Aplicação: o dever da catequização e instrução do rebanho - VI

Parte 3 - Direções desse dever

É um trabalho tão grande que temos diante de nós, que são mil piedades que devem ser destruídas no nascimento e perecer em nossas mãos. E embora eu saiba que temos uma geração complicada para lidar, e que é o poder de qualquer um de nós para mudar um coração carnal sem a operação eficaz do Espírito Santo; todavia, é tão comum com Deus trabalhar por meios e abençoar os esforços corretos de seus servos, que não posso temer, mas grandes coisas serão realizadas, e um maravilhoso golpe será dado ao reino das trevas por meio deste trabalho, se não aborta a culpa dos próprios ministros. O principal perigo surge da falta de diligência ou habilidade. Do primeiro, falei muito já. Quanto a este último, estou tão consciente da minha própria inabilidade, que estou longe de imaginar que estou em condições de dar instruções a alguém que não seja o mais jovem e mais inexperiente do ministério; e, portanto, espero tanta justiça em sua interpretação do que eu digo, que você vai me supor agora para falar com ninguém além de tal. Mas, no entanto, algo que direi, e não passarei esta parte em silêncio, porque o número de tais coisas é tão grande; e estou apreensivo que o bem-estar da Igreja e da nação depende tanto da correta administração deste trabalho.

Os pontos sobre os quais você precisa ser solícito são estes dois:

1. Levar seu povo a se submeter a esse curso de catequização ou instrução particular; pois, se eles não vierem até você, ou permitirem que você venha até eles, que bem eles podem receber?

2. Realizar o trabalho de forma a melhor atender ao sucesso dele.

ARTIGO 1

Eu sou o primeiro a dar-lhe algumas instruções para levar o seu povo a se submeter a este curso de catequese e instrução.

1. O principal meio de todos é este, para um ministro se comportar no curso geral de sua vida e ministério, a fim de convencer seu povo de sua habilidade, sinceridade e amor sincero a eles. Pois se eles o considerarem ignorante, desprezarão seu ensino e se considerarão sábios como ele; e se eles o acham egoísta, ou hipócrita, e que não significa como ele diz, eles suspeitarão de tudo o que ele diz e faz por eles, e não o considerarão. Considerando que, se eles estão convencidos de que ele entende o que ele faz, e tem altos pensamentos de suas habilidades, eles vão reverenciá-lo, e mais facilmente inclinar-se para o seu conselho; e quando eles são persuadidos de sua retidão, eles menos suspeitarão de seus movimentos; e quando eles percebem que ele não pretende fins particulares, mas meramente seu bem, eles serão mais facilmente persuadidos por ele. E porque aqueles a quem eu escrevo não devem ser nenhum dos ministros mais capazes, e podem, portanto, desesperar-se por serem reverenciados por suas partes, eu diria a eles, vocês têm mais necessidade de estudar e trabalhar para o seu aumento; e o que você quer em habilidade, deve ser feito em outras qualificações, e então seu conselho pode ser tão bem sucedido quanto os outros.

Se os ministros se contentassem em adquirir o interesse pelas afeições de seu povo nas taxas mais caras à sua própria carne, e condescendessem com eles, fossem familiares, afetuosos e prudentes em sua carruagem, e abundariam, de acordo com suas capacidade, em boas obras, eles podem fazer muito mais com o seu povo do que normalmente fazem; não que devamos considerar muito interesse neles por nós mesmos, mas para que possamos ser mais capazes de promover o interesse de Cristo e de promover sua salvação. Se não fosse por eles mesmos, não seria grande se nos amam ou nos odeiam; mas que comandante pode fazer um grande serviço com um exército que o odeia? E como podemos pensar que eles irão considerar muito o nosso conselho, enquanto eles abominam ou desconsideram as pessoas que os dão? Trabalhe, portanto, por algum interesse competente na avaliação e no afeto de seu povo, e então você poderá melhor prevalecer com eles. Mas talvez alguns digam: O que deve fazer um praticante descobrir que perdeu as afeições de seu povo? A isso eu respondo: Se eles são um povo tão vil, que eles o odeiam não por alguma fraqueza ou má conduta dele, mas meramente por tentar o bem deles, e odiar qualquer outro que cumpra seu dever; então deve ele com paciência e mansidão continuar a 'instruir aqueles que se opõem, se Deus porventura lhes der arrependimento ao reconhecimento da verdade'. Mas se for por causa de alguma fraqueza sua, ou diferença sobre opiniões menos importantes, ou preconceito contra a sua própria pessoa, que primeiro tente remover o preconceito por todos os meios lícitos; e se não puder, diga-lhes: Não é por mim mesmo, mas por vós que trabalho; e portanto, vendo que você não obedecerá a Palavra de mim, eu desejo que você concorde em aceitar de algum outro que pode fazer você aquele bem que eu não posso, 'e assim os deixe, e tente se outro homem não pode ser mais apto para eles, e ele apto para outro povo. Para um homem ingênuo dificilmente pode ficar com um povo contra suas vontades; e um homem sincero pode ainda mais dificilmente, para qualquer benefício de sua parte, permanecer em um lugar onde ele é como ser não-lucrativo, e impedir o bem que eles poderiam receber de outro homem, que tem a vantagem de um maior interesse em seu carinho e estima. 2. Supondo esta preparação geral, a próxima coisa a ser feita é usar os meios mais efetivos para convencê-los do benefício e da necessidade deste curso para suas próprias almas. A maneira de obter o consentimento das pessoas para qualquer coisa que você proponha é provar que é bom e proveitoso para elas. Portanto, você deve pregar para eles alguns poderosos sermões convincentes para esse propósito, e mostrar-lhes o benefício e a necessidade do conhecimento das verdades divinas em geral, e de conhecer os primeiros princípios em particular; e que os idosos têm o mesmo dever e necessidade que os outros e, em alguns aspectos, muito mais: e. g. de Hebreus 5:12: "Quando, por enquanto, devam ser mestres, tendes necessidade de ensinar-te novamente quais são os primeiros princípios dos oráculos de Deus; e se tornam tais que precisam de leite e não de carne forte ”, o que nos proporciona muitas observações adequadas ao nosso objetivo atual:

Como,

(1) Que os oráculos de Deus devem ser lições de um homem.

(2) Os ministros devem ensiná-los e as pessoas devem aprendê-los com eles.

(3) Os oráculos de Deus têm alguns princípios fundamentais, que todos devem saber quem desejam ser salvos.

(4) Esses princípios devem ser aprendidos primeiro: essa é a ordem correta.

(5) Pode-se razoavelmente esperar que as pessoas prosperem em conhecimento, de acordo com os meios de instrução que possuem; e se não o fizerem, é o grande pecado deles.

(6) Se alguém tem vivido muito tempo na igreja, sob os meios de conhecimento, e ainda assim ignorando esses primeiros princípios, eles precisam ser ensinados ainda, quantos anos eles possam ser.

Tudo isso é claro no texto; de onde temos uma oportunidade justa, por muitas razões de convicção claras, para mostrá-los: Primeiro, a necessidade de conhecer os oráculos de Deus. Em segundo lugar, E mais especialmente de conhecer os princípios fundamentais. Em terceiro lugar, E particularmente para os idosos, que pecaminosamente já perderam tanto tempo, e há muito tempo prometeram se arrepender quando estavam velhos; quem deve ser professor dos jovens e cuja ignorância é um duplo pecado e vergonha; que têm agora tão pouco tempo para aprender e estão tão perto da morte e do julgamento; e quem tem almas para salvar ou perder, assim como os outros. Convença-os como é impossível seguir o caminho para o céu sem saber, quando há tantas dificuldades e inimigos no caminho; e quando os homens não podem fazer seus negócios mundanos sem conhecimento, nem aprender um ofício sem um aprendizado. Convencê-los de que contradição é ser cristão e, ainda assim, recusar-se a aprender; pois o que é um cristão, mas um discípulo de Cristo? E como ele pode ser um discípulo de Cristo, que se recusa a ser ensinado por ele?

E aquele que se recusa a ser ensinado por seus ministros, recusa-se a ser ensinado por ele; porque Cristo não descerá do céu novamente para ensiná-los por sua própria boca, mas designou seus ministros para manter a escola e ensiná-los sob ele. Dizer, portanto, que eles não serão ensinados por seus ministros, é dizer, eles não serão ensinados por Cristo; e isto é, eles não serão seus discípulos, ou nenhum cristão.

Faça-os entender que não é um negócio arbitrário de nossa própria concepção e imposição; mas essa necessidade é colocada sobre nós, e que se não olharmos para cada membro do rebanho de acordo com nossa capacidade, eles podem perecer em sua iniquidade; mas o sangue deles será necessário à nossa mão. Mostre-lhes que é Deus, e não nós, quem é o inventor e impostor da obra; e que, portanto, eles culpam a Deus mais do que nós em acusá-lo. Pergunte a eles, eles seriam tão cruéis para com seu ministro a ponto de desejar que ele jogasse fora sua própria alma, consciente e intencionalmente, por medo de incomodá-los, tentando impedir sua condenação? Familiarize-os plenamente com a natureza do ofício ministerial e com a necessidade da Igreja; como consiste em ensinar e guiar todo o rebanho; e que, como eles devem vir à congregação, como estudiosos para a escola, eles devem se contentar em dar conta do que aprenderam e ser instruídos, homem por homem. Deixem que eles saibam que tendência isso tem para a salvação deles, que melhoras proveitosas serão do seu tempo, e quanta vaidade e maldade evitarão. E quando eles acham que é para o seu próprio bem, eles irão mais facilmente cedê-lo.

3. Quando isso for feito, será muito necessário que demos um dos catecismos a todas as famílias da paróquia, sejam elas ricas ou pobres, para que possam ser indesculpáveis: se você deixar para elas próprias comprá-las, talvez a metade deles não os consiga; enquanto, quando têm cópias colocadas em suas mãos, o recebimento delas será uma espécie de engajamento para aprendê-las; e se apenas lerem a exortação (como é provável que o façam), talvez ela os convença e os incite a se submeter. Quanto à entrega deles, a melhor maneira é que o ministro primeiro notifique na congregação, que eles serão trazidos para suas casas, e depois irem de casa em casa e entregá-los, e aproveitarem a oportunidade. de persuadi-los ao trabalho; e, ao dar a volta, fazer uma lista de todas as pessoas que têm anos de discrição nas várias famílias, para que ele possa saber quem ele deve cuidar e instruir, e quem ele deve esperar quando acontecer. para a sua vez. Antes, ao distribuir alguns outros livros entre o meu povo, desejei que toda família os chamasse; mas encontrei mais confusão e incerteza dessa maneira e agora adoto isso como o melhor método. Mas em pequenas congregações, qualquer maneira pode fazer.

Quanto ao custo dos catecismos, se o ministro puder, será bom que ele o sustente: se não, os mais afetados de seu povo do tipo mais rico devem levá-lo entre eles. Ou, em um dia de humilhação, em preparação para o trabalho, permita que a coleção feita para os pobres seja empregada na compra de catecismos, e que o povo seja desejado mais liberal que o comum; e o que está faltando, o bem-afetado ao trabalho pode compensar.

Quanto à ordem de procedimento, será necessário que levemos as pessoas em ordem, família por família, começando um mês ou seis semanas após a entrega dos catecismos, para que tenham tempo de aprendê-las. E assim, reunindo-os em comum, eles estarão mais dispostos a vir, e os atrasados ​​terão mais vergonha de se afastar.

4. Certifique-se de que você lida suavemente com eles e tire todos os desencorajamentos da maneira mais eficiente possível.

(1) Diga-lhes publicamente, que se eles já aprenderam qualquer outro catecismo, você não os incitará a aprender isto, a menos que eles mesmos o desejem: pois a substância de todos os catecismos que são ortodoxos é a mesma; Só que sua razão para oferecê-los é a brevidade e a plenitude que você pode dar a eles o máximo possível em poucas palavras e, assim, facilitar o trabalho deles. Ou, se algum deles preferir aprender algum outro catecismo, deixe-os escolher.

(2) Quanto aos idosos que são de memórias fracas, e que provavelmente não viverão muito tempo no mundo, e que se queixam de que não conseguem lembrar as palavras; diga-lhes que você não espera que eles confundam muito suas mentes com isso, mas que, muitas vezes, eles o leiam e percebam que eles o compreendem, e para que o assunto entre em suas mentes e corações; e então eles podem ser suportados, embora não se lembrem das palavras.

(3) Deixe seu trato com aqueles com quem você começa seja tão gentil, convincente e vencedora, que o relato disso possa ser um encorajamento para os outros que virão.

5. Por fim, se tudo isso não servir para trazer pessoas em particular, não as rejeite; mas vá até eles e faça um debate com eles, e aprenda quais são suas razões, e convença-os da pecaminosidade e do perigo de negligenciarem a ajuda que lhes é oferecida. Uma alma é tão preciosa que não devemos perder um por falta de trabalho, mas segui-los enquanto houver esperança, e não abandoná-los como desesperados, até que não haja remédio. Antes de entregá-los, vamos tentar o máximo, para que possamos ter a experiência de seu obstinado desprezo, para garantir que os abandonemos. A caridade aguarda e espera por muito tempo.

~

Richard Baxter

Do livro: The Reformed Pastor (O pastor reformado)
Parte 3 - Aplicação

Disponível em CCEL (inglês).

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: