A confissão de Augsburgo

A Confissão de Fé
Que Foi Submetida à Sua Majestade Imperial Charles V 
Na Dieta de Augsburgo no Ano 1530 
por Philip Melanchthon, 1497-1560

CONTEÚDO

PREFÁCIO AO IMPERADOR CHARLES V. 

Artigo I:   De Deus. 
Artigo II:   Do Pecado Original. 
Artigo III:   Do Filho de Deus. 
Artigo IV:   Da justificação. 
Artigo V:   Do Ministério. 
Artigo VI:   Da Nova Obediência. 
Artigo VII:   Da Igreja. 
Artigo VIII:   O que a Igreja é. 
Artigo IX:   Do Batismo. 
Artigo X:   Da Ceia do Senhor. 
Artigo XI:   De Confissão. 
Artigo XII:   Do arrependimento. 
Artigo XIII:   Do uso dos sacramentos. 
Artigo XIV:   Da Ordem Eclesiástica. 
Artigo XV:   Dos usos eclesiásticos. 
Artigo XVI:   Dos Assuntos Civis. 
Artigo XVII:   Do retorno de Cristo ao julgamento. 
Artigo XVIII:   Do Livre Arbítrio. 
Artigo XIX:   Da Causa do Pecado. 
Artigo XX:   Das Boas Obras. 
Artigo XXI:   Da Adoração dos Santos.
Artigo XXII:   Dos dois tipos no sacramento. 
Artigo XXIII:   Do Casamento dos Sacerdotes. 
Artigo XXIV:   Da Missa 
Artigo XXV:   Da Confissão. 
Artigo XXVI:   Da Distinção de Carnes. 
Artigo XXVII:   Dos votos monásticos. 
Artigo XXVIII:   Do Poder Eclesiástico. 
CONCLUSÃO.

PREFÁCIO AO IMPERADOR CHARLES V.

Imperador mais invencível, César Augusto, Lorde Clemente: Na medida em que Sua Majestade Imperial convocou uma Dieta do Império aqui em Augsburgo para deliberar sobre as medidas contra os turcos, aquele inimigo mais atroz, hereditário e antigo do nome e da religião cristãos, de que maneira, a saber, resistir eficazmente a seu furor e assaltos por uma provisão militar forte e duradoura; e então também concernente às dissensões na questão de nossa santa religião e fé cristã, que nesta questão de religião as opiniões e julgamentos das partes poderiam ser ouvidas na presença uns dos outros; e considerado e ponderado entre nós em mútua caridade, clemência e bondade, a fim de que, após a remoção e correção de tais coisas que foram tratadas e entendidas de maneira diferente nos escritos de ambos os lados, estas questões possam ser resolvidas e trazido de volta a uma simples verdade e concórdia cristã, que para o futuro uma religião pura e verdadeira pode ser abraçada e mantida por nós, que como todos nós estamos debaixo de um Cristo e batalhamos debaixo d'Ele, assim também podemos ser capazes de viver unidade e concordância na única igreja cristã.
E como nós, os abaixo-assinados Eleitor e Príncipes, com outros que se juntaram a nós, fomos chamados à referida Dieta como os outros Eleitores, Príncipes e Estados, obedecendo obedientemente ao mandato Imperial, chegamos prontamente a Augsburgo e - o que não queremos dizer como se gabar - fomos os primeiros a estar aqui.
Consequentemente, já que mesmo aqui em Augsburgo, no início da Dieta, Sua Majestade Imperial foi proposta aos Eleitores, príncipes e outras propriedades do Império, entre outras coisas, que os vários estados do Império, com a força do edital imperial, deve estabelecer e apresentar suas opiniões e julgamentos em alemão e em latim, e desde a quarta-feira seguinte, a resposta foi dada a Sua Majestade Imperial, após a devida deliberação, que iria apresentar os Artigos de nossa Confissão para nosso lado na próxima quarta-feira, portanto, em obediência aos desejos de Sua Majestade Imperial, oferecemos, nesta questão de religião, a Confissão de nossos pregadores e de nós mesmos, mostrando que tipo de doutrina vem das Sagradas Escrituras e da pura Palavra de Deus. Foi até este tempo estabelecido em nossas terras, ducados, domínios e cidades, e ensinado em nossas igrejas.
E se os outros eleitores, príncipes e estados do Império, de acordo com a referida proposição imperial, apresentarem escritos semelhantes, a saber, em latim e alemão, dando suas opiniões nesta questão da religião, nós, com os príncipes e amigos supracitado, aqui diante de Sua Majestade Imperial, nosso Senhor mais clemente está preparado para conferir amigavelmente todos os meios e meios possíveis, a fim de que possamos nos unir, na medida em que isso possa ser honrosamente feito, e o assunto entre nós de ambos os lados. sendo discutido pacificamente sem disputas ofensivas, a dissensão, pela ajuda de Deus, pode ser eliminada e trazida de volta a uma verdadeira religião concordante; porque, como todos nós estamos sob um só Cristo e lutamos debaixo dEle, devemos confessar o único Cristo, segundo o teor do decreto de Sua Majestade Imperial, e tudo deve ser conduzido de acordo com a verdade de Deus; e é isso que, com as orações fervorosas, imploramos a Deus.
No entanto, no que diz respeito ao resto dos Eleitores, Príncipes e Estates, que constituem a outra parte, se nenhum progresso deve ser feito, nem algum resultado será alcançado por esse tratamento da causa da religião, da mesma maneira que Sua Majestade Imperial Sabiamente sustentou que deve ser tratado e tratado, nomeadamente, por tal apresentação mútua de escritos e tranquilidade conferindo juntos entre nós, pelo menos deixar com você um testemunho claro, que nós aqui de nenhuma maneira estão se afastando de qualquer coisa que poderia trazer Concórdia cristã, como poderia ser efetuada com Deus e uma boa consciência, como também Sua Majestade Imperial e, em seguida, os outros Eleitores e Propriedades do Império, e todos os que são movidos pelo amor sincero e zelo pela religião, e que dará uma audiência imparcial a este assunto, dignamente graciará para tomar conhecimento e entender isto desta Confissão de nossos e de nossos associados.
Sua Majestade Imperial também, não apenas uma vez, mas freqüentemente, graciosamente significou aos Príncipes dos Eleitores e Propriedades do Império, e na Dieta de Espíritos, realizada em 1526 dC, de acordo com a forma de Sua instrução Imperial e comissão dada e prescrita, ser declarado e publicamente proclamado que Sua Majestade, ao lidar com esta questão da religião, por certas razões que foram alegadas em nome de Sua Majestade, não estava disposta a decidir e não poderia determinar nada, mas que Sua Majestade iria usar diligentemente o escritório de Sua Majestade com o Romano Pontífice para a convocação de um Conselho Geral. O mesmo assunto foi assim publicamente divulgado há mais de um ano na última Dieta que se reuniu em Spires. Lá, Sua Majestade Imperial, através de Sua Alteza Fernando, Rei da Boêmia e Hungria, nosso amigo e Senhor Clemente, bem como através do Orador e dos Comissários Imperiais, fez com que isto, entre outras coisas, fosse submetido: que Sua Majestade Imperial havia tomado conhecimento; e ponderou, a resolução do Representante de Sua Majestade no Império, e do Presidente e Conselheiros Imperiais, e os Legados de outros Estados reunidos em Ratisbona, concernente ao chamado de um Conselho, e que sua Majestade Imperial também julgou ser conveniente convocar um Conselho; e que Sua Majestade Imperial não duvidava que o Romano Pontífice pudesse ser induzido a realizar um Conselho Geral, porque as questões a serem ajustadas entre Sua Majestade Imperial e o Pontífice Romano estavam próximas e a reconciliação cristã; portanto, Sua Majestade Imperial significava que ele se esforçaria para assegurar o consentimento do dito Sumo Pontífice para convocar, junto com a sua Majestade Imperial tal Conselho Geral, para ser publicado o mais rápido possível por cartas que deveriam ser enviadas.
Se o resultado, portanto, deve ser tal que as diferenças entre nós e as outras partes em matéria de religião não sejam amigáveis ​​e solidárias, então aqui, diante de Sua Majestade Imperial, fazemos a oferta com toda a obediência, além de o que já fizemos, que todos apareceremos e defenderemos a nossa causa em um Conselho Cristão livre, tão geral, para a convocação de que sempre houve uma ação concordante e um acordo de votos em todas as Dietas Imperiais realizadas durante o reinado de Sua Majestade, por parte dos eleitores, príncipes e outras propriedades do Império. À assembléia deste Conselho Geral e, ao mesmo tempo, à Sua Majestade Imperial, nós, antes mesmo disto, na devida forma e na forma da lei, nos dirigimos a nós mesmos e apelamos a esse assunto, de longe o maior e mais sério. A este apelo, tanto a Sua Majestade Imperial como a um Conselho, ainda aderimos; nem pretendemos, nem seria possível, renunciar a ele por este ou qualquer outro documento, a menos que o assunto entre nós e o outro lado, de acordo com o teor da última citação imperial, deva ser resolvido amigavelmente e caridosamente, aliviado, e trouxe para o concórdia cristã; e a respeito disso, nós até aqui solenemente e publicamente testificamos.



Artigo I: De Deus.

Nossas Igrejas, com o consentimento comum, ensinam que o decreto do Concílio de Nicéia sobre a Unidade da Essência Divina e sobre as Três Pessoas é verdadeiro e pode ser acreditado sem qualquer dúvida; isto é, há uma Essência Divina que é chamada e que é Deus: eterna, sem corpo, sem partes, de infinito poder, sabedoria e bondade, o Criador e Preservador de todas as coisas, visíveis e invisíveis; e, no entanto, há três Pessoas, da mesma essência e poder, que também são coeternas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. E o termo "pessoa" que eles usam como os Padres o usaram para significar não uma parte ou qualidade em outro, mas o que subsiste de si mesmo.
Eles condenam todas as heresias que surgiram contra este artigo, como os maniqueus, que assumiram dois princípios, um bom e o outro mal - também os valentinianos, arianos, eunomianos, maometanos e tudo o mais. Eles condenam também os samosatenos, antigos e novos, que, alegando que há apenas uma pessoa, sofisticamente e impiamente argumentam que a Palavra e o Espírito Santo não são pessoas distintas, mas que "Palavra" significa uma palavra falada e "Espírito". significa movimento criado nas coisas.



Artigo II: Do Pecado Original.

Também ensinam que, desde a queda de Adão, todos os homens gerados do modo natural nascem com pecado, isto é, sem o temor de Deus, sem confiança em Deus e com concupiscência; e que esta doença, ou vício de origem, é verdadeiramente pecado, mesmo agora condenando e trazendo morte eterna sobre aqueles que não nasceram de novo através do Batismo e do Espírito Santo.
Eles condenam os pelagianos e outros que negam que a depravação original é pecado, e que, para obscurecer a glória dos méritos e benefícios de Cristo, argumentam que o homem pode ser justificado diante de Deus por sua própria força e razão.



Artigo III: Do Filho de Deus.

Também ensinam que a Palavra, isto é, o Filho de Deus, assumiu a natureza humana no ventre da bem-aventurada Virgem Maria, de modo que existem duas naturezas, a divina e a humana, inseparavelmente ordenadas em uma Pessoa, um Cristo Deus verdadeiro e verdadeiro homem, que nasceu da virgem Maria, verdadeiramente sofreu, foi crucificado, morto e sepultado, para que pudesse reconciliar o Pai conosco e ser um sacrifício, não apenas por culpa original, mas também por todos. pecados reais dos homens.
Ele também desceu ao inferno e verdadeiramente ressuscitou no terceiro dia; depois subiu ao céu para sentar-se à direita do Pai, e para sempre reinar e ter domínio sobre todas as criaturas, e santificar aqueles que nEle crêem, enviando o Espírito Santo a seus corações, para governar, consolar e vivê-los e defendê-los contra o diabo e o poder do pecado.
O mesmo Cristo voltará abertamente para julgar os vivos e os mortos, etc., de acordo com o Credo dos Apóstolos.



Artigo IV: Da justificação.

Também ensinam que os homens não podem ser justificados diante de Deus por sua própria força, méritos ou obras, mas são livremente justificados por amor de Cristo, pela fé, quando creem que são recebidos em favor, e que seus pecados são perdoados por amor de Cristo. que, por sua morte, satisfez nossos pecados. Essa fé Deus imputa a justiça aos Seus olhos. Romanos 3 e 4.



Artigo V: Do Ministério.

Para que possamos obter essa fé, o Ministério de Ensinar o Evangelho e administrar os Sacramentos foi instituído. Pois através da Palavra e Sacramentos, como através de instrumentos, o Espírito Santo é dado, quem trabalha a fé; onde e quando agrada a Deus, naqueles que ouvem o evangelho, a saber, que Deus, não por nossos próprios méritos, mas por amor de Cristo, justifica aqueles que crêem que são recebidos na graça por amor de Cristo.
Eles condenam os anabatistas e outros que pensam que o Espírito Santo vem aos homens sem a Palavra externa, através de seus próprios preparativos e obras.



Artigo VI: Da Nova Obediência.

Também eles ensinam que esta fé está fadada a dar bons frutos, e que é necessário fazer boas obras ordenadas por Deus, por causa da vontade de Deus, mas que não devemos confiar nessas obras para merecer justificação diante de Deus. Para a remissão de pecados e justificação é apreendida pela fé, como também a voz de Cristo atesta: Quando tiverdes feito todas estas coisas, diga: Somos servos inúteis. Lucas 17, 10. O mesmo também é ensinado pelos Padres. Ambrósio diz: É ordenado por Deus que aquele que crê em Cristo seja salvo, recebendo livremente a remissão de pecados, sem obras, somente pela fé.



Artigo VII: Da Igreja.

Também ensinam que uma igreja santa deve continuar para sempre. A Igreja é a congregação dos santos, na qual o Evangelho é corretamente ensinado e os Sacramentos são corretamente administrados.
E para a verdadeira unidade da Igreja é suficiente concordar quanto à doutrina do Evangelho e à administração dos sacramentos. Nem é necessário que as tradições humanas, isto é, ritos ou cerimônias, instituídas por homens, devam estar em todos os lugares. Como Paulo diz: Uma fé, um batismo, um Deus e Pai de todos, etc. Efésios 4, 5. 6.



Artigo VIII: O que a Igreja é.

Embora a Igreja seja propriamente a congregação de santos e verdadeiros crentes, entretanto, visto que nesta vida muitos hipócritas e pessoas más se misturam com isso, é lícito usar Sacramentos administrados por homens maus, de acordo com as palavras de Cristo: Os escribas e os escribas Fariseus sentam-se no assento de Moisés, etc. 23, 2. Tanto os sacramentos como a palavra são eficazes em razão da instituição e do mandamento de Cristo, apesar de serem administrados por homens maus.
Eles condenam os donatistas, e semelhantes, que negaram ser lícito usar o ministério dos homens maus na Igreja, e que consideravam o ministério dos homens maus inútil e sem efeito.



Artigo IX: Do Batismo.

Do Batismo eles ensinam que é necessário para a salvação, e que através do Baptismo é oferecida a graça de Deus, e que as crianças devem ser batizadas que, sendo oferecidas a Deus através do Batismo, são recebidas na graça de Deus.
Eles condenam os anabatistas, que rejeitam o batismo de crianças, e dizem que as crianças são salvas sem o batismo.



Artigo X: Da Ceia do Senhor.

Da Ceia do Senhor, eles ensinam que o Corpo e o Sangue de Cristo estão verdadeiramente presentes e são distribuídos àqueles que comem a Ceia do Senhor; e eles rejeitam aqueles que ensinam o contrário.



Artigo XI: De Confissão.

Na Confissão, eles ensinam que a absolvição privada deve ser mantida nas igrejas, embora na confissão não seja necessária a enumeração de todos os pecados. Para isto é impossível de acordo com o Salmo: Quem pode entender seus erros? Salmo 19, 12.



Artigo XII: Do arrependimento.

De Arrependimento, eles ensinam que, para aqueles que caíram após o Batismo, há remissão de pecados sempre que são convertidos e que a Igreja deve conceder absolvição àqueles que retornam ao arrependimento. Agora, o arrependimento consiste propriamente nestas duas partes: Uma é contrição, isto é, terrores que ferem a consciência através do conhecimento do pecado; o outro é a fé, que nasce do Evangelho, ou da absolvição, e acredita que, por amor a Cristo, os pecados são perdoados, consolam a consciência e a livram dos terrores. Então boas obras são obrigadas a seguir, que são os frutos do arrependimento.
Eles condenam os anabatistas, que negam que aqueles que uma vez foram justificados podem perder o Espírito Santo. Também aqueles que afirmam que alguns podem atingir tal perfeição nesta vida que eles não podem pecar.
Os Novacianos também são condenados, que não absolveriam os que haviam caído após o Batismo, embora voltassem ao arrependimento.
Eles também são rejeitados, que não ensinam que a remissão de pecados vem através da fé, mas nos ordenam a merecer a graça por meio de nossas próprias satisfações.



Artigo XIII: Do uso dos sacramentos.

Do Uso dos Sacramentos eles ensinam que os Sacramentos foram ordenados, não apenas para serem marcas de profissão entre os homens, mas para serem sinais e testemunhos da vontade de Deus para conosco, instituídos para despertar e confirmar a fé naqueles que os usam. Portanto, devemos usar os Sacramentos para que a fé seja acrescentada para acreditar nas promessas que são oferecidas e estabelecidas através dos Sacramentos.
Eles, portanto, condenam aqueles que ensinam que os sacramentos justificam pelo ato exterior, e que não ensinam que, no uso dos sacramentos, é necessária a fé que crê que os pecados são perdoados.



Artigo XIV: Da Ordem Eclesiástica.

De ordem eclesiástica, ensinam que ninguém deve ensinar publicamente na Igreja ou administrar os sacramentos, a menos que seja chamado regularmente.



Artigo XV: Dos usos eclesiásticos.

Dos usos na Igreja, eles ensinam que devem ser observados aqueles que podem ser observados sem pecado, e que são proveitosos para a tranquilidade e boa ordem na Igreja, como dias santos particulares, festivais e coisas semelhantes.
Não obstante, em relação a tais coisas, os homens são admoestados de que as consciências não devem ser sobrecarregadas, como se tal observância fosse necessária para a salvação.
Eles são admoestados também que tradições humanas instituídas para propiciar a Deus, para merecer graça e para fazer satisfação pelos pecados, são opostas ao Evangelho e à doutrina da fé. Portanto, votos e tradições referentes a carnes e dias, etc., instituídos para merecer graça e satisfazer os pecados, são inúteis e contrários ao Evangelho.



Artigo XVI: Dos Assuntos Civis.

Dos Assuntos Civis eles ensinam que as ordenanças civis legais são boas obras de Deus, e que é certo que os cristãos assumam um cargo civil, sejam juízes, julguem as coisas pelo Imperial e outras leis existentes, concedam justas punições, engajem-se. em guerras justas, para servir como soldados, para fazer contratos legais, para manter propriedade, fazer juramento quando requerido pelos magistrados, para se casar com uma esposa, para ser dado em casamento.
Eles condenam os anabatistas que proíbem esses ofícios civis aos cristãos.
Condenam também aqueles que não colocam a perfeição evangélica no temor de Deus e na fé, mas em abandonar os ofícios civis, pois o Evangelho ensina uma justiça eterna do coração.Entretanto, isso não destrói o Estado ou a família, mas exige muito que sejam preservados como ordenanças de Deus e que a caridade seja praticada em tais ordenanças. Portanto, os cristãos são obrigados a obedecer a seus próprios magistrados e leis, salvo quando são ordenados a pecar; pois então eles devem obedecer a Deus e não aos homens. Atos 5, 29.



Artigo XVII: Do retorno de Cristo ao julgamento.

Também ensinam que na Consumação do Mundo, Cristo aparecerá para julgamento e ressuscitará todos os mortos; Ele dará aos piedosos e elegerá a vida eterna e as alegrias eternas, mas os homens ímpios e os demônios Ele condenará a ser atormentado sem fim.
Eles condenam os anabatistas, que pensam que haverá um fim nas punições de homens e demônios condenados.
Eles condenam também outros que agora estão espalhando certas opiniões judaicas, que antes da ressurreição dos mortos o piedoso tomará posse do reino do mundo, o ímpio sendo todo suprimido.



Artigo XVIII: Do Livre Arbítrio.

Do livre arbítrio, eles ensinam que a vontade do homem tem alguma liberdade de escolher a justiça civil e de trabalhar as coisas sujeitas à razão. Mas não tem poder, sem o Espírito Santo, para operar a justiça de Deus, isto é, a justiça espiritual; visto que o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, 1 Coríntios. 2,14; mas esta justiça é feita no coração quando o Espírito Santo é recebido através da Palavra. Essas coisas são ditas em tantas palavras por Agostinho em seu Hypognosticon, Livro III: Concordamos que todos os homens têm livre arbítrio, livre, na medida em que tem o julgamento da razão; não que seja, portanto, capaz, sem Deus, de começar ou, pelo menos, completar algo nas coisas referentes a Deus, mas apenas nas obras dessa vida, seja ela boa ou má. "Bom" chamo aqueles trabalhos que brotam do bom na natureza, como, dispostos a trabalhar no campo, a comer e beber, a ter um amigo, a se vestir, a construir uma casa, a casar-se com uma esposa, a criar gado, aprender diversas artes úteis ou qualquer outra coisa boa para esta vida. Pois todas estas coisas não são sem dependência da providência de Deus; sim, dEle e através dEle eles são e têm o seu ser. "Mal" chamo essas obras de querer adorar um ídolo, cometer assassinato, etc.
Eles condenam os pelagianos e outros que ensinam que sem o Espírito Santo, pelo poder da natureza, somos capazes de amar a Deus acima de todas as coisas; também para fazer os mandamentos de Deus como tocar "a substância do ato". Pois, embora a natureza seja capaz de fazer o trabalho externo (pois é capaz de impedir que as mãos sejam roubadas e assassinadas), ainda assim não pode produzir os movimentos interiores, como o temor de Deus, a confiança em Deus, a castidade. paciência, etc.



Artigo XIX: Da Causa do Pecado.

Da Causa do Pecado, eles ensinam que, embora Deus crie e preserve a natureza, a causa do pecado é a vontade do ímpio, isto é, do diabo e dos homens ímpios; que, sem ajuda de Deus, se volta de Deus, como Cristo diz João 8, 44: Quando ele fala uma mentira, ele fala de si mesmo.



Artigo XX: Das Boas Obras.

Nossos professores são falsamente acusados ​​de proibir boas obras. Pois seus escritos publicados sobre os Dez Mandamentos, e outros de igual importância, testemunham que eles ensinaram a um bom propósito concernente a todas as propriedades e deveres da vida, quanto a que propriedades da vida e o que funciona em todo chamado é agradável a Deus. Com relação a essas coisas, até certo ponto os pregadores ensinavam pouco e pediam apenas obras infantis e desnecessárias, como dias santos particulares, jejuns específicos, irmandades, peregrinações, cultos em honra de santos, uso de rosários, monasticismo e afins. Visto que nossos adversários foram admoestados com essas coisas, eles agora estão desaprendendo-os e não pregam essas obras inúteis como antes. Além disso, começam a mencionar a fé, da qual até então havia um silêncio maravilhoso. Eles ensinam que somos justificados não apenas por obras, mas eles unem a fé e as obras, e dizem que somos justificados pela fé e pelas obras. Essa doutrina é mais tolerável do que a anterior e pode oferecer mais consolo do que sua antiga doutrina.
Porquanto, portanto, a doutrina relativa à fé, que deve ser a principal na Igreja, permanece há muito desconhecida, pois todos precisam reconhecer que houve um profundo silêncio em seus sermões a respeito da justiça da fé, enquanto apenas a doutrina das obras foi tratada nas igrejas, nossos professores têm instruído as igrejas relativas à fé como segue:
Primeiro, que nossas obras não podem reconciliar Deus ou merecer o perdão dos pecados, graça e justificação, mas que nós obtemos isso somente pela fé quando cremos que somos recebidos em favor por causa de Cristo, o único que foi estabelecido o Mediador e Propiciação. 1 Timóteo 2, 6, a fim de que o Pai possa ser reconciliado por meio dele. Quem quer que, portanto, confie que pelas obras ele merece graça, despreza o mérito e a graça de Cristo, e busca um caminho para Deus sem Cristo, pela força humana, embora Cristo tenha dito de Si mesmo: Eu sou o Caminho, a Verdade, e o Vida. João 14 e 6
Esta doutrina concernente à fé está em toda parte tratada por Paulo, Efésios 2, 8: Pela graça sois salvos pela fé; e que não de vós mesmos; é dom de Deus, não de obras, etc.
E para que ninguém diga asperamente que uma nova interpretação de Paulo foi concebida por nós, toda esta questão é apoiada pelos testemunhos dos Padres. Para Agostinho, em muitos volumes, defende a graça e a justiça da fé, contra os méritos das obras. E Ambrose, em seu De Vocatione Gentium, e em outros lugares, ensina a gostar de efeito. Pois em seu De Vocatione Gentium ele diz o seguinte: A redenção pelo sangue de Cristo se tornaria de pouco valor, nem a preeminência das obras do homem seria substituída pela misericórdia de Deus, se a justificação, que é feita através da graça, fosse devida a os méritos anteriores, de modo a ser, não o dom gratuito de um doador, mas a recompensa devida ao trabalhador.
Mas, embora essa doutrina seja desprezada pelas inexperientes, as consciências tementes a Deus e ansiosas acham, por experiência, que trazem o maior consolo, porque as consciências não podem ser postas em repouso através de qualquer obra, mas somente pela fé, que por amor de Deus eles têm um Deus reconciliado. Como Paulo ensina Romanos 5, 1: Sendo justificados pela fé, temos paz com Deus. Toda esta doutrina deve ser referida ao conflito da consciência aterrorizada, nem pode ser entendida à parte desse conflito. Portanto, os homens inexperientes e profanos julgam mal a respeito deste assunto, que sonham que a justiça cristã não é nada além de retidão civil e filosófica.
Até então, as consciências estavam atormentadas com a doutrina das obras, elas não ouviam a consolação do Evangelho. Algumas pessoas foram levadas pela consciência para o deserto, para mosteiros que esperavam merecer graça por uma vida monástica. Alguns também criaram outras obras pelas quais merecem graça e satisfazem os pecados. Por isso houve uma grande necessidade de tratar e renovar esta doutrina da fé em Cristo, para que as consciências ansiosas não fiquem sem consolação, mas para que possam saber que a graça e o perdão dos pecados e da justificação são apreendidos pela fé em Cristo.
Os homens também são advertidos de que aqui o termo "fé" não significa meramente o conhecimento da história, tal como o é no ímpio e no diabo, mas significa uma fé que crê não apenas na história, mas também o efeito da fé. história - ou seja, este artigo: o perdão dos pecados, a saber, que temos graça, justiça e perdão dos pecados através de Cristo.
Agora, aquele que sabe que tem um Pai gracioso a ele através de Cristo, conhece verdadeiramente a Deus; ele também sabe que Deus cuida dele e clama a Deus; em uma palavra, ele não é sem Deus, como o pagão. Para os diabos e os ímpios não são capazes de acreditar neste artigo: o perdão dos pecados. Por isso, eles odeiam a Deus como um inimigo, não o chamam e não esperam dele nada bom. Agostinho também adverte seus leitores sobre a palavra "fé", e ensina que o termo "fé" é aceito nas Escrituras não para conhecimento como é no ímpio, mas para a confiança que consola e encoraja a mente aterrorizada.
Além disso, é ensinado de nossa parte que é necessário fazer boas obras, não que devamos confiar para merecer graça por elas, mas porque é a vontade de Deus. É somente pela fé que o perdão dos pecados é apreendido, e isso, por nada. E porque através da fé o Espírito Santo é recebido, os corações são renovados e dotados de novas afeições, de modo a serem capazes de produzir boas obras. Ambrose diz: A fé é a mãe de uma boa vontade e é correta. Pois os poderes do homem sem o Espírito Santo são cheios de afeições ímpias e são fracos demais para realizar obras que são boas aos olhos de Deus. Além disso, eles estão no poder do diabo que leva os homens a vários pecados, a opiniões ímpias, a abrir crimes. Isso podemos ver nos filósofos, que, embora tenham se esforçado para levar uma vida honesta, não poderiam ter sucesso, mas foram corrompidos por muitos crimes abertos. Tal é a fraqueza do homem quando ele está sem fé e sem o Espírito Santo, e se governa apenas pela força humana.
Por isso, pode-se ver prontamente que essa doutrina não deve ser acusada de proibir boas obras, mas sim de ser mais elogiada, porque mostra como somos capacitados a fazer boas obras.Pois, sem fé, a natureza humana não pode, de maneira alguma, fazer as obras do Primeiro ou do Segundo Mandamento. Sem fé, não invoca a Deus, nem espera nada de Deus, nem carrega a cruz, mas procura e confia na ajuda do homem. E assim, quando não há fé e confiança em Deus, todo tipo de luxúria e dispositivos humanos governam no coração. Por isso, Cristo disse: João 16: Sem Mim nada podeis fazer. e a igreja canta:
     Sem o teu favor divino
     Não há nada encontrado no homem
     Nada nele é inofensivo.



Artigo XXI: Da Adoração dos Santos.

Da Adoração dos Santos, eles ensinam que a memória dos santos pode ser colocada diante de nós, para que possamos seguir sua fé e boas obras, de acordo com nosso chamado, como o Imperador pode seguir o exemplo de Davi fazendo guerra para afastar o turco. do seu país; Ambos são reis. Mas a Escritura não ensina a invocação dos santos ou a pedir ajuda aos santos, pois coloca diante de nós o único Cristo como Mediador, Propiciação, Sumo Sacerdote e Intercessor. Ele deve receber oração e prometeu que ouvirá nossa oração; e esta adoração Ele aprova acima de tudo, a saber, que em todas as aflições ele seja chamado, 1 João 2, 1: Se alguém pecar, temos um Advogado junto ao Pai, etc.
Isto é sobre a Soma de nossa Doutrina, na qual, como pode ser visto, não há nada que varie das Escrituras, ou da Igreja Católica, ou da Igreja de Roma como conhecido de seus escritores.Sendo este o caso, eles julgam duramente quem insiste que nossos professores sejam considerados hereges. Há, no entanto, desacordo sobre certos abusos, que se infiltraram na Igreja sem autoridade legítima. E mesmo nestes, se houvesse alguma diferença, deveria haver uma leniência adequada por parte dos bispos para suportar conosco por causa da Confissão que agora revisamos; porque mesmo os Cânones não são tão severos a ponto de exigir os mesmos ritos em todos os lugares, nem a qualquer momento os ritos de todas as igrejas são os mesmos;embora, entre nós, em grande parte, os antigos ritos sejam diligentemente observados. Pois é uma acusação falsa e maliciosa que todas as cerimônias, todas as coisas instituídas da antiguidade, são abolidas em nossas igrejas. Mas tem sido uma queixa comum que alguns abusos estavam relacionados com os ritos comuns. Estes, na medida em que não puderam ser aprovados com uma boa consciência, foram corrigidos em certa medida.



ARTIGOS EM QUE SÃO REVISADOS OS ABUSOS QUE FORAM CORRIGIDOS.

Assim, como nossas igrejas não discordam em nenhum artigo da fé da Igreja Católica, mas apenas omitem alguns abusos que são novos, e que foram erroneamente aceitos pela corrupção dos tempos, contrariando a intenção dos Cânones, nós Ore para que Sua Majestade Imperial ouça graciosamente o que foi mudado e quais foram as razões pelas quais as pessoas não foram compelidas a observar esses abusos contra sua consciência. Tampouco deve a Sua Majestade Imperial acreditar naqueles que, a fim de excitar o ódio dos homens contra a nossa parte, disseminar calúnias estranhas entre o povo. Tendo assim animado as mentes dos homens bons, eles primeiro deram ocasião para esta controvérsia, e agora se esforçam, pelas mesmas artes, para aumentar a discórdia. Para Sua Majestade Imperial, sem dúvida, descobrirá que a forma de doutrina e de cerimônias conosco não é tão intolerável como esses homens ímpios e mal-intencionados representam. Além disso, a verdade não pode ser obtida a partir de rumores comuns ou de insultos de inimigos. Mas pode-se prontamente julgar que nada serviria melhor para manter a dignidade das cerimônias e nutrir reverência e devoção piedosa entre as pessoas do que se as cerimônias fossem observadas corretamente nas igrejas.



Artigo XXII: Dos dois tipos no sacramento.

Aos leigos são dados os dois tipos no sacramento da ceia do Senhor, porque esse uso tem o mandamento do Senhor em Mateus 26, 27: Beba tudo isso, onde Cristo ordenou manifestamente a respeito do cálice que todos devem beber.
E para que nenhum homem astuciosamente diga que isto se refere somente aos sacerdotes, Paulo em 1 Coríntios 11,27 recita um exemplo do qual parece que toda a congregação usou os dois tipos. E esse uso permaneceu por muito tempo na Igreja, nem é conhecido quando, ou por cuja autoridade, foi mudado; embora o Cardeal Cusanus mencione o momento em que foi aprovado. Cipriano em alguns lugares atesta que o sangue foi dado ao povo. O mesmo é testemunhado por Jerônimo, que diz: Os sacerdotes administram a Eucaristia e distribuem o sangue de Cristo ao povo. De fato, o Papa Gelásio ordena que o Sacramento não seja dividido (dist. II., De Consecratione, cap. Comperimus). Apenas costume, não tão antigo, tem de outra forma.Mas é evidente que qualquer costume introduzido contra os mandamentos de Deus não deve ser permitido, como os Cônegos testemunham (dist. III., Cap. Veritate e os capítulos seguintes).Mas esse costume foi recebido não apenas contra as Escrituras, mas também contra os antigos Cânones e o exemplo da Igreja. Portanto, se alguém preferir usar ambos os tipos de Sacramento, eles não deveriam ter sido compelidos a ofender suas consciências para fazer o contrário. E porque a divisão do Sacramento não concorda com a ordenança de Cristo, estamos acostumados a omitir a procissão, que até agora tem sido usada.



Artigo XXIII: Do Casamento dos Sacerdotes.

Houve queixas comuns sobre os exemplos de sacerdotes que não eram castos. Por essa razão também é relatado que o papa Pio disse que havia certas causas pelas quais o casamento era tirado dos padres, mas que havia muito mais peso porque deveria ser devolvido; por isso Platina escreve. Como, portanto, nossos sacerdotes estavam desejosos de evitar esses escândalos abertos, eles se casaram com esposas e ensinaram que era legal para eles contratar matrimônio. Primeiro, porque Paulo diz: 1 Coríntios. 7, 2. 9: Para evitar a fornicação, todo homem tenha sua própria esposa. Além disso: É melhor casar do que queimar. Em segundo lugar, Cristo diz, Mateus 19,11: Todos os homens não podem receber este ditado, onde Ele ensina que nem todos os homens estão aptos a levar uma única vida; porque Deus criou o homem para a procriação, Gênesis 1, 28. Nem é no poder do homem, sem um presente singular e obra de Deus, alterar esta criação. [Pois é manifesto, e muitos confessaram que nenhuma boa, honesta e casta vida, nenhuma conduta cristã, sincera e correta resultou (da tentativa), mas uma agitação horrível e temerosa e tormento de consciência tem sido sentida por muitos até o fim.] Portanto, aqueles que não estão aptos a levar uma única vida devem contratar matrimônio. Pois a lei de ninguém, nenhum voto, pode anular o mandamento e a ordenança de Deus. Por estas razões, os sacerdotes ensinam que é legal para eles se casarem com esposas.
Também é evidente que na antiga Igreja os padres eram homens casados. Paulo diz: 1 Timóteo 3, 2, que um bispo deve ser escolhido, que é o marido de uma esposa. E na Alemanha, quatrocentos anos atrás, pela primeira vez, os sacerdotes foram violentamente obrigados a levar uma única vida, que de fato ofereceu tal resistência que o arcebispo de Mayence, prestes a publicar o decreto do papa sobre este assunto, quase foi morto em o tumulto levantado pelos padres enfurecidos. E tão duro foi o tratamento no assunto que não só eram casamentos proibidos para o futuro, mas também os casamentos existentes foram divididos, ao contrário de todas as leis, divinas e humanas, contrárias aos próprios Cônegos, feitas não só pelos papas, mas pela maioria dos sínodos celebrados. [Além disso, muitas pessoas tementes a Deus e inteligentes em altas posições são freqüentemente expressas como desconfiadas de que tal celibato imposto e privando os homens de casamento (que o próprio Deus instituiu e deixou livre para os homens) nunca produziu nenhum bom resultado, mas trouxe muitos grandes e maus vícios e muita iniqüidade.]
Vendo também que, à medida que o mundo está envelhecendo, a natureza do homem está gradualmente se enfraquecendo, é bom guardar que não vingam mais na Alemanha.
Além disso, Deus ordenou que o casamento fosse uma ajuda contra a enfermidade humana. Os próprios Cônegos dizem que o antigo rigor deve, de vez em quando, nos últimos tempos, ser relaxado por causa da fraqueza dos homens; o que é para ser desejado foi feito também neste assunto. E é de se esperar que as igrejas tenham algum dia falta de pastores se o casamento for proibido por mais tempo.
Mas enquanto o mandamento de Deus está em vigor, enquanto o costume da Igreja é bem conhecido, enquanto o celibato impuro causa muitos escândalos, adultérios e outros crimes que merecem a punição de apenas magistrados, ainda assim é uma coisa maravilhosa que em nada é mais crueldade exercida do que contra o casamento de padres. Deus deu mandamento para honrar o casamento. Pelas leis de todas as comunidades bem ordenadas, mesmo entre os pagãos, o casamento é altamente honrado. Mas agora os homens e os sacerdotes são cruelmente condenados à morte, contrariamente à intenção dos Cânones, por nenhuma outra causa além do casamento. Paulo, em 1 Timóteo 4,3, chama isso de uma doutrina de demônios que proíbe o casamento. Isso pode agora ser prontamente entendido quando a lei contra o casamento é mantida por tais penalidades.
Mas como nenhuma lei do homem pode anular o mandamento de Deus, nem pode ser feito por qualquer voto. Assim, Cipriano também aconselha que as mulheres que não mantêm a castidade prometida se casem. Suas palavras são estas (Livro I, Epístola XI): Mas se elas não querem ou são incapazes de perseverar, é melhor que elas se casem do que caiam no fogo por suas concupiscências; eles certamente não devem ofender seus irmãos e irmãs.
E até mesmo os Cônegos demonstram certa indulgência em relação àqueles que fizeram votos antes da idade apropriada, como até agora tem sido a facilidade.



Artigo XXIV: Da Missa.

Falsamente são nossas igrejas acusadas de abolir a missa; pois a missa é mantida entre nós e celebrada com a mais alta reverência. Quase todas as cerimônias habituais também são preservadas, exceto que as partes cantadas em latim são intercaladas aqui e ali com hinos alemães, que foram adicionados para ensinar as pessoas. Para cerimônias são necessárias para este fim sozinho que o não aprendido seja ensinado [o que eles precisam saber de Cristo]. E não somente Paulo mandou usar na igreja uma linguagem entendida pelo povo 1 Coríntios. 14,2. 9, mas também foi assim ordenado pela lei do homem. As pessoas estão acostumadas a participar do Sacramento juntas, se houver, e isso também aumenta a reverência e a devoção do culto público. Pois ninguém é admitido, a menos que seja examinado primeiro. As pessoas também são aconselhadas sobre a dignidade e o uso do Sacramento, quão grande consolo isso traz consciências ansiosas, que elas podem aprender a crer em Deus, e esperar e pedir a Ele tudo que é bom. [Neste contexto eles também são instruídos sobre outros e falsos ensinos sobre o Sacramento.] Esta adoração agrada a Deus; tal uso do sacramento nutre a verdadeira devoção a Deus. Não parece, portanto, que a missa seja mais devotadamente celebrada entre nossos adversários do que entre nós.
Mas é evidente que por muito tempo esta também tem sido a reclamação pública e mais grave de todos os homens de bem que as missas foram profanadas e aplicadas a propósitos de lucre. Pois não é desconhecido até que ponto esse abuso ocorre em todas as igrejas, de que maneira as Missas dos homens são ditas apenas por honorários ou estipêndios, e quantas as celebram ao contrário dos Cânones. Mas Paulo ameaça seriamente aqueles que lidam indignamente com a Eucaristia quando diz: 1 Coríntios 11,27: Todo aquele que comer este pão e beber deste cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Quando, portanto, nossos sacerdotes foram admoestados com relação a esse pecado, missas privadas foram interrompidas entre nós, pois quase nenhuma Missa Privada foi celebrada, exceto por causa do lucro.
Nem os bispos eram ignorantes desses abusos e, se os tivessem corrigido a tempo, haveria agora menos dissensão. Até então, por sua própria conivência, eles sofreram muitas corrupções para infiltrar-se na Igreja. Agora, quando é tarde demais, eles começam a reclamar dos problemas da Igreja, enquanto esta perturbação foi ocasionada simplesmente por aqueles abusos que eram tão manifestos que não podiam mais ser suportados. Houve grandes dissensões em relação à missa sobre o sacramento. Talvez o mundo esteja sendo castigado por profanações tão prolongadas da Missa como foram toleradas nas igrejas por tantos séculos pelos mesmos homens que eram capazes e tinham o dever de corrigi-las. Pois nos Dez Mandamentos está escrito, Êxodo 20, 7: O Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. Mas desde que o mundo começou, nada que Deus tenha ordenado parece ter sido tão abusado pelo lucro da missa.
Também foi acrescentada a opinião que aumentou infinitamente as Missas Privadas, ou seja, que Cristo, por Sua paixão, havia feito satisfação pelo pecado original, e instituiu a Missa onde uma oferta deveria ser feita pelos pecados diários, veniais e mortais. A partir disso, surgiu a opinião comum de que a Missa tira os pecados dos vivos e dos mortos pelo ato exterior.Então eles começaram a discutir se uma missa dizia que muitos valiam tanto quanto missas especiais para os indivíduos, e isso produziu aquela infinita multidão de missas. [Com essa obra, os homens desejavam obter de Deus tudo o que precisavam e, nesse meio tempo, a fé em Cristo e a verdadeira adoração foram esquecidas.]
Concernente a essas opiniões, nossos mestres advertiram que se afastam das Sagradas Escrituras e diminuem a glória da paixão de Cristo. Porque a paixão de Cristo era uma oblação e satisfação, não apenas pela culpa original, mas também por todos os outros pecados, como está escrito aos Hebreus, 10, 10: Somos santificados pela oferta de Jesus Cristo uma vez por todas. Também, 10, 14: Por uma oferta Ele aperfeiçoou para sempre os que são santificados. É uma inovação inédita na Igreja ensinar que Cristo, por meio de Sua morte, satisfez apenas o pecado original e não o mesmo para todos os outros pecados. Assim, espera-se que todos entendam que esse erro não foi reprovado sem o devido motivo.]
As Escrituras também ensinam que somos justificados diante de Deus pela fé em Cristo, quando cremos que nossos pecados são perdoados por amor a Cristo. Agora, se a Missa tira os pecados dos vivos e dos mortos pelo ato exterior, a justificação vem da obra das Missas, e não da fé, que as Escrituras não permitem.
Mas Cristo nos ordena, Lucas 22, 19: Isto faz em memória de Mim; portanto, a Missa foi instituída para que a fé daqueles que usam o Sacramento lembrassem os benefícios que ele recebe através de Cristo, e alegrem e confortem a consciência ansiosa. Pois lembrar-se de Cristo é lembrar-se de Seus benefícios e perceber que eles são verdadeiramente oferecidos a nós.Nem é suficiente apenas lembrar a história; porque também os judeus e os ímpios se lembram disso. Portanto, a missa deve ser usada para esse fim, para que ali o Sacramento [Comunhão] possa ser administrado a eles que precisam de consolo; como Ambrose diz: Porque eu sempre peco, eu sou sempre obrigado a tomar o remédio. [Portanto, este Sacramento requer fé e é usado em vão sem fé.]
Agora, visto que a Missa é tal doação do Sacramento, nós mantemos uma comunhão a cada dia santo, e, se algum desejo o Sacramento, também em outros dias, quando é dado a tais como pedir isto. E esse costume não é novo na Igreja; para os Padres, antes que Gregório não mencionasse nenhuma missa privada, mas da Missa comum [a Comunhão], eles falam muito.Crisóstomo diz que o sacerdote está diariamente no altar, convidando alguns para a Comunhão e retendo os outros. E parece dos antigos Cânones que alguém celebrou a Missa de quem todos os outros presbíteros e diáconos receberam o corpo do Senhor; pois assim as palavras do Cônego de Niceia dizem: Que os diáconos, de acordo com sua ordem, recebam a Santa Ceia depois dos presbíteros, do bispo ou de um presbítero. E Paulo, 1 Coríntios 11, 33, comandos concernentes à Comunhão: Fica um para o outro, para que possa haver uma participação comum.
Portanto, visto que a Missa conosco tem o exemplo da Igreja, tirada da Escritura e dos Padres, estamos confiantes de que não pode ser desaprovada, especialmente porque as cerimônias públicas, na maior parte como aquelas até então em uso, são retidas; apenas o número de missas difere, o que, por causa de abusos muito grandes e manifestos, pode, sem dúvida, ser reduzido de maneira lucrativa. Nos tempos antigos, mesmo nas igrejas mais frequentadas, a Missa não era celebrada todos os dias, como testemunha a História Tripartida (Livro 9, cap. 33): Novamente em Alexandria, toda quarta-feira e sexta-feira as Escrituras são lidas e os médicos expõem. eles, e todas as coisas são feitas, exceto o rito solene de Comunhão.



Artigo XXV: De Confissão.

A confissão nas igrejas não é abolida entre nós; pois não é usual dar o corpo do Senhor, exceto àqueles que foram examinados e absolvidos anteriormente. E as pessoas são ensinadas com mais cuidado a respeito da fé na absolvição, sobre a qual antigamente havia um profundo silêncio. Nosso povo é ensinado que eles devem valorizar muito a absolvição, como sendo a voz de Deus, e pronunciada pela ordem de Deus. O poder das Chaves é apresentado em sua beleza e eles são lembrados de que grande consolo isso traz às consciências ansiosas, também, que Deus exige fé para acreditar em tal absolvição como uma voz que soa do céu, e que essa fé em Cristo realmente obtém e recebe o perdão dos pecados. Antigamente, as satisfações eram exageradamente exaltadas; da fé e do mérito de Cristo e da justiça da fé, nenhuma menção foi feita; portanto, neste ponto, nossas igrejas não são de forma alguma culpadas. Por isso, mesmo nossos adversários precisam admitir que a doutrina sobre o arrependimento foi tratada com mais diligência e aberta por nossos professores.

Mas da Confissão, eles ensinam que a enumeração dos pecados não é necessária, e que as consciências não são sobrecarregadas de ansiedade para enumerar todos os pecados, pois é impossível contar todos os pecados, como o Salmo testifica, 19,13: Quem pode entender seus erros? Também Jeremias, 17 9: O coração é enganoso; quem pode conhecê-lo; Mas se nenhum pecado foi perdoado, exceto aqueles que são recontados, a consciência nunca poderia encontrar a paz; por muitos pecados que eles não vêem nem podem lembrar. Os escritores antigos também testificam que uma enumeração não é necessária. Pois nos Decretos, é citado Crisóstomo, que diz assim: Eu não lhes digo que você deva se revelar em público, nem que você se acuse diante dos outros, mas eu gostaria que você obedecesse ao profeta que diz: "Divulgue-se antes Deus." Portanto, confesse seus pecados diante de Deus, o verdadeiro juiz, com a oração. Diga seus erros, não com a língua, mas com a memória de sua consciência, etc. E o Brilho (Do Arrependimento, Distinto V, Cap. Consideret) admite que a Confissão é apenas de direito humano [não comandada pela Escritura, mas ordenada pela Igreja]. No entanto, devido ao grande benefício da absolvição e por ser útil à consciência, a Confissão é mantida entre nós.



Artigo XXVI: Da Distinção de Carnes.

Tem sido a persuasão geral, não só do povo, mas também daqueles que ensinam nas igrejas, que fazer Distinções de Carnes, e como tradições de homens, são obras proveitosas para merecer graça, e capazes de fazer satisfações pelos pecados. E que o mundo assim pensado, aparece disto, que novas cerimônias, novas ordens, novos dias santos e novos jejuns foram instituídos diariamente, e os professores nas igrejas fizeram essas obras como um serviço necessário para merecer graça, e fizeram aterroriza muito a consciência dos homens, se eles omitirem qualquer uma dessas coisas. Desta persuasão concernente às tradições, muito detrimento resultou na Igreja.
Primeiro, a doutrina da graça e da justiça da fé foi obscurecida por ela, que é a parte principal do Evangelho, e deve se destacar como a mais proeminente da Igreja, a fim de que o mérito de Cristo seja bem conhecido, e a fé, que crê que os pecados são perdoados por amor de Cristo, devem ser exaltados muito acima das obras. Por isso, Paulo também coloca a maior ênfase neste artigo, deixando de lado a Lei e as tradições humanas, a fim de mostrar que a justiça cristã é outra coisa além de tais obras, a saber, a fé que crê que os pecados são livremente perdoados por amor de Cristo. Mas essa doutrina de Paulo tem sido quase totalmente sufocada pelas tradições, que produziram uma opinião de que, fazendo distinções em carnes e serviços semelhantes, devemos merecer graça e justiça. Ao tratar do arrependimento, não houve menção de fé; apenas aquelas obras de satisfação foram estabelecidas; Nestes, todo o arrependimento parecia consistir.
Em segundo lugar, essas tradições obscureceram os mandamentos de Deus, porque as tradições foram colocadas muito acima dos mandamentos de Deus. Acreditava-se que o cristianismo consistia inteiramente na observância de certos dias sagrados, ritos, jejuns e vestimentas. Essas observâncias haviam conquistado para si o título exaltado de ser a vida espiritual e a vida perfeita. Enquanto isso, os mandamentos de Deus, de acordo com o chamado de cada um, eram sem honra, ou seja, que o pai criava sua descendência, que a mãe gerou filhos, que o príncipe governou a comunidade - essas obras eram consideradas mundanas e imperfeitas, e muito abaixo dessas observâncias brilhantes. E esse erro atormentou grandemente as consciências devotas, que lamentavam que elas estivessem em um estado de vida imperfeito, como no casamento, no ofício de magistrado; ou em outras administrações civis; por outro lado, admiravam os monges e semelhantes, e imaginavam falsamente que as observâncias de tais homens eram mais aceitáveis ​​para Deus.
Em terceiro lugar, as tradições traziam grande perigo para as consciências; pois era impossível manter todas as tradições, e ainda assim os homens julgavam essas observâncias como atos necessários de adoração. Gerson escreve que muitos caíram em desespero, e alguns até tiraram a própria vida, porque sentiram que não eram capazes de satisfazer as tradições, e durante todo esse tempo não ouviram nenhum consolo da justiça da fé e da graça. Vemos que os summistas e os teólogos reúnem as tradições e buscam mitigações para aliviar as consciências e, no entanto, não destampam suficientemente, mas às vezes complicam ainda mais as consciências. E com a reunião dessas tradições, as escolas e os sermões foram tão ocupados que não tiveram tempo de tocar nas Escrituras, e buscar a mais proveitosa doutrina da fé, da cruz, da esperança, da dignidade da civilização. assuntos de consolo de consciências dolorosamente tentadas. Por isso, Gerson e alguns outros teólogos reclamaram gravemente que, por causa desses esforços em relação às tradições, foram impedidos de dar atenção a um melhor tipo de doutrina. Agostinho também proíbe que a consciência dos homens seja sobrecarregada com tais observâncias, e aconselha prudentemente Januário a saber que devem ser observados como coisas indiferentes; porque tais são as suas palavras.
Portanto, nossos professores não devem ser encarados como tendo assumido este assunto precipitadamente ou do ódio aos bispos, como alguns suspeitam falsamente. Havia uma grande necessidade de alertar as igrejas sobre esses erros, que surgiram da incompreensão das tradições. Porque o Evangelho nos obriga a insistir nas igrejas sobre a doutrina da graça e da justiça da fé; que, no entanto, não pode ser entendido, se os homens pensam que merecem graça por observâncias de sua própria escolha.
Assim, portanto, eles ensinaram que, pela observância das tradições humanas, não podemos merecer graça ou ser justificados e, portanto, não devemos pensar que tais observâncias sejam atos necessários de adoração. Eles adicionam aqui testemunhos das Escrituras. Cristo, Mateus 15, 3, defende os Apóstolos que não haviam observado a tradição usual, que, no entanto, evidentemente pertence a uma questão não ilegal, mas indiferente, e a ter uma certa afinidade com as purificações da Lei, e diz, 9: Em vão Eles me adoram com os mandamentos dos homens? Ele, portanto, não exige um serviço não lucrativo. Pouco depois, Ele acrescenta: Não é o que entra pela boca que contamina o homem. Assim também Paulo, Romanos 14, 17: O reino de Deus não é carne nem bebida. Colossenses 2: 16: Portanto, ninguém vos julgue por carne ou bebida, nem por um dia santo ou pelo dia do sábado; também: Se você está morto com Cristo dos rudimentos do mundo, por que, como se estivesse vivendo no mundo, você está sujeito a ordenanças: Não toque, não prove, não lide! E Pedro diz, Atos 15, 10: Por que tentais a Deus que ponha um jugo sobre o pescoço dos discípulos, o qual nem nossos pais nem nós pudemos suportar? Mas nós cremos que pela graça do Senhor Jesus Cristo seremos salvos, assim como eles.Aqui Pedro proíbe sobrecarregar as consciências com muitos ritos, seja de Moisés ou de outros. E em 1 Timóteo 4,1,3 Paulo chama a proibição de carnes uma doutrina de demônios; pois é contra o Evangelho instituir ou fazer tais obras que, por elas, possamos merecer graça, ou como se o cristianismo não pudesse existir sem esse serviço de Deus.
Aqui nossos adversários objetam que nossos professores se opõem à disciplina e mortificação da carne, como Jovinian. Mas o contrário pode ser aprendido com os escritos de nossos professores. Pois eles sempre ensinaram a respeito da cruz que cabe aos cristãos suportar aflições. Esta é a mortificação verdadeira, sincera e não fingida, a saber, ser exercida com diversas aflições e ser crucificada com Cristo.
Além disso, eles ensinam que todo cristão deve treinar e subjugar-se com restrições corporais, ou exercícios corporais e trabalhos que nem a saciedade nem a indolência o tentam a pecar, mas não que mereçamos graça ou façamos satisfação pelos pecados com tais exercícios. E tal disciplina externa deveria ser urgida em todos os momentos, não apenas em poucos dias. Então Cristo ordena, Lucas 21, 34: Cuide para que seus corações não sejam sobrecarregados com excessos; também Mateus 17, 21: Este tipo não sai senão pela oração e pelo jejum. Paulo também diz: 1 Coríntios. 9, 27: Eu mantenho-me debaixo do corpo e trago-o em sujeição. Aqui ele mostra claramente que ele estava mantendo sob o seu corpo, não para merecer o perdão dos pecados por essa disciplina, mas para ter seu corpo em sujeição e adequado para as coisas espirituais, e para o cumprimento do dever de acordo com o seu chamado. Portanto, não condenamos o jejum em si mesmo, mas as tradições que prescrevem certos dias e certas carnes, com perigo de consciência, como se tais obras fossem um serviço necessário.
No entanto, muitas tradições são mantidas de nossa parte, que conduzem à boa ordem na Igreja, como a Ordem das Lições na Missa e os principais dias santos. Mas, ao mesmo tempo, os homens são advertidos de que tais observâncias não justificam diante de Deus, e que em tais coisas não deve ser feito pecado se elas forem omitidas sem ofensa. Tal liberdade nos ritos humanos não era desconhecida dos Padres. Pois no Oriente eles mantiveram a Páscoa em outro tempo do que em Roma, e quando, por causa dessa diversidade, os romanos acusaram a Igreja Oriental de cisma, eles foram admoestados por outros que tais usos não precisam ser iguais em todos os lugares. E Irineu diz: A diversidade do jejum não destrói a harmonia da fé;como também o Papa Gregorio insinua em Dist. XII, que tal diversidade não viola a unidade da Igreja. E na História Tripartida, Livro 9, muitos exemplos de ritos diferentes são reunidos, e a seguinte declaração é feita: Não era a mente dos apóstolos para promulgar regras relativas aos dias santos, mas para pregar piedade e uma vida santa [, ensinar fé e amor].



Artigo XXVII: Dos votos monásticos.

O que é ensinado de nossa parte sobre Votos Monásticos, será melhor compreendido se for lembrado do que tem sido o estado dos mosteiros, e quantas coisas foram feitas diariamente naqueles próprios mosteiros, ao contrário dos Cônegos. Na época de Agostinho, eles eram associações livres. Depois, quando a disciplina foi corrompida, os votos foram adicionados em toda parte com o propósito de restaurar a disciplina, como em uma prisão cuidadosamente planejada.
Gradualmente, muitas outras observâncias foram adicionadas além dos votos. E esses grilhões foram colocados sobre muitos antes da idade legal, ao contrário dos Cânones.
Muitos também entraram nesse tipo de vida através da ignorância, sendo incapazes de julgar suas próprias forças, apesar de terem idade suficiente. Sendo assim enredados, eles foram obrigados a permanecer, embora alguns pudessem ter sido libertados pela disposição gentil dos Cânones. E esse era mais o caso em conventos de mulheres do que de monges, embora mais considerações devessem ser mostradas sobre o sexo frágil. Esse rigor desagradou muitos homens bons antes dessa época, que viram que os rapazes e donzelas foram jogados em conventos para viver. Eles viram que resultados infelizes vieram desse procedimento, e quais escândalos foram criados, quais armadilhas foram lançadas sobre as consciências! Eles se lamentaram que a autoridade dos Cônegos em um assunto tão importante fosse totalmente anulada e desprezada. A esses males foi acrescentada essa persuasão a respeito de votos, pois, é bem sabido, em tempos antigos desagradou até mesmo aqueles monges que eram mais atenciosos. Eles ensinaram que os votos eram iguais ao Batismo; eles ensinavam que, por esse tipo de vida, eles mereciam perdão de pecados e justificação diante de Deus. Sim, acrescentaram que a vida monástica não apenas merecia retidão diante de Deus, mas coisas ainda maiores, porque guardava não apenas os preceitos, mas também os chamados "conselhos evangélicos".
Assim, eles fizeram os homens acreditarem que a profissão de monaquismo era muito melhor do que o Batismo, e que a vida monástica era mais meritória que a dos magistrados, que a vida de pastores e semelhantes, que servem seu chamado de acordo com os mandamentos de Deus. qualquer serviço feito pelo homem. Nenhuma dessas coisas pode ser negada; porque eles aparecem em seus próprios livros. [Além disso, uma pessoa que foi assim enlaçada e entrou em um mosteiro, aprende pouco de Cristo.]
O que, então, aconteceu nos mosteiros? Antes eram escolas de teologia e outros ramos, lucrativos para a Igreja; e daí pastores e bispos foram obtidos. Agora é outra coisa. É desnecessário ensaiar o que é conhecido por todos. Antes eles se reuniram para aprender; agora eles fingem que é um tipo de vida instituída para merecer graça e justiça; sim, eles pregam que é um estado de perfeição e o colocam muito acima de todos os outros tipos de vida ordenados por Deus. Nós ensaiamos essas coisas sem exagero odioso, a fim de que a doutrina de nossos professores sobre esse ponto possa ser melhor compreendida.

Em primeiro lugar, no tocante ao matrimônio contratual, eles ensinam de nossa parte que é lícito que todos os homens que não têm a vida única possam contratar o matrimônio, porque os votos não podem anular a ordenança e o mandamento de Deus. Mas o mandamento de Deus é 1 Coríntios. 7, 2: Para evitar a fornicação, todo homem tenha sua própria esposa. Nem é somente o mandamento, mas também a criação e ordenança de Deus, que força aqueles a se casarem que não são excetuados por uma obra singular de Deus, de acordo com o texto Gênesis 2, 18: Não é bom que o homem deva estar sozinho. Portanto, eles não pecam e obedecem a este mandamento e ordenança de Deus.
Que objeção pode ser levantada para isso? Que os homens exaltem a obrigação de um voto tanto quanto eles mencionam, mas eles não devem fazer acontecer que o voto anule o mandamento de Deus. Os Cânones ensinam que o direito do superior é excetuado em todo voto; [que os votos não são vinculativos contra a decisão do Papa;] muito menos, portanto, são esses votos de força que são contra os mandamentos de Deus.
Ora, se a obrigação dos votos não podia ser mudada por qualquer causa, os Romanos Pontífices nunca poderiam dar a dispensa, pois não é lícito ao homem anular uma obrigação que é simplesmente divina. Mas os Romanos Pontífices julgaram com prudência que a clemência deve ser observada nesta obrigação e, portanto, lemos que muitas vezes eles dispensaram os votos. O caso do rei de Aragão que foi chamado de volta do mosteiro é bem conhecido, e há também exemplos em nossos tempos. [Agora, se as dispensações foram concedidas para assegurar interesses temporais, é muito mais apropriado que sejam concedidas por causa da aflição das almas.]
Em segundo lugar, por que nossos adversários exageram a obrigação ou o efeito de um voto quando, ao mesmo tempo, não têm uma palavra a dizer sobre a natureza do voto em si, que deve ser possível, que deveria ser livre e escolhido espontânea e deliberadamente? Mas não é desconhecido até que ponto a castidade perpétua está no poder do homem. E quão poucos são aqueles que fizeram o voto espontânea e deliberadamente! Jovens donzelas e homens, antes de poderem julgar, são persuadidos, e às vezes até compelidos, a fazer o voto. Portanto, não é justo insistir tão rigorosamente na obrigação, pois é concedido por todos que é contra a natureza de um voto tomá-la sem ação espontânea e deliberada.
A maioria das leis canônicas rescindem votos feitos antes dos quinze anos; pois antes dessa idade não parece haver julgamento suficiente em uma pessoa para decidir sobre uma vida perpétua. Outro Canon, concedendo mais à fraqueza do homem, acrescenta alguns anos; porque proíbe que um voto seja feito antes dos dezoito anos. Mas qual desses dois cânones seguiremos? A maior parte tem uma desculpa para deixar os mosteiros, porque a maioria deles fez os votos antes de chegarem a essas idades.
Finalmente, mesmo que a violação de um voto possa ser censurada, não parece, contudo, que os casamentos de tais pessoas devam ser dissolvidos. Pois Agostinho nega que devam ser dissolvidos (XXVII. Quaest. I, Cap. Nuptiarum), e sua autoridade não é levianamente estimada, embora outros homens pensem o contrário.
Mas embora pareça que o mandamento de Deus a respeito do casamento libera muitos de seus votos, ainda assim nossos professores introduzem também outro argumento relativo aos votos para mostrar que eles são nulos. Pois todo serviço de Deus, ordenado e escolhido por homens sem o mandamento de Deus para merecer justificação e graça, é iníquo, como Cristo diz a Mateus 16, 9: Em vão me adoram com os mandamentos dos homens. E Paulo ensina em todo lugar que a justiça não deve ser buscada em nossas próprias observâncias e atos de adoração, concebidos por homens, mas que vem pela fé para aqueles que creem que são recebidos por Deus em graça por amor a Cristo.
Mas é evidente que os monges ensinaram que os serviços de fazer o homem satisfazem os pecados e merecem graça e justificação. O que mais é isso do que diminuir a glória de Cristo e obscurecer e negar a justiça da fé? Segue-se, portanto, que os votos assim comumente tomados foram serviços iníquos e, conseqüentemente, são nulos. Pois um voto perverso, tomado contra o mandamento de Deus, não é válido; porque (como diz o cânon) nenhum voto deve ligar os homens à maldade.
Paulo diz: Gál. 5, 4: Cristo tornou-se sem efeito para você, qualquer de vocês que são justificados pela Lei, vocês caíram da graça. Para aqueles, portanto, que querem ser justificados por seus votos, Cristo é feito sem efeito, e eles caem da graça. Pois também aqueles que atribuem justificação aos votos atribuem às suas próprias obras aquilo que apropriadamente pertence à glória de Cristo.
Nem se pode negar, de fato, que os monges ensinaram que, por seus votos e observâncias, eles eram justificados e mereciam o perdão dos pecados, sim, inventaram ainda mais absurdos, dizendo que poderiam dar a outros uma parte em suas obras. Se alguém deve estar inclinado a ampliar essas coisas com más intenções, quantas coisas ele poderia reunir, das quais até os monges estão agora envergonhados! Além disso, persuadiram os homens de que os serviços de fazer o homem eram um estado de perfeição cristã. E isso não é atribuição de justificação para obras? Não é ofensa leve na Igreja expor ao povo um serviço concebido pelos homens, sem o mandamento de Deus, e ensinar que tal serviço justifica os homens. Pois a justiça da fé, que principalmente deve ser ensinada na Igreja, é obscurecida quando essas maravilhosas formas angélicas de adoração, com sua demonstração de pobreza, humildade e celibato, estão diante dos olhos dos homens.
Além disso, os preceitos de Deus e o verdadeiro serviço de Deus são obscurecidos quando os homens ouvem que somente monges estão em estado de perfeição. Pois a perfeição cristã é temer a Deus de coração, e ainda conceber grande fé, e confiar que por amor de Cristo temos um Deus que foi reconciliado, pedir a Deus, e seguramente esperar Sua ajuda em todas as coisas que, de acordo com nosso chamado, devem ser feitos; e, enquanto isso, ser diligente em boas obras exteriores e servir nosso chamado. Nestas coisas consiste a verdadeira perfeição e o verdadeiro serviço de Deus. Não consiste em celibato, em mendicância ou em vestimentas vis. Mas as pessoas concebem muitas opiniões perniciosas das falsas recomendações da vida monástica. Eles ouvem o celibato elogiado acima da medida; portanto, levam sua vida conjugal com ofensa às suas consciências. Eles ouvem que apenas os mendigos são perfeitos;portanto, guardam suas posses e fazem negócios com ofensa às suas consciências. Eles ouvem que é um conselho evangélico não buscar vingança; portanto, alguns na vida privada não têm medo de se vingar, pois ouvem que é apenas um conselho, e não um mandamento. Outros julgam que o cristão não pode apropriadamente ocupar um cargo civil ou ser um magistrado.
Há exemplos recordes de homens que, abandonando o casamento e a administração da República, se esconderam em mosteiros. Isso eles chamavam de fugir do mundo e buscar uma espécie de vida que fosse mais agradável a Deus. Nem eles viram que Deus deveria ser servido naqueles mandamentos que Ele mesmo deu e não nos mandamentos inventados pelos homens. Um tipo de vida bom e perfeito é aquele que tem para ele o mandamento de Deus. É necessário advertir os homens dessas coisas.
E antes destes tempos, Gerson repreende este erro dos monges com respeito à perfeição, e atesta que em seus dias foi um novo ditado que diz que a vida monástica é um estado de perfeição.
Tantas opiniões perversas são inerentes aos votos, a saber, que eles justificam, que constituem a perfeição cristã, que guardam os conselhos e mandamentos, que têm obras de super-rogação. Todas estas coisas, uma vez que são falsas e vazias, tornam os votos nulos e sem efeito.



Artigo XXVIII: Do Poder Eclesiástico.

Tem havido grande controvérsia a respeito do Poder dos Bispos, no qual alguns confundiram desajeitadamente o poder da Igreja e o poder da espada. E desta confusão resultaram grandes guerras e tumultos, enquanto os Pontífices, encorajados pelo poder das Chaves, não só instituíram novos serviços e sobrecarregaram as consciências com reserva de casos e excomunhões implacáveis, mas também se comprometeram a transferir os reinos de este mundo, e tirar o Império do Imperador. Esses erros há muito foram repreendidos na Igreja por homens instruídos e piedosos. Portanto, nossos professores, para o consolo das consciências dos homens, foram constrangidos a mostrar a diferença entre o poder da Igreja e o poder da espada, e ensinaram que ambos, por causa do mandamento de Deus, devem ser mantidos em reverência e honra. como as principais bênçãos de Deus na terra.
Mas esta é a opinião deles, que o poder das Chaves, ou o poder dos bispos, de acordo com o Evangelho, é um poder ou mandamento de Deus, pregar o Evangelho, remir e reter pecados, e administrar Sacramentos. Com este mandamento, Cristo envia Seus apóstolos, João 20, 21 sqq.: Como Meu Pai me enviou, assim também eu te envio. Receba o Espírito Santo. Todos os pecados que vós remitais são remidos para eles; e quem quer que você retenha, eles são retidos. Marcos 16,15: Vá pregar o Evangelho a toda criatura.
Este poder é exercido apenas ensinando ou pregando o Evangelho e administrando os Sacramentos, de acordo com seu chamado, seja para muitos ou para indivíduos. Pois assim são concedidas, não corporais, mas as coisas eternas, como a justiça eterna, o Espírito Santo, a vida eterna. Estas coisas não podem vir senão pelo ministério da Palavra e dos Sacramentos, como diz Paulo, Romanos 1, 16: O evangelho é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê. Portanto, uma vez que o poder da Igreja concede coisas eternas e é exercido apenas pelo ministério da Palavra, isso não interfere no governo civil; Não mais do que a arte de cantar interfere no governo civil. Pois o governo civil lida com outras coisas que não o evangelho. Os governantes civis defendem não mentes, mas corpos e coisas corpóreas contra lesões manifestas, e restringem os homens com a espada e punições corporais, a fim de preservar a justiça civil e a paz.
Portanto, o poder da Igreja e o poder civil não devem ser confundidos. O poder da Igreja tem sua própria comissão para ensinar o Evangelho e administrar os sacramentos. Não deixe que entre no ofício de outro; Não deixe isso transferir os reinos deste mundo; não revogue as leis dos governantes civis; não deixe abolir a obediência legal; não interfira nos julgamentos relativos a ordenanças ou contratos civis; não prescreva leis a governantes civis sobre a forma da CommonwealthComo Cristo diz, João 18, 33: O meu reino não é deste mundo; também Lucas 12, 14: Quem me fez juiz ou divisor sobre você? Paulo também diz, Filipenses 3, 20: Nossa cidadania está no céu; 2 Cor. 10, 4: As armas da nossa guerra não são carnais, mas poderosas por meio de Deus para a destruição da imaginação.
Depois dessa maneira, nossos professores discriminam entre os deveres de ambos os poderes e ordenam que ambos sejam honrados e reconhecidos como dons e bênçãos de Deus. Se os bispos têm algum poder da espada, esse poder eles têm, não como bispos, pela comissão do Evangelho, mas pela lei humana, recebendo-o de reis e imperadores para a administração civil do que é deles. Este, no entanto, é outro ofício que o ministério do Evangelho.
Quando, portanto, a questão é concernente à jurisdição dos bispos, a autoridade civil deve ser distinguida da jurisdição eclesiástica. Novamente, de acordo com o Evangelho ou, como dizem, por direito divino, pertence aos bispos como bispos, isto é, àqueles a quem foi confiado o ministério da Palavra e dos Sacramentos, nenhuma jurisdição exceto perdoar pecados, julgar doutrina, rejeitar doutrinas contrárias ao Evangelho e excluir da comunhão da Igreja os homens iníquos, cuja maldade é conhecida, e isso sem força humana, simplesmente pela Palavra. Nisto, as congregações de necessidade e por direito divino devem obedecê-las, de acordo com Lucas 10,16: Quem ouve você, ouve a mim. Mas quando eles ensinam ou ordenam qualquer coisa contra o Evangelho, então as congregações têm um mandamento de Deus proibindo a obediência. 7, 15: Cuidado com os falsos profetas; Gálatas 1, 8: Embora um anjo do céu pregue qualquer outro evangelho, seja amaldiçoado; 2 Coríntios 13, 8: Não podemos fazer nada contra a verdade, senão pela verdade. Também: O poder que o Senhor me deu para edificação e não para destruição. Assim, também, o comando das Leis Canônicas (II. Q. VII. Cap., Sacerdotes e Cap. Oves). E Agostinho (Contra Petiliani Epistolam): Nem devemos nos submeter aos bispos católicos se eles tiverem a chance de errar, ou manter qualquer coisa contrária às Escrituras Canônicas de Deus.
Se eles têm qualquer outro poder ou jurisdição, ao ouvir e julgar certos casos, como de matrimônio ou de dízimos, etc., eles o têm por direito humano, no qual os príncipes são obrigados, mesmo contra sua vontade, quando os ordinários falham, para dispensar justiça aos seus súditos pela manutenção da paz.
Além disso, é discutido se os bispos ou pastores têm o direito de introduzir cerimônias na Igreja, e de fazer leis concernentes a carnes, dias santos e graus, isto é, ordens de ministros, etc. Aqueles que dão esse direito aos bispos referem-se a eles. a este testemunho, João 16,12. 13: Ainda tenho muitas coisas para dizer a vocês, mas vocês não podem suportá-las agora. Porém, quando Ele, o Espírito da Verdade, vier, Ele o guiará a toda a verdade. Eles também se referem ao exemplo dos Apóstolos, que ordenaram se abster de sangue e de coisas estranguladas, Atos 15, 29. Eles se referem ao dia de sábado como tendo sido mudado para o Dia do Senhor, ao contrário do Decálogo, como parece. Tampouco há algum exemplo do que eles façam mais do que concernente à mudança do dia do sábado. Ótimo, dizem eles, é o poder da Igreja, já que dispensou um dos Dez Mandamentos!
Mas a respeito desta questão é ensinado de nossa parte (como foi mostrado acima) que os bispos não têm poder para decretar nada contra o Evangelho. As Leis Canônicas ensinam a mesma coisa (Dist. IX). Agora, é contra as Escrituras estabelecer ou requerer a observância de quaisquer tradições, para o fim de que por tal observância possamos satisfazer os pecados, ou merecer graça e justiça. Pois a glória do mérito de Cristo sofre dano quando, por tais observâncias, nos comprometemos a merecer justificação. Mas é manifesto que, por tal crença, as tradições multiplicaram-se quase infinitamente na Igreja, a doutrina relativa à fé e a justiça da fé sendo entretanto suprimida. Para que gradualmente mais dias santos fossem feitos, jejum designado, novas cerimônias e serviços em honra dos santos instituídos, porque os autores dessas coisas pensavam que por essas obras eles estavam merecendo graça. Assim, em tempos passados, os Cânones Penitenciais aumentaram, dos quais ainda vemos alguns traços nas satisfações.
Novamente, os autores de tradições contrariam a ordem de Deus quando encontram questões de pecado nos alimentos, em dias e coisas semelhantes, e sobrecarregam a Igreja com a servidão da lei, como se houvesse entre os cristãos, a fim de merecer justificação um serviço como o Levítico, o arranjo que Deus havia confiado aos apóstolos e bispos. Pois assim alguns deles escrevem; e os pontífices em certa medida parecem ser enganados pelo exemplo da lei de Moisés. Por isso são tais cargas, que tornam mortal o pecado, mesmo sem ofender aos outros, fazer trabalho manual nos dias santos, um pecado mortal para omitir as Horas Canônicas, que certos alimentos contaminam a consciência de que os jejuns são obras que apazigam a Deus. que o pecado em um caso reservado não pode ser perdoado, mas pela autoridade daquele que o reservou; enquanto os próprios Cônegos falam apenas da reserva da penalidade eclesiástica, e não da reserva da culpa.
De onde têm os bispos o direito de colocar estas tradições sobre a Igreja para a apanha das consciências, quando Pedro, Atos 15, 10, proíbe colocar um jugo sobre o pescoço dos discípulos, e Paulo diz, 2 Coríntios. 13, 10, que o poder dado a ele era a edificação não a destruição? Por que, portanto, eles aumentam os pecados por essas tradições?
Mas há testemunhos claros que proíbem a realização de tais tradições, como se elas merecessem graça ou fossem necessárias para a salvação. Paulo diz: Colossenses 2, 16-23: Que ninguém te julgue em carne, ou em bebida, ou em respeito a um dia santo, ou à lua nova, ou aos dias do sábado. Se vós estais mortos com Cristo, dos rudimentos do mundo, por que, como se estivessem no mundo, estais sujeitos a ordenanças (não toques; não provem, não lidem, que todos devem perecer com o uso) depois dos mandamentos e doutrinas dos homens! que as coisas realmente têm uma demonstração de sabedoria. Também em Tito 1, 14 ele proíbe abertamente as tradições: Não dando atenção às fábulas judaicas e aos mandamentos de homens que se afastam da verdade.
E Cristo, Mateus 15, 14. 13, diz daqueles que exigem tradições: Deixe-os em paz; eles são líderes cegos dos cegos; e rejeita tais serviços: Toda a planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada.
Se os bispos têm o direito de sobrecarregar igrejas com tradições infinitas e de enredar consciências, por que as Escrituras muitas vezes proíbem fazer e ouvir tradições? Por que os chama de "doutrinas de demônios"? 1 Timóteo 4, 1. O Espírito Santo, em vão, advertiu estas coisas?
Visto que, portanto, as ordenanças instituídas como coisas necessárias, ou com uma opinião de graça merecedora, são contrárias ao Evangelho, segue-se que não é lícito a qualquer bispo instituir ou exigir tais serviços. Pois é necessário que a doutrina da liberdade cristã seja preservada nas igrejas, a saber, que a servidão da Lei não é necessária à justificação, como está escrito na Epístola aos Gálatas, 5, 1: Não se enrede novamente com o jugo da escravidão. É necessário que o artigo principal do Evangelho seja preservado, a saber, que obtemos graça livremente pela fé em Cristo, e não por certas observâncias ou atos de adoração concebidos pelos homens.
O que, então, devemos pensar no domingo e nos rituais da casa de Deus? A isto respondemos que é lícito aos bispos ou pastores fazerem ordenanças que as coisas sejam feitas ordenadamente na Igreja, não que assim devamos merecer graça ou fazer satisfação pelos pecados, ou que as consciências sejam obrigadas a julgá-los serviços necessários, e pense que é um pecado quebrá-los sem ofender os outros. Então Paulo ordena, 1 Coríntios 11, 5, que as mulheres devem cobrir suas cabeças na congregação, 1 Coríntios 14, 30, que os intérpretes sejam ouvidos em ordem na igreja, etc.
É apropriado que as igrejas guardem tais ordenanças por amor e tranquilidade, até o ponto de não ofender ninguém, que todas as coisas sejam feitas nas igrejas em ordem e sem confusão, 1 Coríntios. 14, 40; comp. Phil 2, 14; mas para que as consciências não sejam sobrecarregadas para pensar que são necessárias para a salvação, ou para julgar que pecam quando as quebram sem ofender os outros; como ninguém dirá que uma mulher peca que sai em público com a cabeça descoberta, desde que não ofenda nenhuma ofensa.
Esse tipo é a observância do Dia do Senhor, da Páscoa, do Pentecostes e de dias santos e ritos. Para aqueles que julgam que, pela autoridade da Igreja, a observância do Dia do Senhor, em vez do Dia do Senhor, foi ordenada como uma coisa necessária, errar muito. As escrituras revogaram o dia de sábado; pois ensina que, desde que o Evangelho foi revelado, todas as cerimônias de Moisés podem ser omitidas. E ainda, porque era necessário designar um certo dia, para que as pessoas soubessem quando deveriam se reunir, parece que a Igreja designou o Dia do Senhor para esse propósito; e este dia parece ter sido escolhido ainda mais por essa razão adicional, para que os homens possam ter um exemplo de liberdade cristã e possam saber que não é necessário guardar nem o sábado nem qualquer outro dia. Existem disputas monstruosas sobre a mudança da lei, as cerimônias da nova lei, a mudança do Dia do Senhor, que todos surgiram da falsa crença de que deve haver na Igreja um serviço como o Levítico, e que Cristo havia dado comissão aos apóstolos e bispos para elaborar novas cerimônias necessárias para a salvação. Esses erros penetraram na Igreja quando a justiça da fé não foi ensinada com clareza suficiente. Alguns contestam que a guarda do Dia do Senhor não é de fato de direito divino, mas de uma maneira assim. Eles prescrevem a respeito dos dias santos, até onde é lícito trabalhar. O que mais são tais disputas do que armadilhas de consciência? Pois embora eles se esforcem para modificar as tradições, ainda assim a mitigação nunca pode ser percebida enquanto a opinião permanecer que eles são necessários, o que deve permanecer onde a justiça da fé e a liberdade cristã não são conhecidas.
Os apóstolos ordenaram que Atos 15, 20 se abstivesse de sangue. Quem agora observa isso? E, no entanto, aqueles que o fazem não pecam; porque nem os próprios apóstolos queriam sobrecarregar as consciências com tal escravidão; mas eles o proibiram por um tempo, para evitar ofender. Pois neste decreto devemos considerar perpetuamente qual é o objetivo do Evangelho.
Quase todos os Cânones são mantidos com exatidão e, dia após dia, muitos deixam de usar, mesmo entre aqueles que são os defensores mais zelosos das tradições. Tampouco se pode prestar a devida atenção às consciências, a menos que essa mitigação seja observada, que saibamos que os Cânones são mantidos sem que sejam necessários, e que nenhum dano é feito às consciências, mesmo que as tradições deixem de ser usadas.
Mas os bispos poderiam facilmente manter a obediência legal do povo se não insistissem na observância de tais tradições que não podem ser mantidas com uma boa consciência. Agora eles comandam o celibato; eles não admitem nenhum a menos que jurem que não ensinarão a doutrina pura do Evangelho. As igrejas não pedem que os bispos restaurem a concordância à custa de sua honra; o que, no entanto, seria apropriado para bons pastores. Pedem apenas que libertem cargas injustas que são novas e foram recebidas contrariamente ao costume da Igreja Católica. Pode ser que no começo houvesse razões plausíveis para algumas dessas ordenanças; e ainda não estão adaptados a tempos posteriores. Também é evidente que alguns foram adotados através de concepções errôneas. Portanto, seria apropriado que a clemência dos Pontífices os mitigasse agora, porque tal modificação não abala a unidade da Igreja. Pois muitas tradições humanas foram mudadas ao longo do tempo, como os próprios Cônegos mostram. Mas se for impossível obter uma mitigação de tais observâncias que não podem ser mantidas sem pecado, estaremos obrigados a seguir a regra apostólica, Atos 5, 29, que nos ordena a obedecer a Deus e não aos homens.
Peter, 1 Pedro 5, 3, proíbe que os bispos sejam senhores e governem as igrejas. Não é nosso objetivo agora arrancar o governo dos bispos, mas uma coisa é feita, a saber, que eles permitem que o Evangelho seja puramente ensinado, e que relaxem algumas poucas observâncias que não podem ser mantidas sem pecado. Mas se eles não fazem concessões, é para eles ver como eles devem dar conta a Deus por fornecer, por sua obstinação, uma causa para o cisma.



CONCLUSÃO

Estes são os principais artigos que parecem estar em controvérsia. Pois embora possamos ter falado de mais abusos, ainda assim, para evitar uma extensão indevida, estabelecemos os pontos principais, a partir dos quais o resto pode ser prontamente julgado. Houve grandes queixas relativas a indulgências, peregrinações e abuso de excomunhões. As paróquias foram atormentadas de muitas maneiras pelos comerciantes em indulgências. Havia infindáveis ​​disputas entre os pastores e os monges com relação à direita paroquial, confissões, enterros, sermões em ocasiões extraordinárias e inúmeras outras coisas. Questões desse tipo que passamos para que os pontos principais deste assunto, que foram brevemente expostos, possam ser mais prontamente entendidos. Nem nada foi dito aqui ou aduzido à censura de qualquer um. Somente essas coisas foram relatadas, das quais pensamos que era necessário falar, a fim de que pudesse ser entendido que em doutrina e cerimônias nada foi recebido de nossa parte contra a Escritura ou a Igreja Católica. Pois é manifesto que tomamos o cuidado mais diligente de que nenhuma doutrina nova e ímpia devesse penetrar em nossas igrejas.
Os artigos acima nós desejamos apresentar de acordo com o decreto de Sua Majestade Imperial, a fim de exibir nossa Confissão e deixar os homens verem um resumo da doutrina de nossos professores. Se há algo que alguém possa desejar nesta Confissão, estamos prontos, se Deus quiser, para apresentar informações mais amplas de acordo com as Escrituras.
Os assuntos fiéis da Sua Majestade Imperial:

     João, duque da Saxônia, eleitor.
     George, Margrave de Brandemburgo.
     Ernest, duque de Lueneberg.
     Philip, landgrave de Hesse.
     John Frederick, duque da Saxônia.
     Francis, duque de Lueneburg.
     Wolfgang, príncipe de Anhalt.
     Senado e Magistratura de Nuremberg.
     Senado de Reutlingen.



~

Disponível em inglês em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: