ad

Carta de Calvino a Melanchthon

Esta carta é sem dúvida uma das primeiras endereçadas por Calvino a Melanchthon. Unido, desde as Conferências de Ratisbona, ao reformador alemão pelos laços de afeição e amizade, deu-lhe desde então os testemunhos de sua estima e respeito, e manteve com ele relações que nunca foram interrompidas, apesar da diferença de sua doutrina e gênio. Calvino dedicou, em 1543, a Melanchthon, a publicação que fez contra o doutor Albert Pigius, opositor da doutrina da graça, e editou, alguns anos depois, as Loci Communes de Melanchthon, traduzido para o francês; apresentando assim um notável exemplo do espírito de união e concórdia que ele aplicou em seu desenvolvimento às Igrejas Luterana e Reformada, de acordo com aquela bela passagem de uma de suas Cartas: "Se a união entre todas as Igrejas de Cristo na terra fosse tal, para que os anjos no céu se unam ao seu cântico de louvor!"

---

Testemunho de respeito e afeto fraterno - sua homenagem em um de seus livros - detalhes de seus trabalhos em Genebra - levantamento do estado da Alemanha e da Itália.

Genebra, 16 de fevereiro de 1543.

Veja a que sujeito preguiçoso confiou sua carta. Foram quatro meses inteiros antes que ele me entregasse, e depois amassado e amarrotado com muito uso áspero. Mas, embora tenha chegado um pouco tarde, atribuo um grande valor à aquisição. Por mais que, portanto, eu tenha sido, por negligência desta pessoa, privado por um tempo de tanto prazer, ele, no entanto, imediatamente obteve meu perdão, quando tomei posse da comunicação. Gostaria, de fato, como você observa, que pudéssemos conversar mais frequentemente, fosse apenas por uma carta. Para você, de fato, isso não seria uma vantagem; para mim, no entanto, nada neste mundo poderia ser mais desejável do que se consolar com o espírito suave e gentil de sua correspondência. Você mal pode acreditar com que carga de assuntos estou aqui sobrecarregado e incessantemente apressado; mas no meio dessas distrações há duas coisas que mais me incomodam. Meu principal arrependimento é que não parece haver a quantidade de frutos que se pode esperar razoavelmente do trabalho prestado; a outra é porque estou tão distante de você e de alguns outros e, portanto, privado daquele tipo de conforto e consolo que seria uma ajuda especial para mim. Como, no entanto, não podemos ter tanto por nossa própria escolha, que cada um, a seu próprio critério, possa escolher o canto da vinha onde possa servir a Cristo, devemos permanecer naquele posto que ele mesmo atribuiu a cada um. Este conforto temos pelo menos, do qual nenhuma separação distante pode nos privar – quero dizer, aquele descanso contente com esta comunhão que Cristo consagrou com seu próprio sangue, e também confirmou e selou por seu abençoado Espírito em nossos corações, enquanto vivemos na terra, podemos nos animar uns aos outros com aquela bendita esperança para a qual sua carta nos chama, de que no céu acima habitaremos para sempre, onde nos regozijaremos no amor e na continuidade de nossa amizade. Mas para que você não suponha que fiz um uso impróprio de seu nome no Ensaio que publiquei recentemente, peço-lhe que o reconheça ou aprove por causa de minha afeição por você, ou ceda até agora à sua própria disposição bondosa de concordar com o que fiz. Entre muitas razões pelas quais fui induzido a seguir este curso, esta não era a menos importante, que Pigius havia escolhido Sadoleto, sob cujo nome ele poderia impor ao mundo seus próprios conceitos espumosos. Para que não haja, no entanto, ocasião para fazer comparações odiosas, calo-me; nem, de fato, devo aqui fazer qualquer pedido de desculpas prolongado, uma vez que eu poderia ter declarado imediatamente que eu tinha tomado o curso que eu tinha certeza, pela bondade e boa vontade que você nutre por mim, não era uma liberdade injustificável.

Quanto aos nossos próprios assuntos, não há nada que eu escreva. A única causa que me impõe esse silêncio é que tenho tanto para lhe contar que minha história nunca teria fim. Eu trabalho aqui e faço o meu melhor, mas tenho sucesso com indiferença. E, no entanto, todos se espantam que meu progresso seja tão grande em meio a tantos inconvenientes, a maior parte dos quais provém dos próprios ministros. Isso, no entanto, é um grande alívio para meus problemas, que não apenas esta Igreja, mas também toda a vizinhança, tirem algum benefício da minha presença. Além disso, um pouco transborda daqui para a França, e até se espalha até a Itália. Não é sem amargura que ouço falar da triste condição de sua Alemanha. Nem são os males que eu temo de um tipo menos sério do que aqueles que eu lamento. Pois se o que é relatado estiver correto, que o turco novamente se prepara para travar a guerra com uma força maior, quem se levantará para se opor à sua marcha por toda a extensão da terra à sua mera vontade e prazer? E como se fosse pouca coisa, depois de ter desfeito o exército em circunstâncias vis, depois de tantos gastos feitos em vão, depois de tanta desonra incorrida; e, finalmente, depois de terem, pela peste de três anos, e o que mais recentemente nos visitou, perdido a própria flor de sua força, eles estão neste momento sofrendo ainda mais severamente com a discórdia civil. Apesar de tudo isso, porém, nossos governantes, embora tão severamente castigados, não são despertados de seu sono, nem aprenderam a dar glória a Deus. Isso, no entanto, me revive um pouco, eles dizem que o arcebispo de Colônia e alguns outros se empenharam seriamente em iniciar o trabalho de reformar completamente as igrejas. Nem, de fato, considero um assunto de pouca importância, que os bispos, entre os quais até agora nenhum indivíduo deu glória a Cristo, agora levantem as mãos e declarem publicamente sua deserção do ídolo romano. Somente agora devemos ser muito cuidadosos e nos esforçar diligentemente para promover seu progresso, para que de um Cristo dividido não surja alguma forma ainda mais monstruosa de mal. Enquanto isso, o Papa de Roma já desfila o espetáculo vazio de um Concílio em Trento, que pode divertir o mundo, e mantê-lo um pouco mais suspenso em suspense. Mas Deus não permitirá mais ser ridicularizado. Estou enganado se este ano não produzir uma mudança muito grande de assuntos, que pode ocorrer em breve; mas já falei demais.

Adieu, portanto, ó homem de realizações mais eminentes, e para sempre lembrado por mim e honrado no Senhor! Que o Senhor vos conserve por muito tempo em segurança para a glória do seu nome e para a edificação da Igreja. Eu me pergunto qual pode ser a razão pela qual você mantém seu Daniel como um livro selado em casa. Tampouco posso permitir-me em silêncio, sem protesto, ser privado do benefício de sua leitura. Você saudará o doutor Martinho respeitosamente em meu nome? Temos aqui conosco neste momento Bernardino de Siena, um homem eminente e excelente, que causou grande comoção na Itália com sua partida. Ele pediu que eu o cumprimentasse em seu nome. Mais uma vez adeus, junto com sua família, a quem o Senhor preserve continuamente.

João Calvino

Cópia latina —Biblioteca de Zurique. Col. Simler, Tom. LI.

~

Cartas de João Calvino 

Editado por Jules Bonnet, 1858.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: