Provas de Jesus Cristo

736. ... Por isso rejeito todas as outras religiões. Dessa forma, encontro uma resposta para todas as objeções. É certo que um Deus tão puro só deve se revelar àqueles cujos corações são purificados. Por isso, esta religião é amável para mim, e agora a acho suficientemente justificada por uma moralidade tão divina. Mas eu acho mais nisso.

Eu acho convincente que, desde que a memória do homem durou, era constantemente anunciado aos homens que eles eram universalmente corruptos, mas que um Redentor deveria vir; que não foi um homem que disse isso, mas inumeráveis ​​homens, e uma nação inteira expressamente feita para o propósito, e profetizando por quatro mil anos. Esta é uma nação que é mais antiga que qualquer outra nação. Seus livros, espalhados no exterior, têm quatro mil anos.

Quanto mais eu os examino, mais verdades eu encontro neles: uma nação inteira prediga Ele antes de Seu advento, e uma nação inteira o adora depois de Seu advento; o que precedeu e o que se seguiu; em resumo, pessoas sem ídolos e reis, esta sinagoga que foi predita, e esses infelizes que a frequentam, e que, sendo nossos inimigos, são testemunhas admiráveis ​​da veracidade dessas profecias, em que sua miséria e até mesmo sua cegueira são preditas.

Eu acho esta sucessão, esta religião, totalmente divina em sua autoridade, em sua duração, em sua perpetuidade, em sua moralidade, em sua conduta, em sua doutrina, em seus efeitos. A assustadora escuridão dos judeus foi predita: Eris palpans em meridie. [1] Dabitur liber scienti literas e et dicet: Non possum legere. [2] Enquanto o cetro ainda estava nas mãos do primeiro usurpador estrangeiro, há o relato da vinda de Jesus Cristo.

Então eu estendo meus braços para o meu Redentor, que, tendo sido predito por quatro mil anos, veio a sofrer e a morrer por mim na terra, na época e sob todas as circunstâncias preditas. Por sua graça, espero a morte em paz, na esperança de estar eternamente unida a ele. Todavia, eu vivo com alegria, seja na prosperidade que Lhe agrada, seja na adversidade que Ele envia para o meu bem e que Ele me ensinou a suportar por Seu exemplo.

737. As profecias tendo dado diferentes sinais que deveriam acontecer no advento do Messias, era necessário que todos estes sinais ocorressem ao mesmo tempo. Portanto, era necessário que a quarta monarquia viesse, quando as setenta semanas de Daniel terminassem; e que o cetro deveria então ter partido de Judá. E tudo isso aconteceu sem qualquer dificuldade. Então era necessário que o Messias viesse; e então veio Jesus Cristo, que foi chamado o Messias. E tudo isso de novo foi sem dificuldade. Isso realmente mostra a verdade das profecias.

738. Os profetas predisseram e não foram preditos. Os santos foram novamente preditos, mas não previram. Jesus Cristo predisse e foi predito.

739. Jesus Cristo, a quem os dois Testamentos consideram, o Velho como sua esperança, o Novo como modelo, e ambos como seu centro.

740. Os dois livros mais antigos do mundo são os de Moisés e Jó, um judeu e o outro gentio. Ambos olham para Jesus Cristo como seu centro e objeto comum: Moisés relacionando as promessas de Deus a Abraão, Jacó, etc., e suas profecias; e Jó, Quis mihi det ut, [3] etc. Scio enim quod redemptor meus vivit, etc.

741. O Evangelho fala somente da virgindade da Virgem até o tempo do nascimento de Jesus Cristo. Tudo com referência a Jesus Cristo.

742. Provas de Jesus Cristo.

Por que o livro de Rute foi preservado?

Por que a história do Tamar?

743. "Ore para que você não entre em tentação." [4] É perigoso ser tentado; e as pessoas são tentadas porque não oram.

Et tu conversus confirma fratres tuos. Mas antes, conversus Jesus respexit Petrum.

São Pedro pede permissão para atacar Malco e ataca antes de ouvir a resposta. Jesus Cristo responde depois.

A palavra Galiléia, que a turba judaica pronunciou como se por acaso, ao acusar Jesus Cristo diante de Pilatos, deu a Pilatos uma razão para enviar Jesus Cristo a Herodes. E assim o mistério foi realizado, que Ele deveria ser julgado por judeus e gentios. Chance foi aparentemente a causa da realização do mistério.

744. Aqueles que têm dificuldade em acreditar buscam uma razão no fato de que os judeus não acreditam. "Se isso fosse tão claro", dizem eles, "por que os judeus não acreditavam?" E quase desejaram que eles tivessem acreditado, para não serem retidos pelo exemplo de sua recusa. Mas é a sua própria recusa que é o fundamento da nossa fé. Deveríamos estar muito menos dispostos à fé, se estivessem do nosso lado. Devemos então ter um pretexto mais amplo. O maravilhoso é ter feito dos judeus grandes amantes das coisas preditas e grandes inimigas de seu cumprimento.

745. Os judeus estavam acostumados a grandes e impressionantes milagres, e assim, tendo tido os grandes milagres do Mar Vermelho e da terra de Canaã como um epítome das grandes obras de seu Messias, eles então procuraram por milagres mais impressionantes, de que aqueles de Moisés eram apenas os padrões.

746. Os judeus carnais e os pagãos têm suas calamidades e também os cristãos. Não há Redentor para os pagãos, pois eles não esperam tanto por um. Não há Redentor para os judeus; eles esperam por Ele em vão. Há um Redentor só para os cristãos. (Veja a Perpetuidade.)

747. No tempo do Messias, o povo se dividiu. O espiritual abraçou o Messias, e os mais perspicazes permaneceram para servir como testemunhas Dele.

748. "Se isso foi claramente previsto para os judeus, como eles não acreditaram, ou por que não foram destruídos por resistir a um fato tão claro?"

Eu respondo: em primeiro lugar, foi predito que eles não acreditariam em algo tão claro e que não seriam destruídos. E nada é mais para a glória do Messias; porque não bastava que houvesse profetas; seus profetas devem ser mantidos acima de qualquer suspeita. Agora, etc.

749. Se todos os judeus tivessem sido convertidos por Jesus Cristo, não deveríamos ter ninguém além de testemunhas questionáveis. E se tivessem sido inteiramente destruídos, não deveríamos ter testemunhas.

750. O que dizem os profetas de Jesus Cristo? Que Ele será claramente Deus? Não; mas que Ele é um Deus verdadeiramente oculto; que Ele será desprezado; que ninguém pensará que é Ele; que Ele será uma pedra de tropeço, sobre a qual muitos tropeçarão, etc. Deixe as pessoas nos censurarem não mais por falta de clareza, já que fazemos profissão disso.

Mas, dizem, há obscuridades. - E sem isso, ninguém teria tropeçado em Jesus Cristo, e este é um dos pronunciamentos formais dos profetas: Excæca [5] ...

751. Moisés primeiro ensina a Trindade, o pecado original, o Messias.

David: uma grande testemunha; um rei, bom, misericordioso, uma bela alma, uma mente sã, poderosa. Ele profetiza e sua maravilha acontece. Isso é infinito.

Ele tinha apenas que dizer que ele era o Messias, se ele tivesse sido vaidoso; pois as profecias são mais claras sobre ele do que sobre Jesus Cristo. E o mesmo acontece com São João.

752. Acreditava-se que Herodes era o Messias. Ele havia tirado o cetro de Judá, mas ele não era de Judá. Isso deu origem a uma seita considerável.

Maldição dos gregos sobre aqueles que contam três períodos de tempo.

De que modo viria o Messias, vendo que por intermédio d'Ele o cetro deveria ser eternamente em Judá e, em Sua vinda, o cetro deveria ser tirado de Judá?

Para efetuar essa visão, eles não devem ver, e ouvindo que não deveriam entender, nada poderia ser feito melhor.

753. Homo existens te Deum facit.

Scriptum est, Diis estis, e não potest solvi Scriptura.

Infecções de sangue não são ad vitam et est ad mortem.

Lazarus dormit, e deinde dixit: Lázaro mortuus est. [6]

754. A aparente discrepância dos Evangelhos. [7]

O que podemos ter senão reverência por um homem que prediz claramente as coisas que acontecem, e que declara sua intenção tanto de cegar como de iluminar, e que intercala obscuridades entre as coisas claras que acontecem?

756. O tempo do primeiro advento foi predito; o tempo do segundo não é assim; porque o primeiro era para ser obscuro, e o segundo é para ser brilhante, e tão manifesto que até os Seus inimigos o reconhecerão. Mas, como Ele foi o primeiro a chegar apenas na obscuridade, e ser conhecido apenas daqueles que procuraram as Escrituras ...

757. Deus, a fim de fazer com que o Messias seja conhecido pelos bons e não seja conhecido pelos ímpios, fez com que Ele fosse predito dessa maneira. Se a maneira do Messias tivesse sido claramente predita, não haveria obscuridade, mesmo para os ímpios. Se o tempo tivesse sido anunciado obscuramente, teria havido obscuridade, mesmo para o bem. Pois a bondade do coração deles não os teria feito entender, por exemplo, que o mem fechado significa seiscentos anos. Mas o tempo foi claramente anunciado e a maneira em tipos.

Por esse meio, os iníquos, recebendo as bênçãos prometidas por bênçãos materiais, caíram em erro, apesar da clara previsão do tempo; e os bons não caíram em erro. Pois o entendimento das bênçãos prometidas depende do coração, que chama de "bom" aquilo que ama; mas a compreensão do tempo prometido não depende do coração. E assim a clara previsão do tempo e a obscura previsão das bênçãos enganam os maus sozinhos.

758. [Ou os judeus ou os cristãos devem ser maus.]

759. Os judeus o rejeitam, mas não todos. Os santos O recebem, e não os de mente carnal. E até agora isso é contra a Sua glória, que é o último toque que a coroa. Para seu argumento, o único encontrado em todos os seus escritos, no Talmud e nos escritos rabínicos, equivale apenas a isto, que Jesus Cristo não subjugou as nações com a espada na mão, gladiumt uum, potentissime. [8] (É tudo o que eles têm a dizer? Jesus Cristo foi morto, dizem eles. Ele falhou. Ele não subjugou os gentios com o seu poder. Ele não nos deu seu despojo. Ele não dá riquezas. É tudo o que eles têm a dizer? É a este respeito que Ele é amável para mim. Eu não desejaria a quem eles imaginam.) É evidente que somente a Sua vida os impediu de aceitá-Lo; e por meio dessa rejeição eles são testemunhas irrepreensíveis e, além disso, realizam as profecias.

[Por meio do fato de que esse povo não o aceitou, esse milagre aconteceu aqui. As profecias eram os únicos milagres duradouros que poderiam ser realizados, mas eles eram passíveis de serem negados.]

760. Os judeus, ao matá-lo para não recebê-lo como o Messias, deram-lhe a prova final de ser o Messias.

E, continuando a não reconhecê-lo, tornaram-se testemunhas irrepreensíveis. Tanto em matá-lo, e em continuar a negá-lo, eles cumpriram as profecias (Isaías 60; Sl 71).

761. O que os judeus, seus inimigos, poderiam fazer? Se eles O recebem, eles dão prova Dele pela sua recepção; pois então os guardiões da expectativa do Messias O recebem. Se eles O rejeitarem, eles dão prova Dele por sua rejeição.

762. Os judeus, ao testarem se Ele era Deus, mostraram que Ele era homem.

763. A Igreja teve tanta dificuldade em mostrar que Jesus Cristo era homem, contra aqueles que o negavam, como ao mostrar que ele era Deus; e as probabilidades foram igualmente grandes.

764. Fonte de contradições. Um Deus humilhado até a morte na cruz; um Messias triunfando sobre a morte por sua própria morte. Duas naturezas em Jesus Cristo, dois adventos, dois estados da natureza humana.

765. Tipos - Salvador, pai, sacrificador, oferta, comida, rei, sábio, legislador, aflito, pobre, tendo que criar um povo a quem Ele deve guiar e nutrir, e trazer à sua terra.

Jesus Cristo. Escritórios. — Somente ele teve que criar um grande povo, eleito, santo e escolhido; para liderar, nutrir e trazê-lo para o lugar de descanso e santidade; para torná-lo santo para Deus; para torná-lo o templo de Deus; reconciliá-lo e salvá-lo da ira de Deus; libertá-lo da escravidão do pecado, que reina visivelmente no homem; para dar leis a esse povo e gravar essas leis em seus corações; oferecer-se a Deus por eles e sacrificar-se por eles; ser uma vítima sem mácula, e ele mesmo o sacrificador, tendo que se oferecer, Seu corpo e Seu sangue, e ainda oferecer pão e vinho a Deus ...

Ingrediens mundum. [9]

"Pedra sobre pedra". [10]

O que precedeu e o que se seguiu. Todos os judeus ainda existem e são errantes.

766. De tudo o que está na terra, Ele participa apenas das tristezas, não das alegrias. Ele ama Seus vizinhos, mas Seu amor não se limita a esses limites e transborda para Seus inimigos e depois para os de Deus.

767. Jesus Cristo tipificado por José, o amado de seu pai, enviado por seu pai para ver seus irmãos, etc., inocentes, vendidos por seus irmãos por vinte moedas de prata, e assim se tornando seu senhor, seu salvador, o salvador de estranhos e o salvador do mundo; que não tinha sido senão pelo seu plano para destruí-lo, sua venda e sua rejeição a ele.

Na prisão Joseph inocente entre dois criminosos; Jesus Cristo na cruz entre dois ladrões. José prediz liberdade para um e morte para o outro, dos mesmos presságios. Jesus Cristo salva os eleitos e condena os excluídos pelos mesmos pecados. José prediz apenas; Jesus Cristo age. José pergunta a ele quem será salvo para se lembrar dele, quando entrar em sua glória; e aquele a quem Jesus Cristo salva pede que se lembre dele quando entrar em seu reino.

768. A conversão dos pagãos foi reservada apenas para a graça do Messias. Os judeus têm estado tanto tempo em oposição a eles sem sucesso; tudo o que Salomão e os profetas disseram foi inútil. Sábios, como Platão e Sócrates, não conseguiram persuadi-los.

769. Depois de muitas pessoas terem ido antes, Jesus Cristo finalmente chegou a dizer [11]: "Aqui estou eu, e esta é a hora. O que os profetas disseram foi para vir na plenitude dos tempos, eu lhes digo os apóstolos servirão: "Os judeus serão expulsos. Jerusalém será destruída em breve. E as nações entrarão no conhecimento de Deus. Meus apóstolos farão isso depois de você ter matado o herdeiro da vinha."

Então os apóstolos disseram aos judeus: "Vocês serão amaldiçoados" (Celsus riu); e aos pagãos: "Você entrará no conhecimento de Deus". E isso então aconteceu.

770. Jesus Cristo veio cegar aqueles que viram claramente e dar visão aos cegos; curar os doentes e deixar os saudáveis ​​para morrer; para chamar ao arrependimento, e justificar os pecadores, e deixar os justos em seus pecados; para encher os necessitados e deixar os ricos vazios.

771. Santidade. - Effundam spiritum meum. [12] Todas as nações estavam em incredulidade e cobiça. O mundo inteiro agora se tornou fervoroso com o amor. Príncipes abandonaram sua pompa; as donzelas sofreram o martírio. De onde veio essa influência? O Messias foi chegado. Estes foram o efeito e sinal de Sua vinda.

772. Destruição dos judeus e dos pagãos por Jesus Cristo: Omnes gentes venient et adorabunt eum. [13] Parum est ut, [14] etc. Postula a me. [15] Adorabunt eum omnes reges. [16] Testes iniqui. [17] Dabit maxillam percutienti. [18] Dederunt fel em escam. [19]

773. Jesus Cristo para todos, Moisés para uma nação.

Os judeus abençoaram em Abraão: "Eu abençoarei aqueles que te abençoarem". [20] Mas: "Todas as nações abençoaram em sua semente." [21] Parum est ut, etc.

Lumen ad revelationem gentium. [22]

Talit omni nationi não fecit, [23] disse David, ao falar da Lei. Mas, falando de Jesus Cristo, devemos dizer: Fecit taliter omni nationi. Parum est ut, etc., Isaías. Portanto, pertence a Jesus Cristo ser universal. Até a Igreja oferece sacrifício apenas aos fiéis. Jesus Cristo ofereceu o da cruz para todos.

774. Há heresia em sempre explicar omnes por "todos", e heresia em não explicá-lo às vezes por "todos". Bibite ex hoc omnes [24] os huguenotes são hereges em explicá-lo por "todos". Em quo omnes peccaverunt, [25] os huguenotes são hereges, com exceção dos filhos dos verdadeiros crentes. Devemos então seguir os Padres e a tradição, a fim de saber quando fazê-lo, uma vez que há heresia a ser temida dos dois lados.

775. Ne timeas pusillus grex. [26] Timore et tremore. — Quid ergo? Ne timeas [modo] timeas. Não tenha medo, desde que você tenha medo; mas se você não tem medo, então tenha medo.

Qui me recipit, non me recipit, sed eum qui me misit. [27]

Nemo scit, neque Filius.

Nubes lucida obumbravit.

São João [28] deveria converter o coração dos pais aos filhos e Jesus Cristo [29] à divisão das plantas. Não há contradição.

776. Os efeitos na comunidade e em particulari. Os semi-pelagianos erram ao dizer em communi o que é verdade apenas em particulari; e os calvinistas em dizer em particular o que é verdade em communi. (Essa é a minha opinião.)

777. Omnis Judæa regio, e Jerosolomymi universi, et baptizabantur. [30] Por causa de todas as condições dos homens que vieram para cá. Dessas pedras podem vir filhos para Abraão. [31]

778. Se os homens se conhecessem, Deus curaria e os perdoaria. Ne convertantur et sanem eos, e dimittantur eis peccata. [32]

779. Jesus Cristo nunca condenou sem ouvir. Para Judas: Amice, ad quid venisti? [33] Para aquele que não tinha na veste de casamento, o mesmo.

780. Os tipos da completude da Redenção, como o sol dá luz a todos, indicam apenas completude; mas [os tipos] de exclusões, como dos judeus eleitos para a exclusão dos gentios, indicam exclusão.

"Jesus Cristo, o Redentor de todos." - Sim, pois Ele ofereceu, como um homem que resgatou todos aqueles que estavam dispostos a vir a Ele. Se alguém morrer no caminho, é sua desgraça; mas, no que dizia respeito a Ele, Ele lhes oferecia redenção. - Isso vale para este exemplo, onde quem resgata e quem impede a morte são duas pessoas, mas não de Jesus Cristo, que faz essas duas coisas. - Não, para Jesus Cristo, na qualidade de Redentor, talvez não seja o Mestre de todos; e assim, na medida em que está Nele, Ele é o Redentor de todos.

Quando se diz que Jesus Cristo não morreu por todos, você se aproveita indevidamente de uma falta em homens que, de uma só vez, aplicam essa exceção a si mesmos; e isso é favorecer o desespero, em vez de desviá-lo para favorecer a esperança. Pois os homens se acostumam em virtudes interiores por costumes exteriores.

781. A vitória sobre a morte. "O que é um homem vantajoso se ele ganhar o mundo inteiro e perder sua própria alma? [34] Quem quiser salvar sua alma, deve perdê-la." [35]

"Eu não vim destruir a lei, mas cumprir." [36]

"Os cordeiros não levaram os pecados do mundo, mas eu sou o cordeiro que tira os pecados." [37]

"Moisés [38] não te tirou do cativeiro, e te libertou verdadeiramente."

782. ... Então Jesus Cristo vem para dizer aos homens que eles não têm outros inimigos além de si mesmos; que são suas paixões que os separam de Deus; que Ele vem para destruir estes e dar-lhes a Sua graça, de modo a fazer de todos eles uma Santa Igreja; que Ele vem para trazer de volta a esta Igreja os pagãos e judeus; que Ele vem para destruir os ídolos do primeiro e a superstição do último. A isso todos os homens se opõem, não apenas à oposição natural da luxúria; mas, acima de tudo, os reis da terra, como haviam sido preditos, se juntam para destruir essa religião em seu nascimento. (Prof .: Quare fremuerunt gentes ... reges terræ ... adversus Christum.) [39]

Tudo o que é grande na terra é unido em conjunto; os instruídos, os sábios, os reis. A primeira escrita; o segundo condena; a última morte. E apesar de todas essas oposições, esses homens, simples e fracos, resistem a todos esses poderes, subjugam até mesmo esses reis, esses homens instruídos e esses sábios, e removem a idolatria de toda a terra. E tudo isso é feito pelo poder que o predisse.

783. Jesus Cristo não teria o testemunho de demônios, nem daqueles que não foram chamados, mas de Deus e João Batista.

784. Eu considero Jesus Cristo em todas as pessoas e em nós mesmos: Jesus Cristo como um Pai em Seu Pai, Jesus Cristo como um Irmão em Seus Irmãos, Jesus Cristo como pobre nos pobres, Jesus Cristo como rico nos ricos, Jesus Cristo como Doutor e Sacerdote em sacerdotes, Jesus Cristo como Soberano em príncipes, etc. Pois pela Sua glória Ele é tudo o que é grande, sendo Deus; e por Sua vida mortal Ele é tudo que é pobre e abjeto. Portanto, Ele tomou essa condição infeliz, para que Ele pudesse estar em todas as pessoas e o modelo de todas as condições.

785. Jesus Cristo é uma obscuridade (de acordo com o que o mundo chama de obscuridade), de modo que os historiadores, escrevendo apenas sobre importantes questões de estados, mal o notaram.

786. Sobre o fato de que nem Josefo, nem Tácito, nem outros historiadores tenham falado de Jesus Cristo. - Até agora, isso é contra o cristianismo, que, ao contrário, diz por isso. Pois é certo que Jesus Cristo existiu; que Sua religião fez uma grande conversa; e que essas pessoas não eram ignorantes disso. Assim, é claro que eles ocultaram propositalmente, ou que, se eles falaram sobre isso, sua conta foi suprimida ou alterada.

787. "Eu me reservei sete mil." [40] Eu amo os adoradores desconhecidos para o mundo e para os próprios profetas.

788. Como Jesus Cristo permaneceu desconhecido entre os homens, assim Sua verdade permanece entre opiniões comuns sem diferença externa. Assim a Eucaristia entre o pão comum.

789. Jesus não seria morto sem as formas de justiça; pois é muito mais ignominioso morrer pela justiça do que por uma sedição injusta.

790. A falsa justiça de Pilatos só serve para fazer Jesus Cristo sofrer; porque ele o faz ser açoitado pela sua falsa justiça e depois o leva à morte. Teria sido melhor tê-lo matado imediatamente. Assim é com o falsamente justo. Eles fazem obras boas e más para agradar o mundo e para mostrar que não são totalmente de Jesus Cristo; porque eles se envergonham Dele. E finalmente, sob grande tentação e em grandes ocasiões, eles O matam.

791. Que homem alguma vez teve mais renome? Todo o povo judeu o prediz antes de sua vinda. O povo gentio o adora depois de sua vinda. Os dois povos, gentios e judeus, consideram-no o centro deles.

E ainda assim, o homem gosta menos desse renome? De trinta e três anos, ele vive trinta sem aparecer. Por três anos Ele passa como impostor; os sacerdotes e o povo principal O rejeitam; Seus amigos e seus parentes mais próximos o desprezam. Finalmente, Ele morre, traído por um dos seus próprios discípulos, negado por outro e abandonado por todos.

Que parte, então, Ele tem nesse renome? Nunca teve tanto homem de renome; nunca teve o homem mais ignominioso. Todo aquele renome serviu apenas para nós, para nos tornar capazes de reconhecê-lo; e Ele não tinha nada para Si mesmo.

792. A distância infinita entre corpo e mente é um símbolo da distância infinitamente mais infinita entre mente e caridade; porque a caridade é sobrenatural.

Toda a glória da grandeza não tem brilho para as pessoas que estão em busca de compreensão.

A grandeza dos homens inteligentes é invisível para os reis, para os ricos, para os chefes e para todos os grandes do mundo.

A grandeza da sabedoria, que não é nada senão de Deus, é invisível para os carnalistas e os espertos. Estas são três ordens diferentes em espécie.

Grandes gênios têm seu poder, sua glória, sua grandeza, sua vitória, seu brilho e não precisam de grandezas mundanas, com as quais não estão de acordo. Eles são vistos não pelos olhos, mas pela mente; isso é suficiente.

Os santos têm seu poder, sua glória, sua vitória, seu brilho e não precisam de grandezas mundanas ou intelectuais, com as quais não tenham afinidade; pois estes não acrescentam nada a eles nem tiram nada deles. Eles são vistos por Deus e pelos anjos, e não pelo corpo, nem pela mente curiosa. Deus é o suficiente para eles.

Arquimedes [41], além de sua posição, teria a mesma veneração. Ele não lutou batalhas pelos olhos para festejar; mas ele deu suas descobertas a todos os homens. Oh! quão brilhante ele era para a mente!

Jesus Cristo, sem riquezas e sem qualquer exposição externa de conhecimento, está em Sua própria ordem de santidade. Ele não inventou; Ele não reina. Mas Ele era humilde, paciente, santo, santo para Deus, terrível para os demônios, sem pecado algum. Oh! em que grande pompa e em que maravilhoso esplendor Ele vem aos olhos do coração, que percebem a sabedoria!

Teria sido inútil para Arquimedes ter agido o príncipe em seus livros sobre geometria, embora ele fosse um príncipe.

Teria sido inútil para nosso Senhor Jesus Cristo vir como um rei, a fim de brilhar em Seu reino de santidade. Mas Ele chegou lá apropriadamente na glória de Sua própria ordem.

É muito absurdo ofender-se com a humildade de Jesus Cristo, como se Sua humildade fosse da mesma ordem que a grandeza que Ele veio manifestar. Se considerarmos esta grandeza em Sua vida, em Sua paixão, em Sua obscuridade, em Sua morte, na escolha de Seus discípulos, em sua deserção, em Sua ressurreição secreta, e no resto, veremos que é tão imenso, que não teremos razão para nos ofender com uma humildade que não é dessa ordem.

Mas há alguns que só podem admirar a grandeza do mundo, como se não houvesse grandeza intelectual; e outros que só admiram a grandeza intelectual, como se não houvesse coisas infinitamente mais elevadas na sabedoria.

Todos os corpos, o firmamento, as estrelas, a terra e seus reinos não são iguais à mente inferior; porque a mente conhece tudo isso e a si mesma; e esses corpos nada.

Todos os corpos juntos, e todas as mentes juntas, e todos os seus produtos, não são iguais ao menor sentimento de caridade. Esta é uma ordem infinitamente mais exaltada.

De todos os corpos juntos, não podemos obter um pequeno pensamento; isso é impossível e de outra ordem. De todos os corpos e mentes, não podemos produzir um sentimento de verdadeira caridade; isso é impossível, e de outra ordem e sobrenatural.

793. Por que Jesus Cristo não veio de maneira visível, em vez de obter testemunho de si mesmo das profecias precedentes? Por que Ele fez com que Ele fosse predito em tipos?

794. Se Jesus Cristo somente viesse a santificar, toda a Escritura e todas as coisas tenderiam para esse fim; e seria muito fácil convencer os incrédulos. Se Jesus Cristo tivesse apenas cego, toda a Sua conduta seria confusa; e não teríamos meios de convencer os incrédulos. Mas como Ele veio em santificação e em escândalo, [42] como diz Isaías, não podemos convencer os incrédulos, e eles não podem nos convencer. Mas, por esse mesmo fato, nós os convencemos; já que dizemos que em toda a sua conduta não há provas convincentes de um lado ou de outro.

795. Jesus Cristo não diz que não é de Nazaré, a fim de deixar os ímpios na sua cegueira; nem que Ele não seja filho de José.

796. Provas de Jesus Cristo. - Jesus Cristo disse grandes coisas de maneira tão simples, que parece que Ele não as considerou grandes; e ainda tão claramente que vemos facilmente o que Ele pensava deles. Essa clareza, unida a essa simplicidade, é maravilhosa.

797. O estilo do evangelho é admirável de muitas maneiras, e entre os demais, não lançam invectivas contra os perseguidores e inimigos de Jesus Cristo. Pois não existe tal invectiva em nenhum dos historiadores contra Judas, Pilatos ou qualquer um dos judeus.

Se essa moderação dos escritores dos Evangelhos tivesse sido assumida, assim como muitos outros traços de um personagem tão belo, e eles só pensassem que atraíam a atenção, mesmo que não se atrevessem a chamar a atenção para eles mesmos, não falharam em proteger amigos, que teriam feito tais observações em seu benefício. Mas, como agiam assim sem pretensão e por motivos totalmente desinteressados, não apontavam para ninguém; e creio que muitos desses fatos não foram notados até agora, o que evidencia o desinteresse natural com que a coisa foi feita.

798. Um artesão que fala de riqueza, um advogado que fala de guerra, de realeza, etc .; mas o rico fala corretamente de riqueza, um rei fala indiferentemente de um grande presente que acaba de fazer, e Deus fala corretamente de Deus.

799. Quem ensinou aos evangelistas as qualidades de uma alma perfeitamente heroica, que a pintam tão perfeitamente em Jesus Cristo? Por que eles o tornam fraco em sua agonia? Eles não sabem como pintar uma morte resoluta? Sim, pois o mesmo São Lucas pinta a morte de Santo Estevão como mais valente que a de Jesus Cristo.

Eles O fazem, portanto, capaz de temer, antes que a necessidade da morte chegue, e então completamente corajosa.

Mas quando eles o tornam tão perturbado, é quando Ele se aflige; e quando os homens O afligem, Ele é totalmente forte.

800. Prova de Jesus Cristo. - A suposição de que os apóstolos eram impostores é muito absurda. Vamos pensar nisso. Vamos imaginar aqueles doze homens, reunidos após a morte de Jesus Cristo, conspirando para dizer que Ele ressuscitou. Por isso eles atacam todos os poderes. O coração do homem é estranhamente inclinado à inconstância, a mudanças, a promessas, a ganhos. Por mais que poucos deles tivessem sido desviados por todas essas atrações, e mais ainda, pelo medo de prisões, torturas e morte, eles estavam perdidos. Vamos seguir este pensamento.

801. Os apóstolos ou foram enganados ou enganadores. Qualquer suposição tem dificuldades; porque não é possível confundir um homem ressuscitado dos mortos ...

Enquanto Jesus Cristo estava com eles, Ele poderia sustentá-los. Mas, depois disso, se Ele não apareceu para eles, quem os inspirou a agir?

~

Blaise PascalPensée Parte 12

Notas:
[1] - Eris palpans em meridie. — Deut. 28, 29.
[2] - Dabitur liber, etc. - Isaías 29, 12. A citação é imprecisa.
[3] - Quis mihi, etc. - Jó 19, 23-25.
[4] - Ore, etc. - Os fragmentos aqui são notas de Pascal sobre Lucas. Veja capítulos 22 e 23.
[5] - Excæca. — Isaías 6, 10.
[6] - Lazarus dormit, etc. - João 11, 11, 14.
[7] - A aparente discrepância dos Evangelhos. - Para conciliar as aparentes discrepâncias nos Evangelhos, Pascal escreveu uma curta vida de Cristo.
[8] - Gladium tuum, potentissime.-Ps. 45, 3.
[9] - Ingrediens mundum. — Hebreus 10, 5.
[10] - Pedra sobre pedra. - Marcos 13, 2.
[11] - Jesus Cristo, enfim, etc. - Veja Marcos 12.
[12] - Effundam spiritum meum. — Joel 22, 28.
[13] - Omnes gentes ... eum. 22, 27.
[14] - Parum est ut, etc. - Isaías 49, 6.
[15] - Postula a me.— Ps. 2, 8.
[16] - Adorabunt ... reges. — Ps. 72, 11.
[17] - Testes iníquos. 25, 11.
[18] - Dabit maxillam percutienti. — Lamentações 3, 30.
[19] - Dederunt fel em escam. — Ps. 69, 21.
[20] - Abençoarei os que te abençoarem. - Gênesis 12, 3.
[21] - Todas as nações abençoadas em sua semente. - Ibidem, 22, 18.
[22] - Lumen ad revelationem gentium. - Lucas 2, 32.
[23] - Talit não fecal, etc. 147, 20.
[24] - Bibite ex hoc omnes. - Mateus 26, 27.
[25] - Em quo omnes peccaverunt. - Romanos 5, 12.
[26] - Ne timeas pusillus grex. - Lucas 12, 32.
[27] - Qui me, etc. - Mateus 10, 40.
[28] - São João. - Lucas I, 17.
[29] - Jesus Cristo. - Ibidem, 12, 51.
[30] - Omnis Judæa, etc. - Marcos 1, 5.
[31] - destas pedras, etc. - Mateus 3, 9.
[32] - Ne convertantur, etc. - Marcos 4, 12.
[33] - Amice, ad quid venisti? - Mateus 26, 50.
[34] - O que é um homem, etc. - Lucas 9, 25.
[35] - Quem quiser, etc. - Obedeça, 24.
[36] - Eu não venho, etc. - Mateus 5, 17.
[37] - Cordeiros não tomaram, etc. - Veja João 1, 29.
[38] - Moisés. - Ibidem, 4, 32; 8, 36.
[39] - Quare, etc. 2, 1, 2.
[40] - Reservei-me sete mil. - 1 Reis 19, 18.
[41] - Arquimedes. - O fundador da estática e hidrostática. Ele nasceu em Siracusa em 287 a.C. e foi morto em 212 a.C. Ele não era um príncipe, apesar de ser parente de um rei. Sr. Havet aponta que Cícero fala dele como um homem obscuro (Tusc, v, 23).
[42] - Em santificação e em escândalo. - Isaías 8, 14.


Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: