POR QUÊ? A PERGUNTA INCÔMODA

Publicado originalmente em Ligonier Ministries, sob o título: "Why? The Nagging Question".



Nós rotineiramente falamos sobre “o problema do mal”. Mas durante a era cristã houve dois problemas principais do mal, e é importante distingui-los, assim como os cristãos devem responder a eles. Vamos considerar cada um por sua vez.

O problema cristão

O primeiro - vamos chamá-lo de problema cristão do mal - é: Como poderia o mal ocorrer em um mundo feito por Deus? Tem como pressuposto fundamental que Deus existe, que Ele é o bom Criador de tudo o que é, e que o que Ele criou expressa esse caráter, e pergunta: Então, por que mal? Coloque mais biblicamente, por que a queda? E, em particular, por que o mal ocorreu em uma situação em que poderia ter sido evitado?

Essa é a questão com a qual Agostinho se debateu quando buscou libertar seu pensamento do dualismo dos maniqueus. O mal ocorre porque Deus, que poderia impedi-lo, permite isso. A permissão do mal está sob o controle de Deus. Dizer que é permitido é sublinhar esse ponto, porque Deus não é o próprio mal e não pode ser o autor do mal (Tiago 1:13). É vital enfatizar isso. Mas não é como se, quando o mal ocorre, Deus temporariamente perca o controle do universo que Ele criou e sustenta e governa. O mal que foi permitido poderia ter sido evitado, e a permissão limita a ação em questão. É uma permissão específica, não o tipo de permissão, como quando o professor diz à classe: “Vocês todos podem escolher qualquer livro da biblioteca.” Há um exemplo vívido disso no livro de Jó, onde o Senhor permite a Satanás afligir Jó, mas ao mesmo tempo limita sua atividade (Jó 1:12).

Note, no entanto, que a questão que a permissão divina é pelo menos parte de uma resposta é: “Por que existe mal em um mundo criado por Deus?” E não a pergunta: “Como o mal ocorre em um mundo feito por Deus? ? ”Eu acho que é justo dizer que uma grande quantidade de mistério se liga à questão do“ como? ”, Embora mistério não signifique incoerência lógica, como alguns afirmaram. A humanidade foi criada boa, mas não tão boa quanto pode ser; João Calvino chegou ao ponto de descrever a humanidade não caída como "fraca, frágil e sujeita a cair".

Ao dizer que a queda foi voluntariamente permitida por Deus, que ela poderia ter sido evitada, a igreja está indicando que o que ocorreu era parte de algum propósito mais amplo que Deus tem. É vital lembrar que, ao dizer isso, a igreja ou o cristão não está afirmando ter respostas detalhadas para todo mal. Muito do caráter desse “propósito mais amplo” está escondido de nós. As Escrituras indicam que às vezes há uma razão de julgamento (como com o Faraó) ou uma razão disciplinar (1 Pedro 1: 6-9) por que os males ocorrem. Mas outras vezes os escritores bíblicos são mudos diante do mal. (Sal. 38:13), e o melhor que uma pessoa pode administrar é chorar com aqueles que choram (Rom. 12:15). Devemos ter cuidado de tentar nos colocar no lugar de Deus.

Além de apelar para a ideia da permissão divina, várias maneiras de pensar foram propostas para nos ajudar a salvaguardar essa bondade de Deus diante do mal. O primeiro, claro, é enfatizar a responsabilidade humana pelo mal que homens e mulheres pensam e fazem. Se quisermos ser fiéis às Escrituras, não se deve permitir que sua própria ênfase no controle soberano de Deus comprometa sua ênfase igual em nossa responsabilidade e pecado. Escritores como Agostinho também enfatizaram a bondade de Deus com a ideia de que o mal não é nada positivo, mas sim uma falta ou perda, assim como a cegueira não é algo positivo, mas uma falta ou uma perda. Dizer que o mal não é "real" nesse sentido não é, naturalmente, dizer que o mal não tem efeitos reais, que é tudo "na mente", como os cientistas cristãos ensinam. Como sabemos muito prontamente, o mal tem efeitos terríveis. Há muita coisa no que Agostinho diz. Afinal, se Deus, o ser supremo, é o próprio bem, e se o mundo foi criado bom por Ele, então como Ele poderia, supremamente bom como Ele é, nutrir um pensamento maligno ou ter uma intenção maligna? Assim, o pecado e o mal são desvios da verdadeira bondade de Deus; nós temos ficado aquém da glória de Deus (Romanos 3:23).

Há ainda outra maneira de abordar isso. No final da história de José em Gênesis, depois que seu pai Jacó morreu, seus irmãos que o enviaram ao Egito pediram perdão a José. Em sua graciosa resposta, José disse: “Você quis dizer mal contra mim, mas Deus quis dizer para o bem” (Gn 50:20). Ele chama nossa atenção para o que poderíamos chamar de dois níveis de atividade. Existe o nível da intenção humana, as intenções perversas dos irmãos de José. E então há um nível mais alto, o nível da intenção de Deus, que muitas vezes não coincide com a intenção humana, e neste caso certamente não aconteceu. O fato de José ter sido enviado para o Egito foi o resultado da boa intenção de Deus, sua intenção de preservar Seu povo durante um período de fome e as más intenções dos irmãos de eliminar José. Como essas intenções se combinam é uma maravilha, um mistério, o resultado da bondade e sabedoria divinas. Mas as Escrituras afirmam que sim, e que esta é uma maneira importante de pensarmos na relação de Deus com o mal.

Estas várias maneiras de pensar sobre Deus: A ideia da permissão divina do mal, do mal como uma coisa e, portanto, incapaz de ser desejado por Deus, e a ideia de “níveis de intenção” não são rivais. Eles podem consistentemente ser combinados para derrotar a ideia de que, dada a ocorrência do mal existir em um mundo feito por Deus, Deus não é o próprio perverso, o "autor do pecado".

O problema ateísta

Mas há um segundo problema do mal - vamos chamar isso de problema "ateu". É o que mais provavelmente encontraremos em nossa cultura secular. O argumento é: se nós assumirmos que Deus é todo-poderoso e todo-bom, como é que pode haver mal? Pois a existência do mal parece implicar que Deus não é ao mesmo tempo todo-poderoso e todo-bom, caso contrário, Ele não o permitiria, ou que Ele imediatamente o eliminaria em sua primeira aparição. Mas há mal, muito mal. Portanto, Deus não pode ser todo-poderoso e todo-bom. E como ser todo-poderoso e ser todo-bom são atributos essenciais de Deus (características que Deus, se Ele existe, deve possuir), devemos concluir que (visto que o mal existe manifestamente) Deus não existe. Esse problema não é produto do pensamento cristão, mas do iluminismo secular. É um argumento para o ateísmo. O que vamos dizer? Como cristãos, devemos dizer que Deus é capaz de eliminar imediatamente todo o mal se assim desejar. Deus então não é todo bom? O argumento assume, penso eu, que pela “bondade de Deus” se entende sua benevolência superior. Deus é retratado, no argumento, como alguém cuja benevolência não lhe permitia tolerar a existência do mal, com a dor e a miséria que traz consigo, por um único momento. Então, o mal continuado no mundo é dito para mostrar que não pode haver um Deus benevolente. Por trás do argumento está o seguinte pensamento: uma pessoa bondosa e benevolente faz o que pode para eliminar o mal; assim deve Deus.

Contudo, a bondade de Deus tem um caráter mais profundo e mais rico (e mais misterioso) do que apenas a benevolência. Compreende o caráter inteiro de Deus; não apenas Sua benevolência, expressa em Seu cuidado diário por nós, mas também Sua justiça e Sua sabedoria. E a Escritura nos ensina que Deus tem propósitos que vão além da eliminação imediata de todo mal. Alguns dariam um lugar central nesses propósitos ao respeito de Deus pelo livre arbítrio humano. Diz-se que Ele valoriza o livre-arbítrio acima de tudo, e nos dando o uso de nossa liberdade Ele está disposto a aceitar as conseqüências, que nós regularmente fazemos o que é mal. Mas é difícil ver que esta é uma posição bíblica, que retrata o Senhor como tendo o coração de homens e mulheres em Sua mão, como sendo capaz de transformá-los onde quer que Ele queira (Provérbios 21: 1). Deus poderia prevenir o mal sem violar nossa liberdade. E pode ser perguntado: A posse do livre arbítrio é um valor que supera os males que se diz que ele traz?

A fim de chegar a um acordo com o mal, precisamos desenvolver uma perspectiva mais centrada em Deus e reconhecer que Deus tem propósitos além daqueles que podemos compreender no momento. Algumas delas são sugeridas nas Escrituras: “Nenhum olho viu… um eterno peso de glória” (1 Coríntios 2:16; 2 Coríntios 4:17). E há um lado escuro, o destino dos perdidos, dos impenitentes, dos que desafiam a Deus. Seus julgamentos são insondáveis. Mas é bom não especular sobre o futuro, mas viver no presente, lutar com o mal de nossos próprios corações, nos identificar com aqueles que sofrem os efeitos do mal e tentar fazer o bem como temos oportunidade. e viver para o dia em que o reino do mundo se tornará o reino de nosso Senhor e do Seu Cristo (Ap 11:15).
Paul Helm
Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: