Conhecimento Médio


Se Aristóteles não tivesse sido aluno de Platão, Aristóteles teria escolhido começar sua escola no Liceu? Se você acredita que Deus sabe a resposta para essa pergunta, você provavelmente acredita que Deus tem conhecimento médio.

O conhecimento médio é uma forma de conhecimento atribuída primeiramente a Deus pelo teólogo jesuíta do século XVI, Luis de Molina. É melhor caracterizada como conhecimento prévio de Deus de todos os verdadeiros contrafactuais da liberdade das criaturas. Este conhecimento é visto por seus proponentes como a chave para entender a compatibilidade entre a providência divina e a liberdade (libertária) da criatura.

O conhecimento médio é assim chamado porque se dá entre o conhecimento natural e o livre nas deliberações de Deus a respeito do processo criativo. De acordo com a teoria, o conhecimento médio é como o conhecimento natural na medida em que é pré-experimental, ou antes da escolha de Deus para criar. Isso, naturalmente, também significa que o conteúdo do conhecimento médio é verdadeiro independente da vontade de Deus e, portanto, Ele não tem controle sobre ele. No entanto, não é o mesmo que o conhecimento natural porque, como o conhecimento livre, seu conteúdo é contingente. A doutrina do conhecimento médio propõe que Deus tenha conhecimento dos estados de coisas metafisicamente necessários através do conhecimento natural, do que Ele pretende fazer através do conhecimento livre e, além disso, do que criaturas livres fariam se fossem instanciados (via conhecimento médio). Assim, o conteúdo do conhecimento médio é composto de verdades que se referem ao que Seria o caso  se vários estados de coisas fossem obtidos.

1. Suposições

Antes que um exame da teoria do conhecimento médio possa ser oferecido, várias suposições devem ser apresentadas. Cada uma dessas suposições é importante para uma compreensão da doutrina do conhecimento médio e sua utilidade para a reflexão teológica.

Primeiro, presume-se que, para uma ação ser livre, ela deve ser determinada pelo agente que executa a ação. Isso significa que Deus não pode querer uma criatura livre para agir de um modo particular e o ato ainda ser livre. Ações livres devem ser auto-determinantes. Essa suposição pode parecer óbvia para alguns e bastante controversa para os outros. Embora deva ser admitido que Deus poderia certamente desejar um ato de criatura de uma maneira particular e a escolha permanecer livre, é difícil ver como Ele poderia causar a escolha e ainda assim ser livre de uma maneira significativa. Os proponentes do conhecimento médio não negam que Deus pode influenciar uma escolha livre ou persuadir um agente a agir de uma maneira particular, mas tal influência e persuasão não podem ser determinantes se a ação executada for para ser livre. Além disso, o conhecimento médio requer liberdade de natureza libertária. Ou seja, criaturas livres têm a capacidade de escolher entre alternativas concorrentes e realmente poderiam escolher uma ou outra das alternativas.

Segundo, tornou-se habitual falar de uma prioridade lógica nos pensamentos divinos. Isto não é negar a simplicidade ou onisciência de Deus, ou dizer que Ele obtém conhecimento que Ele não possuía anteriormente. Pelo contrário, é simplesmente reconhecer que existem relações de dependência entre certos tipos de conhecimento. É também reconhecer que algo análogo à deliberação pode ocorrer na mente divina. Por exemplo, para que Deus saiba que um mais um é igual a dois, ele deve primeiro compreender o significado dos conceitos representados pelos números, símbolos matemáticos e expressões estereotipadas; eles servem como uma base pela qual a veracidade da fórmula pode ser avaliada. Mas isso não quer dizer que houve um tempo em que Deus não sabia 1 + 1 = 2. Assim, existe uma relação de prioridade lógica , mas não necessariamente temporal, entre um pouco do conteúdo do conhecimento divino.

Terceiro, os proponentes da doutrina do conhecimento médio acreditam que as coisas poderiam ter sido diferentes do que, de fato, são. Há muito que não é necessário sobre a maneira como o mundo é. Por exemplo, eu poderia ter casado com alguém diferente de Stefana, a mulher com quem casei. Claro, isso dependeria da minha paixão por outra pessoa e por aquela mulher concordar com minha proposta de casamento. Embora eu ache difícil imaginar que eu me apaixonei por outra pessoa (eu amo muito minha esposa), o ponto é que não há nada sobre o meu casamento com Stefana que é necessário . Stefana estava livre para rejeitar minha oferta de casamento, eu estava livre para nunca convidá-la para sair, nós podemos nunca ter existido, etc. Ou, para outro exemplo, Deus poderia ter feito as coisas de maneira diferente. O céu poderia ser amarelo em vez de azul, ou o rosa da grama. Deus poderia ter escolhido não criar nada. Embora essa suposição deva ser evidente, ela também é apoiada pelo Princípio de Incerteza de Heisenberg. As coisas poderiam ter sido diferentes.

2. Scientia Media

A doutrina de Molina é chamada scientia media , ou conhecimento médio, porque está no meio das duas categorias tradicionais da epistemologia divina transmitida por Aquino, conhecimento natural e livre. Compartilha características de cada um e, na ordem lógica do processo deliberativo divino em relação à criação, segue o conhecimento natural, mas precede o conhecimento livre.

O conhecimento natural é aquela parte do conhecimento de Deus que Ele conhece por Sua própria natureza ou essência, e desde que Sua essência é necessária, assim é aquilo que é conhecido através dela. Isto é, o conteúdo do conhecimento natural inclui todas as verdades metafisicamente necessárias. Por exemplo, a declaração "Todos os solteiros são solteiros" é necessária e parte do conhecimento natural. Outros exemplos incluem outras tautologias, certezas matemáticas (por exemplo, 1 + 1 = 2) e todas as possibilidades (já que todas as possibilidades são necessariamente assim). O conhecimento natural pode, portanto, ser considerado como incluindo um número virtualmente infinito de proposições da forma. É possível que p , assim como um número de proposições da forma, é o caso que p . Assim, o conhecimento natural, apropriadamente concebido, é aquela parte do conhecimento de Deus que não poderia ter sido diferente do que é. Segue-se deste fato que o conteúdo do conhecimento natural de Deus é independente de Sua vontade; Deus não tem controle sobre a verdade das proposições que Ele conhece por conhecimento natural. Considere, por exemplo, a verdade matemática, 1 + 1 = 2. Não importa o que Deus quiser, sempre será verdade que os conceitos representados pelos símbolos 1, 2, + e =, quando dispostos em uma expressão estereotipada, um mais um é igual a dois. É importante notar que, porque o conhecimento natural é independente da vontade de Deus e, em certa medida, coloca limites sobre os tipos de coisas que Deus pode fazer, o conhecimento natural informa a (s) decisão (ões) de Deus a respeito de Seu trabalho criativo. Isso também significa que o conhecimento natural é pré-experimental.

Conhecimento livre é aquela parte do conhecimento de Deus que Ele conhece pelo Seu conhecimento de Sua própria vontade, ambos os Seus desejos e o que Ele fará, de fato. O conteúdo deste conhecimento é composto de verdades que se referem ao que realmente existe (ou existiu , ou existirá). Por exemplo, a afirmação "John Laing existe", embora certamente verdadeira, depende da escolha de Deus em criar-me (ou, mais propriamente, de realizar um mundo onde sou criado) e, portanto, faz parte do conhecimento livre de Deus. . O conhecimento livre pode, portanto, ser considerado como incluindo um número de proposições da forma, É o caso que p (Note que proposições das formas, Foi o caso que p , e Será o caso que p , pode ser reduzido a uma proposição que se refere ao presente). Já que o conhecimento livre vem do ato criador da vontade de Deus, duas coisas se seguem. Primeiro, o conteúdo desse conhecimento é contingente; poderia ter sido diferente do que, de fato, é. Isto é, o conhecimento livre inclui apenas verdades metafisicamente contingentes, ou verdades que poderiam ter sido evitadas por Deus se Ele escolhesse criar situações diferentes, criaturas diferentes, ou não criar de todo. Em segundo lugar, o conhecimento livre é pós-revolucionário; depende da vontade de Deus.

Como observado anteriormente, o conhecimento médio é assim chamado porque se coloca entre o conhecimento natural e livre nas deliberações de Deus a respeito do processo criativo. De acordo com a teoria, o conhecimento médio é como o conhecimento natural na medida em que é pré-experimental, ou antes da escolha de Deus para criar. Isso, naturalmente, também significa que o conteúdo do conhecimento médio é verdadeiro independente da vontade de Deus e, portanto, Ele não tem controle sobre ele. No entanto, não é o mesmo que o conhecimento natural porque, como o conhecimento livre, seu conteúdo é contingente. A doutrina do conhecimento médio propõe que Deus tenha conhecimento dos estados de coisas metafisicamente necessários através do conhecimento natural, do que Ele pretende fazer através do conhecimento livre e, além disso, do que criaturas livres fariam se fossem instanciados (via conhecimento médio). Assim, o conteúdo do conhecimento médio é composto de verdades que se referem ao que seria o caso se vários estados de coisas fossem obtidos. Por exemplo, a declaração "Se John Laing tivesse a oportunidade de escrever um artigo sobre conhecimento médio para a Internet Encyclopedia of Philosophy, ele o faria livremente", embora seja verdade, certamente não é necessariamente assim. Eu poderia facilmente ter se abstido de escrever, se eu estivesse tão inclinado (ou muito ocupado, etc.). Da mesma forma, a sua verdade não parece depender da vontade de Deus da mesma forma que "John Laing existe" é. Mesmo se Deus escolhesse não me criar, a afirmação referente à minha redação do artigo ainda poderia ser verdadeira. De fato, sua verdade não parece depender da vontade de Deus, mas da minha vontade. Uma das suposições básicas da doutrina do conhecimento médio delineada acima é que Deus não pode querer uma criatura para escolher livremente qualquer coisa. Assim, o conteúdo do conhecimento médio pode ser considerado como incluindo um número virtualmente infinito de proposições da forma, Se a pessoa, P, estivesse em situação, S, então P executaria livremente a ação, A (ou P (S ® A) ).

A teoria do conhecimento médio apresenta uma imagem da onisciência divina que inclui não apenas conhecimento do passado, presente e futuro, mas também conhecimento de contingentes futuros condicionais (proposições que se referem a como as criaturas livres escolherão em várias circunstâncias), contrafactuais (proposições que referem-se a como as coisas seriam realmente se as circunstâncias fossem diferentes do que são ou serão) e contrafactuais da liberdade da criatura (proposições que se referem ao que uma criatura livre teria escolhido livremente) se as coisas tivessem sido diferentes). Este conhecimento, juntamente com o conhecimento natural, informa a decisão de Deus sobre o que Ele fará com referência à criação.

Um dos conceitos mais úteis para a explicação e avaliação do conhecimento médio é o dos mundos possíveis. A crença básica de que as coisas poderiam ter sido diferentes é comumente descrita como crença em muitos mundos possíveis. Cada conjunto completo de possíveis estados de coisas (ou o caminho que as coisas poderiam ser) é um mundo possível, e embora exista um número extremamente grande de mundos possíveis, não é infinito (alguns estados de coisas são impossíveis), e apenas um é real (como as coisas são ).

Na discussão contemporânea de mundos possíveis, dois conceitos se mostraram particularmente instrutivos: atualização e similaridade. Na piedade popular, não é incomum se referir a Deus criando o mundo. Entretanto, na semântica dos mundos possíveis, isso é visto como semanticamente impróprio. Em vez disso, a atividade criativa de Deus deve ser referida como a criação dos céus e da Terra, mas a realização de um mundo possível particular (uma vez que possíveis estados de coisas não têm um começo, o que a linguagem da criação implica). De acordo com a doutrina do Molinismo, Deus pode realizar um mundo onde Sua vontade é produzida pelas decisões livres das criaturas, mas para fazer essa afirmação, os Molinistas contemporâneos tiveram que distinguir entre a atualização forte e a fraca . Forte atualização refere-se aos esforços de um ser quando determina causalmente a ocorrência de um evento (por exemplo, Deus faz com que algo aconteça), enquanto a atualização fraca se refere à contribuição de um ser para a ocorrência de um evento pela colocação de uma criatura livre. em circunstâncias em que ele livremente causará o evento. A atualização fraca provou ser uma ferramenta poderosa para entender a relação entre a providência de Deus e a liberdade humana. No entanto, deve-se notar que isso implica que pode haver alguns estados de coisas que Deus não pode atualizar fracamente, o que leva à conclusão adicional de que pode haver alguns mundos possíveis que Deus não pode realizar.

Um aspecto mais controverso do Molinismo moderno tem sido o uso de mundos possíveis para determinar a verdade dos contrafactuais. De acordo com a semântica dos mundos possíveis, um contrafactual é verdadeiro no mundo real, se for verdade no mundo possível (mas não real) que é mais semelhante ao mundo real. Nem todos os Molinistas aceitaram essa abordagem, observando a dificuldade em determinar a similaridade comparativa entre os mundos possíveis.

3. Objeções ao Conhecimento Médio

Grande parte da discussão atual sobre o conhecimento médio se desenvolveu no contexto do debate sobre a validade da doutrina. Três objeções básicas ao Molinismo foram proferidas: 1) Rejeição do Livre Arbítrio Libertário, 2) A Verdade dos Contrafactuais da Liberdade da Criatura, e 3) A Utilidade do Conhecimento Médio para a Decisão Criativa de Deus.

a. Rejeição da Liberdade Libertária

A principal objeção ao conhecimento médio nos dias de Molina era que ele oferecia às criaturas uma visão tão elevada da liberdade que a providência de Deus estava comprometida. Embora os detratores de Molina fossem certamente motivados por preocupações políticas, a força de seus argumentos teológicos e filosóficos não pode ser negada. Hoje, essa forma de argumentação normalmente assume uma das duas formas. Primeiro, alguns teólogos / filósofos se opuseram à suposição de que Deus não pode querer as ações livres das criaturas. Esse argumento será frequentemente baseado em um apelo ao mistério ou à transcendência de Deus. Deus, diz-se, trabalha num plano acima do das criaturas e, portanto, pode querer uma ação de um indivíduo sem afetar sua liberdade. Segundo, e mais comumente, alguns se opuseram ao conceito de liberdade libertária e, ao invés disso, defenderam a liberdade compatibilista. Enquanto a liberdade libertária é vista como a capacidade de escolher entre alternativas concorrentes, a liberdade compatibilista é vista como a capacidade de escolher de acordo com os desejos da pessoa. Argumenta-se que a liberdade libertária é radicalmente indeterminista ou mesmo incoerente - se os desejos da pessoa não são determinantes para sua decisão, então parece que nenhuma decisão pode ser tomada.

Eu. Respostas libertárias

Os proponentes da liberdade libertária responderam que é a vontade do indivíduo que é determinante para a escolha feita. Eles também apontaram que os defensores da liberdade compatibilista devem acreditar que Deus possui liberdade libertária a fim de evitar o fatalismo teológico: ou Deus foi capaz de escolher criar ou não criar, por exemplo, ou Ele teve que criar. Como a maioria dos teólogos quer evitar a alegação de que Deus poderia agir sempre de uma maneira, eles devem admitir a coerência da liberdade libertária. Nesse ponto, então, a queixa com a liberdade libertária das criaturas só pode ser de veracidade - que simplesmente não explica com precisão o processo de tomada de decisão das criaturas. Os defensores da liberdade libertária apontaram que essa afirmação não pode ser provada e que, do ponto de vista existencial, parece ser falsa. Deve-se notar que a maioria dos filósofos mantém a liberdade libertária e essas objeções foram primariamente entretidas na arena teológica.

b. A verdade dos contrafactuais da liberdade das criaturas

O segundo tipo de objeção ao Molinismo é realmente um ataque à crença, fundamental para a doutrina do conhecimento médio, em contrafactuais da liberdade das criaturas. Muitos estudiosos puseram em questão a possibilidade de que contrafactuais de liberdade das criaturas possam ser verdadeiros. Várias abordagens foram tomadas para fazer essa afirmação, desde questionar o princípio do meio excluído condicional, até argumentar que os contrafactuais verdadeiros exigem determinismo, até argumentar que os contrafactuais da liberdade da criatura não têm nada que os torne verdadeiros. Cada um será apresentado, embora apenas brevemente.

Eu. Objeções ao Princípio do Meio Condicional Excluído

A primeira abordagem para argumentar que os contrafactuais da liberdade das criaturas não podem ser verdadeiros veio na forma de um ataque ao princípio do meio excluído condicional. O princípio de condicionais estados meio excluído que, dadas duas instruções condicionais com o mesmo antecedente e consequentes opostos, um deve ser verdadeira (Ou p ® q ou p ® ~ q ). Acredita-se que o molinismo exige que o princípio se sustente, porque contrafactuais de liberdade são freqüentemente apresentados em pares. Por exemplo, considere o seguinte par de instruções condicionais:

(1) Se João pedisse a Stefana que se casasse com ele, ela aceitaria ; e

(2) Se John pedisse a Stefana que se casasse com ele, ela não aceitaria.

Embora, propriamente falando, estes não sejam contrafactuais, uma vez que pedi a Stefana que se casasse comigo, na literatura tornou-se costumeiro falar de todas as afirmações condicionais desse tipo como contrafactuais. De acordo com a doutrina do conhecimento médio, um dos dois (1) ou (2) deve ser verdadeiro, e Deus sabia o que seria verdadeiro antes de seu livre conhecimento. No entanto, se condicional excluído meio pode ser mostrado para ser falso, então a afirmação de que um de um contrafactual deve ser verdadeira, não pode ser sustentada.

David Lewis forneceu um exemplo de duas declarações condicionais que (ele alega) parecem igualmente verdadeiras:

(3) Se Verdi e Bizet fossem compatriotas, Bizet seria italiano;

(4) Se Verdi e Bizet fossem compatriotas, Bizet não seria italiano.

Não está claro qual declaração está correta, mas de acordo com a CEM, é preciso ser verdadeiro. (3) poderia ser verdade. Afinal, se Bizet fosse italiano, ele e Verdi seriam compatriotas. No entanto, (4) também poderia ser verdade (se Verdi fosse francês). Parece tão provável para Verdi ter sido francês como Bizet ter sido italiano e, portanto, nem (3) nem (4) é verdade. O princípio do meio excluído condicional falha, assim como o conhecimento médio.

ii. Respostas Molinistas

Duas respostas básicas foram oferecidas pelos proponentes do Molinismo. Primeiro, alguns questionaram a precisão da alegação de Lewis de que (3) é tão provável quanto verdadeiro (4). Ao decidir qual é a verdade, um julgamento deve ser feito em relação à relativa semelhança de mundos possíveis com o mundo real, a . Suponha (3) é verdadeira num mundo possível, b , e b é mais semelhante, ou mais, para um do que qualquer outro mundo possível em que (3) é verdadeiro. Suponhamos ainda que (4) seja verdadeiro em um mundo possível, g , eg é mais próximo de um mundo do que qualquer outro mundo possível, no qual (4) é verdadeiro. De acordo com a semântica padrão possíveis mundos, (3) é verdadeira se b está mais perto de um do que g é, e (4) é verdadeira se g está mais perto de um do que b é. No entanto, Lewis argumenta que b e g podem ser igualmente semelhantes a um e, portanto, nem (3) nem (4) é verdade - eles têm uma chance igual de serem verdadeiros.

No entanto, parece que este não é o caso-a incapacidade de determinar qual o mundo possível, b ou g , é mais perto do mundo real, um , parece ser devido mais a uma falta de conhecimento sobre o mundo real do que indeterminação genuína sobre semelhança entre os mundos. Também pode ser devido à falta de critérios sobre como a similaridade entre os mundos possíveis deve ser determinada. Assim, a incapacidade de determinar qual de (3) ou (4) é verdadeira pode ser devido a incerteza epistemológica, em vez de verossimilhança.

Segundo, foi apontado que o conhecimento médio não requer o princípio do terceiro excluído, mas apenas o princípio da bivalência. O exemplo de Lewis não apresenta um problema para o conhecimento médio porque os contrafactuais não se referem à atividade de criaturas e porque dois tipos de mudança são possíveis (Bizet pode ser italiano ou Verdi pode ser francês). Num contrafactual da liberdade das criaturas, apenas um tipo de mudança é possível - ou a criatura executa a ação requerida, ou ela não o faz. A única variável no exemplo dado anteriormente foi a ação de Stefana em resposta à proposta. Ela poderia aceitar ou não aceitar. Como apenas uma variável existe, apenas o princípio da bivalência é necessário.

iii. Molinismo e Determinismo

A segunda abordagem para argumentar que os contrafactuais da liberdade das criaturas não podem ser verdadeiros veio na forma de uma afirmação de que o Molinismo leva ao determinismo e, portanto, os contrafactuais não se referem a ações livres. Várias formas desse argumento foram oferecidas.

A primeira forma tem sido questionar a quantidade de risco que Deus assume. Já que o conhecimento médio proporciona a Deus um conhecimento abrangente do futuro (quando tomado com Seu conhecimento livre) e de como as criaturas exercerão sua liberdade quando confrontadas com decisões, e desde que esse conhecimento é usado por Deus para determinar como Ele providencialmente guiará o mundo, todo risco da parte de Deus é removido; Ele não pode ser surpreendido e ainda mais, Ele planejou especificamente para tudo que ocorrerá. Ainda assim, argumentam os objetores, a liberdade das verdadeiras criaturas requer risco da parte de Deus. Molinismo remove o risco, mas está fazendo isso, anula a liberdade das criaturas.

A resposta mais comum dos Molinistas a essa forma de argumento é simplesmente que ela levanta a questão do compatibilismo. Baseia-se nas pressuposições questionáveis ​​de que o risco divino é necessário para que a liberdade da criatura exista e que o risco seja eliminado pela presciência divina. Mas essas pressuposições parecem pressupor o incompatibilismo (da liberdade das criaturas e da presciência divina), que é o que o argumento deve provar. Além disso, os Molinistas também argumentaram que depende de uma visão particular de risco que também pode ser questionada.

A segunda forma do argumento sustenta que o indivíduo referido em um contrafactual de liberdade da criatura não tem o poder de produzir a verdade ou a falsidade desse contrafactual e, portanto, não tem a liberdade requerida para executar, ou não, executar a determinada ação. A razão pela qual se argumenta que os indivíduos não têm o poder de provocar a verdade de contrafactuais sobre eles é que alguns contrafactuais são verdadeiros, independentemente do que o indivíduo realmente faz. Considere o exemplo dado anteriormente neste artigo:

(1) Se João pedisse a Stefana que se casasse com ele, ela aceitaria ; e

(2) Se John pedisse a Stefana que se casasse com ele, ela não aceitaria.

(1) é verdade, mas de acordo com este argumento, Stefana não traz a sua verdade, porque é verdade se ela aceita ou não. Suponha que João nunca proponha - nesse caso, Stefana não aceita nem rejeita a oferta porque ela nunca foi feita. Ou seja, o contrafactual é verdadeiro independente da ação de Stefana e, portanto, ela não o torna verdadeiro. Assim, o argumento é que, uma vez que Stefana não tem o poder de fazer com que o contrafactual seja verdadeiro, então ela não tem o poder de fazer com que o contrafactual seja falso. Mas, como o contrafactual é verdadeiro, parece que ela não tem o poder de não aceitar a proposta se for feita e, portanto, ela não está livre com relação à proposta de casamento.

Os proponentes do conhecimento médio responderam a essa forma do argumento com uma variedade de respostas, a maioria das quais são discussões bastante complexas sobre os conceitos de poder e vinculação individuais, semelhança relativa entre mundos possíveis e que provocam. O resultado desses argumentos é que não é de todo claro (pelo menos para os Molinistas) que os indivíduos não têm o poder de produzir a verdade (ou falsidade) de contrafactuais que se referem a eles. De fato, a maioria dos Molinistas tem argumentado a favor da validade do conceito de poder contrafactual sobre o passado (poder de um indivíduo de agir de tal forma que certas coisas no passado teriam sido outras do que eram, se a pessoa estivesse indo para agir dessa forma, o que eles não eram).

A terceira forma do argumento baseia-se no primeiro e no segundo, especificamente com referência ao modo como Deus faz uso do conhecimento médio e da fixidez do passado. Uma vez que o conhecimento de Deus dos contrafactuais da liberdade da criatura informa Sua decisão sobre qual mundo possível realizar, esse conhecimento e os verdadeiros contrafactuais fazem parte da história causal do mundo atual e, portanto, fazem parte do passado fixo. O problema que isso causa para o molinismo se deve ao fato de que a liberdade genuína exige que o indivíduo tenha a capacidade de agir da maneira especificada ou não agir da maneira especificada. Em outras palavras, se Deus considerasse (1) em sua decisão com relação à atualização deste mundo, uma vez que Ele realizou este mundo (no qual (1) é verdadeiro), então (1) tornou-se parte da história deste mundo e parte de o passado fixo. Isso leva à sugestão de que Stefana não tinha realmente a capacidade de não aceitar a oferta de casamento, se John fosse propor (ou seja, trazer isso (2) é verdade em vez de (1)).

Os molinistas responderam a essa objeção negando a alegação central de que eventos que tiveram consequências causais no passado são fatos concretos sobre o passado. A maioria dos Molinistas acredita que os agentes livres têm poder contrafactual sobre o passado (poder de agir de tal forma que, se alguém agir desse modo, o passado teria sido diferente de como, de fato, foi). Se esse tipo de poder é aceito como plausível, a objeção falha.

iv. A objeção de aterramento

A terceira abordagem para argumentar que os contrafactuais da liberdade das criaturas não podem ser verdadeiros é a mais popular e parece servir de base para as outras objeções. Ele é normalmente chamado de "objeção de aterramento" e está relacionado à questão já levantada sobre o que faz com que contrafactuais sejam verdadeiros. De acordo com o argumento, parece não haver uma boa resposta à questão sobre o que fundamenta a verdade dos contrafactuais da liberdade das criaturas. Eles não podem ser fundamentados em Deus porque o determinismo se seguiria - a necessidade do ser de Deus ou de Sua vontade seria transferida para os contrafactuais. Além disso, o caráter pré-experimental do conhecimento médio fala contra fundamentos contrafactuais da liberdade das criaturas na vontade de Deus. No entanto, eles também não podem ser fundamentados nos indivíduos aos quais eles se referem por pelo menos quatro razões. Primeiro, os contrafactuais da liberdade das criaturas são verdadeiros antes da existência do indivíduo ao qual eles se referem. Em segundo lugar, a existência dos indivíduos depende da vontade de Deus e, portanto, a verdade dos contrafactuais também dependeria da vontade de Deus (que já se mostrou problemática). Terceiro, contrafactuais, propriamente falando, referem-se a estados de coisas não reais e, portanto, os eventos aos quais eles se referem nunca acontecem, e quarto, a constituição psicológica não pode servir de base porque isso sugere que as ações executadas não são livres e assim proposições descrevendo as decisões / ações não podem ser consideradas contrafactuais de liberdade.

v. Respostas Molinistas

Molinistas responderam à objeção de base de várias maneiras, cinco das quais serão pesquisadas aqui. A primeira resposta à objeção de base tem sido simplesmente afirmar que os contrafactuais de liberdade não precisam ser fundamentados e que nenhuma explicação satisfatória da relação de ancoragem pode ser dada. O resultado dessa resposta é que os contrafactuais da liberdade das criaturas parecem ser fatos brutos sobre os mundos possíveis nos quais eles são verdadeiros ou fatos brutos sobre as criaturas a quem eles se referem.

A segunda resposta é semelhante na medida em que transforma a objeção de base contra o detrator do conhecimento médio. Alguns dos proponentes do conhecimento médio sugeriram que a objeção de fundamentação é baseada na suposição de que uma conexão causal deve existir entre o antecedente e o conseqüente de um contrafactual da liberdade da criatura para que ela seja verdadeira. Essa suposição, no entanto, é problemática porque pressupõe que a liberdade libertária seja falsa. A objeção de base, então, levanta a questão do compatibilismo.

A terceira resposta molinista foi comparar proposições contingentes que se referem ao futuro real (ou futurefactuals) com proposições contingentes que se referem a estados contrafactuais de assuntos, especificamente sobre as declarações que incluem como criaturas livres irá decidir e teria decidido. Essas proposições que se referem ao futuro real são verdadeiras ou falsas agora, embora não haja nada no presente que possa ser apontado como fundamento de sua verdade. De um modo similar, contrafactuais são ou verdadeiros ou falsos, mesmo que não haja nada no presente que possa ser apontado como fundamento de sua verdade.

A quarta resposta dos proponentes do conhecimento médio se baseia no terceiro e utiliza a semântica padrão dos mundos possíveis. Pode-se argumentar que a verdade dos fatos futuros da liberdade das criaturas está fundamentada na ocorrência futura ou na não ocorrência do evento. De um modo semelhante, a verdade dos contrafactuais da liberdade das criaturas pode estar fundamentada na ocorrência ou não ocorrência do evento no mundo mais próximo possível, mas não real, do mundo atual. Assim, há algo (um evento) que pode ser apontado como fundamento da verdade da afirmação.

A quinta e última resposta dos Molinistas foi basear-se na sugestão de que contrafactuais são fatos brutos sobre indivíduos particulares, argumentando que a verdade de contrafactuais está fundamentada nos indivíduos aos quais eles se referem como eles existem na mente pré-criativa de Deus como idéias. . Como a base está no indivíduo, a contingência permanece, mas como é como o indivíduo existe na mente de Deus como uma ideia, os problemas associados ao aterramento no indivíduo são evitados.

Embora algumas dessas respostas possam ser consideradas mais bem-sucedidas do que outras, e embora algumas possam ser vistas como mais uma transferência do ônus da prova do que uma resposta à objeção específica, elas demonstram que a demanda por fundamentação é um tanto obscura. No entanto, também deve ser admitido que os esforços para responder à objeção mostram que algum tipo de idéia de fundamentação é pelo menos concebível.

c. A utilidade do conhecimento médio

A terceira maior objeção ao conhecimento médio é semelhante à segunda, na medida em que lida com a verdade de contrafactuais da liberdade das criaturas. Várias formas desse argumento foram apresentadas, mas em sua forma mais básica, afirma que a prioridade inerente ao sistema Molinista cria um problema para a verdade das contrafactuais da liberdade das criaturas - o veredicto é que molinismo é ou viciosamente circular, ou contrafactuais. A liberdade das criaturas não é verdadeira o suficiente para ajudar a decisão criativa de Deus.

Eu. Circularmente vicioso

Os defensores dessa objeção ressaltam que, de acordo com o molinismo, a verdade das contrafactuais da liberdade das criaturas deve ser anterior à atividade criadora de Deus, porque elas informam sua decisão criativa. Entretanto, sob a análise padrão dos mundos possíveis, quais contrafactuais são verdadeiros depende de qual mundo é real (os contrafactuais são verdadeiros se forem verdadeiros no mundo mais próximo possível, mas não real) do mundo atual). Assim, qual mundo é real (e presumivelmente, quão próximos todos os mundos possíveis são) deve ser anterior ao conhecimento de Deus dos verdadeiros contrafactuais. Mas isso significa que a decisão criativa de Deus deve ser anterior à decisão criativa de Deus! Assim, o conhecimento médio é circular.

ii. Não é verdade logo o suficiente

Uma variação desse mesmo argumento ignora a abordagem dos mundos possíveis para determinar a verdade contrafactual e, em vez disso, começa com a visão de que um contrafactual é verdadeiro pela ação do agente nomeado no contrafactual. Isso, no entanto, também leva a um problema porque significa que a verdade a respeito de como o agente agiria deve ser antes da atividade do agente (pressuposta em Molinismo), mas porque o agente é livre, ele poderia abster-se de agir e, assim, causar a contrafactual para ser falso. Portanto, a verdade dos contrafactuais deve estar "no ar" até que o agente atue. Mas isso significa que Deus não poderia usar contrafactuais de liberdade das criaturas para auxiliar sua decisão criativa porque eles não seriam verdadeiros em breve para que Ele os usasse (ou se fossem, os agentes nomeados não poderiam se abster de agir e, portanto, não seriam livre).

iii. Respostas Molinistas

Uma série de respostas foram apresentadas pelos Molinistas. A resposta mais óbvia é rejeitar a análise de contrafactuais dos mundos possíveis - rejeitar a alegação de que a verdade dos contrafactuais é de alguma forma dependente de qual mundo é real. Outras respostas incluíram a discussão do uso da relação "prioridade" ou "depende de" nos dois argumentos. Em ambos os casos, parece que ocorreu um equívoco. Por fim, ambas as versões do argumento traem uma suposição da incompatibilidade da liberdade das criaturas libertárias e da presciência divina.

4. Referências e outras leituras

a. Livros

Craig, William Lane. Presciência Divina e Liberdade Humana: A Coerência do Teísmo, Onisciência . Nova Iorque: Brill, 1990.
Craig, William Lane. O problema do pré-conhecimento divino e futuros contingentes de Aristóteles a Suárez. Nova Iorque: Brill, 1988.
Flint, Thomas P. Providência Divina: A Conta Molinista .. Ithaca: Cornell, 1998.
Hasker, William. Deus, tempo e conhecimento . Ithaca: Cornell, 1989
Molina, Luis de. Sobre a presciência divina: Parte IV da Concórdia . Tradução de Alfred J. Freddoso. Ithaca: Cornell, 1988.
Plantinga, Alvin. A natureza da necessidade Oxford: Clarendon, 1974

b. Artigos

Adams, Robert Merrihew. "Um argumento anti-molinista" em Philosophical Perspectives, vol. 5, Filosofia da Religião , ed. por James E. Tomberlin, 343-53. Atascadero, CA: Ridgeview, 991.
Adams, Robert Merrihew. "Conhecimento Médio e o Problema do Mal". American Philosophical Quarterly 14: 2 (abril de 1977): 109-17.
Hasker, William. "Conhecimento Médio: Uma Refutação Revisitada." Fé e Filosofia 12: 2 (abril de 1995): 223-36.
Hasker, William. "Um novo argumento anti-molinista". Religious Studies 35: 3 (September 1999): 291-97.

~

John D. Laing
Email: jlaing@swbts.edu
Seminário Teológico Batista do Sudoeste
EUA

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: