Epístola de Mathetes para Diogneto - IV

As outras observâncias dos judeus.

Mas quanto à sua forma escrupulosa com respeito às carnes, e sua superstição com respeito aos sábados, e sua vanglória sobre a circuncisão, e suas fantasias sobre o jejum e as luas novas, que são totalmente ridículas e indignas de nota; eu não [1] acho que você precise aprender alguma coisa comigo. Pois, aceitar algumas daquelas coisas que foram formadas por Deus para o uso dos homens como devidamente formadas, e rejeitar outras como inúteis e redundantes; como isso pode ser legal? E falar falsamente de Deus, como se Ele nos proibisse de fazer o que é bom nos sábados; como isso não é ímpio? E para se gloriarem na circuncisão [2] da carne como uma prova de eleição, e como se, por causa disso, eles fossem especialmente amados por Deus; como isso não seria um motivo de ridicularizarão? E quanto à observação de meses e dias [3], como se estivessem esperando [4] as estrelas e a lua, e sua distribuição [5], de acordo com suas próprias tendências, os compromissos de Deus e as vicissitudes das estações, alguns para festas [6], e outros para luto; quem consideraria isso uma parte da adoração divina, e não muito mais uma manifestação de tolice? Suponho, então, que você está suficientemente convencido de que os cristãos se abstêm apropriadamente da vaidade e do erro comum [a judeus e gentios], e do espírito de corpo ocupado e vanglória dos judeus; mas você não deve esperar aprender o mistério de seu modo peculiar de adorar a Deus de qualquer mortal.

~


Mathetes

Pais Ante-Nicenos I - Os Pais Apostólicos


Notas:

[1] Otto, apoiado na autoridade dos manuscritos, omite o negativo, mas o sentido parece requerer sua inserção. 

[2] Literalmente, “diminuindo”. 

[3] Comparar com Gálatas 4. 10. 

[4] Isso parece referir-se à prática dos judeus em fixar o início do dia e, consequentemente, do sábado, a partir do nascer das estrelas. Eles costumavam dizer que, quando três estrelas de magnitude moderada apareceram, era noite; quando dois, era crepúsculo; e quando era apenas um, aquele dia ainda não havia partido. Assim aconteceu (de acordo com seu cálculo noturno (νυχθήμερον)), que todo aquele que se engajou no trabalho na noite de sexta-feira, o início do sábado, após três estrelas de tamanho moderado serem visíveis, foi considerado como tendo pecado, e teve que apresentar uma oferta pela culpa; e assim por diante, de acordo com a regra fantasiosa descrita. 

[5] Otto fornece a lacuna que aqui ocorre nos manuscritos para ler καταδιαιρεῖν. 

[6] As grandes festas dos judeus são aqui mencionadas de um lado, e o dia da expiação, do outro.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: