A princesa e o Goblin - VI

Capítulo 21

A fuga

Enquanto a princesa se deitava e soluçava, ela continuou sentindo o fio mecanicamente, seguindo-o com o dedo muitas vezes até as pedras em que desapareceu. Pouco a pouco, ela começou, ainda mecanicamente, a enfiar o dedo entre as pedras o máximo que podia. De repente, ocorreu-lhe que ela poderia remover algumas das pedras e ver para onde ia o fio. Quase rindo de si mesma por nunca ter pensado nisso antes, ela se levantou. O medo dela desapareceu; mais uma vez, tinha certeza de que o fio de sua avó não a teria trazido para lá apenas para deixá-la lá; e ela começou a jogar fora as pedras do topo o mais rápido que podia, às vezes duas ou três em um punhado, às vezes pegando as duas mãos para levantar uma. Depois de afastá-los um pouco, ela descobriu que o fio girava e descia diretamente. Por isso, como a pilha se inclinava bastante, crescendo naturalmente em direção à sua base, ela teve que jogar fora uma infinidade de pedras para seguir o fio. Mas isso não foi tudo, pois ela logo descobriu que o fio, depois de descer um pouco, virou primeiro de lado em uma direção, depois de lado em outra e depois atirou em vários ângulos, aqui e ali dentro da pilha, para que ela começasse a temer que, para limpar o fio, ela precisasse remover toda a enorme multidão. Ela ficou consternada com a ideia, mas, sem perder tempo, começou a trabalhar com vontade; e com as costas doloridas e os dedos e mãos sangrando, ela continuou, sustentada pelo prazer de ver a pilha diminuir lentamente e começar a aparecer do lado oposto do fogo. Outra coisa que ajudou a manter sua coragem foi que, sempre que ela descobria uma volta do fio, em vez de se soltar sobre a pedra, ela se apertava; isso a fez ter certeza de que sua avó estava no fim em algum lugar.

Ela estava na metade do caminho quando começou e quase caiu de susto. Perto de seus ouvidos, parecia que uma voz começou a cantar:

'Jabber, incomoda, esmaga!
Você terá tudo em um acidente.
Jabber, esmaga, incomode!
Você terá o pior do incômodo.
Esmagar, incomodar, tagarelar!

Aqui Curdie parou, porque não conseguia encontrar uma rima para 'tagarelar', ou porque se lembrava do que havia esquecido quando acordou ao som do trabalho de Irene, que seu plano era fazer com que os duendes pensassem que estava ficando fraco. Mas ele havia pronunciado o suficiente para deixar Irene saber quem ele era.

"É Curdie!" ela chorou alegremente.

'Silêncio! silêncio!' veio a voz de Curdie novamente de algum lugar. 'Fale suavemente.'

"Ora, você estava cantando alto!" disse Irene.

'Sim. Mas eles sabem que eu estou aqui e não sabem que você está. Quem é Você?'

'Eu sou Irene', respondeu a princesa. Eu sei quem você é muito bem. Você é Curdie.

- Por que você veio aqui, Irene?

- Minha tataravó me enviou; e acho que descobri o porquê. Você não pode sair, suponho?

Não, não posso. O que você está fazendo?'

'Limpando um monte enorme de pedras.'

'Há uma princesa!' exclamou Curdie, num tom de prazer, mas ainda falando em pouco mais que um sussurro. - Mas não consigo pensar em como você chegou aqui.

"Minha avó me enviou depois do fio."

"Não sei o que você quer dizer", disse Curdie; "mas você está aí, não importa muito."

'Oh, sim, é verdade!' retornou Irene. "Eu nunca deveria estar aqui, a não ser por ela."

- Você pode me contar tudo quando sairmos, então. Não há tempo a perder agora - disse Curdie.

E Irene foi trabalhar, tão fresca como quando começou.

'Há tantas pedras!' ela disse. - Vou levar muito tempo para tirá-los todos.

- Até onde você chegou? perguntou Curdie.

"Eu tenho a metade de distância, mas a outra metade é muito maior."

'Eu não acho que você terá que mudar a metade inferior. Você vê uma laje apoiada contra a parede?

Irene olhou e sentiu com as mãos, e logo percebeu os contornos da laje.

"Sim", respondeu ela, "sim".

"Então, penso", reuniu Curdie, "quando você tiver limpado a laje na metade do caminho, ou um pouco mais, poderei empurrá-la".

Devo seguir meu fio - retrucou Irene -, o que quer que eu faça.

'O que você quer dizer?' exclamou Curdie. "Você verá quando sair", respondeu a princesa, e continuou mais do que nunca.

Mas ela logo ficou satisfeita com o que Curdie queria fazer e o que o fio queria fazer eram a mesma coisa. Pois ela não apenas viu que, seguindo as curvas da linha, estava limpando a face da laje, mas que, um pouco mais da metade do caminho, a linha passou pela fenda entre a laje e a parede para o local onde Curdie estava confinado, para que ela não pudesse segui-lo mais até que a laje estivesse fora de seu caminho. Assim que encontrou isso, ela disse em um sussurro alegre:

- Agora, Curdie, acho que se você desse um grande empurrão, a laje tombaria.

- Então fique bem claro - disse Curdie - e deixe-me saber quando estiver pronto.

Irene saiu do monte e ficou de lado. "Agora, Curdie!" ela chorou.

Curdie deu uma grande corrida com o ombro contra ele. Fora caiu a laje sobre a pilha, e arrastou Curdie por cima.

- Você salvou minha vida, Irene! ele sussurrou.

Oh, Curdie! Estou tão feliz! Vamos sair deste lugar horrível o mais rápido que pudermos.

"É mais fácil falar do que fazer", ele respondeu.

"Ah, não, é bem fácil", disse Irene. 'Temos apenas que seguir meu tópico. Tenho certeza de que isso vai nos tirar agora.

Ela já começara a segui-lo sobre a laje caída no buraco, enquanto Curdie procurava sua picareta no chão da caverna.

'Aqui está!' ele chorou. "Não, não é", acrescentou, num tom decepcionado. 'O que pode ser, então? Eu declaro que é uma tocha. Isso é alegre! É melhor quase do que minha picareta. Muito melhor se não fosse por esses sapatos de pedra! ele continuou, enquanto acendia a tocha soprando as últimas brasas do fogo que expirava.

Quando ele olhou para cima, com a tocha acesa lançando um olhar para a grande escuridão da enorme caverna, ele viu Irene desaparecendo no buraco do qual ele próprio acabara de chegar.

- Para onde você vai? ele chorou. 'Essa não é a saída. É onde eu não pude sair.

"Eu sei disso", sussurrou Irene. "Mas é assim que meu fio funciona, e devo segui-lo."

"Que bobagem a criança fala!" disse Curdie para si mesmo. Mas devo segui-la e ver que ela não se machuca. Ela logo descobrirá que não pode sair dessa maneira e depois virá comigo.

Então ele rastejou sobre a laje mais uma vez no buraco com a tocha na mão. Mas quando ele olhou em volta, ele não podia vê-la em lugar nenhum. E agora ele descobriu que, embora o buraco fosse estreito, era muito mais longo do que ele supunha; pois em uma direção o teto desceu muito baixo e o buraco se abriu em uma passagem estreita, da qual ele não podia ver o fim. A princesa deve ter entrado lá. Ele ficou de joelhos e uma mão, segurando a tocha com a outra, e rastejou atrás dela. O buraco se contorcia, em algumas partes tão baixas que ele mal conseguia passar, em outras tão altas que ele não conseguia ver o teto, mas em todo lugar era estreito - muito estreito para um duende atravessar, e presumo que eles nunca pensei que Curdie pudesse. Ele estava começando a se sentir muito desconfortável para que algo não tivesse acontecido com a princesa, quando ouviu a voz dela quase perto de seu ouvido, sussurrando:

- Você não vem, Curdie?

E quando ele virou a esquina seguinte, ela ficou esperando por ele.

"Eu sabia que você não podia dar errado naquele buraco estreito, mas agora você deve ficar comigo, pois aqui é um ótimo lugar", disse ela.

- Não consigo entender - disse Curdie, meio para si mesmo, meio para Irene.

"Não importa", ela retornou. "Espere até sairmos."

Curdie, totalmente surpreso por ela já ter chegado tão longe, e por um caminho que ele não sabia nada, achou melhor deixá-la fazer o que quisesse. - De qualquer forma - ele disse novamente para si mesmo -, não sei nada sobre o caminho, mineiro como sou; e ela parece pensar que sabe alguma coisa sobre isso, apesar de como deve passar pela minha compreensão. Portanto, é provável que ela encontre seu caminho como eu e, como ela insiste em assumir a liderança, devo segui-lo. De qualquer maneira, não podemos estar muito pior do que somos. Raciocinando assim, ele a seguiu alguns passos e saiu em outra grande caverna, através da qual Irene caminhava em linha reta, tão confiante como se soubesse cada passo do caminho. Curdie continuou atrás dela, acendendo sua tocha e tentando ver algo do que havia à sua volta. De repente, ele recuou um passo quando a luz caiu sobre algo próximo pelo qual Irene estava passando. Era uma plataforma de pedra erguida a alguns metros do chão e coberta de peles de ovelha, sobre as quais jaziam duas figuras horríveis adormecidas, reconhecidas por Curdie como o rei e a rainha dos duendes. Ele abaixou a lanterna instantaneamente, para que a luz não os acordasse. Ao fazê-lo, relampejou sobre sua picareta, ao lado da rainha, cuja mão estava próxima à maçaneta.

- Pare um momento - ele sussurrou. 'Segure minha tocha e não deixe a luz em seus rostos.'

Irene estremeceu ao ver as criaturas assustadoras, pelas quais passara sem observá-las, mas fez o que ele pediu e, dando as costas, manteve a tocha baixa na frente dela. Curdie afastou a picareta com cuidado e, ao fazê-lo, espiou um dos pés dela, projetando-se sob as peles. O grande sapato de granito desajeitado, exposto assim à sua mão, era uma tentação de não resistir. Ele a segurou e, com esforços cautelosos, retirou-o. No momento em que conseguiu, viu com espanto que o que havia cantado na ignorância, para irritar a rainha, era realmente verdade: ela tinha seis dedos horríveis. Muito feliz com o seu sucesso e, vendo o enorme solavanco na pele de ovelha onde estava o outro pé, ele começou a levantá-los suavemente, pois, se ele conseguisse levar o outro sapato também, não teria mais medo de os duendes do que tantas moscas. Mas quando ele puxou o segundo sapato, a rainha rosnou e sentou na cama. No mesmo instante o rei também acordou e sentou-se ao lado dela.

Corra, Irene! - exclamou Curdie, pois, embora não estivesse agora com menos medo de si mesmo, estava com a princesa.

Irene olhou em volta, viu as criaturas assustadas acordadas e, como a princesa sábia que era, jogou a tocha no chão e a apagou, gritando:

- Aqui, Curdie, pegue minha mão.

Ele correu para o lado dela, esquecendo nem o sapato da rainha nem a picareta, e segurou a mão dela, enquanto ela acelerava sem medo onde seus fios a guiavam. Eles ouviram a rainha dar um grande berro; mas eles tiveram um bom começo, pois levaria algum tempo até que pudessem acender tochas para persegui-los. Assim como eles pensaram ter visto um brilho atrás deles, o fio os levou a uma abertura muito estreita, através da qual Irene rastejou facilmente, e Curdie com dificuldade.

"Agora", disse Curdie; Acho que estaremos seguros.

- Claro que sim - respondeu Irene. "Por que você acha isso?", Perguntou Curdie.

"Porque minha avó está cuidando de nós."

"Isso é bobagem", disse Curdie. "Eu não sei o que você quer dizer."

- Então, se você não sabe o que quero dizer, qual o direito de chamá-lo de bobagem? perguntou a princesa, um pouco ofendida.

"Desculpe-me, Irene", disse Curdie; - Não pretendia irritá-lo.

"Claro que não", respondeu a princesa. "Mas por que você acha que estaremos seguros?"

"Porque o rei e a rainha são fortes demais para passar por aquele buraco."

"Pode haver caminhos", disse a princesa.

"Para ter certeza: talvez ainda não saibamos", reconheceu Curdie.

- Mas o que você quer dizer com rei e rainha? perguntou a princesa. "Eu nunca deveria chamar criaturas como essas de rei e rainha."

"O pessoal deles é verdade", respondeu Curdie.

A princesa fez mais perguntas, e Curdie, enquanto caminhavam vagarosamente, deu a ela um relato completo, não apenas do caráter e dos hábitos dos goblins, tanto quanto ele os conhecia, mas de suas próprias aventuras com eles, começando pelo muito na noite seguinte àquela em que ele a conheceu e Lootie na montanha. Quando terminou, implorou a Irene que lhe dissesse como ela havia vindo em seu socorro. Por isso, Irene também teve que contar uma longa história, o que ela fez de maneira indireta, interrompida por muitas perguntas sobre coisas que ela não havia explicado. Mas a história dela, como ele não acreditava em mais da metade, deixou tudo tão inexplicável para ele como antes, e ele estava quase tão perplexo quanto o que deveria pensar da princesa. Ele não podia acreditar que ela estava deliberadamente contando histórias, e a única conclusão a que ele chegou foi que Lootie estava fazendo truques para crianças, inventando infinitas mentiras para assustá-la para seus próprios propósitos.

"Mas como Lootie chegou a deixá-lo sozinho nas montanhas?", Perguntou ele.

Lootie não sabe nada sobre isso. Deixei-a dormindo profundamente - pelo menos acho que sim. Espero que minha avó não a deixe entrar em problemas, pois não foi culpa dela, como minha avó sabe muito bem.

- Mas como você encontrou o meu caminho? persistiu Curdie.

"Eu já te disse", respondeu Irene; "mantendo o dedo no fio da minha avó, como estou fazendo agora."

- Você não quer dizer que tem o fio lá?

'Claro que eu faço. Eu já te disse isso dez vezes. Quase não tirei o dedo, exceto quando estava removendo as pedras. Lá!' ela acrescentou, guiando a mão de Curdie até o fio, 'você sente você mesmo, não é?'

"Não sinto nada", respondeu Curdie. 'Então, qual pode ser o problema com o seu dedo? Eu sinto isso perfeitamente. Para ter certeza de que é muito fino, e a luz do sol se parece com o fio de uma aranha, embora haja muitos deles entrelaçados para fazê-lo - mas, apesar de tudo, não consigo pensar por que você não deveria sentir isso. bem como eu.

Curdie foi educado demais para dizer que não acreditava que houvesse qualquer discussão lá. O que ele disse foi:

"Bem, eu não posso fazer nada disso."

"Eu posso, no entanto, e você deve se alegrar com isso, pois isso servirá para nós dois."

Ainda não saímos disse Curdie.

- Logo estaremos - retrucou Irene, confiante. E agora o fio desceu e levou a mão de Irene a um buraco no chão da caverna, de onde vinha um som de água corrente que eles ouviam há algum tempo.

- Agora ele cai no chão, Curdie - disse ela, parando.

Ele ouvia outro som que seu ouvido experiente havia captado há muito tempo e que também estava ficando mais alto. Era o barulho que os mineiros-duendes faziam em seu trabalho, e eles pareciam não estar a grande distância agora. Irene ouviu no momento em que parou.

'Que barulho é esse?' ela perguntou. "Você sabe, Curdie?"

'Sim. São os duendes cavando e escavando - ele respondeu.

- E você não sabe para que eles fazem isso?

'Não; Eu não tenho a menor ideia. Você gostaria de vê-los? ele perguntou, desejando tentar outra vez o segredo deles.

'Se meu fio me levou até lá, não me importo muito; mas não quero vê-los e não posso deixar meu tópico. Isso me leva ao buraco, e é melhor irmos imediatamente.

'Muito bem. Devo entrar primeiro? disse Curdie.

'Não; melhor não. Você não pode sentir o fio - respondeu ela, descendo por uma fenda estreita no chão da caverna. "Oh!" ela gritou: 'Estou na água. Está forte - mas não é profundo, e há apenas espaço para caminhar. Apresse-se, Curdie.

Ele tentou, mas o buraco era pequeno demais para ele entrar.

- Vá um pouco, ele disse, colocando a picareta no ombro. Em alguns momentos, ele abriu uma abertura maior e a seguiu. Continuaram, descendo e descendo com a água corrente, Curdie ficando cada vez mais com medo de que os levasse a um abismo terrível no coração da montanha. Em um ou dois lugares, ele teve que quebrar a rocha para abrir espaço antes que Irene pudesse passar - pelo menos sem se machucar. Mas finalmente eles espiaram um vislumbre de luz e, em um minuto a mais, estavam quase cegos pela luz do sol, na qual emergiram. Demorou um pouco para que a princesa pudesse ver bem o suficiente para descobrir que eles estavam em seu próprio jardim, perto do assento em que ela e seu rei-papai se sentaram naquela tarde. Saíram pelo canal do pequeno riacho. Ela dançou e bateu palmas com prazer.

"Agora, Curdie!" ela gritou: 'você não vai acreditar no que eu te contei sobre minha avó e o fio dela?'

Pois ela sentira o tempo todo que Curdie não estava acreditando no que ela dizia.

- Pronto! Você não vê isso brilhando diante de nós? ela adicionou.

- Não vejo nada - persistiu Curdie.

"Então você deve acreditar sem ver", disse a princesa; 'porque você não pode negar que nos tirou da montanha.'

- Não posso negar que estamos fora da montanha e devo ficar muito ingrato por negar que você me tirou dela.

"Eu não poderia ter feito isso, a não ser pelo fio", persistiu Irene.

"Essa é a parte que eu não entendo."

- Bem, venha, e Lootie lhe dará algo para comer. Tenho certeza que você deve querer muito.

'De fato eu faço. Mas meu pai e minha mãe ficam tão ansiosos comigo que preciso me apressar. Primeiro suba a montanha para contar à minha mãe e depois desça novamente na mina para avisar meu pai.

'Muito bem, Curdie; mas você não pode sair sem vir por aqui, e eu vou levá-lo pela casa, pois é o mais próximo.

Eles não encontraram ninguém por sinal, pois, de fato, como antes, as pessoas estavam aqui e ali e em todos os lugares procurando a princesa. Quando eles entraram, Irene descobriu que o fio, como ela esperava, subiu a velha escada, e um novo pensamento a atingiu. Ela se virou para Curdie e disse:

Minha avó me quer. Venha comigo e a veja. Então você saberá que eu tenho lhe dito a verdade. Venha, para me agradar, Curdie. Não suporto que você pense que o que eu digo não é verdade.

- Nunca duvidei que você acreditasse no que disse - retrucou Curdie. - Pensei que você tivesse alguma ideia na cabeça que não estivesse correta. - Mas venha, querido Curdie.

O pequeno mineiro não pôde suportar esse apelo e, embora se sentisse tímido no que lhe parecia uma grande casa grande, ele cedeu e a seguiu escada acima.


Capítulo 22

A Velha Senhora e Curdie

Subiram as escadas e depois a seguinte e a seguinte, e através das longas filas de salas vazias, e subiram a pequena escada da torre, Irene ficando cada vez mais feliz ao subir. Não houve resposta quando ela bateu longamente na porta da sala de trabalho, nem podia ouvir qualquer som da roda giratória, e mais uma vez seu coração afundou dentro dela, mas apenas por um momento, quando ela se virou e bateu na porta. outra porta.

"Entre", respondeu a doce voz de sua avó, e Irene abriu a porta e entrou, seguida por Curdie.

'Você querido!' gritou a dama, que estava sentada por um fogo de rosas vermelhas misturadas com branco. - Eu estava esperando por você, e realmente ficando um pouco ansioso por você, e começando a pensar se não era melhor eu ir buscá-lo eu mesmo.

Enquanto falava, pegou a princesinha nos braços e a colocou no colo. Agora estava vestida de branco e, se possível, parecia mais adorável do que nunca.

Trouxe Curdie, avó. Ele não acreditou no que eu disse e por isso o trouxe.

Sim, eu o vejo. Ele é um bom garoto, Curdie, e um garoto corajoso. Você não está feliz por tirá-lo de lá?

Sim, avó. Mas não foi muito bom ele não acreditar em mim quando eu estava lhe dizendo a verdade.

'As pessoas devem acreditar no que podem e os que acreditam mais não devem ser duros com aqueles que acreditam menos. Duvido que você acreditasse em tudo, se não tivesse visto um pouco.

Ah! sim, avó, ouso dizer. Tenho certeza que você está certo. Mas ele vai acreditar agora.

"Não sei", respondeu a avó.

- Você não quer, Curdie? disse Irene, olhando em volta para ele enquanto fazia a pergunta. Ele estava parado no meio do chão, olhando e parecendo estranhamente confuso. Isso ela pensou veio de seu espanto com a beleza da dama.

"Faça uma reverência à minha avó, Curdie", disse ela.

- Não vejo avó - respondeu Curdie, bruscamente.

- Não vê minha avó quando estou sentada no colo dela? exclamou a princesa.

- Não, não - reiterou Curdie, num tom ofendido.

- Você não vê o adorável fogo das rosas, brancas entre elas desta vez? perguntou Irene, quase tão confusa quanto ele.

- Não, não - respondeu Curdie, quase de mau humor.

Nem a cama azul? Nem a manta cor de rosa? - Nem a luz bonita, como a lua, pendurada no telhado?

- Você está brincando comigo, Alteza Real; e depois do que fizemos juntos hoje, não acho que seja da sua parte - disse Curdie, sentindo-se muito magoado.

"Então o que você vê?" perguntou Irene, que percebeu imediatamente que ela não acreditar nele era pelo menos tão ruim quanto ele não acreditar nela.

- Vejo um quarto grande e vazio, como o do chalé da mãe, grande o suficiente para abrigar o chalé e deixar uma boa margem o tempo todo - respondeu Curdie.

"E o que mais você vê?"

- Vejo uma banheira, um monte de palha mofado, uma maçã murcha e um raio de sol entrando por um buraco no meio do telhado e brilhando em sua cabeça, e fazendo todo o lugar parecer um marrom escuro e curioso. Acho melhor você deixar para lá, princesa, e ir para o berçário, como uma boa menina.

- Mas você não ouve minha avó falando comigo? perguntou Irene, quase chorando.

'Não. Eu ouço o barulho de muitos pombos. Se você não descer, eu irei sem você. Eu acho que assim será melhor, pois tenho certeza de que ninguém que nos conheceu acreditaria em uma palavra que dissemos a eles. Eles pensariam que inventamos tudo. Não espero que ninguém, exceto meu pai e minha mãe, acredite em mim. Eles sabem que eu não contaria uma história.

- E você não vai acreditar em mim, Curdie? expôs a princesa, agora chorando bastante com irritação e tristeza no abismo entre ela e Curdie.

'Não. Não posso e não posso evitar - disse Curdie, virando-se para sair da sala.

- O que devo fazer, avó? soluçou a princesa, virando o rosto para o peito da dama e tremendo com soluços reprimidos.

"Você deve dar tempo a ele", disse a avó; 'e você deve se contentar em não acreditar por um tempo. É muito difícil de suportar; mas eu tive que suportar, e terei que suportar muitas vezes ainda. Vou cuidar do que Curdie pensa de você no final. Você deve deixá-lo ir agora.

- Você não vem, não é? perguntou Curdie.

Não, Curdie; minha avó diz que devo deixar você ir. Vire à direita quando chegar ao pé de todas as escadas, e isso o levará ao corredor onde está a grande porta.

'Oh! Não duvido que consiga encontrar o meu caminho - sem você, princesa, nem o fio da sua avó - disse Curdie, com grosseria.

Oh, Curdie! Curdie!

'Gostaria de ter ido para casa imediatamente. Sou muito grato a você, Irene, por me tirar desse buraco, mas gostaria que você não tivesse me enganado depois.

Ele disse isso ao abrir a porta, que ele deixou aberta, e, sem outra palavra, desceu a escada. Irene ouviu com consternação os passos que partiam. Então voltando-se novamente para a dama:

- O que tudo isso significa, avó? ela soluçou e explodiu em novas lágrimas.

'Quer dizer, meu amor, que eu não pretendia me mostrar. Curdie ainda não é capaz de acreditar em algumas coisas. Ver não é acreditar - é apenas ver. Lembre-se de que eu lhe disse que, se Lootie me visse, ela esfregaria os olhos, esqueceria a metade que viu e chamaria a outra metade de bobagem.

'Sim; mas eu deveria ter pensado que Curdie...

'Você está certo. Curdie é muito mais distante que Lootie, e você verá o que virá disso. Entretanto, entretanto, você deve estar contente, digo, por ser incompreendido por um tempo. Estamos todos muito ansiosos para ser entendidos, e é muito difícil não ser. Mas há uma coisa muito mais necessária.

- O que é isso, avó?

"Para entender outras pessoas."

Sim, avó. Devo ser justo - pois, se não sou justo com outras pessoas, não valho a pena ser compreendido. Entendo. Então, como Curdie não pode evitar, não ficarei irritado com ele, apenas espere.

"Aí está minha filha querida", disse a avó e a pressionou contra o peito.

- Por que você não estava na sua sala de trabalho quando chegamos, avó? perguntou Irene, depois de alguns momentos de silêncio.

'Se eu estivesse lá, Curdie teria me visto bem o suficiente. Mas por que eu deveria estar lá, e não nesta sala bonita?

"Eu pensei que você estaria girando."

- Não tenho ninguém para quem girar no momento. Eu nunca giro sem saber para quem estou girando.

- Isso me lembra - há uma coisa que me intriga - disse a princesa: - como você consegue tirar o fio da montanha novamente? Certamente você não terá que fazer outro para mim? Isso seria um problema!

A dama a colocou no chão, levantou-se e foi ao fogo. Colocando na mão, ela puxou novamente e levantou a bola brilhante entre o dedo e o polegar.

- Eu já comprei agora - disse ela, voltando para a princesa -, tudo pronto para você quando você quiser.

Indo para o armário, ela colocou na mesma gaveta de antes.

- E aqui está o seu anel - ela acrescentou, pegando-o com o dedo mínimo da mão esquerda e colocando-o no dedo indicador da mão direita de Irene.

'Oh, obrigada, avó! Eu me sinto tão seguro agora!

- Você está muito cansado, meu filho - continuou a dama. - Suas mãos estão feridas com as pedras, e contei nove contusões em você. Apenas veja como você é.

E ela ergueu para ela um pequeno espelho que ela trouxera do armário. A princesa deu uma risada alegre com a visão. Ela estava tão arrasada com o riacho e suja com rastejando por lugares estreitos, que se ela tivesse visto o reflexo sem saber que era um reflexo, ela teria se levado para uma criança cigana cujo rosto estava lavado e cabelos penteados uma vez por mês. A senhora também riu e, erguendo-a novamente sobre o joelho, tirou a capa e a camisola. Então ela a levou para o lado da sala. Irene se perguntou o que ia fazer com ela, mas não fez perguntas - apenas começando um pouco quando descobriu que a deitaria no grande banho de prata; pois, ao olhar para ela, novamente não viu fundo, mas as estrelas brilhavam a quilômetros de distância, como parecia, em um grande abismo azul. Suas mãos se fecharam involuntariamente nos belos braços que a seguravam, e isso foi tudo.

A senhora apertou-a mais uma vez contra o peito, dizendo:

"Não tenha medo, meu filho."

"Não, avó", respondeu a princesa, com um pequeno suspiro; e no instante seguinte ela afundou na água limpa e fria.

Quando ela abriu os olhos, não viu nada além de um adorável azul estranho por cima e por baixo e por toda parte. A dama e a bela sala desapareceram de vista e ela parecia totalmente sozinha. Mas, em vez de ter medo, ela se sentiu mais do que feliz - perfeitamente feliz. E de algum lugar veio a voz da senhora, cantando uma estranha canção doce, da qual ela podia distinguir cada palavra; mas do sentido que ela tinha apenas um sentimento - sem entendimento. Tampouco conseguia se lembrar de uma única linha depois que ela se foi. Ele desapareceu, como a poesia de um sonho, tão rápido quanto veio. Depois de anos, no entanto, ela às vezes imaginava que fragmentos de melodia subindo repentinamente em seu cérebro deviam ser pequenas frases e fragmentos do ar daquela música; e a própria fantasia a deixaria mais feliz e mais disposta a cumprir seu dever.

Quanto tempo ela ficou na água, ela não sabia. Pareceu um longo tempo - não de cansaço, mas de prazer. Mas finalmente sentiu que as mãos bonitas a seguravam e, através da água borbulhante, foi levada para o adorável quarto. A dama levou-a ao fogo, sentou-se com ela no colo e secou-a ternamente com a toalha mais macia. Era tão diferente da secagem de Lootie. Quando a dama terminou, ela se inclinou para o fogo e tirou dela a camisola, branca como a neve.

'Que delícia!' exclamou a princesa. - Acho que cheira a todas as rosas do mundo.

Quando ela se levantou no chão, sentiu como se tivesse sido magoada de novo. Todo machucado e todo cansaço se foram, e suas mãos estavam macias e inteiras como sempre.

"Agora vou colocar você na cama para dormir bem", disse a avó.

- Mas o que Lootie estará pensando? E o que devo lhe dizer quando ela me perguntar onde eu estive?

Não se preocupe com isso. Você vai descobrir que tudo deu certo - disse a avó e a deitou na cama azul, embaixo da manta rosada.

"Só há mais uma coisa", disse Irene. Estou um pouco preocupada com Curdie. Quando o trouxe para casa, eu deveria tê-lo visto a salvo em seu caminho de casa.

"Eu cuidei de tudo isso", respondeu a dama. “Eu disse para você deixá-lo ir e, portanto, eu era obrigado a cuidar dele. Ninguém o viu e agora ele está jantando bem no chalé de sua mãe, no alto da montanha.

"Então eu vou dormir", disse Irene, e em alguns minutos ela estava dormindo profundamente.


Capítulo 23

Curdie e sua mãe

Curdie subiu a montanha sem assobiar nem cantar, pois estava irritado com Irene por recebê-lo, como ele chamava; e ele ficou irritado consigo mesmo por ter falado com ela com tanta raiva. Sua mãe soltou um grito de alegria quando o viu e começou a pedir algo para ele comer, fazendo perguntas o tempo todo, que ele não respondeu tão alegremente como sempre. Quando a refeição estava pronta, ela o deixou para comer e correu para a mina para avisar o pai que ele estava seguro. Quando voltou, encontrou-o dormindo profundamente em sua cama; nem acordou até o pai chegar em casa à noite.

"Agora, Curdie", disse a mãe, enquanto estavam sentados no jantar, "conte-nos toda a história do começo ao fim, exatamente como tudo aconteceu."

Curdie obedeceu e contou tudo até o ponto em que saíram pelo gramado no jardim da casa do rei.

"E o que aconteceu depois disso?" perguntou a mãe dele. Você não contou a todos nós. Você deveria estar muito feliz por ter escapado daqueles demônios e, em vez disso, nunca te vi tão triste. Deve haver algo mais. Além disso, você não fala dessa criança adorável, como eu gostaria de ouvi-lo. Ela salvou sua vida por risco próprio, e, de alguma forma, você parece não pensar muito nisso.

"Ela falou tanta bobagem", respondeu Curdie, "e me contou um monte de coisas que não eram nem um pouco verdadeiras; e não consigo superar isso.

'O que eles eram?' perguntou o pai. "Sua mãe pode ser capaz de lançar alguma luz sobre eles."

Então Curdie fez um peito limpo e contou tudo a eles.

Todos ficaram em silêncio por algum tempo, pensando na estranha história. Por fim, a mãe de Curdie falou.

"Você confessa, meu filho", disse ela, "há algo em todo o caso que você não entende?"

"Sim, claro, mãe", respondeu ele. - Não consigo entender como uma criança que não sabe nada sobre a montanha, ou mesmo que eu estava calada nela, deveria ir sozinha até o local onde estava; e depois de me tirar do buraco, leve-me também para fora da montanha, onde eu não deveria ter percebido um passo se tivesse sido tão leve quanto ao ar livre.

- Então você não tem o direito de dizer o que ela disse que não era verdade. Ela levou você para fora e deve ter algo para guiá-la: por que não um fio, uma corda ou qualquer outra coisa? Há algo que você não pode explicar, e a explicação dela pode ser a correta.

'Não é nenhuma explicação, mãe; e eu não posso acreditar.

Isso pode ser apenas porque você não entende. Se você o fizesse, provavelmente descobriria que era uma explicação e acreditaria profundamente. Não culpo você por não poder acreditar, mas culpo você por imaginar que uma criança tentaria enganá-lo. Por que ela deveria? Depende disso, ela lhe disse tudo o que sabia. Até você encontrar uma maneira melhor de explicar tudo isso, você pode pelo menos ter poupado mais seu julgamento.

"Isso é o que algo dentro de mim tem dito o tempo todo", disse Curdie, abaixando a cabeça. - Mas o que você acha da avó? É isso que eu não consigo superar. Levar-me a um velho sótão e tentar me convencer diante dos meus próprios olhos de que era um quarto bonito, com paredes azuis e estrelas prateadas e sem fim, quando não havia nada além de um banheira velha, uma maçã murcha, um monte de palha e um raio de sol! Isso foi muito ruim! Ela poderia ter tido uma velha lá pelo menos para passar por sua preciosa avó!

- Ela não falou como se tivesse visto essas outras coisas, Curdie?

'Sim. Isso é o que me incomoda. Você pensaria que ela realmente quis dizer e acreditou que viu todas as coisas sobre as quais falou. E nenhum deles lá! Foi muito ruim, eu digo.

"Talvez algumas pessoas possam ver coisas que outras não, Curdie", disse sua mãe com muita seriedade. - Acho que vou lhe contar uma coisa que me vi uma vez, só que talvez você também não acredite em mim!

'Oh mãe, mãe!' exclamou Curdie, chorando; "Eu não mereço isso, com certeza!"

"Mas o que vou lhe dizer é muito estranho", insistiu a mãe; - e, se o ouvi dizer, devo dizer que devo estar sonhando, não sei se teria o direito de ser irritado com você, embora saiba pelo menos que não estava dormindo.

'Diga-me mãe. Talvez me ajude a pensar melhor na princesa.

"É por isso que estou tentado a contar", respondeu a mãe. - Mas, primeiro, devo mencionar que, de acordo com velhos sussurros, há algo mais do que comum na família do rei; e a rainha era do mesmo sangue, pois eram primos de algum grau. Havia histórias estranhas contadas a respeito deles - todas boas histórias - mas estranhas, muito estranhas. Não sei dizer o que eles eram, pois só me lembro dos rostos de minha avó e minha mãe enquanto conversavam sobre eles. Havia admiração e reverência - não medo - em seus olhos, e eles sussurraram, e nunca falaram em voz alta. Mas o que eu me vi foi o seguinte: seu pai ia trabalhar na mina uma noite e eu jantara com ele. Foi logo depois que nos casamos, e não muito antes de você nascer. Ele veio comigo até a boca da mina e me deixou em casa sozinha, pois eu conhecia o caminho quase tão bem quanto o chão de nossa própria casa. Estava muito escuro, e em algumas partes da estrada, onde as rochas se penduravam quase completamente escuras. Mas me dei muito bem, sem pensar em ter medo, até chegar a um ponto que você conhece bastante, Curdie, onde o caminho precisa fazer uma curva acentuada no caminho de uma grande rocha no lado esquerdo. Quando cheguei lá, fiquei subitamente cercado por cerca de meia dúzia de espigas, a primeira que eu já havia visto, embora já tivesse ouvido falar delas com bastante frequência. Um deles bloqueou o caminho, e todos começaram a me atormentar e me provocar de uma maneira que me faz tremer pensar agora.

'Se eu estivesse com você!' chorou pai e filho em uma respiração.

A mãe deu um sorrisinho engraçado e continuou.

- Eles também tinham algumas de suas horríveis criaturas, e devo confessar que fiquei terrivelmente assustado. Eles rasgaram minhas roupas muito, e eu tinha medo de que me rasgassem em pedaços, quando de repente uma grande luz branca brilhou sobre mim. Eu olhei para cima. Um raio largo, como uma estrada brilhante, desceu de um grande globo de luz prateada, não muito alto, na verdade não tão alto quanto o horizonte - então não poderia ter sido uma nova estrela ou outra lua ou qualquer coisa desse tipo. As espigas caíram me perseguindo, e pareciam atordoadas, e eu pensei que elas iriam fugir, mas logo começaram de novo. No mesmo momento, no entanto, no caminho do globo de luz, veio um pássaro, brilhando como prata ao sol. Ele deu algumas batidas rápidas primeiro e depois, com as asas esticadas, disparou, deslizando pela encosta da luz. Parecia-me um pombo branco. Mas, seja o que for, quando as espigas a viram caindo diretamente sobre eles, elas se aproximaram e saíram correndo pela montanha, me deixando em segurança, apenas com muito medo. Assim que os enviou, o pássaro voltou a deslizar para cima da luz e, no momento em que alcançou o globo, a luz desapareceu, como se uma persiana tivesse sido fechada sobre uma janela e eu não a vi mais. Mas não tive mais problemas com as espigas naquela noite ou para sempre.

'Que estranho!' exclamou Curdie.

Sim, foi estranho; mas não posso deixar de acreditar, acredite ou não - disse a mãe.

"É exatamente como sua mãe me contou na manhã seguinte", disse o pai.

- Você não acha que estou duvidando da minha própria mãe? gritou Curdie. "Há outras pessoas no mundo tão dignas de acreditar quanto sua própria mãe", disse a mãe dele. - Não sei se ela é tão apta a acreditar que por acaso é sua mãe, senhor Curdie. Há mães muito mais propensas a mentir do que a menininha que vi conversando com as prímulas há algumas semanas. Se ela mentisse, começaria a duvidar da minha própria palavra.

"Mas as princesas contam mentiras, assim como outras pessoas", disse Curdie.

Sim, mas não princesas como aquela criança. Ela é uma boa garota, tenho certeza, e isso é mais do que ser uma princesa. Depende, você terá que se desculpar por se comportar assim com ela, Curdie. Você deveria pelo menos ter segurado sua língua.

"Sinto muito agora", respondeu Curdie.

"Você deveria ir e dizer a ela, então."

'Não vejo como eu poderia lidar com isso. Eles não deixariam um garoto mineiro como eu falar com ela sozinha; e eu não podia contar a ela antes daquela babá dela. Ela estaria fazendo tantas perguntas, e eu não sei quantas a princesinha gostaria que eu respondesse. Ela me disse que Lootie não sabia nada sobre ela vir me tirar da montanha. Estou certo de que ela a teria impedido de alguma forma se soubesse. Mas posso ter uma chance em breve e, enquanto isso, devo tentar fazer algo por ela. Acho que pai, finalmente cheguei à pista.

- Você realmente meu garoto? disse Peter. Tenho certeza de que você merece algum sucesso; você trabalhou muito para isso. O que você descobriu?

- Sabe, é difícil, pai, dentro da montanha, principalmente no escuro, e não saber que reviravoltas, contar a mentira das coisas lá fora.

"Impossível, meu garoto, sem um gráfico, ou pelo menos uma bússola", retrucou o pai.

- Bem, acho que quase descobri em que direção as espigas estão minando. Se estou certo, sei de outra coisa que posso colocar e então um e um farão três.

- Frequentemente, Curdie, como nós, mineiros, devemos estar muito conscientes. Agora diga-nos, meu garoto, quais são as duas coisas e veja se conseguimos adivinhar o mesmo terço que você.

"Não vejo o que isso tem a ver com a princesa", interpôs sua mãe.

- Logo deixarei você ver isso, mãe. Talvez você possa me achar tolo, mas até que eu tenha certeza de que não há nada na minha fantasia atual, estou mais determinado do que nunca a continuar com minhas observações. No momento em que chegamos ao canal pelo qual saímos, ouvi os mineiros trabalhando em algum lugar próximo - penso embaixo de nós. Agora, desde que comecei a observá-los, eles minaram meia milha em linha reta; e até onde sei, eles não estão trabalhando em nenhuma outra parte da montanha. Mas eu nunca sabia em que direção eles estavam indo. Quando saímos no jardim do rei, pensei imediatamente se era possível que eles estivessem trabalhando na casa do rei; e o que eu quero fazer hoje à noite é ter certeza de que estão ou não. Vou levar uma luz comigo...

"Oh, Curdie", exclamou a mãe, "então eles verão você."

"Não tenho mais medo deles agora do que antes", voltou Curdie, "agora que tenho esse sapato precioso. Eles não podem fazer outro com pressa, e um pé descalço servirá para o meu propósito. Por mais que seja mulher, não a pouparei da próxima vez. Mas tomarei cuidado com minha luz, pois não quero que eles me vejam. Não vou enfiar no meu chapéu.

"Continue, então, e diga-nos o que você pretende fazer."

- Quero levar um pouco de papel comigo e um lápis e entrar na boca do riacho por onde saímos. Marcarei no papel o mais próximo possível do ângulo de cada volta que fizer até encontrar as espigas no trabalho e, assim, ter uma boa ideia em que direção eles estão indo. Se for quase paralelo à corrente, saberei que é para a casa do rei que eles estão trabalhando.

E se você devesse? Quão mais sábio você será então?

- Espere um pouco, mãe querida. Eu lhe disse que, quando me deparei com a família real na caverna, eles estavam conversando com seu príncipe - Harelip, o chamavam - se casando com uma mulher do sol - ou seja, um de nós - um com os dedos dos pés. Agora, no discurso que um deles fez naquela noite em sua grande reunião, da qual ouvi apenas uma parte, ele disse que a paz seria garantida por uma geração pelo menos pela promessa que o príncipe manteria pelo bom comportamento de seus parentes: foi o que ele disse, e ele deve ter pensado na mulher do sol com quem o príncipe se casaria. Tenho certeza de que o rei está orgulhoso demais para desejar que o filho se case com outra princesa que não seja uma princesa, e sabendo que gosta de ter uma camponesa como esposa seria de grande vantagem para eles.

"Entendo o que você está dirigindo agora", disse a mãe.

"Mas", disse seu pai, "nosso rei cavaria a montanha até a planície antes de ter sua princesa a esposa de uma espiga, se ele fosse dez vezes um príncipe."

'Sim; mas eles pensam muito em si mesmos! disse a mãe dele. 'Pequenas criaturas sempre fazem. A galinha anã é o galo mais orgulhoso do meu quintal.

"E eu acho", disse Curdie, "se eles a pegassem, diriam ao rei que a matariam, a menos que ele consentisse no casamento."

"Eles podem dizer", disse o pai, "mas não a matariam; eles a manteriam viva por causa do domínio que lhes dava sobre o nosso rei. O que quer que ele fizesse, eles ameaçariam fazer o mesmo com a princesa.

- E eles são ruins o suficiente para atormentá-la apenas por diversão - sei disso - disse a mãe.

"De qualquer forma, vou vigiá-los e ver o que eles estão fazendo", disse Curdie. - É horrível pensar demais. Eu não me deixei fazer isso. Mas eles não a têm - pelo menos se eu puder evitar. Então, minha querida mãe - minha pista está certa - você vai me dar um pouco de papel, um lápis e um pedaço de pudim, e eu partirei imediatamente. Vi um lugar onde posso escalar o muro do jardim com bastante facilidade.

"Você deve se preocupar e ficar fora do caminho dos homens que estão vigiando", disse a mãe.

'Eu vou. Não quero que eles saibam nada sobre isso. Eles estragariam tudo. As espigas só tentariam outro plano - são criaturas tão obstinadas! Eu cuidarei bem, mãe. Eles também não vão me matar e me comer, se vierem contra mim. Então você não precisa se importar com eles.

Sua mãe pegou o que ele havia pedido e Curdie partiu. Perto da porta pela qual a princesa deixava o jardim para a montanha havia uma grande pedra e, subindo, Curdie subiu o muro. Ele amarrou sua pista a uma pedra dentro do canal e levou sua picareta com ele. Ele não tinha ido muito longe antes de encontrar uma criatura horrível vindo em direção à boca. O local era muito estreito para dois de quase qualquer tamanho ou forma, e além de Curdie não queria deixar a criatura passar. Não sendo capaz de usar sua picareta, no entanto, ele teve uma luta intensa com ele, e foi somente depois de receber muitas mordidas, algumas delas ruins, que ele conseguiu matá-lo com seu canivete. Tendo o arrastado para fora, ele se apressou a entrar novamente antes que outro parasse no caminho.

Não preciso segui-lo mais longe nas aventuras desta noite. Ele voltou para o café da manhã, satisfeito por os duendes estarem minando na direção do palácio - em um nível tão baixo que sua intenção deve, ele pensou, ser enterrar-se sob as paredes da casa do rei e subir dentro dela - ordem, ele acreditava plenamente, de pôr as mãos na princesinha e levá-la como esposa para o horrível Harelip.


Capítulo 24

Irene se comporta como uma princesa

Quando a princesa acordou do sono mais doce, encontrou a babá  curvada sobre ela, a empregada olhando por cima do ombro da babá e a empregada olhando por cima da empregada. A sala estava cheia de criadas; e os cavalheiros de armas, com uma longa coluna de criados atrás deles, estavam espiando ou tentando espiar na porta do quarto das crianças.

- Essas criaturas horríveis se foram? perguntou a princesa, lembrando-se primeiro do que a havia aterrorizado pela manhã.

- Sua princesinha travessa, travessa! gritou Lootie.

Seu rosto estava muito pálido, com manchas vermelhas, e ela parecia como se fosse sacudi-la; mas Irene não disse nada - apenas esperou ouvir o que viria a seguir.

- Como você pôde ficar por baixo dessa roupa e nos fazer pensar que estava perdido! E mantenha-o o dia todo também! Você é a criança mais obstinada! É tudo menos divertido para nós, posso lhe dizer!

Era a única maneira de a babá explicar seu desaparecimento.

- Não fiz isso, Lootie - disse Irene, muito calmamente.

'Não conte histórias!' gritou sua babá com grosseria.

- Não direi nada a você - disse Irene.

"Isso é tão ruim", disse a babá.

- É tão ruim não dizer nada como contar histórias? exclamou a princesa. - Vou perguntar ao meu pai sobre isso. Ele não vai dizer isso. E acho que ele não quer que você diga.

"Diga-me diretamente o que você quer dizer com isso!" gritou a babá, meio selvagem de raiva da princesa e assustado com as possíveis consequências para si mesma.

"Quando digo a verdade, Lootie", disse a princesa, que de alguma forma não se zangou ", você me diz:" Não conte histórias ": parece que devo contar histórias antes que você acredite em mim."

"Você é muito rude, princesa", disse a babá.

- Você é tão rude, Lootie, que não voltarei a falar com você até que você se arrependa. Por que eu deveria, quando sei que você não vai acreditar em mim? devolveu a princesa. Pois ela sabia muito bem que, se ela dissesse a Lootie o que ela tinha falado, quanto mais ela contasse, menos ela acreditaria nela.

"Você é a criança mais provocadora!" chorou sua babá. "Você merece ser bem punido por seu comportamento perverso."

- Por favor, sra. Governanta - disse a princesa -, você me leva para o seu quarto e fica comigo até meu rei papai chegar? Vou pedir que ele venha o mais rápido possível.

Todo mundo olhou para essas palavras. Até aquele momento, todos a consideravam pouco mais que um bebê.

Mas a governanta tinha medo da babá e procurou consertar as coisas, dizendo:

- Tenho certeza, princesa, berçário não quis ser rude com você.

- Acho que meu pai não gostaria que eu tivesse uma babá que falasse comigo como Lootie. Se ela acha que eu digo mentiras, é melhor dizer isso ao meu pai ou ir embora. Sir Walter, você vai cuidar de mim?

"Com o maior prazer, princesa", respondeu o capitão dos senhores de armas, caminhando com seu grande passo para dentro da sala.

A multidão de criados abriu caminho para ele, e ele se curvou diante da cama da pequena princesa. - Mandarei meu criado imediatamente, no cavalo mais rápido do estábulo, para dizer ao seu rei papai que Sua Alteza Real deseja sua presença. Quando você escolher um desses servos para esperar por você, ordenarei que a sala seja limpa.

"Muito obrigado, sir Walter", disse a princesa, e seus olhos olharam para uma garota de bochechas rosadas que recentemente vinha à casa como empregada de copa.

Mas quando Lootie viu os olhos de sua querida princesa procurando por outra em vez dela, ela caiu de joelhos ao lado da cama e explodiu em um grande grito de angústia.

Acho que sir Walter disse a princesa, ficarei com Lootie. Mas eu me coloco sob seus cuidados; e você não precisa incomodar meu rei-papá até eu falar com você novamente. Vocês todos podem ir embora? Estou bem e seguro, e não me escondi por diversão, nem por incomodar meu povo. Lootie, por favor, me vista.
~

George MacDonald

The Princess and the Goblin (1872).

Disponível em Gutenberg.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: