O problema do mal

Teísmo é a visão de que existe um Deus, onipotente, onisciente e perfeitamente bom, uma visão compartilhada por cristãos, judeus e muçulmanos. A mais poderosa objeção ao teísmo sempre foi a objeção de que um ser perfeitamente bom procuraria impedir o sofrimento humano e o mal, e um ser onipotente seria capaz de fazê-lo; e assim, como os humanos sofrem muito, não pode haver Deus. Para rebater essa objeção, o teísta precisa explicar por que Deus, embora onipotente e perfeitamente bom, permitiria que os humanos sofressem. Fornecer tal explicação é fornecer o que é chamado de "teodiceia". Neste artigo, ofereço minha teodiceia, uma teodiceia - como ilustrarei - baseada nos ensinamentos de Cristo e seu desenvolvimento na tradição ortodoxa.

 Eu entendo que Deus é onipotente como ele sendo capaz de fazer qualquer coisa, isso é algo logicamente possível - por exemplo, ele poderia aniquilar o universo em um instante; mas incapaz de "fazer qualquer coisa logicamente impossível" (isto é, qualquer coisa cuja descrição envolva uma autocontradição) - por exemplo, ele não poderia me fazer existir e não existir ao mesmo tempo. A razão pela qual Deus não pode "fazer nada logicamente impossível" não é porque Deus é fraco, mas porque expressões como "faça-me existir e não exista ao mesmo tempo" não descrevem nada que faça sentido; nenhum estado de coisas constituiria "eu existindo e não existindo ao mesmo tempo". Deus sendo onisciente, eu vou entender da mesma forma, como o seu conhecimento de tudo que é logicamente possível conhecer. Se não for logicamente possível que alguém conheça nossas escolhas livres futuras, a onisciência de Deus não incluirá esse conhecimento. Mas é claro que será somente pela escolha de Deus que temos quaisquer escolhas livres e que existe tal limite para o seu conhecimento. Eu entenderei estar perfeitamente livre no sentido de que suas escolhas não são de modo algum limitadas pelas forças irracionais, como são as escolhas dos humanos. Deus só deseja fazer uma ação na medida em que ele vê uma razão para fazê-lo, isto é, na medida em que ele acredita que é uma boa ação fazê-lo. Sendo onisciente, ele sabe quais ações são boas e quais são melhores que outras. Então, se houver uma melhor ação para ele fazer em alguma situação, ele fará isso. Mas se houver duas ou mais melhores ações incompatíveis iguais (ou seja, duas ou mais ações igualmente boas e melhores do que qualquer outra ação possível) nessa situação, ele terá que escolher entre elas sem nenhum motivo (assim como temos que fazer). fazer quando em uma situação semelhante).

Deus, contudo, deve estar freqüentemente em uma situação em que não podemos estar, de ter uma escolha entre um número infinito de ações possíveis, cada uma das quais é menos boa do que alguma outra ação que ele possa fazer. Por exemplo, anjos e planetas e mamíferos herbívoros são coisas boas. Então, quanto mais deles melhor (dado que, no caso dos mamíferos, eles estão espalhados entre um número infinito de planetas, de modo que eles não se juntam). Assim, no entanto, muitas dessas criaturas que Deus cria, teria sido melhor se ele tivesse criado mais. (E ele ainda poderia ter criado mais, mesmo se ele criasse um número infinito deles.) Segue-se disto que devemos entender que Deus é perfeitamente bom no sentido de que ele fará muitas boas ações, não más ações, e o melhor ou igual melhor ação onde há um. Ao contrário de Leibniz, não podemos entender que Deus é perfeitamente bom no sentido de que ele faz o melhor de todos os mundos possíveis - pois não há melhor de todos os mundos possíveis; qualquer mundo que Deus faz, ele poderia ter feito um mundo melhor. O problema do mal não é o problema de que este mundo não é o melhor de todos os mundos possíveis. É o problema que parece que Deus permite que ocorra ou provoque muitos estados de coisas intrinsecamente ruins - sofrimento e transgressão.

Eu argumentarei agora, porém, que não é um ato ruim (ou mau) permitir ou provocar estados de coisas ruins (ou maus), desde que certas condições sejam satisfeitas, e eu sugeriria que elas estão satisfeitas no caso do males deste mundo. Daí os males do mundo, o sofrimento e a injustiça que (em virtude de sua onipotência) ele certamente poderia impedir se ele assim escolhesse, não fornecessem evidência contra a existência de Deus.

Um humano não deixa de ser bom para permitir que algum mal ocorra (por exemplo, permitir que alguém sofra), desde que permitir esse mal seja a única maneira de promover algum bem, desde que ele promova esse bem, desde que ele tem o direito de permitir que o mal ocorra (ou seja, é moralmente permitido para ele fazê-lo), e desde que o bem seja bom o suficiente para arriscar a ocorrência do mal. Por exemplo, um pai humano pode levar uma criança ao dentista e permitir que ela sofra com um dente sendo preenchido, para o bem de sua saúde dentária subseqüente, desde que essa seja a única maneira pela qual ele possa promover esse bom estado, e como um pai, ele tem o direito de fazer isso pela criança. A última cláusula é importante. Nenhum estranho completo tem o direito de levar uma criança ao dentista para que seu dente seja preenchido sem a permissão dos pais da criança, mesmo que ela promova um bom estado. Agora nós, seres humanos, não podemos sempre dar uma saúde dental à criança sem que ela tenha que sofrer, mas Deus poderia. É apenas o logicamente impossível que ele é incapaz de fazer. Então extrapolando do caso de sofrimento para o caso de males em geral, e desse caso para o caso de Deus que pode fazer qualquer coisa logicamente possível, sugiro que Deus possa permitir que um mal E ocorra, compatível com sua bondade perfeita, por tanto tempo como quatro condições são satisfeitas.

Primeiro, deve ser logicamente impossível para Deus produzir algum bem G de qualquer outro modo moralmente permissível do que permitir que E (ou um mal igualmente mau) ocorra. Por exemplo, é logicamente impossível que Deus nos dê livre-arbítrio libertário para escolher entre o bem e o mal (ou seja, livre-arbítrio para escolher entre estes, apesar de todas as influências causais às quais estamos sujeitos); e ainda nos leva a escolher o bem. É logicamente impossível para Deus trazer o bem de nós tendo uma escolha livre, sem permitir que o mal de uma má escolha ocorra (se é isso que escolhemos). Em segundo lugar, Deus provoca G. Assim, se ele permite que o mal de nós faça escolhas erradas, ele deve ter nos dado o livre arbítrio para escolher entre o bem e o mal. Em terceiro lugar, Deus tem que ter o direito de permitir que E ocorra (isto é, deve ser moralmente permissível para ele permitir que E ocorra). E finalmente, algum tipo de condição comparativa deve ser satisfeita. Não pode ser tão forte quanto a condição de que G seja melhor que E é um mal. Pois, obviamente, muitas vezes somos justificados, a fim de garantir a ocorrência de um bem substancial em arriscar a ocorrência de um mal maior. Uma maneira formal plausível de captar essa condição é dizer que o valor esperado de permitir que E ocorra - dado que Deus provoca G - deve ser positivo. (Ou, mais vagamente, a quantidade provável de mal que resultaria de permitir que E ocorresse deve ser menor que a bondade de G.) Eu resumirei a afirmação, com respeito a algum mal E, que se há um Deus, ele poderia, de forma compatível com sua bondade perfeita, permitir que ocorresse para promover um bom G, como a alegação de que E serve um bem maior.

Segue-se que, se os únicos bons estados fossem prazeres sensoriais, Deus não estaria justificado em permitir que qualquer um dos males do mundo ocorresse; pois nem mesmo a primeira condição seria satisfeita com relação a esses males. Deus poderia eliminar todas as dores sensoriais e toda a aflição e aflição mental e qualquer outra coisa que esteja errada com o mundo, e dar às criaturas sencientes (incluindo a nós mesmos) infinitos estados sensoriais felizes do tipo causado - me disseram - pela heroína. Daí a existência dos males do mundo contaria conclusivamente contra a existência de Deus. Então, o que um teísta deve manter é que existem muitos bons estados adicionais aos prazeres sensoriais que Deus não pode (logicamente) trazer sem permitir que os males ocorram.

Ora, não é plausível supor que sabemos quais são os possíveis bons estados que os males poderiam servir; e assim pode parecer que não há irracionalidade em um teísta alegando que todos os males do mundo servem bens maiores, embora ele não possa dizer em sua maior parte o que eles são. Pois se existe um Deus, esses males devem servir a um bem maior. (Caso contrário, Deus não permitiria que ocorressem). E se você tem razões muito fortes para supor que existe um Deus, você tem razões muito fortes para supor que elas servem a um bem maior. O problema é que, à primeira vista, muitas pessoas parecem bastante óbvias que muitos dos males do mundo não poderiam servir a um bem maior. Para muitas pessoas, parece que a dor incurável, a crueldade para com as crianças, o comércio de escravos no século XVIII etc. não poderiam servir a bens maiores - não porque afirmam saber quais são todos os bens possíveis, mas porque afirmam saber o suficiente sobre eles sabe que pelo menos uma das condições não pode ser satisfeita com relação a alguns dos males - por exemplo, que um Deus não teria o direito de permitir que ocorressem em prol de qualquer bem maior, ou que os únicos bens que alguns desses males poderiam servir são aqueles que de fato não ocorrem (embora, dados os males, Deus pudesse trouxeram sobre eles). Quase todas as pessoas, incluindo a meu ver a maioria dos crentes religiosos, que não têm uma forte crença de que existe um Deus, tendem a pensar à primeira vista que muitos dos males do mundo não servem a bens maiores - e que a existência do mal parece constituir um forte argumento contra a existência de Deus. É para essas pessoas que a teodiceia é abordada.

Minha opinião é, no entanto, que, apesar do que parece ser o primeiro caso, as quatro condições são satisfeitas com relação a todos os tipos conhecidos de mal. No entanto, é evidente que não posso mostrar isso em detalhes em um breve artigo. Mas posso dar razão para acreditar que essas condições são satisfeitas para alguns tipos principais de males dos quais os humanos sofrem, e que - espero - começarão a tornar plausível que o argumento do mal contra a existência de Deus não funcione.

Começo apontando maneiras pelas quais a primeira condição é satisfeita para vários tipos de mal e começo com o mal moral (isto é, o mal que deliberadamente ou por negligência os humanos causam um ao outro). Já aludi à defesa tradicional do livre arbítrio, que indica que uma escolha livre (libertária) entre o bem e o mal (logicamente) só pode ser conseguida permitindo que o agente cause o mal. Mas uma escolha livre que não fizesse diferença para o mundo não seria uma escolha tão valiosa como uma que fizesse a diferença. Seria um grande bem para os humanos terem escolhas livres libertárias que nos permitem exercer uma responsabilidade genuína por outros humanos, e isso envolve a oportunidade de beneficiá-los ou prejudicá-los. Deus tem o poder de beneficiar ou prejudicar os seres humanos. Se outros agentes receberem uma parte de seu trabalho criativo, seria bom que também tivessem esse poder (embora talvez em menor grau). Um mundo em que os agentes podem se beneficiar mutuamente, mas não podem causar danos uns aos outros, é um em que eles têm apenas uma responsabilidade muito limitada um pelo outro. Se a minha responsabilidade por você se limitar a fornecer ou não o modelo mais recente de videofone, mas não puder causar dor, impedir seu crescimento ou limitar sua educação, não tenho muita responsabilidade por você. Um Deus que deu aos agentes apenas responsabilidades tão limitadas por seus companheiros não teria dado muito. Deus teria reservado para si a escolha mais importante do tipo de mundo que deveria ser, enquanto simplesmente permitia aos humanos a menor escolha de preencher os detalhes. Ele seria como um pai pedindo a seu filho mais velho que cuide do filho mais novo, e acrescentando que ele estaria observando cada movimento do filho mais velho e interviria no momento em que o filho mais velho fizesse algo errado. O filho mais velho poderia justamente retrucar que, enquanto ele ficaria feliz em compartilhar o trabalho de seu pai, ele só poderia fazê-lo se fosse deixado para fazer seus próprios julgamentos sobre o que fazer dentro de uma gama significativa de opções disponíveis para o pai. Um bom Deus, como um bom pai, delegará responsabilidade. Mas, para permitir que as criaturas participem da criação, Deus deve permitir-lhes a escolha de ferir e mutilar, de frustrar o plano divino. Assim, ao permitir tal ferir e mutilar, Deus possibilita que o grande bem dos seres humanos escolha livremente beneficiar (ao invés de prejudicar) um ao outro e, assim, cooperar no plano de Deus. Jesus ensinou que é bom para nós ajudarmos os outros, dizendo: "É mais abençoado dar do que receber" [2]. Ou ainda: "Você sabe que entre os gentios aqueles que eles reconhecem como seus governantes dominam sobre eles; e seus grandes exercem autoridade sobre eles. Mas não é assim entre vocês; mas quem quiser tornar-se grande entre vós será teu servo, e quem quiser ser o primeiro entre vós será o escravo de todos. Pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos. [3] Esta passagem classicamente liga a grandeza ao serviço, e é mais plausível que se diga que a grandeza consiste no serviço.

Mas as boas escolhas humanas não são meramente boas em si mesmas e em virtude de suas consequências imediatas. Todas as escolhas humanas são formadoras de caráter - cada boa escolha facilita a escolha da próxima escolha - os agentes podem formar seus próprios personagens. Aristóteles notoriamente comentou: "nos tornamos apenas fazendo atos, prudentes fazendo atos prudentes, corajosos fazendo atos corajosos". [4] Isto é, fazendo um ato justo quando é difícil - quando isso vai contra nossas inclinações naturais (isto é, nossos desejos) - tornamos mais fácil fazer um ato justo na próxima vez. Podemos gradualmente mudar nossos desejos, de modo que, por exemplo, fazer apenas atos se torne natural. Assim, podemos nos libertar do poder dos desejos menos bons aos quais estamos sujeitos. Mas, novamente, o grande bem de termos a livre escolha da formação do caráter (escolher o tipo de pessoa que devemos ser) só pode (logicamente) ser tido, se houver o perigo de nos permitir corromper nossos personagens (tornar-se maus pessoas).

Os seres humanos, afirma o livro de Gênesis, são feitos "à imagem de Deus" [5] e os Padres entendidos como uma característica central dessa imagem de que temos livre-arbítrio; se usarmos da maneira certa, seremos conformados com a "semelhança" de Deus. No quarto século, por exemplo, São Gregório de Nissa escreveu que "preeminente" entre todas as facetas dessa imagem "é o fato de que estamos livres da necessidade, e não em escravidão a qualquer poder natural, mas temos decisão em nosso próprio poder como nos agrada. [6] No século VIII, São João de Damasco escreveu que "todo homem é dito feito à imagem de Deus, no que diz respeito à dignidade de seu intelecto e alma - no que diz respeito, isto é, a qualidade no homem que não pode ser examinada nem observada, é imortal e dotada de livre arbítrio, e em virtude da qual ele governa, gera e constrói. [7] E no final do período patrístico oriental, no século XIV, Gregório Palamas escreveu que "não é em virtude de qualidades naturais, mas em virtude daquilo que se alcança através da livre escolha que se está próximo ou distante de Deus". [8] E São Gregório enfatizou, como outros fizeram também, que parte do grandeza da alma humana é que ela tem 'uma capacidade de soberania': [9] t A alma humana "negligencia o universo e tem todas as coisas sob seus cuidados". [10] Ou seja, na minha terminologia, a glória dos seres humanos não é apenas seu livre arbítrio, mas a responsabilidade pelas grandes conseqüências resultantes do exercício desse livre arbítrio.

Agora considere o mal natural, que é maligno de um tipo que não pode ser evitado pelos humanos, como o mal do sofrimento causado por um tipo de doença atualmente inevitável. O que é conhecido como a defesa dos "bens de ordem superior" indica que certos tipos de livre escolha especialmente valiosa só são possíveis como respostas aos males. Eu posso (logicamente) apenas mostrar coragem em suportar meu sofrimento se estou sofrendo (um estado perverso). Meu sofrimento pela doença quando tenho a forte tentação de autopiedade me dá a oportunidade de demonstrar coragem. É bom que tenhamos a oportunidade (ocasionalmente) de fazer tais ações que envolvem resistir a grandes tentações, porque assim manifestamos nosso compromisso total com o bem. (Um compromisso que não assumimos quando a tentação de fazer o contrário não é forte não é um compromisso total.)

Também é bom que entre as boas ações que devemos ter a oportunidade (ocasional) de fazer é ajudar os outros que estão sofrendo e privados, mostrando simpatia por eles e ajudando-os a lidar. A ajuda é mais significativa quando é mais necessária e é mais necessária quando o destinatário está sofrendo e é privado. Mas eu posso (logicamente) apenas ajudar os outros que estão sofrendo se houver o mal de seu sofrimento. Nesses casos, se existe um Deus, ele torna possível o bem das escolhas livres de tipos particulares, entre o bem e o mal, que - logicamente - ele não poderia nos dar sem permitir que os males (ou males igualmente ruins) ocorressem. Ou melhor, é a única maneira moralmente permissível em que ele poderia nos dar essa liberdade. Ele pode, é verdade, nos dar a escolha entre tentar ajudar os outros ou se recusar a fazê-lo (uma escolha que plausivelmente daria tanta oportunidade para manifestar nossos compromissos com o bem ou o mal) sem a possibilidade de qualquer sofrimento real. Pois Deus poderia fazer um mundo basicamente enganoso em que outras pessoas pareciam estar com muita dor quando na verdade não eram. Mas, em tal situação, primeiro não teríamos a real responsabilidade pelos outros, o que é um grande bem. E, em segundo lugar, não seria moralmente permissível - na minha opinião - que Deus fizesse um mundo em que as pessoas fossem motivadas a ajudar os outros com grande custo quando os outros não precisassem realmente de ajuda alguma. Deus, se ele não é para nos enganar e ainda nos dar uma verdadeira escolha livre entre ajudar e não ajudar os outros, deve criar um mundo onde os outros realmente sofram. E apenas permitir o sofrimento causado pelo mal moral não daria muitas oportunidades para as escolhas que envolvem resistir a grandes tentações; Para isso, precisamos de doença, acidente e a fraqueza da velhice.

Que o sofrimento é uma bênção para o sofredor nas oportunidades que ele fornece para a ação heróica e a formação do caráter é um tema constante na espiritualidade do cristianismo ortodoxo. Assim, São Pedro de Damasco escreveu:

'Através do que é considerado como dificuldades, alcançamos um estado de paciência, humildade e esperança de bênçãos na era a ser; e por essas chamadas dificuldades, quero dizer coisas como doença, desconforto, tribulação, fraqueza, aflição insensata, escuridão, ignorância, pobreza, infelicidade geral, medo da perda, desonra, aflição, indigência e assim por diante. [11]

Esses "dons", como São Pedro os chama, nos permitem (mas não nos obrigam) a responder da maneira certa a eles, por ações de um tipo que de outra forma não teríamos a oportunidade de fazer. O ponto da pobreza é que "alguém pode suportá-lo com paciência e gratidão"; o ponto da doença é "para que se possa ganhar a coroa da paciência". E esses dons fornecem oportunidades para outros que têm os dons opostos, para responder da maneira correta. A riqueza, escreve São Pedro, nos permite "realizar atos de caridade"; e ele comenta depois que "sem os pobres" os ricos não podem salvar suas almas ou fugir das tentações da riqueza. A saúde nos permite "ajudar os necessitados e realizar o trabalho digno de Deus". E assim por diante.

 Também é bom que entre as escolhas disponíveis para os seres humanos deva ser a escolha, não apenas de ajudar os outros a lidar com males naturais tais como doenças, mas de se reduzir o número de tais males naturais no futuro, e. prevenir doenças. Mas para ter essa escolha, precisamos saber o que causa esses males. A maneira normal pela qual nós (os cientistas entre nós, apoiados pelo dinheiro de nós) tentamos descobrir essas coisas é o caminho indutivo. Ou seja, procuramos descobrir os processos naturais (bactérias, vírus, etc.) que provocam doenças, e depois construímos e testamos mais as teorias dos mecanismos envolvidos. Mas os cientistas só podem fazer isso se houver processos regulares produzindo as doenças, e eles só podem aprender o que são estudando muitas populações e estudando em que circunstâncias alguma doença é transmitida e sob a qual não é. Assim, para o grande bem desta escolha de investigar (ou, alternativamente, não se preocupar em investigar), é necessário o mal necessário da doença real. Se os seres humanos tiverem a grande oportunidade de dedicar suas vidas à pesquisa científica para benefício humano ou não se incomodarem em fazê-lo, é preciso que haja pessoas doentes para tornar isso possível. Muitos dos primeiros Padres Cristãos viram a racionalidade (da qual a capacidade de perseguir tal investigação científica é um exemplo paradigmático) juntamente com o livre arbítrio como as duas coisas que os seres humanos tinham que constituíam o seu ser feito "à imagem" de Deus. Assim, São João Damasceno escreveu que Deus "cria com as próprias mãos um homem de natureza visível e invisível, segundo a sua própria imagem e semelhança: por um lado, o corpo do homem ele formou da terra, por outro a sua alma racional e pensante... A frase “segundo a sua imagem” refere-se claramente ao lado da sua natureza que consiste em mente e livre arbítrio, enquanto que “à sua semelhança” significa semelhança em virtude tanto quanto possível ”[12].

Mesmo assim, você pode perguntar: não seria melhor se Deus plantasse em nós fortes crenças verdadeiras sobre as causas de todas as doenças e outros males naturais, e depois nos deixasse com a opção de curá-las ou não? Ter a oportunidade de exercer a racionalidade do modo indutivo vale o preço? Contudo, se Deus abolisse a necessidade de investigação racional e nos desse fortes crenças verdadeiras sobre as causas das coisas, isso reduziria grandemente a dificuldade de tomar decisões morais, e assim tornaria muito menos fácil para nós mostrarmos total compromisso com o bem e com a forma. personagens heroicos. Como as coisas estão no mundo real, a maioria das decisões morais são decisões tomadas na incerteza sobre as conseqüências de nossas ações. Não sei ao certo que, se fumar, vou ter câncer; ou que se eu não der dinheiro para alguma caridade, as pessoas morrerão de fome. Portanto, temos que tomar nossas decisões morais com base em quão provável é que nossas ações tenham vários resultados - como é provável que eu tenha câncer se continuar a fumar (quando, de outra forma, não teria câncer), ou que alguém vai morrer de fome se eu não der (quando eles não morreriam de outra forma). Essas decisões sob incerteza não são meramente as decisões morais normais; eles também são os mais difíceis. Como as probabilidades são tão difíceis de avaliar, é muito fácil convencer-se de que vale a pena correr o risco de não resultar em nenhum dano da decisão menos exigente (isto é, a decisão que você tem um forte desejo de tomar). E mesmo que você enfrente uma avaliação correta das probabilidades, a verdadeira dedicação ao bem é mostrada ao fazer o ato que, embora seja provavelmente a melhor ação, pode não ter nenhuma boa conseqüência.

Então, tanto para nos dar a oportunidade de lidar com questões importantes, exercendo nossa racionalidade e para nos dar a oportunidade de mostrar nosso compromisso com o bem mais fortemente, fazendo nossas escolhas em uma situação de incerteza, é bom que Deus não deve nos levar a nascer com fortes crenças verdadeiras sobre as conseqüências de nossas ações, e para que possamos ter a oportunidade de escolher se devemos ou não buscar um conhecimento mais certo das conseqüências de nossas ações. Isso envolverá obter mais dados sobre as consequências dos eventos, por ex. dados do passado sobre o que aconteceu com as pessoas que fumaram no desconhecimento da possibilidade de que o fumo cause câncer. Buscar conhecimento mais seguro, em outras palavras, envolve mais uma vez confiar na indução normal; e isso requer a existência de males naturais.

Qual é o próximo critério (2)? Mostrei que vários tipos de mal são necessários para o exercício de um livre-arbítrio (libertário) que faz importantes diferenças para nós mesmos, para o outro e para o mundo. Mas nós realmente temos livre arbítrio nesse sentido de liberdade para escolher o que fazer, dadas todas as causas que nos influenciam, de tal modo que nossas escolhas fazem diferença para nossos estados cerebrais e para quais ações públicas nós realizamos? Quando fazemos nossas escolhas, parece-nos que depende de nós como escolhemos, e é um princípio básico de racionalidade que é provável que as coisas sejam como parecem estar na ausência de razão contrária. Não creio que haja qualquer razão adequada para negar que as coisas são como nos parecem a esse respeito. Costumava-se afirmar que a ciência mostrou que a natureza é determinista e, portanto, nossas escolhas devem ser causadas. Mesmo que a ciência tenha mostrado que isso é válido no mundo físico (isto é, público), uma descrição completa do que há no mundo terá que incluir eventos mentais (isto é, sensações, pensamentos, intenções, etc.). Os eventos mentais são tão diferentes dos eventos físicos (incluindo os eventos cerebrais com os quais muitos eventos mentais estão correlacionados), que seria totalmente injustificável argumentar do caráter determinista do físico para qualquer caráter determinístico do mental. Mas então afirma-se que a ciência mostrou que o reino físico está fechado, isto é, os eventos físicos causam e são causados ​​apenas por eventos físicos e, portanto, mesmo que nossa vontade seja livre, não faz diferença para o mundo. A ciência, no entanto, não demonstrou tal coisa. Para muito claramente, nossos eventos cerebrais (físicos) causam eventos mentais - se você enfiar uma agulha em mim, sinto dor. E quase igualmente claramente os eventos mentais fazem diferença nos eventos físicos - o que me faz dizer que sinto dor (um evento físico) é minha dor (um evento mental). Isso é evidente para cada um de nós em nosso próprio caso; e se não pensássemos nisso, não teríamos razão para acreditar no que alguém nos diz sobre sua vida mental, porque eles seriam levados a pronunciar as palavras que fazem, não por ter dor, mas apenas por algum estado cerebral que nós não teria razão para supor estar correlacionado com uma dor. O reino físico não está fechado. Além disso, de acordo com o que considero ser a visão majoritária entre os físicos, a teoria quântica mostrou que, na pequena escala, o mundo físico não é de forma alguma determinista. Enquanto o indeterminismo de pequena escala pode normalmente se igualar em maior escala (se cada átomo tiver 50% de chance de decair dentro de um certo período, aproximadamente metade de um bloco de tamanho médio de tais átomos irá decair dentro desse período), é fácil o suficiente para construir sistemas nos quais mudanças indeterminísticas de pequena escala produzem efeitos de larga escala. O cérebro parece um sistema desse tipo, no qual pequenas mudanças são massivamente ampliadas. Nesse caso, qualquer ação do mundo mental no cérebro nem sequer interromperia o funcionamento das leis físicas normais, ou seja, as leis da teoria quântica. Portanto, concluo que, embora essa questão não seja certamente resolvida, é razoável supor, na ausência de evidências contrárias, que temos livre-arbítrio libertário e que nosso exercício disso faz diferença para o que fazemos no mundo público. Se, no entanto, eu estiver errado e não tivermos livre arbítrio libertário eficaz, alguns dos meus argumentos subsequentes não serão convincentes. [13] Dado que temos livre-arbítrio libertário, é certamente o livre arbítrio responsável - nossas ações fazem as grandes diferenças para nós mesmos. e uns aos outros que ilustrei e, portanto, temos uma séria responsabilidade por nós mesmos e uns pelos outros.

Então, dado que existem bens e males para os quais as condições (1) e (2) são satisfeitas, o que dizer da condição (3)? Deus tem o direito de causar ou permitir que o mal aconteça aos seres humanos em prol de algum bem maior? O problema pode parecer mais agudo, pois em muitos casos, incluindo alguns mencionados acima, o bem para um indivíduo é promovido pelo mal sofrido por um indivíduo diferente. Deus tem o direito de fazer você sofrer em meu benefício?

Para permitir que alguém sofra por seu próprio bem ou pelo bem de outra pessoa, é preciso ter algum tipo de relação paternal com ele. Eu não tenho o direito de deixar algum estranho, Joe Bloggs, sofrer para o seu próprio bem ou o de Bill Snoggs, mas eu tenho algum direito deste tipo em relação aos meus próprios filhos. Posso deixar meu filho sofrer um pouco para seu próprio bem ou para o bem de seu irmão mais velho - como quando confio o mais novo ao cuidado temporário do mais velho, com o risco de que o mais velho possa ferir o mais novo. Ou eu posso mandar minha filha para uma escola de bairro que ela pode não gostar muito, mas que beneficiará outras da vizinhança. Eu tenho esse direito em relação a um filho meu, porque em parte sou responsável por sua vida e por tantas das coisas boas que envolve. É porque o pai (que não é apenas um pai biológico, mas também um pai que nutre) é a fonte de muito bem para a criança que ele tem o direito de tomar parte dela (ou seu equivalente) de volta se necessário (por exemplo, na forma da vida tendo aspectos ruins). Se a criança pudesse entender, ele entenderia que o pai dá vida, nutrição e educação, sujeito à possível retratação de parte do presente. Se isto é correto, então a fortiori, um Deus que é, ex hypothesi, muito mais a fonte de nosso ser do que nossos pais, tem muito mais direitos a esse respeito. Porque dependemos dele totalmente de momento a momento, e a capacidade de pais e outros nos beneficiarem depende dele. Mas deve permanecer o caso de que os direitos de Deus são limitados pela condição de que ele não deve, com o tempo, recuperar mais do que ele dá. Ele deve estar em equilíbrio um benfeitor.

Mas muitas vezes parece haver vidas em que o mal supera o bem, sobre o qual dizemos que seria melhor para tal pessoa não ter vivido. Exorto, no entanto, que esta seja uma avaliação errada de muitas vidas, porque não leva em conta um bem que até agora não mencionei - o bem de ser útil aos outros. É um bem enorme para qualquer um ser útil - seja pelo que eles fazem por livre escolha, ou pelo que fazem involuntariamente ou pelo que acontece com eles, incluindo o que sofrem. Ajudar alguém livremente é claramente um grande bem para o ajudante. Muitas vezes ajudamos os prisioneiros, não dando-lhes quartos mais confortáveis, mas deixando-os ajudar os deficientes; e pena em vez de invejar a “pobre menina rica” que tem tudo e não faz nada por ninguém. E um fenômeno que prevaleceu na Europa Ocidental contemporânea nos últimos anos chama a atenção para esse bem especialmente - a maldade do desemprego. Por causa de nossos sistemas de seguridade social, os desempregados em geral têm dinheiro suficiente para viver sem muito desconforto; Certamente, são muito melhores do que muitas empregadas na África, na Ásia ou na Grã-Bretanha do século XIX. O que é mal sobre o desemprego contemporâneo na Europa Ocidental não é tanto a pobreza resultante, mas a inutilidade dos desempregados. Eles freqüentemente relatam sentir-se desvalorizado pela sociedade, sem utilidade, “no lixo”. Eles acham, com razão, que seria bom para eles contribuírem; mas eles não podem.

Não são apenas as ações intencionais escolhidas livremente, mas também as realizadas de maneira involuntária, que têm boas conseqüências para outras que constituem um bem para aqueles que as realizam. Se os desempregados fossem obrigados a trabalhar para algum propósito útil, eles certamente estariam certos em considerar isso como um bem para eles em comparação com o fato de serem inúteis. E não são apenas ações intencionais, mas experiências sofridas involuntariamente (ou recusa involuntária de boas experiências, como por morte) que têm boas conseqüências que constituem um bem para quem as possui (mesmo que um bem menor do que uma ação intencional livre causando essas conseqüências). Considere o recruta morto em uma guerra justa e finalmente bem-sucedida em defesa de seu país contra um agressor tirânico. Quase todos os povos, além daqueles do mundo ocidental em nossa geração, reconheceram que morrer pelo país é um grande bem para aquele que morre, mesmo que ele tenha sido recrutado. Considere também alguém ferido ou morto em um acidente, onde o acidente leva a alguma reforma que previne a ocorrência de acidentes semelhantes no futuro (por exemplo, alguém morto em um acidente ferroviário que leva à instalação de um novo sistema de sinalização ferroviária que impede semelhante acidentes no futuro). A vítima e seus parentes costumam comentar em tal situação que, de qualquer forma, ele não sofreu nem morreu em vão. Embora eles ainda considerem normalmente o sofrimento ou a morte como um mal em equilíbrio, eles teriam considerado uma desgraça maior para a vítima (independentemente das conseqüências para os outros) se seu sofrimento ou morte não servisse a nenhum propósito útil. É bom para nós que nossas experiências não sejam desperdiçadas, mas usadas para o bem dos outros, se elas são o meio de um benefício, o que não teria chegado a outras pessoas sem elas.

Alguém pode objetar que o bem para a vítima não está (e. G.) Morrendo em um acidente de trem quando isso leva a melhores medidas de segurança, mas morrendo em um acidente ferroviário quando você sabe que resultarão em medidas de segurança aprimoradas; e, mais genericamente, que o bem é a experiência (o "sentir bem") de ser útil, não meramente de uso. Mas isso não pode estar certo. Para o que se alegra quando se aprende que o sofrimento (ou o que quer que seja) teve um bom efeito, não é que se aprenda, mas que de fato teve um bom efeito. Se alguém não pensasse assim - quer se soubesse ou não - seria bom que o sofrimento tivesse algum efeito, não ficaria satisfeito quando se soubesse disso. Para fazer uma analogia, é só porque acho que é bom você passar nos exames, mesmo que eu não saiba, fico feliz em saber disso. E assim geralmente. É claro que é um bem ainda mais que se tenha uma crença verdadeira de que o sofrimento de alguém teve um bom efeito; mas isso só pode ser porque é bom em si mesmo que tenha tido esse efeito. E se uma coisa que é boa quando se aprende sobre isso é que não apenas os outros beneficiaram de alguma forma, mas que pelo próprio sofrimento alguém tem sido útil em causar esse efeito, então isso é bom mesmo se não se aprende sobre isto.

Segue-se do ser-de-uso ser um grande bem que sempre que Deus permite que algum mal ocorra a B (por exemplo, causa B a sofrer) a fim de proporcionar algum bem para A (por exemplo, a livre escolha de como reagir a esse sofrimento) que B também é beneficiado - sua vida não é desperdiçada, ele é útil (seja por suportar algum mal ou por sua disponibilidade para fazê-lo). Ele é útil para A, mas também de utilidade para Deus; ele desempenha um papel no plano de Deus para A. E ser útil para a boa fonte de estar na redenção de sua criação é um bem enorme. Os famintos, os perseguidos e os maltratados são úteis para os ricos de cuja porta aparecem, porque - mas para eles - os ricos não teriam oportunidade de ser úteis. Eles são o veículo pelo qual somente os ricos podem ser salvos da auto-indulgência e aprender a generosidade. E assim eles são úteis para o próprio Deus.

Quando se leva em conta que aqueles cujo estado perverso é o meio de grande bem para os outros (e, é claro, também para si mesmos) também recebem esse enorme benefício, torna-se plausível supor que Deus tem o direito de causar o mal. Pois, como você pesa um contra o outro, o mal carrega consigo o grande bem do uso, o que contribui para tornar as vidas das vítimas equilibradas em boas vidas, e assim aquelas em que Deus tem o direito de inclua algum mal. Mas, devo acrescentar, se alguma vida na Terra ainda está em equilíbrio, Deus tem o dever de compensar o mal no pós-vida, de modo que a vida total de tal indivíduo seja equilibrada. Isso, em sua onipotência, ele pode fazer.

Que isso é bom para nós, não apenas se escolhermos livremente servir aos outros ou servir a Deus, mas se formos úteis aos outros ou a Deus pelo que sofremos é também um tema do Novo Testamento. Em vários lugares, ensina que os que sofrem em conseqüência de sua escolha em confessar o nome de Cristo têm a sorte de poder ter um papel tão significativo na proclamação do Evangelho. Os apóstolos espancados por pregar o Evangelho regozijaram-se "por terem sido considerados dignos de sofrer pelo nome". [14] E São Paulo escreveu aos Colossenses que ele "se alegrou" [15] em seus sofrimentos por causa deles.

Eu chego finalmente à quarta condição comparativa. Alguém pode concordar comigo que é preciso uma quantidade substancial de vários tipos de mal, a fim de proporcionar as oportunidades para vários bens. Mas ele pode sentir que há muito mal no mundo pelo bem que é possível. Não há apenas o bem suficiente possibilitado por Hiroshima, o tráfico de escravos, o terremoto de Lisboa ou a peste negra, afirma o objetor. Com a objeção de que, se existe um Deus, ele exagerou, sinto uma considerável simpatia inicial. E quando eu agora procuro justificar a Deus permitindo essas coisas, espero que você não pense que sou insensível. Essas são coisas horríveis e, quando acontecem com as pessoas, devemos chorar. Mas em momentos mais frios (e espero que este seja um deles), devemos analisar as questões lógicas da maneira mais rigorosa e desapaixonada possível, e levar muito a sério os bens que os males tornam possíveis. O que torna estes maciços males é principalmente o número de pessoas envolvidas. Mas se cada sofrimento de mil pessoas é tal que minhas quatro condições sejam satisfeitas para ele, então o sofrimento do mil todo também será tal que essas condições sejam satisfeitas. Assim, uma vez que uma pessoa que está sendo mutilada no terremoto de Lisboa deu a essa pessoa a oportunidade de mostrar coragem, e seus parentes tiveram a oportunidade de mostrar compaixão e ajuda, então mil pessoas sendo mutiladas forneceram mil oportunidades como essa. Cada pequeno acréscimo ao número de doentes faz um pequeno acréscimo ao número daqueles que podem fazer boas escolhas sérias; e cada pequena diminuição de portadores faz uma pequena diminuição no número daqueles que podem fazer sérias boas escolhas. Talvez exista um novo tipo de mal (além do sofrimento) envolvido, se toda uma comunidade sofre além do sofrimento de todos os seus membros. Se isso acontece às vezes - por exemplo, toda uma comunidade com todas as suas tradições deixando de existir pode ser um mal além do sofrimento de seus membros, também é comum que males em larga escala proporcionem oportunidades adicionais para boas respostas ( além daquelas disponíveis para indivíduos afetados pelo sofrimento) na forma de campanhas mundiais para ajudar as vítimas (como aconteceu, por exemplo, com o recente tsunami asiático), e também campanhas para evitar que tais horrores aconteçam novamente. (Os horrores causados ​​pelo furacão Katrina em Nova Orleans levaram a campanhas para fazer grandes melhorias nas defesas contra inundações.)

Às vezes o problema com grandes males não é o número de sofredores, mas o grau do sofrimento. Se existe um Deus, não é o sofrimento que ele impõe ou permite que outros imponham às vezes demasiado intenso para o bem que ele torna possível? Mas os males não importariam tanto se apenas os males menores ocorressem, e então não importaria muito se os ignorássemos. Permitindo que os males mais sérios ocorram às forças de Deus sobre pessoas que se permitiram viver de forma fácil (e assim se tornam insensíveis a exigências morais mais comuns), as escolhas difíceis que somente (dado seu torpor moral) lhes permitirão começar a se tornar sagradas. as pessoas em vez de mergulhar num egoísmo subumano. Tantas pessoas egoístas comuns que veem males de tortura séria ou doenças muito dolorosas são movidas para fazer aquelas escolhas que mudam a vida (que nenhum mal comum poderia levá-las a fazer), escolhas pelas quais elas eventualmente se tornarão santos. O que o objetor está pedindo é, sim, deve haver doenças, mas não aquelas que mutilam ou matam; acidentes que incapacitam as pessoas por um ano ou dois, mas não pela vida; Devemos ser capazes de causar um ao outro dor ou não ajudar uns aos outros para adquirir conhecimento, mas não para prejudicar nossos próprios personagens ou uns dos outros. E nossa influência deve ser limitada àqueles com quem entramos em contato; não deve haver possibilidade de influenciar gerações boas ou distantes. E a maioria das nossas crenças sobre como causar efeitos, bons ou maus, devem ser crenças com as quais nós nasceríamos. Tal mundo seria um mundo de brinquedo; um mundo onde as coisas importam, mas não muito; onde podemos escolher e nossas escolhas podem fazer uma pequena diferença, mas as escolhas reais permanecem de Deus. O objetor está pedindo que Deus não esteja disposto a ser generoso e confie em nós com seu mundo, e não nos dê oportunidades ocasionais para nos mostrarmos em nosso melhor heroico.

Mas certamente, diz o objetor, há um limite para o sofrimento que Deus seria justificado em causar pelo bem que torna possível. Sim, claro, existe tal limite. E há também um limite para a quantidade real de sofrimento que qualquer ser humano sofre (exceto por sua própria escolha). Há um limite de tempo - atualmente, são aproximadamente oitenta anos; e há claramente também um limite de intensidade. O que o objetor deve alegar é que o limite real é muito grande - se existe um Deus, ele pede demais de nós. Quando, no entanto, começamos a levar em conta os grandes benefícios, que discuti anteriormente, para o sofredor de ser privilegiado por seu sofrimento para dar aos outros a oportunidade de ajudá-lo e de si mesmo ter uma livre escolha de como lidar com seu sofrimento e forma Acredito que um caráter sagrado começa a ser uma considerável plausibilidade na alegação de que o benefício esperado de Deus, permitindo que a quantidade e o grau de sofrimento ocorram, o que de fato ocorre supera o mal do sofrimento.

Deixe-me ajudá-lo a ver isso através de um pequeno experimento mental que pode ser familiar para qualquer um de vocês que tenha lido qualquer um dos meus outros escritos. Suponha que você exista em outro mundo antes do seu nascimento neste, e tenha uma escolha quanto ao tipo de vida que você terá neste. É dito a você que você terá apenas uma vida curta, talvez de alguns minutos, embora seja uma vida adulta no sentido de que você terá a riqueza da sensação e da crença características dos adultos. Você tem uma escolha quanto ao tipo de vida que você terá. Você pode ter alguns minutos de prazer considerável, do tipo produzido por alguma droga, como a heroína, que você experimentará sozinho e que não terá nenhum efeito no mundo (por exemplo, ninguém mais saberá sobre isto); ou você pode ter alguns minutos de dor considerável, tais como a dor do parto, que terá (desconhecido para você no momento da dor) consideráveis ​​efeitos positivos ao longo de vários anos sobre outros que ainda não nasceram. É dito a você que, se você não fizer a segunda escolha, esses outros nunca existirão - e, portanto, você não tem obrigação moral de fazer a segunda escolha. (Obrigações morais são obrigações para alguém, e você só pode ter obrigações morais para com aqueles que existem em algum momento, passado, presente ou futuro.) Mas você procura fazer a escolha, que fará de sua própria vida a melhor vida para você. ter liderado. Como você vai escolher? A escolha é, espero, óbvia. Você deve escolher a segunda alternativa.

É claro que Deus seria louco para permitir que o sofrimento infinito desse infinitas oportunidades para o serviço doloroso; mas Deus não dá a nenhum de nós (exceto por nossa própria escolha) sofrimento sem fim. Ele permite sofrer, no máximo, pelo curto período de nossa vida terrena, a fim de que nessa vida possamos ajudar os outros e nos formarmos de formas profundamente significativas - e seríamos mais pobres sem essas oportunidades.

~

Richard Swinburne

[1]  Este artigo é em grande parte o mesmo que uma palestra proferida em Munster em 2007, e publicada em um volume de artigos discutindo meus escritos filosóficos, (ed.) N. Mössner e outros, Richard Swinburne: Filosofia Cristã no Mundo Moderno, Ontos Verlag, 2008; e publicado na web por gentil permissão na Ontos Verlag. O artigo resume os principais pontos do livro Providence and the Problem of Evil. Nesse livro eu discuto muitos tipos diferentes de males (tanto para animais como para humanos) adicionais aos discutidos neste artigo. Disponível em Oxford Philosophy Faculty.


NOTAS
[2] Como citado por São Paulo - veja Atos 20:35.
[3] Marcos 10: 42-5.
[4] Ética de Nicômaco 1103b.
[5] Gênesis 1:26.
[6] Sobre a realização do homem, 16.11.
[7] São João Damasceno, "Sobre as virtudes e os vícios", em G.E.H. Palmer, P. Sherrard e K. Ware (ed. E trad.), Philokalia, ii (Faber & Faber, 1981), 341.
[8] St Gregory Palamas, "Tópicos de Ciência Natural e Teológica", em G.E.H. Palmer, P. Sherrard e K. Ware (ed. E trad.), Philokalia, iv (Faber e Faber, 1995), 382.
[9] Ibid. 374
[10] Ibid. 356
[11] Extrato dos escritos de São Pedro em Philokalia op.cit. III, p. 174. Ver também São João de Damasco, Sobre a Fé Ortodoxa, 2:29, sobre os diversos estados bons que os estados ruins tornam possíveis.
[12] Sobre a Fé Ortodoxa 2:12.
[13] Para um argumento mais completo em favor da visão de que temos livre-arbítrio libertário, veja Mente, Cérebro e Livre-arbítrio, Oxford University Press, 2013, especialmente os capítulos 4, 5, 7 e 8.
[14] Atos 5:41.
[15] Colossenses 1:24.

Share on Google Plus

Sobre Paulo Matheus

Esposo da Daniele, pai da Sophia, engenheiro, gremista e cristão. Seja bem vindo ao blog, comente e contribua!

0 Comentário: