritíveis, como são não é lícito ao homem pronunciar.

6. Vamos tomar cuidado com essas perigosas tentações do orgulho, e vamos considerar o fato de que o próprio apóstolo Paulo, embora abatido e admoestado pela voz de Deus do céu, ainda foi enviado a um homem para receber os sacramentos e ser admitido na Igreja; e que Cornélio, o centurião, embora um anjo lhe anunciasse que suas orações eram ouvidas e que suas esmolas tinham lembranças, foi entregue a Pedro para receber instruções, e não apenas recebeu os sacramentos das mãos do apóstolo, mas também foi instruído por ele quanto aos objetos adequados de fé, esperança e amor. E sem dúvida era possível ter feito tudo através da instrumentalidade dos anjos, mas a condição de nossa raça teria sido muito mais degradada se Deus não tivesse escolhido fazer uso dos homens como ministros de Sua palavra para seus semelhantes. Pois como isso pode ser verdade, o que está escrito: "O templo de Deus é santo, que templo sois", se Deus não emitiu oráculos de Seu templo humano, mas comunicou tudo o que desejava que fosse ensinado aos homens por vozes do céu. , ou através do ministério dos anjos? Além disso, o próprio amor, que une os homens no vínculo da unidade, não teria como derramar alma em alma e, por assim dizer, misturá-los um com o outro, se os homens nunca aprendessem alguma coisa com seus semelhantes.

7. E sabemos que o eunuco que estava lendo o profeta Isaías, e não entendeu o que leu, não foi enviado pelo apóstolo a um anjo, nem foi um anjo que lhe explicou o que ele não entendeu, nem foi ele interiormente iluminado pela graça de Deus sem a interposição do homem; pelo contrário, por sugestão de Deus, Filipe, que entendeu o profeta, veio a ele e sentou-se com ele, em palavras humanas e com uma língua humana, abriu-lhe as Escrituras. Deus não falou com Moisés e, no entanto, ele, com grande sabedoria e total ausência de orgulho ciumento, aceitou o plano de seu sogro, um homem de uma raça alienígena, para governar e administrar os assuntos da grande nação confiada para ele? Pois Moisés sabia que um plano sábio, em qualquer mente que pudesse se originar, não deveria ser atribuído ao homem que o inventou.

8. Em último lugar, todo aquele que se vangloria de que, através da iluminação divina, entende as obscuridades das Escrituras, embora não seja instruído em nenhuma regra de interpretação, ao mesmo tempo acredita, e com razão, que esse poder não é dele. , no sentido de se originar consigo mesmo, mas é um presente de Deus. Pois assim ele busca a glória de Deus, não a sua. Mas ler e entender, como ele faz, sem a ajuda de qualquer intérprete humano, por que ele se compromete a interpretar para os outros? Por que ele não os envia diretamente a Deus, para que eles também aprendam pelo ensino interior do Espírito sem a ajuda do homem? A verdade é que ele teme sofrer a reprovação: "Servo perverso e preguiçoso, deverias ter colocado meu dinheiro aos trocadores". Vendo, então, que esses homens ensinam aos outros, seja através da fala ou da escrita, o que eles entendem, certamente não podem me culpar se eu também ensinar não apenas o que eles entendem, mas também as regras de interpretação que seguem. Pois ninguém deve considerar algo como seu, exceto talvez o que é falso. Toda verdade é d'Aquele que diz: "Eu sou a verdade". Pois o que temos nós que não recebemos? E se a recebemos, por que nos gloriamos, como se não a tivéssemos recebido?

9. Quem lê para o público pronuncia em voz alta as palavras que vê diante dele: quem ensina a ler faz com que outros possam ler por si mesmos. Cada um, no entanto, comunica aos outros o que aprendeu. Assim, o homem que explica à audiência as passagens das Escrituras que ele entende é como alguém que lê em voz alta as palavras diante dele. Por outro lado, o homem que estabelece regras para interpretação é como aquele que ensina a ler, ou seja, mostra aos outros como ler por si mesmos. De modo que, assim como quem sabe ler não depende de mais ninguém, quando encontra um livro, para lhe dizer o que está escrito nele, também o homem que possui as regras que aqui tentarei abaixo, se ele encontrar uma passagem obscura nos livros que lê, não precisará de um intérprete para lhe revelar o segredo; manter-se firme por certas regras e seguir certas indicações chegará ao sentido oculto sem nenhum erro, ou pelo menos sem cair em nenhum absurdo grosseiro. E assim, embora pareça suficientemente no decorrer do trabalho em si, que ninguém possa justamente objetar a esse meu empreendimento, que não tem outro objetivo senão prestar serviço, ainda que parecesse conveniente responder desde já a quem pode fazer objeções preliminares, é o começo que achei bom fazer no caminho que estou prestes a percorrer neste livro.

~

Santo Agostinho

Sobre a Doutrina Cristã. Prefácio.

Disponível em CCEL.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: