Os filósofos

339. Consigo bem conceber um homem sem mãos, pés, cabeça (pois é apenas a experiência que nos ensina que a cabeça é mais necessária do que os pés). Mas não posso conceber o homem sem pensamento; ele seria uma pedra ou um bruto.

340. A máquina aritmética produz efeitos que se aproximam mais do pensamento do que todas as ações dos animais. Mas não faz nada que nos permita atribuir a vontade a ela, como aos animais.

341. O relato do lúcio e sapo de Liancourt. [1] Eles fazem isso sempre, e nunca de outra forma, nem qualquer outra coisa mostrando a mente.

342. Se um animal fez por mente o que faz por instinto, e se falava de mente o que ele fala por instinto, em caçar, e em advertir seus companheiros que a presa é encontrada ou perdida; de fato, também falaria a respeito daquelas coisas que a afetam mais de perto, como exemplo: "Apoiem-me este cordão que está me ferindo e que não posso alcançar".

343. O bico do papagaio, que ele limpa, embora esteja limpo.

344. Instinto e razão, marcas de duas naturezas.

345. A razão nos ordena muito mais imperiosamente do que um mestre; porque, ao desobedecer ao que somos infelizes, e ao desobedecermos ao outro, somos tolos.

346. O pensamento constitui a grandeza do homem.

347. O homem é apenas uma cana, a coisa mais fraca da natureza; mas ele é uma palheta pensante. O universo inteiro não precisa se armar para esmagá-lo. Um vapor, uma gota de água é suficiente para matá-lo. Mas, se o universo fosse esmagá-lo, o homem ainda seria mais nobre do que o que o matou, porque ele sabe que ele morre e a vantagem que o universo tem sobre ele; o universo não sabe nada disso.

Toda a nossa dignidade consiste, então, em pensamento. Por isso devemos nos elevar, e não pelo espaço e pelo tempo que não podemos preencher. Vamos nos esforçar, então, para pensar bem; esse é o princípio da moralidade.

348. Uma cana pensante. - Não é do espaço que devo buscar minha dignidade, mas do governo do meu pensamento. Não terei mais se tiver mundos. Por espaço, o universo engloba e engole-me como um átomo; pelo pensamento eu compreendo o mundo.

349. Imaterialidade da alma. — Filósofos [2] que dominaram suas paixões. Que assunto poderia fazer isso?

350. Os estoicos. Eles concluem que o que foi feito uma vez pode ser feito sempre, e que, desde que o desejo da glória concede algum poder àqueles que possui, outros podem fazer o mesmo. Existem movimentos febris que a saúde não pode imitar.

Epiteto [3] conclui que, uma vez que existem cristãos consistentes, todo homem pode facilmente ser assim.

351. Esses grandes esforços espirituais, que a alma às vezes analisa, são coisas sobre as quais ela não se sustenta. [4] Só pula para eles, não como um trono, para sempre, mas apenas por um instante.

352. A força da virtude de um homem não deve ser medida por seus esforços, mas por sua vida ordinária.

353. Eu não admiro o excesso de virtude como valor, a não ser que eu veja ao mesmo tempo o excesso da virtude oposta, como em Epaminondas [5], que teve a maior bravura e a maior bondade. Pois de outro modo não é subir, é cair. Nós não exibimos grandeza indo a um extremo, mas tocando os dois ao mesmo tempo, e preenchendo todo o espaço intermediário. Mas talvez este seja apenas um súbito movimento da alma de um para o outro extremo, e de fato está sempre em um único ponto, como no caso de um incendiário. Seja como for, mas pelo menos isso indica agilidade, se não extensão de alma.

354. A natureza do homem nem sempre é avançar; tem seus avanços e recuos.

A febre tem seus ataques frios e quentes; e o frio prova, assim como o calor, a grandeza do fogo da febre.

As descobertas de homens de idade para idade são as mesmas. A bondade e a malícia do mundo em geral são as mesmas. Plerumque gratæ principibus vices. [6]

355. Eloquência contínua cansa.

Príncipes e reis às vezes brincam. Eles nem sempre estão em seus tronos. Eles estão cansados ​​lá. A grandeza deve ser abandonada para ser apreciada. A continuidade em tudo é desagradável. O frio é agradável, para que possamos nos aquecer.

A natureza age pelo progresso, itus et reditus. Ele vai e retorna, depois avança mais, depois duas vezes mais para trás, depois mais para a frente do que nunca, etc.

A maré do mar se comporta da mesma maneira; e assim aparentemente faz o sol em seu curso.

356. A nutrição do corpo é pouco a pouco. Plenitude de nutrição e pequenez de substância.

357. Quando iria prosseguir virtudes para os seus extremos de ambos os lados, vícios se apresentam, que se insinuam insensivelmente lá, em sua jornada insensível para com o infinitamente pequeno: e vícios se apresentam em uma multidão em direção ao infinitamente grande, de modo que nos perdemos neles, e não mais ver virtudes. Nós encontramos falhas na perfeição em si.

358. O homem não é nem anjo nem bruto, e o infeliz é que aquele que agiria o anjo age como o bruto. [7]

359. Não nos sustentamos em virtude por nossa própria força, mas pelo equilíbrio de dois vícios opostos, assim como permanecemos em pé em meio a dois ventos contrários. Remova um dos vícios e nós caímos no outro.

360. O que os estoicos propõem é tão difícil e tolo!

Os estoicos afirmam que todos aqueles que não estão no alto grau de sabedoria são igualmente tolos e cruéis, como aqueles que estão cinco centímetros abaixo da água.

361. O bem soberano. Disputa sobre o bem soberano. - Ut sis contentus temetipso et ex te nascentibus bonis. [8] Há uma contradição, pois no final eles aconselham o suicídio. Oh! Que vida feliz, da qual devemos nos libertar da peste!

362. Ex senatus-consultis e plebisciti...
(Ex-resolução, em consulta com o Plebiscito...)

Pedir como passagens.

363. Ex senatus-consultis et plebiscitis scelera exercentur. Sen. 588.[9]
(crimes O Senado-montagem e consulta forem exercidas.)

Nihil tam absurde dici potest quod non dicatur ab aliquo philosophorum. Divin.[10]
(Nada é tão absurdo que não tenha sido dito por algum filósofo.)

Quibusdam destinatis sententiis consecrati quæ non probant coguntur defendere. Cic.[11]
(Alguns de seus desenhos e os pareceres da vida consagrada, não aprovar as coisas que são forçados a defender a pátria.)

Ut omnium rerum sic litterarum quoque intemperantia laboramus. Senec.[12]
(Por toda a literatura sofrem de excesso.)

Id maxime quemque decet, quod est cujusque suum maxime. [13]
(Em particular, cada apropriado que é peculiarmente seu próprio.)

Hos natura modos primum dedit.[14] Georg.
(Natureza transmitida em primeiro lugar. )

Paucis opus est litteris ad bonam mentem.[15]
(Precisa de algumas letras de uma mente sã.)

Si quando turpe non sit, tamen non est non turpe quum id a multitudine laudetur.
(Se em algum momento não é uma vergonha, uma vergonha, uma vez que não é, não é, no entanto, foi um adornos e ela é elogiado.)

Mihi sic usus est, tibi ut opus est facto, fac.[16] Ter.
(Minha experiência é que é um facto que precisamos de fazer.)

364. Rarum est enim ut satis se quisque vereatur.[17]
(No entanto, não é suficiente para que possamos respeitar uns aos outros.)

Tot circa unum caput tumultuantes deos.[18]
(Uma manobra em torno da cabeça tantos deuses.)

Nihil turpius quam cognitioni assertionem præcurrere. Cic.[19]
(Nada é mais desonroso do que saber que a afirmação de que ele corre à frente.)

Nec me pudet, ut istos, fateri nescire quid nesciam.[20]
(E eu tenho vergonha de estar aqui, eu não sei o que admitir ignorância. )

Melius non incipient.[21]
(Será melhor.)

365. Pensamento - Toda a dignidade do homem consiste em pensamento. O pensamento é, portanto, por sua natureza, uma coisa maravilhosa e incomparável. Deve ter defeitos estranhos para ser desprezível. Mas tem tal, de modo que nada é mais ridículo. Quão grande é em sua natureza! Quão vil está em seus defeitos!

Mas o que é esse pensamento? Quão tolo é!

366. A mente deste juiz soberano do mundo não é tão independente que não seja suscetível de ser perturbada pelo primeiro ruído a respeito. O barulho de um canhão não é necessário para impedir seus pensamentos; precisa apenas do rangido de um catavento ou de uma polia. Não admira se no momento não raciocina bem; uma mosca está zumbindo em seus ouvidos; isso é suficiente para torná-lo incapaz de bom senso. Se você deseja que seja capaz de alcançar a verdade, afaste aquele animal que mantém sua razão sob controle e perturba aquele poderoso intelecto que governa cidades e reinos. Aqui está um deus cômico! O ridicolosissimo eroe!

367. O poder das moscas; eles vencem batalhas, [22] impedem nossa alma de agir, comer nosso corpo.

368. Quando se diz que o calor é apenas o movimento de certas moléculas e ilumina o conatus recedendi que sentimos, [23] ele nos surpreende. O que! O prazer é apenas o balé dos nossos espíritos? Nós concebemos uma ideia tão diferente disso! E essas sensações parecem tão distantes daquelas que dizemos serem as mesmas com as quais as comparamos! A sensação do fogo, aquele calor que nos afeta de uma maneira totalmente diferente do toque, a recepção do som e da luz, tudo isso nos parece misterioso, e ainda assim é material como o sopro de uma pedra. É verdade que a pequenez dos espíritos que penetram nos poros toca outros nervos, mas sempre há alguns nervos tocados.

369. A memória é necessária para todas as operações da razão.

370. [O acaso dá origem a pensamentos e o acaso os remove; nenhuma arte pode mantê-los ou adquiri-los.

Um pensamento me escapou. Eu queria escrever. Eu escrevo, em vez disso, que ele me escapou.]

371. [Quando eu era pequeno, abracei meu livro; e porque às vezes acontecia comigo ... acreditando que eu abracei, duvidei ...

372. Ao escrever meu pensamento, às vezes me escapa; mas isso me faz lembrar da minha fraqueza, que eu constantemente esqueço. Isso é tão instrutivo para mim quanto meu pensamento esquecido; pois só me esforço em conhecer meu nada.

373. Ceticismo. - Escreverei aqui meus pensamentos sem ordem, e talvez não em confusão não intencional; essa é a verdadeira ordem, que sempre indicará meu objeto por sua própria desordem. Eu deveria fazer muita honra ao meu assunto, se eu o tratasse com ordem, já que eu quero mostrar que é incapaz disso.

374. O que mais me surpreende é ver que todo o mundo não está surpreso com sua própria fraqueza. Os homens agem seriamente, e cada um segue seu próprio modo de vida, não porque, de fato, seja bom segui-lo, já que é costume, mas como se cada homem soubesse com certeza onde estão a razão e a justiça. Eles se encontram continuamente enganados e, por uma humildade cômica, acham que é culpa deles, e não da arte que eles afirmam possuir sempre. Mas é bom que haja tantas pessoas assim no mundo, que não sejam céticas para a glória do ceticismo, a fim de mostrar que o homem é perfeitamente capaz das opiniões mais extravagantes, já que ele é capaz de acreditar que não está em um estado de fraqueza natural e inevitável, mas, pelo contrário, da sabedoria natural. Nada fortalece mais o ceticismo do que alguns que não são céticos; se todos fossem assim, eles estariam errados.

375. Passei grande parte da minha vida acreditando que havia justiça, e nisso não me enganei; porque há justiça segundo a vontade de Deus nos revelar. Mas eu não aceitei, e foi aí que cometi um erro; pois acreditava que nossa justiça era essencialmente justa e que eu tinha aquilo por meio do qual conhecer e julgar. Mas muitas vezes encontrei meu julgamento correto em falta, que finalmente cheguei a desconfiar de mim mesmo e depois dos outros. Tenho visto mudanças em todas as nações e homens e, assim, após muitas mudanças de julgamento em relação à verdadeira justiça, reconheço que nossa natureza estava apenas em mudança contínua, e não mudei desde então; e se eu mudasse, confirmaria minha opinião.

O cético Arcesilau [24],  que se tornou dogmático.]

376. Esta seita extrai mais força de seus inimigos do que de seus amigos; pois a fraqueza do homem é muito mais evidente naqueles que não a conhecem do que naqueles que a conhecem.

377. Os discursos sobre a humildade são uma fonte de orgulho nos vão e de humildade nos humildes. Então, aqueles sobre o ceticismo fazem com que os crentes afirmem. Poucos homens falam humildemente de humildade, castamente de castidade, poucos duvidando do cepticismo. Somos apenas falsidade, duplicidade, contradição; nós dois escondemos e nos disfarçamos de nós mesmos.

378. Ceticismo - O excesso, como defeito de intelecto, é acusado de loucura. Nada é bom, mas mediocridade. A maioria resolveu isso, e encontra defeitos em quem foge dele, seja qual for o fim. Eu não vou me opor a isso. Concordo em me colocar lá, e me recuso a ficar na extremidade inferior, não porque seja baixo, mas porque é um fim; pois eu também recusaria ser colocado no topo. Deixar a média é abandonar a humanidade. A grandeza da alma humana consiste em saber preservar a média. Longe da grandeza consistindo em abandoná-lo, consiste em não abandoná-lo.

379. Não é bom ter muita liberdade. Não é bom ter tudo o que se quer.

380. Todas as boas máximas estão no mundo. Nós só precisamos aplicá-los. Por exemplo, não duvidamos que devemos arriscar nossas vidas em defesa do bem público; mas para religião, não.

É verdade que deve haver desigualdade entre os homens; mas se isso for concedido, a porta é aberta não apenas ao mais alto poder, mas também à mais alta tirania.

Precisamos relaxar um pouco nossas mentes; mas isso abre a porta para a maior deboche. Vamos marcar os limites. Não há limites nas coisas. As leis os colocariam lá e a mente não pode sofrer.

381. Quando somos jovens demais, não julgamos bem; Então, também, quando estamos muito velhos. Se não pensamos o suficiente, ou se pensamos demais em qualquer assunto, ficamos obstinados e apaixonados por isso. Se alguém considera o seu trabalho imediatamente depois de tê-lo feito, ele é inteiramente preparado a seu favor; demorando demais, não se pode mais entrar no espírito dele. Então, com fotos vistas de longe ou muito perto; Há apenas um ponto exato que é o verdadeiro lugar para vê-los: os demais estão próximos demais, longe demais, altos demais ou baixos demais. A perspectiva determina esse ponto na arte da pintura. Mas quem determinará isso em verdade e moralidade?

382. Quando tudo está igualmente agitado, nada parece estar agitado, como em um navio. Quando todos tendem a deboche, nenhum parece fazê-lo. Aquele que pára chama a atenção para o excesso de outros, como um ponto fixo.

383. Os licenciosos dizem aos homens de vidas ordenadas que se afastam do caminho da natureza, enquanto eles mesmos o seguem; como as pessoas em um navio pensam aqueles que estão na costa. Por todos os lados, a linguagem é semelhante. Precisamos ter um ponto fixo para julgar. O porto decide por aqueles que estão em um navio; mas onde encontraremos um porto na moralidade?

384. A contradição é um mau sinal da verdade; várias coisas certas são contraditas; várias coisas que são falsas passam sem contradição. Contradição não é um sinal de falsidade, nem a falta de contradição é um sinal de verdade.

385. Ceticismo. - Cada coisa aqui é parcialmente verdadeira e parcialmente falsa. A verdade essencial não é assim; é completamente pura e completamente verdadeira. Essa mistura desonra e aniquila. Nada é puramente verdadeiro e, portanto, nada é verdadeiro, ou seja, por essa verdade pura. Você dirá que é verdade que o homicídio está errado. Sim; porque sabemos bem o errado e o falso. Mas o que você dirá que é bom? Castidade? Eu disse não; pois o mundo chegaria ao fim. Casamento? Não; continência é melhor. Não matar? Não; pois a iniquidade seria horrível e os ímpios matariam todo o bem. Matar? Não; porque isso destrói a natureza. Nós possuímos verdade e bondade apenas em parte e misturamos com a falsidade e o mal.

386. Se sonhávamos a mesma coisa todas as noites, isso nos afetaria tanto quanto os objetos que vemos todos os dias. E se um artesão tivesse a certeza de sonhar todas as noites durante doze horas que ele era um rei, acredito que ele seria quase tão feliz quanto um rei, que deveria sonhar todas as noites durante doze horas a fio que ele era um artesão.

Se fôssemos sonhar todas as noites em que fomos perseguidos por inimigos e assediados por esses dolorosos fantasmas, ou que passamos todos os dias em diferentes ocupações, como em uma viagem, deveríamos sofrer quase tanto quanto se fosse real, e Devemos ter medo de dormir, pois tememos acordar quando tememos, de fato, entrar em tais contratempos. E, de fato, causaria quase os mesmos desconfortos que a realidade.

Mas como os sonhos são todos diferentes, e cada um deles é diversificado, o que é visto neles nos afeta muito menos do que vemos quando acordados, por causa de sua continuidade, que não é tão contínua e nivelada a ponto de não mudar também ; mas muda menos abruptamente, exceto raramente, como quando viajamos, e então dizemos: "Parece-me que estou sonhando". Pois a vida é um sonho um pouco menos inconstante.

387. [Pode ser que haja verdadeiras demonstrações; mas isso não é certo. Assim, isso não prova nada a não ser que não é certo que tudo é incerto, para a glória do ceticismo.]

388. Bom senso. - Eles são compelidos a dizer: "Vocês não estão agindo de boa fé; não estamos dormindo", etc. Como eu amo ver esta razão orgulhosa humilhada e suplicante! Pois esta não é a linguagem de um homem cujo direito é contestado, e que o defende com o poder de mãos armadas. Ele não é tolo o suficiente para declarar que os homens não estão agindo de boa fé, mas ele pune essa má fé com força.

389. Eclesiastes [25] mostra que o homem sem Deus está em total ignorância e inevitável miséria. Pois é miserável ter o desejo, mas não o poder. Agora ele seria feliz e seguro de alguma verdade, e ainda assim ele não pode saber nem desejar não saber. Ele não pode duvidar.

390. Meu Deus! Quão tola esta conversa é! "Será que Deus teria feito o mundo condená-lo? Ele pediria tanto de pessoas tão fracas?" etc. O ceticismo é a cura para esse mal e eliminará essa vaidade.


391. Conversa. - Grandes palavras: Religião, eu nego isso.

Conversa. - O ceticismo ajuda a religião.

392. Contra o ceticismo. [... É, portanto, um estranho fato de que não podemos definir essas coisas sem obscurecê-las, enquanto falamos delas com toda certeza.] Presumimos que todos os concebem da mesma maneira; mas nós assumimos isso de forma bastante gratuita, pois não temos nenhuma prova disso. Eu vejo, na verdade, que as mesmas palavras são aplicadas nas mesmas ocasiões, e que toda vez que dois homens vêem um corpo mudar de lugar, ambos expressam sua visão desse mesmo fato pela mesma palavra, ambos dizendo que ele mudou ; e desta conformidade de aplicação nós derivamos uma forte convicção de conformidade de idéias. Mas isso não é absolutamente ou finalmente convincente, embora haja o suficiente para apoiar uma aposta afirmativa, já que sabemos que muitas vezes tiramos as mesmas conclusões de diferentes premissas.

Isso é suficiente, pelo menos, para obscurecer o assunto; não que extinga completamente a luz natural que nos assegura essas coisas. Os acadêmicos [26] teriam vencido. Mas isso embota isso, e incomoda os dogmáticos para a glória da multidão cética, que consiste nessa duvidosa ambiguidade, e em uma certa obscuridade duvidosa da qual nossas dúvidas não podem tirar toda a clareza, nem nossas próprias luzes naturais afastam todo o Trevas.

393. É uma coisa singular considerar que há pessoas no mundo que, tendo renunciado a todas as leis de Deus e da natureza, fizeram leis para si mesmas a que obedecem estritamente, como, por exemplo, os soldados de Maomé, ladrões, heréticos, etc. É o mesmo com os lógicos. Parece que a sua licença deve ser sem limites ou barreiras, uma vez que romperam tantas que são tão justas e sagradas.

394. Todos os princípios dos céticos, estoicos, ateus, etc., são verdadeiros. Mas suas conclusões são falsas, porque os princípios opostos também são verdadeiros.

395. Instinto, razão. - Temos uma incapacidade de prova, intransponível por todo dogmatismo. Nós temos uma ideia da verdade, invencível a todo o ceticismo.

396. Duas coisas instruem o homem sobre toda a sua natureza; instinto e experiência.

397. A grandeza do homem é grande, pois ele sabe que é miserável. Uma árvore não sabe ser miserável. É então miserável saber que é miserável; mas também é ótimo saber que alguém é infeliz.

398. Todas essas mesmas misérias provam a grandeza do homem. Eles são as misérias de um grande senhor, de um rei deposto.

399. Não somos infelizes sem sentir isso. Uma casa arruinada não é miserável. O homem só é infeliz. Ego vir videns. [27]

400. A grandeza do homem. - Temos uma ideia tão grande da alma do homem que não podemos suportar ser desprezados, ou não sermos estimados por qualquer alma; e toda a felicidade dos homens consiste nessa estima.

401. Glória - Os brutos não se admiram. Um cavalo não admira seu companheiro. Não que não haja rivalidade entre eles em uma corrida, mas isso não tem importância; pois, no estábulo, o mais pesado e o mais mal formado não entrega sua aveia a outro, como os homens fariam com os outros. Sua virtude está satisfeita consigo mesma.

402. A grandeza do homem, mesmo em sua luxúria, de saber extrair dele um código maravilhoso e extrair dele um quadro de benevolência.

403. Grandeza. As razões dos efeitos indicam a grandeza do homem, ao extrair uma ordem tão justa da luxúria.

404. A maior baixeza do homem é a busca da glória. Mas é também a maior marca de sua excelência; pois, quaisquer que sejam as posses que possua na terra, qualquer que seja a saúde e o conforto essencial, ele não fica satisfeito se não tiver a estima dos homens. Ele valoriza tanto a razão humana que, quaisquer que sejam as vantagens que tenha na terra, ele não se contenta se também não é altamente classificado no julgamento do homem. Esta é a melhor posição do mundo. Nada pode afastá-lo desse desejo, que é a qualidade mais indelével do coração do homem.

E aqueles que mais desprezam os homens, e os colocam em um nível com os brutos, ainda desejam ser admirados e acreditados pelos homens, e se contradizem por seus próprios sentimentos; sua natureza, que é mais forte que todos, convencendo-os da grandeza do homem de forma mais convincente do que a razão, convence-os de sua baixeza.

405. Contradição - Orgulho contrabalançando todas as misérias. O homem esconde suas misérias ou, se as divulgar, se gloria em conhecê-las.

406. O orgulho contrabalança e tira todas as misérias. Aqui está um monstro estranho e uma aberração muito simples. Ele está caído do seu lugar e está ansiosamente procurando por ele. Isso é o que todos os homens fazem. Vamos ver quem vai encontrá-lo.

407. Quando a malícia tem razão, torna-se orgulhosa e desfila a razão em todo o seu esplendor. Quando a austeridade ou a severa escolha não chegou ao verdadeiro bem, e precisa retornar para seguir a natureza, ela se torna orgulhosa em razão desse retorno.

408. O mal é fácil e tem formas infinitas; bom é quase único. [28] Mas um certo tipo de mal é tão difícil de encontrar quanto o que chamamos de bom; e muitas vezes, por causa disso, esse mal em particular passa tão bem. Uma extraordinária grandeza de alma é necessária para alcançá-lo tanto quanto para o bem.

409. A grandeza do homem. - A grandeza do homem é tão evidente, que é até provado pela sua miséria. Pois o que nos animais é a natureza, chamamos a miséria do homem; pelo qual reconhecemos que, sendo sua natureza agora semelhante à dos animais, ele caiu de uma natureza melhor que outrora foi dele.

Para quem é infeliz em não ser um rei, exceto um rei deposto? Estaria Paulus Æmilius [29] infeliz por não ser mais cônsul? Pelo contrário, todo mundo achou que ele estava feliz por ter sido cônsul, porque o cargo só podia ser mantido por algum tempo. Mas os homens pensavam que Perseu era tão infeliz em não ser mais rei, porque a condição de reinado implicava que ele sempre fosse rei, que achavam estranho que ele suportasse a vida. Quem está infeliz por ter apenas uma boca? E quem não está infeliz por ter apenas um olho? Provavelmente nenhum homem jamais se aventurou a lamentar por não ter três olhos. Mas qualquer um é inconsolável por não ter nenhum.

410. Perseu, rei da Macedônia. - Paulo, Æmilius, censurou Perseu por não se matar.

411. Não obstante a visão de todas as nossas misérias, que nos pressionam e nos levam pela garganta, temos um instinto que não podemos reprimir e que nos eleva.

412. Há uma guerra interna no homem entre a razão e as paixões.

Se ele tivesse apenas razão sem paixões ...

Se ele tivesse apenas paixões sem razão ...

Mas tendo ambos, ele não pode ficar sem luta, sendo incapaz de estar em paz com aquele sem estar em guerra com o outro. Assim, ele está sempre dividido e se opõe a si mesmo.

413. Esta guerra interna da razão contra as paixões fez uma divisão daqueles que teriam paz em duas seitas. Os primeiros renunciariam às suas paixões e se tornariam deuses; os outros renunciariam à razão e se tornariam bestas brutas. (Des Barreaux.) [30] Mas nenhum dos dois pode fazê-lo, e a razão ainda permanece, para condenar a vileza e a injustiça das paixões, e incomodar o repouso daqueles que se abandonam a eles; e as paixões guardam sempre viva naqueles que as renunciariam.

414. Os homens são tão necessariamente loucos, que não ficarem loucos significaria outra forma de loucura.

415. A natureza do homem pode ser vista de duas maneiras: uma de acordo com o seu fim, e então ele é grande e incomparável; o outro de acordo com a multidão, assim como julgamos a natureza do cavalo e do cachorro, popularmente, vendo a sua frota, e um mínimo arcendi; e então o homem é abjeto e vil. Estas são as duas maneiras que nos fazem julgá-lo de maneira diferente, e que ocasionam tais disputas entre os filósofos.

Pois um nega a suposição do outro. Um diz: "Ele não nasceu para este fim, pois todas as suas ações são repugnantes". O outro diz: "Ele abandona o seu fim quando faz essas ações básicas".

416. Para Port-Royal. [31] Grandeza e miséria. - Desgraça sendo deduzida da grandeza e grandeza da miséria, alguns inferiram a desgraça do homem ainda mais porque eles tomaram sua grandeza como uma prova disso, e outros inferiram sua grandeza com tanto mais força, porque eles deduzi isso de sua própria miséria. Tudo o que a parte pode dizer em prova de sua grandeza serviu apenas como argumento de sua miséria para com os outros, porque quanto maior nossa queda, mais miseráveis ​​ficamos, e vice-versa. A uma das partes é trazida de volta à outra em um círculo sem fim, sendo certo que na proporção em que os homens possuem luz, eles descobrem tanto a grandeza quanto a miséria do homem. Em uma palavra, o homem sabe que é um desgraçado. Ele é, portanto, miserável, porque ele é assim; mas ele é ótimo porque sabe disso.

417. Essa dupla natureza do homem é tão evidente que alguns pensaram que tínhamos duas almas. Um único sujeito parecia-lhes incapaz de tais variações súbitas da presunção não medida para um terrível abatimento do coração.

418. É perigoso fazer o homem ver claramente sua igualdade com os brutos sem mostrar-lhe sua grandeza. Também é perigoso fazê-lo ver sua grandeza com clareza, além de sua falta de vileza. Ainda é mais perigoso deixá-lo na ignorância de ambos. Mas é muito vantajoso mostrar a ele os dois. O homem não deve pensar que está em um nível com os brutos ou com os anjos, nem deve ser ignorante dos dois lados de sua natureza; mas ele deve conhecer os dois.

419. Não permitirei que o homem dependa de si mesmo ou de outro, para o fim de não estar em repouso e sem repouso ...

420. Se ele se exalta, eu o humilho; se ele se humilhar, eu o exalto; e eu sempre o contradiz até ele entender que ele é um monstro incompreensível.

421. Eu culpo igualmente aqueles que escolhem louvar o homem, aqueles que escolhem culpá-lo e aqueles que escolhem se divertir; e só posso aprovar aqueles que buscam com lamentação.

422. É bom estar cansado e cansado pela busca vã do verdadeiro bem, para que possamos estender nossos braços ao Redentor.

423. Contrários. Depois de ter mostrado a vileza e a grandeza do homem. - Deixe o homem saber agora o seu valor. Que ele ame a si mesmo, pois há nele uma natureza capaz do bem; mas não o deixe por esta razão ama a vileza que está nele. Que ele se despreze, pois essa capacidade é estéril; mas não despreze, portanto, essa capacidade natural. Que ele se odeie, que ame a si mesmo; ele tem dentro de si a capacidade de conhecer a verdade e de ser feliz, mas não possui verdade, seja ela constante ou satisfatória.

Eu então levaria o homem ao desejo de encontrar a verdade; estar livre das paixões e pronto para segui-lo onde possa encontrá-lo, sabendo o quanto seu conhecimento é obscurecido pelas paixões. Eu gostaria que ele odiasse em si mesmo a luxúria que determinou sua vontade por si mesma, de modo que ela não o cegue ao fazer sua escolha, e não o impeça quando ele escolher.

424. Todas essas contradições, que parecem me afastar mais do conhecimento da religião, levaram-me mais rapidamente ao verdadeiro.

~

Blaise PascalPensée Parte 6


Notas:
[1] p. 96, l. 9. O relato do lúcio e sapo de Liancourt. - A história é desconhecida. O duque de Liancourt levou uma vida cruel na juventude, mas foi convertido por sua esposa. Ele se tornou um dos mais firmes defensores de Port-Royal.

[2] P. 97, l. 18. Filósofos. Os estoicos.

[3] P. 97, l. 24. Epiteto. - Diss., IV, 7.

[4] P. 97, l. 26. Esses grandes esforços espirituais, etc. - Sobre isso, e o seguinte fragmento, ver Montaigne, Ensaios, II, 29.

[5] P. 98, l. 3. Epaminondas. - Louvado por Montaigne, Ensaios, ii, 36. Veja também iii, 1.

[6] P. 98, l. 17. Plerumque gratæ principibus vices. - Horácio, Odes, III, xxix, 13, citado por Montaigne, Ensaios, i, 42. Horace tem divitibus em vez de principibus.

[7] P. 99, l. 4. O homem não é nem anjo nem bruto, etc. - Montaigne, Ensaios, iii, 13.

[8] P. 99, l. 14. Ut sis contentus, etc. - Uma citação de Sêneca. Veja Montaigne, Ensaios, ii, 3.

[9] P. 99, l. 21. Sen. 588. — Sêneca, Carta a Lucílio, xv. Montaigne, Ensaios, iii, I.

[10] P. 99, l. 23. Divino - Cícero, De Divin., Ii, 58.

[11] P. 99, l. 25. Cic. — Cicero, Tusc, ii, 2. A citação é imprecisa. Montaigne, Ensaios, ii, 12.

[12] P. 99, l. 27. Senec.-Seneca, Epist., 106.

[13] P. 99, l. 28. Id maxime, etc. - Cícero, De Off., I, 31.

[14] P. 99, l. 29. Hos natura, etc. - Virgil, Georgics, ii, 20.

[15] P. 99, l. 30. Paucis opus, etc. - Seneca, Epist., 106.

[16] P. 100, l. 3. Mihi sic usus, etc. - Terence, Heaut., I, i, 28.

[17] P. 100, l. 4. Rarum est, etc. - Quintiliano, x, 7.

[18] p. 100, l. 5. Tot circa, etc. Seneca, Suasoriæ, i, 4.

[19] P. 100, l. 6. Cic. - Cícero, Acad., I, 45.

[20] P. 100, l. 7. Nec me pudet, etc. - Cícero, Tusc., I, 25.

[21] p. 100, l. 8. Melius non incipiet. - O resto da cotação é quam desinet. Seneca, Epist., 72.

[22] p. 100, l. 25. Eles vencem batalhas. - Montaigne, em seu Essais, ii, 12, relata que os portugueses foram obrigados a levantar o cerco de Tamly por causa do número de moscas.

[23] P. 100, l. 27. Quando é dito, etc. - Por Descartes.

[24] P. 102, l. 20. Arcesilaus. — Um seguidor de Pirro, o cético. Ele viveu no terceiro século antes de Cristo.

[25] P. 105, l. 20. Eclesiastes. - VIII, 17.

[26] P. 106, l. 16. Os acadêmicos. - Céticos dogmáticos, em oposição aos céticos que duvidam de suas próprias dúvidas.

[27] P. 107, l. 10. Ego vir videns. - Lamentações III, I.

[28] P. 108, l. 26. O mal é fácil etc. - Os pitagóricos consideravam o bem como certo e finito, e o mal como incerto e infinito. Montaigne, Ensaios, i, 9.

[29] P. 109, l. 7. Paulus Æmilius. - Montaigne, Ensaios, i, 19. Cicero, Tusc., V, 40.

[30] P. 109, l. 30. Des Barreaux. Autor de uma canção de amor licenciosa. Ele nasceu em 1602 e morreu em 1673. Balzac o chama de "o novo Baco".

[31] p. 110, l. 16. Para Port-Royal. - As cartas, A. P. R., ocorrem em vários lugares, e geralmente se pensa em indicar o que será posteriormente tratado em palestras ou conferências em Port-Royal, a famosa abadia cisterciense, situada a cerca de trinta quilômetros de Paris. Fundada no início do século XIII, adquiriu sua maior fama nos anos finais. Luís XIV foi induzido a acreditar nisso herético; e o mosteiro foi finalmente demolido em 1711. Sua queda foi, sem dúvida, provocada pelos jesuítas.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: