John Foxe

John Foxe (nascido em 1516, Boston, Lincolnshire, Inglaterra - falecido em 18 de abril de 1587, Cripplegate, Londres), pregador puritano inglês e autor de O Livro dos Mártires, um relato gráfico e polêmico daqueles que sofreram pela causa do protestantismo. Amplamente lido, frequentemente o livro mais valioso ao lado da Bíblia nas casas dos puritanos ingleses, ajudou a moldar a opinião popular sobre o catolicismo romano por pelo menos um século. O sentimento do povo inglês contra a Espanha, importante na política da época, foi influenciado pela descrição da Inquisição feita pelo livro. Tratava-se, no entanto, principalmente do martírio dos protestantes ingleses do século XIV, através do reinado da rainha Maria I, na época de Foxe.

Depois de estudar na Universidade de Oxford e manter uma bolsa de estudos por sete anos, Foxe ficou sob suspeita de abrigar pontos de vista protestantes mais extremos do que as autoridades de sua faculdade permitiriam. Ele renunciou e em 1547 mudou-se para Londres, onde se tornou tutor para os netos do duque de Norfolk. Ele foi ordenado diácono da Igreja da Inglaterra. Foxe trabalhou para a Reforma, escrevendo vários folhetos. Ele também começou seu relato de mártires, mas não o levou além de 1500, quando a ascensão da rainha católica romana Maria I, em 1553, forçou-o a fugir para o exterior. Em Estrasburgo, na França, ele publicou sua martirologia parcialmente terminada em latim como Commentarii rerum in ecclesia gestarum (1554; “Comentários sobre os assuntos dentro da Igreja”). Ele então foi para Frankfurt, onde emprestou um apoio moderador ao partido calvinista de John Knox, e daí para Basileia, Switz., Onde escreveu um apelo ardente à nobreza inglesa para impedir a rainha de perseguir protestantes: Ad inclytos ac praepotentes Angliae proceres (“Aos nobres renomados e poderosos da Inglaterra”, 1557). Com a ajuda de manuscritos que lhe foram enviados da Inglaterra, ele levou seu relato dos mártires até 1556 e o ​​imprimiu em 1559, o ano seguinte à ascensão ao trono da rainha protestante, Isabel I.

Foxe retornou a Londres e dedicou-se à conclusão de seu grande trabalho. Pesquisando registros oficiais e usando as memórias de testemunhas oculares, ele ampliou sua história. Sua tradução para o inglês foi impressa em março de 1563 sob o título Actes and Monuments of These Latter and Perillous Dayes. Imediatamente adquiriu o nome popular O Livro dos Mártires. Em 1570, ele produziu sua segunda edição muito melhorada. Essa foi a coroa de sua conquista; ele fez poucas mudanças em sua terceira (1576) e quarta (1583) edições.

Foxe foi ordenado sacerdote anglicano em 1560, mas tendo escrúpulos puritanos recusou todos os ofícios, obtendo dois valores da igreja que não exigiam nenhum dever. Ele freqüentemente pregou, no entanto, e um sermão proferido na Cruz de Paulo (Um Sermão, De Cristo Crucificado [1570]) teve uma grande venda. Na praga de 1563, ele ministrou às vítimas e escreveu um trato comovente de consolação. Quando os anabatistas em 1575 e os jesuítas em 1581 foram condenados à morte, Foxe escreveu cartas veementes à rainha Elizabeth e seus conselheiros, pedindo perdão.

O monumento de Foxe é o seu livro. Tem sido criticado como prolixo, descuidadamente editado, unilateral, às vezes crédulo, mas é factualmente detalhado e preserva muito material em primeira mão sobre a Reforma Inglesa que não pode ser obtida em outros lugares.

Fonte: Britannica

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: