Deus teve que compartilhar nosso sofrimento humano


É um fato geral óbvio sobre o mundo que os humanos não apenas sofrem, mas também praticam o mal. Como um Deus amoroso responderá ao sofrimento e ao erro dessas criaturas fracas, mas em parte racionais, que ele criou? 
Como normalmente pensavam os pensadores cristãos, Deus não tinha obrigação de criar um mundo (pois, se ele não o fizesse, jamais teria havido nenhuma criatura que tivesse sido injustiçada). Não foi nem mesmo o melhor ato único de criar um mundo contendo seres humanos que sofrem e fazem o que é errado: ou criar um mundo semelhante ou não criar um parece-me igual aos melhores atos. Por causa da bondade de haver criaturas com escolhas livres entre o bem e o mal que podem moldar seus personagens para o bem ou para o mal, seria um bom ato criá-lo. Por causa do sofrimento inevitavelmente envolvido em tal mundo, teria sido igualmente bom para Deus não criá-lo. Mas, eu estarei argumentando, teria sido um ato generoso para Deus criar humanos, em vista da obrigação que, assim, Deus impôs a si mesmo.
Por causa da bondade dos humanos terem escolhas livres, Deus tem uma boa razão para permitir que eles se machuquem uns aos outros; e boa razão para permitir que sofram dores causadas por doença e acidente, a fim de permitir-lhes escolhas mais significativas e, assim, formar seus próprios personagens. Nós, seres humanos comuns, por vezes, submetemos corretamente nossos próprios filhos ao sofrimento por causa de algum bem maior (para si mesmos ou para os outros); por exemplo (para usar o meu exemplo anterior) fazê-los frequentar uma escola de bairro "difícil" por causa de boas relações com a comunidade. Nestas circunstâncias, é bom que mostremos solidariedade aos nossos filhos, colocando-nos na mesma situação que eles: por exemplo, envolvendo-nos na organização de pais e mestres de sua escola de bairro. Às vezes podemos precisar sujeitar nossos filhos a um sofrimento sério em prol de um bem maior para os outros; e então chega um ponto em que não é apenas bom, mas obrigatório demonstrar solidariedade ao sofredor. Suponha que meu país tenha sido injustamente atacado, e o governo tenha introduzido o recrutamento militar para levantar um exército para defender o país. Todos os jovens entre 18 e 30 anos são chamados para servir no exército; homens mais velhos com menos de 50 anos podem ser voluntários. O governo, no entanto, permite que os pais daqueles entre 18 e 21 anos "vetem" uma convocação. Suponha que eu tenha um filho de 19 anos; e, embora a maioria dos pais evite que seus filhos jovens "telefonem", recuso-me a fazê-lo por causa da gravidade da ameaça à independência do país. Suponha também que eu tenha 45 anos e, portanto, não tenha obrigação legal de servir. Plausivelmente, já que estou forçando meu filho a suportar as dificuldades e o perigo do serviço militar, tenho uma obrigação moral para ele de me voluntariar. Em circunstâncias desse tipo, o compartilhamento não deve ser inteiramente incógnito. O pai não precisa apenas compartilhar o sofrimento da criança, mas mostrar a ele que está fazendo isso. Portanto, parece-me altamente plausível supor que, dada a quantidade de dor e sofrimento que Deus permite que os humanos suportem (para um bom propósito), seria obrigatório a Deus compartilhar uma vida humana de sofrimento. Isso seria alcançado por uma pessoa divina encarnando-se como humano (isto é, tornando-se um ser humano) e vivendo uma vida que contém muito sofrimento, terminando com a grande crise que todos os humanos têm que enfrentar: a crise da morte. E uma maneira óbvia pela qual aquela pessoa divina, a quem agora chamarei de "Deus Encarnado", poderia compartilhar o pior sofrimento que os humanos suportam, seria para ele viver uma vida que terminaria com uma morte dolorosa e injustamente imposta.
E não apenas Deus teria a obrigação de viver uma vida humana de sofrimento, mas Deus teria que nos mostrar que ele havia feito isso: a Encarnação não serviria ao seu propósito se os humanos não aprendessem sobre isso. Dado que a vida humana de Deus Encarnado seria de duração limitada, ele deve fornecer uma maneira de informar a futura raça humana em todo o mundo do que ele havia feito - e isso significa que ele deve fundar uma Igreja que, ele asseguraria, proclame esta mensagem. 

~

[ Trecho traduzido e adaptado do livro Era Jesus Deus? (Was Jesus God?, 2008, Oxford University Press), de Richard Swinburne. ]

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: