ad

O que é a imagem de Deus no homem

"E seja renovado no espírito da sua mente; e, vista-se do novo homem, que segundo Deus é criado em justiça e verdadeira santidade". Efésios 4. 23, 24.

1. A imagem de Deus no homem é a conformidade da alma do homem, de seu espírito e mente, de seu entendimento e vontade, e de todas as suas faculdades e poderes, tanto corporais como mentais, a Deus e à Santíssima Trindade. Pois o decreto da Santíssima Trindade foi assim expresso: “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”, etc. Gênesis 1. 26.

2. É evidente, portanto, que, quando o homem foi criado, a imagem da Trindade foi impressa nele, a fim de que a santidade, a justiça e a bondade de Deus pudessem brilhar em sua alma; difundir luz abundante por meio de seu entendimento, vontade e afeições; e aparecer visivelmente até mesmo em sua vida e conversa: para que, consequentemente, todas as suas ações, tanto internas quanto externas, possam respirar nada além de amor divino, pureza e poder, e, em suma, que a vida do homem na terra possa se assemelhar àquele dos anjos no céu, que estão sempre empenhados em fazer a vontade de seu Pai Celestial. Ao imprimir assim sua imagem no homem, Deus planejou se deleitar e se alegrar nele, assim como um pai se alegra com um filho nascido à sua própria imagem: pois, como pai, contemplando a si mesmo, ou outro eu, em sua descendência, não pode deixar de sentir a maior complacência e deleite; assim, quando Deus viu o caráter expresso de sua própria pessoa refletido em uma imagem de si mesmo, suas “delícias estavam com os filhos dos homens”, Provérbios 8. 31. Assim, foi o principal prazer de Deus olhar para o homem, em quem ele se regozijou, e descansou, por assim dizer, de todo o seu trabalho; considerando-o como a grande obra-prima de sua criação, e sabendo que na perfeita inocência e beleza do homem, a excelência de sua própria glória seria plenamente demonstrada. E esta bendita comunhão nossos primeiros pais e sua posteridade sempre teriam desfrutado, tivessem eles continuado na semelhança de Deus e descansado nele e em sua vontade; que, como ele era seu autor, também seria o seu fim.

3. Sem dúvida, é propriedade essencial de toda imagem ser uma representação justa do objeto que se pretende exprimir; e como o reflexo em um espelho é vívido em um grau proporcional à clareza do próprio espelho, então a imagem de Deus se torna mais ou menos visível, de acordo com a pureza da alma em que é vista.

4. Portanto, Deus originalmente criou o homem perfeitamente puro e imaculado; para que a imagem divina pudesse ser contemplada nele, não como uma sombra vazia e sem vida em um vidro, mas como uma imagem verdadeira e viva do Deus invisível, e como a semelhança de sua beleza interior, oculta e indizível. Havia uma imagem da sabedoria de Deus no entendimento do homem; de sua bondade, gentileza e paciência, no espírito do homem; de seu divino amor e misericórdia, nas afeições do coração do homem. Havia uma imagem da retidão e santidade, da justiça e pureza de Deus, na vontade do homem; de sua bondade, clemência e verdade, em todas as palavras e ações do homem; de seu poder onipotente, no domínio do homem sobre a terra e criaturas inferiores; e por último, havia uma imagem da eternidade de Deus, na imortalidade da alma humana.

5. Da imagem divina assim implantada nele, o homem deveria ter adquirido o conhecimento de Deus e de si mesmo. Portanto, ele pode ter aprendido que Deus, seu Criador, é tudo em todos, o Ser dos seres, e o principal e único SER, de quem todos os seres criados derivam sua existência, e em quem e por quem, todas as coisas que são, subsistem. Daí, também, ele deveria saber, que Deus, como o Original da natureza do homem, é tudo aquilo de que ele mesmo era apenas a imagem e representação. Pois, visto que o homem deveria levar a imagem da bondade divina, segue-se que Deus é a bondade soberana e universal essencialmente (Mateus 19. 17); e, consequentemente, que Deus é amor essencial, vida essencial e santidade essencial, a quem somente (porque ele é tudo isso essencialmente), adoração e louvor, honra e glória, poder, majestade, domínio e virtude, devem ser atribuídos: considerando que estes não pertencem à criatura, nem pertencem a nada além de Deus.

6. A partir desta imagem do Ser Divino, o homem deveria ainda ter adquirido o conhecimento de si mesmo. Ele deveria ter considerado a vasta diferença que havia entre Deus e ele mesmo. O homem não é Deus, mas a imagem de Deus; e a imagem de Deus não deve representar nada além de Deus. Ele é um retrato do Ser Divino; um personagem, uma imagem, na qual só Deus deve ser visto e glorificado. Nada, portanto, deve viver no homem, além de Deus. Nada além da Divindade deve mexer, desejar, amar, pensar, falar, agir ou se alegrar nele. Pois se qualquer coisa além de Deus vive ou opera no homem, ele deixa de ser a imagem de Deus; e se torna a imagem daquilo que assim vive e age dentro dele. Se, portanto, um homem quer se tornar, e continuar a ser, a imagem de Deus, ele deve se entregar totalmente ao Ser Divino e se submeter inteiramente à sua vontade; ele deve permitir que Deus opere nele tudo o que lhe agrada; para que, ao negar sua própria vontade, possa fazer a vontade de seu Pai Celestial sem reservas, estando inteiramente resignado a Deus e disposto a se tornar um instrumento santo em suas mãos, para fazer sua vontade e sua obra. Tal homem não segue sua própria vontade, mas a vontade de Deus; ele não ama a si mesmo, mas a Deus; não busca sua própria honra, mas a honra de Deus. Ele não cobiça propriedades nem riqueza para si, mas refere tudo ao Bem Supremo; e, portanto, estar satisfeito em possuí-lo, eleva-se acima do amor da criatura e do mundo. E assim deve o homem despojar-se de todo amor por si mesmo e pelo mundo, para que só Deus esteja todo nele, e trabalhe tudo nele, por seu Espírito Santo. Nisto consistia a perfeita inocência, pureza e santidade do homem. Pois, que maior inocência pode haver, do que a que um homem deve fazer, não sua própria vontade, mas a vontade de seu Pai Celestial? Ou que pureza maior do que o homem permitir que Deus opere nele e faça tudo de acordo com a Sua vontade? Ou, que santidade maior, do que se tornar um instrumento nas mãos do Espírito de Deus? Assemelhar-se a uma criança, em cujo seio ainda não prevalecem o amor próprio e a honra própria, é, na verdade, a mais elevada simplicidade.

7. De toda esta devoção à vontade divina, nosso Senhor Jesus Cristo, enquanto peregrinou em nosso mundo, foi um exemplo perfeito. Ele sacrificou sua própria vontade a Deus, seu Pai, em obediência, humildade e mansidão irrepreensíveis; privando-se prontamente de toda honra e estima, de todo interesse e amor próprio, de todo prazer e alegria; e deixando Deus sozinho, para pensar, falar e agir, nele e por ele. Em suma, ele invariavelmente fez sua a vontade e o prazer de Deus, como o próprio Pai testemunhou por uma voz do céu: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo”, Mateus 3. 17. O Senhor Jesus Cristo, bendito para sempre, é a verdadeira imagem de Deus, em quem nada aparece, exceto o próprio Deus, e tais manifestações que são agradáveis ​​à sua natureza; a saber, amor, misericórdia, longanimidade, paciência, mansidão, brandura, justiça, santidade, consolação, vida e bem-aventurança eterna: pois por ele, o Deus invisível estava disposto a ser descoberto e dado a conhecer ao homem. Ele é de fato a imagem de Deus em um sentido mais sublime; isto é, de acordo com sua Divindade, em virtude da qual, ele mesmo é o próprio Deus, a imagem expressa e essencial da glória de seu Pai, no esplendor infinito da luz incriada, Hebreus 1. 3. Mas deste ponto nada mais pode no momento ser dito: nosso desígnio é falar dele apenas como ele viveu e conversou em sua humanidade sagrada, enquanto ele cultuou sobre a terra.

8. Foi em uma santa inocência como esta, que a imagem de Deus foi, no princípio, conferida a Adão, a qual ele deveria ter preservado em verdadeira humildade e obediência. Com certeza foi suficiente para ele que fosse feito capaz de todos os benefícios da imagem divina; de amor e deleite sincero e sem mistura; de tranquilidade mental imperturbada e sólida; de poder, fortaleza, paz, luz e vida. Mas não refletindo devidamente que ele mesmo não era o bem principal, mas meramente um espelho da Divindade, formado propositadamente para receber o reflexo da natureza divina, ele se erigiu em um Deus; e assim escolhendo ser o maior bem para si mesmo, ele foi precipitado no maior de todos os males, sendo privado desta imagem inestimável, e alienado daquela comunhão com Deus, que, em virtude dela, ele antes desfrutava.

9. Se a vontade própria, o amor-próprio e a honra própria tivessem sido excluídos, a imagem de Deus não poderia ter se afastado do homem; mas o Ser Divino teria continuado a ser sua única glória, honra e louvor. Como tudo é capaz de ser semelhante e não contrário, e em sua semelhante aquiescência e deleite, então o homem, sendo à semelhança de Deus, foi assim preparado para receber Deus em si mesmo, que também estava pronto para se comunicar ao homem, com todos os tesouros de sua bondade; a bondade sendo, de todas as coisas, a mais comunicativa de si mesma.

10. Finalmente, o homem deveria ter aprendido da imagem de Deus, que por meio dela ele está unido a Deus; e que nesta união, sua verdadeira e eterna tranquilidade, seu descanso, paz, alegria, vida e felicidade somente consistem. Ele deveria ter aprendido que toda inquietação mental e aflição de espírito surgem de nada além de uma quebra desta união, pela qual ele deixa de ser a imagem de Deus; pois o homem tão logo se volta para a criatura, ele é privado daquele bem eterno que deve ser derivado somente de Deus.

~

Johann Arndt

True Christianity (Wahres Christentum), 1605.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: