Aplicação: o uso da humilhação

Reverendo e queridos irmãos, nosso trabalho aqui neste dia é humilhar nossas almas diante do Senhor por nossa negligência passada, e implorar a ajuda de Deus em nosso trabalho para o tempo que virá. Na verdade, dificilmente podemos esperar o último sem o primeiro. Se Deus nos ajudar em nosso dever futuro, ele primeiro nos humilhará pelo nosso pecado passado. Aquele que não tem tanto senso de seus defeitos como não fingido de lamentá-los, dificilmente terá muito mais que movê-lo para reformá-los. A tristeza do arrependimento pode existir sem uma mudança de coração e vida; porque uma paixão pode ser mais facilmente forjada do que uma verdadeira conversão. Mas a mudança não pode ocorrer sem uma boa medida da tristeza. De fato, podemos aqui justamente começar nossas confissões; É muito comum para nós esperar isso de nosso povo, o qual fazemos pouco ou nada em nós mesmos. Que dores tomamos para humilhá-los, enquanto nós mesmos somos humildes! Quão difícil nos expulsamos com eles para arrancar algumas lágrimas penitenciais (e muito pouco) enquanto nossos próprios olhos estão secos! Ai! como nós os definimos como um exemplo de coração duro, enquanto nos esforçamos com nossas palavras para derreter e apaziguar! Oh, se estudássemos metade para afetar e alterar nossos próprios corações, como fazemos com nossos ouvintes, não seria com muitos de nós como é! É muito pouco o que fazemos por sua humilhação; mas temo que seja muito menos do que alguns de nós fazemos por nós mesmos. Muitos fazem um pouco para as almas de outros homens, enquanto parecem esquecer que têm almas próprias para considerar. Eles carregam o assunto, como se a parte deles estivesse em pedir arrependimento e os ouvintes se arrependessem; deles em lágrimas e tristeza, e outros homens choram e se entristecem; deles em chorar o pecado, e as pessoas estão em abandoná-lo; deles na pregação de deveres, e os ouvintes em praticá-lo.

Mas descobrimos que os guias da Igreja nas Escrituras confessaram seus próprios pecados, assim como os pecados do povo. Esdras confessou os pecados dos sacerdotes, bem como do povo, chorando e se entregando diante da casa de Deus. Daniel confessou seu próprio pecado, assim como o do povo. Penso que, se considerarmos bem os deveres já mencionados e quão imperceptivelmente os realizamos, não precisamos nos questionar sobre a questão, se temos causa de humilhação? Eu devo dizer, embora eu me condene em dizê-lo, que aquele que lê somente esta exortação de Paulo aos anciãos da igreja em Éfeso, e compare sua vida com isto, deve ser estúpido e endurecido, se o fizer não se derreta sob o sentido de seus desejos, e não seja posto no pó diante de Deus e forçado a lamentar suas grandes omissões, e voar em busca de refúgio para o sangue de Cristo, e para sua graça perdoadora. Estou confiante, irmãos, que nenhum de vocês, no julgamento, aprova a doutrina libertina, que critica a necessidade de confissão, contrição e humilhação, sim, e para o perdão do pecado! Não é uma pena, então, que nossos corações não sejam tão ortodoxos quanto nossas cabeças? Mas eu vejo que nós aprendemos a nossa lição, quando sabemos, e podemos dizê-lo. Quando o entendimento o aprende, há mais dificuldade em ensinar nossas vontades e afeições, nossos olhos, nossas línguas e nossas mãos. É uma coisa triste que muitos de nós preguem nossos ouvintes adormecidos; mas é ainda mais triste se estudamos e pregamos a nós próprios a adormecer e falamos tanto contra a dureza de coração, até que o nosso próprio endureceu sob o ruído das nossas próprias repreensões. E para que você possa ver que não é uma tristeza sem causa que Deus requer de nós, eu chamarei a sua lembrança dos nossos múltiplos pecados, e coloque-os em ordem diante de você, para que possamos lidar clara e fielmente em uma confissão livre de eles, e aquele Deus que é 'fiel e justo pode perdoá-los, e nos purificar de toda iniquidade.' Neste eu suponho que eu tenho o seu sincero consentimento, e que você estará tão longe de ser ofendido comigo, embora eu deva desgraça suas pessoas, e outras pessoas neste cargo, que você aceitará prontamente a acusação e será humilde autocuidado; e até agora eu sou de justificar-me pela acusação de outros, que eu sinceramente coloquei meu nome com o primeiro no projeto de acusação. Pois como pode um pecador miserável, um sujeito com tantas e tão grandes transgressões, presumir justificar-se diante de Deus? Ou como ele pode implorar sem culpa, cuja consciência tem muito a dizer contra ele? Se eu envergonho o ministério, não está no ofício, mas em nossas pessoas, abrindo esse pecado que é nossa vergonha. A glória do nosso alto emprego não comunica qualquer glória ao nosso pecado; pois "o pecado é uma reprovação para qualquer povo". E sejam eles pastores ou pessoas, são apenas eles que "confessam e abandonam seus pecados que terão misericórdia", enquanto "aquele que endurece seu coração cairá em desgraça".

Os grandes pecados de que somos culpados, não me comprometerei a enumerar; e, portanto, minha passagem sobre qualquer um em particular, não deve ser tomada como uma negação ou justificativa disso. Mas considerarei como meu dever, a exemplo de alguns que gritam alto por humilhação e rápida reforma.

Só eu preciso primeiro pressupor esta profissão, que, apesar de todas as falhas que estão agora entre nós, eu não acredito que a Inglaterra tivesse um ministério tão capaz e fiel desde que era uma nação, como tem hoje; e temo que poucas nações na terra, se alguma, tenham o mesmo. Claro que eu sou, a mudança é tão grande dentro desses doze anos, que é uma das maiores alegrias que eu já tive no mundo para contemplá-la. Oh, quantas congregações são agora claramente e freqüentemente ensinadas, que viveram então em grande obscuridade! Quantos homens capazes e fiéis estão lá agora em um condado, em comparação com o que eram então! Como graciosamente Deus tem prosperado os estudos de muitos jovens, que eram criancinhas no começo dos últimos problemas, de modo que agora eles nublam o máximo de seus idosos! Quantos quilômetros eu teria percorrido vinte anos atrás, e menos ainda, ter ouvido um daqueles antigos reverendos teólogos, cujas congregações agora estão enfraquecidas, e suas partes estimadas são mesquinhas, em razão da notável melhora de seus juniores! E, em particular, como misericordiosamente o Senhor lidou com este pobre condado de Worcester, em levantar tantos que fazem crédito para o ofício sagrado, e de forma abnegada e livre, zelosa e inabalável, expõem-se para o bem das almas! Eu abençoo o Senhor que me colocou em tal vizinhança, onde posso ter a fraternidade de tantos homens capazes, fiéis, humildes, unânimes e pacíficos. Oh, que o Senhor, por muito tempo, continue esta admirável misericórdia para este condado indigno! E espero que eu me regozije em Deus enquanto eu tenho um ser, pela mudança comum em outras partes, que eu vivi para ver: que tantas centenas de homens fiéis são tão árduos em trabalhar pela salvação de almas, embora com o murmúrio e ranger de dentes do inimigo; e que mais estão surgindo rapidamente. Eu sei que há alguns homens, cujas partes eu reverencio, que sendo, em termos de governo, de uma outra mente deles, ficarão ofendidos em minha própria menção desta alteração feliz: mas eu devo professar, se eu fosse absolutamente prelatical, se Eu conhecia meu coração, não podia escolher tudo isso, mas me alegrar. O que! não se alegrar com a prosperidade da Igreja, porque os homens diferem em uma opinião sobre a sua ordem. Devo fechar meus olhos contra as misericórdias do Senhor? As almas dos homens não são tão desprezíveis para mim, que eu deveria invejá-los o pão da vida, porque é quebrado a eles por uma mão que não teve a aprovação prelatical. Ó que toda congregação fosse assim suprida! Mas tudo não pode ser feito de uma só vez. Eles tiveram muito tempo para resolver um ministério corrupto; e quando os ignorantes e escandalosos são expulsos, não podemos criar habilidades nos outros para o suprimento; devemos permanecer o tempo de sua preparação e crescimento; e então, se a Inglaterra não afastar o evangelho por seu abuso, mesmo por sua obstinada impiedade e ódio à luz, eles serão como a nação mais feliz sob o céu. Pois, como para todas as seitas e heresias que estão rastejando e diariamente nos incomodando, eu duvido que não, mas o evangelho, administrado por um ministério abnegado capaz, irá efetivamente dispersar e envergonhar todos eles.

Mas você pode dizer que isso não é confessar o pecado, mas sim aplaudir aqueles cujos pecados você pretende confessar. A isso eu respondo, é o devido reconhecimento da bondade de Deus, e graças a suas admiráveis ​​misericórdias, que eu não pareça ingrato em confissão, muito menos para turvar ou difamar as graças de Deus, enquanto eu abro as fragilidades que em muitos acompanhá-los; porque muitas coisas estão tristemente fora de ordem da melhor forma, como aparecerão dos seguintes detalhes.

1. Um dos nossos pecados mais hediondos e palpáveis ​​é o orgulho. Este é um pecado que tem muito interesse no melhor de nós, mas que é mais odioso e indesculpável em nós do que em outros homens. No entanto, é tão prevalente em alguns de nós que insere nossos discursos, escolhe nossa companhia, molda nosso semblante, põe ênfase e ênfase em nossas palavras. Ela preenche a mente de alguns homens com desejos e projetos aspirantes: ela os possui com pensamentos invejosos e amargos contra aqueles que estão à sua luz, ou que de alguma forma eclipsam sua glória, ou impedem o progresso de sua reputação. Oh, que companheira constante, que comandante tirânico, que insinuante inimigo astuto e sutil, é esse pecado de orgulho! Ele vai com os homens até o pajem, o mercador, o alfaiate: "escolhe o tecido, o enfeite e a moda deles. Poucos ministros o irritariam na moda do cabelo e do hábito, se não fosse pelo comando desse vício tirano. E eu gostaria que isso fosse tudo, ou o pior. Mas, ai de mim! com que freqüência nos acompanham ao nosso estudo, e nos sentamos conosco e fazemos nosso trabalho! Com que freqüência escolhe nosso assunto e, com mais frequência ainda, nossas palavras e ornamentos! Deus nos ordena a sermos tão claros quanto pudermos, para que possamos informar o ignorante; e tão convincentes e sérios quanto somos capazes, para que possamos derreter e mudar seus corações endurecidos. Mas o orgulho permanece e contradiz tudo, e produz seus brinquedos e ninharias. Polui em vez de polir; e, sob o pretexto de ornamentos louváveis, desonra nossos sermões com garotinhos infantis: como se um príncipe fosse enfeitado com o hábito de um tocador de teatro, ou um tolo pintado. Ela nos persuade a pintar a janela, para diminuir a luz e para falar ao nosso povo aquilo que eles não conseguem entender; para que eles saibam que somos capazes de falar sem fins lucrativos. Se temos uma passagem simples e cortante, ela se apaga, e entorpece a vida de nossa pregação, sob o pretexto de eliminar a aspereza, a irregularidade e a superfluidade. Quando Deus nos impele a lidar com os homens quanto a suas vidas, e a suplicar-lhes com toda a seriedade que somos capazes, esse pecado amaldiçoado controla tudo e condena os mais santos mandamentos de Deus, e nos diz: "Que! você vai fazer as pessoas pensarem que você é louco? você vai fazê-los dizer que você se enfurece ou delira? Você não pode falar sobriamente e moderadamente? ”E assim o orgulho faz muitos sermões de um homem; e o que o orgulho faz, o diabo faz; e que sermões o demônio fará e com que fim, podemos facilmente conjeturar. Embora o assunto seja de Deus, ainda que a vestimenta, a maneira e o fim sejam de Satanás, não temos grandes razões para esperar sucesso.

E quando o orgulho faz o sermão, ele vai conosco no púlpito, molda nosso tom, nos anima no parto, nos tira daquilo que pode ser desagradável, como necessário, e nos coloca em busca de vão. aplausos. Em suma, a soma de tudo é isso, faz com que os homens, tanto no estudo quanto na pregação, busquem a si mesmos, e neguem a Deus, quando eles devem buscar a glória de Deus e negar a si mesmos. Quando perguntarem: O que direi e como vou dizê-lo, para agradar melhor a Deus e fazer o bem, faz com que perguntem: O que direi e como o entregarei para ser considerado um pregador capaz de aprender? e ser aplaudido por todos que me ouvem? Quando o sermão termina, o orgulho volta para casa e os deixa mais ansiosos para saber se foram aplaudidos, do que se prevaleceram para salvar as almas. Se não fosse por vergonha, eles poderiam encontrar em seus corações para perguntar às pessoas como elas gostavam e para extrair seus elogios. Se eles percebem que eles são altamente pensados, eles se alegram, como tendo atingido o seu fim; mas se eles vêem que eles são considerados homens fracos ou comuns, eles estão descontentes, como tendo perdido o prêmio que tinham em vista.

Mas nem isso é tudo nem o pior, se é que pode ser pior. Oh, que sempre se diga de ministros piedosos, que eles estão tão arraigados no ar popular, e sentando-se mais alto na estima dos homens, que invejam os talentos e nomes de seus irmãos que são preferidos diante deles, como se todos foram tirados de seu louvor que é dado a outro; e como se Deus lhes tivesse dado os seus dons, para ser os meros ornamentos e armadilhas de suas pessoas, para que possam andar como homens de reputação no mundo, e como se todos os seus dons para os outros fossem pisados ​​e difamados, se eles parecem estar no caminho de sua honra! Que santo, pregador de Cristo, e ainda inveja o que tem a imagem de Cristo, e difama seus dons pelos quais ele deve ter a glória, e tudo porque eles parecem impedir nossa glória. Todo verdadeiro cristão não é membro do corpo de Cristo e, portanto, parte das bênçãos do todo e de cada membro em particular? e todo homem não deve agradecer a Deus pelos dons de seus irmãos, não apenas como tendo uma parte neles, como o pé tem o benefício da orientação dos olhos; mas também porque seus próprios fins podem ser alcançados pelos dons de seus irmãos, bem como pelos seus próprios? Pois se a glória de Deus e a felicidade da Igreja não são o seu fim, ele não é um cristão. Algum trabalhador maltrata outro, porque ele o ajuda a fazer o trabalho de seu mestre? quão comum é este crime hediondo entre os ministros de Cristo! Eles podem ocultar secretamente a reputação daqueles que estão no caminho deles mesmos; e o que eles não podem fazer por vergonha em termos claros e abertos, para que não sejam provados mentirosos e caluniadores, farão em generais e por insinuações maliciosas, levantando suspeitas onde não podem firmar acusações. E alguns vão tão longe, que não querem que alguém mais capaz do que eles deva entrar em seus púlpitos, para não serem mais aplaudidos do que eles mesmos. É temeroso que qualquer homem que tenha o menor temor de Deus, tenha inveja dos dons de Deus, e que, em vez de seus ouvintes carnais, permanecessem não convertidos, e que o sonolento não seja desperto, do que deveria ser feito por outro. quem pode ser preferido antes dele. Sim, até agora prevalece este vingativo amaldiçoado, que nas grandes congregações, que precisam da ajuda de muitos pregadores, dificilmente podemos, em muitos lugares, obter igualdade para viver juntos em amor e quietude, e unanimemente seguir em frente. a obra de Deus. Mas a menos que um deles esteja bem abaixo do outro em partes, e contente por ser tão estimado, ou a menos que seja um curador do outro, e governado por ele, eles estão disputando a precedência, e invejando o interesse um do outro, e caminhando com estranheza e ciúmes em relação ao outro, à vergonha de sua profissão e ao grande erro de seu povo. Tenho vergonha de pensar nisso, que quando tenho trabalhado para convencer pessoas de interesse e capacidade pública, da grande necessidade de mais ministros do que um em grandes congregações, eles me dizem, eles nunca concordarão juntos. Espero que a objeção seja infundada quanto ao mais; mas é um triste caso de ser verdade para qualquer um. Não, alguns homens estão tão orgulhosos que, quando podem ter um assistente igual para promover a obra de Deus, eles preferem tomar todo o fardo sobre si mesmos, embora mais do que podem suportar, do que qualquer um deveria compartilhar com eles. los na honra, ou que seu interesse na estima do povo deve ser diminuído.

Por isso, é também que os homens magnificam suas próprias opiniões, e são tão censoras de qualquer coisa que diferem delas em coisas menores, como se todas elas diferissem delas e de Deus. Eles esperam que todos devam obedecer ao seu julgamento, como se fossem os governantes da fé da Igreja; e enquanto nós chorarmos a infalibilidade papal, muitos de nós seriam papas e todos permaneceríamos em nossa determinação, como se fôssemos infalíveis. É verdade que temos mais modéstia do que expressamente para dizê-lo; fingimos que é apenas a evidência da verdade, que aparece em nossas razões, que esperamos que os homens se submetam, e nosso zelo é pela verdade e não por nós mesmos; mas, como isso precisa ser tomado pela verdade que é nossa, então nossas razões devem ser tomadas como válidas; e, se forem apenas examinadas livremente, e forem consideradas falaciosas, como estamos excessivamente atrasados ​​para ver a nós mesmos, porque são nossas, ficamos com raiva de que isso seja revelado a outras pessoas. Nós assim defendemos a causa de nossos erros, como se todos os que foram falados contra eles fossem proferidos contra nossas pessoas, e ficamos seriamente feridos por ter nossos argumentos completamente confundidos, pelos quais prejudicamos a verdade e as almas dos homens. A questão é chegar a este ponto, através de nosso orgulho, que se um erro ou argumento falacioso cair sob o patrocínio de um nome reverendo, (o que não é nada raro), devemos ou permitir a vitória, e doar o verdade, ou então tornar-se prejudicial a esse nome que o apadrinha; porque, apesar de você não se intrometer com suas pessoas, elas se colocam sob todos os golpes que você dá aos seus argumentos; e sinta-os com tanta sensatez como se você tivesse falado de si mesmos, porque eles acham que isso aconteceria aos olhos dos outros, que a discussão fraca é um sinal de um homem fraco. Se, portanto, você considera que é seu dever envergonhar seus erros e falsos raciocínios, descobrindo sua nudez, eles a tomam como se você envergonhasse suas pessoas; e assim seus nomes devem ser uma guarnição ou fortaleza para seus erros, e sua reverência deve defender todas as suas declarações de ataque.

Tão altos são os nossos espíritos, que quando se torna dever de alguém nos reprovar ou nos contradizer, somos comumente impacientes tanto no assunto quanto na maneira. Nós amamos o homem que dirá como nós dizemos, e seja de nossa opinião, e promova nossa reputação, embora, em outros aspectos, ele seja menos digno de nossa estima. Mas ele é ingrato a nós que nos contradiz e diverge de nós, e fala claramente conosco sobre nossos abortos e nos fala de nossas faltas. Especialmente na administração de nossas discussões públicas, onde o olho do mundo está sobre nós, dificilmente podemos suportar qualquer contradição ou simples transação. Sei que a linguagem falsa deve ser abominada e que devemos ser tão sensíveis à reputação de cada um, como nossa fidelidade à verdade permitirá. Mas o nosso orgulho faz com que muitos de nós pensem que todos os homens nos desprezam, que não nos admiram, sim, e admiram tudo o que dizemos, e submetem seus julgamentos aos nossos erros mais palpáveis. Somos tão carinhosos que um homem mal pode nos tocar, mas estamos feridos; e tão teimoso, que um homem que não é versado em elogios e hábil em lisonjas acima do nível vulgar, dificilmente pode dizer como lidar com nós tão atentamente, e se ajustar às nossas expectativas a cada passo, sem que haja alguma palavra, ou alguma negligência, em que nossos espíritos elevados se apegam, e nos prejudicam em nossa honra.

Confesso que muitas vezes se perguntou que este pecado mais hediondo deve ser feita para que a luz de, e pensava assim consistente com um quadro sagrado do coração e da vida, quando muito menos pecados são, por nós mesmos, proclamou ser tão condenável em nosso povo. E eu me perguntei mais, para ver a diferença entre pregadores piedosos e pecadores ímpios, a este respeito. Quando falamos com os bêbados, os mundanos, ou pessoas não convertidas ignorantes, nós desonrar-los ao máximo, e colocá-lo em tão claramente como podemos falar, e dizer-lhes de seu pecado e vergonha, e da miséria; e esperamos que eles não apenas suportem todos pacientemente, mas aceitem tudo com gratidão. E a maioria das coisas com que eu lido leva pacientemente, e muitos pecadores grosseiros recomendarão a maioria dos pregadores mais próximos, e dirão que eles não se importam em ouvir um homem que não lhes falará claramente de seus pecados. Mas se falamos a ministros piedosos contra seus erros ou pecados, se não os honramos e os reverenciamos, e falamos tão suavemente quanto somos capazes de falar, sim, se não misturamos comendas com nossas reprovações, e se os aplausos não seja predominante, de modo a afogar toda a força da repreensão ou confutação, eles a consideram quase como um dano insuportável. Irmãos, sei que esta é uma triste confissão, mas que tudo isso deve existir entre nós, deve ser mais doloroso para nós do que sermos informados disso. Poderia o mal estar escondido, eu não deveria ter revelado isso, pelo menos tão abertamente na visão de todos. Mas, ai de mim! há muito tempo está aberto aos olhos do mundo. Nós nos desonramos, idolatrando a nossa honra; nós imprimimos nossa vergonha, e pregamos nossa vergonha, proclamando assim para o mundo inteiro. Alguns pensarão que eu falo de forma exagerada quando chamo essas pessoas de homens piedosos, em quem tanto pecado prevalece tanto. Eu sei, de fato, que onde é predominante, não odiado, e lamentado, e mortificado no principal, não pode haver verdadeira piedade; e suplico a todos os homens que exerçam um rigoroso ciúme e busquem o próprio coração. Mas se todos forem sem culpa e forem culpados de alguma, ou da maioria das descobertas de orgulho, o Senhor seja misericordioso com os ministros desta terra e nos dê rapidamente outro espírito; pois a graça é, então, uma coisa mais rara do que a maioria de nós supunha que fosse. No entanto, devo dizer que não pretendo envolver todos os ministros de Cristo nesta acusação. Para o louvor da graça divina, seja ela falada, temos alguns entre nós, que são eminentes para a humildade e mansidão, e que, nesses aspectos, são exemplares para os seus rebanhos e para seus irmãos. É a sua glória e será a sua glória; e torna-os verdadeiramente honrados e amáveis ​​aos olhos de Deus e de todos os homens bons, e até mesmo aos próprios ímpios. O que o resto de nós era tal! Mas, ai de mim! este não é o caso de todos nós. O que o Senhor nos colocaria a seus pés, nas lágrimas da tristeza sincera por este pecado!

Irmãos, eu posso expurgar este caso um pouco com meu próprio coração e com o seu, para que possamos ver o mal do nosso pecado e sermos reformados! Não é orgulho o pecado dos demônios - o primogênito do inferno? Não é isso onde a imagem de Satanás consiste? e é para ser tolerado em homens que estão tão envolvidos contra ele e seu reino como nós somos? O próprio desígnio do evangelho é nos abater; e a obra da graça é iniciada e continuada em humilhação. A humildade não é um mero ornamento de um cristão, mas uma parte essencial da nova criatura. É uma contradição em termos, ser cristão e não humilde. Todos os que serão cristãos devem ser discípulos de Cristo, e 'vir a ele para aprender', e a lição que ele lhes ensina é: 'sejam mansos e humildes' Oh, quantos preceitos e exemplos admiráveis ​​tem dado a nosso Senhor e Mestre nós para este fim! Podemos contemplá-lo lavando e enxugando os pés de seus servos, e ainda assim ser orgulhosos e senhoriais ainda? Ele deve conversar com o mais malvado das pessoas, e devemos evitá-las como abaixo de nossa atenção, e pensar que ninguém além de pessoas de riqueza e honra se encaixa em nossa sociedade? Quantos de nós são freqüentemente encontrados nas casas dos cavalheiros do que nas casas dos pobres, que mais precisam de nossa ajuda? Muitos de nós pensamos que está abaixo de nós, estar diariamente com as pessoas mais necessitadas e mendicantes, instruindo-as no caminho da vida e da salvação; como se tivéssemos tomado conta apenas das almas dos ricos! Ai! Do que devemos nos orgulhar? É do nosso corpo? Por que, não é feito dos materiais semelhantes como os brutos; e não deve em breve ser tão repugnante e abominável como uma carcaça? É das nossas graças? Por que, quanto mais nos orgulhamos deles, menos temos que nos orgulhar. Quando muito da natureza da graça consiste em humildade, é um grande absurdo ter orgulho disso. É do nosso conhecimento e aprendizado? Por que, se temos algum conhecimento, precisamos saber quantas razões temos para sermos humildes; e se sabemos mais que os outros, precisamos conhecer mais razões do que os outros para sermos humildes. Quão pouco é o que os mais instruídos sabem, em comparação àquilo de que são ignorantes! Para saber que as coisas estão além do seu alcance, e para saber o quão ignorante você é, alguém poderia pensar que não deveria ser uma grande causa de orgulho. No entanto, os demônios não sabem mais do que você? E você vai se orgulhar disso em que os demônios se destacam? Nosso negócio é ensinar a grande lição de humildade a nosso povo; e quão inadequado, então, é que devemos nos orgulhar de nós mesmos? Precisamos estudar humildade e pregar humildade; e não devemos possuir e praticar a humildade? Um orgulhoso pregador da humildade é pelo menos um homem condenável. Que triste caso, que um pecado tão vil não é mais facilmente discernido por nós, mas muitos que são mais orgulhosos, podem culpar os outros, e ainda assim não dar atenção a isso em si mesmos! O mundo toma conhecimento de alguns entre nós, que eles têm mentes aspirantes, e buscam o quarto mais alto, e devem ser os governantes, e suportam a influência onde quer que cheguem, ou então não há como viver ou agir com eles. Em qualquer consulta, eles não vêm para buscar a verdade, mas para ditar aos outros, que, talvez, estejam aptos a ensiná-los. Em suma, eles têm espíritos arrogantes e dominadores, que o mundo toca e, no entanto, eles não verão isso em si mesmos!

Irmãos, desejo lidar de perto com meu próprio coração e com o seu. Suplico-lhe que considere se isso nos salvará a falar bem da graça da humildade enquanto não a possuímos, ou a falar contra o pecado do orgulho enquanto nos entregamos a ele? Muitos de nós não nos perguntam com diligência, se a sinceridade consistirá em tal medida de orgulho como sentimos. Quando estamos dizendo ao bêbado que ele não pode ser salvo a menos que ele se torne moderado, e o fiscal de que ele não pode ser salvo a menos que ele se torne casta, não temos como grande razão, se formos orgulhosos, dizer a nós mesmos que nós não pode ser salvo a menos que nos tornemos humildes. O orgulho, na verdade, é um pecado maior do que a embriaguez ou a prostituição; e a humildade é tão necessária quanto a sobriedade e a castidade. Verdadeiramente, irmãos, um homem pode tão certamente, e mais astutamente, se apressar para o inferno, no caminho da pregação sincera do evangelho, e aparente zelo por uma vida santa, como em um modo de embriaguez e imundícia. Pois o que é santidade, mas um devotamento a Deus e uma vida para ele? e o que é um estado condenável, mas uma dedicação ao eu carnal e uma vida para nós mesmos? E quem vive mais para si mesmo, ou menos para Deus, do que o homem orgulhoso? E não se orgulhe de fazer um pregador estudar por si mesmo e orar e pregar, e viver para si mesmo, mesmo quando ele parece superar os outros no trabalho? Não é o trabalho sem o princípio e o fim corretos que nos provarão corretamente. O trabalho pode ser de Deus e, no entanto, podemos fazê-lo, não por Deus, mas por nós mesmos. Eu confesso que sinto tal perigo contínuo neste ponto, que se eu não assistir, para que eu não estude por mim mesmo, e pregue para mim mesmo, e escreva para mim mesmo, ao invés de para Cristo, eu deveria em breve abortar; e afinal, eu não me justifico quando devo condenar o pecado. Considere, peço-lhe, irmãos, que iscas existem na obra do ministério, para atrair um homem ao egoísmo, mesmo nas mais elevadas obras de piedade. A fama de um homem piedoso é uma armadilha tão grande quanto a fama de um homem instruído. Mas ai daquele que toma a fama da piedade em lugar da piedade! Em verdade vos digo que eles têm a sua recompensa. Quando os tempos eram todos para aprendizado e formalidades vazias, a tentação dos soberbos ficava assim. Mas agora, quando, através da inefável misericórdia de Deus, a pregação prática mais viva é creditada, e a piedade em si é creditada, a tentação dos orgulhosos é fingir ser pregadores zelosos e homens piedosos. Oh, que coisa boa é que as pessoas se aglomerem para nos ouvir, e afetadas com o que dizemos, e cedendo a nós seus julgamentos e afeições! Que coisa mais importante é que seja clamado como o homem mais hábil e mais nobre do país, para ser famoso na terra pelas mais altas excelências espirituais! Ai, irmãos, um pouco de graça combinada com tais incentivos, servirá para fazer com que vocês se unam com os mais avançados, promovendo a causa de Cristo no mundo. Não, o orgulho pode fazer isso sem graça especial.

Oh, portanto, tenha ciúmes de si mesmos; e, em meio a todos os seus estudos, não deixe de estudar a humildade. "Aquele que se exalta será humilhado, e aquele que se humilha será exaltado." Eu comumente observo que quase todos os homens, sejam bons ou maus, detestam os orgulhosos e amam os humildes. Até agora, na verdade, o orgulho contradiz a si mesmo, que, consciente de sua própria deformidade, muitas vezes toma emprestada a vestimenta caseira da humildade. Temos mais motivos para ter ciúmes disso, porque é um pecado profundamente enraizado em nossa natureza e tão dificilmente extirpado da alma.

2. Não nos apresamos tão seriamente, sem reservas e laboriosamente na obra do Senhor, como homens de nossa profissão e compromissos. Eu abençoo o Senhor que existem tantos que fazem este trabalho com todas as suas forças. Mas, ai de mim! quão imperfeitamente e com que negligência fazem mais, mesmo daqueles que tomamos por ministros piedosos, passam pelo seu trabalho! Como poucos de nós nos comportamos em nosso ofício, como homens totalmente devotados e que consagraram tudo o que têm para o mesmo fim! E porque você verá meus motivos para essa confissão, mencionarei alguns exemplos de nossa negligência pecaminosa.

(1) Se fôssemos devotadamente dedicados ao nosso trabalho, não deveríamos ser tão negligentes em nossos estudos. Poucos homens sentem as dores que são necessárias para a correta informação de sua compreensão e os ajustam para o trabalho posterior. Alguns homens não têm prazer em seus estudos, mas levam apenas de vez em quando uma hora, como uma tarefa indesejada pela qual são forçados a se submeter, e ficam contentes quando estão sob o jugo. Nem o desejo natural de conhecimento, nem o desejo espiritual de conhecer a Deus e as coisas divinas, nem a consciência de nossa grande ignorância e fraqueza, nem o sentido do peso de nossa obra ministerial - nenhuma dessas coisas nos manterá mais perto de nós. nossos estudos, e nos tornam mais dolorosos em busca da verdade? Ó que abundância de coisas existem que um ministro deve entender! e que grande defeito é ser ignorante deles! e quanto vamos perder esse conhecimento em nosso trabalho! Muitos ministros estudam apenas para compor seus sermões, e muito pouco mais, quando há tantos livros para serem lidos, e tantos assuntos com os quais não devemos nos desinteressar. Não, no estudo de nossos sermões, somos negligentes demais, reunindo apenas algumas verdades nuas, e não considerando as expressões mais forçadas pelas quais podemos colocá-las em casa para a consciência e o coração dos homens. Devemos estudar como convencer e penetrar nos homens, e como trazer cada verdade às pressas, e não deixar tudo isso para nossa prontidão extemporânea, a menos que seja necessário. Certamente, irmãos, a experiência lhe ensinará que os homens não são instruídos ou sábios sem estudo duro e trabalho e experiência incansáveis.

(2) Se fôssemos entusiasticamente dedicados ao nosso trabalho, seria feito com mais vigor e mais seriedade do que a maioria de nós. Quão poucos ministros pregam com todas as suas forças, ou falam de alegrias eternas e tormentos eternos de tal maneira que possam fazer os homens acreditarem que estão em bom juízo! Faria o coração do homem doer, ver uma companhia de pecadores mortos e sonolentos sentados debaixo de um ministro, e não ouvir uma palavra que possa apressar ou despertar eles. Ai! nós falamos tão sonolentos e tão suavemente, que os pecadores sonolentos não podem ouvir. O golpe cai tão leve que os pecadores de coração duro não podem sentir. A maioria dos ministros não vai tanto quanto exercer sua voz, e se levantar para uma expressão sincera. Mas se eles falam alto e sinceramente, quão poucos respondem com peso e seriedade da matéria! E, no entanto, sem isso, a voz é pouco boa; as pessoas o estimam, mas meramente choram quando a matéria não corresponde. Sofreria ao coração ouvir a excelente doutrina que alguns ministros têm em mãos, enquanto deixam que ela morra em suas mãos por falta de aplicação próxima e viva; Que matéria cabe para convencer os pecadores, e quão pouco eles fazem dela; que bem eles poderiam fazer se o colocassem em casa, e ainda assim não podem ou não farão isso.

Ó senhores, quão claro, quão de perto, quão sinceramente, deveríamos entregar uma mensagem de um momento como o nosso, quando a vida eterna ou morte eterna de nossos semelhantes está envolvida nisso! Parece-me que não estamos em nada tão carente como nesta seriedade; no entanto, não há nada mais inadequado para tal negócio do que ser leve e aborrecido. O que! falar friamente para Deus e para a salvação dos homens? Podemos acreditar que nosso povo deve ser convertido ou condenado, e ainda assim falar em tom sonolento? Em nome de Deus, irmãos, trabalhem para despertarem seus próprios corações, antes de irem ao púlpito, para que estejam aptos a despertar o coração dos pecadores. Lembre-se de que eles devem ser despertados ou amaldiçoados, e que um pregador sonolento dificilmente despertará sonolentos pecadores. Embora você dê às coisas sagradas de Deus os maiores louvores em palavras, ainda assim, se fizer isso com frieza, parecerá, pela sua maneira, desdobrar o que disse no assunto. É um tipo de desprezo de grandes coisas, especialmente de coisas tão grandes, falar delas sem muita afeição e fervor. A maneira, assim como as palavras, devem defini-las. Se somos comandados, "Tudo o que a tua mão achar fazer, faça-o com toda a tua força", então certamente uma obra como a pregação para a salvação dos homens deve ser feita com toda a nossa força. Mas, infelizmente, quão poucos são esses homens! É apenas aqui e ali, mesmo entre bons ministros, que encontramos alguém que tem um modo sincero, persuasivo e poderoso de falar, que as pessoas podem senti-lo pregar quando o ouvem.

Embora eu não te mova para um volume constante em sua entrega (pois isso tornará seu fervor desprezível), mas veja que você tem uma seriedade constante; e quando o assunto o exigir (como deveria, pelo menos na aplicação), então levante sua voz e não poupe seus espíritos. Fale com seu povo quanto aos homens que devem ser despertados, seja aqui ou no inferno. Olhe ao seu redor com os olhos da fé e com compaixão, e pense em que estado de alegria ou tormento eles devem ser para sempre; e então, parece-me, isso fará com que você seja sincero e derreta seu coração para sentir sua condição. Oh, não fale uma palavra fria ou descuidada sobre um negócio tão grande quanto o céu ou o inferno. Faça o que fizer, deixe que as pessoas vejam que você está bem sincero. Verdadeiramente, irmãos, eles são grandes obras a serem feitas, e você não deve pensar que insignificantes irão despachá-las. Você não pode quebrar o coração dos homens brincando com eles, ou contando-lhes uma história suave, ou pronunciando uma oração espalhafatosa. Os homens não rejeitarão seus prazeres mais queridos diante do pedido sonolento de alguém que parece não querer dizer quando fala, ou de se importar muito com a possibilidade de seu pedido ser concedido ou não. Se você disser que o trabalho é de Deus, e ele pode fazê-lo pelos meios mais fracos, eu respondo: é verdade, ele pode fazê-lo; mas, ainda assim, seu modo comum é trabalhar por meios e fazer não apenas a matéria que é pregada, mas também a maneira de pregar instrumentos para a obra.

Com a maioria de nossos ouvintes, a própria pronúncia e tom de fala é um grande ponto. A melhor matéria dificilmente os moverá, se não for entregue de forma comovente. Veja, especialmente, que não há afetação, mas que você fala tão familiarmente a eles como você faria, se você estivesse falando com algum deles pessoalmente. A falta de um tom e expressão familiares é uma grande falha na maioria das nossas entregas, e naquilo que devemos ter muito cuidado em emendar. Quando um homem tem um tom de leitura ou declamação, como um menino de escola dizendo sua lição, ou repetindo uma oração, poucos ficam comovidos com qualquer coisa que ele diga. Vamos, portanto, despertar-nos para a obra do Senhor, e falar para o nosso povo quanto às suas vidas, e salvá-los como por violência, "puxando-os para fora do fogo." Satanás não será encantado com sua posse devemos sitiar as almas dos pecadores, que são sua guarnição, e descobrir onde está sua principal força, e colocar a bateria da munição de Deus contra ela, e aproximar-se dela, até que uma brecha seja feita; e então não os sofram por seus turnos para consertá-lo novamente. Como temos criaturas razoáveis ​​para lidar, e como eles abusam da razão deles contra a verdade, devemos ver que nossos sermões são todos convincentes, e que nós fazemos a luz da Escritura e da Razão brilhar tanto nos rostos dos ímpios, que pode até forçá-los a ver, a menos que eles fechem os olhos intencionalmente. Um sermão cheio de meras palavras, quão perfeitamente ele é composto, enquanto quer a luz da evidência, e a vida de zelo, é apenas uma imagem ou uma carcaça bem vestida.

Na pregação, há uma comunhão de almas e uma comunicação um pouco da nossa com a deles. Como nós e eles temos entendimentos, vontades e afeições, assim também devemos nos esforçar para comunicar a mais completa luz da evidência de nossos entendimentos para os deles, e aquecer seus corações, acendendo neles afeições santas, como por um comunicador. - nicação da nossa. As grandes coisas que temos que recomendar aos nossos ouvintes têm razão suficiente a seu favor e permanecem claras diante deles na Palavra de Deus. Devemos, portanto, ser providos de todo tipo de evidência, para que possamos chegar com uma torrente sobre seus entendimentos, e com nossos raciocínios e expulsoes para envergonhar todas as suas vãs objeções, e suportar tudo diante de nós, que eles pode ser forçado a ceder ao poder da verdade.

(3) Se formos entusiasticamente dedicados à obra de Deus, por que não devemos compadecer as pobres congregações desprovidas ao nosso redor, e ter o cuidado de ajudá-las a encontrar ministros capazes? e, nesse meio tempo, sair de vez em quando para sua assistência, quando o negócio de nossa carga em particular nos der licença? Um sermão nos lugares mais ignorantes, propositadamente para o trabalho de conversão, ministrado pelos pregadores mais vivos e poderosos, pode ser uma grande ajuda onde os meios constantes são necessários.

3. Outra triste constatação de que não nos dedicamos tanto e tudo o que temos ao serviço de Deus como devemos, é nossa consideração predominante aos nossos interesses mundanos em oposição ao interesse e obra de Cristo. Isto eu manifestarei em três instâncias:

(1) O temporizador dos ministros. Eu não teria nenhum para ser contencioso com aqueles que os governam, nem para ser desobediente a qualquer um de seus comandos legais. Mas não é a menor censura dos ministros, que a maioria deles, por vantagens mundanas, sempre se adequa ao partido que tem maior probabilidade de promover seus fins. Se eles procuram por vantagens seculares, eles se adequam ao poder secular; se para aplausos populares, eles se adequam à festa da Igreja que mais merece crédito. Isso ai! é uma doença epidêmica. Nos dias de Constantino, quão predominantes eram os ortodoxos! Nos dias de Constâncio, quase todos se tornaram arianos, de modo que havia muito poucos bispos que não apostatassem ou traíssem a verdade, mesmo dos homens que haviam estado no Concílio de Niceia. De fato, quando caiu não só Libério, mas o próprio grande Ossius, que tinha sido o presidente em tantos conselhos ortodoxos, o melhor que se poderia esperar de homens fracos se não fosse por uma vantagem secular, como deveria acontecer que ministros em todos os países do mundo, ou são todos, ou quase todos, da religião que mais tem crédito, e mais consistente com seus interesses mundanos? Entre os gregos, eles são todos da profissão grega: entre os papistas, eles são quase todos papistas: na Noruega, Suécia e Dinamarca, eles são quase todos luteranos: e assim em outros países. É estranho que eles estejam todos certos em um país, e todos errados em outro, se as vantagens carnais não influenciarem muito os homens, quando se empenham na busca da verdade. A variedade de intelecto, e inúmeras outras circunstâncias, inevitavelmente ocasionariam uma grande variedade de opiniões sobre vários pontos.

Mas deixe o príncipe, e o fluxo de homens no poder, seguir um caminho, e você terá a generalidade dos ministros concordando com eles a um cabelo, e isso sem qualquer busca extraordinária. Como geralmente os tipos comuns de ministros mudaram sua religião com o príncipe, em várias ocasiões, nesta terra! Nem todos, de fato, como o nosso Martirológio pode testemunhar, mas ainda o mais. E a mesma enfermidade tratável ainda nos segue; para que nossos inimigos digam que a reputação e a preferência são nossa religião e nossa recompensa.

(2) Nós nos importamos demais com coisas mundanas e nos afastamos de deveres que prejudicam ou atrapalham nossos interesses temporais. Quão comum é para os ministros se afogarem nos negócios mundanos! Muitos são, como queriam os sectários, que nos dizem que devemos ir ao arado e trabalhar para o nosso sustento e pregar sem muito estudo. Esta é uma lição que é facilmente aprendida. Os homens não demonstram ansiedade para abandonar o cuidado, para que suas próprias almas e a Igreja possam ter todo o cuidado.

E, especialmente, quão comumente esses deveres são negligenciados, que provavelmente, se realizados, diminuem nossas propriedades! Não são muitos, por exemplo, que não ousam, isto não, estabelecer o exercício da disciplina em suas igrejas, porque isso pode impedir que as pessoas lhes paguem suas dívidas? Eles não ofenderão os pecadores com disciplina, para não os ofenderem em suas propriedades. Acho que o dinheiro é um argumento muito forte para alguns homens responderem, que ainda pode proclamar "o amor por ele como a raiz de todo mal", e pode fazer longas orações sobre o perigo da cobiça. No momento, não direi nada a eles, mas a seguinte: Se era um pecado tão mortal em Simão Mago oferecer-se para comprar o presente de Deus com dinheiro, o que é vender seu presente, sua causa e as almas dos homens por dinheiro? E que razão devemos temer, para que nosso dinheiro não pereça conosco?

(3) Nossa aridez em obras de caridade e em melhorar tudo o que temos para o serviço de nosso Mestre. Se o interesse mundano não prevalecesse muito contra o interesse de Cristo e da Igreja, seguramente a maioria dos ministros seria mais frutífera em boas obras, e revelaria mais o que eles têm para a sua glória.

A experiência provou plenamente que as obras de caridade removem de maneira mais poderosa o preconceito e abrem o coração a palavras de piedade. Se os homens perceberem que você é viciado em fazer o bem, eles acreditarão mais facilmente que você é bom e que é bom persuadi-los a fazê-lo. Quando eles vêem que você os ama e busca o bem deles, eles irão mais facilmente confiar em você. E quando eles vêem que você não busca as coisas do mundo, eles menos suspeitarão de suas intenções, e mais facilmente serão atraídos por você para buscar o que você procura. Oh, quanto bem os ministros podem fazer, se eles se colocassem totalmente para fazer o bem, e dedicariam todas as suas faculdades e substância para esse fim! Não digas que é uma pequena questão fazer o bem aos corpos dos homens, e que isso apenas os vencerá a nós e não a Deus; pois é o preconceito que é um grande obstáculo à conversão dos homens, e isso ajudará a removê-lo. Poderíamos fazer mais bem aos homens, se estivessem dispostos a aprender de nós; e isso os tornará dispostos e, então, nossa diligência adicional poderá beneficiá-los. Suplico-lhe, irmãos, não pensem que é a caridade comum que se espera de você, mais do que a piedade comum. Você deve, em proporção aos seus talentos, ir muito além dos outros. Não basta dar um pouco para um homem pobre: ​​os outros fazem isso tão bem quanto você. Mas que coisa singular você faz com suas propriedades para o serviço de seu Mestre? Eu sei que você não pode dar aquilo que você não tem; mas parece que tudo o que você tem deveria ser dedicado a Deus. Sei que a grande objeção é: "Temos uma esposa e filhos para prover: um pouco não os servirá no presente, e não somos obrigados a deixá-los mendigos". A isso eu respondo:

[a] Há poucos textos das Escrituras mais usados ​​do que os do apóstolo, 'Aquele que não provê para os seus próprios, e especialmente para os da sua própria casa, tem negado a fé, e é pior do que um infiel'. fingiu-se por reunir porções e prover uma propriedade plena para a posteridade, quando o apóstolo só falou contra aqueles que lançaram suas famílias e parentes pobres na Igreja, para serem mantidos fora do estoque comum, quando eles puderam fazer ele mesmo; como se alguém que tem uma viúva em sua casa que é sua mãe ou filha, e que ela fosse mantida pela paróquia, quando ele próprio tem o suficiente. As seguintes palavras mostram que está presente a provisão, e não as porções futuras, de que o apóstolo fala, quando ele ordena que as viúvas as aliviem, e que a igreja não seja carregada, para que possa socorrer as viúvas de fato.'

[b] Você pode educar seus filhos da mesma forma que outras pessoas, para que eles possam ganhar seu próprio sustento por meio de algum comércio ou emprego honesto, sem outras grandes provisões. Sei que sua caridade e cuidado devem começar em casa, mas não deve terminar aí. Você é obrigado a fazer o melhor que puder para educar seus filhos, para que eles sejam capazes de ser mais úteis a Deus, mas não para deixá-los ricos, nem para evitar outras obras necessárias de caridade, apenas para fazer uma provisão maior para eles. eles. Deve haver alguma proporção entre a provisão que fazemos para nossas famílias e para a Igreja de Cristo. Um coração verdadeiramente caridoso e abnegado, que se devotou a si mesmo, e tudo o que tem, a Deus, seria o melhor juiz das devidas proporções, e veria qual caminho de despesas provavelmente faria a Deus o maior serviço, e que maneira que levaria.

[c] Confesso que não teria homens que ficassem muito tempo sob tentações para a incontinência, para que não se ferissem e fizessem profissão por causa de suas quedas. Mas, ainda assim, parece difícil que os homens não façam mais para mortificar a concupiscência da carne, para que possam viver em uma única condição, e não tenham nenhuma dessas tentações da esposa e filhos, para impedi-los de favorecer seus fins ministeriais por caridade. trabalho. Se aquele que não se casa melhor do que aquele que se casa, certamente os ministros devem trabalhar para fazer o que é melhor. E se ele puder "receber este ditado", deve recebê-lo, devemos nos empenhar depois dele. Este é um dos pontos mais altos da política romanista, que alega que é dever dos bispos, dos padres e de outras ordens religiosas não se casar, pelo que não têm posteridade para drenar as receitas da igreja, nem para aceitar seu cuidado; mas eles fazem com que a causa pública seja de seu interesse, e se estabelecem enquanto vivem, e deixam tudo o que têm quando morrem. É uma pena que, por uma causa melhor, não possamos mais imitá-los na autonegação, onde isso poderia ser feito.

[d] Mas aqueles que devem se casar devem tomar os que puderem manter a si mesmos e seus filhos, ou mantê-los no ritmo que seus meios temporais permitirem, e dedicar o máximo que puderem aos serviços da igreja para o serviço da igreja.

Eu não colocaria homem em extremos. Mas, neste caso, a carne e o sangue fazem até os homens bons tão parciais, que assumem seus deveres e deveres de grande valor e peso, para serem extremos. Se as vaidades mundanas não nos cegassem, poderíamos ver quando um público, ou outro bem maior, nos chama a negar a nós mesmos e a nossas famílias. Por que não deveríamos viver mais e mais pobres no mundo do que deixar aquelas obras por fazer, que podem ser mais úteis do que nossa oferta abundante? Mas nós nos consultamos em pontos de dever com carne e sangue; e que conselho nos dará, podemos facilmente saber. Nos dirá que precisamos ter uma competência; e a competência de muitos homens piedosos é apenas um pouco abaixo das taxas do rico na parábola (Lucas 16:19). Se eles não forem vestidos da melhor maneira e "suntuosamente suntuosamente todos os dias", eles não têm competência. Um homem que prega uma coroa imortal, não deve procurar muito depois da vaidade transitória. E aquele que prega o desprezo das riquezas deveria ele próprio desprezá-las e mostrá-las pela sua vida. E aquele que prega abnegação e mortificação deve praticar estas virtudes aos olhos daqueles a quem ele prega, se quiser que sua doutrina creia. Todos os cristãos são santificados; e, portanto, eles mesmos, e tudo o que eles têm, são consagrados "ao uso do Mestre". Mas os ministros são duplamente santificados: eles são devotados a Deus, tanto como cristãos quanto como ministros; e, portanto, são duplamente obrigados a honrá-lo com tudo o que possuem. Oh, irmãos, que abundância de boas obras estão diante de nós, e quão poucas delas colocamos nossas mãos! Eu sei que o mundo espera mais de nós do que nós; mas se não pudermos responder às expectativas do irracional, façamos o que pudermos para responder às expectativas de Deus e da consciência e de todos os homens justos. "Esta é a vontade de Deus, que com o bem fazer devemos colocar em silêncio a ignorância de homens tolos." Aqueles ministros especialmente, que têm rendimentos maiores, devem ser maiores em fazer o bem. Eu darei apenas uma instância neste momento. Há alguns ministros que têm cento e cinquenta, duzentas ou trezentas libras ao ano de salário, e têm paróquias tão grandes, que não podem fazer um quarto do trabalho ministerial, nem uma vez em um ano lidar pessoalmente com metade de seu povo para a instrução deles, e ainda assim eles se contentarão com a pregação pública, como se isso fosse tudo o que fosse necessário, e deixassem quase todo o resto desfeito, para o eterno perigo ou condenação de multidões, ao invés de manter uma. ou dois homens diligentes para ajudá-los. Ou, se eles têm um assistente, é apenas um jovem que está mal qualificado para o trabalho, e não alguém que, fiel e diligentemente, cuide do rebanho, e lhes dê essa instrução pessoal que é tão necessária. Se isto não estiver servindo a Deus, e vendendo as almas dos homens para nossa manutenção mais completa no mundo, o que é? Parece-me que tais homens devem temer que, embora sejam considerados excelentes pregadores e ministros piedosos pelos homens, eles devem ser considerados cruéis assassinos da alma por Cristo; e para que os clamores das almas que eles traíram à condenação, soem em seus ouvidos para todo o sempre. A pregação de um bom sermão servirá ao turno, enquanto você nunca olhará mais para eles, mas negará a eles uma ajuda mais próxima que seja necessária, e alienará essa manutenção à sua própria carne, que deve proporcionar alívio para tantas almas? Como você pode abrir suas bocas contra os opressores, quando vocês são tão grandes opressores, não apenas dos corpos dos homens, mas de suas almas? Como você pode pregar contra a inocência, enquanto você é tão impiedoso? E como você pode falar contra ministros infiéis, enquanto você é tão infiel? O pecado não é pequeno porque não é observado, e não é odioso aos olhos dos homens, ou porque a caridade que você retém é tal como as pessoas não culpam você pela retenção. O próprio Satanás, seu maior inimigo, tem seu consentimento o tempo todo na obra de sua perdição. Não é extenuante, portanto, do seu pecado, que você tenha o seu consentimento: para que você possa ter mais cedo para a sua dor eterna do que para o seu bem eterno.

E agora, senhores, peço-lhe que leve em consideração o que foi dito; e vejam se este não é o grande e lamentável pecado dos ministros do evangelho, que eles não sejam totalmente devotados a Deus, e não entreguem a si mesmos, e tudo o que eles têm, para continuar a obra abençoada que eles têm empreendida; e se a carne agradar, e auto-busca, e um interesse distinto do de Cristo, não nos fazem negligenciar muito do nosso dever, e servir a Deus na parte mais barata e mais aplaudida de sua obra, e retirar-se daquilo que nos sujeitar a custos e sofrimentos? E se isto não mostra, que muitos de nós somos terrestres que parecem ser celestiais, e se importam com as coisas abaixo, enquanto eles pregam as coisas acima, e idolatram o mundo enquanto eles chamam os homens para o desprezarem? E como Salvian diz: "Ninguém negligencia a salvação mais do que aquele que prefere algo acima de Deus": Os que desprezam a Deus são os que desprezam a própria salvação.

4. Estamos tristemente culpados de desvalorizar a unidade e a paz de toda a Igreja. Embora eu dificilmente encontre alguém que não fale pela unidade e pela paz, ou, pelo menos, que fale expressamente contra ela, ainda assim não é comum encontrar-se com aqueles que são estudiosos para promovê-la; mas também comumente encontramos homens avessos a isso e invejosos, se não forem eles mesmos os instrumentos da divisão. Os papistas há muito abusam do nome da Igreja católica, que, em oposição a eles, muitos ou o colocam fora de seus credos, ou apenas retêm o nome enquanto não compreendem, ou não consideram a natureza da coisa; ou pense que é suficiente acreditar que existe tal corpo, embora eles próprios não se comportem como membros dele. Se os papistas idolatrarem a Igreja, devemos, portanto, negá-la, desconsiderá-la ou dividi-la? É um pecado grande e comum em todo o mundo cristão, assumir a religião como uma facção; e, em vez de um amor e carinho da Igreja universal, confinar esse amor e respeito a uma festa. Não apenas que devemos preferir, em nossa opinião e comunhão, as partes mais puras diante do impuro, e recusar-se a participar com qualquer um em seus pecados; contudo, a parte mais enferma e doente deve ser compassiva e auxiliada ao máximo de nosso poder; e a comunhão deve ser mantida na medida do que é lícito, e em nenhum lugar evitado, mas na urgência da necessidade; como devemos amar aqueles de nosso bairro que têm a praga ou a lepra, e proporcionar-lhes todo o alívio que pudermos, e reconhecer todas as nossas relações justas com eles, e nos comunicar a eles, embora possamos não ter comunhão local com eles; e em outras doenças que não são tão contagiosas, podemos estar mais com elas por sua ajuda, por quanto mais elas precisam.

Da multidão que dizem ser da Igreja católica, é raro encontrar homens de espírito católico. Os homens não têm uma consideração universal e respeito a toda a Igreja, mas olham para seu próprio partido como se fosse o todo. Se houver alguns luteranos chamados, alguns calvinistas, algumas divisões subordinadas entre estes, e assim de outros partidos entre nós, a maioria deles orará muito pela prosperidade de seu partido, e se alegrará e agradecerá quando tudo correr bem com eles; mas se qualquer outra parte sofre, pouco a consideram, como se não fosse perda para a Igreja. Se é a menor parcela que não possui muitas nações, não, nem cidades na terra, elas estão prontas para carregá-la, como se fossem toda a Igreja, e como se ela fosse bem com a Igreja quando ela vai bem com elas. Nós clamamos o Papa como Anticristo, por incluir a Igreja no pálido romanista, e sem dúvida, mas é um cisma abominável: mas, ai de mim! quantos os imitam muito longe, enquanto os reprovam! E como os papistas impõem a palavra Roman em seu credo, e transformam a igreja católica na igreja católica romana, como se não houvesse outros católicos, e a Igreja não fosse de maior extensão, assim como muitos outros sobre seus vários católicos. festas. Alguns terão que ser a igreja católica luterana, e alguns a igreja católica reformada; alguns a igreja católica anabatista, e assim de alguns outros. E se eles não diferem entre si, eles são pouco perturbados em diferir dos outros, embora seja de quase todo o mundo cristão. A paz do seu partido eles levam para a paz da Igreja. Não é de admirar, portanto, que eles não levem mais adiante.

Quão raro é encontrar-se com um homem que aja ou sangre com as feridas da Igreja, ou as tome com sensatez ao coração como as suas, ou que alguma vez tenha tido pensamentos solícitos de uma cura! Não; mas quase todas as partes pensam que a felicidade do resto consiste em voltar-se para elas; e porque eles não são da sua mente, eles choram, Abaixo com eles! e estão contentes de ouvir sobre sua queda, pensando que esse é o caminho para o surgimento da Igreja, isto é, o seu próprio. Quão poucos são os que entendem o verdadeiro estado das controvérsias entre as várias partes; ou que sempre discerniu quantos deles são verbais, e quantos são reais! E se aqueles que o compreendem o fazem, para corrigir a informação e a acomodação, revelá-lo aos outros, é considerado como uma extenuação do erro deles e como um cumprimento carnal deles em seus pecados. Poucos homens se tornam zelosos pela paz até que envelheçam ou têm muita experiência com os espíritos e princípios dos homens, e enxergam melhor o verdadeiro estado da Igreja e as várias diferenças do que antes. E então eles começam a escrever seus Irenicons, e muitos desses existem até hoje. Como um jovem no calor de sua luxúria e paixão foi julgado como um auditor não apto da filosofia moral, assim descobrimos que aqueles mesmos jovens que são zelosos pela paz e unidade, quando são mais experientes, são zelosos suas facções contra estes em seu calor juvenil. E, portanto, tais pacificadores, como estes antes mencionados, raramente fazem bem maior do que calar suas próprias consciências no cumprimento de tão grande dever, e moderar alguns poucos, e salvá-los de mais culpa, e deixam para trás, quando estão mortos, uma testemunha contra um mundo voluntarioso, autocontido e não-pacífico. Mais do que isso, comumente traz um homem sob suspeita de favorecer alguma heresia ou diminuir seu zelo, se ele tentar fazer um trabalho pacífico. Como se não houvesse zelo necessário para as grandes verdades fundamentais da unidade e paz da Igreja, mas apenas para os partidos e algumas verdades particulares. E uma grande vantagem, o diabo, tem sido assim, empregando seus próprios agentes, os infelizes socinianos, ao escrever tantos tratados de unidade e paz católica e arco-católica, que eles fizeram para seus próprios fins; o que significa que o inimigo da paz o realizou, que aquele que faz o movimento pela paz está presentemente sob suspeita de ser alguém que precisa dele para uma indulgência aos seus próprios erros. Um caso temeroso, que a heresia deveria ser creditada, como se ninguém fosse tão amigo da unidade e da paz como eles; e que um dever tão grande e necessário, do qual depende o bem-estar da Igreja, seja levado a tal suspeita ou desgraça. Irmãos, não falo tudo isso sem razão aparente. Temos como tristes divisões entre nós na Inglaterra, considerando a piedade das pessoas e a pequenez da questão de nossa discórdia, como a maioria das nações debaixo do céu já conheceu. O máximo que nos mantém em desacordo é apenas a forma e ordem certas do governo da Igreja. A distância é tão grande que presbiterianos, episcopais e independentes podem não ser bem aceitos? Se estivessem mas sinceramente dispostos e prontos para a paz, eles poderiam. Eu sei que eles podem. Falei com alguns homens moderados de todos os partidos e percebo, por suas concessões, que era um trabalho fácil. Se os corações dos homens fossem sensatos em relação ao caso da Igreja, e sincera- mente tocados de amor uns pelos outros, e se eles apenas se empenharam em buscá-lo, o estabelecimento de uma paz segura e feliz foi uma tarefa fácil. Se não pudéssemos, em todos os pontos, concordar, poderíamos facilmente estreitar nossas diferenças e manter a comunhão no nosso acordo principal; determinar o caminho mais seguro para administrar nossos poucos e pequenos desacordos, sem o perigo ou problema da Igreja. Mas isso é muito feito? Isso não é feito. Para a vergonha de todos os nossos rostos, seja falado, não é feito. Que cada uma das partes se lisonjeie agora como quiserem, será registrada para a vergonha do ministério da Inglaterra enquanto o evangelho permanecer no mundo.

E oh, que agravos hediondos acompanham este pecado! Nunca os homens, desde os dias dos apóstolos, creio, fizeram maior profissão de piedade. A maioria deles está vinculada a juramentos e convênios solenes, por unidade e reforma: todos eles confessam o valor da paz, e a maioria deles pregará por ela, e falará por ela, enquanto ainda se sentam e negligenciam, como se não valeu a pena cuidar. Eles lerão e pregarão aqueles textos que nos ordenam a 'seguir a paz com todos os homens' e 'tanto quanto em nós, a viver pacificamente com eles', e ainda assim eles estão tão longe de segui-lo, e fazendo tudo o que eles fazem. possivelmente pode, para isso, que muitos gritam com isso, e difamam e censuram qualquer que se esforce para promovê-lo; como se todo o zelo pela paz procedesse de uma redução do nosso zelo pela santidade; e como se a santidade e a paz estivessem tão desfeitas, não havia como reconciliá-las: quando ainda se descobriu, por longa experiência, que a concórdia é um amigo seguro da piedade, e a piedade sempre se move para a concordância; enquanto, por outro lado, erros e heresias são criados pela discórdia, pois a discórdia é criada e alimentada por eles. Vimos, para nossa tristeza, que onde os servos de Deus deveriam ter vivido juntos como um - de um só coração, e uma alma e um lábio - e deveriam ter promovido a fé e a santidade um do outro, e admoestado e ajudado um ao outro contra pecamos e nos regozijamos juntos na esperança da glória futura; pelo contrário, vivemos em ciúmes mútuos, e afogamos o amor santo em contendas amargas, e estudamos para desgraçar e minar uns aos outros, e para aumentar nossos próprios partidos por direito ou errado. Nós, que estávamos acostumados a gloriar nosso amor aos irmãos como uma marca de nossa sinceridade na fé, agora o transformamos no amor de uma única festa; e aqueles que são contra esse partido têm mais do nosso baço e inveja e malícia do que o nosso amor. Eu sei que isto não é assim com todos, nem predominantemente com qualquer verdadeiro crente; mas, no entanto, é tão comum que pode nos levar a questionar a sinceridade de muitos que são, por si mesmos e por outros, os mais sinceros. E não somos nós mesmos que estamos chamuscados nesta chama, mas atraímos o nosso povo para dentro dele, e os amamos nele, de modo que a maioria dos piedosos da nação são divididos em festas e transformaram grande parte de sua antiga piedade. em opiniões vãs e disputas e invejas e animosidades. Sim, ao passo que era costume tornar-se a marca certa de um infeliz sem graça para ridicularizar os piedosos, quão poucos estão lá agora que ficam ridicularizando secretamente aqueles que não são de suas opiniões! Um piedoso homem Prelático pode reverentemente ridicularizar e difamar um presbiteriano; e um presbiteriano, um independente; e um independente ambos. E, o que é o pior de tudo, as pessoas ignorantes comuns tomam conhecimento de tudo isso, e não apenas nos ridicularizam, mas são endurecidas por nós contra a religião; e quando vamos persuadi-los a ser religiosos, eles vêem tantas festas, que não sabem a quem ingressar; e pense que é tão bom não ser de nenhum, como de qualquer, pois são incertos o que é certo; e assim milhares são transformados em desprezo por toda religião, por nossas divisões; e muitos pobres coitados carnais começam a pensar em si mesmos no melhor caso dos dois, porque eles mantêm suas antigas formalidades, quando não nos apegamos a nada. Sei que alguns desses homens são instruídos e reverenciados, e não pretendem fins tão perniciosos como esses. O endurecimento dos homens na ignorância não é o seu design. Mas esta é a coisa efetuada. Pretender bem fazer mal não é raridade. Quem pode, em reverência a qualquer homem na terra, ficar quieto e segurar sua língua, enquanto ele vê pessoas correndo para a sua própria destruição, e as almas dos homens desfeitas pelas contendas dos clérigos por seus vários partidos e interesses? O Senhor que conhece o meu coração, sabe (se eu o sei) que, como não sou de nenhum desses partidos, também não falo uma palavra disso em uma parcialidade facciosa para uma parte, ou contra outra, como tal, muito menos no baço contra qualquer pessoa; mas se eu durmo em consciência, eu teria silenciado tudo isso, por medo de ofendê-los a quem devo honrar. Mas o que sou senão servo de Cristo? e qual é a minha vida vale a pena, mas para servi-lo? e cujo favor pode me recompensar pela ruína da Igreja? e quem pode ficar em silêncio enquanto as almas são desfeitas? Não eu, de minha parte, enquanto Deus é meu Mestre, e sua palavra é minha regra; seu trabalho é meu negócio; e o sucesso disso, para a salvação das almas, o meu fim. Quem pode ser reconciliado com aquilo que tão lamentavelmente atravessa o interesse de seu Mestre e seu principal objetivo na vida? Tampouco falei nada disso, se tivesse sido apenas com respeito a meu próprio encargo, onde, abençoo a Deus, a ferida é pequena, em comparação com o que é em muitos outros lugares. Mas o conhecimento de algumas congregações vizinhas e de outras mais remotas extraiu essas observações de mim. Podemos falar de paz, na verdade, enquanto vivermos, mas nunca a obteremos, mas voltando à simplicidade apostólica. A fé dos papistas é grande demais para todos os homens concordarem, ou mesmo para todos os seus, se eles não a aplicarem com argumentos retirados do fogo, do cabresto e do strappado. E muitos antipapistas os imitam em demasia na tediosa duração de suas confissões inscritas e na novidade de suas imposições, quando se afastam delas na qualidade das coisas impostas. Quando uma vez voltarmos à antiga simplicidade da fé, então, e não até então, retornaremos ao antigo amor e paz. Portanto, recomendo a todos os meus irmãos, como a coisa mais necessária à paz da Igreja, que se unam em verdades necessárias e suportem uns com os outros nas coisas que possam nascer; e não faça um credo maior e mais necessário do que o que Deus fez. Para este fim, deixe-me pedir-lhe que cuide das seguintes coisas:

(1) Não enfatize muito as opiniões controvertidas, que têm homens piedosos e, especialmente, igrejas inteiras, de ambos os lados.

(2) Não enfatize muito as controvérsias que são resolvidas em incertezas filosóficas, assim como algumas controvérsias não lucrativas sobre o livre arbítrio, a maneira das operações do Espírito e os decretos Divinos.

(3) Não enfatize muito as controvérsias que são meramente verbais e que, se fossem anatomizadas, pareceriam não existir mais. Deste tipo são muito mais (eu falo confiantemente sobre certo conhecimento) que fazem um grande barulho no mundo, e rasgam a Igreja, do que quase todos os contendores ávidos com os quais eu falei parecem discernir, ou são como acreditam.

(4) Não coloque muita ênfase em qualquer ponto de fé que tenha sido renegado por ou desconhecido por toda a Igreja de Cristo, em qualquer época, desde que as Escrituras foram entregues a nós.

(5) Muito menos você deve colocar grande ênfase naqueles em que qualquer uma das eras mais puras ou cruéis era totalmente ignorante.

(6) E muito menos você deve colocar muita ênfase em qualquer ponto que ninguém tenha envelhecido desde que os apóstolos tenham recebido, mas todos comumente sustentam o contrário.

Eu sei que se diz que um homem pode subscrever a Escritura e os credos antigos, e ainda assim manter o socinianismo, ou outras heresias. Ao que eu respondo, então ele pode fazer outro teste que seu próprio cérebro deve inventar: e enquanto você faz uma armadilha para pegar hereges, ao invés de um teste para a comunhão da Igreja, você sentirá falta do seu fim; e o herege, pelo escorregadio de sua consciência, romperá, e o tenro cristão possivelmente será enredado. E pelo seu novo credo, a Igreja é como ter novas divisões, se você não se mantiver próximo das palavras da Escritura.

Aquele que viver para esse tempo feliz quando Deus curar suas igrejas quebradas, verá tudo isso que eu imploro que seja reduzido à prática, e essa moderação se realiza com o zelo de nova divisão, e a doutrina da suficiência das Escrituras estabelecida ; e todas as confissões e comentários de homens, valorados apenas como ajudas subservientes, e que não fizeram o teste da comunhão da Igreja, além de serem os mesmos com as Escrituras. Até que, porém, a idade da cura chegue, não podemos esperar que as verdades curativas sejam consideradas, porque não há espíritos curadores nos líderes da Igreja. Mas quando o trabalho tiver que ser feito, os operários estarão preparados para isso; e abençoados serão os agentes de uma obra tão gloriosa.

5. Por fim, somos tristemente negligentes no desempenho de deveres reconhecidos, por exemplo, disciplina na igreja. Se houver alguma obra de reforma a ser estabelecida, quantos são os que não irão além do que são atraídos! Tudo bem se todos fizessem isso mesmo. E quando um trabalho é difícil e caro, quão atrasados ​​somos para ele, e quantas desculpas nós fazemos para omitir isso! Sobre o que mais se tem falado, e rezado e discutido na Inglaterra, por muitos anos passados, do que a disciplina? Há, de fato, poucos homens que não parecem zelosos em disputar por um lado ou outro; alguns para o caminho pré-latical, alguns para o presbiteriano e outros para a congregacional. E, no entanto, quando chegamos à prática disso, pelo que vejo, estamos bem de acordo: a maioria de nós não tem jeito. Fez-me pensar, às vezes, em olhar a face da Inglaterra, e ver como poucas congregações na terra têm uma considerável execução de disciplina, e pensar com que volumes foram escritos para ela, e como quase todas as ministério da nação estão empenhados para isso. Quão zelosamente eles defenderam e fizeram muitas exclamações justas contra os opositores, e, apesar de tudo isso, pouco ou nada farão no exercício. Eu me maravilhei com o que deveria torná-los tão zelosos em se apoiar naquilo que sua prática mostra que seus corações estão contra. Mas vejo que um zelo em disputa é mais natural do que um zelo sagrado, obediente e praticante. Quantos ministros existem na Inglaterra que não conhecem a sua própria responsabilidade e não podem dizer quem são os membros dela; que nunca expulsou um pecador obstinado, nem levou a pessoa à confissão pública e à promessa de reforma, nem sequer aconselhou publicamente a chamá-lo para tal arrependimento! Mas eles pensam que cumprem seu dever, se não lhes derem o sacramento da ceia do Senhor (quando talvez seja evitado voluntariamente pelas próprias pessoas); e nesse meio tempo, deixamos os membros declarados de nossas igrejas (pois a membresia da igreja não consiste meramente em participar da ceia do Senhor, ou o que são crianças que foram batizadas em sua infância?) e conceder-lhes toda a outra comunhão com as igrejas. Igreja, e não os chame ao arrependimento pessoal por seus pecados. Não é a ordenança de Deus que eles sejam pessoalmente repreendidos e admoestados, e publicamente chamados ao arrependimento, e sejam expulsos se permanecerem impenitentes? Se estes não são deveres, por que fizemos tanto barulho e agitar o mundo sobre eles? Se eles são deveres, por que não praticamos? Muitos deles evitam a própria audição da Palavra. A antiga disciplina da Igreja era mais rigorosa, quando o VI Concílio Geral em Trull ordenou que "todo aquele que estivesse três dias junto da igreja, sem necessidade urgente, seria excomungado".

Irmãos, eu não desejo ofender nenhuma parte, mas devo dizer que esses pecados não devem ser encobertos por desculpas, extenuações ou negações. Há muito que clamamos disciplina e todas as partes são do seu jeito. Você teria pessoas que valorizassem sua forma de governo, ou você não o faria? Não há dúvida, mas você faria. Agora, se você quiser que eles valorizem, deve ser por alguma excelência. Mostre-lhes então essa excelência. O que é isso? Em que consiste? E se você quer que eles acreditem em você, mostre a eles, não apenas no papel, mas na prática; não simplesmente em palavras, mas em ações. Como as pessoas podem saber o valor da disciplina, sem a coisa? É um nome e uma sombra que você fez todo esse barulho? Como eles podem pensar que isso é bom, o que não é bom? Realmente, temo que não tomemos o caminho certo para manter nossa causa; que nós até traímos isso, enquanto nós somos disputas quentes por isso. Fale verdadeiramente: não são estas duas coisas que mantêm a reputação da longa disputa por disciplina entre os homens; ou seja, com o piedoso, a mera reputação de seus ministros que representam, e com muitos dos ímpios, a não execução dele, porque eles acham que é desdentado, e não tão problemático para eles como eles esperavam? Se uma vez que nosso governo venha a ser apoiado pelos votos daqueles que devem ser corrigidos ou expulsos por ele, e os piores homens sejam amigos dele porque é um amigo para eles em sua iniquidade, nós então nos empenharemos contra o Senhor. e ele aparecerá como comprometido contra nós. Ponha toda a execução da disciplina em conjunto, que foi praticada em todo um país, desde que assim foi disputada, e duvido que não pareça tão observável a ponto de atrair pessoas piedosas para um gosto por seus efeitos. Como você pode imaginar, se muitos que desejam atos e não palavras, reforma, e não meramente o nome de reforma, se voltam para as congregações separadas, quando você lhes mostra apenas o nome de disciplina na sua? Todos os cristãos valorizam as ordenanças de Deus e pensam que não são coisas vãs; e, portanto, não estão dispostos a viver sem eles.

Disciplina não é uma coisa desnecessária para a Igreja: se você não fizer diferença entre o precioso e o vil, pela disciplina, as pessoas farão isso por meio da separação. Se você guardar muitos pontos ou centenas em suas igrejas, que são notoriamente ignorantes, e totalmente desprovidos de religião, e nunca publicamente (nem, talvez, privadamente) reprová-los, nem chamá-los ao arrependimento, nem expulsá-los, você não precisa maravilhe-se se algumas almas medrosas se esgotem de suas igrejas, como de um edifício ruinoso, que elas temem que esteja pronto para cair sobre suas cabeças. Considere, peço-lhe, se você deve agir da mesma maneira com eles quanto ao sacramento, como você faz para disciplinar, e deve apenas mostrar-lhes o pão e o vinho, e nunca deixá-los provar estes memoriais do amor do seu Redentor. , você poderia esperar que o nome de um sacramento os satisfizesse, ou que eles gostariam da sua comunhão? Por que você deve pensar que eles ficarão satisfeitos com o som vazio da palavra igreja-governo?

Além disso, considere que desvantagem você atribui à sua causa, em todas as suas disputas com homens de diferentes visões. Se seus princípios são melhores que os deles, e sua prática é melhor que a sua, as pessoas suporão que a questão é se o nome ou a coisa, a sombra ou a substância, são mais desejáveis, e eles tomarão o seu caminho para ser um mera formalidade ilusória, porque eles vêem você, mas formal no uso dela, sim, que você não a usa de forma alguma. No que eu digo agora, não falo contra sua forma de governo, mas por isso; e lhe digo que é você quem é contra isto que parece tão sério para isto, enquanto você mais desgraça isto por falta de exercício, que você credita isto por todos seus argumentos. E você descobrirá, antes de ter feito, que a execução fiel disso seria o seu argumento mais forte. Até que, então, as pessoas o entendam, como se você proclamou abertamente: Nós não teríamos admoestações públicas, confissões ou excomunhões; Nosso caminho é não fazer o bem, mas estabelecer o nome nu de um governo. Eu não desejo estimular qualquer um a um desempenho fora do prazo deste grande dever. Mas nunca será uma temporada adequada? Você deixaria de lado os sermões e sacramentos por tantos anos, fingindo ser fora de moda? Você terá uma estação melhor para isso quando estiver morto? Quantos já estão mortos, antes de fazerem alguma coisa neste importante trabalho, apesar de estarem há muito tempo preparados para isso! Eu sei que alguns têm mais desencorajamentos e obstáculos do que outros; mas que desencorajamentos e obstáculos podem nos dispensar de tal dever? Além das razões que já declaramos, que esses poucos sejam seriamente considerados:

(1) Quão triste é o sinal que fazemos para pregar ao nosso povo, para viver na omissão intencional e continuada de qualquer dever conhecido! E faremos isso ano após ano, ou melhor, todos os nossos dias? Se desculpas tirarem o perigo deste signo, que homem não os encontrará tão bem quanto você?

(2) Manifestamos claramente a preguiça e a indolência, se não a falta de fé na obra de Cristo. Eu falo por experiência. Foi a preguiça que me manteve tão longe deste dever e implorou muito contra isso. Na verdade, é um trabalho problemático e doloroso, e tal como exige alguma abnegação, porque nos trará o desprazer dos ímpios. Mas ousamos preferir nossa tranquilidade e quietude carnais, ou o amor e a paz de homens iníquos, antes de nosso serviço a Cristo, nosso Mestre? Servos preguiçosos podem esperar uma boa recompensa? Lembrem-se, irmãos, que nós deste concílio prometemos a Deus, no segundo artigo de nosso acordo: 'Concordamos e resolvemos, com a ajuda de Deus, que, até onde Deus nos dê a conhecer nosso dever, esforçar-nos-emos fielmente. para descarregá-lo, e não vai desistir de quaisquer medos ou perdas em nossas propriedades, ou as carrancas e desprazer dos homens, ou qualquer outro tipo de incentivo carnal. ”Eu peço que você estude esta promessa, e compare seu desempenho com ela. E não pense que você foi enredado por envolver-se assim; pois a lei de Deus impôs a você exatamente o mesmo dever, antes que o seu compromisso o fizesse. Aqui não é nada, mas o que os outros estão vinculados, assim como você.

(3) A negligência da disciplina tem uma forte tendência a iludir as almas imortais, fazendo com que aqueles pensem que são cristãos que não são, enquanto lhes é permitido viver com o caráter de tal, e não são separados do resto pela ordenança de Deus: e pode fazer o escandaloso pensar que seu pecado é tolerável, o que é tolerado pelos pastores da igreja.

(4) Nós corrompemos o próprio Cristianismo aos olhos do mundo, e fazemos a nossa parte para fazê-los acreditar que Cristo não é mais para a santidade do que Satanás, ou que a religião cristã exige santidade não mais que as falsas religiões do mundo. Pois se o santo e o profano são permitidos a serem ovelhas do mesmo rebanho, sem nenhum meio ser usado para separá-los, nós difamamos o Redentor, como se ele fosse culpado dele, e como se esta fosse a natureza de seus preceitos.

(5) Mantemos a separação, permitindo que o pior não seja censurado em nossas igrejas, de modo que muitos cristãos honestos acham que são obrigados a se afastar de nós. Falei com alguns membros das igrejas separadas, que eram homens moderados, e discuti com eles contra a separação; e me asseguraram que eram do juízo presbiteriano, ou não tinham nada a dizer contra isso, mas se uniam a outras igrejas por pura necessidade, pensando que a disciplina, sendo uma ordenança de Cristo, deve ser usada por todos que podem e, por isso, eles não querem mais viver sem ela quando podem tê-la; e eles não conseguiram encontrar igrejas presbiterianas que executassem a disciplina, como escreviam para ela: e disseram-me que se separaram apenas pro tempore, até os presbiterianos usarem a discipina, e então retornarão voluntariamente a eles novamente. Confesso que lamentei que tais pessoas tivessem tal ocasião de se afastar de nós. Não é manter os ofensores do sacramento que nos desculpem com o exercício adicional da disciplina, enquanto eles são membros de nossas igrejas.

(6) Nós fazemos muito para trazer a ira de Deus sobre nós mesmos e nossas congregações, e assim explodir o fruto de nossos labores. Se o anjo da igreja de Tiatira foi reprovado por sofrer sedutores na igreja, podemos ser reprovados, na mesma base, por sofrer pecadores abertos, escandalosos e impenitentes.

E quais são os obstáculos que agora mantêm os ministros da Inglaterra da execução dessa disciplina, para os quais eles tanto têm argumentado? A grande razão, até onde posso aprender, é: "A dificuldade do trabalho, e o problema ou sofrimento que somos como a incorrer por ele". Não podemos repreender publicamente um pecador, mas ele atacará e nos dará uma malícia mortal. Podemos prevalecer com muito poucos para fazer uma profissão pública de verdadeiro arrependimento. Se procedermos a excomungá-los, eles ficarão furiosos contra nós. Se deveríamos lidar como Deus requer, com todos os pecadores obstinados da paróquia, não haveria vida entre eles; deveríamos ser tão odiados de todos, que, como nossas vidas seriam desconfortáveis, nossos trabalhos se tornariam inúteis; pois os homens não nos ouvem quando estão possuídos de ódio por nós: portanto, o dever cessa de ser nosso dever, porque a dor que se seguiria seria maior do que o bem. ”Essas são as grandes razões para a não execução de disciplina, juntamente com o grande trabalho que a admoestação privada de cada ofensor nos custaria. Agora, a tudo isso eu respondo:

[a] Estas razões não são válidas contra o próprio cristianismo, especialmente em alguns tempos e lugares, já que eles são contra a disciplina? Cristo veio para não enviar paz à terra: teremos a sua paz, mas não a do mundo; porque ele nos disse que nos odiará. Não poderia Bradford, Hooper ou qualquer outro que tenha sido queimado nos dias da Rainha Mary) ter alegado mais que todos os seus contra o dever de possuir a Reforma? Poderiam eles não terem dito: "Isso nos fará odiar e expor nossas próprias vidas às chamas?" Ele é concluído por Cristo para não ser cristão, que não aborrece tudo o que ele tem, e sua própria vida, por ele; e ainda assim podemos assumir o risco da perda mundana como uma razão contra o seu trabalho! O que é senão a hipocrisia de afastar-se dos sofrimentos e de aceitar obras que não sejam seguras e fáceis, e nos fazer acreditar que o resto não é dever? De fato, esse é o modo comum de escapar do sofrimento, negligenciar o dever que nos exporia a ele. Se cumprirmos nosso dever fielmente, os ministros encontrarão o mesmo destino entre os professos cristãos que seus predecessores fizeram entre os pagãos e outros infiéis. Mas se você não pode sofrer por Cristo, por que você colocou a mão no arado? Por que você não se sentou primeiro e contou o custo? Isso torna o trabalho ministerial executado de maneira tão infiel, porque é tão carnais; os homens entram nela como uma vida de tranqüilidade, honra e respeitabilidade, e resolvem alcançar seus objetivos e têm o que esperavam por certo ou errado. Eles não procuraram por ódio e sofrimento, e evitarão isso, embora evitando seu trabalho.

[b] Quanto a tornar-se incapaz de fazê-las bem, eu respondo: Essa razão é tão válida contra a pregação clara, repreensão ou qualquer outro dever que os ímpios nos odeiam. Deus abençoará suas próprias ordenanças para fazer o bem, ou então ele não as teria designado. Se você admoestar e repreender publicamente os escandalosos, e chamá-los ao arrependimento, e expulsar os obstinados, você poderá fazer o bem a muitos a quem você reprova, e possivelmente aos excomungados. Pelo menos tenho certeza de que é o meio de Deus; e é seu último meio quando as repreensões não farão bem. É, portanto, perverso negligenciar os últimos meios, a fim de não frustrarmos os meios precedentes, quando os últimos não devem ser usados, mas supondo-se que os primeiros fossem todos frustrados antes. Entretanto, aqueles que estão dentro e aqueles que estão fora podem receber o bem por ele, se o infrator não receber nenhum; e Deus terá a honra, quando a sua Igreja é manifestamente distinta do mundo, e os herdeiros do céu e do inferno não são totalmente confundidos, nem o mundo feito para pensar que Cristo e Satanás lutam apenas pela superioridade, e que eles têm a como inclinação à santidade ou ao pecado.

[c] Mas, deixe-me dizer-lhe, que não há tais dificuldades no caminho, nem disciplina é uma coisa tão inútil quanto você imagina. Eu abençoo a Deus no pequeno e tardio julgamento que fiz de mim mesmo. Eu posso falar por experiência, que isto não é em vão; nem os perigos dela, como podem desculpar a nossa negligência.

Confesso que, se eu tivesse minha vontade, esse homem deveria ser expulso como um pastor negligente, que não governaria seu povo pela disciplina, assim como ele é expulso como um pregador negligente que não pregará; para governar, tenho certeza de que é parte essencial do ofício do pastor a pregação.

Não prosseguirei mais nestas confissões. E agora, irmãos, o que resta, mas que todos nós choramos culpados desses pecados mencionados, e humilhamos nossas almas por nossos abortos diante do Senhor? É isto "tomando cuidado de nós mesmos e de todo o rebanho?" Isto é como o padrão que nos é dado no texto? Se agora nos mostrássemos fortes e desamparados, quão triste seria um sintoma para nós mesmos e para a Igreja! O ministério tem sido ameaçado e difamado por muitos tipos de adversários; e, embora isso possa mostrar sua malícia ímpia, ainda assim pode nos intimar com a justa indignação de Deus. Acredite, irmãos, o ministério da Inglaterra não é o menor nem o último dos pecados da terra. É tempo, portanto, para nós tomarmos a nossa parte daquela humilhação à qual temos chamado por muito tempo nosso povo. Se tivermos nosso juízo sobre nós, podemos perceber que Deus nos ofendeu, e que a voz que chamou essa nação ao arrependimento, também nos falou a outros. "Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça" os preceitos do arrependimento proclamados em tantas libertações e preservações admiráveis; Aquele que tem olhos para ver, que ele os veja escritos em tantas linhas de sangue. Pelo fogo e espada Deus nos chamou para a humilhação; e como 'o julgamento começou na casa de Deus', então, se a humilhação não começar também, será um triste prognóstico para nós e para a terra.

O que! devemos negar ou extenuar nossos pecados enquanto chamamos nosso povo para a confissão total e livre? Não é melhor dar glória a Deus por humilde confissão do que, em ternura para nós mesmos, procurar folhas de figueira para cobrir nossa nudez; e pôr Deus nisso para edificar a sua glória, a qual nós o negamos, sobre as nossas próprias ruínas, as quais preferimos antes dele; e para nos afligirmos com julgamentos ainda mais penosos que nos recusamos voluntariamente a nos entregar a ele? Ai! se você colocar Deus para obter a honra dele como ele pode, ele pode obtê-lo, para a sua tristeza e desonra eterna. Pecados abertamente cometidos são mais desonrosos para nós quando os escondemos do que quando os confessamos. É o pecado, e não a confissão, essa é a nossa desonra. Nós os temos cometido antes do sol, para que não sejam escondidos; e as tentativas de encobri-las apenas aumentam nossa culpa e vergonha. Não há como consertar as brechas em nossa honra, que nosso pecado fez, mas por confissão livre e humilhação. Não me atrapalho a confessar os meus próprios pecados; e se alguém se ofender por eu ter confessado a eles, faça-os saber que faço apenas o que fiz por mim mesmo. E se eles ousarem negar a confissão de seus pecados, façam isso por sua conta e risco. Mas, quanto a todos os ministros verdadeiramente humildes de Cristo, não duvido, mas eles preferirão ser provocados a lamentar seus pecados mais solenemente diante de suas várias congregações e a prometer reformas.

~

Richard Baxter

Do livro: The Reformed Pastor (O pastor reformado)
Parte 3 - Aplicação

Disponível em CCEL (inglês).


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: