Sonho na floresta




Nem sempre sabemos quando estamos sonhando ou quando estamos acordados. Até mesmo os três porquinhos já passaram por tal confusão.

Na verdade, apenas um deles ficou confuso um dia.

Calabresa, o porquinho mais velho, Presunto, o porquinho do meio e Bacon, o porquinho mais novo, estavam deitados prontos para dormir. A noite estava tranquila e eles haviam brincado muito durante o dia.

Os pais nem precisaram contar uma história, tamanho era o cansaço dos porquinhos!

Só que, depois que fecharam os olhinhos, um deles, o Bacon, voltou a abrir. Ele achou estranho: "Estou dormindo? Por que abri os olhos se estava com tanto sono?".

Ele levantou da cama e viu seus irmãos dormindo. "Será que já era hora de levantar?".

Ele viu que todos estavam dormindo, e então não sabia o que fazer: "Volto a dormir ou fico aqui esperando?".

Sem ninguém para conversar, resolver sair e passear. Olhou para floresta e disse: "É pra lá que eu vou". Ele sabia que havia um lobo fedorento por lá, mas não estava com medo - ou talvez não estivesse com sono apenas.

Ele seguiu a trilha e logo estava na floresta. Não demorou muito e lá estava o lobo fedorento:

- O que faz aqui, jovem porquinho.

- Estava sem sono e vim passear.

- Sabe como sair daqui?

- Mas eu acabei de entrar...

- Essa floresta é diferente. É melhor você voltar...

O pequeno Bacon não deu bola para o lobo fedorento e continuou a andar. Só que, para seu azar, o lobo estava certo e ele se perdeu. O caminho em que estava ficou pequeno, até desaparecer. Quando ele voltou, haviam dois caminhos: o da esquerda e o da direita.

"Vou pela esquerda".

Caminhando bastante, ele reencontrou o lobo. "Devo estar voltando".

- Está perdido, porquinho?

- Claro que não.

- Bem, se quiser sair daqui, vá pela direita.

- Sim, lobo fedorento (ele não gostava de ser chamado de fedorento, mas também era surdo).

O porquinho continuou, pensando que estava voltando. Só que, para sua surpresa, havia mesmo dois caminhos a sua frente. Ele pensou: "Acho que vou seguir o conselho daquele lobo fedorento".

E não é que, indo pela direita, ele saiu da floresta?

Só que nem tudo estava tão bem. Quando ele saiu, já não era mais noite e seus irmãos estavam brincando na rua. Ele disse:

- Mas o tempo passou rápido ein!

Seus irmãos não deram bola e continuaram brincando. Ele pensou: "como não sentiram minha falta?". De repente, não quis brincar e foi para o quarto dormir. Quando deitou e fechou os olhos, não demorou muito, tornou a abrir.

Como se fosse mágica ou algo parecido, já era noite outra vez e seus irmãos dormiam. Só que, pela fresta da janela, podia ver que estava chegando a manhã.

- Espero que seja um sonho em que eu tenha que levantar para ir para a escola!

Foi pegar no sono, ouviu uma batida na porta. Ele ficou bravo, pois só podia ser os pais lembrando da hora de levantar. Só que na verdade, eram apenas João e Maria, que queriam convidá-los a irem a sua casa de doces - pois na verdade era sábado. Mas essa já é outra história.

FIM

Paulo Matheus

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: