Sobre distinção entre cerimônias, sacramentos e sacrifícios

 


Várias cerimônias, como o batismo e a participação na Ceia de Cristo, são decretadas para que Deus nos dê algo. Essas cerimônias estão ligadas às promessas divinas e geralmente são chamadas de sacramentos.

Mas outras obras, nas quais realizamos ou damos a Deus nosso mérito, obediência e veneração, como paciência no sofrimento, esmola e castidade, são chamadas de sacrifícios, pois os sacrifícios são obras que trazemos a Deus para manifestar nossa obediência. Nós os guardamos para o Deus eterno a quem invocamos e com eles o servimos.

Existem, no entanto, dois tipos de sacrifícios. Primeiro, há um sacrifício que é o pagamento pelo pecado, que expia o pecado, um sacrifício pelos outros que obtém para eles o perdão da culpa e o castigo eterno. É um sacrifício que reconcilia a cólera divina, evita o desprazer e expia a dor e a culpa eternas.

O segundo é um sacrifício que é chamado de sacrifício de agradecimento. Não merece perdão de pecados; é uma obra de obediência pela qual aqueles a quem Deus reconciliou dão graças pela graça e pelo perdão.

Não estou imaginando dois tipos de sacrifícios; eles podem ser vistos claramente na Carta aos Hebreus. A carta inteira ensina que em todo o mundo apenas um único sacrifício é uma expiação pelo pecado. Portanto, segue-se que todos os outros sacrifícios são sacrifícios de agradecimento nos quais manifestamos nossa obediência.

Embora haja diversos sacrifícios na lei de Moisés, eles podem ser incluídos nesses dois tipos de sacrifícios. Vários são chamados de sacrifícios pelo pecado, por causa do que significam e não porque merecem o perdão dos pecados. Eles significam o nobre e caro sacrifício futuro, Cristo.

No entanto, com referência à lei e à natureza externa, pode-se obter um certo perdão dos pecados por meio desse sacrifício, em que uma pessoa assim reconciliada não pode ser excluída da sinagoga ou da comunidade judaica. Esses sacrifícios nas Escrituras são chamados de sacrifícios pelo pecado, sacrifícios pela culpa e sacrifícios queimados. Outros são chamados de sacrifícios de comida, sacrifícios de bebida, sacrifícios de louvor, primeiros frutos, dízimos e assim por diante.

Caso contrário, realmente houve apenas um sacrifício pelos pecados, a saber, a morte e o sangue de Cristo, como a Carta aos Hebreus, capítulo 10: 4, ensina: "Porque é impossível que o sangue de touros e bodes tire pecados". E logo em seguida a carta fala da obediência e vontade de Cristo, e diz: "Em cuja vontade fomos santificados, pela oferta do corpo e sangue de Jesus Cristo, uma vez por todas" (Hebreus 10: 10).

Em João 17:19 e seguintes, o próprio Cristo indica que sua morte e sangue são um sacrifício por nós: "E por eles me consagro, para que também eles sejam consagrados na verdade. Não rogo apenas por eles, mas também para quem acredita em mim pela palavra". Eis que estas são as palavras do nosso Mediador e Sumo Sacerdote com as quais se oferece por toda a cristandade e pela Igreja, e por elas faz uma oração muito consoladora! Essas palavras nunca devemos esquecer.

Isaías, o profeta, expõe a lei de Moisés de tal forma que sabemos que não são os sacrifícios da lei de Moisés, mas apenas a morte e o sangue de Cristo que é uma expiação pelo pecado. No capítulo 53: 10, ele diz: "Quando se oferecer pelo pecado, verá a sua descendência e prolongará os seus dias". É como se ele tivesse dito que há outro sacrifício próximo, que realmente tirará o pecado. Portanto, os sacrifícios diários da lei de Moisés não tirou o pecado, nem livrou da morte eterna.

São Paulo expôs ainda mais claramente a passagem de Isaías quando diz, em Gálatas 3, 13, "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós". Da mesma forma, Romanos 8: 3, ["enviando seu próprio Filho em semelhança de carne pecaminosa e] pelo pecado, ele condenou o pecado na carne"; isto é, ele tirou o pecado, foi punido e fez expiação por meio de seu sacrifício pelo pecado, pois na língua hebraica o sacrifício pelo pecado também é chamado de "pecado".

Certamente não há mais do que um sacrifício que tira o pecado, pois os sacrifícios pelo pecado na lei eram assim chamados apenas por causa do que significam, o único sacrifício na cruz, Cristo. Portanto, visto que Cristo é revelado, visto que ele veio, eles são abolidos, pois eram apenas as sombras da verdadeira reconciliação, como declara São Paulo: "Portanto, desde que a verdade, Cristo, é revelada, eles cessaram" (cf. Hebreus 10: 1, 9-14).


Do sacrifício de agradecimento [oferta de agradecimento]

Agora vamos falar sobre o sacrifício de agradecimento, ou sacrifício de louvor, nas Escrituras. Quando os cristãos prestam tais sacrifícios, eles estão verdadeira e puramente pregando o evangelho, fé, oração, gratidão, paciência nas dificuldades e aflições e confissão do evangelho; em geral, todos os bons frutos da fé dos santos são sacrifícios de agradecimento.

Esses sacrifícios de agradecimento agora não são uma satisfação ou expiação pelos pecados, nem são sacrifícios que alguém pode realizar ou solicitar por outro. Não merecem perdão dos pecados ex opere operato, ou seja, sem temor de Deus e sem fé.

Portanto, não há nenhum sacrifício pelo pecado e nenhuma expiação pelo pecado no Novo Testamento, exceto o mais querido e mais elevado sacrifício, a morte e o sangue de Cristo. Todos os outros no Novo Testamento são sacrifícios de agradecimento. Primeira Pedro 2: 4 diz: "Você é um santo sacerdócio, para oferecer sacrifícios espirituais". Visto que São Pedro usa as palavras "sacrifícios espirituais", ele indica não apenas que a matança de bois e bodes na lei, mas também que todas as outras boas obras externas, ex opere operato, sem Espírito e fé, não são sacrifícios espirituais. Espiritual aqui significa a luz e a atividade viva do Espírito Santo no coração.

O capítulo treze da Carta aos Hebreus fala também deste sacrifício espiritual: «Por ele, então, ofereçamos continuamente um sacrifício de louvor a Deus» (v. 15). O apóstolo diz claramente que o sacrifício de louvor é fruto dos lábios que confessam seu nome, isto é, que pregam o evangelho, oram e invocam a Deus. Esses sacrifícios de agradecimento e louvor são vazios e desconfortáveis ​​quando realizados apenas como obras, ex opere operato, pois Deus se agrada apenas pela fé, por amor de Cristo, como as pequenas palavras "por ele", isto é, por Cristo, indicam.

Mas é muito consolador para os cristãos saber em seus corações que todas as suas obras, tribulações e sofrimentos são sacrifícios caros e nobres que agradam a Deus, e que por meio deles Deus também é glorificado e louvado.

Muitas belas passagens nos Salmos e profetas mencionam esses sacrifícios. Salmo 50: 14, "Ofereça a Deus um sacrifício de louvor; isto é, invoque-o no momento da angústia"; da mesma forma, Salmo 51: 17, “O sacrifício aceitável a Deus é o espírito quebrantado”.

Em segundo lugar, devemos saber que no Novo Testamento a adoração não consiste apenas em formas externas e obras vistosas, mas é uma luz divina, fé, temor, conforto e alegria em Deus no coração; e o início da vida eterna e das obras adequadas seguem a luz divina e a vida no coração, como diz o profeta: "Porei a minha lei neles e a escreverei em seus corações" (Jeremias 31: 33). E Cristo diz em João 4: 23: "Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade". Portanto, as cerimônias e os sacrifícios da lei de Moisés são abolidos, pois o Novo Testamento exige sacrifícios espirituais do coração, ou seja, a verdadeira fé, o verdadeiro temor de Deus, e disso o exterior, o verdadeiro fruto da fé.

O Novo Testamento não tem nenhum sacrifício ou serviço divino pelo qual eu possa por mim ou por outro mérito o perdão dos pecados por meio de algum trabalho executado mecanicamente (como eles o chamam, ex opere oeprato). Esta passagem é definitivamente contra: "Os adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade". Por isso é um ensinamento odioso, cruel, farisaico e erro que qualquer pessoa, por meio de obras realizadas mecanicamente, sem coração e fé, deva merecer o perdão dos pecados.

Como a Bíblia e a história de toda a Escritura indicam claramente, quando os israelitas em tal erro farisaico prepararam inúmeros sacrifícios, altares e serviços divinos para obter graça e perdão dos pecados, os profetas se opuseram e com todo o seu poder se esforçaram para erradicar tais ensino farisaico.

No Salmo 50: 13 Deus rejeita os sacrifícios, preferindo ter sacrifícios de louvor e invocação. "Você acha que eu como a carne de touros? ... Ofereça a Deus um sacrifício de ação de graças".

Isaías 1: 11: “'O que é para mim a multidão dos teus sacrifícios?' diz o Senhor".

Jeremias 7: 22: “Pois no dia em que os tirei da terra do Egito, não falei a vossos pais, nem lhes ordenei sobre holocaustos e sacrifícios. Mas esta ordem lhes dei: 'Obedeçam a minha voz, e Eu serei o seu Deus'”.

Como o profeta diz que o Senhor não falou com seus pais sobre os sacrifícios, e como é certo que em toda a lei de Moisés há muito sobre os sacrifícios, Jeremias deve estar reprovando a hipocrisia dos sacrifícios externos, ex opere operato, que Deus faz não requer, pois ele deseja ter o coração.

Por erro farisaico semelhante, inúmeros serviços divinos de missas pelas almas e outras missas foram adotados na Igreja, e os padres, de forma blasfema, ensinaram que são agradáveis a Deus e merecem o perdão dos pecados para si próprios e para os outros apenas por causa da execução, ex opere operaro.

Eles ensinaram que, por meio das mesmas missas, participamos do sacrifício de Cristo na cruz. Mas, ao contrário, cada um por sua própria fé, não por meio da missa ou da obra de outro, deve participar da morte e do sacrifício de Cristo, sem mérito e por graça, não por causa de qualquer obra.

Isso, então, é evidente, que a verdadeira participação na Ceia como instituída é uma aliança, por meio da qual o Filho de Deus nos dá e nos aceita na graça e, portanto, não é um sacrifício. Devemos, no entanto, aceitar a graça proferida com verdadeira fé e confiança na promessa divina, e dessa fé e confiança seguir a verdadeira invocação de Deus e do Mediador, Cristo, e ação de graças pela redenção e outros dons.

Segue-se a confissão do evangelho, harmoniosamente manifestada, uns com os outros na Ceia do Senhor Cristo para dar aos outros um bom exemplo, confirmá-los no ensino verdadeiro e encorajá-los a melhorar.

A pregação do evangelho e a exortação cristã também devem ser ouvidas com esta cerimônia. Essas obras do coração, conforme ocorrem após a cerimônia, são sacrifícios de agradecimento; e referem-se à passagem em Hebreus 13: 15, "Por ele, pois, ofereçamos continuamente um sacrifício de louvor a Deus, isto é, o fruto de lábios que reconhecem o seu nome".

Para essas obras que se seguiram, os antigos usaram a palavra "sacrifício" e, mais tarde, por meio de um uso indevido, ela foi incluída na cerimônia. No entanto, devemos definitivamente manter a distinção entre o trabalho externo e a verdadeira adoração a Deus no coração, sem a qual a cerimônia não é útil nem frutífera para ninguém, como dito anteriormente: "Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade"; isto é, com o Espírito Santo produzindo desejos verdadeiros no coração, como está escrito em Romanos 8: 26, “O Espírito ajuda-nos nas nossas fraquezas”.

Claramente, os ensinos dos papistas sobre sua aplicação e sacrifícios de cerimônias são erros terrivelmente vazios e distantes da adoração a Deus; pelo contrário, eles irritam ainda mais a Deus. Todos os homens piedosos devem suplicar a Deus que purifique a Igreja e elimine toda idolatria para que os favorecidos possam invocar corretamente o Deus eterno em verdadeira confiança em seu Filho Cristo.

No entanto, o vinho irá contestar e afirmar que é a arte e a natureza de todo sacrifício ser feito por outro e para que outro participe dele. Romanos 12 indica que isso é falso. “Cada um receberá uma recompensa de acordo com seu trabalho”; da mesma forma, "Cada um deve provar a sua obra" e, "O justo viverá da fé". A parábola das virgens sábias e tolas também aponta para isso.

Esses serviços divinos são obras exigidas dos cristãos, pois, como diz São Paulo: "Somos devedores" (Romanos 8: 12), também "Ai de mim se não pregar o evangelho" (1 Coríntios 9: 16)! Se nossas obras por si mesmas não bastam, se a fé em Cristo deve torná-las aceitáveis, o que seria senão farisaico e arrogância inflada se considerássemos nosso trabalho um pagamento pelo pecado, não apenas para nós, mas também para outra pessoa? Portanto, Cristo diz, em Lucas 17: 10: “Assim também vós, depois de haverdes feito tudo quanto te foi ordenado, dizei: Somos servos indignos! ...”.

O Salmo 50 chama as orações e invocações dos profetas no dia da angústia de sacrifício, da mesma forma, a ação de graças, um sacrifício de louvor. Agora, agradecer a Deus por nos resgatar da angústia não é uma obra que pode ser transmitida a outra pessoa e não pode ser aplicada ao nosso próprio empreendimento. Portanto, é falso dizer que a natureza de todo sacrifício é que alguém participe de outra pessoa, pois apenas o único sacrifício, Cristo na cruz, é um sacrifício que aconteceu por outros e é concedido a outros. Os outros são sacrifícios de agradecimento e não ajudam mais do que outras boas obras e frutos da fé. Portanto, eles não devem ser considerados como sacrifícios se forem feitos para o bem de outros para obter o perdão dos pecados.

Alguém pode dizer aqui: "No entanto, não oramos pelos outros?". Resposta: A oração é outro assunto, pois quando oramos, não entregamos uma obra a Deus como pagamento por outra pessoa; em vez disso, procuramos receber algo de Deus. Deus prometeu dar a nós e aos outros aquilo pelo que oramos; por esta razão, uma distinção aqui é fácil.

Na oração, apresentamos a Deus, não nossas obras como sacrifício ou pagamento pelo pecado de outros; queremos obter algo por meio do Cristo Mediador, e o próprio Senhor diz: "Tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vos concederá" (Mateus 7: 7; Lucas 11: 9). Vir diante de Deus, na fé em Cristo, e não por causa do nosso esforço, é uma coisa muito diferente de vir diante de Deus com o mérito de nossas próprias obras, com a intenção de transmitir as obras a outra pessoa.

Por esta razão, não devemos conceder o ensino de que nossas boas obras podem ser transmitidas e aplicadas a outros para obter para eles graça e perdão dos pecados, pois está escrito: "O justo viverá da fé" (Romanos 1: 17).

Além disso, devemos saber que, por causa dos pecados de alguns, o castigo divino e a praga recaem sobre outros nesta vida. Mas, por amor à virtude de alguns homens piedosos, Deus frequentemente poupa outros e afasta o castigo temporal, como indicam muitas passagens e exemplos.

Conforme Jeremias 49: “Pois assim diz o Senhor: 'Se os que não mereciam beber o cálice, o beberem (ficaram impunes)?' ".

Da mesma forma, Isaías 33 indica que, por causa de alguns homens piedosos e tementes a Deus, Deus abençoará o país e o povo com bons governantes, com paz temporal e outras coisas. "Aquele que anda em retidão e fala retamente; aquele que despreza o ganho da opressão, que estremece suas mãos para não aceitar subornos, que tapa seus ouvidos para ouvir falar de sangue e fecha seus olhos para não ver o mal; ele habitará no alto: seu lugar de defesa serão as munições de rochas: seu pão será dado a ele; suas águas serão seguras. Os teus olhos verão o rei na sua formosura: eles verão uma terra longínqua" (v. 15-17 - KJL).

Aqui, Deus promete, entre outras coisas, que por causa de alguns homens tementes a Deus, o governo seguirá em frente silenciosamente e a paz geral será mantida.

Existem também exemplos de outros sendo punidos por causa das transgressões e pecados de alguns. Por causa do pecado de Davi, o povo foi punido e, por causa de algumas pessoas justas e piedosas, Deus estava disposto a poupar toda Sodoma. Por causa de Naamã, Deus concedeu bênção e fortuna a toda a Síria. Portanto, devemos saber que Deus oferece amplamente recompensa e punição, para que possamos nos tornar ainda mais zelosos nas boas obras.

No entanto, em tais e semelhantes passagens das Escrituras, devemos saber, primeiro, que tudo isso não está relacionado ao artigo principal, ou à questão sobre como somos justificados diante de Deus. Ou seja, as boas obras dos outros, dos santos e dos piedosos, não ajudam a reconciliar os ímpios e injustos com Deus, ou a obter para eles o perdão dos pecados, mas para aqueles que por meio de Cristo agora são piedosos e santos, eles são ocasiões para o bem em todos os tipos de dons, pois os fiéis e os cristãos são membros do corpo de Cristo.

Em segundo lugar, não temos o direito de transmitir nossas obras a outra pessoa, pois isso é confiar em nossas obras contrárias ao evangelho; será deixado a Deus recompensar a obediência cristã em comum ou em particular. No entanto, os cristãos podem orar por seus irmãos e outros; pois não o fazem por mérito, mas pela fé e pela promessa da graça em Cristo.

A partir disso, podemos entender bem quanto da aplicação ou transmissão de obras, que os monges exaltaram muito, devemos manter. No que diz respeito à justificação diante de Deus, não há aplicação sem fé. A fé, porém, usa os instrumentos da palavra e dos sacramentos, pois dão testemunho de que cada um, por sua própria fé, e nem por obra de outrem, recebeu o tesouro da graça de Cristo. Isso é o suficiente sobre a missa neste momento.

~

Por: Philipp Melanchthon
Extraído de: Loci Praecipui Theologici
Ano: 1559

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: