Tendo o Espírito

 

“Gente mundana, que não tem o Espírito”. Judas 1. 19.


Eu tenho como certo que todos os leitores deste artigo acreditam no Espírito Santo. O número de pessoas neste país que são infiéis, deístas ou socinianos, e negam abertamente a doutrina da Trindade, felizmente não é muito grande. Muitas pessoas foram batizadas em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. São poucos os clérigos, pelo menos, que não ouviram com frequência as conhecidas palavras de nosso antigo Catecismo: "Eu creio em Deus Espírito Santo, que santifica a mim e a todo o povo eleito de Deus".

Mas, apesar de tudo isso, seria bom para muitos se considerassem o que sabem do Espírito Santo além do Seu nome. Que conhecimento experimental você tem da obra do Espírito? O que Ele fez por você? Que benefício você recebeu d'Ele? Você pode dizer de Deus Pai, "Ele me fez e todo o mundo". Você pode dizer de Deus o Filho: "Ele morreu por mim e por toda a humanidade". Mas você pode dizer algo sobre o Espírito Santo? Você pode dizer, com algum grau de confiança: "Ele habita em mim e me santifica"? Em uma palavra, você tem o Espírito? O texto que encabeça este artigo dirá que existe tal coisa como "não ter o Espírito". Este é o ponto para o qual insisto em sua atenção.

Acredito que esse ponto seja de vital importância em todo o tempo. Considero que é de especial importância nos dias atuais. Eu considero que visões claras sobre a obra do Espírito Santo estão entre as melhores formas de prevenção contra as muitas falsas doutrinas que abundam em nossos tempos. Permita-me então apresentar-lhe algumas coisas que, pela bênção de Deus, podem lançar luz sobre o assunto de ter o Espírito.


I. Deixe-me explicar a imensa importância de "Ter o Espírito". 

II. Deixe-me apontar o grande princípio geral pelo qual a pergunta pode ser testada: "Você tem o Espírito?". 

III. Deixe-me descrever os efeitos específicos que o Espírito sempre produz nas almas nas quais Ele habita.


I. Deixe-me, em primeiro lugar, explicar a imensa importância de ter o Espírito.

É absolutamente necessário deixar este ponto claro. A menos que você veja isso, parecerei como alguém batendo no ar em todo este papel. Uma vez, deixe sua mente se apegar a isso, e metade do trabalho que quero fazer já está feito para sua alma.

Posso facilmente imaginar que algum leitor diga: Não vejo utilidade para essa pergunta! Supondo que eu não tenha o Espírito, qual é o grande dano? Tento cumprir meu dever neste mundo; frequento minha igreja regularmente; recebo o Sacramento ocasionalmente; acredito que sou tão bom cristão quanto meus vizinhos. Eu faço minhas orações: eu confio que Deus perdoará meus pecados por amor a Cristo. Não vejo porque não chegaria finalmente ao céu, sem me preocupar com duras perguntas sobre o Espírito”.

Se esses são os seus pensamentos, rogo-lhe que me dê sua atenção por alguns minutos, enquanto tento lhe fornecer razões para pensar de forma diferente. Acredite em mim, nada menos do que a salvação da sua alma depende de "Ter o Espírito". Vida ou morte; céu ou inferno; felicidade eterna ou miséria eterna; estão ligados ao assunto deste artigo.

(a) Lembre-se, em primeiro lugar, se você não tem o Espírito, você não tem parte em Cristo e nenhum título para o céu.

As palavras de Paulo são expressas e inconfundíveis: “Se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse não é d'Ele” (Romanos 8.9). As palavras de João não são menos claras: "Nisto sabemos que Ele permanece em nós pelo Espírito que nos deu" (1 João 3. 24). A habitação de Deus, o Espírito Santo, é a marca comum de todos os verdadeiros crentes em Cristo. É a marca do pastor no rebanho do Senhor Jesus, distinguindo-o do resto do mundo. É a marca do ourives nos filhos genuínos de Deus, que os separa da escória e massa de falsos professos. É o selo do próprio Rei sobre aqueles que são Seu povo peculiar, provando que são de Sua propriedade. É "o penhor" que o Redentor dá aos Seus discípulos crentes enquanto eles estão no corpo, como um símbolo da "redenção" plena e completa que ainda virá na manhã da ressurreição (Efésios 1. 14). Este é o caso de todos os crentes. Todos eles têm o Espírito.

Que fique bem entendido que quem não tem o Espírito não tem a Cristo. Aquele que não tem Cristo, não tem: perdão de seus pecados, nenhuma paz com Deus, nenhum título para o céu, nenhuma esperança bem fundamentada de ser salvo. Sua religião é como a casa construída na areia. Pode parecer bem quando o tempo estiver bom. Pode satisfazê-lo no tempo de saúde e prosperidade. Mas quando o dilúvio subir e o vento soprar - quando a doença e os problemas vierem contra ele, cairá e o enterrará sob suas ruínas. Vive sem uma boa esperança e sem uma boa esperança morre. Ele se levantará novamente apenas para ser miserável. Permanecerá no julgamento apenas para ser condenado; ele verá santos e anjos olhando e lembrará que poderia ter estado entre eles - mas tarde demais; ele verá uma quantidade inumerável perdidos ao seu redor e descobrirá que não podem confortá-lo - mas é tarde demais. Este será o fim do homem que pensa em alcançar o céu sem o Espírito.

Guarde essas coisas em sua memória e nunca deixe que elas sejam esquecidas. Eles não valem a pena ser lembrados? Nenhum Espírito Santo em você, nenhuma parte em Cristo! Nenhuma parte em Cristo, nenhum perdão de pecados! Sem perdão de pecados, sem paz com Deus! Sem paz com Deus, sem título para o céu! Sem título para o céu, sem admissão no céu! Nenhuma admissão ao céu, e depois? Sim: e então? Você pode muito bem perguntar. Para onde você vai fugir? Para que lado você vai virar? Para qual refúgio você vai correr? Não existe nenhum. Resta nada além do inferno. Não admitido no céu, você deve finalmente afundar no inferno.

Peço a cada leitor deste artigo que marque bem o que digo. Talvez você se assuste: mas não será bom para você se assustar? Eu já te disse algo mais do que a simples verdade bíblica? Onde está o elo defeituoso na cadeia de raciocínio que você ouviu? Onde está a falha no argumento? Eu acredito em minha consciência que não existe. De não ter o Espírito a estar no inferno, há apenas um longo lance de degraus descendentes. Vivendo sem o Espírito, você já está no topo; morrendo sem o Espírito, você encontrará o seu caminho até o fundo!

(b) Lembre-se, por outro lado, se você não tem o Espírito, você não tem santidade de coração e não está apto para o céu.

O céu é o lugar para onde todas as pessoas esperam ir depois de morrer. Seria bom para muitos se considerassem com calma que tipo de morada é o céu. É a habitação do Rei dos reis, que é "de olhos mais puros, que não suportam contemplar a iniquidade", e deve ser um lugar sagrado. É um lugar em que a Escritura nos diz que não entrará em nada "que contamine, nem tudo o que opera abominação" (Apocalipse 21. 27). É um lugar onde não haverá nada mau, pecaminoso ou sensual; nada mundano, tolo, frívolo ou profano. Lá, que o avarento lembre-se, não haverá mais dinheiro. Lá, que o buscador de prazer se lembre, não haverá mais corridas, teatros, leituras de romances ou bailes. Lá, que o bêbado e o jogador, lembre-se, não haverá mais bebida forte, não haverá mais dados, não haverá mais apostas, não haverá mais cartas. A presença eterna de Deus, santos e anjos; o fazer perpétuo da vontade de Deus; a completa ausência de tudo o que Deus não aprova; estas são as coisas principais que constituirão o céu. Será um dia de descanso eterno.

Para este céu, somos todos por natureza totalmente inadequados. Não temos capacidade de desfrutar sua felicidade. Não temos gosto por suas bênçãos. Não temos olhos para ver sua beleza. Não temos coração para sentir seu conforto. Em vez de liberdade, encontraríamos escravidão. Em vez de liberdade gloriosa, nós a acharíamos uma restrição constante. Em vez de um palácio esplêndido, o acharíamos uma prisão sombria. Um peixe em terra firme, uma ovelha na água, uma águia em uma gaiola, um selvagem pintado em uma sala real, todos se sentiriam mais à vontade e em seu lugar do que um homem profano no céu. “Sem santidade ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12. 14).

Para este céu, é função especial do Espírito Santo preparar as almas dos homens. Somente ele pode mudar o coração terreno e purificar as afeições mundanas corruptas dos filhos de Adão. Somente Ele pode harmonizar suas mentes com Deus e sintonizá-las para a companhia eterna dos santos e anjos e de Cristo. Só ele pode fazê-los amar o que Deus ama, odiar o que Deus odeia e se deleitar na presença de Deus. Só ele pode definir os membros da natureza humana, que foram quebrados e deslocados pela queda de Adão, e realizar uma verdadeira unidade entre a vontade do homem e a de Deus. E isso Ele faz por todos os que são salvos. Está escrito sobre os crentes que eles são "salvos segundo a misericórdia de Deus", apenas "pela limpeza da regeneração e renovação do Espírito Santo". Eles são escolhidos para a salvação, mas é "pela santificação do Espírito", bem como "a fé na verdade" (Tito 3. 5; 2 Tessalonicenses 2. 13).

Que isso também seja anotado na tábua de sua memória. Não haverá nenhuma entrada no céu sem o Espírito primeiro entrar em seu coração na terra! Nenhuma admissão à glória na próxima vida sem a santificação anterior nesta vida! Nenhum Espírito Santo em você neste mundo, logo, nenhum céu no mundo vindouro! Você não estaria apto para isso! Você não estaria pronto para isso! Você não gostaria! Você não iria desfrutar! Há muito uso feito nos dias atuais da palavra "santo". Nossos ouvidos estão cansados ​​com "santa igreja" e "santo batismo", e "dias sagrados", e "água benta", e "serviços sagrados" e "santos sacerdotes". Mas uma coisa é mil vezes mais importante: ser feito um homem realmente santo pelo Espírito. Devemos ser participantes da natureza divina, enquanto estamos vivos. Devemos "semear para o Espírito", se quisermos colher a vida eterna (2 Pedro 1. 4; Gálatas 6. 8).

(c) Lembre-se, por outro lado, se você não tem o Espírito, você não tem o direito de ser considerado um verdadeiro cristão, e nenhuma vontade ou poder o pode tornar.

Requer pouco para fazer um 'cristão' de acordo com o padrão do mundo. Apenas deixe um homem ser batizado e frequentar algum lugar de culto, e as exigências do mundo serão satisfeitas. A crença do homem pode não ser tão inteligente quanto a de um turco: ele pode ser profundamente ignorante da Bíblia. A prática do homem pode não ser melhor do que a de um pagão: muitos hindus respeitáveis ​​podem envergonhá-lo. Mas e daí? Ele é um inglês! Ele foi batizado! Ele vai à igreja ou capela e se comporta decentemente quando está lá! O que mais você poderia esperar? Se você não o chama de cristão, você é considerado muito pouco caridoso!

Mas é preciso muito mais do que isso para tornar um homem um verdadeiro cristão de acordo com o padrão da Bíblia. Requer a cooperação de todas as Três Pessoas da Santíssima Trindade. A eleição de Deus Pai; o sangue e intercessão de Deus Filho; a santificação de Deus Espírito; todos devem se reunir na alma que será salva. Pai, Filho e Espírito Santo devem se unir para trabalhar na obra de fazer de qualquer filho de Adão um verdadeiro cristão.

Este é um assunto profundo e deve ser tratado com reverência. Mas onde a Bíblia fala com decisão, aí também podemos falar com decisão; e as palavras da Bíblia não têm significado se a obra do Espírito Santo não for tão necessária para fazer de um homem um verdadeiro cristão, como a obra do Pai ou a obra do Filho. "Ninguém", é-nos dito, "pode ​​dizer que Jesus é o Senhor, mas pelo Espírito Santo" (1 Coríntios 12. 3). Os verdadeiros cristãos, somos ensinados nas Escrituras, são "nascidos do Espírito". Eles vivem no Espírito; eles são guiados pelo Espírito; pelo Espírito, eles mortificam as ações do corpo; por um Espírito, eles têm acesso ao Pai por meio de Jesus. Suas graças são frutos do Espírito; eles são o templo do Espírito Santo; eles são uma habitação de Deus por meio do Espírito; eles andam segundo o Espírito; eles são fortalecidos pelo Espírito. Por meio do Espírito, eles descansam na esperança da justiça pela fé (João 3. 6; Gálatas 5. 25; Romanos 8. 13, 14; Efésios 2. 18; Gálatas 5. 22; 1 Coríntios 6. 19; Efésios 2. 22 ; Romanos 8. 4; Efésios 3. 16; Gálatas 5. 5). Estas são expressões puras das Escrituras. Quem se atreverá a contradizê-las?

A verdade é que a profunda corrupção da natureza humana tornaria a salvação impossível se não fosse pela obra do Espírito. Sem Ele, o amor do Pai e a redenção do Filho são colocados diante de nós em vão. O Espírito deve revelá-los, o Espírito deve aplicá-los, ou então seremos almas perdidas!

Nada menos do que o poder d'Aquele que se moveu sobre as águas no dia da criação pode nos erguer de nosso estado. Aquele que disse: "Haja luz e houve luz", deve falar a palavra antes que qualquer um de nós chegue à novidade de vida. Aquele que desceu no dia de Pentecostes deve descer sobre nossas pobres almas mortas, antes que elas vejam o reino de Deus. Misericórdias e aflições podem mover a superfície de nossos corações, mas somente elas nunca alcançarão o homem interior. Sacramentos, serviços e sermões podem produzir formalidade externa e nos revestir com uma 'pele de religião', mas não haverá vida. Os ministros podem fazer comungantes e encher igrejas com adoradores regulares: só o poder onipotente do Espírito Santo pode fazer verdadeiros cristãos e encher o céu com santos glorificados.

Que isso também fique gravado em sua memória e nunca mais seja esquecido. Sem Espírito Santo, sem verdadeiro Cristianismo! Você deve ter o Espírito em você, assim como Cristo por você, se quiser ser salvo. Deus deve ser o seu Pai amoroso, Jesus deve ser o seu Redentor conhecido, o Espírito Santo deve ser o seu Santificador sentido, senão será melhor para você nunca ter nascido!

Insisto no assunto com a consideração séria de todos os que leem estas páginas. Espero ter dito o suficiente para mostrar a você que é de vital importância para sua alma "ter o Espírito". Este não é um ponto obscuro e misterioso da divindade; não é uma boa questão saber se a solução pouco importa de uma forma ou de outra. É um assunto no qual está ligada a paz eterna de sua alma.

Você pode não gostar das notícias. Você pode chamar isso de entusiasmo selvagem, fanatismo ou extravagância. Eu defendo o ensino claro da Bíblia. Eu digo que Deus deve habitar em seu coração pelo Espírito na terra, ou você nunca irá habitar com Deus no céu.

"Ah", você pode dizer, "não sei muito sobre isso. Espero que Deus seja misericordioso. Espero ir para o céu afinal". Eu respondo: nenhum homem jamais experimentou a misericórdia de Cristo se também não recebeu do Seu Espírito. Nenhum homem jamais foi justificado se também não foi santificado. Nenhum homem jamais foi para o céu sem ser levado até lá pelo Espírito.


II. Deixe-me, em segundo lugar, apontar a grande regra e princípio geral pelos quais a questão pode ser decidida, se temos o Espírito.

Posso entender perfeitamente que a ideia de saber se "temos o Espírito" é desagradável para muitas mentes. Não ignoro as objeções que Satanás imediatamente levanta no coração natural. “É impossível saber”, diz uma pessoa, “é uma coisa profunda e fora do nosso alcance”. “É uma coisa muito misteriosa para investigar”, diz outro, “devemos nos contentar em deixar o assunto na incerteza”. “É errado fingir que sabemos alguma coisa sobre isso”, diz um terceiro, “nunca fomos feitos para examinar tais questões. Só cabe aos entusiastas e fanáticos falar em ter o Espírito”. Eu ouço tais objeções sem ser movido por elas. Eu digo que pode ser conhecido se um homem tem o Espírito. Pode ser conhecido, é possível ser conhecido, deve ser conhecido. Não é necessária nenhuma visão do céu, nenhuma revelação de um anjo para discerni-lo; não precisa de nada além de uma investigação calma à luz da Palavra de Deus. Deixe-nos entrar nessa investigação.

Todos os homens não têm o Espírito Santo. Considero a doutrina de uma luz espiritual interior desfrutada por toda a humanidade como uma ilusão antibíblica. Acredito que a noção moderna de salvação universal seja um sonho sem base. Sem controvérsia, Deus não se deixou sem uma testemunha no coração do homem caído. Ele deixou em todas as mentes conhecimento suficiente do certo e do errado para tornar todas as pessoas responsáveis. Ele deu a cada filho de Adão uma consciência, mas Ele não deu a cada filho de Adão o Espírito Santo. Um homem pode ter bons votos como Balaão, fazer muitas coisas como Herodes, ser quase persuadido como Agripa e tremer como Félix, e ainda assim ser totalmente destituído da graça do Espírito como essas pessoas estavam. Paulo nos diz que antes da conversão as pessoas podem "conhecer a Deus" em certo sentido, e ter "pensamentos acusando ou desculpando uns aos outros". Mas ele também nos diz que antes da conversão as pessoas estão "sem Deus" e "sem Cristo", "não têm esperança" e são as próprias "trevas" (Romanos 1. 21; 2. 15; Efésios 2. 12; 5. 8). O próprio Senhor Jesus diz sobre o Espírito: "O mundo não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós" (João 14. 17).

Todos os membros de igrejas e pessoas batizadas não têm o Espírito. Não vejo base nas Escrituras para dizer que todo homem que recebe o batismo recebe o Espírito Santo, e que devemos considerá-lo como nascido do Espírito. Não me atrevo a dizer aos batizados que todos eles têm o Espírito, e que só precisam "despertar o dom de Deus" dentro deles para serem salvos. Vejo, pelo contrário, que Judas fala dos membros da Igreja visível em seus dias como "não tendo o Espírito". Alguns deles provavelmente foram batizados pelas mãos dos apóstolos e admitidos em plena comunhão com a Igreja professa. Não importa! Eles "não tinham o Espírito" (Judas 1. 19).

É inútil tentar fugir do poder desta única expressão. Ela ensina claramente que "ter o Espírito" não é o destino de cada homem, e também não é a porção de cada membro da Igreja visível de Cristo. Mostra a necessidade de descobrir alguma regra geral e princípio pelo qual a presença do Espírito em um homem pode ser verificada. Ele não mora em todos. O batismo e as atividades de igreja não são provas de Sua presença. Como, então, saberei se um homem tem o Espírito?

A presença do Espírito na alma de um homem só pode ser conhecida pelos efeitos que Ele produz. Os frutos que Ele faz germinar no coração e na vida do homem são a única evidência em que se pode confiar. A fé de um homem, suas opiniões e sua prática são as testemunhas que devemos examinar, se quisermos descobrir se um homem tem o Espírito. Esta é a regra do Senhor Jesus: "Cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto" (Lucas 6. 44).

Os efeitos que o Espírito Santo produz podem sempre ser vistos. O homem do mundo pode não entendê-los: em muitos casos, eles podem ser fracos e indistintos; mas onde o Espírito está, Ele não estará escondido. Ele não fica ocioso quando entra no coração: Ele não fica quieto. Ele não dorme. Ele fará Sua presença conhecida. Ele brilhará pouco a pouco através das janelas dos hábitos e conversas diárias de um homem, e manifestará ao mundo que Ele está nele. Uma habitação dormente, entorpecida e silenciosa do Espírito é uma noção que agrada a mente de muitos. É uma noção para a qual não vejo autoridade na Palavra de Deus. Eu concordo inteiramente com a Homilia para o Domingo de Pentecostes, “Como a árvore é conhecida por seus frutos, assim também é o Espírito Santo”.

Em quem vejo os efeitos e frutos do Espírito, nesse homem vejo aquele que tem o Espírito. Acredito que seja não apenas caridoso pensar assim, mas presunção duvidar disso. Não espero ver o Espírito Santo com meus olhos corporais, ou tocá-Lo com minhas mãos. Mas não preciso que nenhum anjo desça para me mostrar onde Ele mora. Não preciso de uma visão do céu para me dizer onde posso encontrá-lo. Mostra-me apenas um homem em quem os frutos do Espírito são visíveis, e eu vejo aquele que "tem o Espírito". Não vou duvidar da presença interna da causa onipotente, quando vejo o fato externo de um efeito evidente.

Posso ver o vento em um dia de tempestade? Eu não posso: mas posso ver os efeitos de sua força e poder. Quando vejo as nuvens sendo movidas diante dele, e as árvores curvadas sob ele; quando o ouço assobiando pelas portas e janelas, ou uivando pelo topo das chaminés, não duvido por um momento de sua existência. Eu digo: "Há um vento". O mesmo ocorre com a presença do Espírito na alma.

Posso ver o orvalho do céu caindo em uma noite de verão? Não posso. Ele desce manso e suavemente, silencioso e imperceptível. Mas quando saio pela manhã, após uma noite sem nuvens, e vejo cada folha brilhando com umidade, e sinto cada folha de grama úmida e molhada, digo imediatamente: "Houve um orvalho". O mesmo ocorre com a presença do Espírito na alma.

Posso ver a mão do semeador ao caminhar pelos campos de milho no mês de julho? Não posso. Não vejo nada além de milhões de espigas ricas em grãos e curvadas ao solo com a maturação: mas suponho que a colheita veio por acaso e cresceu por si mesma? Suponho que não seja nada disso. Sei quando vejo aqueles campos de milho que o arado e a grade estiveram trabalhando um dia, e que uma mão que semeou está lá. O mesmo ocorre com a obra do Espírito na alma.

Posso ver o magnetismo na agulha da bússola? Não posso. Ele age de uma maneira misteriosa e oculta: mas quando vejo aquele pedacinho de ferro sempre se voltando para o norte, sei imediatamente que está sob a influência secreta do poder magnético. O mesmo ocorre com a obra do Espírito na alma.

Posso ver a mola principal do meu relógio quando olho para o seu mostrador? Não posso. Mas quando vejo os ponteiros girando e contando as horas e minutos do dia em sucessão regular, não tenho dúvidas da existência da mola mestra. Da mesma forma é com a obra do Espírito.

Posso ver o timoneiro do navio com destino a casa, quando ele aparece pela primeira vez, e suas velas embranquecem no horizonte? Não posso. Mas quando estou no topo do píer e vejo aquele navio navegando pelo mar em direção à foz do porto, como uma coisa viva, sei bem que há um no leme que guia seus movimentos. Da mesma forma é com a obra do Espírito.

Exijo que todos os meus leitores se lembrem disso. Estabeleça isso como um princípio em sua mente, que se o Espírito Santo realmente está em uma pessoa, isso será visto nos efeitos que Ele produz em seu coração e vida.

Cuidado para não supor que um homem pode ter o Espírito quando não há evidência externa de Sua presença na alma. É uma ilusão perigosa e antibíblica pensar assim. Nunca devemos perder de vista os princípios gerais estabelecidos para nós nas Escrituras: "Se dissermos que temos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade". “Nisto se manifestam os filhos de Deus e os filhos do diabo: quem não pratica a justiça não é de Deus” (1 João 1. 6; 3. 10).

Você já ouviu falar, não tenho dúvidas, de uma classe miserável de cristãos professos chamados antinomianos. São pessoas que se gabam de ter um interesse salvador em Cristo e dizem que foram perdoados, enquanto ao mesmo tempo vivem em pecado deliberado e em violação aberta dos mandamentos de Deus. Ouso dizer que essas pessoas estão miseravelmente enganadas. Elas vão para o inferno com uma mentira na mão direita! O verdadeiro crente em Cristo está "morto para o pecado". Cada pessoa que tem uma esperança real em Cristo “purifica-se a si mesma como Ele é puro” (1 João 3. 3).

Mas vou lhe contar sobre uma ilusão tão perigosa quanto a dos antinomianos, e muito mais enganosa. Essa ilusão é: a fim de gloriar a si mesmo, você tem o Espírito habitando em seu coração, enquanto não há frutos do Espírito para serem vistos em sua vida. Acredito firmemente que essa ilusão está arruinando milhares, tão certamente quanto o Antinomianismo. É tão perigoso desonrar o Espírito Santo quanto desonrar a Cristo. É tão ofensivo a Deus fingir ter interesse na obra do Espírito, como é fingir ter interesse na obra de Cristo.

De uma vez por todas, exorto meus leitores a lembrar que os efeitos que o Espírito produz são as únicas evidências confiáveis de Sua presença. Falar do Espírito Santo habitando em você e ainda assim sendo invisível em sua vida, é realmente um trabalho bárbaro. Isso confunde os primeiros princípios do Evangelho; confunde luz e escuridão; natureza e graça; conversão e desconversão; fé e incredulidade; os filhos de Deus e os filhos do diabo.

Existe apenas uma posição segura neste assunto. Existe apenas uma resposta segura para a pergunta: "Como devemos decidir quem tem o Espírito?". Devemos nos apoiar no velho princípio estabelecido por nosso Senhor Jesus Cristo: "Pelos seus frutos os conhecereis" (Mateus 7. 20). Onde está o Espírito, haverá fruto: quem não tem fruto do Espírito, não tem o Espírito. Uma obra do Espírito não sentida, invisível, inoperante, é uma grande ilusão. Onde o Espírito realmente está, Ele será sentido, visto e conhecido.


III. Permitam-me, em último lugar, descrever os efeitos particulares que o Espírito produz nas almas nas quais Ele habita.

Considero essa parte do assunto a mais importante de todas. Até agora, falei de maneira geral sobre os grandes princípios orientadores que devem nos guiar na indagação sobre a obra do Espírito Santo. Devo agora chegar mais perto e falar das marcas especiais pelas quais a presença do Espírito Santo em qualquer coração individual pode ser discernida. Felizmente, com a Bíblia como nossa luz, essas marcas não são difíceis de descobrir.

Desejo estabelecer algumas premissas antes de entrar totalmente no assunto. É necessário para limpar o caminho.

(a) Admito livremente que existem alguns mistérios profundos sobre a obra do Espírito. Não posso explicar a maneira como Ele entrou no coração. “O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem e para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito” (João 3. 8). Não posso explicar por que Ele entra em um coração e não em outro - por que condescende em habitar neste homem e não naquele. Eu só sei que é assim. Ele atua como um soberano. Para usar as palavras do Catecismo da Igreja, Ele santifica "o povo eleito de Deus". Mas também me lembro que não posso explicar por que nasci na Inglaterra cristã, e não na África pagã. Fico satisfeito em acreditar que toda a obra de Deus é bem executada. Para mim, basta estar na corte do rei, sem ser advogado do rei.

(b) Concordo livremente que há grandes diversidades nas operações pelas quais o Espírito realiza Sua obra nas almas dos homens. Existem diferenças nas idades em que Ele começa a entrar no coração. Com alguns Ele começa jovem, como com João Batista e Timóteo: em outros, começa em idade avançada, como com Manassés e Zaqueu. Existem diferenças nos sentimentos que Ele primeiro desperta no coração. Ele lidera alguns por meio de forte terror e alarme, como o carcereiro de Filipos. Ele lidera alguns abrindo suavemente o coração para receber a verdade, como Lídia. Existem diferenças no tempo gasto para efetuar essa mudança completa de caráter. Para alguns, a mudança é imediata e repentina, como aconteceu com Saulo quando ele viajou para Damasco: para outros, é gradual e lenta, como foi com o fariseu Nicodemos. Existem diferenças nos instrumentos que Ele usa para primeiro despertar a alma de sua morte natural. Com alguns Ele usa um sermão, com outros a Bíblia, com outros um folheto, com outros o conselho de um amigo, com outros uma doença ou aflição, com outros nenhuma coisa particular que possa ser identificada distintamente. Tudo isso é mais importante de entender. Exigir que todas as pessoas sejam submetidas a um único tipo de experiência é o erro mais grave!

(c) Concordo livremente que o início da obra do Espírito é frequentemente pequeno e imperceptível. A semente da qual o caráter espiritual é formado, muitas vezes é muito diminuta no início. A nascente da vida espiritual, como a de muitos rios poderosos, está frequentemente em seu início, apenas um pequeno riacho. O início, portanto, da obra do Espírito em uma alma é geralmente ignorado pelo mundo - muito frequentemente não devidamente valorizado e encorajado por outros cristãos - e quase sem exceção totalmente mal compreendido pela própria alma que é o sujeito deles. Que isso nunca seja esquecido. O homem em quem o Espírito começa a operar dificilmente se dá conta, até muito depois, de que seu estado de espírito sobre a época de sua conversão surgiu com a entrada do Espírito Santo.

Mas, ainda assim, depois de todas essas concessões e permissões, existem certos grandes efeitos principais que o Espírito produz na alma em que Ele habita, que são sempre o mesmo. Aqueles que têm o Espírito podem ser conduzidos a princípio por caminhos diferentes, mas sempre são conduzidos, mais cedo ou mais tarde, a um mesmo caminho estreito. Suas principais opiniões sobre a verdade do Evangelho são as mesmas; seus principais desejos são os mesmos; seu andar geral é o mesmo. Eles podem diferir muito uns dos outros em seu caráter natural, mas seu caráter espiritual, em suas características principais, é sempre um. O Espírito Santo sempre produz um tipo geral de efeitos. Tons e variedades, sem dúvida, existem na experiência daqueles em cujos corações Ele trabalha, mas o esboço geral de sua fé e vida é sempre o mesmo.

Quais são, então, esses efeitos gerais que o Espírito sempre produz sobre aqueles que realmente O têm? Quais são as marcas de sua presença na alma? Esta é a questão que agora precisa ser considerada. Vamos tentar colocar essas marcas em ordem.

1. Todos os que têm o Espírito são vivificados por Ele e vivificados espiritualmente. Ele é chamado nas Escrituras, "O Espírito da vida" (Romanos 8. 3). “É o Espírito”, diz nosso Senhor Jesus Cristo, “que vivifica” (João 6. 63). Estamos todos por natureza mortos em ofensas e pecados. Não temos sentimento nem interesse pela religião verdadeira. Não temos fé, nem esperança, nem medo, nem amor: nossos corações estão em estado de torpor; eles são comparados nas Escrituras a uma pedra. Podemos estar vivos com relação a dinheiro, aprendizado, política ou prazer, mas estamos mortos para Deus. Tudo isso muda quando o Espírito entra no coração. Ele nos ressuscita desse estado de morte e nos torna novas criaturas. Ele desperta a consciência e inclina a vontade para Deus. Ele faz com que as coisas velhas passem e todas as coisas se tornem novas. Ele nos dá um novo coração; Ele nos faz despir o velho e vestir o novo. Ele toca a trombeta no ouvido de nossas faculdades adormecidas e nos envia para andar pelo mundo como se fôssemos novos seres. Quão diferente era Lázaro encerrado na tumba silenciosa, de Lázaro saindo ao comando de nosso Senhor! Quão diferente era a filha de Jairo deitada fria em sua cama entre amigos chorando, e a filha de Jairo se levantando e falando com sua mãe como estava acostumada! Tão diferente é o homem em quem o Espírito habita até o que ele era antes de o Espírito entrar nele.

Apelo a todo leitor pensante. Pode aquele cujo coração está manifestamente cheio de tudo exceto Deus - duro, frio e insensível -, pode ser dito que ele "tem o Espírito"? Julgue por si mesmo.

2. Todos os que têm o Espírito são ensinados por ele. Ele é chamado nas Escrituras de “Espírito de sabedoria e revelação” (Efésios 1.17). Foi a promessa do Senhor Jesus: “Ele vos ensinará todas as coisas”. “Ele os guiará em toda a verdade” (João 14. 26; 16. 13). Todos nós somos, por natureza, ignorantes da verdade espiritual. “O homem natural não recebe as coisas do Espírito de Deus; elas são loucura para ele” (1 Coríntios 2. 14). Nossos olhos estão cegos. Não conhecemos Deus, nem Cristo, nem a nós mesmos, nem o mundo, nem o pecado, nem o céu, nem o inferno, como devemos. Vemos tudo sob cores falsas. O Espírito altera inteiramente este estado de coisas. Ele abre os olhos do nosso entendimento. Ele nos ilumina; Ele nos chama das trevas para uma luz maravilhosa. Ele tira o véu. Ele brilha em nossos corações e nos faz ver as coisas como realmente são! Não é de se admirar que todos os verdadeiros cristãos concordem tão notavelmente com os fundamentos da verdadeira religião! A razão é que todos aprenderam em uma escola: a escola do Espírito Santo. Não é de admirar que os verdadeiros cristãos possam entender uns aos outros ao mesmo tempo e encontrar um terreno comum de comunhão! Eles aprenderam a mesma língua, por Aquele cujas lições nunca são esquecidas.

Apelo novamente a todo leitor pensante. Aquele que é ignorante das principais doutrinas do Evangelho, e cego para seu próprio estado - pode ser dito que ele "tem o Espírito"? Julgue por si mesmo

3. Todos os que têm o Espírito são conduzidos por Ele às escrituras. Este é o instrumento pelo qual Ele atua especialmente na alma. A Palavra é chamada de "espada do Espírito". Aqueles que são nascidos de novo são chamados de "nascidos da Palavra" (Efésios 6. 17; 1 Pedro 1. 23). Toda a Escritura foi escrita sob Sua inspiração: Ele nunca ensina nada que não esteja escrito nela. Ele faz com que o homem em quem habita "se deleite na lei do Senhor" (Salmo 1. 2). Assim como a criança deseja o leite que a natureza lhe fornece e recusa todos os outros alimentos, assim também a alma que tem o Espírito deseja o leite sincero da Palavra. Assim como os israelitas se alimentaram do maná no deserto, os filhos de Deus foram ensinados pelo Espírito Santo a se alimentar do conteúdo da Bíblia.

Apelo novamente a todo leitor pensante. Aquele que nunca lê a Bíblia, ou apenas a lê formalmente - pode ser dito que ele tem o Espírito? Julgue por si mesmo.

4. Todos os que têm o Espírito são convencidos por Ele do pecado. Este é um ofício especial que o Senhor Jesus prometeu que deveria cumprir. “Quando Ele vier, convencerá o mundo do pecado” (João 16. 8). Só Ele pode abrir os olhos de um homem para a real extensão de sua culpa e corrupção diante de Deus. Ele sempre faz isso quando entra na alma. Ele nos coloca em nosso lugar certo. Mostra-nos a vileza do nosso próprio coração e faz-nos gritar, tal como o publicano: "Deus tenha misericórdia de mim, pecador!". Ele derruba aquelas noções orgulhosas, hipócritas e autojustificadoras com as quais todos nascemos, e nos faz sentir como devemos sentir: "Eu sou um homem pecador e mereço estar no inferno!". Os ministros podem nos alarmar por algum tempo; a doença pode quebrar o gelo em nossos corações; mas o gelo logo congelará novamente se não for descongelado pelo sopro do Espírito! As convicções não realizadas por Ele passarão como o orvalho da manhã.

Apelo novamente a todo leitor pensante. O homem que nunca sente o peso de seus pecados, e não sabe o que é ser humilhado pelo pensamento deles - pode ele ter o Espírito? Julgue por si mesmo.

5. Todos os que têm o Espírito são conduzidos por Ele a Cristo para a salvação. É uma parte especial de Seu ofício “testificar de Cristo”, “tomar as coisas de Cristo e mostrá-las a nós” (João 15. 26; 16. 15). Por natureza, todos nós pensamos em trabalhar nosso próprio caminho para o céu: imaginamos em nossa cegueira que podemos fazer as pazes com Deus. Dessa cegueira miserável o Espírito nos livra. Ele nos mostra que em nós mesmos estamos perdidos e sem esperança, e que Cristo é a única porta pela qual podemos entrar no céu e sermos salvos. Ele nos ensina que nada além do sangue de Jesus pode expiar o pecado, e que somente por meio de Sua mediação Deus pode ser justo e o justificador dos ímpios. Ele nos revela a excelente aptidão e adequação à nossa alma da salvação de Cristo. Ele nos revela a beleza da gloriosa doutrina da justificação pela fé simples. Ele derrama em nossos corações aquele poderoso amor de Deus que está em Cristo Jesus. Assim como a pomba voa para a conhecida fenda da rocha, a alma daquele que tem o Espírito foge para Cristo e repousa sobre Ele (Romanos 5. 5).

Apelo novamente a todo leitor pensante. Pode-se dizer que aquele que nada sabe sobre a fé em Cristo tem o Espírito? Julgue por si mesmo.

6. Todos os que têm o Espírito são santificados por Ele. Ele é "o Espírito de santidade" (Romanos 1.4). Quando Ele habita nas pessoas, Ele as faz perseguir "amor, alegria, paz, longanimidade, mansidão, brandura, fé, paciência, temperança". Ele torna natural para elas, por meio de sua nova "natureza divina", considerar todos os preceitos de Deus concernentes a todas as coisas como retos, e "odiar todo caminho falso" (2 Pedro 1. 4; Salmo 119. 128). O pecado não é mais agradável para elas: é sua tristeza quando tentados; é sua vergonha quando são surpreendidos pelo pecado. Seu desejo é se livrar completamente disso. Seus momentos mais felizes são quando eles são capazes de andar mais perto de Deus; seus momentos mais tristes são quando eles estão mais distantes d'Ele.

Apelo novamente a todo leitor pensante. Pode-se dizer que aqueles que nem mesmo fingem viver estritamente de acordo com a vontade de Deus têm o Espírito? Julgue por si mesmo.

7. Todos os que têm o Espírito têm uma mente espiritual. Para usar as palavras do apóstolo Paulo, "os que vivem segundo a carne pensam nas coisas da carne, mas os que vivem segundo o Espírito pensam nas coisas do Espírito" (Romanos 8. 5). O tom geral, o teor e o preconceito de suas mentes são a favor das coisas espirituais. Eles não servem a Deus aos poucos, mas habitualmente. Eles podem ser afastados por fortes tentações; mas a tendência geral de suas vidas, modos, gostos, pensamentos e hábitos é espiritual. Você vê isso na maneira como passam o tempo de lazer, na companhia que adoram manter e na conduta em suas próprias casas. E tudo é resultado da natureza espiritual implantada neles pelo Espírito Santo. Assim como a lagarta, quando se torna uma borboleta, não pode mais se contentar em rastejar na terra, mas vai voar para cima e usar suas asas, o mesmo acontecerá com o afeto do homem que tem o Espírito sempre se elevando em direção a Deus.

Apelo novamente a todo leitor pensante. Pode-se dizer que aqueles, cujas mentes estão totalmente voltadas para as coisas deste mundo, têm o Espírito? Julgue por si mesmo.

8. Todos os que têm o Espírito sentem um conflito dentro de si, entre a velha e a nova natureza. As palavras de Paulo são verdadeiras, mais ou menos, para todos os filhos de Deus: "A carne é contra o Espírito, e o Espírito contra a carne, para que vocês não façam o que querem" (Gálatas 5.17) . Eles sentem um princípio sagrado em seu peito, o que os faz se deleitar com a lei de Deus: mas eles sentem outro princípio dentro de si, lutando arduamente pelo domínio e lutando para arrastá-los para baixo e para trás. Alguns sentem esse conflito mais do que outros: mas todos os que têm o Espírito o conhecem; e é um símbolo para o bem. É uma prova de que o homem forte armado não reina mais por dentro, como antes, com indiscutível domínio. A presença do Espírito Santo pode ser conhecida tanto pela guerra interna quanto pela paz interna. Aquele que foi ensinado a descansar e esperar em Cristo, sempre será aquele que luta e guerreia contra o pecado.

Apelo novamente a todo leitor pensante. Pode-se dizer que, aquele que nada conhece de conflito interno e é servo do pecado, do mundo e de sua vontade própria, tem o Espírito? Julgue por si mesmo.

9. Todos os que têm o Espírito amam os que têm o Espírito. Está escrito sobre eles por João: “Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos” (1 João 3. 14). Quanto mais eles veem o Espírito Santo em alguém, mais querido ele é para eles. Eles o consideram um membro da mesma família, um filho do mesmo Pai, um súdito do mesmo Rei e um companheiro de viagem com eles mesmos em um país estrangeiro para a mesma pátria. É a glória do Espírito trazer de volta algo daquele amor fraternal, que o pecado tão miseravelmente expulsou do mundo. Ele faz as pessoas amarem umas às outras por razões que para o homem natural são tolices: por causa de um Salvador comum, uma fé comum, um serviço comum na terra e a esperança de um lar comum. Ele cria amizades independentemente de sangue, casamento, interesse, negócios ou qualquer motivo mundano. Ele une as pessoas fazendo-as sentir que estão unidas a um grande centro, Jesus Cristo.

Apelo novamente a todo leitor pensante. Pode-se dizer que aquele que não sente prazer na companhia de pessoas de mentalidade espiritual, ou mesmo zomba delas como santos, tem o Espírito? Julgue por si mesmo.

10. Finalmente, todos os que têm o Espírito são ensinados por Ele a orar. Ele é chamado nas Escrituras de "Espírito de graça e súplica" (Zacarias 12. 10). Diz-se que os eleitos de Deus “clamam a Ele noite e dia” (Lucas 18. 7). Eles não podem evitar: suas orações podem ser pobres, e fracas, e errantes: mas eles devem orar; algo dentro deles lhes diz que devem falar com Deus e colocar suas necessidades diante d'Ele. Assim como a criança chora quando sente dor ou fome, porque é sua natureza, assim também a nova natureza implantada pelo Espírito Santo obrigará o homem a orar. Ele tem o Espírito de adoção e deve clamar: "Aba, Pai" (Gálatas 4. 6).

Mais uma vez, apelo a todo leitor pensante. Pode-se dizer que o homem que nunca ora ou se contenta em dizer algumas palavras formais sem coração, tem o Espírito? Pela última vez, digo, julgue por si mesmo.


Essas são as marcas e sinais pelos quais acredito que a presença do Espírito Santo em um homem pode ser discernida. Eu os declarei justamente como me parecem ter sido colocados diante de nós nas Escrituras. Não tenho me empenhado em exagerar nada, e em nada reter. Acredito que não haja verdadeiros cristãos nos quais essas marcas não possam ser encontradas. Alguns deles, sem dúvida, se destacam com mais ênfase em alguns, e outros em outros. Minha própria experiência é distinta e decidida - que nunca vi uma pessoa verdadeiramente piedosa, mesmo das classes mais pobres e humildes, em quem, em observação próxima, essas marcas não pudessem ser descobertas.

Acredito que marcas como essas são a única evidência segura de que estamos viajando no caminho que conduz à vida eterna. Exorto a todos os que desejam assegurar sua vocação e eleição que cuidem para que essas marcas sejam suas. Existem destacados mestres de religião, eu sei, que desprezam a menção de "marcas", e as chamam de "legalidades". Eu não me importo com o fato de elas serem chamados de legalidades, contanto que eu esteja satisfeito que elas sejam bíblicas. E, com a Bíblia diante de mim, dou minha opinião com segurança, que quem está sem essas marcas está sem o Espírito de Deus.

Mostre-me um homem que tem essas marcas e eu o reconheço como um filho de Deus. Ele pode ser pobre e humilde neste mundo; ele pode ser vil aos seus próprios olhos e muitas vezes duvidar de sua própria salvação. Mas ele tem aquilo dentro de si que só vem do alto e nunca será destruído: justamente a obra do Espírito Santo. Deus é seu, Cristo é seu. Seu nome já está escrito no livro da vida, e em breve o céu será seu. 

Mostre-me um homem em quem essas marcas não podem ser encontradas, e não me atrevo a reconhecê-lo como um verdadeiro cristão. Não ouso, como um homem honesto; não ouso, pelo amor que possuo por sua alma; não me atrevo, como leitor da Bíblia. Ele pode fazer uma grande profissão religiosa; ele pode ser instruído, elevado no mundo e moral em sua vida. Não é nada se ele não tiver o Espírito Santo. Ele está sem Deus, sem Cristo, sem esperança sólida e, a menos que mude, estará finalmente sem céu.


E agora deixe-me terminar este artigo com algumas observações práticas que surgem naturalmente do assunto que ele contém.

(a) Você saberia, em primeiro lugar, qual é o seu dever imediato? Ouça, e eu vou te dizer.

Você deve se examinar com calma sobre o assunto que estou tentando apresentar a você. Você deve se perguntar seriamente como a doutrina do Espírito Santo afeta sua alma. Desvie o olhar, eu te suplico, por alguns minutos, para coisas mais elevadas do que as coisas da terra e coisas mais importantes do que as coisas do tempo. Tenha paciência enquanto faço uma pergunta simples. Eu pergunto solene e afetuosamente, como quem deseja a sua salvação: Você tem o Espírito?

Lembre-se de que não pergunto se você acha que tudo o que venho dizendo é verdadeiro, correto e bom. Eu pergunto se você mesmo, que está lendo estas linhas, tem dentro de você o Espírito Santo?

Lembre-se, eu não pergunto se você acredita que o Espírito Santo é dado à Igreja de Cristo e que todos os que pertencem à Igreja estão ao alcance de Suas operações. Eu pergunto: você mesmo, tem o Espírito em seu coração?

Lembre-se, não pergunto se às vezes você sente dificuldades de consciência e bons desejos passando por você. Eu pergunto: você realmente experimentou a obra de vivificação e reavivamento do Espírito em seu coração?

Lembre-se, não peço que me diga o dia ou mês em que o Espírito começou a trabalhar em você. Para mim, basta que as árvores frutíferas deem frutos, sem perguntar a época exata em que foram plantadas. Mas eu pergunto: Você está produzindo algum fruto do Espírito?

Lembre-se, eu não pergunto se você é uma pessoa perfeita e nunca sente nada de mal por dentro. Mas eu pergunto, com gravidade e seriedade: você tem em seu coração e em sua vida as marcas do Espírito?

Espero que não me diga que não sabe quais são as marcas do Espírito. Eu os descrevi claramente. Agora, repito-os brevemente e insisto em sua atenção: 1. O Espírito vivifica os corações dos homens; 2. O Espírito ensina as mentes dos homens; 3. O Espírito conduz à Palavra; 4. O Espírito convence do pecado; 5. O Espírito atrai a Cristo; 6. O Espírito santifica; 7. O Espírito concede as pessoas uma mente espiritual; 8. O Espírito produz conflito interno; 9. O Espírito faz as pessoas amarem os irmãos; 10. O Espírito ensina a orar. Essas são as grandes marcas da presença do Espírito Santo. Faça a pergunta à sua consciência como um homem: O Espírito fez algo desse tipo por sua alma?

Exijo que não passem muitos dias sem tentar responder à minha pergunta. Eu o convoco, como fiel vigia, batendo à porta do seu coração, para resolver o assunto. Vivemos em um mundo antigo, desgastado e carregado de pecados. Quem pode dizer o que "um dia pode trazer?". Quem viverá para ver outro ano? Você tem o Espírito? (Provérbios 27. 1).

(b) Você saberia, em seguida, qual é o grande defeito do cristianismo de nossos tempos? Ouça-me e direi a você.

O grande defeito de que falo é simplesmente este: o Cristianismo de muitas pessoas não é o Cristianismo real de forma alguma. Sei que tal opinião parece dura e chocantemente pouco caridosa. Não posso evitar: estou convencido de que é tristemente verdade. Eu só quero que o Cristianismo das pessoas seja o da Bíblia; mas eu duvido extremamente, em muitos casos, se é assim.

Existem multidões de ingleses, creio eu, que vão à igreja ou capela todos os domingos apenas como uma questão de formalidade. Seus pais ou mães foram, e então eles vão; é a moda do país ir, e assim eles vão; é costume assistir a um serviço religioso e ouvir um sermão, e assim eles vão. Mas quanto à religião real, vital e salvadora - eles não sabem nem se importam com isso. Eles não podem dar conta das doutrinas distintivas do Evangelho. Justificação, regeneração e santificação são “palavras e nomes” que eles não podem explicar. Eles podem ter uma ideia vaga de que devem ir à mesa do Senhor e podem dizer algumas palavras vagas sobre Cristo, mas não têm uma noção inteligente do caminho da salvação. Quanto ao Espírito Santo, eles dificilmente podem dizer mais sobre Ele do que ouviram Seu nome.

Agora, se qualquer leitor deste artigo está ciente de que sua religião é a que descrevi, apenas o advertirei afetuosamente para lembrar que tal religião é totalmente inútil. Não salvará, confortará, satisfará ou santificará sua alma. E o conselho claro que dou a este leitor é para trocá-lo por algo melhor sem demora. Lembre-se de minhas palavras. Não vai dar no final.

(c) Você saberá, em seguida, uma verdade no Evangelho sobre a qual precisamos ser especialmente ciumentos hoje. Ouça, e eu vou te dizer.

A verdade que tenho em vista é a verdade sobre a obra do Espírito Santo. Toda verdade, sem dúvida, é constantemente atacada por Satanás. Não desejo por um momento exagerar o ofício do Espírito e exaltá-Lo acima do Sol e do Centro do Evangelho: Jesus Cristo. Mas eu acredito que, além do ofício sacerdotal de Cristo, nenhuma verdade nos dias atuais é tão frequentemente perdida de vista, e tão enganosamente atacada, como a obra do Espírito. Alguns o prejudicam por negligência ignorante - sua conversa é toda sobre Cristo. Eles podem lhe dizer algo sobre "o Salvador"; mas se você perguntar a eles sobre aquela obra interior do Espírito que todos os que realmente conhecem o Salvador experimentam, eles não têm uma palavra a dizer. Alguns prejudicam a obra do Espírito por considerá-la garantida. Ser membro da Igreja, participar dos sacramentos, torna-se seu substituto para a conversão e regeneração espiritual. Alguns prejudicam a obra do Espírito confundindo-a com a ação da consciência natural. De acordo com essa visão inferior, ninguém, a não ser os mais endurecidos e degradados da humanidade, são destituídos do Espírito Santo. Contra todos esses desvios da verdade, vamos vigiar e estar em guarda. Tenhamos cuidado para não deixar a proporção das declarações do Evangelho. Que uma de nossas principais palavras de ordem nos dias atuais seja: não há salvação sem a obra interior do Espírito! Nenhuma obra interior do Espírito Santo a menos que possa ser vista, sentida e conhecida! Nenhuma obra salvadora do Espírito que não se manifeste em arrependimento para com Deus e fé viva em Jesus Cristo!

(d) Você saberia, em seguida, a razão pela qual nós, que somos ministros do Evangelho, nunca nos desesperamos por qualquer um que nos ouve enquanto vive? Ouça, e eu vou te dizer.

Nunca nos desesperamos, porque acreditamos no poder do Espírito Santo. Podemos muito bem nos desesperar quando olhamos para nossas próprias performances: muitas vezes estamos fartos de nós mesmos! Podemos nos desesperar quando olhamos para alguns que pertencem às nossas congregações: eles parecem tão duros e insensíveis quanto a pedra inferior do moinho. Mas nos lembramos do Espírito Santo e do que Ele fez; lembramos do Espírito Santo e consideramos que Ele não mudou. Ele pode descer como fogo e derreter os corações mais duros! Ele pode converter o pior homem ou mulher entre nossos ouvintes e moldar todo o seu caráter em uma nova forma. E assim continuamos a pregar. Temos esperança, por causa do Espírito Santo. Ó, que nossos ouvintes entendam que o progresso da verdadeira religião depende "não de força ou poder", mas do Espírito do Senhor! Ó, que muitos deles aprendam a confiar menos nos ministros e a orar mais pelo Espírito Santo! Ó, que todos aprendam a esperar menos das escolas, folhetos e maquinários eclesiásticos, e, embora usem todos os meios diligentemente, busquem mais seriamente o derramamento do Espírito (Zacarias 4. 6).

(e) Você saberia, em seguida, o que deve fazer, se sua consciência lhe disser que você não tem o Espírito? Ouça, e eu vou te dizer. 

Se você não tem o Espírito, deve ir imediatamente ao Senhor Jesus Cristo em oração e suplicar-Lhe que tenha misericórdia de você e envie-lhe o Espírito. Não tenho a menor simpatia por aqueles que dizem às pessoas para orar pelo Espírito Santo em primeiro lugar, a fim de que possam ir a Cristo em segundo lugar. Não vejo nenhuma garantia nas Escrituras para dizer isso. Vejo apenas que, se as pessoas se sentem necessitadas e pecadoras que perecem, elas devem se aplicar em primeiro lugar, de maneira direta, a Jesus Cristo. Vejo que Ele mesmo diz: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba” (João 7. 37). Sei que está escrito: “Ele recebeu dons para os homens, mesmo para os rebeldes, para que o Senhor Deus habite no meio deles” (Salmo 68. 18). Sei que é Seu ofício especial batizar com o Espírito Santo, e que "n'Ele habita toda a plenitude". Não ouso fingir ser mais sistemático do que a Bíblia. Eu acredito que Cristo é o lugar de encontro entre Deus e a alma, e meu primeiro conselho para quem quer o Espírito deve ser sempre: "Vá a Jesus e diga a Ele o que você precisa!" (Colossenses 1. 19).

Além disso, eu diria que, se você não tem o Espírito, deve ser diligente em atender aos meios de graça pelos quais o Espírito opera. Você deve ouvir regularmente aquela Palavra, que é Sua espada; você deve comparecer habitualmente às assembleias em que Sua presença é prometida. Você deve, em resumo, ser encontrado no caminho do Espírito, se quiser que o Espírito lhe faça o bem. O cego Bartimeu nunca teria sido visto se ele se sentasse preguiçosamente em casa e não se sentasse à beira do caminho. Zaqueu poderia nunca ter visto Jesus e se tornado filho de Abraão, se não tivesse corrido antes e escalado o sicômoro. O Espírito é um Espírito amoroso e bom. Mas aquele que despreza os meios de graça resiste ao Espírito Santo.

Lembre-se dessas duas coisas. Acredito firmemente que nenhum homem jamais agiu com honestidade e perseverança com base nesses dois conselhos que não tivesse, mais cedo ou mais tarde, o Espírito.

(f) Você saberia, em seguida, o que deve fazer, se tiver dúvidas sobre seu próprio estado e não puder dizer se tem o Espírito? Ouça, e eu vou te dizer.

Se você está em dúvida se tem o Espírito, deve examinar com calma se suas dúvidas são bem fundamentadas. Há muitos crentes verdadeiros, temo, que estão destituídos de qualquer garantia firme quanto a seu próprio estado: duvidar é sua vida. Peço a essas pessoas que peguem suas Bíblias e considerem em silêncio o motivo de suas preocupações. Peço-lhes que considerem: de onde vem seu senso de pecado, por mais fraco que seja; seu amor a Cristo, por mais fraco que seja; seu desejo de santidade, embora fraco; seu prazer na companhia do povo de Deus; sua inclinação para a oração e a Palavra? De onde vieram essas coisas, eu pergunto? Elas vieram do seu próprio coração? Certamente não! A natureza humana pecaminosa não produz tais frutos. Eles vieram do diabo? Certamente não! Satanás não trava guerra contra Satanás. De onde então, repito, vieram essas coisas? Eu o advirto para não entristecer o Espírito Santo por duvidar da verdade de Suas operações. Digo-lhe que é hora de você refletir se você não tem esperado uma perfeição interior que você não tinha o direito de esperar, e ao mesmo tempo, ingrata e subestimando uma obra real que o Espírito Santo realmente operou em suas almas. 

Um grande estadista disse certa vez que, se um estrangeiro visitou a Inglaterra, pela primeira vez, com os olhos enfaixados e os ouvidos abertos - ouvindo tudo, mas não vendo nada - ele poderia muito bem supor que a Inglaterra estava a caminho da ruína; tantos são os murmúrios do povo inglês. E, no entanto, se esse mesmo estrangeiro viesse para a Inglaterra com os ouvidos tapados e os olhos abertos - vendo tudo e não ouvindo nada - provavelmente suporia que a Inglaterra era o país mais rico e próspero do mundo, tantos são os sinais de prosperidade que ele veria.

Muitas vezes estou disposto a aplicar essa observação ao caso de cristãos duvidosos. Se eu acreditasse em tudo que eles dizem de si mesmos, certamente pensaria que estavam em um péssimo estado. Mas quando os vejo vivendo como vivem - com fome e sede de justiça, pobres de espírito, desejando santidade, amando o nome de Cristo, mantendo hábitos de leitura da Bíblia e oração - quando vejo essas coisas, paro de ter medo. Eu confio nos meus olhos mais do que nos meus ouvidos. Vejo marcas manifestas da presença do Espírito, e só lamento que eles se recusem a vê-las por si mesmos. Eu vejo o diabo roubando-lhes a paz, instilando essas dúvidas em suas mentes, e lamento que eles se machuquem por acreditar nele. Alguns professos, sem controvérsia, podem duvidar se "têm o Espírito", pois não têm sinais de graça sobre eles. Muitos, porém, nutrem um hábito de dúvida em sua mente, para o qual não têm causa, e do qual deveriam se envergonhar.

(g) Você saberia, por fim, o que deveria fazer, se realmente tivesse o Espírito? Ouça-me e direi a você.

Se você tem o Espírito, procure ser "cheio do Espírito" (Efésios 5. 18). Beba profundamente das águas vivas. Não se contente com um pouco de religião. Ore para que o Espírito possa preencher cada canto e cômodo do seu coração, e que nem um centímetro de espaço seja deixado nele para o mundo e o diabo.

Se você tem o Espírito, "não entristece o Espírito" (Efésios 4.30). É fácil para os crentes enfraquecerem o senso de Sua presença e se privarem de Seu conforto. Pequenos pecados não mortificados, pequenos maus hábitos de temperamento ou de língua não corrigidos, pequenas obediências ao mundo, tudo isso provavelmente ofenderá o Espírito Santo. Ó, que os crentes se lembrem disso! Há muito mais "paraíso na terra" para ser desfrutado do que muitos deles conseguem: e por que eles não conseguem? Eles não zelam suficientemente por seus hábitos diários, e assim a obra do Espírito é amortecida e prejudicada. O Espírito deve ser um Espírito totalmente santificador se tiver de ser um consolador para sua alma.

Se você tem o Espírito, trabalhe para produzir todos os frutos do Espírito. “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, gentileza, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio; contra essas coisas não há lei. E aqueles que pertencem a Cristo Jesus crucificaram a carne com suas paixões e desejos "(Gálatas 5. 22-24). Leia a lista que o apóstolo traçou e veja que nenhum desses frutos é negligenciado. Ó, que os crentes busquem mais "amor" e mais "alegria!". Então, eles fariam mais bem a todas as pessoas; então eles próprios se sentiriam mais felizes; então eles tornariam a religião mais bonita aos olhos do mundo!

Recomendo as coisas que escrevi à séria atenção de todos os leitores destas páginas. Que elas não tenham sido escritas em vão. Junte-se a mim em oração para que o Espírito seja derramado do alto com mais influência abundante do que Ele jamais foi. Ore para que Ele seja derramado sobre todos os crentes, em casa e no exterior, para que sejam mais unidos e santos. Ore para que Ele seja derramado sobre judeus, maometanos e pagãos, para que muitos deles se convertam.

Ore para que Ele seja derramado sobre os católicos romanos, especialmente na Itália e na Irlanda. Ore para que Ele seja derramado sobre o seu próprio país e que seja poupado dos julgamentos que merece. Ore para que Ele seja derramado sobre todos os ministros e missionários fiéis e para que seu número aumente cem vezes mais.

Ore, acima de tudo, para que Ele seja derramado, com abundante poder, sobre sua própria alma, para que, se você não conhece a verdade, possa ser ensinado a conhecê-la e que, se a conhecer, possa conhecê-la melhor.


 ~

J. C. Ryle

Old Paths, 1877.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: