ad

Frase

A propósito, aqui está um raciocínio de um suicídio por tédio, é claro, um materialista:

"Na verdade, que direito tinha essa natureza de me trazer ao mundo, devido a algumas de suas leis eternas? Fui criado com consciência e tinha consciência dessa natureza; que direito ela tinha de me produzir, sem minha vontade de saber? Consciente, portanto, de sofrer, mas não quero sofrer - pois por que concordaria em sofrer? A natureza, por meio da minha consciência, me anuncia algum tipo de harmonia em geral. A consciência humana fez religiões a partir dessa proclamação. Ela me diz que embora eu saiba muito bem que não posso e nunca irei participar da "harmonia do todo", e não a entendo de forma alguma, o que isso significa, mas que ainda tenho que me submeter a esta proclamação, e dever aceitar, aceitar o sofrimento em vista da harmonia em geral e concordar em viver. Mas se eu escolher deliberadamente, então, é claro, preferiria ser feliz apenas naquele momento enquanto eu existir, e não tenho absolutamente nada a ver com o todo e sua harmonia depois que eu for destruído - esse todo com harmonia permanecerá na luz depois de mim ou será destruído imediatamente comigo. E por que eu deveria estar tão preocupado em preservá-lo depois de mim - essa é a questão? Seria melhor se eu fosse criado como todos os animais, isto é, vivo, mas não conscientemente consciente de mim mesmo; minha consciência não é precisamente harmonia, mas, ao contrário, desarmonia, porque estou infeliz com ela. Olha quem é feliz no mundo e que tipo de pessoa concorda em viver? Apenas aqueles que são semelhantes aos animais e estão mais próximos de seu tipo de acordo com o pequeno desenvolvimento de sua consciência. Eles concordam em viver de boa vontade, mas justamente sob a condição de viverem como animais, ou seja, comer, beber, dormir, fazer ninho e criar filhos. Comer, beber e dormir de maneira humana significa lucrar e saquear, e construir um ninho é principalmente saquear. Talvez me venham a objetar que é possível estabelecer-se e construir um ninho com base em princípios sociais razoáveis ​​e cientificamente corretos, e não por roubo, como tem sido até agora. Deixe, e eu peço o quê? Por que se estabelecer e se esforçar tanto para se estabelecer na sociedade de pessoas de maneira correta, razoável e moralmente certa? Para isso, é claro, ninguém pode me dar uma resposta. Tudo o que eles puderam me responder é: "para obter prazer". Sim, se eu fosse uma flor ou uma vaca, teria gostado. Mas, fazendo, como agora, perguntas a mim mesmo incessantemente, não posso ser feliz, mesmo com a felicidade mais elevada e imediata do amor ao próximo e do amor à humanidade por mim, pois sei que amanhã tudo isso será destruído: ambos eu e tudo, esta felicidade, e todo o amor, e toda a humanidade - vamos nos transformar em nada, no caos anterior. E sob tal condição eu nunca poderei aceitar qualquer felicidade - não por relutância em concordar em aceitá-la, não por alguma teimosia por causa de um princípio, mas simplesmente porque eu não serei e não posso ser feliz sob a condição do zero iminente amanhã. Este é um sentimento, é um sentimento imediato e não posso superá-lo. Bem, mesmo se eu morresse, e apenas a humanidade permaneceria em meu lugar para sempre, então talvez eu ainda fosse consolado. Mas, afinal, nosso planeta é impermanente, e o tempo da humanidade é o mesmo que é para mim. E não importa o quão inteligente, alegre, justa e sagrada a humanidade esteja estabelecida na terra, tudo isso também será igualado amanhã ao mesmo zero. E embora por alguma razão seja necessário lá, de acordo com algum tipo de leis onipotentes, eternas e mortas da natureza, mas acredito que este pensamento contém algum desrespeito mais profundo pela humanidade, profundamente ofensivo para mim e tanto mais insuportável que não haja um para culpar.

E, finalmente, mesmo que pudéssemos assumir este conto de fadas sobre um homem finalmente arranjado na terra em bases razoáveis ​​e científicas - talvez acreditando nisso, acreditando na felicidade futura das pessoas - então pensava-se que a natureza precisava, de acordo com algumas leis inertes dela, torturar um homem do milênio antes de trazê-lo a essa felicidade, o simples pensamento disso já é insuportavelmente ultrajante. Agora acrescente o fato de que a mesma natureza, que finalmente permitiu a uma pessoa a felicidade, por algum motivo precisa tornar tudo isso amanhã a zero, apesar de todo o sofrimento que a humanidade pagou por essa felicidade e, o mais importante, de forma alguma escondendo de mim e da minha consciência, como ela se escondeu da vaca, involuntariamente vem à mente um pensamento extremamente engraçado, mas insuportavelmente triste: "Bem, e se uma pessoa fosse lançada ao solo na forma de algum tipo de teste impudente, só para ver se tal criatura na terra ou não?". A tristeza desse pensamento, o principal é que, novamente, não há ninguém para culpar, ninguém que tenha testado, ninguém para amaldiçoar, mas tudo aconteceu de acordo às leis mortas da natureza, completamente incompreensíveis para mim, com as quais minha consciência não poderia, é impossível concordar.

- Já que às minhas perguntas sobre a felicidade, através da minha própria consciência, recebo da natureza apenas a resposta de que só posso ser feliz na harmonia do todo, que não entendo, e é óbvio para mim, e nunca poderei entender;

- Já que a natureza não só não reconhece meu direito de pedir contas a ela, mas nem mesmo me responde - e não porque ela não queira, mas porque ela não pode responder;

- Já que estava convencido de que a natureza, para responder às minhas perguntas, me intentou (inconscientemente) a mim mesmo e me responde com minha própria consciência (porque eu mesmo digo tudo isso a mim mesmo).

Pois, enfim, com este despacho, assumo ao mesmo tempo o papel de autor e réu, réu e juiz, e considero essa comédia, do lado da natureza, completamente estúpida, e até a considero humilhante. 

Que, na minha indubitável qualidade de demandante e réu, juiz e réu, eu concedo esta natureza, que tão sem cerimônia e descaradamente me fez sofrer, - junto comigo à destruição... E como eu não posso destruir a natureza, eu a destruo sozinho, apenas por tédio para suportar uma tirania da qual não há ninguém para culpar."

~

Título original: Два самоубийства

Disponível em Ilibrary.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: