Os fatos da ressurreição externa de Cristo

Se os discípulos tivessem procurado a base de sua fé em Jesus para os movimentos internos de suas almas, a igreja teria se tornado uma reunião de místicos que passariam seu tempo tentando produzir dentro deles a condição extática pela qual o Cristo se tornaria visível. também para eles.

A ideia, no entanto, de que foi o chamado do Cristianismo a elevar suas emoções a tal ponto que culminaria em uma visão de Jesus em que a segurança da salvação estava arraigada ou completa não está entrelaçada com a história cristã primitiva. Os discípulos, sempre e unicamente, pelo uso sóbrio da ideia da verdade, entendiam a fé de tal maneira que o que acontecia mostrava a eles o que Deus era e fazia, para que a objetividade de um fato realizado apresentasse a base para sua convicção e meta para a sua vontade.

O relato pascal não criou um esforço nos discípulos para se retirar para suas vidas interiores e buscar ali a revelação de Deus que a história mundial lhes negava. Por outro lado, suas vidas receberam sua base e seu poder do evento que lhes ocorreu externamente.

Se a convicção dos discípulos de ter visto Jesus mais uma vez depois de sua morte derivou de estados visionários de ser, as consequências desse processo teriam que ser reveladas em todo o estado de piedade.

Como resultado, teríamos recebido no lugar do cristianismo uma religião na qual o indivíduo se elevava a Deus de um jeito ou de outro.

Por: Adolf Schlatter,
Disponível em Sermon Index

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: