A Reforma

A Igreja papal apresenta dois aspectos bem diferentes um do outro. O único é o de uma religião espiritual e prática, em que esse ramo da Igreja de Cristo forneceu algumas das mais belas exposições de piedade que o mundo já viu. Fénelon e Pascal estavam entre os mais nobres dos discípulos do Redentor. Através de todas as eras mais sombrias da Igreja houve uma multidão, que nenhum homem pode contar, que seguiu seu Salvador, até a cruz, em sua humilde vida de benevolência e seu auto-sacrifício pelos outros.

A Igreja Católica foi, durante séculos, quase o único representante organizado da religião de Jesus. Continha em seu seio toda a piedade que havia na terra. Esses humildes cristãos, às vezes sepultados e quase sufocados sob as cerimônias que a Igreja lhes impôs, manifestaram através da vida o verdadeiro espírito de Jesus, e passaram, na morte, triunfantes para suas coroas.

Mas há outro aspecto em que a Igreja papal se apresenta nas páginas da história. É o de uma organização política, captada por homens ambiciosos e exercida por eles como um instrumento de engrandecimento pessoal.

O Bispo de Roma, alegando estar em lugar de Deus, com poder para admitir ao céu ou para consignar ao inferno, tornou-se, em muitos casos, um conspirador com reis e príncipes para a humanidade inteira. Como ilustração dessa infame perversão do cristianismo, pode-se mencionar que, no início do século XIV, o papa Bonifácio planejou realizar uma magnífica celebração em honra do papado.

Ele nomeou um jubileu em Roma. Como um incentivo para liderar um inumerável grupo para se aglomerar em homenagem a ele, ele prometeu que todos os que vieram a Roma para assistir ao jubileu não devem apenas ter seus pecados passados ​​perdoados, mas também receber uma indulgência ou, como era popularmente entendido, permissão para cometer quaisquer pecados que desejassem por um tempo limitado. Nós acreditamos facilmente naquilo que desejamos acreditar. Os barões orgulhosos e dissolutos da Europa estavam contentes em aceitar uma doutrina pela qual poderiam facilmente escapar da penalidade de seus enormes pecados. Eles também estavam ansiosos demais para apoiar o papa em todas as suas pretensões, recebendo em troca sua influência poderosa, quase sobrenatural, em manter o campesinato fanático em sujeição à sua vontade.

Neste magnífico jubileu, o papa liderou a procissão, vestido com vestes imperiais. Duas espadas, os emblemas do poder temporal e espiritual, e o globo, o emblema da soberania universal, foram levados adiante dele. Um arauto adiantou-se chorando -

“Pedro, eis aí o teu sucessor! Cristo, eis o teu vigário sobre a terra!” Tais crimes, não raramente nesta vida, encontram um castigo conspícuo. O papa Bonifácio ficou louco, rompeu com seus guardas e espumando pela boca. Rangendo os dentes, morreu proferindo as mais horrendas blasfêmias.

Após a morte de Bonifácio, Filipe, rei da França, apelidado de Belo, que era então o monarca mais poderoso da cristandade, subornou a maioria dos cardeais para eleger uma de suas criaturas para a cadeira pontifícia. Havia um cortesão vil e inescrupuloso no palácio, promovido à alta posição eclesiástica do arcebispo de Bordeaux. Ele fez tão pouca pretensão à piedade como os cães de caça que ele seguiu na perseguição. O rei convocou o arcebispo, cujo nome era Bernard de Goth, para encontrá-lo em uma de suas cabanas de caça na floresta. Lá ele disse a ele:

- Arcebispo, tenho poder para te fazer papa se quiser. Se você me prometer seis favores que eu pedirei a você como papa, vou lhe conferir essa dignidade.

O arcebispo atônito e radiante atirou-se aos pés do rei, dizendo: “Meu senhor, é para você comandar, para eu obedecer. Eu estarei sempre pronto para fazer sua vontade.

Os seis favores especiais que tenho a fazer são: primeiro, reconciliar-me inteiramente com a Igreja, para que eu seja perdoado pela prisão do papa Bonifácio VIII; segundo, que você me dará e a todos os meus apoiadores a comunhão; terceiro, que você me concederá dízimos do clero por cinco anos, para cobrir as despesas da guerra em Flandres; quarto, que você destruirá a memória de Bonifácio VIII; quinto, que você conferirá a dignidade do cardeal aos senhores Jacobo, Piero e outros de meus amigos. O sexto favor que reservo para o tempo e lugar adequados: é uma coisa grande e secreta.”

O arcebispo, tendo feito os juramentos mais solenes para conceder estes pedidos, ascendeu, pelas intrigas do rei, ao trono papal, com o título de Clemente V. Ele tornou-se obsequiosamente servo do rei da França como qualquer escravo é submisso ao seu mestre. O rei e seu papa juntaram as mãos para oprimir e roubar o mundo.

Sua Santidade Clemente V. foi, portanto, o escravo e servo de Philip le Bel. Nenhum cargo era muito baixo ou um sacrifício muito grande para o agradecido pontífice: ele se tornou, de fato, um cidadão da França e um sujeito da coroa. Ele entregou o clero às mãos implacáveis ​​do rei. Ele deu-lhe os dízimos de todas as suas vidas. Como o conde de Flandres devia dinheiro a Felipe, que ele não tinha como pagar, a generosidade do papa veio em socorro; e deu dízimos do clero flamengo à contagem falida, a fim de permitir-lhe pagar sua dívida ao exigente monarca. O papa não reduziu suas próprias demandas em consideração aos subsídios dados a esses poderes: ele completou, de fato, a ruína que os coletores de impostos reais iniciaram; para ele viajou em mais de estado imperial de ponta a ponta da França, e comeu bispo e abade e prévia e prebendário fora de casa e casa.” [1]

A cristandade, então miseravelmente pobre, empobreceu-se por suas exações. Esses ladrões imperiais se voltaram para os judeus e os roubaram sem piedade. O campesinato desarmado não apresentava resistência aos guerreiros de aço montados em poderosos carregadores; que corcéis também foram encapados em casacos de malha. Esses cavaleiros, em sua armadura impenetrável, podiam mergulhar em quase qualquer multidão de camponeses e dispersá-los como ovelhas quando os lobos entram no redil. Mas nem sempre é que a batalha é para os fortes. Muitas vezes podemos ver na história as indicações da providência retributiva de Deus. Houve épocas em que esses orgulhosos cavaleiros caíram diante de suas vítimas desprezadas.

No início do século XIV, um exército desses guerreiros enviados por correio entrou em Flandres, cortando e cortando em todas as direções. Os cidadãos industriais da cidade de Courtrai cavaram secretamente uma vala cega no caminho dos invasores. Os cavaleiros impetuosos, respirando através de suas viseiras cruzadas, e arregalando os buracos deixados para os olhos, incitaram os cavalos para frente em massa sólida, e caíram de cabeça, cavalo e cavaleiro, com seu peso pesado e inextricável de armadura, na armadilha. definido para eles. Foi um massacre horrível - uma avalanche de cavalos e corpos humanos derrubados e lutando, cobertos de aço.

O ímpeto da vasta massa era tal que seu movimento para frente não podia ser verificado. A pressão por trás forçou os que estavam no avanço, até que milhares foram mergulhados no abismo, contorcendo-se, lutando, sufocando, como víboras em um vaso. Os camponeses enfurecidos e os mecânicos do outro lado da vala, com tacos e todas as outras armas disponíveis, espantaram os cérebros daqueles que tentavam escapar do turbilhão da morte. Essa enorme matança quase despovoou a França de seus senhores e príncipes.

As corrupções que se infiltraram na Igreja secularizaram cada vez mais os mais devotos, tanto do clero como dos leigos. Os homens verdadeiros começaram a falar em voz alta contra essas corrupções e continuaram, por assim dizer, apesar de todas as denúncias de poder temporal e eclesiástico.

Os principais cardeais, arcebispos e bispos, nomeados por infames papas e reis, eram quase todos homens irreligiosos e corruptos. Houve algumas exceções nobres; mas a piedade sincera era mais geralmente encontrada apenas com os mais humildes do clero e com as pessoas comuns.

A fim de arrecadar dinheiro, o Papa Leão X, no início do século XVI, elaborou o plano de vender indulgências. Uma tarifa regular de preços foi fixada para o perdão de todos os crimes, de assassinato para baixo. Se um homem quisesse cometer algum ultraje, ou se entregasse a qualquer maldade proibida, ele poderia fazê-lo a um preço estipulado e receber do papa um perdão total. Essas permissões, ou indulgências, como eram chamadas, eram vendidas por toda a Europa, e uma imensa receita era recolhida delas. Havia um homem, chamado John Tetzel, um canalha descarado, que se tornou notório como vendedor ambulante dessas indulgências. Ele atravessou o norte da França e a Alemanha, engajado nesse tráfego nefasto.

Em uma carroça maravilhosamente embelezada e acompanhada por uma banda musical, ele se aproximava de uma cidade populosa, e ficava em algum lugar nos subúrbios até que seus emissários entraram no local e informaram aos habitantes do sinal a honra que os aguardava do advento de um núncio. do papa com perdões pelo pecado à sua disposição.

Todos os sinos da igreja seriam tocados de alegria: toda a população seria atirada para a maior excitação para receber o brilhante cortejo. Na hora anotada, a cavalgada entrou, enlouquecida com todos os belos ornamentos de uma exibição moderna. Tetzel carregava, na espaçosa caixa de seu carrinho de mascate, os certificados de perdão para todo pecado imaginário. Assassinato, adultério, roubo, sacrilégio, blasfêmia - todo crime tinha seu preço especificado.

Poder-se-ia pedir perdão ou absolvição por qualquer crime que já tivesse sido cometido, ou ele poderia comprar permissão para cometer o crime se fosse um que ele desejasse perpetrar. Com música e banners, a procissão avançou para a praça pública. Aqui Tetzel, montado em sua caixa, com toda a volubilidade de um moderno charlatão, espalhou suas mercadorias sobre a multidão ansiosa.

“Meus irmãos”, disse este príncipe dos impostores, “Deus me enviou a você com seu último e maior dom. A Igreja está precisando de dinheiro. Eu estou habilitado pelo papa, vice-gerente de Deus, para absolvê-lo de todo e qualquer crime que você possa ter cometido, não importa o que possa ser. No momento em que o dinheiro tilintar no fundo da caixa, sua alma será tão pura quanto a do bebê que ainda não nasceu.
“Eu também posso conceder-lhe indulgência; de modo que todos os pecados que você possa cometer sejam todos apagados. Mais do que isso: se você tem algum amigo agora no purgatório sofrendo naquelas terríveis chamas, eu estou empoderado, em consideração ao dinheiro que você concede à Igreja nesta hora de necessidade, para fazer com que aquela alma seja imediatamente libertada do purgatório, e para ser levado em asas de anjos para o céu.

Iluminados como as massas do povo estão nos dias de hoje, dificilmente podemos imaginar o efeito que essas representações produziram sobre um povo ignorante e supersticioso que já havia sido treinado para a crença de que o papa era igual em poder a Deus. Estas ofertas de indulgências pelo pecado foram realizadas em toda a Europa, e enormes somas de dinheiro foram assim levantadas. Os certificados, emitidos como títulos do governo, funcionavam da seguinte forma:

“Eu, pela autoridade de Jesus Cristo, seus abençoados apóstolos Pedro e Paulo e o mais sagrado papa, te absolvo de todos os teus pecados, transgressões e excessos, quão enormes sejam eles. Eu te remeto a todos os castigos que tu mereces no purgatório por conta deles, e te restauro à inocência e pureza que possuis no batismo; de modo que, quando tu morreres, as portas da punição serão fechadas contra ti, e as portas do paraíso serão escancaradas ”.

Foi essa venda de indulgências que abriu os olhos de Lutero e outros homens devotos para as corrupções que haviam se infiltrado na Igreja. Não temos espaço aqui para entrar nos detalhes da grande Reforma Protestante que se seguiu: o leitor pode encontrar nas páginas de D'Aubigné, que são facilmente acessíveis, uma narrativa gráfica de seus incidentes. Não obstante a feroz hostilidade dos papas e reis, a Reforma espalhou-se rapidamente entre as massas do povo; e vários soberanos e príncipes de alta patente, enojados com a arrogância dos papas, defendiam seus princípios. O Imperador Maximiliano escreveu a um dos principais homens da corte saxã em referência a Lutero,

“Todos os papas com quem tive alguma coisa a ver foram trapaceiros e trapaceiros. O jogo com os padres está começando. O que seu monge está fazendo não deve ser desprezado. Cuide dele: pode acontecer que tenhamos necessidade dele.

Providencialmente, o eleitor da Saxônia era o amigo e protetor de Lutero. O intrépido monge escreveu ao papa um protesto contra as iniquidades praticadas em Roma.

“Você tem três ou quatro cardeais”, escreveu ele, “de aprendizado e fé; mas o que são esses três ou quatro em uma multidão tão vasta de infiéis e réprobos? Os dias de Roma estão contados, e a ira de Deus foi soprada sobre ela. Ela odeia conselhos, ela teme a reforma e não vai ouvir falar de um cheque sendo colocado em sua desesperada impiedade.

Uma dieta foi convocada em Worms, composta dos príncipes e potentados do grande império alemão. O imperador Carlos V. presidiu. Tal espetáculo que o mundo nunca havia testemunhado antes. Lutero foi convocado para aparecer diante deste corpo para ser julgado por heresia. Naqueles dias traiçoeiros, não era considerado seguro para Lutero se colocar nas mãos de seus inimigos, embora ele tivesse obtido um salvo-conduto do imperador. Seus amigos pediram que ele não fosse para Worms. Ele respondeu,-

"Se houvesse tantos demônios em Worms quanto telhas nos telhados das casas, eu ainda iria para lá."

Antes daquela augusta assembléia, que havia predeterminado sua condenação e morte, Lutero fez uma defesa eloquente, que concluiu nas seguintes palavras:

“Deixe-me, então, ser refutado e convencido pelo testemunho das Escrituras, ou pelos argumentos mais claros; caso contrário, não posso e não vou me retratar; pois não é seguro nem conveniente agir contra a consciência. Aqui eu tomo minha posição. Eu não posso fazer o contrário, então me ajude, Deus! Um homem."

Ele sofreu a partida sob seu salvo-conduto; mas ele foi seguido de perto, e medidas foram tomadas para prendê-lo no momento em que seu salvo-conduto expirasse.

Quando voltava para casa, passava pelos caminhos sombrios de uma floresta, alguns cavaleiros apareceram de repente, agarraram-no, vestiram-no disfarçado de trajes militares, colocaram-lhe uma barba falsa, montaram-no num cavalo e dirigiram rapidamente afastado.

“Seus amigos estavam ansiosos sobre seu destino; pois uma sentença terrível foi proferida contra ele pelo imperador no dia em que seu salvo-conduto expirou, proibindo qualquer um de sustentá-lo ou protegê-lo e ordenar a prisão de todas as pessoas e levá-lo à prisão para aguardar o julgamento que merecia. [2]

Para resgatá-lo dessa desgraça, o eleitor da Saxônia enviara essas tropas, que o levaram secretamente, mas em segurança, ao Castelo de Wartburg. Assim, embora geralmente se supusesse que ele fora atacado e morto, ele estava pacificamente processando seus estudos dentro das muralhas da fortaleza, a salvo de seus inimigos.

O conflito entre os reformadores e os opositores da reforma logo se tornou a questão mais envolvente da época. Muitos eram da opinião de que o fim do mundo estava próximo. Todo o continente da Europa foi abalado por religiões e porções políticas. A questão religiosa reuniu poderosos príncipes nos lados opostos. Os turcos, em números aparentemente esmagadores, estavam trovejando nos portões de muitas das cidades do leste. A França era um turbilhão de excitação. A Espanha intolerante declarou "heresia" punível com a morte. Terremotos terríveis abalaram o mundo. Uma grande parte de Lisboa, em um momento, estava em ruínas, enterrando trinta mil habitantes sob os escombros. Uma enorme onda oceânica varreu a costa da Holanda, destinando quatrocentas mil pessoas a um túmulo aquático.

No ano de 1530, o imperador Carlos V. decidiu impor pelo poder militar os decretos opressivos adotados pela Dieta de Worms. Mas a Reforma na Alemanha fez um progresso extraordinário. Muitos príncipes alemães haviam adotado seus princípios e estavam prontos para desembainhar a espada em sua defesa. Esses príncipes se uniram em solene protesto contra essa intolerância papal. Esse protesto foi assinado por homens como John, eleitor da Saxônia, George, Margrave de Brandemburgo, dois duques de Brunswick, o landgrave de Hesse-Cassel e os governadores de vinte e quatro cidades imperiais. Deste protesto formidável, que foi emitido na primavera de 1529, os reformadores adotaram o nome de protestantes, que eles mantêm atualmente.

O imperador Carlos V, alarmado com este protesto, depois de várias entrevistas longas com o papa, montou uma nova dieta em Augsburgo em abril de 1530. Esperando por ameaças ou subornos silenciar a voz do protestantismo, ele assumiu o ar de franqueza. “Eu convoquei”, ele disse, “esta assembléia para considerar a diferença de opinião sobre o assunto da religião. É minha intenção ouvir as duas partes imparcialmente, examinar seus respectivos argumentos, e reformar o que requer ser reformado, para que possa haver no futuro apenas uma fé pura e simples, e que, como todos são os discípulos do mesmo Jesus. todos podem formar uma e a mesma igreja ”.

Os protestantes designaram Lutero e Melanchthon para redigir uma confissão de sua fé. Lutero era um homem austero e inflexível: Melanchthon era amável e maleável. Embora concordassem em sua confissão, também não combinava exatamente com isso. Foi um pouco cedendo demais a Lutero, e intransigente demais para Melanchthon. Posteriormente, o documento foi revisado por Melanchthon e, de certa forma, suavizado para atender a seus próprios pontos de vista. Como assim modificado, foi adotado pelo povo alemão que assumiu o título de reformados alemães. Os luteranos aderiram ao documento original.

O imperador, em cooperação com o papa, agora jogou fora a máscara, e resolveu pela força das armas para obrigar todos a conformar-se às doutrinas e usos da Igreja papal. Ele começou a reunir seus exércitos para esmagar os protestantes. Eles entraram em uma liga para proteção mútua. Uma guerra civil e religiosa estava prestes a irromper sobre a Alemanha, quando os turcos, com um exército de trezentos mil homens, iniciaram a subida do Danúbio. O imperador, alarmado com essa terrível invasão, foi obrigado a convocar os protestantes para receber ajuda; mas eles temiam mais as masmorras e a chama da Inquisição papal do que o cinturão dos turcos. Eles sabiam muito bem que, assim que os turcos fossem repelidos, o imperador transformaria as energias de sua espada contra eles. Ainda assim, a Alemanha, protestante e católica, tinha tudo a temer dos estragos e ultrajes do turco bárbaro.

Após longas negociações, os protestantes consentiram em cooperar com o imperador em repelir a invasão, ao receber sua solene promessa de conceder-lhes liberdade de consciência e de culto. Charles ficou surpreso com a energia com que os protestantes avançaram para a guerra. Até triplicaram os contingentes que haviam prometido e caíram nos invasores com tanta intrepidez que os levaram de volta às margens do Bósforo. Carlos então, violando sua promessa, começou a agir contra os protestantes. Mas eles, armados, organizados e corados com a vitória, não estavam dispostos a se submeter a essa perfídia. Alguns dos mais atenciosos do partido papal, prevendo as torrentes de sangue que devem fluir e a questão incerta do conflito, conseguiram promover um compromisso.

Ainda Charles estava apenas temporizando. Ele imediatamente entrou em vigorosos esforços para mobilizar uma força suficientemente poderosa para esmagar os protestantes. Ele concluiu uma trégua com os turcos durante cinco anos; ele formou uma liga com Francis King da França, que prometeu a ele toda a força militar de seu reino. Nesse meio tempo, os protestantes estavam ocupados empunhando os poderes morais mais potentes que os sabres ou artilharia, do que correntes ou chamas. Pregadores eloquentes estavam por toda parte proclamando as corrupções do papado. As novas doutrinas dos protestantes envolviam os princípios da liberdade civil e religiosa. Os mais inteligentes e conscientes de toda a Europa estavam adotando rapidamente a nova doutrina. Vários dos mais capazes dos bispos católicos adotaram a causa protestante. O imperador ficou bastante chocado quando soube que o arcebispo de Colônia, que era um dos eleitores do império, havia se juntado aos protestantes. Muitos dos príncipes alemães haviam adotado os princípios da Reforma, que eles tinham maioria na dieta eleitoral. Na Suíça, também, o protestantismo conquistou a maioria do povo. Ainda assim, em toda a Europa, o catolicismo estava na vasta ascendência.

Carlos resolveu tentar por estratagema o que ele recuou de empreender pela força. Ele propôs aos protestantes que um conselho geral fosse convocado em Trento, e que cada partido se comprometesse a cumprir a decisão da maioria dos votos. O conselho, no entanto, deveria ser convocado pelo papa; e Charles, por meio da cooperação com o papa, havia tomado providências para que a esmagadora maioria do conselho se opusesse aos reformadores. Os protestantes, é claro, rejeitaram uma proposta tão tola.

Ainda assim, o imperador e o papa resolveram manter o conselho e impor seus decretos por seus exércitos. O papa forneceu ao imperador treze mil soldados e mais de um milhão de dólares. Carlos criou dois grandes exércitos de seus próprios súditos - um nos Países Baixos e outro nos Estados da Áustria. Seu irmão Ferdinand, rei da Hungria e da Boêmia, também levantou dois exércitos de cooperação, um de cada um desses países. O rei da França reuniu suas legiões confederadas e proclamou em voz alta que o dia da vingança havia chegado, no qual os protestantes seriam aniquilados. O papa emitiu um decreto, no qual ele ofereceu o perdão de todos os seus pecados àqueles que deveriam se envolver nesta guerra de extermínio dos protestantes.

Os reformadores estavam em consternação: as forças mobilizadas contra eles pareciam ser irresistíveis. Mas a Providência nem sempre está do lado dos batalhões pesados. Com energia que surpreendeu a si mesmos e a seus inimigos, eles levantaram um exército de oitenta mil homens, quase todos os indivíduos dos quais era um herói, compreendendo completamente a causa pela qual ele havia desembainhado a espada e pronto para entregar sua vida em sua defesa. As batalhas se seguiram, o sangue fluiu e um lamento de miséria espalhou-se sobre os reinos infelizes, que não temos espaço aqui para descrever. Charles estava aparentemente triunfante. Ele esmagou a liga protestante, submeteu o papa à sua vontade e estava prestes a convocar um conselho para confirmar tudo o que fizera, quando a insatisfação generalizada, que há muito tempo estava adormecida, brilhou em todo o império alemão.

A intolerância do soberbo monarca causou uma explosão geral de indignação contra ele. Maurício, rei da Saxônia, que era o estado mais poderoso da confederação germânica, liderou a insurreição. A França, aborrecida com a arrogância do imperador, juntou-se prontamente ao padrão de Maurício. Os protestantes em multidões se reuniram em suas fileiras; pois ele havia emitido uma declaração de que pegara em armas para impedir a destruição da religião protestante, defender as liberdades da Alemanha e resgatar da masmorra homens inocentes aprisionados apenas por sua fé. Católicos nominais foram encontrados ombro a ombro em cooperação com os protestantes. Províncias inteiras se apressaram para se juntar a este exército. Maurice era considerado o defensor da liberdade civil e religiosa. Cidades imperiais abriram seus portões com alegria para Maurice. Em um mês, o aspecto de cada coisa foi alterado.

Os eclesiásticos católicos, que se reuniam em Trento, alarmaram-se com essa nova atitude, dissolveram a assembléia e fugiram precipitadamente para suas casas. O imperador estava em Innspruck - sentado em sua poltrona, com os membros enfaixados em flanela, debilitados e sofrendo de um ataque severo da gota - quando a inteligência daquele reverso súbito e avassalador o alcançou. Ele ficou surpreso e totalmente confuso. Em fraqueza e dor, incapaz de sair de seu sofá, com seu tesouro exausto, seu exército amplamente disperso e tão pressionado por seus inimigos que não podiam se concentrar, não havia mais nada para ele a não ser tentar convencer Maurice a entrar em uma trégua. Mas Maurice sentia-se tão à vontade em todas as artes da astúcia quanto o imperador, e, em vez de ser iludido, conseguiu enganar seu antagonista. Esta foi uma experiência nova e muito salutar para Charles. É uma sensação muito nova para um trapaceiro bem-sucedido ser o ingênuo do malandro.

Maurice continuou, seu exército reunindo forças a cada passo. Ele entrou no Tirol, varreu todos os seus vales e tomou posse de todos os seus castelos e fortalezas sublimes; e as rajadas de suas cornetas reverberaram pelos penhascos das montanhas, sempre soando a carga e anunciando a vitória, nunca sinalizando uma derrota. O imperador foi reduzido à terrível humilhação de salvar-se da captura apenas pelo voo. Ele mal podia dar crédito ao comunicado quando recebeu as terríveis notícias de que seus inimigos estavam a um dia de marcha de Innspruck, e que um esquadrão de cavalos poderia, a qualquer momento, interromper sua retirada.

Era a noite em que essa comunicação foi feita a ele - uma noite escura e tempestuosa -, no dia 20 de maio de 1552. A chuva caía em torrentes e o vento uivava entre os pinheiros e os penhascos dos Alpes. As torturas da gota não permitiam que ele montasse seu cavalo, nem poderia suportar o solavanco de uma carruagem sobre as estradas irregulares. Alguns atendentes envolveram o monarca em cobertores, levaram-no para o pátio do palácio e o colocaram em uma liteira. Servos lideravam o caminho com lanternas; e assim, através dos desfiladeiros inundados e varridos pela tempestade, eles fugiram com seu soberano indefeso durante as longas horas da noite tempestuosa, não ousando parar um momento, para que não pudessem ouvir atrás deles os cascos de ferro de seus perseguidores.

Que mudança para um mês curto para produzir! Que comentário sobre a grandeza terrena! É bom que o homem, na hora da exultante prosperidade, seja humilde: ele não sabe quando poderá cair. Instrutivo, na verdade, é a apóstrofe do cardeal Wolsey, ilustrada como a verdade que ele proferiu é quase todas as páginas da história:

“Este é o estado do homem: hoje ele propõe
As tenras folhas de esperança, as flores de amanhã:
O terceiro dia vem uma geada, uma geada assassina,
E quando ele pensa, bom homem fácil, com certeza
Sua grandeza está amadurecendo - corta sua raiz;
E então ele cai como eu.

O imperador fugitivo não se atreveu a parar para se refrescar ou descansar até chegar à cidade forte de Villach, na Coríntia. As tropas de Maurício logo entraram na cidade que Charles havia abandonado, e o palácio imperial foi entregue à pilhagem. A coragem heroica, a perseverança indomável, sempre exigem respeito. Estas são qualidades nobres, embora possam ser exercidas em uma causa ruim. A vontade de Charles era inconquistável. Nessas horas de desastre, torturado pela dor, expulso de seu palácio, empobrecido e carregado em sua liteira em fuga humilhante diante de seus inimigos, ele estava tão determinado a impor seu plano como na hora mais brilhante da vitória. [3]

O imperador foi por fim limitado, em vista das novas ameaças dos turcos, a concordar com o célebre Tratado de Passau, em 2 de agosto de 1552. O espírito de verdadeira tolerância era então pouco conhecido no mundo. Depois de longo debate, em que ambas as partes estavam frequentemente a ponto de agarrar armas, concordou-se que os protestantes deveriam desfrutar do livre exercício de sua religião nos lugares especificados pela Confissão de Augsburgo. Em todos os outros lugares, os príncipes protestantes podem proibir a religião católica em seus Estados, e os príncipes católicos podem proibir a religião protestante; mas em cada caso a parte expulsa deveria ter a liberdade de vender sua propriedade e de emigrar sem molestar para algum Estado onde sua religião era dominante. Mesmo esse miserável burlesco de tolerância era tão ofensivo para o papa que ele ameaçou excomungar o imperador e seu irmão Ferdinand se eles não declarassem imediatamente que esses decretos eram nulos e inválidos em todos os seus domínios.

Carlos V. inquestionavelmente herdou uma mancha de insanidade. Sua mãe, a infeliz Joanna, filha de Isabella, rainha da Espanha, depois de ficar anos nas mais insuportáveis ​​trevas do delírio, morreu em 4 de abril de 1555. Seu filho imperial já havia se tornado vítima de um desânimo extremo. Assolado por decepções, mortificado por retrocessos e aborrecido com a conduta indecorosa de seu filho, ele se trancou em seu quarto, recusando-se a ver qualquer companhia além de sua irmã e criados, tornando-se insustentável a eles por sua petulância e morosidade. Durante nove meses ele não assinou um papel. Ele tinha apenas cinquenta e cinco anos de idade, mas era prematuramente velho e vítima de muitas doenças depressivas. Provavelmente não havia um homem mais infeliz em toda a Europa do que o imperador Carlos V.

Ele resolveu, abdicando do trono, para escapar dos cuidados que o torturavam. A importante cerimônia aconteceu com muita pompa fúnebre no dia 4 de abril de 1555.

O imperador tinha fixado o Convento de São  Justus, na Estremadura, Espanha, como o local do seu retiro. A pilha maciça estava longe das cenas movimentadas do mundo, imersa entre colinas cobertas de florestas escarpadas e sombrias, com um regato de montanha murmurando em suas paredes. Existe considerável diversidade nos relatos que nos são transmitidos sobre a vida conventual. De acordo com as melhores evidências que podem ser obtidas agora, foi como segue:

O imperador fez com que fosse erguido dentro das paredes do convento um pequeno prédio de dois andares, com quatro cômodos em cada andar. Estes quartos, tapados de luto, estavam confortavelmente mobilados. Pinturas de escolha ornamentavam as paredes, e o imperador era servido de chapa de prata. Charles não era de espírito literário, e alguns livros devocionais constituíam sua única biblioteca. Um agradável jardim, com um alto recinto que abrigava o recluso de toda a observação, convidava o imperador a andar de cascalho cercado de flores.

Os dias passaram monotonamente. O imperador assistia à missa todas as manhãs na capela e jantava cedo no refeitório do convento. Depois do jantar, ele ouviu por um curto período a leitura de algum livro de devoção. Ele estava escrupulosamente atento aos jejuns e festivais da Igreja e, todas as noites, ouvia um sermão na capela. Em penitência por seus pecados, ele flagelou-se freqüentemente com tal severidade de flagelação, que as cordas do chicote foram manchadas com sangue.

Gostando de atividades mecânicas, ele empregou muitas horas na escultura de bonecos e brinquedos infantis e construiu alguns artigos de mobília. Seu quarto estava cheio de relógios de todas as formas de construção. Diz-se que, quando ele descobriu como era impossível manter dois deles exatamente ao mesmo tempo, ele exclamou sobre sua loucura no passado, esforçando-se para compelir todos os homens a pensarem sobre o assunto da religião.

Seus sofrimentos corporais eram severos devido à gota, pelos quais ele estava desamparado e aleijado. A maior parte do tempo ele passou em desânimo extremo. Era evidente que sua saúde estava falhando rapidamente e que, em pouco tempo, ele deveria afundar no túmulo. Sob essas circunstâncias, ele adotou a extraordinária ideia de ensaiar seu próprio funeral. Como a história geralmente chegou até nós, todos os arranjos melancólicos para seu enterro foram feitos, e o caixão foi fornecido. O imperador reclinou-se sobre a cama como se estivesse morto: ele estava envolto em sua mortalha e colocado em seu caixão. Os monges e todos os reclusos do convento compareceram de luto; os sinos tocavam, os cantos eram cantados pelo coro, o serviço fúnebre era lido; e então o imperador, como se morto, foi colocado no túmulo da capela e a congregação se retirou.

O monarca, depois de permanecer algum tempo em seu caixão para se impressionar com o que é morrer e ser enterrado, levantou-se do sepulcro, ajoelhou-se diante do altar na igreja fria por algum tempo em adoração, e então retornou ao seu quarto para passar a noite em meditação e oração. O choque e o frio dessas cenas melancólicas eram demais para o quadro débil e a mente enfraquecida do monarca. Ele ficou com febre e em poucos dias deu seu último suspiro; e seu espírito ascendeu àquele tribunal onde todos devem responder pelas ações feitas no corpo.

Os reformadores do século XVI, nos vários países da Europa, adquiriram renome que nunca morrerá. Nós damos um grupo contendo os retratos de cinco, que estavam entre os mais ilustres desses homens, com o breve resumo de suas vidas.

João Calvino nasceu em Noyon, na Picardia, uma das províncias do norte da França, em 10 de julho de 1509. Em seus primeiros anos, ele desenvolveu notável intelecto; e seu pai, que era tanoeiro, dedicou-o à Igreja. Aos doze anos de idade, ele recebeu um benefício na catedral de sua cidade natal; e, quando tinha dezoito anos, foi designado para a cura. Enquanto ainda buscava em Paris seus estudos teológicos, as grandes verdades dos reformadores surgiram em sua mente, e assim o perturbaram, que ele renunciou à sua intenção de servir no sacerdócio e se dedicou ao estudo da lei.

Com apenas vinte e dois anos de idade, publicou um comentário em latim sobre o "De Clementia" de Sêneca; e, sendo suspeito de favorecer a nova doutrina dos reformadores, ele foi obrigado a fugir de Paris. O Cânon de Angoulême deu-lhe refúgio; e sob seu hospitaleiro teto, ele começou a escrever sua obra de renome mundial, "Os Institutos da Religião Cristã". Ele dedicou dois anos a esse tratado e, nesse meio tempo, dirigiu-se a Navarra. A Rainha Margarida de Navarra, que era o cordial patrono dos homens instruídos, recebeu-o hospitaleiramente. Aqui Calvino continuou seus estudos e conheceu muitos dos homens mais eminentes da Europa em todos os vários ramos da aprendizagem. Depois de um tempo, voltando para a França, ele foi novamente obrigado a procurar segurança em voo; e ele se estabeleceu em Basle.

Aqui ele publicou, em agosto de 1535, seus “Institutos”. Foi uma confissão cuidadosamente elaborada da fé daqueles que na França estavam condenados à mais terrível perseguição, e até à estaca, por suas opiniões. A excitação e o perigo dos tempos eram tais, que o trabalho teve uma circulação imensa entre os reformadores em toda a Europa e colocou Calvino à frente dos defensores das novas doutrinas.

“Espalhados por toda a parte nas escolas, nos castelos da nobreza, nas casas dos cidadãos e até nas oficinas do povo, 'Os Institutos' tornaram-se os mais poderosos pregadores. Em torno deste livro, os protestantes se reuniram em torno de um padrão. Eles descobriram cada coisa lá, - doutrina, disciplina, igreja organização.” [4]

O trabalho foi dedicado ao rei, Francisco I. Nesta dedicação, Calvino disse: “É seu escritório, senhor, não afastar seus ouvidos ou seu coração de tão somente uma defesa, especialmente porque é uma questão de grande importância saiba como a glória de Deus será mantida na terra. Oh assunto digno de sua atenção, digno de sua jurisdição, digno de seu trono real!

Diz-se que o rei não se dignou sequer a ler esta epístola. Em 1536, Calvino foi nomeado pastor de uma igreja e professor de uma escola teológica em Genebra. Seus volumosos escritos continuaram a atrair a atenção de toda a Europa, e os protestantes franceses geralmente adotavam o nome de calvinistas. A quantidade de trabalho realizado por Calvino parece quase incrível. Ele pregava diariamente, ministrava palestras teológicas três vezes por semana e participava de todas as reuniões do Consistório da Associação de Ministros, e era o líder dos conselhos. Ele foi continuamente consultado para aconselhamento sobre questões de direito e teologia. Ele emitiu um vasto número de panfletos em defesa de suas opiniões, comentários sobre a Bíblia, e manteve uma extensa correspondência com homens ilustres de toda a Europa. Além de seus numerosos sermões impressos, ele deixou na biblioteca de Genebra dois mil e vinte e cinco em manuscrito. [5]

A queima de Michael Serveto na estaca por heresia é frequentemente apontada como uma mancha irreparável no caráter de Calvino. Homens sinceros atribuem grande parte da intolerância dos indivíduos naqueles dias ao espírito dos tempos. Falando sobre este assunto, M. G. de Félice diz muito judiciosamente:

“A execução de Michael Serveto forneceu o tema de uma disputa constantemente renovada. Um historiador competente de nossos dias, M. Mignet, acaba de dedicar uma longa e erudita dissertação a ele. Isso nos levaria inteiramente além do nosso plano de entrar nesses detalhes. 1. Serveto não era um herege comum. Ele era um panteísta arrojado e ultrajava o dogma de todas as comunhões cristãs dizendo que Deus em três pessoas era um Cerberus - um monstro de três cabeças. 2. Ele já havia sido condenado à morte pelos médicos católicos em Viena, em Dauphiny. 3. O caso foi julgado, não por Calvino, mas pelos magistrados de Genebra; e, se for objetado que seu conselho deve ter influenciado sua decisão, é necessário lembrar que os conselhos dos outros cantões reformados da Suíça aprovaram a sentença com uma voz unânime. 4. Foi, em resumo, do mais alto interesse da Reforma separar distintamente sua causa da de um incrédulo como Serveto. A Igreja Católica, que em nossos dias acusa Calvino de ter participado na sua condenação, muito mais o teria acusado, no século XVI por ter solicitado a sua absolvição.” [7]

Naturalmente, Calvino era impaciente e irascível. Em uma de suas cartas para Bucer, ele escreve:

“Não tenho batalhas mais duras contra meus pecados, que são grandes e numerosos, do que aqueles em que busco conquistar minha impaciência. Eu ainda não ganhei o domínio sobre esta besta furiosa.

Calvino morreu em 27 de maio de 1564, no quinquagésimo quinto ano de sua idade. Ele era de estatura mediana, semblante pálido, olhos brilhantes e era extremamente abstêmio em seus hábitos de vida. Por muitos anos, ele comeu apenas uma refeição por dia. No testamento que ditou pouco antes de sua morte, ele chamou Deus para testemunhar a sinceridade de sua fé e agradeceu a ele por tê-lo empregado no serviço de Jesus Cristo.

Philip Melanchthon era igualmente distinto por sua força de caráter nativa, sua cultura intelectual, sua piedade e sua amabilidade. Ele nasceu no palato do Reno, em 16 de fevereiro de 1497. No início da infância, seu progresso no estudo, especialmente na aquisição das línguas antigas, foi muito extraordinário. Na idade de treze anos, ele entrou na Universidade de Heidelberg. Aqui ele se distinguiu por sua bolsa de estudos, que em um ano ele tomou o grau de bacharel em artes, e se tornou professor de vários dos filhos da nobreza. Em 1512, quando tinha quinze anos de idade, ele se dirigiu para a Universidade de Tübingen, onde se dedicou com grande assiduidade ao estudo da teologia. Com a idade de dezoito anos, ele recebeu o grau de mestre de artes, deu palestras sobre os autores gregos e latinos, e publicou uma gramática grega. Sua erudição e eloquência lhe deram tanta fama que, aos vinte e dois anos de idade, foi convidado a Wittenberg como professor de língua e literatura gregas. Aqui ele abraçou calorosamente a causa da verdade evangélica como defendida pelos reformadores. Seu bom senso, rico gosto clássico, piedade ardente e imaginação fervorosa, davam um charme peculiar a tudo que saía de sua caneta. Unindo essas qualidades à energia, impetuosidade e empreendimento de Lutero, ele contribuiu grandemente para a disseminação das doutrinas da Reforma. Seu espírito ameno em algum grau suavizou o rigor de Lutero, e seus escritos foram universalmente admirados pelo mundo protestante. Associado a Lutero, ele elaborou a célebre “Confissão” de Augsburgo em 1530. Este, com a “Apologia” por ele que ele subsequentemente compôs, deu a ele renome por toda a Europa.

“Ele não era mais amável do que no seio de sua família. Ninguém que o visse pela primeira vez teria reconhecido o grande reformador em sua figura quase diminuta, que sempre continuava escassa devido à sua abstinência e indústria. Mas a testa alta, arqueada e aberta, e os olhos brilhantes e bonitos, anunciavam a mente enérgica e animada que essa leve cobertura encerrava e que iluminava seu semblante quando falava. Em sua conversa, os gracejos eram misturados com as observações mais sagazes; e ninguém o deixou sem ter sido instruído e satisfeito. Sua pronta benevolência, que era o traço fundamental de seu caráter, abraçava todos os que se aproximavam dele. Aberto e insuspeito, ele sempre falava do coração. A piedade, uma simplicidade digna de maneiras, generosidade, era para ele tão natural que lhe era difícil atribuir qualidades opostas a qualquer homem”. [7]

Por quase meio século, Melanchthon foi um dos atores mais proeminentes nesse tremendo conflito entre a Igreja Papal e a reforma protestante que então agitou toda a Europa. Poucos homens foram tão universalmente e ardentemente amados. Não obstante a veemência do caráter de Lutero e a brandura do espírito de Melanchthon, a amizade entre esses dois homens notáveis ​​continuou inabalável ao longo da vida. De todas as partes da Europa, estudantes se reuniam em Wittenberg, atraídos pelas atrações mentais e morais de Melanchthon.

Está registrado deste homem ilustre que, no começo de seu ministério, ele imaginou que ninguém poderia resistir às boas novas do evangelho. Com poderes de eloquência que fascinavam o grande público, ele descrevia o amor de Deus, as alegrias do céu, a companhia dos anjos - tudo oferecido ao pecador arrependido sem dinheiro e sem preço; mas as multidões que ouviram com prazer suas brilhantes descrições e seus poderosos apelos dispersos da igreja sem nenhuma disposição manifestada para entregar seus corações ao Salvador, ou para consagrar suas vidas ao seu serviço. Por fim, ouviu-se que o pregador, em cujo púlpito o incenso de aplausos populares subia continuamente, dizia em amargura de lamento: "O velho Adão é forte demais para o jovem Melanchthon".

Este grande e bom homem morreu em Wittenberg no dia 19 de abril de 1560, no sexagésimo terceiro ano de sua idade.

Martinho Lutero tem sido geralmente considerado o pai da Reforma. Ele foi certamente um dos maiores homens do século XVI. Ele era filho de pais muito pobres, seu pai sendo mineiro; e nasceu em Eisleben, em 10 de novembro de 1483. A infância de Martin era simplesmente como era de se esperar na casa de pais pobres, mas muito religiosos. Aos quatorze anos foi enviado para a escola em Magdeburg; mas sua destituição era tão grande que ele frequentemente obtinha alguns pence, o que contribuía essencialmente para seu apoio, cantando nas ruas. Ainda assim, ele progrediu rapidamente no estudo; e, sendo levado sob os cuidados de uma relação materna, com a idade de dezoito anos ele entrou na Universidade de Erfurt. Aqui a proximidade de sua aplicação e suas realizações logo atraíram a atenção de seus professores.

A Bíblia naquela época era um livro selado para os leigos. Lutero, para seu grande deleite, encontrou uma cópia em latim na biblioteca da universidade. Ele estudou-o com a maior diligência e ficou tão interessado em seu conteúdo que resolveu dedicar-se ao estudo da divindade. A morte repentina de um amigo neste momento, que caiu morto ao seu lado, o impressionou tanto com emoções melancólicas, que ele decidiu se retirar do mundo, e se imiscuir nas trevas do claustro. Assim, ele entrou no mosteiro dos Agostinhos em Erfurt no ano de 1505, e pacientemente se submeteu a todos os rigores e penitências impostas a ele por seus superiores. Mas ele foi torturado com um sentimento de pecado: nenhum de seus sofrimentos auto-infligidos apaziguou sua consciência. Sua agitação mental o lançou em uma doença grave e perigosa. Achava que não tinha boas obras, sobre as quais pudesse confiar como expiação por suas muitas enfermidades, e seu bom senso permitiu-lhe contemplar com profundo desgosto o tráfico de indulgências.

Mas um brilho de nova luz surgiu em sua mente quando um dos irmãos falou a ele sobre a salvação do pecado e sua penalidade por meio da fé na expiação de Jesus Cristo - salvação pela fé e não pelas obras.

As altas dotações intelectuais de Lutero não podiam ser ocultadas. O provincial da ordem liberou-o dos deveres servis do claustro para dedicar-se ao estudo da teologia. Em 1507 ele foi ordenado sacerdote católico; e, um ano depois, tornou-se professor de filosofia na Universidade de Wittenberg. Aqui seu intelecto dominante e independência de caráter, reuniram em torno dele um grande número de discípulos. Uma visita a Roma em 1510 revelou-lhe a corrupção do clero e destruiu totalmente sua reverência pelo papa. Ao retornar a Wittenberg, aos vinte e nove anos de idade, tornou-se doutor em teologia e tornou-se pregador.

Nessa época, o impudente charlatão Tetzel estava atravessando a Alemanha, vendendo suas indulgências. O zelo e a indignação de Lutero foram despertados: ele pregou veementemente contra o ultraje e publicou noventa e cinco proposições, que continham um ataque irrefutável ao infame tráfico. As proposições foram imediatamente declaradas heréticas; mas nenhuma arte de lisonja, ou terror de ameaça, poderia induzir o destemido Lutero a se retratar. Panfleto após panfleto saiu de sua caneta, atacando as corrupções da Igreja; enquanto milhares se reuniram para ouvir suas negrito denúncias do púlpito. Em 1520, o papa emitiu uma bula de excomunhão contra Lutero e seus amigos, e seus escritos foram publicamente queimados em Roma, Colônia e Lovaina. Lutero, intimidado, queimou publicamente a bula da excomunhão papal em Wittenberg no dia 10 de dezembro de 1520.

Vários dos príncipes alemães e muitos dos nobres mais ilustres abraçaram as doutrinas de Lutero; de modo que ele não ficou sem apoio poderoso. Ainda assim, o mundo ficou surpreso com a ousadia de um monge obscuro, que assim se aventurou a desafiar o clero católico, o imperador fanático da Alemanha e o próprio papa. Lutero foi convocado pelo imperador para aparecer na Dieta de Worms e recebeu um salvo-conduto de sua Majestade. No entanto, seus amigos tremeram de medo de seu assassinato. Foi nessa ocasião, quando instado a não se expor a tal perigo, que ele deu sua resposta memorável:

"Se houvesse tantos demônios em Worms quanto telhas nos telhados das casas, eu ainda iria para lá."

Quando Lutero se aproximou de Worms, quando a menos de cinco quilômetros da cidade, uma cavalgada de dois mil cidadãos saiu para homenageá-lo com sua escolta. O imperador Carlos V. presidiu a dieta. O corpo era composto do arquiduque Fernando, seis eleitores, vinte e quatro duques, sete margraves e muitos príncipes, condes, senhores e embaixadores. A defesa de Lutero foi considerada por seus amigos irrespondível; e seus inimigos pareciam pensar que a única resposta a ser feita era pela adaga do assassino. Para resgatá-lo desse perigo, seus poderosos amigos seqüestraram-no em seu retorno, como já mencionamos, e o levaram para o Castelo de Wartburg, onde por dez meses ele ficou oculto. Nestes meses de aposentadoria, ele se dedicou à tradução do Novo Testamento para o alemão.

Mas seu espírito impetuoso sofria para escapar dos bares da prisão que o protegiam. Através de mil perigos, ele finalmente retornou a Wittenberg, e lá recomeçou sua vida de zelo incansável ao atacar as corrupções da Igreja. Ele elaborou uma nova liturgia para o serviço de seus seguidores, expurgados de suas formas vazias; exortou a abolição dos mosteiros, que se tornou principalmente o recurso da ignorância e do vício; e pisou sob os pés os preconceitos do eclesiasticismo papal casando-se com uma freira, Catherine von Bora. Lutero tinha quarenta e dois anos quando deu esse importante passo.

As virtudes, assim como as imperfeições desse homem extraordinário, eram as de impetuosidade, coragem, autoconfiança e zelo indomável. Ele costumava ser muito severo. “A severidade que ele usou na defesa de sua fé de modo algum diminui o mérito de sua constância. Um pedido de desculpas pode ser facilmente encontrado para a frequente rudeza de suas expressões no modo prevalecente de falar e pensar; na natureza de seu empreendimento, que exigia uma competição contínua; nas provocações com as quais ele foi continuamente atacado; na sua doença frequente; e em sua imaginação excitável.” [8]

Mesmo os inimigos de Lutero, que tão amargamente censuram a severidade freqüentemente encontrada em seus escritos, são constrangidos a admitir que ele foi impulsionado por motivos honestos e honrados. Lutero diz de si mesmo:

“Eu nasci para lutar com demônios e facções: essa é a razão pela qual meus livros são tão turbulentos e tempestuosos. É meu dever remover obstruções, cortar espinhos, preencher atoleiros e abrir e endireitar os caminhos. Mas, se devo necessariamente ter alguma falha, deixe-me falar a verdade com severidade muito grande do que uma vez para agir como hipócrita e ocultar a verdade.

Ninguém pode ser informado da quantidade de trabalho realizado por Lutero, sem espanto. Enquanto pregava várias vezes por semana, e muitas vezes todos os dias, realizando uma correspondência muito extensa e importante com os reformadores em toda a Europa, ele era um dos escritores mais prolíficos de qualquer época e tornou seu nome imortal traduzindo a Bíblia para o alemão. língua. Este último trabalho, sozinho, consideraria suficiente ter absorvido as energias mais industriosas por toda a vida. Seus admiráveis ​​hinos ainda são cantados em todas as igrejas; e a melodia de "Old Hundred" (Cem anos), que ele compôs, durará enquanto o tempo perdurar. No desempenho de tais trabalhos, ele viveu até os sessenta e três anos de idade. Pouco antes de morrer, escreveu a um amigo com a seguinte tendência patética:

“Envelhecido, exausto, cansado, sem espírito e agora cego de um olho, anseio por um pouco de descanso e tranquilidade. No entanto, tenho muito a fazer, escrevendo, pregando e agindo, como se nunca tivesse escrito, pregado ou agido. Estou cansado do mundo e o mundo está cansado de mim. A despedida será fácil, como a do hóspede que sai da pousada. Eu oro somente para que Deus seja gracioso comigo na minha última hora, e eu deixarei o mundo sem relutância. ”

Poucos dias depois de escrever o texto acima, Martinho Lutero morreu em Eisleben, no dia 18 de fevereiro de 1546. Ele foi enterrado na Igreja do Castelo em Wittenberg.

John Wycliffe é frequentemente chamado de "a estrela da manhã" da Reforma. Ele nasceu em Yorkshire, na Inglaterra, por volta do ano 1324. Em seus primeiros anos, ele desenvolveu habilidades mentais incomuns e se formou no Queen's College, em Oxford, com grandes honras. Com a idade de trinta e dois anos ele publicou um tratado sobre "A Última Era da Igreja", no qual ele se aventurou a atacar algumas das suposições do papa e a atacar gravemente as invasões dos frades mendicantes. Em 1372, Wycliffe, tendo recebido o título de D.D., fez palestras sobre teologia em Oxford com grande aplauso. Naquela época, uma controvérsia estava começando a surgir entre o papa e Edward III, Rei da Inglaterra. Eduardo, sustentado por seu parlamento, recusou-se a submeter-se à vassalagem que o papa exigira de seus predecessores. Wycliffe com sua caneta defendeu com muito sucesso a posição tomada pelo rei. Ele garantiu assim o favor de seu monarca, mas exasperou o papa, Gregório XI. Wycliffe foi acusado de heresia. O papa emitiu uma bula e dezenove artigos de alegada falsa doutrina foram elaborados contra ele. Gregory emitiu três touros dirigidos ao Arcebispo de Canterbury e ao Bispo de Londres, ordenando a captura e prisão de Wycliffe.

Nesse meio tempo, Edward III. morreu; mas a corte britânica e a população de Londres se reuniram tão entusiasticamente em torno de Wycliffe, que nenhum julgamento poderia ser tomado contra ele. Logo depois disso, Gregory XI. morreu; e todos os procedimentos contra o reformador inglês foram abandonados. Mas o zelo de Wycliffe foi completamente despertado; e, encorajado pelo poderoso apoio que recebeu da corte britânica e do povo, ele atacou com crescente liberdade as pretensões exorbitantes da corte de Roma. Falando de seus trabalhos, McIntosh diz:

“As novas opiniões sobre religião que surgiram agora se misturaram com o espírito geral do cristianismo na promoção do progresso da emancipação, e tiveram sua participação nas poucas desordens que a acompanharam. Wycliffe, o célebre reformador, tornou-se um dos médicos mais famosos da Igreja inglesa. Sua educação letrada não o tornava estranho à severidade com que Dante e Chaucer atacaram os vícios do clero sem poupar as corrupções da visão romana em si. Seu aprendizado teológico e piedade mística levaram-no a reprovar todo o sistema de riqueza e mundanidade, pelo qual uma graça cega destruíra a simplicidade apostólica e a humildade primitiva da religião cristã ”.

Este homem eminente, que no final do século XIV iniciou o ataque às corrupções da corte de Roma, morreu de um derrame paralítico em 31 de dezembro de 1384. Sua doutrina e seu espírito sobreviveram a ele e abriram o caminho para a separação final e inteira da Igreja da Inglaterra da de Roma. A exasperação que seus escritos criaram nos peitos dos defensores do papado pode ser inferida do fato de que no ano de 1425, quarenta e um anos após sua morte, o Concílio de Constança declarou seus escritos heréticos e ordenou que seus ossos ser levado e queimado; qual sentença foi executada.

John Knox, que foi o mais ilustre dos defensores da Reforma na Escócia, nasceu de uma antiga família, em Gifford, East Lothian, em 1505. Nos primeiros anos da juventude, ele obteve o grau de mestre de artes em St.  Andrew's, e entrou no estudo da teologia. Ele logo se cansou de estudar os dogmas ensinados nas escolas católicas e ansiosamente buscou a luz nos mais claros preceitos de uma filosofia prática e de senso comum. Assim instruído, abandonou todos os pensamentos de oficiar na Igreja de Roma, cujos cortejos e invasões, seculares e eclesiásticos, o desagradaram. Algumas das doutrinas dos reformadores já haviam penetrado na Escócia. Dois dos senhores que abraçaram esses princípios o empregaram como tutor de seus filhos. Aqui ele pregou, não apenas para seus alunos, mas para outros, que foram atraídos em números cada vez maiores por sua fervorosa eloquência.

A Igreja Católica ainda era um imenso poder na Escócia; e o cardeal Beaton, arcebispo de St. Andrew, iniciou um processo contra Knox, que o obrigou a se abrigar no castelo de St.  Andrew. Aqui, sob poderosa proteção, ele continuou corajosamente a pregar os princípios da Reforma, apesar da hostilidade do sacerdócio papal. Em julho de 1547, o Castelo de Santo  André se rendeu aos franceses, com os quais a Escócia estava então em guerra. Knox foi levado cativo e levado com a guarnição para a França, onde permaneceu prisioneiro a bordo das galeras por quase dois anos. Ao ser libertado, ele retornou a Londres, onde recomeçou a pregação como um itinerante, com veemente eloquência que lhe dava audiências lotadas onde quer que fosse.

Com a ascensão de Maria, uma católica fanática, ao trono da Inglaterra, as leis mais sanguinárias foram reavivadas contra os reformadores. Knox fugiu para Genebra e logo foi convidado para se tornar ministro de uma colônia de refugiados ingleses em Frankfort. Apesar da perseguição de Maria, os defensores da religião reformada, tanto na Inglaterra quanto na Escócia, aumentaram rapidamente, de modo que, em 1555, Knox se aventurou a revisitar sua terra natal e pregou com crescente energia e ousadia. Seu destemor ganhou para ele a admiração de seus amigos, e a execração de seus inimigos. Knox estando ausente em uma visita a Genebra, os bispos papais condenaram-no à morte como herege e queimaram-no em efígie na estaca de Edimburgo. Knox elaborou uma enérgica contestação contra essa condenação de um homem ausente e inaudito, e publicou um panfleto, escrito em seu mais furioso estilo de eloquência, intitulado “A primeira explosão de uma trombeta contra o regime monstruoso das mulheres”. Este panfleto violento foi dirigido a Bloody Mary, Rainha da Inglaterra, e Mary of Lorraine, viúva de James V, Rainha-Regente da Escócia.

Mas a flecha apontada para Maria, o papista, perfurou o seio de Isabel, uma rainha protestante que a sucedeu. Essa princesa altiva não podia perdoar um homem que escrevera uma diatribe contra o "regime monstruoso das mulheres". Mas Knox, cercado por ameaças e em constante perigo de liberdade e vida, continuou sem medo de atacar as corrupções da Igreja. Embora os poderes papais na Escócia fossem sustentados pelos exércitos da França católica - para Maria de Lorena ser irmã do poderoso duque de Guise -, ainda reunidos sob um líder tão destemido quanto Knox, os reformadores da Escócia avançaram de vitória em vitória. Houve uma época em que ele inflamou a população com uma arenga veemente contra a idolatria, que a multidão excitada invadiu as igrejas, destruiu os altares, rasgou as fotos em pedaços, desfez as imagens em fragmentos e nivelou vários monastérios com o chão. Esses procedimentos ilegais foram severamente censurados pelos homens proeminentes do partido reformista na Escócia e pelos líderes da Reforma em toda a Europa.

A Inglaterra protestante enviou um exército para ajudar os protestantes na Escócia. A rainha-regente papal Maria, com seu exército de partidários franceses, foi expulsa do reino; o parlamento escocês foi restabelecido, a maioria dos membros tendo adotado opiniões protestantes; os antigos tribunais papais foram abolidos; o exercício do culto religioso de acordo com os ritos da Igreja Romana era proibido, e a doutrina e disciplina da Igreja Presbiteriana estabelecida como a religião do reino.

Em agosto de 1561, a infeliz Maria, Rainha dos Escoceses, chegou à Escócia para reinar por direito próprio. Ela era uma católica zelosa e imediatamente iniciou medidas para restabelecer a religião de Roma em todos os seus domínios. Knox, do púlpito, abriu uma guerra contra a rainha e seus partidários com habilidade consumada e com intrepidez que nunca se esquivou de qualquer perigo. Após o casamento da rainha com o jovem Darnley, Knox declarou do púlpito:

"Deus, em punição por nossa ingratidão e pecados, nomeou mulheres e meninos para reinar sobre nós."

Por fim, esgotado com incessante trabalho e ansiedade, e chocado com a notícia do massacre de São  Bartolomeu, ele se deitou na cama e morreu em 24 de novembro de 1572, no sexagésimo sétimo ano de sua idade. Os homens mais ilustres da Escócia compareceram ao seu funeral, prestando uma honrosa homenagem à sua memória. Quando seu corpo foi baixado para o túmulo, Earl Morton, então regente da Escócia, disse:

“Há um que nunca temeu o rosto do homem; que tem sido freqüentemente ameaçado com dag e punhal, e ainda terminou seus dias em paz e honra; porque ele tinha a providência de Deus cuidando dele de uma maneira especial quando sua vida era procurada ”.

Robertson, o historiador, comentando sobre o caráter desse ilustre reformador, observa, com evidente veracidade, que a severidade de seu comportamento, sua impetuosidade de temperamento e intolerância zelosa eram qualidades que, embora o tornassem menos amável, o capacitavam a avançar. Reforma entre um povo feroz, e superar a oposição a qual um espírito mais gentil teria cedido. [9]

É agradável passar dessas cenas de pecado e miséria para uma bela exemplificação da verdadeira piedade - um espírito de devoção a Deus tão verdadeiro, que não é manchado pelos erros e imperfeições de uma era de trevas.

Em toda denominação você pode encontrar aqueles que são uma desgraça para a causa de Cristo. Houve um Judas entre os apóstolos. Em toda denominação cristã, você encontrará aqueles que estão queimando e brilhando luzes no mundo; que vivem a vida dos justos, morrem a morte dos justos e voltam para casa para a glória.

Cerca de cento e sessenta anos atrás, havia no coração da Alemanha uma jovem duquesa, Eleonora, residindo na corte de seu pai Filipe, o eleitor palatino. Na infância, ela se tornou cristã - um cristão sincero e caloroso. Guiada pelos ensinamentos de seus instrutores espirituais, que, embora sem dúvida sinceros, tinham trabalhado sobre os preceitos da Bíblia nas tradições e superstições daquela idade das trevas, foi ensinada a privar-se de quase todas as gratificações inocentes e a praticar frágil enquadrar todas as severidades de uma âncora. O celibato foi especialmente elogiado por ela como uma virtude peculiarmente grata a Deus; e consequentemente recusou todas as solicitações para sua mão.

Leopoldo, o imperador viúvo da Alemanha, enviou uma magnífica comitiva ao palácio do grande eleitor e solicitou a Eleonora sua noiva. Foi a partida mais brilhante que a Europa poderia fornecer; mas Eleonora, apesar de todas as importunidades de seus pais, rejeitou a coroa oferecida.

Enquanto o imperador insistia em seu pedido, a donzela conscienciosa, para que ela pudesse se tornar pessoalmente pouco atraente para ele, negligenciou seu vestuário e expôs-se, sem enfeites, ao sol e ao vento. Ela conseguiu assim repelir seu terno; e o imperador se casou com Cláudia do Tirol.

O eleitor palatino era um dos mais poderosos dos príncipes menores da Europa; e sua corte, em alegria e esplendor, rivalizou até mesmo a do imperador. Eleonora foi obrigada a ser um ator de destaque nos maravilhosos bares do palácio de seu pai e a se misturar com a multidão festiva em todos os seus desfiles de prazer.

Mas o coração dela estava em outro lugar. Várias horas todos os dias foram dedicados à oração e leitura religiosa. Ela manteve um diário minucioso, no qual gravou escrupulosamente e condenou suas falhas. Ela visitava os doentes em casas de campo humildes e, com suas próprias mãos, desempenhava os deveres mais abnegados necessários à beira do leito de dor e morte.

Após o lapso de três anos, Claudia morreu; e novamente o imperador viúvo procurou a mão de Eleonora. Seus conselheiros espirituais agora insistiam em que era seu dever aceitar a aliança imperial, pois no trono ela poderia se tornar tão útil para ampliar a influência da Igreja. Prontamente, ela cedeu à voz do dever e, empolgada em esplendor, foi enviada uma noiva para Viena.

Mas seu caráter cristão permaneceu inalterado. Ela carregou a penitência e o auto-sacrifício do claustro para a volúpia do palácio. A mesa imperial estava cheia de todo luxo; mas Eleonora, a imperatriz, bebia apenas água fria e comia de maneira tão humilde quanto podia ser encontrada na cabana de qualquer camponês. Em ocasiões de estado, era necessário que ela estivesse vestida com vestes bordadas de púrpura e ouro; mas, para evitar qualquer possibilidade de levantar o orgulho, o vestido e a bijutaria dela estavam tão arranjados com um forte latão que picava a carne, que ela foi mantida em um estado de constante desconforto. Assim, esforçou-se, cumprindo com a máxima fidelidade, os deveres de uma esposa e de uma imperatriz, de recordar sempre que a vida é apenas provação.

Essas austeridades equivocadas, causadas pelas trevas da época, só mostram quão sincera foi sua consagração a Deus. Quando Eleonora assistiu à ópera com o imperador, ela levou consigo os Salmos de Davi, obrigados a representar os livros da performance, e assim se esforçou, sem ostentação, para proteger sua mente das alusões profanas e indelicadas com as quais as óperas daqueles dias estavam cheias, e a partir do qual, até agora, eles não são de modo algum purificados.

Ela traduziu os Salmos e vários outros livros devocionais para o verso alemão para o benefício de seus súditos. Ela era frequentemente vista, com pacotes de roupas e cestas de comida, entrando nas cabanas dos camponeses pobres em torno de seu palácio rural, ministrando como um anjo de misericórdia para todos os seus desejos.

Finalmente, o marido, o imperador, adoeceu. Eleonora olhava para o travesseiro com toda a assiduidade de uma Irmã da Caridade: ela mal abandonava seu posto por um momento, de dia ou de noite, até que, com as próprias mãos, fechou os olhos enquanto ele dormia na morte.

Eleonora sobreviveu ao marido quinze anos, dedicando-se durante todo esse período à instrução dos ignorantes, cuidando dos doentes, alimentando e vestindo os pobres. Todo o luxo possível que ela descartou, e se esforçou o mais próximo possível para imitar seu Salvador, que não tinha onde reclinar a cabeça.

Sua morte era como o sono de uma criança que adormece no peito de sua mãe. A pedido expresso dela, o funeral dela estava desacompanhado de qualquer exibição. Ela ordenou que deveria ser inscrito em sua lápide simplesmente as palavras,
“ELEONORA, POBRE PECADORA”.
Esta breve narrativa mostra muito verdadeiramente qual é a verdadeira natureza da religião - a religião de Jesus. Mostra seu espírito independentemente de todos os costumes e costumes externos. Ninguém pode duvidar que Eleonora era cristã; e, no entanto, todos podemos ver que, naquela idade das trevas, ela não foi bem instruída. Ela praticou austeridades que Jesus não exige; e ainda quem pode duvidar da cordialidade de suas boas-vindas nos portões celestes?

Ela pegou uma cruz muito mais pesada do que qualquer outra que os discípulos de Jesus normalmente precisam levantar. Ela simplesmente fez o que achava ser seu dever fazer como discípulo de Jesus. E agora, por um século e meio, ela tem sido um anjo no céu; e ela descobre que todas essas leves aflições de sua vida terrena de fato resultaram para ela um peso muito maior e eterno de glória.

Mães e filhas, Jesus te ama; ele te ama com amor inconcebível. Ele morreu para te redimir. Ele agora vive para interceder por você. Com olhos lacrimosos, ele diz: “Como posso desistir de você? Filha minha, dá-me o teu coração; vinde a mim e salva-te.

Ele está pronto para encontrá-lo nos portões celestes e dar-lhe as boas-vindas cordiais. Ele está pronto para levá-lo à mansão celestial e dizer: “Este é o seu lar para sempre”. Ele está pronto para apresentá-lo ao companheirismo de anjos, para que você possa, através de eras intermináveis, compartilhar suas canções e sua alegria eterna.

~

Por: John S. C. Abott
Livro: The History of Christianity (A História do Cristianismo)
Ano: 1872
Disponível em Gutenberg.

Notas:
[1] - Dezoito séculos cristãos, Rev.  James White, p.  131
[2] - Dezoito séculos cristãos.
[3] - Império da Áustria, por John S. C. Abbott.
[4] - A História dos Protestantes na França, por G. de Félice, p.  58
[5] - Enciclopédia Americana.
[6] - A história dos protestantes da França.
[7] - Enciclopédia Americana.
[8] - Enciclopédia Americana.
[9] - Enciclopédia Americana.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: