A princesa e o Goblin - I

CAPÍTULO 1

Por que a princesa tem uma história sobre ela

Era uma vez uma princesinha cujo pai era rei sobre um grande país cheio de montanhas e vales. Seu palácio foi construído sobre uma das montanhas e era muito grande e bonito. A princesa, cujo nome era Irene, nasceu lá, mas foi enviada logo após o nascimento, porque sua mãe não era muito forte, para ser educada por pessoas do campo em uma casa grande, meio castelo, meia fazenda, ao lado de outra montanha, a meio caminho entre sua base e seu pico.

A princesa era uma pequena criatura doce e, no momento em que minha história começa, tinha cerca de oito anos, eu acho, mas ela envelheceu muito rápido. Seu rosto era claro e bonito, com olhos como dois pedaços do céu noturno, cada um com uma estrela dissolvida no azul. Aqueles olhos que você pensaria que deviam saber que vieram de lá, com tanta frequência que apareceram nessa direção. O teto de seu quarto de bebê era azul, com estrelas, tão iguais ao céu quanto podiam. Mas duvido que alguma vez ela tenha visto o céu real com as estrelas, por uma razão que é melhor mencionar de uma vez.

Essas montanhas estavam cheias de lugares vazios embaixo; imensas cavernas e caminhos sinuosos, alguns com água passando por eles e outros brilhando com todas as cores do arco-íris quando uma luz foi absorvida. Não se sabia muito sobre eles, se não houvesse minas, grandes poços profundos, com longas galerias e passagens saindo deles, escavadas para chegar ao minério de onde as montanhas estavam cheias. No decurso da escavação, os mineiros encontraram muitas dessas cavernas naturais. Alguns deles tinham aberturas distantes ao lado de uma montanha ou em um barranco.

Agora, nessas cavernas subterrâneas, vivia uma estranha raça de seres, chamada por alguns gnomos, por alguns kobolds [1], por alguns goblins [2]. Havia uma lenda atual no país que eles viviam acima do solo e eram muito parecidos com outras pessoas. Mas, por alguma razão ou outra, sobre a qual existiam diferentes teorias lendárias, o rei havia imposto o que eles achavam impostos muito severos, ou exigido a observância de que não gostavam, ou começado a tratá-las com mais severidade. de uma maneira ou de outra, e impõem leis mais rígidas; e a conseqüência foi que todos haviam desaparecido da face do país. Segundo a lenda, no entanto, em vez de irem para outro país, todos se refugiaram nas cavernas subterrâneas, de onde nunca saíram senão à noite e depois raramente se mostravam em número, e nunca para muitas pessoas ao mesmo tempo. Dizia-se que apenas nas partes menos frequentadas e mais difíceis das montanhas se reuniam mesmo à noite ao ar livre. Aqueles que avistaram qualquer um deles disseram que haviam mudado muito no curso de gerações; e não é de admirar, vendo que eles viviam longe do sol, em lugares frios, úmidos e escuros. Eles eram agora, não normalmente feios, mas absolutamente hediondos ou ridiculamente grotescos, tanto na face quanto na forma. Segundo eles, não havia invenção da imaginação mais sem lei expressa por caneta ou lápis que pudesse superar a extravagância de sua aparência. Mas suspeito que aqueles que o disseram confundiram alguns de seus companheiros animais com os duendes - dos quais mais aos poucos. Os próprios duendes não estavam tão longe do ser humano, como uma descrição desse tipo implica. E, à medida que se tornaram deformados no corpo, cresceram em conhecimento e inteligência, e agora eram capazes de fazer coisas que nenhum mortal podia ver a possibilidade. Mas, à medida que cresciam em astúcia, cresciam em travessuras, e seu grande prazer era em todos os aspectos que podiam pensar em irritar as pessoas que viviam no andar ao ar livre acima delas. Eles tinham afeição suficiente um pelo outro para preservá-los de serem absolutamente cruéis por causa da crueldade com aqueles que vinham em seu caminho; mas ainda assim eles acalentavam tão profundamente o rancor ancestral contra aqueles que ocupavam seus bens anteriores e especialmente contra os descendentes do rei que causaram sua expulsão, que procuraram todas as oportunidades de atormentá-los de maneiras tão estranhas quanto seus inventores; e, embora empequenecidos e deformados, tinham força igual à sua astúcia. No processo, eles conseguiram um rei e um governo próprios, cujo negócio principal, além de seus simples assuntos, era inventar problemas para os vizinhos. Agora ficará bem evidente por que a princesinha nunca tinha visto o céu à noite. Eles tinham muito medo dos duendes para deixá-la sair de casa, mesmo na companhia de tantos atendentes; e eles tinham boas razões, como veremos aos poucos.


CAPÍTULO 2

A princesa se perde

Eu disse que a princesa Irene tinha cerca de oito anos quando minha história começou. E é assim que começa.

Um dia muito chuvoso, quando a montanha estava coberta de névoa que se acumulava constantemente em pingos de chuva e despejava nos telhados da grande casa antiga, de onde caía em uma franja de água dos beirais ao redor. a princesa não podia, é claro, sair. Ela ficou muito cansada, tão cansada que nem seus brinquedos a divertiam mais. Você se perguntaria se eu tivesse tempo de descrever para você metade dos brinquedos que ela tinha. Mas então você não teria os brinquedos, e isso faz toda a diferença: você não pode se cansar de nada antes de tê-lo. Era uma foto, no entanto, vale a pena ver - a princesa sentada no berçário com o teto do céu sobre a cabeça, em uma grande mesa coberta com seus brinquedos. Se o artista quiser desenhar isso, devo aconselhá-lo a não se intrometer nos brinquedos. Tenho medo de tentar descrevê-los, e acho melhor ele não tentar desenhá-los. Melhor não. Ele pode fazer mil coisas que eu não posso, mas não acho que ele possa desenhar esses brinquedos. Porém, nenhum homem poderia ser a princesa melhor do que ele - inclinando-se com as costas curvadas nas costas da cadeira, a cabeça baixa e as mãos no colo, muito infeliz como diria a si mesma, nem mesmo sabendo o que ela gostaria, exceto que deveria sair e se molhar completamente, pegar um resfriado particularmente agradável e ter que ir para a cama e pegar mingau. No momento seguinte, depois de vê-la sentada, a babá sai da sala.

Até isso é uma mudança, e a princesa acorda um pouco e olha em volta. Então ela cai da cadeira e sai correndo pela porta, não a mesma porta pela qual a babá saiu, mas uma que se abriu ao pé de uma velha e curiosa escada de carvalho comido por vermes, que parecia como se ninguém tivesse posto os pés. sobre isso. Ela já havia subido seis degraus, e isso era motivo suficiente, em tal dia, para tentar descobrir o que estava no topo.

Ela correu de um lado para o outro - por um longo caminho que lhe pareceu! - até chegar ao topo do terceiro voo. Lá, ela descobriu que o pouso era o fim de uma longa passagem. Para isso, ela correu. Estava cheio de portas de cada lado. Havia tantos que ela não quis abrir, mas correu até o fim, onde se transformou em outra passagem, também cheia de portas. Quando ela se virou mais duas vezes e ainda viu portas e apenas portas a seu redor, começou a ficar assustada. Foi tão silencioso! E todas essas portas devem esconder quartos sem ninguém! Isso foi terrível. Também a chuva fez um grande ruído de atropelamento no telhado. Ela se virou e começou a toda velocidade, seus pequenos passos ecoando através dos sons da chuva - de volta para as escadas e seu quarto seguro. Então ela pensou, mas havia se perdido há muito tempo. Não se segue que ela estava perdida, porque ela se perdeu, no entanto.

Ela correu por alguma distância, virou várias vezes e depois começou a ter medo. Muito em breve ela teve certeza de que havia perdido o caminho de volta. Quartos em todos os lugares, e nenhuma escada! Seu pequeno coração batia tão rápido quanto seus pezinhos corriam, e um nó de lágrimas crescia em sua garganta. Mas ela estava ansiosa demais e talvez assustada demais para chorar por algum tempo. Por fim, sua esperança fracassou. Nada além de passagens e portas por toda parte! Ela se jogou no chão e soltou um grito de lamento quebrado por soluços.

Ela não chorou muito, no entanto, pois era tão corajosa quanto se poderia esperar de uma princesa de sua idade. Depois de um bom grito, ela se levantou e limpou a poeira do vestido. Oh, que poeira era essa! Então ela enxugou os olhos com as mãos, pois as princesas nem sempre têm seus lenços nos bolsos, assim como outras garotinhas que eu conheço. Em seguida, como uma verdadeira princesa, resolveu trabalhar com sabedoria para encontrar o caminho de volta: passaria pelas passagens e procuraria em todas as direções a escada. Isso ela fez, mas sem sucesso. Ela passou pelo mesmo terreno novamente sem saber, pois as passagens e portas eram todas iguais. Por fim, num canto, através de uma porta entreaberta, ela viu uma escada. Mas ai de mim! seguiu o caminho errado: em vez de cair, subiu. Assustada como estava, no entanto, não pôde deixar de desejar ver aonde ainda mais a escada poderia levar. Era muito estreito e tão íngreme que ela continuava como uma criatura de quatro patas nas mãos e nos pés.


CAPÍTULO 3

A princesa e - veremos quem

Quando chegou ao topo, encontrou-se em um pequeno local quadrado, com três portas, duas opostas uma à outra e uma oposta ao topo da escada. Ela ficou parada por um momento, sem ter uma ideia na cabecinha do que fazer a seguir. Mas quando ela se levantou, começou a ouvir um zumbido curioso. Poderia ser a chuva? Não. Era muito mais gentil e até monótono que o som da chuva, que agora ela mal ouvia. O zumbido baixo e doce continuava, às vezes parando um pouco e depois recomeçando. Era mais como o zumbido de uma abelha muito feliz que havia encontrado um rico poço de mel em alguma flor globular, do que qualquer outra coisa que eu possa pensar neste momento. De onde poderia vir? Ela colocou o ouvido primeiro em uma das portas para ouvir se estava lá - depois em outra. Quando ela encostou a orelha na terceira porta, não havia dúvida de onde ela veio: deve ser de alguma coisa naquela sala. O que poderia ser? Ela estava com muito medo, mas sua curiosidade era mais forte que seu medo, e ela abriu a porta com muita delicadeza e espiou. O que você acha que ela viu? Uma senhora muito velha que estava sentada girando.

Talvez você se pergunte como a princesa poderia dizer que a velhinha era uma velhinha, quando eu lhe informei que ela não era apenas bonita, mas sua pele era lisa e branca. Eu vou lhe contar mais. Seu cabelo estava penteado para trás, da testa e do rosto, e pendia solto, muito abaixo e nas costas. Isso não é muito parecido com uma velha - não é? Ah! mas era branco quase como neve. E, embora seu rosto fosse tão suave, seus olhos pareciam tão sábios que você não poderia deixar de ver que ela devia estar velha. A princesa, embora não pudesse lhe dizer o porquê, realmente a achava muito velha - cinquenta anos, ela disse a si mesma. Mas ela era bem mais velha que isso, como você deve ouvir.

Enquanto a princesa olhava perplexa, com a cabeça do lado de fora da porta, a velha senhora levantou a dela e disse, com uma voz doce, mas velha e bastante trêmula, que se misturava muito agradavelmente com o zumbido contínuo de sua roda:

'Entre, minha querida; entre. Fico feliz em vê-lo.

Que a princesa era uma princesa real, você pode ver agora claramente; pois ela não se agarrava à maçaneta da porta e olhava sem se mexer, como eu já sabia que alguns que deveriam ser princesas, mas que eram apenas menininhas bastante vulgares. Ela fez o que foi mandado, entrou na porta imediatamente e fechou-a gentilmente atrás dela.

"Venha a mim, minha querida", disse a velha senhora.

E novamente a princesa fez como lhe foi dito. Ela se aproximou da velha - bem devagar, confesso -, mas não parou até ficar ao lado dela e olhou para o rosto com os olhos azuis e as duas estrelas derretidas neles.

- O que você tem feito com os olhos, criança? perguntou a velha senhora.

"Chorando", respondeu a princesa.

"Por que criança?"

"Porque não consegui encontrar o caminho de novo."

"Mas você pode encontrar o seu caminho."

"Não a princípio, não por muito tempo."

- Mas seu rosto está listrado como as costas de uma zebra. Você não tinha um lenço para limpar os olhos?

'Não.'

- Então por que você não veio me procurar para limpá-los?

'Por favor, eu não sabia que você estava aqui. Eu vou da próxima vez.

"Há um bom filho!" disse a velha senhora.

Então ela parou o volante, levantou-se e, saindo da sala, voltou com uma pequena bacia de prata e uma toalha branca e macia, com a qual lavou e limpou o rostinho brilhante. E a princesa pensou que suas mãos eram tão suaves e agradáveis!

Quando ela carregou a bacia e a toalha, a princesinha se perguntou como era alta e ereta, pois, embora fosse velha, não se curvava nem um pouco. Ela estava vestida de veludo preto com uma grossa renda branca de aparência pesada; e no vestido preto seus cabelos brilhavam como prata. Quase não havia mais mobília na sala do que a da velha mais pobre que fazia o pão girando. Não havia tapete no chão - não havia mesa em lugar nenhum - nada além do volante e da cadeira ao lado. Quando voltou, sentou-se e, sem dizer uma palavra, começou a girar mais uma vez, enquanto Irene, que nunca tinha visto uma roda giratória, ficou ao seu lado e olhou. Quando a velhinha conseguiu retomar o fio, ela disse à princesa, mas sem olhar para ela:

- Você sabe meu nome, criança?

"Não, eu não sei", respondeu a princesa.

"Meu nome é Irene."

'Esse é o meu nome!' chorou a princesa.

'Eu sei disso. Eu deixei você ter o meu. Eu não tenho seu nome. Você tem o meu.

'Como pode ser?' perguntou a princesa, confusa. Sempre tive meu nome.

- Seu pai, o rei, me perguntou se eu tinha alguma objeção a você; e, claro, eu não tinha. Eu deixo você com prazer.

- Foi muito gentil da sua parte me dar seu nome - e um nome tão bonito - disse a princesa.

'Oh, não tão gentil!' disse a velha senhora. 'Um nome é uma daquelas coisas que se pode dar e manter da mesma forma. Eu tenho muitas dessas coisas. Você não gostaria de saber quem eu sou, criança?

"Sim, eu deveria... muito."

- Sou sua tataravó - disse a dama.

'O que é isso?' perguntou a princesa.

"Eu sou a mãe do pai de sua mãe."

'Oh céus! Não consigo entender isso - disse a princesa.

Ouso dizer que não. Eu não esperava que você esperasse. Mas não é por isso que não devo dizer.

'Ah não!' respondeu a princesa.

- Vou explicar tudo para você quando for mais velho - continuou a dama. - Mas você poderá entender isso agora: vim aqui para cuidar de você.

- Faz muito tempo que você veio? Foi ontem? Ou foi hoje, porque estava tão molhado que não consegui sair?

"Estou aqui desde que você veio."

'Há quanto tempo!' disse a princesa. "Eu não me lembro de nada."

'Não. Suponho que não.'

"Mas eu nunca te vi antes."

'Não. Mas você me verá novamente.

- Você mora nesta sala sempre?

Não durmo nela. Eu durmo no lado oposto do patamar. Eu fico aqui a maior parte do dia.

'Eu não deveria gostar disso. Meu berçário é muito mais bonito. Você deve ser uma rainha também, se você é minha bisavó.

"Sim, eu sou uma rainha."

- Onde está sua coroa então? 'No meu quarto.'

"Eu gostaria de ver."

- Você deve algum dia, não hoje.

- Eu me pergunto por que a babá nunca me contou.

Babá não sabe. Ela nunca me viu.

"Mas alguém sabe que você está em casa?"

'Não; ninguém.'

- Como você janta, então?

"Eu mantenho aves de capoeira - de uma espécie."

'Onde você os guarda?'

'Eu vou te mostrar.'

"E quem faz o caldo de galinha para você?"

"Eu nunca mato nenhuma das minhas galinhas."

"Então eu não consigo entender."

- O que você tomou no café da manhã? perguntou a senhora.

'Oh! Tive pão, leite e um ovo... ouso dizer que você come os ovos deles.

'Sim é isso. Eu como os ovos deles.

- É isso que deixa seu cabelo tão branco?

'Não, minha querida. É velhice. Eu estou muito velho.'

'Eu pensei assim. Você tem cinquenta?

Sim, mais do que isso.

"Você é cem?"

Sim, mais que isso. Eu sou velho demais para você adivinhar. Venha ver minhas galinhas.

Mais uma vez, ela parou de girar. Ela se levantou, pegou a princesa pela mão, levou-a para fora da sala e abriu a porta em frente à escada. A princesa esperava ver muitas galinhas e galinhas, mas, em vez disso, viu primeiro o céu azul e depois os telhados da casa, com uma multidão de pombos mais adoráveis, a maioria brancos, mas de todas as cores, andando por aí, fazendo uma reverência e falando uma língua que ela não conseguia entender. Ela bateu palmas com prazer, e levantou-se tantas asas que ela, por sua vez, ficou assustada.

- Você assustou minhas aves - disse a velha senhora, sorrindo.

"E eles me assustaram", disse a princesa, sorrindo também. - Mas que aves de capoeira muito legais! Os ovos são bons?

'Sim, muito bom.' - Que colherzinha de ovo você deve ter! Não seria melhor manter galinhas e obter ovos maiores?

- Como devo alimentá-los?

"Entendo", disse a princesa. Os pombos se alimentam. Eles têm asas.

'Só então. Se eles não podiam voar, eu não podia comer os ovos deles.

- Mas como você chega aos ovos? Onde estão os ninhos?

A senhora segurou um pequeno laço de corda na parede ao lado da porta e, levantando uma persiana, mostrou muitos buracos de pombos com ninhos, alguns com filhotes e outros com ovos. Os pássaros chegaram do outro lado e ela tirou os ovos deste lado. Ela fechou novamente rapidamente, para que os jovens não fiquem assustados.

'Oh, que maneira legal!' chorou a princesa. 'Você vai me dar um ovo para comer? Estou com muita fome.

- Eu irei algum dia, mas agora você deve voltar, ou a babá ficará infeliz com você. Ouso dizer que ela está procurando por você em todos os lugares.

"Exceto aqui", respondeu a princesa. "Oh, como ela ficará surpresa quando eu contar a ela sobre minha tataravó!"

'Sim, que ela vai!' disse a velha com um sorriso curioso. - Importa-se de contar exatamente a ela tudo.

'Eu vou. Por favor, me leve de volta para ela?

- Não posso ir até o fim, mas vou levá-lo ao topo da escada, e então você deve correr muito rápido para o seu próprio quarto.

A princesinha pôs a mão na da velha, que, olhando para um lado e para o outro, a levou ao topo da primeira escada e depois ao final da segunda, e não a deixou até que ela a visse no meio do caminho. abaixo o terceiro. Quando ouviu o grito de prazer de sua babá em encontrá-la, virou-se e subiu as escadas novamente, muito rápido para uma avó tão grande, e sentou-se a girar com outro sorriso estranho em seu doce e velho rosto.

Sobre essa fiação dela, vou contar mais uma vez.

Adivinha o que ela estava girando.


CAPÍTULO 4

O que a babá pensou sobre isso

'Por que, onde você pode estar, princesa?' perguntou a babá, abraçando-a. - É muito cruel da sua parte se esconder por tanto tempo. Comecei a ter medo... Aqui ela se controlou.

- Do que você estava com medo, babá? perguntou a princesa.

"Não importa", respondeu ela. Talvez eu te conte outro dia. Agora me diga onde você esteve.

"Eu percorri um longo caminho para ver minha bisavó muito grande e velha", disse a princesa.

'O que você quer dizer com isso?' perguntou a babá, que achou que ela estava tirando sarro.

- Quero dizer, estive um longo caminho para ver minha grande avó. Ah, babá, você não sabe que linda mãe de avós eu tenho lá em cima. Ela é uma senhora tão velha, com cabelos brancos tão adoráveis ​​- tão brancos quanto minha xícara de prata. Agora, quando penso nisso, acho que o cabelo dela deve ser prateado.

- Que bobagem você está falando, princesa! disse a babá.

- Não estou falando bobagem - retrucou Irene, bastante ofendida. Vou lhe contar tudo sobre ela. Ela é muito mais alta que você e muito mais bonita.

'Oh, ouso dizer!' comentou a babá.

"E ela vive com ovos de pombos."

"Provavelmente", disse a babá.

- E ela fica sentada em uma sala vazia, girando o dia inteiro.

"Não tenho dúvida", disse a babá.

"E ela mantém a coroa no quarto."

- Claro... o lugar certo para guardar sua coroa. Ela a usa na cama, eu vou amarrar.

Ela não disse isso. E eu não acho que ela faz. Isso não seria confortável - seria? Eu não acho que meu pai usa sua coroa como touca de noite. Ele, berçário?

Eu nunca perguntei a ele. Ouso dizer que sim.

- E ela está lá desde que eu vim para cá, há tantos anos.

"Alguém poderia ter lhe dito isso", disse a babá, que não acreditava em uma palavra que Irene estava dizendo.

"Por que você não me contou?"

Não havia necessidade. Você poderia fazer tudo por si mesmo.

- Você não acredita em mim, então! exclamou a princesa, atônita e zangada, como ela poderia estar.

- Você esperava que eu acreditasse em você, princesa? perguntou a babá friamente. - Sei que as princesas costumam fazer de conta, mas você é a primeira que ouvi falar de quem esperava que elas acreditassem - acrescentou ela, vendo que a criança era estranhamente sincera.

A princesa caiu em prantos.

"Bem, devo dizer", comentou a babá, agora completamente irritada com ela por chorar, "não é de todo tornar-se uma princesa contar histórias e esperar que se acredite apenas porque ela é uma princesa."

"Mas é bem verdade, eu lhe digo."

- Você sonhou, então, criança.

Não, eu não sonhei. Subi as escadas e me perdi; se não tivesse encontrado a bela dama, nunca teria me encontrado.

'Oh, ouso dizer!'

'Bem, você acabou de vir comigo e ver se eu não estou dizendo a verdade.'

Na verdade, tenho outro trabalho a fazer. É a sua hora do jantar, e não vou ter mais esse absurdo.

A princesa enxugou os olhos e seu rosto ficou tão quente que logo ficaram bastante secos. Ela se sentou para o jantar, mas comeu quase nada. Não se acreditar em nada concorda com as princesas: pois uma princesa real não pode mentir. Então, durante toda a tarde, ela não falou uma palavra. Somente quando a babá falou com ela, ela respondeu, pois uma princesa de verdade nunca é rude - mesmo quando ela faz bem em se sentir ofendida.

É claro que a babá não estava confortável em sua mente - não que suspeitasse da menor verdade na história de Irene, mas que a amava profundamente e se irritou consigo mesma por ter sido irritada com ela. Ela pensou que sua irritação era a causa da infelicidade da princesa, e não tinha ideia de que estava realmente e profundamente magoada por não ser acreditada. Mas, à medida que a noite se tornava cada vez mais clara, em todos os seus movimentos e olhares, embora ela tentasse se divertir com seus brinquedos, seu coração estava muito irritado e preocupado para apreciá-los, o desconforto de sua babá cresceu e cresceu. Quando chegou a hora de dormir, ela se despiu e a deitou, mas a criança, em vez de segurar a boquinha para ser beijada, afastou-se dela e ficou imóvel. Então o coração da babá cedeu completamente, e ela começou a chorar. Ao som de seu primeiro soluço, a princesa se virou novamente e segurou o rosto para beijá-la como sempre. Mas a babá estava com o lenço nos olhos e não viu o movimento.

'Babá', disse a princesa, 'por que você não acredita em mim?'

"Porque eu não posso acreditar em você", disse a babá, ficando com raiva de novo.

Ah! então, você não poderá evitar - disse Irene - e não ficarei mais irritado com você. Vou te dar um beijo e vou dormir.

"Seu anjinho!" gritou a babá, pegou-a na cama e caminhou pelo quarto com ela nos braços, beijando-a e abraçando-a.

- Você me deixa levá-lo para ver minha querida bisavó, não é? disse a princesa, enquanto a deitava novamente.

- E você não vai mais dizer que sou feia, vai, princesa? 'Babá, eu nunca disse que você era feia. Como assim?

'Bem, se você não disse, você quis dizer isso.'

"De fato, eu nunca fiz."

"Você disse que eu não era tão bonita assim..."

“Como minha linda avó - sim, eu disse isso; e digo de novo, pois é bem verdade.

"Então eu acho que você é cruel!" disse a babá e colocou o lenço nos olhos novamente.

- Babá, querida, todo mundo não pode ser tão bonito quanto qualquer outro corpo, você sabe. Você é muito bonito, mas se você fosse tão bonita quanto minha avó...

"Incomode sua avó!" disse a babá.

'Babá, isso é muito rude. Você não está preparado para falar com você até que possa se comportar melhor.

A princesa se afastou mais uma vez e, novamente, a babá tinha vergonha de si mesma.

- Tenho certeza de que peço desculpas, princesa - disse ela, embora ainda em tom ofendido. Mas a princesa deixou o tom passar e atendeu apenas as palavras.

- Você não vai repetir, tenho certeza - respondeu ela, voltando-se mais uma vez para a babá. - Eu só diria que, se você fosse duas vezes mais bonito do que você, um rei ou outro se casaria com você, e então o que seria de mim?

'Você é um anjo!' repetiu a babá, abraçando-a novamente. 'Agora', insistiu Irene, 'você vem ver minha avó, não é?'

- Eu irei com você aonde você quiser, meu querubim - ela respondeu; e em dois minutos a princesinha cansada estava dormindo profundamente.

~

George MacDonald

The Princess and the Goblin (1872).



Disponível em Gutenberg.





Notas:
[1] Um espírito que assombra casas ou vive no subsolo em cavernas ou minas.
[2] Ou duendes.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: