ad

Nossos pecados

“Faze-me conhecer a minha transgressão e o meu pecado”. Jó 13:23 

“Nossos pecados testificam contra nós”. Isaías 59:12 

“Limpa-me do meu pecado”. Salmo 51: 2. 

“O sangue de Jesus Cristo Seu Filho nos purifica de todo pecado”. 1 João 1: 7.

-------

Compre hoje mesmo o livro "Caminhos Antigos", de J. C. Ryle, clicando aqui!
-------

As duas palavras que encabeçam esta página devem suscitar em nós grandes buscas no coração. Eles dizem respeito a todos os homens e mulheres nascidos no mundo. Conhecer "nossos pecados" é a primeira letra do alfabeto da religião salvadora. Compreender nossa posição aos olhos de Deus é um passo em direção ao céu. O verdadeiro segredo da paz de consciência é sentir que "nossos pecados" são eliminados. Se amamos a vida, nunca devemos descansar até que possamos dar uma resposta satisfatória à pergunta: "ONDE ESTÃO OS MEUS PECADOS?".

Peço aos meus leitores hoje que olhem de frente para essa pergunta simples. Aproxima-se o tempo em que a pergunta deve ser respondida. Chegará a hora em que todas as outras perguntas parecerão uma gota d'água em comparação com isso. Não devemos dizer: "Onde está meu dinheiro?", ou "Onde estão minhas terras?", ou "Onde está minha propriedade?". Nosso único pensamento será: "Meus pecados! Meus pecados! Onde estão meus pecados?".

Vou fazer algumas observações que podem ajudar a lançar luz sobre o poderoso assunto que está diante de nossos olhos. O desejo do meu coração e a oração a Deus é este - que este artigo seja útil para as almas de todos os que leem este volume. Suplico-lhe que faça uma leitura justa. Leia - leia! Leia até o fim! Quem pode dizer senão o Espírito Santo pode usar este papel para salvar sua alma!


I. Minha primeira observação é esta: Você tem muitos pecados.

Digo isso com ousadia e sem a menor hesitação. Não sei quem você é, ou como o tempo passado de sua vida foi gasto. Mas eu sei, pela Palavra de Deus, que todo filho e filha de Adão é um grande pecador aos olhos de Deus. Não há exceção. O pecado é a doença comum de toda a família da humanidade em todas as partes do globo. Do rei em seu trono - ao mendigo à beira da estrada; do senhorio em seu salão - ao trabalhador em sua cabana; da bela senhora em sua sala de visitas - até a mais humilde criada da cozinha; do clérigo no púlpito - à criança na escola dominical - somos todos culpados por natureza, culpados, culpados aos olhos de Deus! “Em muitas coisas ofendemos a todos”. "Não há nenhum justo - não, nenhum". “Todos pecaram”. “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós” (Tiago 3. 2; Romanos 3. 10; 5. 12; 1 João 1. 8). É inútil negar. Todos nós pecamos em muitos pecados!

Alguém duvida da veracidade dessas palavras? Em seguida, vá e examine a lei de Deus, conforme exposta pelo próprio Filho de Deus. Leia com atenção o quinto capítulo do Evangelho de Mateus. Veja como os mandamentos de Deus se aplicam às nossas palavras, bem como às nossas ações, e aos nossos pensamentos e motivos, bem como às nossas palavras. Saiba que "o Senhor não vê como o homem vê - o homem olha para a aparência exterior - mas o Senhor olha para o coração". À sua vista, o próprio “pensamento de loucura é pecado” (1 Samuel 16. 7; Provérbios 24. 9).

E agora volte para a história de sua própria vida e experimente de acordo com os padrões desta lei sagrada. Pense nos dias de sua infância e em toda a sua obstinação, egoísmo, temperamento mau, perversidade e atraso para com o que é bom. Lembre-se dos dias de sua juventude, sua obstinação, seu orgulho, suas inclinações mundanas, sua impaciência de controle, seu anseio por coisas proibidas. Lembre-se de sua conduta desde que veio à propriedade do homem, e os muitos desvios do caminho certo, de que você tem sido culpado todos os anos. Certamente, diante da história de sua vida, você não vai se levantar e dizer: "Eu não pequei!".

E então volte para a história do seu próprio coração. Considere quantas coisas más passaram por ela, das quais o mundo nada sabe. Lembre-se dos milhares de imaginações pecaminosas e ideias corruptas que seu coração alimentou, mesmo quando sua conduta externa foi correta, moral e respeitável. Reflita sobre os pensamentos vis, e nas intenções enganosas, nos falsos motivos e nos sentimentos maliciosos, invejosos e rancorosos que andaram de cima para baixo em seu homem interior, enquanto os mais próximos de você nunca sonharam ou adivinharam o que estava acontecendo. Certamente, diante da história do seu coração, você não se levantará e dirá: "Eu não pequei!".

Mais uma vez, pergunto a cada leitor deste artigo: Você duvida do que estou dizendo? Você tem dúvidas se você cometeu muitos pecados? Então vá e examine o capítulo vinte e cinco do Evangelho de Mateus. Leia a parte final desse capítulo, que descreve os procedimentos do Dia do Julgamento. Observe cuidadosamente os motivos pelos quais os ímpios, à esquerda, são condenados ao fogo eterno. Nenhuma menção é feita a grandes atos abertos de maldade que cometeram. Eles não são acusados ​​de terem assassinado, roubado, prestado falso testemunho ou cometido adultério. Eles são condenados por pecados de omissão! O mero fato de terem deixado de fazer coisas que deveriam ter feito é suficiente para arruinar suas almas para sempre. Em suma, os pecados de omissão de um homem são suficientes para afundá-lo no inferno!

E agora olhe para você mesmo à luz desta maravilhosa passagem das Escrituras. Tente se lembrar das incontáveis coisas que você deixou de fazer, que você poderia ter feito e não disse, que poderia ter dito. Os atos de bondade abnegada, que você poderia ter praticado - mas negligenciou, quantos são! O bem que você poderia ter feito e a felicidade que poderia ter causado, com muito poucos problemas para si mesmo - quão vasta é a quantidade dela! Certamente, em face do ensino de nosso Senhor sobre os pecados de omissão, você não se levantará e dirá: "Eu não pequei!"

Mais uma vez pergunto: Você duvida da verdade do que estou dizendo? Eu acho bem possível que você faça. Como ministro de Cristo por mais de um quarto de século, sei algo sobre a extrema cegueira do homem para seu próprio estado natural. Ouça-me mais uma vez, enquanto eu pressiono sua consciência com outro argumento. Ó, que Deus possa abrir seus olhos e mostrar o que você é!

Sente-se, pegue uma caneta e um papel e conte os pecados que você provavelmente cometeu desde que conheceu o bem do mal. Sente-se, eu digo, e faça uma soma. Conceda por um momento que houve, em média, quinze horas em cada vinte e quatro durante as quais você esteve acordado, sendo um ser ativo e responsável. Conceda por um momento que em cada uma dessas quinze horas você cometeu apenas dois pecados. Certamente você não dirá que esta é uma suposição injusta. Lembre-se de que podemos pecar contra Deus em pensamento, palavra ou ação. Repito, não pode ser considerado algo extremo supor que, em cada hora de sua vida, você cometeu, em pensamento, palavra ou ação, dois pecados. E agora some os pecados de sua vida e veja a que soma eles vão chegar.

Ao ritmo de quinze horas de vigília por dia, você cometeu trinta pecados todos os dias! Na proporção de sete dias por semana, você cometeu duzentos e dez pecados todas as semanas! Na proporção de quatro semanas em cada mês, você cometeu oitocentos e quarenta pecados todos os meses! Na proporção de doze meses em cada ano, você cometeu dez mil e oitenta pecados todos os anos! E, em suma, para não ir mais longe no cálculo, a cada dez anos de sua vida você pecou, ​​no menor cálculo, mais de CEM MIL PECADOS!

Convido você a olhar com calma para esta soma. Eu te desafio a contestar sua correção. Eu lhe pergunto, pelo contrário, se eu não subestimei inteiramente o seu caso. Eu apelo a você, como uma pessoa honesta, se não é verdade, que muitas horas, e muitos dias em sua vida, você tem pecado incessantemente? Eu pergunto com segurança, se a soma não seria muito mais correta se o número total de seus pecados fosse multiplicado por dez? Ó, pare com sua justiça própria! Deixe de lado essa fachada orgulhosa de "não ser tão ruim", na qual você está tentando se embrulhar. Seja ousado o suficiente para confessar a verdade. Não dê ouvidos àquele velho mentiroso, o diabo. Certamente, em face dessa soma condenatória que acabei de lançar, você não se atreverá a negar que "você tem muitos pecados".

Deixo essa parte do meu assunto aqui e passo adiante. Infelizmente, temo que muitos leitores passem os olhos pelo que estou dizendo e permaneçam não convencidos e impassíveis. Aprendi por experiência triste que a última coisa que um homem descobre e compreende é seu próprio estado aos olhos de Deus. Bem diz o Espírito Santo, que somos todos por natureza "cegos", "surdos", "mudos", "adormecidos", "fora de nós" e "mortos!". Nada, nada jamais convencerá o homem de seu pecado, exceto o poder do Espírito Santo. Mostre-lhe o inferno, e ele não fugirá dele; mostre-lhe o céu, e ele não o buscará; silencie-o com avisos, mas ele não se mexerá; alfinete sua consciência, e ainda assim ele permanecerá duro. O poder do alto deve descer e fazer o trabalho. Mostrar ao homem o pecador que ele realmente é - é a obra especial do Espírito Santo de Deus.

Aquele que tem algum sentimento de sua própria pecaminosidade, deve agradecer a Deus por isso. Essa mesma sensação de fraqueza, maldade e corrupção, que talvez o deixe desconfortável, é na verdade um símbolo do bem e um motivo de louvor. O primeiro passo para ser realmente bom - é se sentir mal. A primeira preparação para o céu - é saber que não merecemos nada além do inferno. Antes que possamos ser considerados justos, devemos saber que somos pecadores miseráveis. Antes de termos felicidade interior e paz com Deus, devemos aprender a ficar envergonhados e confundidos por causa de nossas múltiplas transgressões. Antes que possamos nos alegrar em uma esperança bem fundamentada, devemos ser ensinados a dizer: "Impuro! Impuro! Deus, tenha misericórdia de mim, um pecador!".

Aquele que realmente ama sua própria alma deve tomar cuidado para não controlar e sufocar esse sentimento interior de pecaminosidade. Suplico-te, pela misericórdia de Deus, não o pises, não o esmagues, não o agarre pela garganta e se recuse a dar-lhe a tua atenção. Cuidado para não seguir os conselhos de pessoas do mundo sobre isso. Não trate isso como um caso de desânimo, saúde desordenada ou qualquer coisa do gênero. Cuidado para não ouvir o conselho do diabo sobre isso. Não tente afogá-lo em bebida e folia; não tente passar por cima dele com cavalos, caça, carruagem e esportes de campo; não tente eliminá-lo com uma série de festas de cartas, bailes e concertos. Ó, se você ama sua alma, não, não trate o primeiro sentido de pecado dessa maneira miserável! Não cometa suicídio espiritual - não mate sua alma!

Em vez disso, vá e ore a Deus para lhe mostrar o que significa esse sentimento de pecado. Peça a Ele para enviar o Espírito Santo para lhe ensinar o que você é e o que Ele deseja que você faça. Vá e leia sua Bíblia e veja se não há um motivo justo para o seu desconforto e se essa sensação de ser "perverso e mau" não é apenas o que você tem o direito de esperar. Quem pode dizer se é uma semente do céu, que um dia dará frutos no Paraíso em sua salvação completa? Quem pode saber se é uma faísca do céu, que Deus pretende transformar em um fogo constante e brilhante? Quem pode dizer se não é uma pequena pedra de cima, diante da qual o reino do diabo em seu coração deve descer, e uma pedra que provará o primeiro alicerce de um glorioso templo do Espírito Santo? Feliz de fato é aquele homem ou mulher que pode concordar com minha primeira observação e dizer: "É VERDADE - EU TENHO MUITOS PECADOS".


II. Minha segunda observação é a seguinte: É de extrema importância que nossos pecados sejam removidos de nós e levados embora.

Eu digo isso com ousadia e confiança. Estou ciente da multidão de coisas que são consideradas "importantes" no mundo e recebo a primeira e melhor das atenções dos homens. Mas eu sei bem o que estou dizendo. Ouso dizer que o negócio do meu Mestre merece ser colocado antes de todos os outros negócios; e aprendo com o livro do meu Mestre que não há nada tão importante para um homem como ter seus pecados perdoados e limpos.

Vamos lembrar que existe um Deus acima de nós. Nós O vemos não na cidade. A pressa e a agitação, o comércio e o comércio parecem engolir as mentes dos homens. Nós O vemos não no país. A lavoura e o trabalho continuam em curso regular, e o tempo de semear e colher nunca falha. Mas todo esse tempo há um Olho eterno olhando do céu para baixo e vendo tudo o que as pessoas fazem - um olho que nunca cochila e nunca dorme! Sim! Não há apenas uma rainha, um governo, um senhorio, um senhor e um empregador para serem lembrados. Há Alguém mais elevado, muito mais elevado do que todos esses, que espera que Suas dívidas sejam pagas. Esse é o Deus Altíssimo.

Este Deus é um Deus de santidade infinita. Ele tem "olhos mais puros do que para ver o mal, e não pode ver a iniquidade" (Habacuque 1. 13). Ele vê defeitos e enfermidades onde não vemos nenhum. À sua vista, os próprios “céus não são limpos” (Jó 15:15). Ele é um Deus de conhecimento infinito. Ele conhece cada pensamento, palavra e ação de cada um dos filhos de Adão - não há segredos ocultos Dele. Tudo o que pensamos, dizemos e fazemos está anotado e registrado no livro de Sua memória. Ele é um Deus de poder infinito. Ele fez todas as coisas no início. Ele ordena todas as coisas de acordo com Sua vontade. Ele derruba os Reis deste mundo em um instante. Ninguém pode se opor a Ele quando está com raiva. Acima de tudo, Ele é um Deus em cujas mãos estão nossas vidas e todas as nossas preocupações. Ele primeiro nos deu o ser. Ele nos manteve vivos desde que nascemos. Ele nos removerá quando achar conveniente e fará contas conosco de acordo com nossos caminhos. Esse é o Deus com quem temos que lidar.

Vamos pensar nessas coisas. Certamente, como Jó diz, "quando você considerar você terá medo" (Jó 23. 15). Certamente você verá que é de extrema importância que seus pecados sejam purificados. Certamente você perguntará: "Como estão as coisas entre mim e Deus?".

Lembremo-nos, além disso, que a morte está diante de nós! Não podemos viver para sempre. Deve haver um fim, um dia, de todas as nossas maquinações e planejamento, compra e venda, trabalho e labuta. Um visitante virá à nossa casa e não aceitará negação. O rei dos terrores exigirá admissão e nos avisará para desistir. Onde estão os governantes e reis que governaram milhões há cem anos? Onde estão os ricos que fizeram fortunas e fundaram casas? Onde estão os proprietários que receberam aluguéis e adicionaram campo a campo? Onde estão os trabalhadores que araram a terra e colheram os grãos? Onde estão os clérigos que realizavam serviços e pregavam sermões? Onde estão as crianças que brincavam ao sol como se nunca fossem ficar velhas? Onde estão os velhos que se apoiavam em suas varas e fofocavam sobre "os dias em que eram jovens"? Existe apenas uma resposta. Eles estão todos mortos, mortos, mortos! Fortes, bonitos e ativos como antes - agora são pó e cinzas! Poderosos e importantes como todos eles pensavam por conta de seu próprio negócio - tudo chegou ao fim. E estamos viajando da mesma maneira! Mais alguns anos e também estaremos deitados em nossos túmulos!

Vamos pensar nessas coisas. Certamente, quando você considera seu último fim, não vai pensar que a purificação do pecado é uma questão leve. Certamente você verá algo na pergunta, "Onde estão seus pecados?". Certamente você irá considerar: "Como vou morrer?".

Lembremos, além disso, que a ressurreição e o julgamento nos aguardam! Nem tudo acabou quando o último suspiro é dado e nossos corpos se tornam um amontoado de argila fria. Não - nem tudo acabou! As realidades da existência então começam. As sombras terão desaparecido para sempre. A trombeta um dia soará e nos chamará de nosso leito estreito. Os túmulos serão alugados e seus inquilinos serão convocados ao encontro de Deus. Os ouvidos que não obedecerem ao sino para ir à igreja serão obrigados a obedecer a outra convocação; as vontades orgulhosas que não se submetem a ouvir sermões serão compelidas a ouvir o julgamento de Deus. O grande trono branco será posto - os livros serão abertos. Cada homem, mulher e criança será denunciado por aquela grande assembleia. Todos devem ser julgados de acordo com suas obras. Os pecados de todos serão respondidos. E todos receberão sua porção eterna no céu ou no inferno!

Vamos pensar nessas coisas. Certamente, em memória daquele dia, você deve permitir que meu assunto mereça atenção. Certamente você deve confessar que é de extrema importância que seus pecados sejam purificados. Certamente você irá considerar: "Como serei julgado?".

Devo falar o que está em minha mente. Sinto grande tristeza e angústia de coração por muitos homens e mulheres no mundo. Temo por muitos que vivem nesta assim chamada terra cristã; temo por muitos que professam e se dizem cristãos; temo por muitos que vão à igreja ou capela todos os domingos e têm uma forma decente de religião; temo que eles não vejam a imensa importância de ter seus pecados purificados. Posso ver claramente que há muitas outras coisas que eles consideram muito mais importantes. Dinheiro, terras, fazendas, cavalos, carruagens, cachorros, comida, bebida, roupas, casas, casamentos, famílias, negócios e prazer - estes são os tipos de coisas que muitos, evidentemente, pensam as "primeiras coisas". E quanto ao perdão e purificação de seus pecados, é um assunto que tem muito pouco lugar em seus pensamentos.

Veja o homem de negócios, enquanto ele examina seu livro-razão e livros contábeis, e passa os olhos pelas colunas de números. Veja o homem de prazer, enquanto ele percorre o país com seus cavalos e cães, ou corre atrás da emoção nas corridas, no teatro, na festa de cartas ou no baile. Veja o pobre trabalhador irrefletido, enquanto carrega seu suado salário para a cervejaria, e o desperdiça, arruinando corpo e alma. Veja todos eles, como eles são honestos! Veja todos eles, como eles colocam seus corações no que estão fazendo! E então marque todos eles na igreja no próximo domingo - apáticos, descuidados, bocejando, sonolentos e indiferentes, como se não houvesse Deus, nem diabo, nem Cristo, nem céu, nem inferno! Observe como é evidente que eles deixaram seus corações fora da igreja! Observe como é claro que eles não têm nenhum interesse real no Cristianismo! E então diga se não é verdade que muitos não sabem nada sobre a importância de ter seus pecados purificados. Ó, tome cuidado para que este seja o seu caso!

Algum leitor destas páginas sente algo sobre a importância de ser perdoado? Então, em nome de Deus, peço que você encoraje cada vez mais esse sentimento. Este é o ponto para o qual desejamos levar as almas de todas as pessoas. Queremos que você entenda que a religião não consiste em professar certas opiniões e cumprir certos deveres externos, e cumprir certas formalidades externas. Consiste em reconciliar-se com Deus e desfrutar da paz com ele. Consiste em ter nossos pecados purificados e em saber que estão purificados. Consiste em voltar a ser amigo do Rei dos reis e viver sob o sol dessa amizade. Não dê ouvidos àqueles que desejam persuadi-lo de que se você apenas "for à igreja" regularmente, certamente irá para o céu. Em vez disso, decida em sua mente que a verdadeira religião salvadora, como a que a Bíblia ensina, é outro tipo de coisa. O próprio fundamento do verdadeiro Cristianismo é saber que você tem muitos pecados e merece o inferno - e sentir a importância de ter esses pecados purificados, a fim de que você possa ir para o céu.

Felizes, diz o mundo, os que têm muitas propriedades e belas casas! Felizes são os que têm carruagens, cavalos, servos, grandes balanças nos banqueiros e grandes tropas de amigos! Felizes os que se vestem de púrpura e linho fino e se alimentam suntuosamente todos os dias, que nada têm a fazer senão gastar seu dinheiro e divertir-se! No entanto, qual é o valor real dessa felicidade? Não proporciona nenhuma satisfação real e sólida, mesmo na hora do prazer. Isso dura apenas alguns anos. Só dura até que a morte chegue, como a mão no banquete de Belsazar, e logo tudo se desfaz. E então, em muitos casos, essa assim chamada felicidade é trocada pela MISÉRIA ETERNA NO INFERNO.

“Bem-aventurados”, diz a Palavra de Deus, “aqueles cujas iniquidades são perdoadas e cujos pecados são cobertos! Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa a iniquidade! Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus! Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados! Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos!" (Salmo 32. 1, 2; Mateus 5. 1-8). Sua bem-aventurança nunca terá fim - sua felicidade não é uma fonte seca no verão, apenas falhando quando a necessidade é maior; seus amigos não são andorinhas de verão, abandonando-os, como os convidados de Adonias, o primeiro momento em que soa a trombeta. Seu sol nunca se porá. Sua alegria brotará com o tempo e florescerá na eternidade. A felicidade deles, em uma palavra, é a verdadeira, pois é para sempre.

Você acredita no que estou dizendo? É tudo bíblico e verdadeiro. Você verá um dia cujas palavras permanecerão - as palavras do homem ou a Palavra de Deus. Seja sábio com o tempo. Decida em seu coração, nesta mesma hora, que a coisa mais importante a que o homem pode cuidar é a limpeza e o perdão de seus pecados.


III. Minha terceira observação é esta: Não podemos purificar nossos próprios pecados.

Eu faço esta declaração com ousadia e confiança. Por mais surpreendente que pareça ao coração natural, eu considero isso como um pedaço da verdade bíblica inegável. Apesar de todos os fariseus, católicos romanos, socinianos, deístas e idólatras da razão e do poder humanos - repito sem hesitar minha afirmação. Os pecados do homem são muitos e grandes. É de extrema importância que esses pecados sejam purificados. A culpa do homem aos olhos de Deus é enorme. O perigo do inferno para o homem, depois que ele morre, é iminente e tremendo. E ainda assim o homem não pode limpar seus próprios pecados! Está escrito, e é verdade: "Pelas obras da lei nenhuma carne será justificada" (Romanos 3:20).

(a) Os pecados não serão purificados se você lamentar por eles. Você pode prantear sua maldade passada e humilhar-se em sacos e cinzas. Você pode derramar muitas lágrimas e reconhecer sua própria culpa e perigo. Você pode - você deve - você deve fazer isso. Mas você não apagará, assim fazendo, suas transgressões do livro de Deus. TRISTEZA NÃO PODE FAZER EXPIAÇÃO PELO PECADO.

O criminoso condenado em um tribunal de justiça muitas vezes se arrepende de seus crimes. Ele vê a miséria e a ruína que seus delitos trouxeram sobre ele. Ele lamenta sua tolice em não dar ouvidos aos conselhos e ceder à tentação. Mas o juiz não o dispensa porque está arrependido. A ação foi feita; a lei foi violada; a pena foi incorrida. A punição deve ser infligida, apesar das lágrimas do criminoso. Esta é precisamente a sua posição aos olhos de Deus. Sua tristeza é certa, boa e adequada. Mas sua tristeza não tem poder algum para limpar seus pecados. é preciso algo mais do que penitência para tirar o fardo do seu coração.

(b) Os pecados não serão purificados se você consertar sua vida. Você pode mudar sua conduta e virar uma nova página; você pode quebrar muitos hábitos maus e adotar muitos hábitos bons; você pode se tornar, em suma, um homem alterado em todo o seu comportamento exterior. Você pode, você precisa, você deve fazer isso. Sem essa mudança, nenhuma alma jamais foi salva. Mas você não irá, ao fazer isso, apagar uma partícula de sua culpa aos olhos de Deus. REFORMA NÃO FAZ EXPIAÇÃO PELO PECADO.

O comerciante falido, que deve dez mil libras e não tem dez xelins para pagar, pode resolver tornar-se um personagem mudado. Depois de desperdiçar toda a sua substância em uma vida turbulenta, ele pode se tornar estável, moderado e respeitável. Está tudo bem e apropriado que ele seja assim - mas isso não irá satisfazer as reivindicações daqueles a quem ele deve dinheiro. Mais uma vez eu digo, este é precisamente o seu caso por natureza aos olhos de Deus. Você deve a Ele dez mil talentos e "nada tem a pagar". As emendas de hoje estão todas muito bem - mas não eliminam as dívidas de ontem. Requer algo mais que emenda e reforma para dar-lhe um coração leve e para libertar sua consciência.

(c) Os pecados não serão purificados se você se tornar diligente no uso das formalidades e ordenanças da religião. Você pode alterar seus hábitos sobre o domingo e assistir aos serviços religiosos de manhã à noite; você pode se dar ao trabalho de ouvir a pregação durante a semana, bem como aos domingos; você pode receber a Ceia do Senhor em todas as ocasiões possíveis, dar esmolas e jejuar. Está tudo muito bem até onde vai. É uma coisa certa e apropriada cumprir seus deveres religiosos. Mas todos os meios de graça do mundo nunca lhe farão bem, enquanto você confiar neles como salvadores. Eles não vão curar as feridas do seu coração e dar-lhe paz interior. A FORMALIDADE NÃO PODE FAZER EXPIAÇÃO PELO PECADO.

Uma lanterna em uma noite escura é uma coisa muito útil. Pode ajudar o viajante a encontrar o caminho de casa; pode preservá-lo de perder seu caminho e impedi-lo de cair no perigo. Mas a lanterna em si não é a lareira do viajante. O homem que se contenta em sentar-se na estrada ao lado de sua lanterna, não deve se surpreender se morrer de frio. Se você tenta satisfazer sua consciência com um atendimento formal nos meios da graça, você não é mais sábio do que este viajante. É preciso algo mais do que formalidade religiosa para tirar o fardo de sua consciência e dar-lhe paz com Deus.

(d) Os pecados não serão purificados se você recorrer a outros em busca de ajuda. Não está nas mãos de nenhum filho de Adão salvar a alma de outro. Nenhum bispo, nenhum sacerdote, nenhum homem ordenado de qualquer Igreja ou denominação tem poder para perdoar pecados. Nenhuma absolvição humana, por mais solenemente concedida, pode purificar aquela consciência que não foi purificada por Deus. É bom pedir o conselho dos ministros do Evangelho quando a consciência está perplexa. É seu ofício ajudar os cansados e sobrecarregados, e mostrar-lhes o caminho da paz. Mas não está nas mãos de nenhum ministro livrar ninguém de sua culpa. Só podemos mostrar o caminho que deve ser seguido - só podemos apontar a porta na qual todos devem bater. Requer uma mão muito mais forte do que a do homem - para tirar as correntes da consciência e libertar o prisioneiro. NENHUM FILHO DE ADÃO PODE CARREGAR OS PECADOS DE SEU IRMÃO.

O falido que pede ao falido que volte a abrir o seu negócio só perde tempo. O mendigo que vai até o vizinho mendigo e implora-lhe que o ajude nas dificuldades, está se incomodando em vão. O prisioneiro não implora a seu companheiro de prisão que o liberte; o marinheiro naufragado não chama seu camarada naufragado para colocá-lo a salvo em terra. A ajuda em todos esses casos deve vir de outra parte - o alívio em todos esses casos deve ser buscado de outra mão. É exatamente o mesmo em relação à purificação de seus pecados. Enquanto você o buscar do homem, seja homem ordenado ou homem não ordenado, você o busca onde não pode ser encontrado. Você deve ir mais longe - você deve olhar mais alto. Você deve procurar conforto em outro lugar. Não está nas mãos de nenhum homem na terra ou no céu tirar o fardo do pecado da alma de outro homem. “Ninguém pode de modo algum redimir seu irmão, nem dar a Deus o resgate por ele” (Salmo 49. 7).

Milhares em todas as épocas tentaram purificar-se de seus pecados da maneira que agora descrevi, e tentaram em vão. Milhares, não tenho dúvidas, estão tentando, neste exato momento, e se acham "nada melhorado - mas pior" (Marcos 5, 26). Eles estão escalando um precipício íngreme de gelo, trabalhando duro, mas escorregando para trás tão rápido quanto sobem. Eles estão despejando água em um barril cheio de buracos - trabalhando intensamente, mas não mais perto do fim de seu trabalho do que quando começaram. Eles estão remando um barco contra um riacho rápido, manobrando o remo diligentemente, mas na realidade perdendo terreno a cada minuto. Eles estão tentando construir uma parede de areia solta, cansando-se de fadiga, mas vendo seu trabalho cair sobre eles tão rápido quanto o jogam para cima. Eles estão se esforçando para secar um navio que está afundando - a água aumenta e eles logo se afogarão. Essa é a experiência, em todas as partes do mundo, de todos os que pensam em se purificar de seus pecados.

Aconselho todos os leitores deste artigo a tomarem cuidado com os remédios enganadores na religião. Cuidado para não supor que a penitência, a reforma, a formalidade e a habilidade do sacerdote podem dar a você paz com Deus. Eles não podem fazer isso. Não está neles. O homem que diz que isso é possível, deve ignorar duas coisas. Ele não pode saber o comprimento e a amplitude da pecaminosidade humana - ele não pode compreender a altura e profundidade da santidade de Deus. Nunca respirou o homem ou mulher na terra que tentou purificar-se de seus pecados e, assim fazendo, obteve alívio.

Se você descobriu essa verdade por experiência, seja diligente em transmiti-la a outros. Mostre-lhes tão claramente quanto puder sua culpa e perigo por natureza. Diga-lhes, não com pouca clareza, a imensa importância de ter seus pecados perdoados e purificados. Mas então avise-os para não perderem tempo procurando ser purificados com modas ilegais. Avise-os contra o conselho capcioso do "Sr. Legalidade" e seus companheiros, tão vividamente descrito em "O Peregrino". Avise-os contra os falsos remédios e os medicamentos simulados para a alma. Envie-os para a velha cancela, descrita nas Escrituras, por mais difícil e áspero que o caminho possa parecer. Diga-lhes que é "o velho caminho e o bom caminho" e que, digam o que as pessoas possam dizer, é a única maneira de obter a purificação de nossos pecados (Jeremias 6. 16).


IV. A quarta observação que devo fazer é esta: Somente o sangue de Jesus Cristo pode limpar todos os nossos pecados.

Entro nesta parte do meu trabalho com o coração agradecido. Bendito a Deus porque, depois de apresentar aos meus leitores a natureza mortal de sua doença espiritual, sou capaz de apresentar a eles um remédio todo poderoso. Mas sinto que é necessário insistir nesse remédio por alguns minutos. Algo de eficácia tão maravilhosa como este "sangue" deve ser claramente compreendido - não deve haver vaguidade ou mistério em suas ideias sobre isso. Quando você ouve falar do "sangue de Cristo", deve compreender completamente o que a expressão significa.

O sangue de Cristo é aquele sangue vital que o Senhor Jesus derramou quando morreu pelos pecadores na cruz. É o sangue que fluía tão livremente de Sua cabeça perfurada com espinhos, e Suas mãos e pés perfurados com pregos, e Seu lado perfurado com uma lança - no dia em que Ele foi crucificado e morto. A quantidade desse sangue pode muito provavelmente ter sido pequena; a aparência daquele sangue era sem dúvida como a do nosso - mas nunca, desde o dia em que Adão foi formado do pó da terra, nenhum sangue foi derramado de tão profunda importância para toda a família da humanidade.

Era sangue, que há muito havia sido combinado e prometido. No dia em que o pecado veio ao mundo, Deus misericordiosamente prometeu que "a semente da mulher ferisse a cabeça da serpente" (Gênesis 3. 15). Um nascido de mulher apareceria um dia e libertaria os filhos de Adão do poder de Satanás. Aquela Semente da mulher foi nosso Senhor Jesus Cristo. No dia em que sofreu na cruz, Ele triunfou sobre Satanás e realizou a redenção para a humanidade. Quando Jesus derramou Seu sangue vital na cruz, a cabeça da serpente foi ferida e a antiga promessa foi cumprida.

Era sangue, há muito simbolizado e prefigurado. Cada sacrifício que foi oferecido pelos patriarcas, foi um testemunho de sua fé em um sacrifício maior ainda a ser feito. Cada derramamento de sangue de cordeiros e bodes sob a lei mosaica tinha o objetivo de prefigurar a morte do verdadeiro Cordeiro de Deus pelo pecado do mundo. Quando Cristo foi crucificado, esses sacrifícios e símbolos receberam sua realização plena. O verdadeiro sacrifício pelo pecado foi finalmente oferecido; o verdadeiro sangue expiatório foi finalmente derramado. A partir daquele dia, as ofertas da lei mosaica não eram mais necessárias. Seu trabalho estava feito. Como antigos almanaques, eles podem ser deixados de lado para sempre.

Era sangue, que era de infinito mérito e valor aos olhos de Deus. Não era o sangue de alguém que nada mais era do que um homem singularmente santo - mas de alguém que era o próprio "Companheiro" de Deus, o verdadeiro Deus do próprio Deus (Zacarias 13.7). Não foi o sangue de alguém que morreu involuntariamente, como um mártir pela verdade - mas de alguém que voluntariamente se comprometeu a ser o Substituto e Representante da humanidade, para carregar seus pecados e carregar suas iniquidades. Ele fez expiação pelas transgressões do homem; pagou a enorme dívida do homem para com Deus; proporcionou um meio de reconciliação justa entre o homem pecador e seu santo Criador; fez uma estrada do céu à terra, pela qual Deus poderia descer ao homem e mostrar misericórdia; fez um caminho da terra ao céu, pelo qual o homem poderia se aproximar de Deus, mas não sentir medo. Sem isso, não poderia haver remissão de pecados. Por meio dela, Deus pode ser "justo e ainda assim o justificador" dos ímpios. A partir dele, uma fonte foi formada, onde os pecadores podem se lavar e ser limpos por toda a eternidade (Romanos 3.26).

Este maravilhoso sangue de Cristo, aplicado à sua consciência, pode purificá-lo de todo pecado. Não importa quais podem ter sido seus pecados: "Ainda que sejam escarlates, podem se tornar como a neve. Ainda que sejam vermelhos como o carmesim, podem ser feitos como lã" (Isaías 1. 18). Dos pecados da juventude e da idade avançada, dos pecados da ignorância e pecados do conhecimento - dos pecados da devassidão aberta e pecados do vício secreto - dos pecados contra a lei e pecados contra o Evangelho - dos pecados da cabeça, e do coração, e da língua, e pensamento e imaginação - dos pecados contra todos e por cada um dos dez mandamentos - de todos estes o sangue de Cristo pode nos libertar. Para este fim foi nomeado; por esta causa foi derramado; para este propósito, ainda é uma fonte aberta a toda a humanidade. Aquilo que você não pode fazer por si mesmo pode ser feito em um momento por esta fonte preciosa. VOCÊ PODE LIMPAR TODOS OS SEUS PECADOS.

Com este sangue todos os santos mortos foram limpos até agora, que agora estão esperando a ressurreição dos justos. Desde Abel, o primeiro de quem lemos, até o último que hoje adormeceu, todos eles "lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro" (Apocalipse 7. 14). Ninguém entrou em descanso por suas próprias obras e merecimentos; ninguém se fez limpo diante de Deus por sua própria bondade e sua própria força. Todos eles foram "superados pelo sangue do Cordeiro" (Apocalipse 12. 11). E seu testemunho no Paraíso é claro e distinto: "Você foi morto e nos redimiu para Deus pelo Seu sangue, de toda a tribo, e língua, e povo, e nação" (Apocalipse 5. 9).

Por meio deste sangue, todos os santos vivos de Deus têm paz e esperança agora. Por meio dele eles têm ousadia para entrar no lugar mais sagrado; por ele são justificados e aproximados de Deus; por ele suas consciências são diariamente purificadas e cheias de santa confiança. Sobre isso, todos os crentes estão de acordo, por mais que possam divergir em outros assuntos. Episcopais e presbiterianos, batistas e metodistas - todos concordam que o sangue de Cristo é a única coisa que pode limpar a alma. Todos concordam que em nós mesmos somos "infelizes, miseráveis, pobres, cegos e nus" (Apocalipse 5. 17). Mas todos concordam que no sangue de Cristo o principal dos pecadores pode ser purificado.

Você gostaria de saber o que nós, ministros do Evangelho, fomos ordenados a fazer? Não somos designados para outra finalidade senão ler serviços religiosos, administrar sacramentos, casar e enterrar os mortos. Não devemos fazer nada mais do que mostrar a você a igreja, ou a nós mesmos, ou nosso partido. Estamos prontos para a obra de mostrar às pessoas o “sangue de Cristo”; e se não estivermos continuamente mostrando isso, não somos verdadeiros ministros do Evangelho.

Você gostaria de saber qual é o desejo e a oração do nosso coração pelas almas a quem ministramos? Queremos levá-los ao “sangue de Cristo”. Não nos contentamos em ver nossas igrejas cheias e nossas ordenanças bem atendidas, nossas congregações numerosas e nossa causa exuberante externamente. Queremos ver homens e mulheres vindo a esta grande Fonte por conta do pecado e impureza, e lavando suas almas nela para que possam ser limpos. Aqui só há descanso para a consciência. Aqui só há paz para o homem interior. Aqui está apenas a cura para doenças espirituais. Aqui está apenas o segredo de um coração leve e feliz. Sem dúvida, temos dentro de nós uma fonte de maldade e corrupção. Mas, bendito seja Deus, há outra Fonte de maior poder ainda - o precioso sangue do Cordeiro; e, lavando-nos diariamente naquela outra Fonte, estamos limpos de todo pecado.


V. A quinta e última observação que devo fazer é esta: A fé é absolutamente necessária, e a única coisa necessária, a fim de nos dar um interesse salvífico no sangue purificador de Cristo.

Peço a atenção especial de todos os meus leitores neste ponto. Um erro aqui muitas vezes é prejudicial para a alma de um homem. É um grande rombo no alicerce do seu Cristianismo se você não vê com clareza o verdadeiro caminho da união entre Cristo e a alma. Esse caminho é a fé.

Ser membro da igreja e receber os sacramentos não são prova de que você foi lavado no sangue de Cristo. Milhares frequentam um local de adoração cristão e recebem a Ceia do Senhor das mãos de ministros cristãos, mas mostram claramente que não foram purificados de seus pecados. Cuidado para não desprezar os meios da graça, se você deseja ser salvo. Mas nunca, nunca se esqueça de que ser membro de uma Igreja não é fé.

A fé é a única coisa necessária para dar a você o benefício do sangue purificador de Cristo. Ele é chamado de "sacrifício expiatório pela fé em Seu sangue". “Quem crê nele tem vida eterna”. “Nele todos os que creem são justificados de todas as coisas”. “Sendo justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 3. 25; João 3. 36; Atos 13. 39; Romanos 5. 1). A sabedoria de todo o mundo nunca dará uma resposta melhor a um inquiridor ansioso do que a que Paulo deu ao carcereiro de Filipos: "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo" (Atos 16. 31), "Você é convencido do pecado?”, diz o Evangelho. "Você realmente vê que tem muitos pecados e é merecedor do inferno? Você renuncia a toda esperança de se purificar de seus pecados pelo seu próprio poder? Então você é apenas o homem para quem o Evangelho oferece conforto. Veja o sangue expiatório de Cristo! Apenas confie nele, e neste dia você será gratuitamente perdoado. Apenas creia, e neste mesmo momento seus pecados serão purificados”. É apenas "Creia e viva". É apenas "Acredite e seja purificado". Que chamem tal doutrina de discurso retórico e entusiasmo. Eu ouso chamá-lo por outro nome. É o "Evangelho glorioso" da graça de Deus.

Peço-lhe que não entenda mal o que quero dizer ao falar assim de fé. Não estou dizendo que a fé é a única marca do homem cujos pecados são purificados. Não digo que a fé que dá ao homem interesse no sangue expiatório de Cristo, seja encontrada sozinha. A fé salvadora não é uma graça estéril e solitária. É sempre acompanhado de arrependimento e santidade pessoal. Mas digo isto com confiança - que, no caso de dar à alma interesse em Cristo, a fé é a única coisa necessária. Na questão da justificação diante de Deus, a fé, repito enfaticamente, está inteiramente sozinha. A fé é a mão que se apega a Cristo. A fé começa, a fé continua, a fé mantém a afirmação que o pecador faz do Salvador. Pela fé, somos justificados. Pela fé, banhamos nossas almas na grande Fonte do pecado. Pela fé, continuamos obtendo novos suprimentos de misericórdia perdoadora durante toda a nossa jornada. Pela fé vivemos, e pela fé permanecemos.

Nada além desta fé é necessário, a fim de sua completa justificação e purificação de todos os pecados. Deixe que isso penetre profundamente em sua mente. Onde está o homem que deseja desfrutar do verdadeiro conforto do Evangelho? Procure, eu imploro, ter uma visão clara e simples da natureza da fé salvadora. Cuidado com aquelas noções obscuras, confusas e turvas de fé, pelas quais tanto afligem suas almas. Afaste de sua mente a ideia de que a fé é um mero ato do intelecto. Não é assentimento a doutrinas ou artigos; não é a crença de "Paley's Evidences" ou "Pearson on the Creed" [1]. A fé é simplesmente o aperto de um coração contrito na mão estendida de um Salvador Todo-Poderoso - o repouso de uma cabeça cansada no seio de um Amigo Todo-poderoso. Jogue fora toda ideia de trabalho, ou mérito, ou esforço, ou execução, ou pagamento, ou doação, ou compra, ou labuta, no ato de crer em Cristo. Compreenda que a fé não é dar - mas receber; não pagando - mas recebendo; não comprando - mas sendo enriquecido. A fé é o olho que olha para a serpente de bronze, e o olhar obtém vida e saúde; é a boca que bebe o remédio revigorante, e a bebida recebe força e vigor para todo o corpo; é a mão do homem que está se afogando, que agarra a corda que lhe foi lançada e, ao fazê-lo, permite que ele seja retirado das águas profundas são e salvo. Esta, e nada mais do que isso, é a verdadeira ideia da fé salvadora. Esta, e somente esta, é a fé necessária para dar a você um interesse salvador no sangue de Cristo. Creia assim e seus pecados serão imediatamente purificados!

Nada, exceto esta fé, jamais lhe dará interesse no sangue expiatório de Cristo. Você pode ir diariamente à igreja de Cristo; você pode frequentemente usar o nome de Cristo; você pode abaixar a cabeça no nome de Jesus; você pode comer do pão e do vinho que Cristo ordenou que fossem recebidos. Mas todo esse tempo, sem fé, você não tem parte nem sorte em Cristo - sem fé, no que diz respeito a você, o sangue de Cristo foi derramado em vão.

Desejo entrar em meu protesto solene contra as noções modernas que prevalecem sobre este assunto solene. Eu protesto contra a opinião que muitos agora sustentam, de que todos são salvos por Cristo, exceto aqueles que creem. Fala-se muito vago em alguns quadrantes sobre a "Paternidade de Deus" e o "amor de Deus", como se nós, que somos chamados de "Evangélicos", negássemos essas verdades gloriosas. Nós não os negamos de forma alguma - nós as defendemos tão fortemente quanto qualquer outra. Não damos lugar a nenhum homem neste assunto. Mas negamos totalmente que Deus seja o Pai espiritual de qualquer pessoa, exceto aqueles que são Seus filhos pela fé em Cristo Jesus (Gálatas 3. 26). Negamos totalmente que as pessoas tenham o direito de se consolar no amor de Deus, a menos que creiam naquele por meio de quem esse amor foi manifestado, sim, em seu querido Filho. O sangue expiatório do Filho de Deus é a grande exibição do amor de Deus pelos pecadores. O pecador que deseja ser salvo deve ter um relacionamento pessoal com Aquele que derramou aquele sangue. Por fé pessoal, ele deve se lavar nele; pela fé pessoal ele deve beber dele; pela fé pessoal, ele deve reivindicar todas as suas bênçãos. Sem essa fé não pode haver salvação.

Você saberia um objetivo principal que nós, ministros, temos em vista em nossa pregação? Pregamos para que você possa acreditar. Fé é o que desejamos ver produzido em suas almas; fé é aquilo que, uma vez produzida, desejamos ver crescer. Regozijamo-nos em vê-lo vindo regularmente para ouvir o Evangelho; regozijamo-nos em ver uma congregação de adoradores ordeira e bem comportada - mas fé, fé, fé - é o grande resultado que ansiamos ver em suas almas. Sem fé não podemos nos sentir confortáveis ​​com você; sem fé você está em perigo iminente do inferno. De acordo com a sua fé será a força do seu Cristianismo; de acordo com o grau de sua fé aumentará sua paz e esperança, e a proximidade de sua caminhada com Deus. Você não vai se surpreender que não haja nada pelo qual nos importamos tanto quanto a sua fé.

Apresso-me em concluir minhas observações. Tentei mostrar-lhe cinco coisas e me esforcei para colocá-las diante de você em linguagem simples: (1) Eu disse a você que você tem muitos pecados; (2) Eu disse que é de extrema importância que esses pecados sejam purificados; (3) Eu disse a você que você não pode limpar seus próprios pecados (4) Eu disse a você que o sangue de Cristo purifica de todo pecado; (5) Eu disse a você que a fé só é necessária - mas absolutamente necessária, para dar a você qualquer interesse no sangue de Cristo. Eu disse a você que estou firmemente convencido de que é a própria verdade de Deus - a verdade na qual desejo viver e morrer. Oro a Deus para que o Espírito Santo possa aplicar esta verdade com grande poder a muitas almas.

Deixe-me encerrar todo esse assunto com três palavras de pedido de despedida. Nossos anos estão passando rapidamente. A noite chega, quando nenhum homem pode trabalhar. Mais um pouco, e nosso lugar em outro mundo será estabelecido para toda a eternidade. Mais alguns anos e estaremos no céu ou no inferno. Certamente, esse fato por si só já deve nos fazer pensar.

1. Minha primeira palavra de aplicação será uma PERGUNTA. Dirijo-o a todos em cujas mãos este artigo possa cair, sem distinção ou exceção. É uma questão que preocupa profundamente cada homem, mulher e criança no mundo, qualquer que seja seus status ou posição. É a pergunta que surge naturalmente do nosso assunto: "Onde estão os teus pecados?".

Lembre-se, eu não pergunto como você chama a si próprio na religião. Não pergunto aonde você vai - ou a quem ouve - ou a que partido pertence - ou quais são suas opiniões peculiares sobre a Igreja ou a Dissidência. Eu deixo esses assuntos de lado. Estou cansado de ver a enorme perda de tempo de que multidões são culpadas anualmente com respeito a esses assuntos. Eu sou a favor das realidades e substância do Cristianismo; quero fixar sua atenção nas coisas que parecerão importantes na hora da morte e no último dia. E digo com ousadia, que uma das primeiras perguntas que exigem sua atenção é a esta: "Onde estão os teus pecados?".

Não estou perguntando o que você pretende, ou quer dizer, ou espera, ou decide almejar, em algum momento futuro; deixo tudo isso para crianças e tolos. Amanhã é o dia do diabo - mas hoje é o dia de Deus. E aqui, como aos olhos de Deus, neste mesmo dia, enquanto você está lendo meu artigo, peço-lhe que encontre uma resposta à minha pergunta: "Onde estão os teus pecados?".

Peço que marque o que vou dizer. Eu digo isso com calma, deliberadamente, reflexivamente e com consideração. Eu digo a você que, neste momento, há apenas dois lugares onde seus pecados podem estar, e eu desafio a sabedoria do mundo para descobrir um terceiro. Ou seus pecados estão SOBRE VOCÊ MESMO, não redimidos, não perdoados, não limpos, não lavados - afundando você diariamente mais perto do inferno! Ou então seus pecados são SOBRE CRISTO, tirados, redimidos, perdoados, apagados e limpos pelo sangue precioso de Cristo! Sou totalmente incapaz de ver qualquer terceiro lugar em que os pecados de um homem possam estar. Sou totalmente incapaz de descobrir qualquer terceira alternativa. Perdoado ou não perdoado - redimido ou não redimido; purificado ou não purificado - esta, de acordo com a Bíblia, é a posição exata dos pecados de todos. Como esta com você? "Onde estão os teus pecados?".

Eu imploro que você coloque essa questão a sério e nunca descanse até que possa dar uma resposta. Rogo-lhe que examine seu próprio estado - que prove sua própria condição espiritual e descubra como as questões se interpõem entre você e Deus. Deixe que o tempo passado seja suficiente para futilidades e indecisões sobre sua alma. Desista - desista, desista para sempre. Deixe o tempo passado ser suficiente para uma religião meramente formal, sem objetivo, sem sentido e sem conforto. Deixe-o de lado, deixe-o de lado - deixe-o de lado para sempre. Sê real; seja completo; seja sério. Lide com sua alma como um ser razoável; lidar com isso como alguém que sente que interesses eternos estão em jogo; lidar com isso como alguém que já decidiu e está determinado a não mais viver em suspense. Ó, resolva hoje mesmo encontrar uma resposta para minha pergunta: "Onde estão os teus pecados?". Eles estão em você - ou estão em Cristo?

2. Minha segunda palavra de aplicação será um CONVITE. Dirijo-o a todos os que se sentem incapazes de dar uma resposta satisfatória à pergunta do meu artigo. Dirijo-o a todos os que se sentem pecadores, perdidos, condenados e incapazes de morrer. É esse convite é a glória do Evangelho. Eu digo a você: "Venha a Cristo e seja purificado em Seu sangue sem demora".

Não sei o que você pode ter sido em sua vida passada - não importa nada. Você pode ter quebrado todos os mandamentos debaixo do céu; você pode ter pecado violentamente contra a luz e o conhecimento; você pode ter desprezado as advertências de um pai e as lágrimas de uma mãe; você pode ter corrido avidamente em todo excesso de tumulto, e mergulhado em todo tipo de devassidão abominável - você pode ter virado as costas inteiramente a Deus, Seu dia, Sua casa, Seus ministros, Sua palavra. Eu digo novamente que não importa nada. Você sente seus pecados? Você está enjoado deles? Você tem vergonha deles? Você está cansado deles? Então venha a Cristo como você é, e o sangue de Cristo o limpará.

Eu vejo você prolongando, e duvidando, e imaginando que as notícias são boas demais para ser verdade. Eu ouço o diabo sussurrando em seu ouvido: "Você é muito ruim; você é muito mau para ser salvo". Eu te exorto, em nome de Deus, a não ceder a tais dúvidas. Lembro a você que Satanás sempre foi um mentiroso. Uma vez ele disse que era "muito cedo" para a religião - e agora ele diz que é "muito tarde". Digo-lhes com segurança que Jesus Cristo é "capaz de salvar perfeitamente todos os que por ele se chegam a Deus" (Hebreus 7. 25). Digo-lhe com confiança que Ele recebeu, purificou e perdoou milhares tão maus quanto você. Ele nunca muda. Apenas venha a Ele, e Seu sangue o purificará de todo pecado.

Posso imaginar que você se sinta perdido e não saiba o que fazer. Posso muito bem acreditar que você não vê que caminho seguir, que passo dar ou de que maneira seguir meu conselho. Peço que vá e diga isso ao Senhor Jesus Cristo! Peço que você procure um lugar tranquilo e solitário e abra seu coração diante Dele. Diga a Ele que você é um pobre pecador miserável. Diga a Ele que você não sabe orar, ou o que dizer, ou o que fazer. Mas diga a Ele que você ouviu algo sobre Seu sangue limpando um homem de todo pecado, e implore a Ele para pensar em você e limpar sua alma. Ó, siga este conselho, e quem pode contar sobre isso, senão você mesmo, quando disser: "O sangue de Cristo realmente limpa o homem de todo pecado".

Pela última vez, ofereço meu convite. Estou no bote salva-vidas ao lado do naufrágio a que você está se agarrando e imploro que entre. O dia já vai longe; a noite está chegando; as nuvens estão se formando; as ondas estão subindo. Ainda um pouco e o velho naufrágio deste mundo se concretizará. Venha para o barco salva-vidas; entre e esteja seguro. Venha para o sangue de Cristo; ser lavado e estar limpo. Venha com todos os seus pecados a Cristo e lance-os sobre Ele. Ele os levará embora; Ele os limpará; Ele vai perdoá-los. Apenas creia e seja salvo.

3. Minha última palavra será uma EXORTAÇÃO. Dirijo-me a todos os que foram ensinados pelo Espírito a sentir seus pecados e fugiram para a esperança que o Evangelho lhes apresenta. Dirijo-o a todos os que descobriram a grande verdade de que são pecadores culpados e foram lavados no sangue de Cristo para que seus pecados sejam purificados. Essa exortação deve ser curta e simples: eu lhes peço que "se apeguem a Cristo".

Apegue-se a Cristo, eu digo - e nunca se esqueça de sua dívida para com ele. Vocês eram pecadores quando foram chamados pelo Espírito Santo e fugiram para Jesus. Pecadores vocês têm sido, mesmo no seu melhor, desde o dia da sua conversão. Pecadores, vocês se encontrarão até a hora da morte, sem nada de que se vangloriar. Então, apegue-se a Cristo. Apegue-se a Cristo, eu digo - e faça uso de Seu sangue expiatório todos os dias. Vá a Ele todas as manhãs como seu sacrifício matinal, e confesse sua necessidade de Sua salvação. Vá a Ele todas as noites, após a azáfama do dia, e implore por uma nova absolvição. Lave-se na grande Fonte todas as noites, depois de toda a contaminação do contato com o mundo. “Aquele que está totalmente lavado, só precisa lavar os pés”. Mas ele precisa lavar os pés (João 13. 10).

Apegue-se a Cristo, eu digo - e mostre ao mundo como você O ama. Mostre-o pela obediência aos Seus mandamentos. Mostre-o em conformidade com a Sua imagem. Mostre-o seguindo Seu exemplo. Faça a causa de seu Mestre amável e bela diante das pessoas, por sua própria santidade de temperamento e conversação. Que todo o mundo veja que aquele que muito é perdoado é o que muito ama, e que aquele que mais ama é o que mais faz por Cristo (Lucas 7. 47).

Apegue-se a Cristo, eu digo - e tenha pensamentos elevados sobre a expiação feita por Seu sangue na cruz. Pense muito em Sua encarnação e exemplo - pense muito em Seus milagres e em Suas palavras - pense muito em Sua ressurreição, intercessão e vinda novamente. Mas pense mais em todo o sacrifício de Cristo e no sacrifício expiatório feito por Sua morte. Lute fervorosamente pela velha fé a respeito de Sua expiação. Veja na velha doutrina que Ele morreu como um substituto pelos pecadores, a única solução de mil passagens no Antigo Testamento, e cem passagens no Novo. Nunca, nunca tenha vergonha de deixar as pessoas saberem que você obtém todo o seu conforto do sangue expiatório de Cristo, e de Sua substituição por você na cruz.

Apegue-se a Cristo, digo por último - e valorize as antigas verdades fundamentais a respeito da salvação pelo Seu sangue. Estes são os velhos amigos aos quais nossas almas se voltarão finalmente na hora de nossa partida. Estas são as antigas doutrinas nas quais devemos apoiar nossas doloridas cabeças, quando a vida está se esvaindo e a morte está à vista. Não devemos nos perguntar então se temos sido episcopais ou presbiterianos, clérigos ou dissidentes. Não encontraremos conforto então em noções modernas e invenções humanas - no batismo e na membresia da igreja, em seitas e festas - em cerimônias e formalidades. Nada nos fará bem então, exceto o sangue de Cristo. Nada nos apoiará então, a não ser o testemunho do Espírito, de que no sangue de Jesus fomos lavados e por esse sangue fomos purificados.

Recomendo essas coisas à séria atenção de todos os que leem este volume. Se você nunca soube dessas coisas antes, pode em breve se familiarizar com elas! Se você já os conheceu no passado, que você os conheça melhor no futuro! Nunca podemos saber muito bem a resposta certa para a poderosa pergunta: "Onde estão os teus pecados?".

 ~

J. C. Ryle

Old Paths, 1877.



[1] "A Teologia Natural ou Evidências da Existência e Atributos da Deidade" é uma obra de 1802 da apologética cristã e filosofia da religião do clérigo inglês William Paley (1743-1805); "Uma Exposição do Credo" foi uma obra de John Pearson (1613-1686), publicada pela primeira vez em 1659. Foi baseada em sermões que ele proferiu em St. Clement's, Eastcheap. Foi uma das obras mais influentes sobre o Credo dos Apóstolos na Igreja Anglicana.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

1 Comentário:

Anônimo disse...

Ниже их список, краткая аннотация и рейтинг к каждому. [url=http://intextv.by/forum/user/31573/]intextv[/url] Слева отображаются результаты работы парсера, Ваша задача получить с сайта список ссылок на категории товаров, при удачной настройке парсера Вы увидите список ссылок на категории в левой части экрана. [url=http://wiki.projectskyfire.org/index.php?title=Content%20Downloader%20X1%20-%20Универсальный%20парсер%20данных%20СЃ%20любых%20сайтов]wiki[/url] В управляемом интерфейсе заложена мощная возможность описывать связи реквизитов формы через параметры. [url=https://www.nn.ru/redirect.php?redir=sbfactory.ru]nn[/url]