Justiça e a razão dos efeitos

291. Na carta Sobre Injustiça pode vir o ridículo da lei que o ancião recebe tudo. “Meu amigo, você nasceu deste lado da montanha, portanto é justo que seu irmão mais velho receba tudo.”

"Por que você me mata"?

292. Ele mora do outro lado da água.

293. “Por que você me mata? O que! você não mora do outro lado da água? Se você vivesse deste lado, meu amigo, eu deveria ser um assassino, e seria injusto matar você dessa maneira. Mas desde que você vive do outro lado, eu sou um herói, e é justo ”.

294. Em que deve o homem achar a ordem do mundo que ele governaria? [1] Deverá estar no capricho de cada indivíduo? Que confusão! Deveria estar na justiça? O homem é ignorante disso.

Certamente se ele soubesse disso, ele não teria estabelecido esta máxima, a mais geral de todas que se obtém entre os homens, que cada um deveria seguir o costume de seu próprio país. A glória da verdadeira eqüidade teria sujeitado todas as nações, e os legisladores não teriam tomado como modelo as fantasias e os caprichos dos persas e dos alemães, em vez dessa justiça imutável. Deveríamos tê-lo visto em todos os Estados da Terra e em todos os tempos; enquanto não vemos justiça nem injustiça que não muda sua natureza com a mudança do clima. Três graus de latitude invertem toda a jurisprudência; um meridiano decide a verdade. As leis fundamentais mudam depois de alguns anos de posse; a direita tem suas épocas; a entrada de Saturno no Leão nos marca a origem de tal e tal crime. Uma justiça estranha que é limitada por um rio! Verdade deste lado dos Pirenéus, erro do outro lado.

Os homens admitem que a justiça não consiste nesses costumes, mas reside em leis naturais comuns a todos os países. Eles certamente a manteriam obstinadamente, se o acaso imprudente que distribuiu leis humanas tivesse encontrado até um que fosse universal; mas a farsa é que o capricho dos homens tem tantos caprichos que não existe tal lei.

Roubo, incesto, infanticídio, parricídio, todos tiveram um lugar entre ações virtuosas. Pode alguma coisa ser mais ridícula do que a de um homem ter o direito de me matar porque ele vive do outro lado da água, e porque seu governante tem uma briga com a minha, embora eu não tenha nenhuma com ele?

Sem dúvida existem leis naturais; mas uma boa razão, uma vez corrompida, corrompeu tudo. Nihil amplius nostrum est; [2] quod nostrum dicimus, artisest Ex senatus —consultis et plebiscitis crimina exercentur. [3] Ut olim vitis, sic nunc legibus laboramus. [4]

O resultado dessa confusão é que se afirma a essência da justiça como sendo a autoridade do legislador; outro, o interesse do soberano; [5] outro, presente costume, [6] e este é o mais seguro. Nada, de acordo com a razão, é apenas em si mesmo; tudo muda com o tempo. Custom cria todo o patrimônio, pela simples razão de que é aceito. É o fundamento místico de sua autoridade, [7] quem o leva de volta aos primeiros princípios, destrói-o. Nada é tão defeituoso quanto as leis que corrigem as falhas. Aquele que os obedece porque são justos, obedece a uma justiça imaginária e não à essência da lei; é bastante auto-suficiente, é lei e nada mais. Aquele que examinar seu motivo, o achará tão fraco e tão insignificante que, se não estiver acostumado a contemplar as maravilhas da imaginação humana, ficará maravilhado com o fato de que um século adquiriu tanta pompa e reverência. A arte da oposição e da revolução é desestabilizar os costumes estabelecidos, soando-os até à sua fonte, para apontar a sua falta de autoridade e justiça. Devemos, devemos dizer, voltar às leis naturais e fundamentais do Estado, que um costume injusto aboliu. É um jogo certo para resultar na perda de todos; nada será apenas na balança. No entanto, as pessoas prontamente prestam ouvidos a tais argumentos. Eles se livram do jugo assim que o reconhecem; e o grande proveito por sua ruína e por aqueles curiosos investigadores de costumes aceitos. Mas de um erro contrário os homens às vezes pensam que podem fazer tudo que não é sem um exemplo. É por isso que os mais sábios dos legisladores [8] disseram que era necessário enganar os homens para seu próprio bem; e outro, um bom político, cum veritatem qua liberetur ignoret, expedir quod fallatur. [9] Não devemos ver o fato da usurpação; a lei foi introduzida uma vez sem razão, e tornou-se razoável. Devemos torná-lo considerado autoritário, eterno e ocultar sua origem, se não quisermos que isso chegue logo ao fim.

295. Minha, tua. - "Este cão é meu", disseram aquelas pobres crianças; "esse é o meu lugar ao sol." Aqui está o começo e a imagem da usurpação de toda a terra.

296. Quando a questão para consideração é se deveríamos fazer guerra e matar tantos homens - condenar tantos espanhóis à morte -, apenas um homem é juiz, e ele é uma parte interessada. Deveria haver um terceiro, que é desinteressado.

297. Veri juris [10] - Nós não temos mais; se o tivéssemos, deveríamos nos conformar com os costumes de um país como regra de justiça. É aqui que, não encontrando justiça, encontramos força, etc.

298. Justiça, poder. - É justo que o justo seja obedecido; é necessário que o mais forte seja obedecido. Justiça sem poder é impotente; Poder sem justiça é tirânico. Justiça sem poder é contrabalançada, porque há sempre infratores; poder sem justiça é condenado. Devemos, então, combinar justiça e poder e, para esse fim, fazer o que é apenas forte, ou o que é forte apenas.

A justiça está sujeita a disputa; O poder é facilmente reconhecido e não é contestado. Portanto, não podemos dar força à justiça, porque isso pode ter sido feito com justiça, e declarou que é ela mesma quem é justa. E assim sendo incapaz de fazer o que é apenas forte, fizemos o que é forte apenas.

299. As únicas regras universais são as leis do país nos assuntos ordinários e a maioria nos outros. De onde vem isso? Do poder que está neles. Daí vem que os reis, que têm poder de um tipo diferente, não seguem a maioria de seus ministros.

Sem dúvida, a igualdade de bens é justa; mas, sendo incapazes de causar o poder de obedecer a justiça, os homens fizeram apenas para obedecer poder. Incapaz de fortalecer a justiça, eles têm poder justificado; para que os justos e os fortes se unam, e deve haver paz, que é o bem soberano.

300. "Quando um homem forte, armado, guarda os seus bens, os seus bens estão em paz." [11]

301. Por que seguimos a maioria? É porque eles têm mais razão? Não, porque eles têm mais poder.

Por que seguimos as antigas leis e opiniões? É porque eles são mais sólidos? Não, mas porque eles são únicos e tiram de nós a raiz da diferença.

302. ... É o efeito do poder, não do costume. Para aqueles que são capazes de originalidade são poucos; o maior número só se seguirá e recusará a glória àqueles inventores que o procuram por suas invenções. E se estes são obstinados em seu desejo de obter glória, e desprezam aqueles que não inventam, estes últimos os chamam de nomes ridículos, e os espancam com um bastão. Que ninguém, então, se gabe de sua sutileza, ou deixe que ele mantenha sua complacência para si mesmo.

303. O poder é o soberano do mundo, e não a opinião. - Mas a opinião faz uso do poder. - É isso que faz a opinião. Gentileza é bonita em nossa opinião. Por quê? Porque aquele que vai dançar em uma corda estará sozinho, [12] e eu vou reunir uma multidão mais forte de pessoas que dirão que é impróprio.

304. As cordas que ligam o respeito dos homens umas às outras são, em geral, necessárias; pois deve haver graus diferentes, todos os homens que desejam governar, e nem todos são capazes de fazê-lo, mas alguns são capazes.

Vamos então imaginar que vemos a sociedade no processo de formação. Os homens sem dúvida lutarão até que a parte mais forte supere a mais fraca, e uma parte dominante seja estabelecida. Mas quando isso é uma vez determinado, os mestres, que não desejam a continuação da contenda, então decreta que o poder que está em suas mãos será transmitido como bem entenderem. Alguns o colocam na eleição pelo povo, outros na sucessão hereditária, etc.

E este é o ponto em que a imaginação começa a desempenhar seu papel. Até agora o poder faz o fato; agora o poder é sustentado pela imaginação em um determinado partido, na França na nobreza, na Suíça nos burgueses, etc.

Esses cordões que ligam o respeito dos homens a tal e tal indivíduo são, portanto, os cordões da imaginação.

305. Os suíços são ofendidos por serem chamados de cavalheiros e se provam verdadeiros plebeus para serem considerados dignos de um grande ofício.

306. Como os ducados, reinos e magistraturas são reais e necessários, porque podem governar a todos, eles existem em toda parte e sempre. Mas desde que apenas o capricho faz tal e tal um governante, o princípio não é constante, mas sujeito à variação, etc.

307. O chanceler é grave e vestido de ornamentos, pois sua posição é irreal. Não é assim o rei, ele tem poder e não tem nada a ver com a imaginação. Juízes, médicos, etc. apelam apenas para a imaginação.

308. O hábito de ver reis acompanhados por guardas, tambores, oficiais e toda a parafernália que mecanicamente inspira respeito e reverência, faz com que seu semblante, quando às vezes visto sozinho sem estes acompanhamentos, imprima respeito e respeito em seus súditos; porque não podemos separar em pensamento suas pessoas do meio com o qual nós as vemos geralmente unidas. E o mundo, que não sabe que este efeito é o resultado do hábito, acredita que ele surge por uma força natural, de onde vêm estas palavras: "O caráter da Divindade está estampado em seu semblante", etc.

309. Justiça. Como o costume determina o que é agradável, também determina a justiça.

310. Rei e tirano. - Eu também vou manter meus pensamentos em segredo.

Eu cuidarei de todas as jornadas.

Grandeza de estabelecimento, respeito pelo estabelecimento.

O prazer do grande é o poder de fazer as pessoas felizes.

A propriedade das riquezas deve ser dada liberalmente.

A propriedade de cada coisa deve ser procurada. A propriedade do poder é proteger.

Quando a força ataca, quando um soldado privado tira a tampa do primeiro presidente e joga-a pela janela.

311. O governo fundado na opinião e imaginação reina há algum tempo, e esse governo é agradável e voluntário; aquele fundado pode durar para sempre. Assim, a opinião é a rainha do mundo, mas o poder é seu tirano.

312. Justiça é o que é estabelecido; e assim todas as nossas leis estabelecidas serão necessariamente consideradas como justas sem exame, desde que sejam estabelecidas.

313. Opiniões sólidas do povo. - As guerras civis são o maior dos males. [13] Eles são inevitáveis, se quisermos recompensar o deserto; porque todos dirão que são merecedores. O mal que temos a temer de um tolo que consegue por direito de nascimento, não é tão grande nem tão certo.

314. Deus criou tudo para Si mesmo. Ele concedeu a Si mesmo o poder da dor e do prazer.

Você pode aplicá-lo a Deus ou a si mesmo. Se para Deus, o Evangelho é a regra. Se para si mesmo, você tomará o lugar de Deus. Como Deus está rodeado de pessoas cheias de caridade, que lhe pedem as bênçãos da caridade que estão em Seu poder, assim ... Reconheça então e aprenda que você é apenas um rei da luxúria, e tome os caminhos da luxúria.

315. A razão dos efeitos. — É maravilhoso que os homens não querem que eu honre um homem vestido de brocado e seguido por sete ou oito lacaios! Por quê! Ele vai me espancar, se eu não o saúdo. Esse costume é uma força. É o mesmo com um cavalo em armadilhas bem em comparação com outro! Montaigne [14] é um tolo para não ver que diferença existe, para nos perguntarmos se encontramos alguma coisa e perguntar o motivo. "De fato", diz ele, "como vem", etc ....

316. Opiniões sadias do povo. Ser abeto não é totalmente tolo, pois prova que um grande número de pessoas trabalha para um. Mostra pelos cabelos que alguém tem um manobrista, um perfumista, etc., pela própria faixa, linha, renda ... etc. Agora, não é apenas superficial, nem meramente exterior, mostrar muitos braços sob comando. Quanto mais braços você tiver, mais poderoso ele será. Ser abeto é mostrar o poder de alguém.

317. Deferência significa "Ponha-se em inconveniência". Isso é aparentemente bobo, mas está certo. Pois é para dizer: "Eu realmente me colocaria em inconveniência se você exigisse, já que de fato eu o faço quando não é de nenhum serviço para você". A deferência serve ainda para distinguir os grandes. Agora, se a deferência fosse exibida sentando-se em uma poltrona, deveríamos mostrar deferência a todos, e assim nenhuma distinção seria feita; mas, sendo incomodado, distinguimos muito bem.

318. Ele tem quatro lacaios.

319. Como corretamente distinguimos os homens por aparências externas e não por qualidades internas! Qual de nós dois deve ter precedência? Quem vai dar lugar ao outro? O menos esperto. Mas eu sou tão inteligente quanto ele. Nós deveríamos ter que lutar por isso. Ele tem quatro lacaios e eu tenho apenas um. Isso pode ser visto; só temos que contar. Cabe a mim ceder, e eu sou um tolo se contestar o assunto. Por este meio estamos em paz, que é o maior dos benefícios.

320. As coisas mais irracionais do mundo se tornam mais razoáveis, por causa do desregramento dos homens. O que é menos razoável do que escolher o filho mais velho de uma rainha para governar um Estado? Nós não escolhemos como capitão de um navio o passageiro que é da melhor família.

Esta lei seria absurda e injusta; mas porque os homens são assim, e sempre serão assim, torna-se razoável e justo. Para quem os homens escolherão, como os mais virtuosos e capazes? Nós imediatamente nos acertamos, pois cada um deles afirma ser o mais virtuoso e capaz. Vamos então anexar essa qualidade a algo indiscutível. Este é o filho mais velho do rei. Isso é claro e não há disputa. A razão não pode fazer melhor, porque a guerra civil é o maior dos males.

321. As crianças ficam admiradas ao ver seus companheiros respeitados.

322. Ser de nascimento nobre é uma grande vantagem. Em dezoito anos, coloca um homem dentro do seleto círculo, conhecido e respeitado, como outro teria merecido em cinquenta anos. É um ganho de trinta anos sem problemas.

323. O que é o ego?

Suponha que um homem se coloque em uma janela para ver quem passa. Se eu passar, posso dizer que ele se colocou lá para me ver? Não; porque ele não pensa em mim em particular. Mas quem ama alguém por causa da beleza realmente ama essa pessoa? Não; pois a varíola, que matará a beleza sem matar a pessoa, fará com que ela não a ame mais.

E se alguém me ama por meu julgamento, memória, ele não me ama, pois posso perder essas qualidades sem me perder. Onde, então, está este Ego, se não está nem no corpo nem na alma? E como amar o corpo ou a alma, exceto por essas qualidades que não me constituem, pois são perecíveis? Pois é impossível e seria injusto amar a alma de uma pessoa de forma abstrata e quaisquer qualidades que possam estar nela. Nós nunca, então, amamos uma pessoa, mas apenas qualidades.

Portanto, não mais zombemos daqueles que são honrados por causa de posição e ofício; porque amamos uma pessoa apenas por causa das qualidades emprestadas.

324. As pessoas têm opiniões muito sólidas, por exemplo:

1. Em ter preferido desvio e caça à poesia. A metade aprendeu a rir e se gloriar em estar acima da loucura do mundo; mas as pessoas estão certas por uma razão que elas não entendem.

2. Em distinguir homens por marcas externas, como nascimento ou riqueza. O mundo novamente exulta em mostrar como isso é irracional; mas é muito razoável. Savages riem de um rei infantil. [15]

3. Em ser ofendido por um golpe, em desejar tanto a glória. Mas é muito desejável por causa dos outros bens essenciais que se juntam a ele; e um homem que recebeu um golpe, sem se ressentir, está sobrecarregado de insultos e indignidades.

4. Trabalhando pelo incerto; em velejar no mar; em andar sobre uma prancha.

325. Montaigne está errado. O costume deve ser seguido apenas porque é personalizado e não porque é razoável ou justo. Mas as pessoas o seguem por este único motivo, que acham justo. Caso contrário, não seguiriam mais, embora fosse o costume; porque eles só se submeterão à razão ou à justiça. Costume sem isto passaria por tirania; mas a soberania da razão e da justiça não é mais tirânica do que a do desejo. Eles são princípios naturais para o homem.

Portanto, seria correto obedecer a leis e costumes, porque são leis; mas devemos saber que não há nem verdade nem justiça para introduzir neles, que nada sabemos disso, e assim devemos seguir o que é aceito. Por esse meio, nunca nos afastaríamos deles. Mas as pessoas não podem aceitar essa doutrina; e, como acreditam que a verdade pode ser encontrada, e que existe na lei e no costume, eles acreditam neles e tomam sua antiguidade como uma prova de sua verdade, e não simplesmente de sua autoridade separada da verdade. Assim, eles obedecem às leis, mas podem revoltar-se quando se provar que estas não têm valor; e isso pode ser mostrado de todos, visto de um certo aspecto.

326. Injustiça. — É perigoso dizer às pessoas que as leis são injustas; pois eles os obedecem apenas porque os acham justos. Portanto, é necessário dizer-lhes ao mesmo tempo que devem obedecê-los, porque são leis, assim como devem obedecer aos superiores, não porque são justos, mas porque são superiores. . Desta forma, toda a sedição é impedida, se isso puder ser tornado inteligível, e entender-se qual é a definição adequada de justiça.

327. O mundo é um bom juiz das coisas, pois é na ignorância natural, que é o verdadeiro estado do homem. [16] As ciências têm dois extremos que se encontram. A primeira é a pura ignorância natural em que todos os homens se encontram ao nascer. O outro extremo é aquele alcançado por grandes intelectos, que, tendo corrido através de tudo o que os homens podem saber, acham que nada sabem, e voltam novamente à mesma ignorância da qual eles partiram; mas esta é uma ignorância aprendida que é consciente de si mesma. Aqueles entre os dois, que se afastaram da ignorância natural e não foram capazes de alcançar o outro, têm um conhecimento superficial deste conhecimento vão e fingem ser sábios. Estes perturbam o mundo e são maus juízes de tudo. As pessoas e os sábios constituem o mundo; estes desprezam-no e são desprezados. Eles julgam mal de tudo, e o mundo julga justamente por eles.

328. A razão dos efeitos. - Alternação contínua de pro e con.

Mostramos então que o homem é tolo, pela estimativa que ele faz de coisas que não são essenciais; e todas essas opiniões são destruídas. Em seguida, mostramos que todas essas opiniões são muito sólidas e que, assim, como todas essas vaidades são bem fundamentadas, as pessoas não são tão tolas como se diz. E assim destruímos a opinião que destruiu a do povo.

Mas devemos agora destruir essa última proposição e mostrar que é sempre verdade que as pessoas são tolas, embora suas opiniões sejam sólidas; porque eles não percebem a verdade onde ela está e, como eles a colocam onde ela não está, suas opiniões são sempre muito falsas e muito infundadas.

329. A razão dos efeitos. - A fraqueza do homem é a razão pela qual tantas coisas são consideradas boas, como para ser bom em tocar o alaúde. É apenas um mal por causa da nossa fraqueza.

330. O poder dos reis baseia-se na razão e na loucura do povo e, especialmente, na sua loucura. A maior e mais importante coisa do mundo tem fraqueza por sua fundação, e essa base é maravilhosamente segura; pois não há nada mais seguro do que isso, que as pessoas serão fracas. O que é baseado na razão sólida é muito mal fundamentado, como a estimativa da sabedoria.

331. Só podemos pensar em Platão e Aristóteles em grandes vestes acadêmicas. Eles eram homens honestos, como outros, rindo com seus amigos e, quando se desviavam para escrever suas Leis e a Política, faziam isso como uma diversão. Essa parte da vida deles foi a menos filosófica e a menos séria; o mais filosófico era viver de maneira simples e silenciosa. Se escreviam sobre política, era como se estabelecessem regras para um asilo lunático; e se apresentavam a aparência de falar de um grande assunto, era porque sabiam que os loucos, a quem eles falavam, pensavam que eram reis e imperadores. Eles entraram em seus princípios para tornar sua loucura o menos prejudicial possível.

332. A tirania consiste no desejo do poder universal além de seu alcance.

Existem diferentes assembleias do forte, do justo, do sensível e do piedoso, em que cada homem governa em casa, não em outro lugar. E às vezes eles se encontram, e os fortes e os justos lutam tolamente sobre quem será o mestre, pois sua maestria é de diferentes tipos. Eles não se entendem, e sua culpa é o desejo de governar em todos os lugares. Nada pode afetar isso, nem mesmo pode, o que não tem utilidade no reino dos sábios, e é apenas amante de ações externas.

Tirania ... Então, essas expressões são falsas e tirânicas: "Eu sou justo, portanto, devo ser temido. Eu sou forte, portanto, devo ser amado. Eu sou ..."

Tirania é o desejo de ter, de uma forma, o que só pode ser obtido em outra. Damos diferentes deveres a diferentes méritos; o dever do amor ao prazer; o dever do medo ao forte; o dever da crença para o aprendido.

Nós devemos prestar estes deveres; é injusto recusá-los e injusto perguntar aos outros. E assim é falso e tirânico dizer: "Ele não é forte, por isso eu não o estimo; ele não é capaz, portanto não o temerei".

333. Você nunca viu pessoas que, para queixar-se do pequeno alarido que você faz sobre elas, desfilar diante de você o exemplo de grandes homens que as estimam? Em resposta, respondo a eles: "Mostre-me o mérito pelo qual você encantou essas pessoas, e eu também as estimo".

334. A razão dos efeitos. - A luxúria e a força são a fonte de todas as nossas ações; a luxúria causa ações voluntárias, força as involuntárias.

335. A razão dos efeitos. - É então verdade dizer que todo o mundo está sob uma ilusão; pois, embora as opiniões das pessoas sejam sólidas, elas não são assim como concebidas por elas, pois pensam que a verdade está onde não está. A verdade está, de fato, em suas opiniões, mas não no ponto em que elas imaginam isso. [Assim] é verdade que devemos honrar os nobres, mas não porque o nascimento nobre é a superioridade real, etc.

336. A razão dos efeitos. - Devemos manter nosso pensamento em segredo e julgar tudo por ele, enquanto falamos como as pessoas.

337. A razão dos efeitos. - Graus. As pessoas honram as pessoas de alto nascimento. Os semi-eruditos os desprezam, dizendo que o nascimento não é pessoal, mas uma superioridade casual. Os eruditos os honram, não por razões populares, mas por razões secretas. Pessoas devotas, que têm mais zelo do que conhecimento, desprezam-nas, apesar da consideração que as torna honradas pelos eruditos, porque as julgam por uma nova luz que a piedade lhes dá. Mas os cristãos perfeitos os honram com outra luz e mais elevada. Então surja uma sucessão de opiniões a favor e contra, de acordo com a luz que se tem.

~

Blaise PascalPensée Parte 5


Notas:
[1] - Sobre o quê, etc. - Veja Montaigne, Essais, ii, 12.
[2] - Nihil amplius ... est. — Ibid. Cicero, De Finibus, V, 21.
[3] - Ex senatus ... exercentur. - Montaigne, Essais, iii, 1. Seneca, Cartas, 95.
[4] - Ut olim ... laboramus. - Montaigne, Essais, iii, 13. Tácito, Ann., Iii, 25.
[5] - O interesse do soberano. - A visão de Trasímaco na República de Platão, i, 338.
[6] - Outro, costume presente. - A doutrina dos cirenaicos. Montaigne, Essais, iii, 13.
[7] - O fundamento místico de sua autoridade. - Montaigne, Essais, iii, 13. Veja também ii, 12.
[8] - O mais sábio dos legisladores. - Platão. Veja República, II, 389 e V, 459.
[9] - Cum veritatem, etc. - Uma citação inexata de Santo Agostinho, De Civ. Dei, iv, 27. Montaigne, Essais, ii, 12.
[10] - Veri juris - Cícero, De Officiis, III, 17. Montaigne, Essais, III, I.
[11] - Quando um homem forte, etc. — Lucas 11, 21.
[12] - Porque quem quiser, etc. - Veja Epicteto, Diss., III, 12.
[13] - As guerras civis são o maior dos males. - Montaigne, Essais, iii, 11.
[14] - Montaigne. - Essais, i, 42.
[15] - Os selvagens riem de um pequeno rei. - Uma alusão à visita de alguns selvagens à Europa. Eles ficaram muito surpresos ao ver homens crescidos obedecerem ao menino rei, Carlos IX. Montaigne, Essais, eu, 30.
[16] - O verdadeiro estado do homem. - Veja Montaigne, Essais, I, 54.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: