Relativo à natureza da vontade



Pode-se pensar, talvez, que não há grande necessidade de definir ou descrever a Vontade; essa palavra é geralmente tão bem compreendida quanto qualquer outra palavra que possamos usar para explicá-la: e assim talvez, se não tivessem filósofos, metafísicos e divinos polêmicos, trouxessem o assunto para a obscuridade pelas coisas que disseram a respeito. Mas, uma vez que é assim, acho que pode ser de alguma utilidade, e tenderá a maior clareza no seguinte discurso, para dizer algumas coisas a respeito.

E, portanto, observo que a Vontade (sem qualquer refinamento metafísico) é Aquilo pelo qual a mente escolhe qualquer coisa. A faculdade da vontade é esse poder, ou princípio da mente, pelo qual é capaz de escolher: um ato da vontade é o mesmo que um ato de escolha ou escolha.

Se alguém acha que é uma definição mais perfeita da vontade, para dizer, que é aquela pela qual a alma escolhe ou recusa, estou contente com ela; embora eu pense o suficiente para dizer, é por meio do qual a alma escolhe: pois em todo ato de vontade, a mente escolhe uma coisa em vez de outra; escolhe algo em vez do contrário, ou melhor, do que a falta ou a inexistência dessa coisa. Assim, em todo ato de recusa, a mente escolhe a ausência da coisa recusada; o positivo e o negativo são colocados diante da mente para sua escolha, e escolhe o negativo; e a mente fazendo sua escolha nesse caso é propriamente o ato da Vontade: a determinação da Vontade entre os dois é uma determinação voluntária; mas isso é o mesmo que fazer uma escolha. De modo que, seja qual for o nome, chamamos o ato da Vontade, escolhendo, recusando, aprovando, desaprovando, gostando, não gostando, abraçando, rejeitando, determinando, dirigindo, comandando, proibindo, inclinando-se ou sendo avesso, sendo satisfeito ou insatisfeito; tudo pode ser reduzido a isso de escolher. Para a alma agir voluntariamente, é sempre para agir de forma eletiva. O Sr. Locke (1) diz: “A Vontade significa nada além de um poder ou habilidade de preferir ou escolher.” E, na página anterior, ele diz: “A palavra preferir parece melhor expressar o ato de volição;” mas acrescenta que “isso não acontece precisamente; pois, embora um homem prefira voar para caminhar, ainda assim, quem pode dizer que ele deseja isso? ”Mas o exemplo que ele menciona não prova que exista qualquer outra coisa em querer, mas simplesmente preferir: pois deve-se considerar o que é o objeto imediato da vontade, com respeito ao andar de um homem, ou qualquer outra ação externa; que não está sendo removido de um lugar para outro; na terra ou no ar; estes são objetos remotos de preferência; mas tal ou tal esforço imediato de si mesmo. A coisa escolhida em seguida, ou preferida, quando um homem quer andar não é ser removido para um lugar onde ele possa estar, mas sim um esforço e um movimento de suas pernas e pés, para isso. E sua vontade de tal alteração em seu corpo no momento presente, não é outra coisa senão sua escolha ou preferir tal alteração em seu corpo em tal momento, ou seu gosto é melhor do que a tolerância disso. E Deus assim criou e estabeleceu a natureza humana, unindo a alma a um corpo em bom estado que a alma preferindo ou escolhendo tal esforço imediato ou alteração do corpo, tal alteração se segue instantaneamente. Não há mais nada nas ações da minha mente, das quais eu tenho consciência enquanto ando, mas apenas a minha preferência ou escolha, através de momentos sucessivos, de que deveria haver tais alterações de minhas sensações e movimentos externos; juntamente com uma expectativa habitual de que assim será; Tendo já encontrado pela experiência, que em tal preferência imediata, tais sensações e movimentos surgem instantânea e constantemente. Mas não é assim no caso de voar; embora um homem possa ser dito remotamente para escolher ou preferir voar; todavia, ele não prefere, ou deseja, sob circunstâncias em vista, qualquer esforço imediato dos membros de seu corpo para isso; porque ele não tem nenhuma expectativa de que ele deve obter o resultado desejado por qualquer esforço desse tipo e ele não prefere, nem se inclina a, qualquer esforço corporal sob essa circunstância apreendida, de ser totalmente em vão. De modo que, se distinguirmos cuidadosamente os objetos apropriados dos vários atos da vontade, não aparecerá, por isso e por exemplos semelhantes, que exista alguma diferença entre volição e preferência; ou que um homem esteja escolhendo gostar mais ou estar satisfeito com uma coisa, não é o mesmo com sua vontade. Assim, um ato da vontade é comumente expresso pelo prazer de um homem em fazer assim ou assim; e um homem fazendo o que ele quer e fazendo o que ele quer é o mesmo da fala comum.

Locke (2) diz: “A vontade é perfeitamente distinguida do desejo; que na mesma ação pode ter uma tendência bastante contrária daquilo que nossa vontade nos impõe. Um homem, diz ele, a quem não posso negar, pode me obrigar a usar persuasões para outro, o que, ao mesmo tempo em que estou falando, posso desejar não prevalecer sobre ele. Neste caso, é claro que a Vontade e o Desejo correm contra. ”Eu não suponho, que Vontade e Desejo sejam palavras precisamente da mesma significação: Vontade parece ser uma palavra de significação mais geral, estendendo-se às coisas presentes e ausentes. O desejo respeita algo ausente. Eu posso preferir a minha situação atual e postura, suponha que fique quieto, ou que tenha os olhos abertos, e assim possa desejar. Mas, no entanto, não posso pensar que eles sejam tão completamente distintos, que possam ser propriamente ditos para serem contrariados. Um homem nunca, em qualquer caso, quer qualquer coisa contrária aos seus desejos, ou deseja qualquer coisa contrária à sua vontade. O exemplo mencionado, que Locke produz, não é prova de que ele o faça. Ele pode, em alguma consideração ou outra vontade, proferir discursos que têm uma tendência a persuadir outro e ainda assim desejar que não o persuadam; mas ainda assim sua vontade e desejo não se opõem a tudo: a coisa que ele quer, o mesmo que ele deseja; e ele não quer nada, e deseja o contrário, em qualquer particular. Neste exemplo, não é cuidadosamente observado, o que é a coisa desejada, e qual é a coisa desejada: se fosse, descobrir-se-ia, que Vontade e Desejo não colidiriam no mínimo. A coisa quis em alguma consideração, é pronunciar tais palavras; e certamente, a mesma consideração o influencia de tal maneira que ele não deseja o contrário; considerando todas as coisas, ele escolhe expressar tais palavras e não deseja não pronunciá-las. E assim, quanto ao que o Sr. Locke fala como desejado, viz. Que as palavras, embora tendam a persuadir, não devem ser eficazes para esse fim, sua Vontade não é contrária a isso; ele não quer que eles sejam efetivos, mas quer que eles não devam, como ele deseja. Para provar que a Vontade e o Desejo podem ser contrários, deve-se mostrar que eles podem ser contrários um ao outro na mesma coisa, ou com relação ao mesmo objeto da Vontade ou do Desejo: mas aqui os objetos são dois ; e em cada um, tomados por eles mesmos, a Vontade e o Desejo concordam. E não é de admirar que eles não devam concordar em coisas diferentes, embora pouco distintos em sua natureza. A vontade pode não concordar com a vontade, nem o desejo concordar com o desejo, em coisas diferentes. Como neste mesmo exemplo que o Sr. Locke menciona, uma pessoa pode, em alguma consideração, desejar usar persuasões e, ao mesmo tempo, desejar que elas não prevaleçam; mas ninguém dirá que o Desejo contraria o Desejo; ou que isso prova que o desejo é perfeitamente uma coisa distinta do desejo. - O mesmo pode ser observado da outra ocorrência que o sr. Locke produz, de um homem desejando ser aliviado da dor, etc.


Mas, para não insistir mais nisso, seja Desejo e Vontade, e se a Preferência e a Volição são exatamente as mesmas coisas, confio que será permitido a todos que, em cada ato da Vontade, haja um ato de escolha; que em toda volição há uma preferência, ou uma inclinação predominante da alma, pela qual, naquele instante, ela está fora de um estado de perfeita indiferença, com relação ao objeto direto da vontade. De modo que em todo ato, ou saindo da Vontade; existe alguma preponderação da mente, uma maneira e não outra; e a alma preferia ter ou fazer uma coisa do que outra, ou não ter ou fazer aquilo; e onde não há absolutamente nenhuma preferência ou escolha, mas um equilíbrio perfeito e contínuo, não há volição.


~

Introdução do livro “Freedom of the Will”, de Jonathan Edwards.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: